Pesquisar este blog

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

2 Coríntios 11:6

2 Coríntios 11:6 - E, se sou rude na palavra, não o sou contudo na ciência; mas já em todas as coisas nos temos feito conhecer totalmente entre vós.
E, SE SOU RUDE. Os adversários de Paulo se gabavam de serem pessoas eloquentes em seus discursos e em suas oratórias. Como na cidade de Corinto a oratória técnica era algo muito valorizado, então, até certo ponto, os falsos mestres ganhavam ponto para com aquela igreja. Quando o autor coloca o “se”, isso nos faz saber que ele estava usando de humildade em reconhecer que tinha suas dificuldades em apresentar uma pregação bem elaborada seguindo todas as técnicas da Homilética e da oratória.

NA PALAVRA. O apóstolo não está falando da sua pregação, porque pelas suas cartas e pelas revelações dadas por Cristo ao apóstolo dos gentios, ficamos sabendo que Paulo era profundamente conhecedor dos mistérios do evangelho das boas novas de Cristo e de tudo que envolve a nova dispensação da graça de Deus com a humanidade. Mas, certamente o autor se reporta a arte de pregar pela oratória perfeita tecnicamente.

NÃO O SOU CONTUDO. O fato é que, os cristãos legalistas de Jerusalém haviam chegado naquela comunidade cristã, e, portanto, estavam tentando implantar o evangelho da circuncisão no campo missionário gentílico conquistado por Paulo. Acredita-se que estes falsos mestres eram do apostolado da circuncisão, que desejavam implantar o mesmo regime judaico cristão da igreja matriz de Jerusalém.

NA CIÊNCIA. Os oponentes de Paulo poderiam ser melhores do que ele nas fábulas artificiais judaicas ou nas filosofias sufistas dos gnósticos, mas no que diz respeito à teologia cristã, o apóstolo dos gentios não perdia para ninguém, isso porque, o próprio Cristo o encheu do conhecimento do verdadeiro evangelho e de tudo que dizia respeito às doutrinas cristãs da nova dispensação. O profícuo trabalho missionário que Paulo desenvolveu no mundo gentílico dá testemunho em seu favor.

MAS JÁ EM TODAS AS COISAS. O escritor fala das várias provas que ele já havia dado tanto em Corinto, quanto nas demais igrejas por ele fundadas, do seu vasto campo de conhecimento que tinha dos mistérios de Deus em Cristo Jesus. Nem mesmo os mais excelentes dos apóstolos de Jerusalém tinham tanto conhecimento das revelações do evangelho das boas novas de Cristo, do que o apóstolo dos gentios, e isso é fato.

NOS TEMOS FEITO CONHECER. Durante seus trabalhos de evangelização em toda a extensão da cidade de Corinto, por meio de suas pregações, o apóstolo Paulo demostrou de todas as maneiras a grande dimensão do seu conhecimento do evangelho que pregava e defendia. Mas os seus adversários em Corinto, eram novatos, desconhecidos, que queriam ganhar pontos, simplesmente pela falácia.

TOTALMENTE ENTRE VÓS. Geralmente os falsos mestres, bem como os pregadores de heresias se camuflam por traz de uma retórica bem elaborada para enganar os mais simples do povo, e lamentavelmente arrastam para si mesmo, roubando a glória de Deus, alguns que exercem a fé cega. Todavia, o apóstolo Paulo, quando esteve entre os seguidores de Cristo em Corinto agiu sempre com transparência, mostrando quem realmente ele era, e revelando suas mais sinceras intenções, por palavras e atos.

sábado, 21 de outubro de 2017

2 Coríntios 11:5

2 Coríntios 11:5 - Porque penso que em nada fui inferior aos mais excelentes apóstolos.
PORQUE. Não é difícil de se descobrir que os avançados trabalhos de Paulo causava ciumeira naqueles que se achavam mais importantes do que ele, no ministério da igreja primitiva. E o fato do apóstolo dos gentios não fazer parte da cúpula de Jerusalém, buscavam de todas as maneiras desclassificarem seu ministério, e por cima de tudo, solapar sua autoridade apostólica. Até nos dias de hoje é assim, se tem um homem de Deus que exerce seu ministério de forma independente, sem se submeter aos caprichos das lideranças de sua denominação, esse tal passa a ser perseguido por aqueles que são considerados colunas da igreja, por ocuparem posições de destaque.

PENSO QUE. Paulo não queria neste ponto, nem mostrar as provas de seu apostolado, que já havia sido aprovado por Deus, mesmo contando com a resistência dos homens. O autor em sua humildade apenas chegava a imaginar que seus labores em prol do reino de Cristo lhe conferiam as credenciais de um obreiro digno de ser chamado apóstolo de Cristo. Além de que, a igreja de Cristo que estava na cidade de Corinto sabia de que Paulo era um homem de Deus, aprovado em tudo que realizava, e a existência daquela igreja era uma prova de que Deus estava com ele.

EM NADA. Os fatos históricos do cristianismo tem comprovado que o apóstolo dos gentios foi mais eficiente em seu ministério do que até mesmo os demais apóstolos que faziam parte da igreja matriz em Jerusalém. O grupo dos doze, da igreja matriz, concentraram suas atividades em Israel, e com isso, seus trabalhos não desenvolveram tanto, até porque naquele país, os judeus rejeitaram a Cristo, e, portanto, não receberam o cristianismo como uma religião oficial, pelo contrário, os seguidores do judaísmo, consideravam o cristianismo como uma seita herética, e, portanto, pagã.

FUI INFERIOR. Basta ler os relatos bíblicos registrados nas páginas do Novo Testamento, que se verifica que Paulo foi na realidade um gigante em seus labores em prol da igreja de Cristo. Percebe-se que os oponentes de Paulo na igreja de Corinto, buscavam diminuir a pessoa de Paulo, bem como rebaixar sua autoridade como apóstolo de Cristo. Porem, estes mesmos, teriam que nadar contra a correnteza, no sentido de que, os fatos comprovariam de que, o ministério de Paulo já estava consolidado no mundo gentílico, e que os demais apóstolos tinham que aceitar isso.

AOS MAIS EXCELENTES. Paulo como um homem educado e justo, reconhecia a grandeza e a importância dos apóstolos de Jerusalém, apesar de que por parte de alguns da igreja matriz não reconheciam sua autoridade como apóstolo de Cristo. Estes apóstolos mais excelentes sobre os quais se refere o escritor, certamente dizem respeito a Pedro, João e Tiago, que eram considerados colunas da igreja matriz de Jerusalém. Nem mesmo a estes que eram as principais lideranças da igreja de Cristo em Israel, o apóstolo Paulo se achava inferior em termos de autoridade eclesiástica.

APÓSTOLOS. Neste texto, descobrimos a possibilidade de um dos oponentes de Paulo na igreja de Cristo em Corinto ser o apóstolo Pedro, ou qualquer um dos demais apóstolos de Jerusalém. Por fim, pode ser alguém que usava o nome dos apóstolos.

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

2 Coríntios 11:4

2 Coríntios 11:4 - Porque, se alguém for pregar-vos outro Jesus que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou outro evangelho que não abraçastes, com razão o sofrereis.
PORQUE, SE ALGUÉM FOR PREGAR-VOS. Este elemento nocivo, na igreja de Cristo em Corinto se dizia pregador, mas que na verdade não passava de um herege que ensinava suas heresias maléficas por onde passava. Muito diferente de Paulo que era um autêntico pregador das boas novas de Cristo, uma vez que, sua mensagem era Cristocêntrica, e anunciava verdadeiramente o evangelho genuíno de Cristo Jesus.

OUTRO JESUS. Os judaizantes distorciam as profecias messiânicas do Velho Testamento para apresentar Jesus de Nazaré apenas como mais um dos profetas de Israel, tirando dele sua essência de divindade. Já os pregadores filosóficos e sufistas daquela mesma época, apresentavam Jesus apenas como uma figura filosófica, que por meio de suas homilias se destacou como um bom pregador de ideias religiosas.

QUE NÓS NÃO TEMOS PREGADO. Tanto Paulo, como seus amigos de ministério, quando estiveram entre os irmãos da igreja de Cristo em Corinto pregaram sobre o verdadeiro Jesus Cristo, ele que era homem, mas que também era Deus, porque ele era o Emanuel, ou seja, Deus entre os homens. A vida e o ministério de Jesus de Nazaré são provas irrefutáveis de que ele era o Messias de Deus prometido nas Sagradas Escrituras, que era ao mesmo tempo homem, mas que também era Deus.

OU SE RECEBEIS OUTRO ESPÍRITO. A palavra espírito neste texto está posta com letra minúscula no seu início, porque trata não do Espírito de Deus, mas sim de espírito maus e das trevas, tais como o espírito do diabo e de seus demônios. Aqueles que buscam glórias para si mesmo, como os oponentes de Paulo em Corinto, são influenciados pelos espíritos malignos, como sempre agiu o diabo desde sua queda.

QUE NÃO RECEBESTES. Quando Paulo esteve implantando aquela igreja na cidade de Corinto, por meio de suas pregações da fé, os filhos de Deus receberam o Espírito de Deus em suas vidas, por isso que passaram a ser guiados pela vontade de Deus. Porem, depois que o apóstolo se afastou daquela igreja, por conta de suas missões transculturais, chegaram alguns hereges, que estavam apagando a chama pentecostal.

OU OUTRO EVANGELHO QUE NÃO ABRAÇASTES. Em uma de suas cartas, o apóstolo Paulo escreveu sobre este outro evangelho, Gálatas 1:6-8 - Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho. O qual não é outro, mas há alguns que vos inquietam e querem transtornar o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.

COM RAZÃO O SOFREREIS. Os coríntios não deveriam aceitar o outro Cristo pregado pelos hereges, nem muito menos os espíritos malignos que estavam usando os seus adversários, nem tão pouco o outro evangelho anunciado pelos inimigos do reino de Cristo. O apóstolo dos gentios da uma dica a seus filhos na fé que, se eles se deixassem levar pelas pregações dos hereges, eles iriam sofrer as consequências por isso tudo.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

2 Coríntios 11:3

2 Coríntios 11:3 - Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo.
MAS TEMO QUE. Paulo demostra sua preocupação para com seus filhos na fé, no sentido de lhes alertarem para o perigo que a todo o momento rondava a porta da igreja de Corinto. Aliais, o perigo estava dentro da própria igreja, como a serpente estava dentro do jardim do Éden também. Os adversários de Paulo estavam dentro da própria igreja de Corinto, e eles também eram inimigos da igreja de Cristo, porque estavam prejudicando os trabalhos de Cristo, na igreja do Senhor Jesus em Corinto.

ASSIM COMO A SERPENTE ENGANOU EVA. O autor fala desta serpente, como sendo o diabo, que se utilizou da serpente para enganar a mulher. O diabo com os seus demônios andam rondando o rebanho de Cristo para fazer os servos e servas de Deus pecarem contra os mandamentos do Senhor. O escritor não fala que a serpente enganou a Adão, mais sim a sua mulher, que por sua vez persuadiu a Adão.

