Pesquisar este blog

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

2 Coríntios 13:12-13

2 Coríntios 13:12-13 - Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo. Todos os santos vos saúdam. A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo seja com todos vós. Amém.
SAUDAI-VOS UNS AOS OUTROS. A maioria das cartas de Paulo contem suas saudações aos seus leitores ou destinatários, no começo e no fim delas. Isso falando de que era na realidade um bom costume nas igrejas, os irmãos se cumprimentarem uns aos outros. Nas igrejas formadas por judeus convertidos ao cristianismo, geralmente a saudação era: A paz de Deus. Já nas igrejas gentílicas, comumente a saudação era graça, e quando era mista, judeus e gentios era graça e paz de Deus ou do Senhor.

COM ÓSCULO SANTO. Este era um costume e uma tradição oriental, como saudação de chegada ou despedida, e significava afeto e amizade entre as pessoas. O ósculo santo não foi adotado pelas igrejas ocidentais, somente com algumas exceções em determinadas denominações mais ortodoxas. Este ósculo santo era um beijo na face entre amigos ou irmãos. Mas, significa a mesma coisa que, a graça e paz, bom dia, boa tarde, boa noite. O ósculo santo fala de saudação e comunhão entre as pessoas.

TODOS OS SANTOS VOS SAÚDAM. Tanto o autor recomendava que os irmãos em Corinto se cumprimentassem entre si, até para representar que eles estavam em comunhão uns com os outros. Como também Paulo enviava saudação dele próprio, bem como dos irmãos e companheiros de ministério que se encontravam com ele. Não se sabe se de Éfeso, de Filipos ou da Macedônia. Santos, quer dizer: Separados.

A GRAÇA DO SENHOR JESUS CRISTO. Graça fala a respeito de favor não merecido. Quando Cristo se manifestou no planeta terra, o que a humanidade merecia era efetivamente a destruição e o juízo divino. Mas o Senhor Jesus veio justamente trazer a paz e a reconciliação com Deus, por meio de sua propiciação. Jesus é o nome próprio do Filho de Deus e Cristo nos fala da missão do Messias de Deus entre os homens.

O AMOR DE DEUS. João 3:16 - Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Romanos 5:8 - Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores. Foi movido pelo seu grande amor, que Deus enviou o seu Filho Jesus Cristo para redimir a humanidade dos seus pecados.

E A COMUNHÃO DO ESPÍRITO SANTO. Esta comunhão do Espírito Santo nos fala de que ele está em perfeita harmonia com Deus Pai e com Cristo Jesus. Como também, esta comunhão do Espírito Santo nos ensina sobre suas atividades na terra, no sentido de proporcionar o acesso aos filhos dos homens a Deus, por meio de Cristo Jesus. Bem como, é o Espírito Santo quem trabalha na reconciliação do homem com Deus.

SEJA COM TODOS VÓS. AMÉM. Este último versículo de Segundo Coríntios é constituída por quase todas as igrejas cristãs como sendo a bênção apostólica. Ao escrever esta mensagem, o escritor desejava que a graça de Cristo, o amor de Deus Pai e a comunhão do Espírito Santo chegasse em plenitude na vida de todos aqueles que lessem esta sua belíssima carta. O amém editorial fala do fechamento desta carta.

2 Coríntios 13:11

2 Coríntios 13:11 - Quanto ao mais, irmãos, regozijai-vos, sede perfeitos, sede consolados, sede de um mesmo parecer, vivei em paz; e o Deus de amor e de paz será convosco.
QUANTO AO MAIS, IRMÃOS. O autor quis dizer que já tinha escrito o suficiente e que se dava por satisfeito com suas exortações e recomendações, apenas queria de resto expressar seus desejos quanto aos seus filhos na fé. Tratando seus leitores de irmãos, o escritor dá uma refrescada em suas exortações mais severas, a fim de terminar esta sua missiva de bem com os destinatários de sua carta. Na igreja primitiva, todos os cristãos se consideravam irmãos uns dos outros, por serem todos filhos de Deus.