COM A SUA ASTÚCIA. Deus deu uma ordem ao casal, Adão e Eva que não comessem do fruto da árvore, que estava no meio do paraíso, porque se eles comessem teriam como consequência a morte. Mas, o diabo se utilizou da serpente para enganar a mulher, como sendo mais frágil, afirmando que se ela comesse do fruto daquela arvore, certamente não morreria. A mulher foi enganada, e fez com que Adão pecasse.

ASSIM TAMBÉM SEJA DE ALGUMA SORTE. Em Corinto não havia nenhuma arvore igual a que tinha no meio do Jardim do Éden, porem, muitos outros motivos existiam para que o inimigo viesse a enganar os seguidores de Cristo naquele lugar. Neste sentido, o apóstolo dos gentios ver seus oponentes como se fossem serpentes no meio do povo de Deus, sendo usados pelo diabo com os seus demônios para enganar.

CORROMPIDOS OS VOSSOS SENTIDOS. A serpente com sua astúcia atacou a sensibilidade da mulher, mostrando para ela apenas algum tipo de benefício pela sua desobediência, ao afirmar que ela e seu marido seriam iguais a Deus. Já foi demostrado nesta carta que os oponentes de Paulo naquela igreja buscavam glória para si mesmo e isso era o que eles pretendiam implanta como ensino para a igreja.

E SE APARTEM DA SIMPLICIDADE. A simplicidade de Cristo pode ser vista por meio de sua humanidade. Filipenses 2:6-8 - Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens. E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. Devemos seguir seu exemplo.

QUE HÁ EM CRISTO. A vida simples e humilde que Cristo levou deve ser um exemplo modelo a que devemos seguir. Os adversários de Paulo na igreja em Corinto queriam ensinar aos irmãos a serem orgulhosos, buscando se exaltarem a se mesmos, porque assim agiam eles, buscando glória pessoal, e não rendendo a devida glória a Deus. Nisto estava à preocupação do apóstolo Paulo, no sentido de que os seus filhos na fé não se desviassem dos ensinos transmitidos pelo fundador daquela comunidade cristã.

2 Coríntios 11:2

2 Coríntios 11:2 - Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a Cristo.
PORQUE ESTOU ZELOSO DE VÓS. Paulo quem desbravou aquele campo missionário, por meio de seu ministério, e desde então tinha maior cuidado para com seus filhos na fé, a fim de que crescessem na fé e se aperfeiçoassem nos caminhos do evangelho de Cristo. Este zelo que o apóstolo tinha pela igreja de Cristo em Corinto, diz respeito a não permitir que ninguém invadisse essa igreja, que era fruto dos seus labores em prol do reino de Deus e de Cristo. Paulo estava preocupado com aquela igreja.

COM ZELO DE DEUS. Neste ponto, o autor demostra de onde vinha, ou a fonte de tamanho zelo que ele sentia pela igreja de Cristo naquele lugar. Este zelo que vinha da parte de Deus é porque certamente o Senhor vinha revelando a Paulo o quanto aquela igreja sairia perdendo, caso a investida dos oponentes de Paulo prosperasse. As heresias plantadas pelos adversários de Paulo teriam que ser cortada pela raiz.

PORQUE VOS TENHO PREPARADO. O apóstolo dos Paulo fala sobre a pregação do evangelho que ele desempenhou desde os primeiro momentos quando esteve entre aquela povo, passando pelas campanhas de evangelização, os trabalhos de discipulado e outras atividades em benefício daquela igreja. Tudo isso tinha como objetivo preparar aquela igreja para fazer parte do reino de Deus e de Cristo Jesus, o Salvador.

PARA VOS APRESENTAR. Como líder principal daquela comunidade cristã, o apóstolo tinha um cuidado especial por cada um dos que faziam parte do corpo de Cristo, como que haveria de prestar contas por cada um deles perante o juiz dos vivos e dos mortos. Por outro lado, o escritor aponta em direção da volta de Cristo, isto porque a igreja primitiva esperava a Cristo ainda naqueles dias, como hoje, esperamos também.

COMO UMA VIRGEM PURA. Neste texto, o escritor se utiliza de uma metáfora, (artifício literário muito utilizado por Paulo), para representar uma realidade espiritual. Certamente, o autor faz comparação com um casamento nupcial de uma virgem em Israel, que conforme o costume da época deveria se apresentar impecável diante do seu noivo. Assim deve ser a igreja de Cristo, quando for se encontrar com ele, o Noivo.

A UM MARIDO. Tanto a noiva, quanto e principalmente o noivo, futuro marido, ficavam ansiosos pelo momento do encontro. Não é diferente do encontro da igreja com o Noivo, que é Cristo Jesus. A igreja de todos os tempos sempre viveu com uma tremenda ansiedade quanto ao retorno do Noivo, Cristo Jesus. Nós que vivemos nestes últimos dias, estamos efetivamente ansiosos que o Cristo de Deus venha nos buscar.

A SABER, A CRISTO. Jesus nos prometeu: João 14:1-3 - Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. O Noivo que há de vir buscar a sua igreja é o mesmo que fez a redenção, que prodigalizou a reconciliação por meio da eficaz propiciação.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

2 Coríntios 11:1

2 Coríntios 11:1 - Quisera eu me suportásseis um pouco na minha loucura! Suportai-me, porém, ainda.
QUISERA. Nesta parte mais severa de sua carta aos Coríntios, o autor delata seu coração para seus leitores, expressando seus desejos mais íntimos, porque precisava colocar para fora, o que o estava perturbando dentro de si mesmo. Ora se defendendo, ora atacando seus adversários, e ate certo ponto desabafando, porque a mistura de vários sentimentos sentidos pelo autor, funcionava dentro de seus coração como toxinas que precisam ser eliminadas para não contaminar a sua alma.

EU. Este “eu” pode ser visto como um arranjo editorial, bem como enfático, no sentido de autenticação destas informações pessoais do apóstolo. Ou ainda porque o apóstolo queria passar para seus leitores que, o que ele estava a escrever nestes três últimos capítulos de sua epístola, não se tratava de opinião de outrem, porque várias de suas cartas tinham a ajuda de alguém, quando neste ponto, é a opinião pessoal do escritor.

ME SUPORTÁSSEIS. O que Paulo deseja mesmo é que os seus leitores não ficassem com raiva dele, no que passa a expor. Suportar, neste caso é ter paciência com o apóstolo, no sentido de compreender o seu desabafo, sem, no entanto, ficarem chateados com o escritor. A partir de então, Paulo usa palavras mais fortes, por meio desta sua carta, até porque, ele desejava que, ao chegar em Corinto, reinasse a paz.

UM POUCO. Não se sabe ao certo, o que Paulo quis dizer com este “pouco”, se ele trata do que ele poderia estar chamado de pouco conteúdo de sua carta, apenas essa última parte, comparada a primeira epístola e a maior parte desta que estamos comentando, ou se o escritor se refere ao tempo que restava até sua chegada. O apóstolo estava escrevendo, porque no momento não tinha como chegar até aquela igreja, mas que já estava em seu coração, logo mais, viajar até a cidade de Corinto.

NA MINHA LOUCURA. Não que Paulo houvesse perdido a razão das coisas ou seu censo racional no que passa a expressar para seus leitores, mas ele fala de forma alegórica, quanto as suas palavras mais severas, contra seus opositores, e não contra a igreja de Cristo. Há alguns comentaristas que chegam a afirmar que o escritor estava se sentindo revoltado com as injustiças praticadas contra ele naquela igreja.

SUPORTAI-ME. Por conta do amor e zelo que o apóstolo dos gentios sentia pelos seus leitores é que ele age desta forma. Os críticos de Paulo estavam querendo mesmo tomar a igreja de Corinto para eles, porem, o apóstolo Paulo não desiste dos seus filhos na fé, e vai escrever até o que não devia, e fazer o que fosse necessário para defender sua autoridade apostólica, e livrar a igreja de Cristo dos falsos apóstolos.

POREM, AINDA. É como se o escritor pedisse tolerância aos seus filhos na fé, até que ele lhes dissesse o que ele sentia no momento. Como o apóstolo não desistia deles, do mesmo modo, desejava que eles também não desistissem da liderança do apóstolo sobre eles. A preocupação do escritor era de que seus oponentes convencessem seus filhos na fé, que Paulo os havia abandonado, porque não se importava com aquela igreja, o que não representava a verdade, e os irmãos sabiam muito bem disto.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

2 Coríntios 10:17-18

2 Coríntios 10:17-18 - Aquele, porém, que se gloria, glorie-se no Senhor. Porque não é aprovado quem a si mesmo se louva, mas, sim, aquele a quem o Senhor louva.
AQUELE, POREM. E continua a defesa do apóstolo Paulo perante os seus acusadores, que estavam invadindo a igreja de Cristo em Corinto, mas que para isso, buscavam denegrir a imagem do apóstolo, tentando minar a autoridade apostólica do homem de Deus. Aprendemos com suas cartas, que Paulo era uma pessoa mansa e educada, por isso que ele não fazia ataques diretos, mas que em sua própria defesa, ele estava, ainda que indiretamente, atacando seus acusadores, oponentes e adversários.

QUE SE GLORIA. Se o autor se refere aos partidários de Apolo (e não ao próprio Apolo) é que eles se gabavam de serem possuidores da oratória, da eloquência e da sabedoria humana, por isso se vangloriavam disto. Já os partidários de Cefas, se ufanavam de pertencerem à igreja matriz de Jerusalém, e que Cefas quem deveria ser o líder local daquela comunidade cristã, e não Paulo, como de fato era desde o começo.

GLORIE-SE NO SENHOR. Os opositores de Paulo naquela igreja buscavam glórias para se mesmos, tentando fazerem discípulos para seus reinos e não para o reino de Cristo. Quando na realidade um verdadeiro servo de Cristo deve por meio de suas palavras e atos, sempre glorificar o nome de Cristo, porque somente ele é digno de toda honra, de dota glória e todo o louvor, e assim procedia, o apóstolo dos gentios, Paulo.

PORQUE NÃO É APROVADO. Deus não dá sua glória a ninguém, e quem buscar tira a glória de Cristo, pode até assim proceder, mas vai ser reprovado pelo Senhor. E ser reprovado pelo Senhor é andar na contramão das coisas de Deus, e buscar fazer a própria vontade e não a de Deus. O obreiro aprovado é aquele que em tudo busca enaltecer o soberano nome do Deus Todo-poderoso. Não ser aprovado por Deus implica em detrimento do ministério de qualquer um que tenta fazer a obra de Deus.

QUEM A SI MESMO SE LOUVA. Estamos vivendo, nestes últimos dias, coisa parecida com o que estava ocorrendo na igreja de Corinto, em que lá, muitas das lideranças do cristianismo buscavam glórias pessoais e não de Cristo. Hoje, muitos líderes das igrejas, pregadores e cantores, estão buscando serem glorificados, exaltados e honrados em demasias pelos homens, o que é um perigo para tais pessoas.

MAS, SIM. AQUELE A QUEM O SENHOR. Muitos estão construindo seus próprios impérios religiosos, buscando serem louvados pelos homens. Existe uma idolatria evangélica perigosa, quando se dá honra em demasia aos líderes cristãos. Percebe-se que os filhos dos homens estão roubando a glória devida ao nosso Deus, porque dele é que devemos esperar ser honrado com os dons espirituais e ministeriais também.

LOUVA. Ser louvado por Deus é ser contemplado com as virtudes espirituais do Espírito Santo de Deus. Os líderes cristãos estão buscando fama, posição e privilégios para usarem tais status e ganharem dinheiro com as coisas de Deus. Mas quem é honrado por Deus e reconhece que a glória pertence ao Senhor, tudo que fala e faz é para glória do nome de Cristo. Muitos estão buscando o louvor dos homens, quando na verdade precisamos mesmo é serem exaltados por Deus para glória de Cristo Jesus.

2 Coríntios 10:16

2 Coríntios 10:16 - Para anunciar o evangelho nos lugares que estão além de vós e não em campo de outrem, para não nos gloriarmos no que estava já preparado.
PARA ANUNCIAR. O apóstolo fala sobre seus labores em pregar a palavra de Deus em campos missionários transculturais, o que ele gostava realmente de fazer. A chamada de Paulo foi diferente da dos demais apóstolos de Jerusalém, porque depois de sua chamada por Cristo, ele foi enviado por Deus a fazer missões em outros países, onde Cristo Jesus ainda não era conhecido. Portanto, Paulo ficou sendo conhecido como apóstolo dos gentios, justamente por anunciar o evangelho aos gentios.

O EVANGELHO. Não é preciso ser um erudito das Sagradas Escrituras para se perceber que, no tempo da igreja primitiva haviam dois tipos de evangelhos, o da circuncisão e o da incircuncisão. O evangelho da circuncisão era aquele pregado pelos apóstolos da igreja matriz de Jerusalém aos judeus, seguidores do tradicional judaísmo. Já o evangelho da incircuncisão era pregado por Paulo no mundo gentílico.

NOS LUGARES. Depois de mais de dezessete anos que Paulo se converteu ao cristianismo, tendo já fundado inúmeras igrejas no mundo gentílico, Paulo percebeu que as lideranças de Jerusalém estavam invadindo seus campos missionários. Então o apóstolo viajou até Jerusalém para resolver esta questão, e ficou acordado que, os líderes de Jerusalém por meio de Pedro evangelizariam os judeus e Paulo os gentios.

QUE ESTÃO ALÉM DE VÓS. O que Paulo desejava era de que, sua autoridade apostólica fosse confirmada na igreja de Cristo em Corinto. Porque assim sendo, ele poderia retornar aquela igreja para completar seus trabalhos naquele lugar. Depois, com o apoio da igreja de Corinto, fazer missões em outros lugres que estavam depois da cidade de Corinto. Seu intento era evangelizar toda a região da grande Macedônia.

E NÃO EM CAMPOS DE OUTREM. Apesar dos líderes de Jerusalém não respeitarem o acordo feito, quando Paulo esteve com eles na igreja matriz de Jerusalém, de ficarem apenas com a evangelização dos judeus. Mas Paulo não queria retornar a Israel nem a palestina, muito menos a Judeia nem a Galileia para pregar as boas novas naqueles lugares. Estes lugares citados pelo escritor não fazia parte de suas áreas de atuação.

PARA QUE NÃO NOS GLORIEMOS. Este “gloriar-se” sobre o qual fala o apóstolo, diz respeito a dar testemunho de ter tido o privilégio de anunciar primeiro o evangelho das boas novas de Cristo onde o Senhor Jesus ainda não era conhecido. O apóstolo dos gentios foi pioneiro em fundar comunidades cristãs em pelo menos dois grandes continentes, tais como: Europa e Ásia, e isso ele fazia com muito esforço e dedicação.

NO QUE ESTAVA JÁ PREPARADO. Isto era justamente o que estava acontecendo na cidade de Corinto, porque aquela comunidade cristã foi fundada pelo apostolo Paulo e seus amigos de ministério. Mas seus adversários estavam invadindo aquele campo missionário. Com a destruição de Jerusalém no ano setenta de nossa era cristã, os apóstolos de Jerusalém tiveram de fugir de Israel, e com isso, passaram a invadir completamente as igrejas já fundadas por Paulo em todas as partes do mundo. A partir de então, é que os líderes cristãos de Israel passaram a cumprir o “ide” de Jesus.

2 Coríntios 10:15

2 Coríntios 10:15 - Não nos gloriando fora da medida nos trabalhos alheios; antes tendo esperança de que, crescendo a vossa fé, seremos abundantemente engrandecidos entre vós, conforme a nossa regra.
NÃO NOS GLORIAMOS. Como esta carta de Paulo aos coríntios foi em parte resposta as acusações dos seus oponentes, podemos conjecturar que os adversários do apóstolo gentios era quem se gloriavam de si mesmo, isso fica explicito em textos anteriores. Já quanto ao apóstolo dos gentios, ele se gloriava sim, em suas fraquezas e debilitações, quanto a si mesmo, porque sua glória era para Deus e para Cristo.

FORA DA MEDIDA. Neste caso, para Paulo, se gloriar fora da medida, era se vangloriar daquilo que não era na verdade, o que ocorria com seus opositores. Há quem diga que os tais se ufanavam de serem eloquentes quanto à oratória, mas que suas palavras não passavam de teoria sem prática. Paulo não tinha a arte da homilética, ou a arte de falar bem, mas por meio de suas ações, era um desbravador de campos missionários.

NOS TRABALHOS ALHEIOS. Neste ponto, o autor dá uma indireta contra os que pregavam o evangelho da circuncisão. No capítulo dois da carta aos Gálatas, aprendemos que houve um acordo em que Pedro ficou responsável pelos trabalhos de evangelização dos judeus, enquanto que, Paulo era o responsável pela evangelização dos gentios, ou seja, Paulo era responsável pelo evangelho da incircuncisão. Paulo vinha cumprindo o acordo, porem, os apóstolos de Jerusalém, vinha falhando nisto.

ANTES TENDO ESPERANÇA DE QUE. No caso da quebra do acordo, as lideranças de Jerusalém estavam invadindo os campos missionários transculturais de Paulo, o que não poderia acontece. Enquanto que o apóstolo dos gentios tinha a esperança de que seus trabalhos no mundo gentílico iriam cada vez mais crescer, mesmo enfrentando todas as dificuldades, porque eram atividades feitas e realizadas por fé.

CRESCENDO A VOSSA FÉ. Esse crescimento apontado pelo escritor fala sobre o desenvolvimento espiritual da igreja de Cristo na cidade de Corinto, o que os adversário de Paulo diziam o contrario, isso porque, acusavam ao apóstolo dos gentios de ter abandonado suas atividades naquela cidade. Esta fé a que se refere o autor, diz respeito à entrega da alma aos cuidados de Cristo, como Senhor e Salvador.

SEREMOS ABUNDANTEMENTE ENGRANDECIDOS ENTRE VÓS. O intuito dos oponentes de Paulo naquela igreja era tentar ofuscar a consideração que os irmãos de Corinto tinham pelo apóstolo dos gentios. Mas, Paulo não se preocupava com isso, porque tinha consciência tranquila, por ter cumprindo sua missão de forma completa, como fundador e depois discipulador dos seus filhos na fé naquela comunidade cristã.

CONFORME A NOSSA REGRA. Essa regra, sobre a qual o escritor fala, diz respeito a concentrar suas atividades evangelísticas nos campos missionários, mesmo que as lideranças de Jerusalém estivessem invadindo seus campos missionários, sem cumprirem o acordo firmado. A regra de Paulo era pregar o evangelho das boas novas, depois discipular os novos convertidos, constituir uma liderança local como administrador dos trabalhos e depois partir para fundar uma nova comunidade cristã.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

2 Coríntios 10:14

2 Coríntios 10:14 - Porque não nos estendemos além do que convém, como se não houvéssemos de chegar até vós, pois já chegamos também até vós no evangelho de Cristo.
PORQUE NÃO NOS ESTENDEMOS. O apóstolo mostra em texto anterior que os seus concorrentes na igreja de Corinto viviam querendo mostrar que eram melhores do que os outros, e principalmente melhores que o fundador daquela igreja, isso com o intuito de ganharem ponto diante do povo de Deus, na tentativa de prejudicarem a liderança de Paulo naquela comunidade cristã. Só que, a liderança do apóstolo dos gentios já estava consolidada naquela igreja, como fundador e edificador daquela obra.

ALÉM DO QUE CONVÊM. Neste ponto, fica implícito que estes oponentes de Paulo naquela igreja, poderiam ser pessoas ligadas a igreja matriz de Jerusalém, eles que ficaram responsáveis pelo evangelho da circuncisão. Quando Paulo esteve em Jerusalém para discutir sobre sua área de atuação, ficou acordado que os apóstolos ficaram com a evangelização dos judeus, e Paulo com a evangelização dos gentios.

COMO SE NÃO HOUVÉSSEMOS. Uma das acusações que os inimigos de Paulo lhe faziam também naquela comunidade cristã, era de que apesar de ser um dos fundadores principais daquela igreja, mas que o apóstolo havia abandonado aquele povo, e que não voltaria mais a visitar os coríntios. Além de ter trabalhado nos fundamentos daquele trabalho, o autor desta carta já tinha visitado aquela igreja.

DE CHEGAR ATÉ VÓS. O fato é que Paulo era um missionário transcultural, Cristo o havia confiado à evangelização do mundo gentílico de sua época, com isso, ele tinha que semear as boas novas de Cristo em todos os países da Europa e Ásia e outros. Com isso, ele não tinha como cuidar de uma só igreja. No entanto, já estava programado que logo mais o aposto dos gentios estaria visitando mais uma vez à igreja de Corinto.

POIS JÁ CHEGAMOS TAMBÉM ATÉ VÓS. A acusação dos opositores de Paulo era falsa, uma vez que, o próprio Paulo já estivera ali naquela igreja mais de uma vez, já havia enviado Timóteo em missão para visitar aquela comunidade cristã, bem como a Tito também e outros cooperadores seus. Assim sendo, o apóstolo dos gentios estava mais presente na igreja de Corinto, do que pensavam os seus adversários e oponentes.

COM O EVANGELHO. Sem falar que, o apóstolo dos gentios já tinha alcançado aquela cidade por completa com o evangelho das boas novas de Cristo. O escritor fala sobre o evangelho da incircuncisão, que era o evangelho da graça de Deus pregado aos gentios, que era diferente do evangelho da circuncisão, que era o evangelho pregado pelas lideranças da igreja matriz de Jerusalém aos seguidores do judaísmo, os judeus.

DE CRISTO. Quando Paulo escreve sobre o evangelho de Cristo, ele quer dizer sobre suas mensagens que eram Cristocêntricas, ou seja, que sempre tinham Cristo como conteúdo principal. Falar sobre o evangelho de Cristo é narrar sua história descrevendo sobre sua missão salvadora e redentora. O sobrenome Cristo nos fala de quem realmente é Jesus de Nazaré, ele que é o enviado e ungido de Deus Pai. O evangelho de Cristo nos fala a respeito da redenção, propiciação e reconciliação.

2 Coríntios 10:13

2 Coríntios 10:13 - Porém, não nos gloriaremos fora da medida, mas conforme a reta medida que Deus nos deu, para chegarmos até vós.
POREM. Neste versículo, aprendemos o quanto o apóstolo dos gentios era sincero para com a igreja de Cristo, consigo mesmo e com Deus. Os leitores desta carta severa, porem, necessária, conheciam bem o escritor, ele que fazia o possível e até o impossível, humanamente falando, para ser o máximo de transparente em suas ações, até porque ele sabia que a Deus ninguém consegue enganar. Diferente dos seus opositores que buscavam glória pessoal, tentando diminuir a autoridade de Paulo.