REGOZIJAI-VOS. A leitura do restante desta carta, principalmente dos últimos quatro capítulos, chamada de carta severa, fez com que os seus leitores se tornassem tristes ou até com raiva do escritor. No entanto, Paulo, até certo ponto brica com eles, ao solicitar que se alegrassem. Apesar dos muitos defeitos apontados pelo apóstolo dos gentios, quanto aos seus leitores, porem, nem tudo estava perdido e havia esperança.

SEDE PERFEITOS. Neste ponto, Paulo se recorda dos momentos em que, noite e dia se dedicara ao discipulado cristão para ver que seus filhos na fé na igreja de Corinto se desenvolvessem no nível espiritual. O novo nascimento é um passo muito importante no crescimento espiritual, juntando-se a isso a regeneração, tendo procedimento na santificação. O escritor fala da renúncia às coisas deste mundo para se dedicar a Deus.

SEDE CONSOLADOS. Mesmo tendo escrito recomendações severas e exortações duras, mas o objetivo de Paulo era o bem de todos os seus leitores. Naquilo que porventura, alguém achou que ele falou de forma mais severa, o apóstolo deseja que até suas exortações sirvam de consolo e conforto aos seus filhos na fé. O desejo de Paulo era que Deus desse motivo suficiente para que os irmãos se animassem em tudo.

SEDE DE UM MESMO PARECER. O escritor não poderia encerrar sua carta, sem esta solicitação aos irmãos de Corinto, uma vez que, aquela igreja vinha atravessando momentos difíceis, quanto às divisões, facções e partidarismo. O apóstolo dos gentios queria mesmo era que todos os seguidores de Cristo se unissem aos mesmos objetivos, até porque serviam ao mesmo Deus e tinham um mesmo Salvador, Jesus.

VIVEI EM PAZ. Os chamados falsos apóstolos e que também eram obreiros fraudulentos, desde que haviam chegada a igreja de Corinto, que vinham semeando a guerra entre os irmãos. Todos tinham perdido a paz e o sossego, virando-se uns contra os outros, como em um campo de batalha. Paulo desejava que a harmonia reinasse outra vez entre todos, como demonstração de amizade e amor fraternal.

E O DEUS DE AMOR E DE PAZ SEJA CONVOSCO. Bastava que os leitores desta carta tomassem o exemplo do Pai celeste para que todas as coisas se harmonizassem naquela comunidade cristã. Deus é amor, e deu prova disto, quando enviou seu unigênito Filho para redimir a humanidade. Deus também é de paz, quando permitiu que seu Filho Jesus servisse de propiciação a fim de produzir a reconciliação com todos. O que mais os irmãos precisavam era da presença de Deus entre todos eles.

2 Coríntios 13:10

2 Coríntios 13:10 - Portanto, escrevo estas coisas estando ausente, para que, estando presente, não use de rigor, segundo o poder que o Senhor me deu para edificação, e não para destruição.
PORTANTO, ESCREVO ESTAS COISAS ESTANDO AUSENTE. O autor fala sobre o conteúdo propriamente dito, desta sua segunda epístola aos Coríntios, expondo seus pontos de vista, sobre os assuntos por ele abordados nesta missiva. Paulo era um missionário e ministro do evangelho muito ocupado em suas atividades no reino de Cristo. Ele não parava em momento algum, mas estava sempre em atividades evangelísticas, bem como ensinando as doutrinas cristãs, por isso escreveu muito.

PARA QUE, ESTANDO PRESENTE. São duas grandes missivas escritas pelo apóstolo dos gentios aos coríntios, porem, em se tratando desta segunda carta, o apóstolo estava escrevendo para que, suas exortações preparassem o ambiente antes de sua presença pessoal. O escritor esteve em Corinto, quando da fundação daquela comunidade cristã, bem como em uma segunda visita, e agora desejava ir lá outra vez.

NÃO USE DE RIGOR. Na sua segunda visita a igreja de Corinto, o apóstolo percebeu que naquela igreja existiam muitas pessoas que mesmo fazendo parte do povo de Deus, mas viviam de forma profana. Deu um tempo para que tais pessoas deixassem seus pecados de estimação. Todavia, quando chegasse naquela igreja, Paulo deveria tomar as devidas providências, no sentido de que, tais pessoas fossem disciplinadas.