NÃO NOS GLORIAMOS. Essa é uma defesa, com pano de fundo de ataque também, no sentido de confirmar com seus adversários na igreja de Corinto, eles que queriam mesmo era ganhar posições, querendo pisar na plataforma construída por Paulo. Paulo não se gabava de ser melhor do que os outros, mas tudo que ele passa a revelar sobre seus trabalhos, e comunhão com Deus, representava a mais real das verdades.

FORA DA MEDIDA. Tudo indica que, os opositores de Paulo naquela comunidade cristã, viviam se vangloriando de si mesmos, porem, mentido sobre o que diziam e faziam, porque não falavam nem viviam dentro da realidade. Mas quanto ao apóstolo dos gentios, ele testemunhava da verdade e vivia a realidade, e quem podia testificar a esse respeito, eram os próprios seus filhos na fé na igreja de Corinto.

MAS CONFORME A RETA MEDIDA. Com isso, o escritor afirma que, mesmo que ele chegue a dizer algo que os seus oponentes não aceitassem, mesmo assim, o apóstolo não estava inventando nada a seu respeito, isso porque ele estava falando a verdade. O que Paulo esperava da igreja de Corinto era que justiça fosse feita a seu respeito, diante de tudo que ele já havia realizado em prol dos servos de Cristo naquela igreja.

QUE DEUS. Os acusadores de Paulo viviam em atividades frenéticas para tomarem o lugar da liderança do apóstolo dos gentios naquela igreja. Enquanto isso, Paulo, mesmo há distância, confiava inteiramente em Deus, de que, foi o Senhor quem colocou no seu coração, em se gastar em prol dos seus filhos na fé naquele lugar, para que neste momento, houvesse uma comunidade cristã que adorava ao verdadeiro Deus. Tudo provem de Deus que chama e capacita o homem para sua obra na terra.

NOS DEU. Ninguém tem nada, quanto aos dons espirituais e ministeriais, tudo vem de Deus que dá seus dons aos filhos dos homens. Certamente, os opositores de Paulo em Corinto achavam que, pregavam ou ministravam pelas suas próprias capacidades ou habilidades. Com Paulo era deferente, porque ele reconhecia que era um homem limitado, pobre e fraco, mas que podia confiar nas realizações de Deus em seu favor.

PARA CHEGARMOS ATÉ VÓS. É provável que os adversários de Paulo naquela igreja contassem com apoios externos, tais como dos apóstolos de Jerusalém, e isso, apoio até financeiro. No entanto, Paulo não contava com o apoio de ninguém, humanamente falando, mas o seu Deus quem o chamou, capacitou e deu as condições de ele se transformar em um dos maiores missionários de sua época. Foi Deus que o levou até a cidade de Corinto, onde ele fundou aquela comunidade cristã abençoada.

domingo, 15 de outubro de 2017

2 Coríntios 10:12

2 Coríntios 10:12 - Porque não ousamos classificar-nos, ou comparar-nos com alguns, que se louvam a si mesmos; mas estes que se medem a si mesmos, e se comparam consigo mesmos, estão sem entendimento.
PORQUE NÃO OUSAMOS CLASSIFICAR-NÓS. O que o autor passa a dizer neste texto é que ele, nem precisava se defender, e esta era uma das razões porque o apóstolo escreve aos coríntios, mas quem lhe conhecia na igreja destinatária desta carta, podiam testificar a seu respeito, que ele tenha capacidade de ser quem era. A existência desta igreja por se só já autenticava a inteligência do apóstolo dos gentios.

OU COMPARAR-NÓS COM ALGUNS. Certamente os críticos de Paulo na igreja de Corinto, se comparavam com os apóstolos de Jerusalém, por ter conhecido a Jesus, o fundador do cristianismo pessoalmente. Porem, o encontro de Paulo com Cristo na estrada de Damasco e a forma como o apóstolo dos gentios começou a agir em prol do evangelho, já era prova o suficiente que ele era um servo de Cristo e de seu reino.

QUE SE LOUVAM A SE MESMOS. É provável que os oponentes de Paulo naquela igreja andassem buscando glória para si mesmo, construindo seu próprio palanque para autopromoção pessoal, e não de Cristo. Com o nosso escritor, isso não acontecia, uma vez que, tudo que o apóstolo fazia ou falava era para glória do nome de Cristo e para edificação da igreja do Senhor Jesus. O que Paulo já havia atravessado de dificuldades por pregar o evangelho dava testemunho para glória de Cristo.

MAS ESTES. Como as palavras estão no plural, nos deixam transparecer que eram vários os opositores de Paulo na igreja de Cristo que estava em Corinto. E podemos conjecturar que estes eram justamente os que faziam parte das facções daquela igreja. Tinham lá os discípulos de Cefas, bem como os defensores de Apolo, como também aqueles que diziam que a igreja não precisava de Paulo, mas só de Cristo.

QUE SE MEDEM A SI MESMOS. Como a própria frase já fala por si só, estes que se levantavam contra o apóstolo Paulo falavam de si mesmo, e não do evangelho de Cristo. Estes viviam a dar testemunhos de sua vida pessoal, e com isso contando vantagens pessoais, em vez de pregarem sobre a obra de redenção do Senhor Jesus. Mas o fundador da igreja de Corinto, Paulo, pregava um evangelho Cristocêntrico.

E SE COMPARAM CONSIGO MESMO. O que Paulo quis dizer com essa sua colocação é que seus opositores não davam testemunho sobre o que o apóstolo dos gentios já havia feito em prol daquela igreja de Corinto, nem muito menos nas muitas igrejas por ele fundadas no mundo gentílico. Porque estes aventureiros viviam era se gabando de suas pregações, porem, sem terem serviços prestados ao povo de Deus.

ESTÃO SEM ENTENDIMENTO. Finaliza então Paulo, dizendo que, aqueles que buscam a sua própria glória, quanto às coisas do reino de Deus, estão sem entendimento, ou melhor, estão completamente loucos. O correto, o certo e o racional é que todos os servos de Cristo e do seu reino vivam para glória de Cristo e não para autopromoção pessoal. Paulo dá testemunho de que a vida que agora vivia, vivia para Cristo, pela fé no nome do Filho de Deus (Gálatas 2:20) e é assim que deve ser com todos nós.

2 Coríntios 10:11

2 Coríntios 10:11 - Pense o tal isto, que, quais somos na palavra por cartas, estando ausentes, tais seremos também por obra, estando presentes.
PENSE O TAL ISTO, QUE. O tal, diz respeito ao oponente de Paulo na igreja que estava na cidade de Corinto, esse mesmo que vinha perturbando aquela comunidade cristã, falando mal do apóstolo dos gentios e tentando diminuir a autoridade apostólica de Paulo. Seus pensamentos eram de que o apóstolo dos gentios não tinha capacidade de ser o líder principal daquela igreja, porque ele, Paulo, não tinha firmeza no que escrevia, porque quando presente era um judeuzinho de meia tigela.

QUAIS SOMOS. Todas as informações que o apóstolo já passou e que até o final desta carta ainda haverá de passar, são verídica a seu respeito, desmontando os falsos pensamentos que seu opositor naquela igreja tentava repassar para os irmãos. Portanto, a verdade verdadeira, sobre o apóstolo dos gentios, não tinha nada a ver com os falsos testemunhos que este tal individuou vinha inventando sobre Paulo.

NA PALAVRA POR CARTA. Uma das falácias deste oponente de Paulo era de que o apóstolo tinha dupla personalidade, em que por meio de suas palavras em carta dizia uma coisa, mas quando presente no corpo, não confirmava aquilo que dizia por meio de suas missivas. O fato é que Paulo usa de inteligência e envia suas cartas, antes de sua chegada, na tentativa de resolver certos problemas, antes de sua chegada pessoal.

ESTANDO AUSENTE. Neste momento, Paulo estava ausente da igreja de Cristo em Corinto, não era porque ele tivesse medo de alguma coisa. Primeiro, é que ele era um homem muito ocupado na obra de evangelização, tendo que fazer missões em vários países da Europa e Ásia. Depois, como ele era um homem educado e de paz, não desejava fazer um confronto direto com seus tais oponentes na igreja de Corinto, por isso que, ele estava enviando suas cartas e enviando também a Tito na frente.

TAIS SEREMOS TAMBÉM. Paulo nega ter dupla personalidade, contrastando assim com a falácia do seu opositor naquela igreja. A própria igreja de Corinto podia testemunhar a respeito da transparência com que agia o apóstolo dos gentios. Até porque aquela comunidade cristã fora fundada pelo escritor desta carta, de forma que, um dos motivos desta correspondência era que os irmãos rechaçassem tal acusação.

POR OBRA. O que o autor quer dizer em sua colocação é que, tal ele era por palavra, da mesma forma ele era na prática por meio de seus atos. Acredita-se que esse tal oponente de Paulo na igreja em Corinto, que não sabemos quem era, não conhecia bem a Paulo, assim como ele era, porque já chegou nesta comunidade cristã, quando tudo já estava pronto por Paulo. Mas a igreja de Cristo naquele lugar conhecia Paulo.

ESTANDO PRESENTE. Quando da fundação daquela comunidade cristã, bem como em uma visita posterior já feita aquela igreja, o apóstolo dos gentios demonstrou quem de fato ele era. No momento estava enviando esta sua carta, mas quando chegasse àquela igreja mais uma vez iria demostrar na prática quem ele era. Que o seu opositor esperasse mais um pouco, porque logo mais, o apóstolo chegaria naquela cidade para então falar e fazer, harmonizando palavras e obras como deve ser.

sábado, 14 de outubro de 2017

2 Coríntios 10:9-10

2 Coríntios 10:9-10 - Para que não pareça como se quisera intimidar-vos por cartas. Porque as suas cartas, dizem, são graves e fortes, mas a presença do corpo é fraca, e a palavra desprezível.
PARA QUE NÃO PAREÇA. Paulo já deixou bem claro o motivo porque não queria estar presente neste momento entre os irmãos da igreja em Corinto. Porque ele era uma pessoa super educada, e, portanto, não queria responder pessoalmente as acusações que lhe estavam fazendo. Com isso, ele achou melhor enviar seu amigo de ministério, Tito, para primeiro apaziguar as coisas, mais depois, ele chegaria com as providências devidas, contra aqueles que estavam denegrindo sua imagem e seu ministério.

COMO SE QUISERA INTIMIDAR-VOS. Esta era mais uma dentre outras tantas acusações dos opositores de Paulo na igreja de Cristo em Corinto. De que as cartas severas de Paulo era apenas uma forma do apóstolo intimidar os irmãos, mas que sua presença em Corinto não significava nada. Na realidade, o apóstolo dos gentios não precisava usar deste expediente, porque a igreja de Corinto já conhecia bem ele.

POR CARTA. Não se sabe se o apóstolo se refere a sua Primeira carta aos Coríntios ou se trata desta segunda carta. Ainda de resto, existem alguns comentaristas bíblicos que se reportam a uma carta perdida do apóstolo àquela igreja, que ainda era mais dura em palavra do que todas, ou se efetivamente ele se refere apenas aos últimos três capítulos desta mesma missiva, também chamada e reconhecida de carta severa.

PORQUE AS SUAS CARTAS. Ora se chama de cartas, outra ora de missivas e ainda de epístolas. O fato é que o apóstolo dos gentios era um missionário em potencial, e com isso, seu grande desejo era levar o evangelho de Cristo aonde o Senhor Jesus ainda não era conhecido. Quando Paulo fundava uma comunidade cristã, em determinada cidade, ele preparava um obreiro local e já partia para outro campo, mais não abandonava a igreja fundada e se comunicava com ela por carta ou missiva.

DIZEM, SÃO GRAVES E FORTES. Esta era na realidade uma das acusações que os oponentes de Paulo faziam contra ele, de que suas cartas eram carregadas de exortações graves, o que para os seus oponentes seriam acusações do apóstolo contra eles. Além de que suas correspondências estavam minadas de palavras fortes, com ameaças veladas contra aqueles que se levantavam contra sua pessoa e autoridade.

MAS A PRESENÇA DO CORPO E FRACA. Além da igreja de Cristo na cidade de Corinto conhecer a Paulo muito bem, ao que tudo indica, seus oponentes também o conheciam pessoalmente. Estas acusações se referem ao próprio tamanho de Paulo, que era um homem de estatura mediana, além de que ele tinha uma saúde um tanto debilitada, era feio de aparência, tinha poucos cabelos, nariz grande e olhos grandes.

E A PALAVRA DESPREZÍVEL. Além de atacarem a aparência física do apóstolo Paulo, seus opositores também atacavam suas palavras, seus discursos e sua oratória. Neste caso, alguns comentaristas afirmam que eram os partidários de Apolo quem faziam tais acusações contra Paulo, isso porque, defendiam que Apolo era um dos pregadores mais eloquentes daquela igreja, e, que portanto, devia ser o líder dela, e não Paulo.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

2 Coríntios 10:8

2 Coríntios 10:8 - Porque, ainda que eu me glorie mais alguma coisa do nosso poder, o qual o Senhor nos deu para edificação, e não para vossa destruição, não me envergonharei.
PORQUE, AINDA QUE EU. O escritor usa o “eu” diretivo a sua pessoa, porque esta fazendo sua defesa pessoal contra aqueles que buscavam diminuir sua autoridade apostólica na igreja de Cristo em Corinto. E para tanto, ele faz suas justificativas mostrando sua eficácia nos trabalhos de Cristo e como Deus o capacitou para sua importante missão no mundo gentílico. É natural que todo ser humano use sua defesa pessoal para se defender dos ataques externos, nem que seja com um escudo.

ME GLORIE. O autor se refere a tudo que ele passa a argumentar em sua defesa nestes três últimos capítulos de sua carta. São relatórios verídicos que o apóstolo passa a detalhar de algumas coisas que ele já havia passado no serviço de Deus e sobre sua comunhão e aproximação com o dono da obra, Deus o Pai e seu filho Jesus Cristo. Paulo não passa a falar nada mais do que a verdade sobre si mesmo e Deus.

MAIS ALGUMA COISA DO NOSSO PODER. Os oponentes de Paulo o acusavam de suas fragilidades, ao que tudo indica, ele não contava com boa saúde, tinha problema de visão, era de pequena estatura ou estatura mediana, e conforme informações de escritores mais antigos, o apóstolo era um tanto feio de aparência. No entanto, poucos homens de sua época, contava com uma força de vontade como ele dispunha.

O QUAL O SENHOR NOS DEU. A chamada de Paulo foi algo extraordinário para o cristianismo primitivo. Os apóstolos de Jerusalém de princípio não entenderam que Cristo foi rejeitado pelos judeus, e que sua igreja seria composta na sua grande maioria de gentios, portanto, concentraram suas atividades em Israel. Mas Paulo, diferente de todos eles, recebeu de Deus poder para levar o evangelho em todo o mundo de sua época, por isso que se transformou no grande apóstolo dos gentios.

PARA EDIFICAÇÃO. Os concorrentes de Paulo na igreja cristã de Corinto, pelo contrário, estavam procurando destruir o povo de Deus naquele lugar, quando por meio de suas atividades buscavam dividir o povo de Deus. Porem, desde o primeiro momento, quando o apóstolo colocou seus pés naquele lugar, que seus labores e atividades eram justamente para levantar uma igreja poderosa naquela cidade.

E NÃO PARA DESTRUIÇÃO. Ninguém podia dizer que o apóstolo dos gentios havia se aproveitado da bondade dos irmãos para explorar quem quer que seja. Paulo deu tudo de si mesmo para que naquela cidade existisse uma igreja edificada em nome de Cristo, em muitos trabalhos, fadiga, dia e noite levando as boas novas de Cristo aos cidadãos daquele lugar, até que viu um povo santo buscando o reino de Cristo.

NÃO ME ENVERGONHO. Paulo não escandalizou o evangelho naquele lugar, não prejudicou a ninguém em Corinto, não usou de sua autoridade apostólica para explorar nem mesmo a igreja. Por isso que ele, de cabeça erguida, podia voltar aquela igreja, glorificando o nome do Senhor, tendo uma consciência tranquila de que só fez o bem ao povo de Deus. Paulo não sentia vergonha de nada do que fez em Corinto.

2 Coríntios 10:7

2 Coríntios 10:7 - Olhais para as coisas segundo a aparência? Se alguém confia de si mesmo que é de Cristo, pense outra vez isto consigo, que, assim como ele é de Cristo, também nós de Cristo somos.
OLHAIS PARA AS COISAS. Os que julgavam a vida de Paulo, conforme o que lhe pareciam e não conforme a realidade do que ele representava diante de Deus, e sua importância para a igreja de Cristo, estavam errados a seu respeito. A verdade dos fatos não poderia ser avaliada pelo que pensavam ou enxergavam sobre o apóstolo dos gentios. Assim sendo, a igreja de Cristo em Corinto não poderia se deixar levar pelas palavras caluniosas que os oponentes de Paulo falavam contra seu ministério.

SEGUNDO A APARÊNCIA? Os parcos registros sobre a aparência de Paulo nos chegam ao conhecimento de que ele era pequeno, com olhos grandes, porque ele tinha problemas nos olhos, conforme a tradição cristã, e era um tanto feio de aparência. Por conta disto, os seus opositores desprezavam o homem chamado Paulo de tarso, e diziam que ele era uma pessoa sem expressão, sem jeito e malfeito de rosto.

SE ALGUÉM CONFIA DE SI MESMO. Não se sabe quem, mas a realidade é que, alguém quem sabe de Jerusalém, que representava o grupo dos doze apóstolos, estava infiltrado na igreja de Corinto, perturbando a ordem da igreja, tentando diminuir a autoridade apostólica de Pulo. Esse tal se gabava de ter vivido ou visto pessoalmente a Cristo, certamente tinha carta branca das lideranças da igreja mãe de Jerusalém.

QUE É DE CRISTO. Esse tal andava tagarelando de que era uma pessoa mais que especial, como enviado de Cristo ou ungido de Cristo a igreja do Senhor Jesus que estava na cidade de Corinto. É provável que tal oponente de Paulo desejasse ganhar espaço dentro da igreja de Cristo usando suas credenciais. Certamente, tal individuou afirmava que Paulo não era uma pessoa de Cristo, porque ele não fazia parte do grupo dos doze apóstolos originais de Jerusalém. Isso é o que nos parece ser.

PENSE OUTRA VEZ ISTO CONSIGO. É fácil querer subir ao alto do pódio pisando nas costas dos outros. Paulo tenta levar tal sujeito a refletir sobre seu comportamento diante da igreja do Senhor Jesus, se era que tal individuou tinha pelo menos consciência do que estava fazendo, contra o apóstolo dos gentios. Esse falso mestre, que estava persuadindo os irmãos deveria raciocinar melhor sobre suas atitudes.

QUE, ASSIM COMO ELE É DE CRISTO. Percebe-se a diferença de Paulo do seu oponente, quando o apóstolo dos gentios não nega que tal homem fosse de Cristo. Mas que ele também reconhecesse que o escritor também era um homem que vivia para Cristo e com Cristo. A própria conversão de Saulo de Tarso, no apóstolo Paulo dava testemunho de que ele havia passado pela regeneração e que ele era de Cristo.

TAMBÉM NÓS DE CRISTO SOMOS. Este “nós” é editorial, em que o apóstolo dos gentios testifica de que ele era uma pessoa de Cristo. Gálatas 2:20 - Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim. Este é um texto que nos ensina da entrega total de Paulo a Cristo.

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

2 Coríntios 10:6

2 Coríntios 10:6 - E estando prontos para vingar toda a desobediência, quando for cumprida a vossa obediência.
E ESTANDO. Observa-se neste texto, uma mensagem de defesa do autor, contra aqueles que estavam tentando desmontar a autoridade apostólica de Paulo, na comunidade cristã da cidade de Corinto. Estas também eram forças contrárias, que se levantavam contra o missionário, também de dentro da comunidade cristã, porque tentavam obstruir os trabalhos e atividades em prol do reino de Deus, feitos pelo apóstolo dos gentios. O inimigo também usa quem está na igreja, contra a verdade.

PRONTOS. Mas, como o apóstolo não estava presente neste momento, entre os seus filhos na fé da igreja de Corinto, ele solicita aos irmãos que eles mesmos, tomassem as devidas providências, no sentido de deter aqueles que andavam denegrindo a imagem do apóstolo, bem como tentando macular sua autoridade apostólica. Paulo planejava chegar brevemente naquela igreja, mais que tudo fosse resolvido antes dele chagar.

PARA VINGAR. As forças exteriores, o próprio Deus se encarregava de destruir pelo seu grande poder, bastava que a igreja entrasse em oração a Deus, que era uma arma poderosa para destruição de fortalezas. Mas, no que diz respeito aos falsos irmãos, que estavam infiltrados no seio da igreja, o próprio corpo de Cristo em Corinto precisava tomar as devidas providências. O apóstolo fala em disciplinar aos infiéis.

TODA A DESOBEDIÊNCIA. Não se requer obediência de quem não faz parte da igreja de Cristo, tais como os judeus, não cristãos, que se levantavam contra as coisas do reino de Deus, nem também das autoridades romanas, que estavam sendo usadas pelo império das trevas para perseguir a igreja de Cristo. Mas sobre aqueles que se diziam fazer parte da igreja de Cristo, mas que, desobedeciam ao evangelho, Paulo solicita que as lideranças locais da igreja em Corinto tomem providências contra eles.

QUANDO. O escritor fala em atitude por parte das lideranças locais da igreja de Cristo, que estava na cidade de Corinto. Eles conheciam de perto ao apóstolo dos gentios, e sabiam que as inverdades inventadas pelos oponentes de Paulo, não tinham fundamentos. O apóstolo dos gentios ficou entre os coríntios mais um ano e meio, o tempo suficiente para se deixar conhecer, e demostrar sua sinceridade e verdade.

FOR CUMPRIDA. Acusavam a Paulo de que ele, por carta era severo, mas que, quando presente era fraco e medroso. Todavia, quem estava demostrando isso eram justamente os líderes locais da igreja em Corinto, uma vez que, os opositores de Paulo estavam se manifestando, sem, no entanto, ter quem os proibissem. Paulo esperava que antes de sua chegada naquela igreja, os problemas fossem resolvidos.