SEGUNDO O PODER. Paulo afirma em seus escritos que foi chamado diretamente por Cristo para ser apóstolo dos gentios, e sua chamada foi confirmada por Deus, por meio do poder e autoridade que lhe foram outorgadas pelo Senhor. Apesar de não ter o devido apoio das lideranças da igreja matriz de Jerusalém, mas, o apóstolo Paulo, por onde passava fazendo seus trabalhos em prol do reino de Deus, sua autoridade apostólica era confirmada pelo Espírito de Deus, com poder e muitas maravilhas.

QUE O SENHOR ME DEU. A partir do momento de seu encontro com Cristo na estrada de Damasco, que o apóstolo buscou com todo empenho e dedicação plena comunhão com Deus. Com isso, Cristo se fazia presente na vida de Paulo, isso porque, ele não mais vivia para si mesmo, mas procurava de todas as formas glorificar o nome de Cristo. O Senhor Jesus capacitou a Paulo de forma extraordinária e marcante.

PARA EDIFICAÇÃO. De forma que, o apóstolo dos gentios usava da autoridade e da capacidade que Deus lhe conferiu para edificação das vidas das pessoas que ele se deparava em sua trajetória. Nenhum outro dos apóstolos foi tão eficaz em seus ministérios, o quanto foi Paulo, na evangelização e fundação de igrejas no mundo gentílico. Enquanto os apóstolos evangelizavam Israel, Paulo evangelizava o mundo.

E NÃO PARA DESTRUIÇÃO. Enquanto Paulo trabalhava e se gastava na edificação e no desenvolvimento do reino de Cristo em todas as partes do mundo, seus adversários, os líderes legalistas da igreja matriz, procuravam destruir a obra feita pelo apóstolo dos gentios, quando semeavam discórdias e divisão nas igrejas. A igreja de Corinto era um bom exemplo das boas atividades evangelísticas de Paulo, em prol do reino de Cristo.

2 Coríntios 13:8-9

2 Coríntios 13:8-9 - Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade. Porque nos regozijamos de estar fracos, quando vós estais fortes; e o que desejamos é a vossa perfeição.
PORQUE NADA PODEMOS. Tanto antes, quanto no texto seguinte, o autor desta carta afirma que vai viajar mais uma vez até a cidade de Corinto, e se os problemas que estavam prevalecendo naquela comunidade cristã não fossem resolvidos com antecedência, pelos próprios líderes daquela igreja. Quando lá chegasse, Paulo tomaria as devidas providências para fazer cessar as divisões, o partidarismo e o faccionismo naquela comunidade cristã, nem que para isso, ele agisse com disciplina e exclusão.

CONTRA A VERDADE. De forma que, ainda na fundação daquela comunidade cristã, o apóstolo dos gentios pregou a verdade das doutrinas cristãs para que, aqueles que viviam em pecados deixassem a vida profana pela santidade de vida. Quando Paulo fala, nos que dantes pecaram, é que ainda no tempo em que ele esteve entre os irmãos, já tinham lá os que viviam de forma profana, mas Paulo deu um tempo a eles.

SENÃO PELA VERDADE. Mas com sua chegada, se aqueles transgressores da verdade não tivessem se arrependido e abandonado à vida de promiscuidade, seriam reprovados pela verdade do evangelho. Esta verdade sobre a qual o escritor fala, diz respeito ao evangelho anunciado por Paulo e seus amigos de ministério. Assim sendo, o apóstolo dos gentios iria usar as doutrinas por ele pregadas contra seus oponentes.

PORQUE NOS REGOZIJAMOS. Vejamos o que escreveu Paulo em 2 Coríntios 12:10 - Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte. Enquanto os adversários do escritor lutavam para denegrir a sua imagem e o seu ministério, com isso Paulo não ficava triste, mas se alegrava por sofrer por Cristo.

DE ESTAR FRACOS. Esta fraqueza sobre as quais Paulo se refere, diz respeito às acusações dos seus detratores, que diziam que ele era um homem fraco, sem aparência, debilitado em sua saúde, sem condições financeiras para fazer a obra, porque Paulo não aceitava salário para pregar o evangelho nem fazer a obra de Deus. Além de que, diziam que Paulo não tinha condições de evangelizar o mundo gentílico.