A VOSSA OBEDIÊNCIA. Quando for cumprida a vossa obediência. Primeiro, os seguidores de Cristo na cidade de Corinto devia tal obediência para com Deus, uma vez que, o Senhor conhecia a Paulo e sabia que ele era fiel para com a igreja do Senhor naquele lugar. Depois, eles deviam obediência também aos ensinos transmitidos pelo escritor naquele lugar, uma vez que, quem primeiro chegou com a verdade do evangelho naquela cidade foi justamente Paulo e seus amigos de ministério.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

2 Coríntios 10:5

2 Coríntios 10:5 - Destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo.
DESTRUINDO. No texto anterior, o apóstolo fala a respeito das nossas armas espirituais, que são poderosas em Deus para destruição das fortalezas. As armas que os servos de Deus se utilizam para vencer os embates da vida, não são materiais, como sempre os exércitos usaram uns contra os outros. As nossas armas são vindas do Deus Todo-poderoso, isso porque servimos ao seu exército, buscamos os seu reino, e ele nos fornece a força suficiente para destruição de todas as armas do mau.

OS CONSELHOS. Como o escritor está falando de batalha espiritual, certamente seu pensamento está focado no que acontecia entre duas ou mais nações, quanto às guerras. Quando um exército decidia guerrear contra outro, a primeira coisa que acontecia eram os conselhos entre os seus comandantes, depois a guerra. No caso da batalha espiritual, os conselhos são destruídos, antes mesmo de acontecer o embate.

E TODA A ALTIVEZ. Quando o cristianismo surgiu, como sendo a nova dispensação da graça de Deus para a humanidade, isso por meio da vinda do Messias de Deus, todas as forças das trevas se juntaram para destruir o plano de Deus. Cristo veio e buscaram destruir o implantador do cristianismo, depois, aconteceu com a igreja de Cristo que passou a ser perseguida por todas as forças influenciadas pelas trevas.

QUE SE LEVANTA CONTRA O CONHECIMENTO. Os judeus, que conheciam as profecias messiânicas e tudo que dizia respeito à nova dispensação de Deus para a igreja de Cristo, se levantaram contra tais conhecimentos que tinham sobre o cronograma das realizações de Deus. Como também o império romano foi absolutamente usado pelo diabo com os seus demônios contra o projeto de Deus, que era a redenção da igreja.

DE DEUS. Nada que aconteceu com Cristo e com a implantação da nova dispensação de Deus foi por um acaso. Desde o Jardim do Éden que já havia a promessa do Criador de providenciar a redenção da humanidade por meio do seu Cristo. Muitas foram às profecias vaticinadas a respeito de uma nova ordem mundial, quanto ao agir de Deus em benefício dos filhos dos homens, e isso ele executou por meio de Cristo Jesus.

E LEVANDO CATIVO TODO ENTENDIMENTO. No entanto, todas as forças e todo o poder positivo da parte de Deus, sempre estiveram em ação, para que o plano da salvação e da redenção em Cristo fosse efetuado. Cristo enfrentou todas as forças contrárias para por em execução o programa de reconciliação dos filhos dos homens com Deus. E o Espírito Santo veio por Cristo para libertar os remidos das densas trevas.

A OBEDIÊNCIA DE CRISTO. Texto tal como esse, nos faz ver, compreender e aceitar a força atrativa de Cristo, no sentido de libertar os filhos dos homens das amarras do pecado, do mal e das trevas. A obra perfeita e completa de redenção realizada por Cristo tem uma força irresistível na vida dos seus remidos, quando seus efeitos são efetivos na vida dos salvos, os levando a aceitarem a Cristo como Senhor e Salvador. Quando alguém tem a Cristo em sua vida, é porque venceu todas as forças negativas.

2 Coríntios 10:3-4

2 Coríntios 10:3-4 - Porque, andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas.
PORQUE, ANDANDO NA CARNE. O autor não esta se referindo as obras da carne, que estão alistadas em Gálatas 5:19-21 - Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia. Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias. Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus.

NÃO MILITAMOS SEGUNDO A CARNE. Apesar de viver neste corpo físico, porque o ser humano tem esta responsabilidade de ter que passar pela experiência como homem. Mas, as batalhas dos servos de Cristo, não são segundo a carne, ou seja, do jeito mundano. A nossa luta, não é contra carne e sangue, mas sim contra as forças espirituais que se levantam contra nós, como potestades, poderes e domínios.

PORQUE AS ARMAS DA NOSSA MILÍCIA. Certamente, o apóstolo se refere à busca espiritual pelas armas espirituais. Podemos dizer que estas armas são a oração permanente a Deus pedindo proteção divina, a leitura das sagradas Escrituras, como um habito diário, com intervalos de profundas meditações, o jejum como abstinência temporária de alimentos, para fortalecer o espírito e enfraquecer a carne.

NÃO SÃO CARNAIS. As armas carnais são aquelas que os filhos dos homens usam para atacar e também se defenderem. As armas carnais são simples até as mais sofisticadas, desde uma simples pedra, um pedaço de pau, uma faca, um revolver, uma metralhadora, um foguete de longo alcance ou uma bomba nuclear. Não são estas as armas de um servo de Deus, porque a nossa guerra não é visível nem material.

MAS SIM PODEROSAS. Comparadas às armas espirituais que os seguidores de Cristo se utilizam nas batalhas espirituais, as armas que citamos no parágrafo anterior são fracas. Quando invocamos ao nome do nosso Deus, adquirimos poder para vencer fortalezas e desfazer toda força que se levanta contra nossa alma. Por mais conhecedor que sejamos das coisas espirituais, não vemos o que está ao nosso dispor.

EM DEUS. Não é força própria que nos capacita para vencermos as forças do mau, que a todo o momento se levantam contra nós, mas sim, o poder ilimitado que vem de Deus e que está sempre a nossa disposição. Tudo provem de Deus que nos fornece sua permanente proteção, cuidado e segurança, se não fosse assim, o império do mau já teria nos destruído. Mas Deus coloca seus poderosos anjos ao nosso redor.

PARA DESTRUIÇÃO DAS FORTALEZAS. Estas fortalezas são as forças do inimigo com os seus demônios que se levantam contra os filhos de Deus. Bem como todas as influências deste mundo que tentam nos atrair com seus atrativos enganosos. O apóstolo Paulo estava mostrando para seus oponentes infiltrados na igreja de Cristo em Corinto, que não adiantava se levantarem contra ele, nem contra o povo de Deus, porque somos mais do que vencedores por Cristo Jesus, o grande Rei da igreja.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

2 Coríntios 10:2

2 Coríntios 10:2 - Rogo-vos, pois, que, quando estiver presente, não me veja obrigado a usar com confiança da ousadia que espero ter com alguns, que nos julgam, como se andássemos segundo a carne.
ROGO-VOS, POIS, QUE. Paulo repete o seu apelo feito no versículo anterior, em forma de rogos, a fim de mostrar sua humildade, até porque ele poderia na condição de fundador daquela comunidade cristã determinar ou ordenar alguma coisa. No entanto, o autor se põe em pé de igualdade perante os seus leitores para solicitar ser atendido, naquilo que era o objeto do seu deseja. Ao mesmo tempo, o apóstolo faz este apelo de antemão, por carta, para não chegar de surpresa requerendo alguma coisa.

QUANDO ESTIVER PRESENTE. Paulo estava preparando o terreno, porque havia em seus pensamentos a vontade de ânimo em chegar mais uma vez a cidade de Corinto, para então resolver algumas querelas naquela igreja. Ou quem sabe, dar continuidade a sua campanha de ação social, em prol dos irmãos de Jerusalém. Todavia, é mais provável que o escritor queira mesmo resolver problemas de ordens espirituais.

NÃO ME VEJA OBRIGADO. O que o apóstolo dá a entender é que, seu apelo era para que os irmãos da igreja de Corinto resolvessem algumas dificuldades pendentes, que a visita de reconciliação feita por Tito, não tinha resolvido. Se Paulo chegasse naquela igreja, e as coisas continuassem como dantes, com suas divisões e partidarismo, com seus oponentes do mesmo jeito, ele seria obrigado a tomar providências severas.

A USAR DE CONFIANÇA DA OUSADIA. Essa ousadia, sobre a qual fala o escritor, diz respeito a sua liberdade em tomar as devidas providências contra seus oponentes. Haja vista que ele, Paulo, tinha total autoridade para assim proceder, uma vez que, ele foi o principal fundador daquela comunidade cristã, e como tal poderia até mesmo por em disciplina quem estivesse desafiando sua autoridade apostólica naquela igreja.

QUE ESPERO TER COM ALGUNS. Na realidade, aquela comunidade cristã estava ha algum tempo, quem sabe, desde a última visita de Paulo, dividida em facções ou partidarismo, e isso fica subtendido já na primeira carta de Paulo aquela igreja. Estes alguns, sobre os quais se reporta o escritor, diz respeito a seus opositores que viviam procurando denegrir a sua imagem, reputação e autoridade, do apóstolo dos gentios.

QUE NOS JULGAM. Primeiro, viviam acusando a Paulo que ele era fraco. Por meio de suas cartas era severo, mas quando chegava em Corinto batia biela e demostrava ser medroso, e que se viesse visitar aquela igreja, não tomaria nenhuma providência contra ninguém por ser medroso. Depois, acusavam o apóstolo de andar segundo a carne e não conforme o Espírito. Além de outras tantas acusações feitas ao apóstolo.

COMO SE ANDÁSSEMOS SEGUNDO A CARNE. Esta acusação feita pelos opositores de Paulo contra sua pessoa, dava a entender que o apóstolo dos gentios não estava de acordo com a vontade de Deus, mas que ele agia dentro dos padrões humanos. Porem, a vida e o ministério deste grande homem de Deus, deu sustentação na história do cristianismo, que ele fazia e executava os planos que Deus lhe determinava a fazer. Portanto, eram falsas as acusações feitas pelos seus oponentes na igreja de Corinto.

2 Coríntios 10:1

2 Coríntios 10:1 - Além disto, eu, Paulo, vos rogo, pela mansidão e benignidade de Cristo, eu que, na verdade, quando presente entre vós, sou humilde, mas ausente, ousado para convosco.
ALÉM DISTO, EU PAULO. Temos comentado que, estes três últimos capítulos de 2 Coríntios, mais parece uma carta em separado do restante do corpo desta epístola, como se o escritor estivesse escrito uma terceira carta aos seus filhos na fé que faziam parte da igreja de Cristo em Corinto. Este Eu, Paulo, faz parte da introdução editorial de quase todas as cartas do apóstolo, em que ele se identifica como autor de tais missivas. Paulo era judeu, da tribo de Benjamim, nascido em Tarso da Cilícia.

VOS ROGO. Neste primeiro versículo, o autor não fala sobre o motivo do seu rogo, mas que já no segundo versículo ele demostra o motivo central de sua petição. Este pedido feito neste texto da carta severa de Paulo é mais uma preparação para que os seus filhos na fé viessem a lhe atender no que ele passaria a lhes expor. O que Paulo queria mesmo era que houvesse mudança de atitude dos irmãos em algumas coisas.

PELA MANSIDÃO. Os comentaristas bíblicos afirmam que neste momento da vida da igreja em Corinto, uma verdadeira guerra interna estava sendo travada entre os partidários das várias facções instaladas naquela igreja. Neste sentido, o apóstolo dos gentios apelava que os seus filhos na fé olhassem para o exemplo de Cristo que, mesmo enfrentando muita oposição, mas se manteve no caminho da mansidão.

E BENIGNIDADE DE CRISTO. A benignidade de Cristo foi demostrada, quando ele teve a capacidade de fazer o bem a todos, mesmo que tivesse de enfrentar a oposição de muitos dos seus inimigos. A vinda do Messias de Deus e o seu ministério foi somente para fazer o bem a todos os judeus, porem, mesmo assim foi rejeitado pelo seu povo. Neste texto, o escritor roga aos irmãos que se aplicassem a suportabilidade para que pudessem compreender as fraquezas uns dos outros e não auto se destruírem.

EU QUE, NA VERDADE, QUANDO PRESENTE ENTRE VÓS. Certamente, o apóstolo fala de quando esteve entre os coríntios, quando da fundação daquela comunidade cristã, que conforme alguns comentaristas, foi mais ou menos um ano e maio. Bem como de uma visita posterior que o apóstolo fez aquela igreja. E por fim, uma nova visita que estava em mente e na agenda do apóstolo a ser feita aquela comunidade cristã.

SOU HUMILDE. O apóstolo se reporta sobre o seu comportamento e sentimento que o fazia agir humildemente para com os seus leitores. Este era um ponto do ministério de Paulo que os seus oponentes da igreja de Cristo em Corinto o acusavam, falando de que ele era covarde, medroso e fraco, isso porque, quando ainda estava entre os coríntios agia como se tivesse medo de tudo. Mas no cristianismo humildade é virtude.

MAS AUSENTE, OUSADO PARA CONVOSCO. A acusação dos oponentes de Paulo na igreja em Corinto era que ele quando estava presente era medroso, mas por carta, era valente, destemido. Apesar de termos a nossa frente, os últimos três capítulos desta carta, uma mensagem mais forte de Paulo aos coríntios, porem, não era verdade o que os seus opositores diziam a seu respeito, e a igreja de Cristo sabia que não era assim.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

2 Coríntios 9:14-15

2 Coríntios 9:14-15 - E pela sua oração por vós, tendo de vós saudades, por causa da excelente graça de Deus que em vós há. Graças a Deus pelo seu dom inefável!
E PELA SUA ORAÇÃO. Paulo tinha consigo o conceito de que, as igrejas gentílicas deviam favores às igrejas de Israel, e isso ele pregava no mundo gentílico, pelo fato de que os gentios foram beneficiados por meio dos judeus. E a ministração deste serviço em prol dos judeus, fazia com que eles orassem por Paulo, e pelos irmãos de Corinto, pelos benefícios recebidos. Além de criar um vínculo de comunhão fraternal entre judeus e gentios, já que o Messias veio para fazer dos dois um só povo.

POR VÓS. Este “vós” diz respeito aos irmãos de Corinto, que estavam fazendo as doações à igreja de Jerusalém, bem como a todos que estavam fazendo as doações em benefício dos irmãos em Israel. Os irmãos da Judeia se sentiriam abençoados pela igreja de Cristo em Corinto, e com isso, eles teriam o sentimento de interceder perante Deus para que multiplicasse as posses daqueles que praticaram a generosidade.

TENDO DE VÓS SAUDADES. Até o momento desta carta, não se sabe o real motivo porque Paulo não se dispunha em viajar até Corinto para ver pessoalmente os irmãos daquela igreja. A não ser o que ele expressa logo no começo, dizendo que se lá fosse teria que tratar de maneira dura, aqueles que estavam se opondo contra ele naquela igreja. Esta saudade que Paulo sentia de todos fala do seu amor pelos irmãos.

POR CAUSA DA EXCELENTE GRAÇA. Como um dos principais fundadores daquela comunidade cristã, o apóstolo dos gentios não tira de sua memória tudo de bom que ele desfrutou entre os seus filhos na fé. Quando ele percebeu que Deus operava maravilhosamente entre aquela gente boa. Certamente, o autor se recorda de como foi bem recebido naquela cidade, e da forma como os coríntios receberam a Cristo.

DE DEUS QUE EM VÓS HÁ. Além de que, o povo de Deus na igreja de Corinto era um povo agradável, de boa convivência, receptível a mensagem do evangelho, que recebeu a Paulo como se fosse realmente um mensageiro de reino de Cristo. A graça de Deus estava sobre a vida de todos eles, porque abraçaram a redenção e salvação de Cristo com muita devoção e dedicação. Isso deixava o coração de Paulo derretido pelos seus filhos na fé em Corinto, e aumentava cada vez mais sua saudade deles todos.

GRAÇAS A DEUS. Percebe-se que estes dois últimos versículos do capítulo nove, funcionam como o término de uma correspondência, por isso que, alguns comentaristas afirmam de que, os capítulos restantes desta missiva fazia parte de uma outra carta de Paulo aos coríntios, chamava de carta severa. Seja como for, o apóstolo rende graças a Deus pelas coisas boas que aconteceram entre ele e os coríntios.

PELO DOM INEFÁVEL. Este dom inefável sobre o qual fala o escritor, pode ser que ele já estivesse agradecendo a Deus pelos resultados positivos que traria a campanha de ação social em favor das igrejas da Judeia. Ou também pode ser que o apóstolo Paulo se refira à amizade e o amor fraternal que ele tinha para com seus filhos na fé em Corinto. Por fim, não podemos descartar a possibilidade de Paulo estar agradecendo a Deus o dom inefável da salvação extensiva aos gentios da cidade de Corinto.

domingo, 8 de outubro de 2017

2 Coríntios 9:13

2 Coríntios 9:13 - Visto como, na prova desta administração, glorificam a Deus pela submissão, que confessais quanto ao evangelho de Cristo, e pela liberalidade de vossos dons para com eles, e para com todos.
VISTO COMO, NA PROVA DESTA ADMINISTRAÇÃO. O autor estava de fato pondo a prova os seus filhos na fé, a fim de que, eles tivessem a oportunidade de compartilhar na prática do amor fraternal, ensinado por Cristo. Por outro lado, os seguidores de Cristo na igreja em Corinto, tinham neste momento, e por meio desta campanha de ação social, o privilégio de serem participantes de uma prova de amor para com os seus irmãos da igreja cristã em Jerusalém. Deus também estava provando seus filhos.

GLORIFICAM A DEUS. Para o apóstolo era como se a grande campanha de arrecadação de alimentos para os carentes da Judeia já estivesse sendo posta em prática, com resultados maravilhosos, em que os beneficiários deste serviço, já estivessem satisfeitos com a igreja de Cristo na cidade de Corinto. E por conta da grande generosidade dos filhos de Deus daquela igreja, glorificavam ao Deus dos céus.

PELA SUBMISSÃO. O escritor fala em termos de obediência dos seus filhos na fé em cumprirem aquilo que ensina o evangelho de Cristo. Na realidade era uma solicitação da parte de Paulo aos irmãos de Corinto, ao mesmo tempo em que, este serviço de ação social em prol dos judeus estava de acordo com a vontade de Cristo, uma vez que, o Senhor Jesus, quando esteve entre os homens, ensinou sobre o amor fraternal.

QUE CONFESSAIS QUANTO AO EVANGELHO. Até que esta campanha fosse implantada em pleno vapor naquela comunidade cristã, o apóstolo dos gentios tinha conhecimento das palavras que pronunciavam os coríntios, quanto à generosidade. Mas agora, o autor espera que eles ponham em prática tudo aquilo que confessavam com suas palavras. As igrejas atuais que não praticam ação social, não estão cumprindo o que manda o evangelho do amor fraternal, ensinado por Cristo Jesus.

DE CRISTO. Quanto ao evangelho de Cristo. O evangelho de Cristo são as boas novas de salvação com sua mensagem de união e amor entre todos que fazem parte do reino de Deus. Quando o Novo Testamento fala sobre o evangelho de Cristo, ele está se reportando sobre o filho de Deus, que veio a este mundo para servir de propiciação e redenção em prol de sua igreja amada e remida, isto é evangelho do amor.

E PELA LIBERALIDADE DE VOSSOS DONS. A liberalidade falada pelo escritor nos ensina sobre a generosidade dos filhos de Deus em abrirem suas mãos, em atos de bondade para com os que mais precisam. Já os dons sobre os quais fala Paulo, dizem respeito às doações propriamente ditas, ou seja, os alimentos que eram doados pelos irmãos da igreja de Corinto para o benefício dos pobres de Jerusalém, da Judeia e outras igrejas.

PARA COM ELES, E PARA COM TODOS. “Eles” está se reportando aos carentes da Judeia, que neste momento estavam passando por momentos de dificuldades financeiras, e que estavam contando com a generosidade dos irmãos de Corinto. E “todos” nos fala sobre as demais igrejas carentes, que certamente seriam da mesma forma beneficiadas ,com este serviço de ação social levantado pelo apóstolo Paulo.

2 Coríntios 9:12

2 Coríntios 9:12 - Porque a administração deste serviço, não só supre as necessidades dos santos, mas também é abundante em muitas graças, que se dão a Deus.
PORQUE A ADMINISTRAÇÃO. Paulo ficou sendo conhecido na história do cristianismo como sendo o apóstolo dos gentios em fazer importantes missões transculturais, com suas campanhas evangelísticas. Mas, este trabalho de campanhas de arrecadação de alimentos para suprir as necessidades das igrejas mais carentes teve para ele uma importância muito grande também. É tanto que ele considerava este serviço como parte de seu ministério como algo indispensável, assim como o evangelismo.

DESTE SERVIÇO. O autor fala do serviço de ação social em benefício dos cristãos que estavam passando dificuldades financeiras, coisa que nesta época, se tornou comum em Israel, desde que houve o retorna daquela nação dos cativeiros. Além do mais, toda a palestina, e aonde chegava o alcance do império romano, era grande a calamidade dos povos, que passavam a serem explorados financeiramente por Roma.

NÃO SÓ SUPRE AS NECESSIDADES. Grande parte dos que se convertiam ao cristianismo tinham seus bens confiscados pelas autoridades romanas, outros tantos eram perseguidos de forma implacável, ao ponto de abandonarem suas terras, casas e cidades para sobreviverem às perseguições hostis do império romano. Por conta destes e outros motivos, os cristãos passavam muita fome e necessidades diversas.

DOS SANTOS. A palavra “santo” quer dizer: Separado do mundanismo, separado para Deus ou ainda dedicado a fazer a vontade de Deus. Estes santos, sobre os quais se refere o escritor, não dizem respeito a mortos canonizados por uma instituição religiosa, mas dizem respeito aos discípulos de Cristo vivos que faziam parte das igrejas cristãs do primeiro século de nossa era cristã. Santo vivo e não morto.

MAS TAMBÉM É ABUNDANTE. Além do serviço de ação social suprir as necessidades das igrejas perseguidas e que passavam por tremendas necessidades econômicas, este trabalho realizado por Paulo e seus amigos de ministério rendiam muitas graças a Deus por parte dos beneficiários. O entendimento de Paulo é que este serviço em favor dos carentes era feito para glória do nome de Deus e para benefícios de muitos.

EM MUITAS GRAÇAS. Os irmãos que viveram no tempo da igreja primitiva não recebiam ajuda dos governos, como nos dias de hoje por meio dos programas sociais do Estado. Pelo contrário, o governo naquela época, que era o império romano, fazia era explorar a sociedade de um modo geral pelas altas cargas tributárias impostas aos vassalos de todo o império, por meio de suas capitanias e províncias. Portanto, os cristãos só contavam com a ajuda de Deus para sobreviverem aos tempos difíceis.

QUE SE DÃO A DEUS. Desta forma, o Senhor usava os seus filhos que tinham melhores condições financeiras para que fizessem suas doações a fim de beneficiarem os mais carentes. Com isso, todos aqueles que recebiam os benefícios deste serviço de ação social, feito por Paulo e seus amigos de ministério, agradeciam a Deus pelas bênçãos recebidas. E o nome do Senhor era glorificado em todas as igrejas, tanto pelos que tinham condições de doarem, como pelos que eram beneficiados, principalmente.

sábado, 7 de outubro de 2017

2 Coríntios 9:11

2 Coríntios 9:11 - Para que em tudo enriqueçais para toda a beneficência, a qual faz que por nós se deem graças a Deus.
PARA QUE. Este texto nos fala do resultado, de quando os irmãos da igreja de Cristo em Corinto fizessem uma generosa campanha em prol das igrejas da Judeia, e por conta disto, Deus iria lhes multiplicar suas posses, para que eles tivessem mais e mais disposição para contribuírem com os carentes. Bem como olhando para frente, o autor já tinha a percepção de que este serviço de ação social feito pela igreja de Corinto iria levar muito benefícios aos carentes de Jerusalém e o nome do senhor seria glorificado.

EM TUDO. Paulo mostra aos seus leitores, algo muito mais positivo do que se possa imaginar, quando ele aponta para a possibilidade de este amor fraternal na prática, exercido pelos seus filhos na fé, iria se desdobrar em muito mais bênçãos materiais. O apóstolo estimula os irmãos neste negócio, declarando que em todas as áreas de suas vidas, o Deus galardoador iria abençoar, com recompensas ilimitadas.

ENRIQUEÇAIS. Os seguidores de Cristo naquela igreja em Corinto tinham uma vida financeira robusta, ao ponto de não lhes faltarem nada. Porem, a bênção material não é sinônimo de abundância espiritual. Certamente, a igreja de Corinto era bem sucedida no lado econômico, mais tinha suas deficiências no campo espiritual. Mas, o apóstolo garante que, se eles abençoassem os judeus seriam enriquecidos na esfera espiritual.

PARA TODA A BENEFICÊNCIA. Percebe-se que o apóstolo dos gentios tem a intenção de fazer uma permuta entre os irmãos da igreja de Corinto e os demais das igrejas da Judeia. Em que os cristãos de Corinto seriam os doadores dos benefícios materiais urgentes e necessários para os judeus, mas que o Deus de beneficência lhes compensaria com bênçãos espirituais. E nesta permuta, ninguém sairia perdendo, porque os judeus precisavam dos coríntios e eles precisavam das orações dos judeus.

A QUAL FAZ QUE. No capítulo anterior, o escritor usa a generosidade dos macedônios para estimular aos coríntios a que eles se dessem a este serviço de ação social em favor dos irmãos da Judeia. Agora, antes mesmo de acontecer, Paulo deixa transparecer que as doações que seriam feitas pelos irmãos daquela igreja, seriam exemplos motivacionais para que outras igrejas seguissem o mesmo padrão.

POR NÓS SE DEEM. Na verdade, este é o “nós” editorial, porque na realidade, os verdadeiros doadores seriam os servos de Cristo que estavam na cidade de Corinto. No entanto, o escritor não deixa de se incluir neste negócio, uma vez que, ele é o principal coordenador desta campanha, que seria feita pela igreja de Cristo em Corinto. Este era um trabalho que envolvia Paulo e equipe, bem como muitas igrejas fundadas por ele.

GRAÇAS A DEUS. Finaliza então, o apóstolo Paulo falando dos beneficiários diretos deste serviço de ação social, realizado pelo grande apóstolo dos gentios, que neste caso, seriam os irmãos carentes da Judeia, principalmente de Jerusalém. Não há dúvida que, os alimentos arrecadados da igreja de Corinto e de outras igrejas do mundo gentílico, ao chegarem aos destinatários, muitas ações de graças seriam dadas pela generosidade dos irmãos, e mais ainda, pela bondade de Deus em abençoar.

2 Coríntios 9:10

2 Coríntios 9:10 - Ora, aquele que dá a semente ao que semeia, também vos dê pão para comer, e multiplique a vossa sementeira, e aumente os frutos da vossa justiça.
ORA, AQUELE. O apóstolo fala a respeito do Deus Criador, ele que faz tudo que lhe apraz, que abençoa seu povo com bens, de tal maneira que não nos falta nada, ele mesmo que trabalha em prol daqueles que nele esperam. Deus é aquele que abençoa alguns que, tem capacidade de ser um bom mordomo e administrador de suas dádivas, a fim de que estes possam pelas bênçãos provenientes de Deus levar o benefício aos que mais precisam. O nosso Deus é riquíssimo em atos de bondade.

QUE DÁ A SEMENTE. O autor olha em direção das ações de Deus em abençoar os irmãos da igreja de Cristo em Corinto, para que por meio deles, os judeus fossem abençoados. Antes, a igreja havia sido beneficiada por meio do maior representante dos judeus, Jesus Cristo, agora, os judeus precisavam da ajuda dos gentios. Portanto, as bênçãos de Deus chegaram aos coríntios para que eles ajudassem aos judeus.

AO QUE SEMEIA. Neste caso, a semeadura era a ação social que os filhos de Deus da cidade de Corinto iriam praticar em benefício das igrejas da Judeia. Já a semente seria os alimentos ou ajudas doadas por cada um individualmente. Foi Deus quem deu aos seus filhos as condições financeiras, bastava que cada um deles tivesse a capacidade de compartilhar com os que, neste momento, estavam precisando de uma mão amiga.

TAMBÉM VOS DÊ PÃO. Este é um indicativo de que, na verdade, estas campanhas idealizadas por Paulo e seus amigos de ministério, era exclusivamente com alimentos, certamente, não perecíveis. Paulo dava prioridade a que fossem doados alimentos, e não dinheiro, para que não se levantasse opositores, o acusando de estar tirando proveito financeiro das igrejas. Neste particular, o apóstolo dos gentios era muito cuidadoso, até porque, de dentro e de fora, haviam adversários lhe observando.

PARA COMER. O escritor afirma que, o mesmo Deus que até este momento havia dado condições econômicas aos seus seguidores na cidade de Corinto, era o mesmo que sempre faria as provisões do sustento deles depois desta campanha. Com isso, o apóstolo assegura aos seus leitores que Deus não deixaria faltar o sustento de nenhum deles, e que poderiam confiar na recompensa que vem do Deus das provisões.

E MULTIPLIQUE A VOSSA SEMENTEIRA. Continua o autor no terreno de sua alegoria, defendendo que aqueles que plantassem em abundância, poderiam contar com o fenômeno milagroso da multiplicação proveniente de Deus. Em se tratando das doações que seriam feitas pelos seus filhos na fé, Paulo deseja que Deus faça aumentar tudo que os irmãos já possuíam, para que pudessem ser mais generosos.

E AUMENTE OS FRUTOS DA VOSSA JUSTIÇA. A esperança do escritor, desta importante carta é que, este serviço de ação social na igreja de Cristo em Corinto, seja um sucesso absoluto, porque na terra santa, Israel, haviam muitos irmãos passando por tremendas necessidades. Ao mesmo tempo, Paulo deseja ardentemente que as recompensas vindas da parte de Deus, na vida de cada um dos doadores, fossem maiores do que as próprias doações que eles passariam a ofertar, neste trabalho.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

2 Coríntios 9:9

2 Coríntios 9:9 - Conforme está escrito: Espalhou, deu aos pobres; A sua justiça permanece para sempre.
CONFORME. O autor cita, ainda que de maneira livre, o que está escrito em Salmos 112:9 - Ele espalhou, deu aos necessitados; a sua justiça permanece para sempre, e a sua força se exaltará em glória. No caso do Salmos em foco, está falando exatamente de como age o homem bom e que teme a Deus. A própria lei de Moisés determinava que os pobres, as viúvas e os órfãos deveriam receber cuidados especiais da parte dos judeus, o que o povo de Deus cuidava em fazer, e a igreja devia também imitar isso.

ESTÁ ESCRITO. Mais uma vez, o apóstolo Paulo faz uma citação das sagradas Escrituras dos judeus, dando comprovação que, a palavra por ele ensinada não era filosofia humana nem ideologia pessoal, mas que se sustentava nos ensinos da palavra de Deus e nas tradições dos hebreus. O fato de citar uma Escritura já consagrada como sendo palavra de Deus, o escritor dava autoridade a seus ensinos como vindos de Deus.

ESPALHOU. Paulo usa este verbo, bem como o salmista, para expressar a forma generosa como o homem bom pratica a generosidade para com os que mais precisam. Neste caso, os seguidores de Cristo da igreja em Corinto não deviam olhar para quem estavam fazendo suas doações, mas que fizessem esse ato de ação social na expectativa de que, estavam fazendo isso em cumprimento a vontade de Deus. Assim sendo, a recompensa de cada um viria da parte do Deus Criador que é justo.

DEU AOS POBRES. Esta campanha de ação social levantada por Paulo e seus companheiros de ministério, não era feita para ser direcionada para os que tinham já condições de se manterem. Até porque, ajudar a quem não precisa é jogar as pérolas aos porcos. Mas quando se faz uma boa ação em favor de um necessitado e de quem mais precisa, é como se fizesse por Cristo, e ele falou sobre isso em sua mensagem.

A SUA JUSTIÇA. Agora, o escritor fala em termos de medida certa, quando se faz ação social em benefício dos necessitados. Antes, dentro deste mesmo tema, o autor tinha escrito que, Deus tinha abençoado aos seus leitores, e da mesma forma, seria justo que eles por meio de suas posses materiais levassem benefícios aos demais irmãos que estavam passando necessidade, desta forma, estavam fazendo justiça devida.

PERMANECE. A própria sociologia reconhece que, a sociedade louva aos homens bons, e atos de bondade praticados em favor dos necessitados se espelham como ondas benéficas, até no meio dos que não vivem para Deus. Certamente o escritor fala do reconhecimento social das boas ações praticadas pelo ser humano em benefício do seu próximo, principalmente nos momentos de calamidades públicas.

PARA SEMPRE. Termina então o apóstolo dos gentios falando uma verdade que é superior aos conceitos sociais e da população, ao afirmar que os bons atos de ação social, praticados em favor dos que mais precisam, ultrapassa a esfera desta vida presente, ao mergulhar na dimensão da eternidade. Já diz um conceito popular entre os filhos dos homens que: Não levamos desta terra, nada do que temos ou possuímos, mas certamente nos acompanham atos de bondade e benevolência que fizermos.