QUANDO VÓS ESTAIS FORTES. A alegria de Paulo era poder olhar para a cidade de Corinto e saber que naquele lugar existia uma igreja forte, isso porque Deus lhe deu condições e força para evangelizar aquele povo. Enquanto isso, seus opositores estavam invadindo aquela igreja, quando ela já estava fundada, mesmo considerando que Paulo era fraco. Mas foi justamente este fraco quem mais trabalhou por ela.

E O QUE DESEJAMOS É A VOSSA PERFEIÇÃO. Neste momento, os pensamentos do escritor retrocedem aos instantes em que ele com muito amor e dedicação pregava o evangelho da verdade para seus filhos na fé naquela cidade. Bem como suas muitas atividades em ensinar as doutrinas cristãs naquela igreja, tudo isso para que os seguidores de Cristo crescessem e se desenvolvessem nas coisas espirituais. Paulo desejava que os seus leitores vivessem a vida de santidade na presença de Cristo.

sábado, 18 de novembro de 2017

2 Coríntios 13:7

2 Coríntios 13:7 - Ora, eu rogo a Deus que não façais mal algum, não para que sejamos achados aprovados, mas para que vós façais o bem, embora nós sejamos como reprovados.
ORA, EU ROGO. O autor expressa seu mais íntimo desejo no desenrolar dos acontecimentos em Corinto, a partir do recebimento desta sua carta e com a visita de seus enviados, que além de darem continuidade a campanha de ação social em prol dos carentes de Jerusalém, eles também procurariam consertar coisas erradas que estavam ocorrendo naquela igreja. De forma que, quando lá o apóstolo chegasse, as demandas contrárias já estivessem solucionadas dentro da paz e harmonia possível.

A DEUS. Além de que, isso já fazia parte das orações de Paulo a Deus, no sentido de que o Senhor tocasse nos corações dos seus filhos na fé, com o objetivo de que estes se consertassem naquilo que estavam errados. Como Paulo era um homem humilde, certamente, ele também orava a Deus para que seus próprios oponentes naquela igreja se convertessem dos seus maus caminhos e deixassem de falar mal dele.

QUE NÃO FAÇAIS MAL ALGUM. Uma vez que, os adversários de Paulo se arrependessem verdadeiramente de seus erros, o que o escritor esperava era de que, perdoassem os seus ofensores. Porque assim sendo, não haveria necessidade de que nenhuma providência mais forte fosse tomada contra quem quer que seja, e assim, as demandas seriam resolvidas da melhor forma possível, pelo bom censo e paz.

NÃO PARA QUE SEJAMOS ACHADOS APROVADOS. Essa colocação feita por Paulo nos faz entender que, os irmãos de Corinto não precisavam tomar partido ao lado de Paulo contra seus adversários, no sentido de defenderem ao fundador daquela comunidade cristã. A oração de Paulo a Deus é que os próprios seus oponentes em Corinto tomassem consciência de que estavam sendo injustos com Paulo e se arrependessem.

MAS PARA QUE VÓS FAÇAIS O BEM. No teor geral desta carta, percebe-se o desejo de justiça da parte de Paulo aos seus oponentes, mas isso, não significa que ele desejasse o mal dos seus opositores. Por isso é que ele expressa nesta sua colocação de que, não quer que os seus filhos na fé façam o mal a quem se levanta contra ele, mas que o mal seja pago com o bem. Essa é a lei de Cristo, o amor fraternal com todos.

EMBORA NÓS SEJAMOS. O escritor tinha sua consciência tranquila de que era inocente diante de todas as acusações feitas pelos seus desafetos, além de também saber que não tinha feito o mau a quem quer que seja, até porque, suas atividades evangelísticas naquela cidade de Corinto, desde o primeiro momento, foi sempre pelo bem-estar de todos. Nada na mente do apóstolo lhe acusava de culpa neste negócio.

COMO APROVADOS. Aprovado pelos seus próprios feitos, porque o escritor sabia o bem que tinha feito em prol dos seus filhos e filhas na fé, que faziam parte da igreja de Cristo em Corinto. Aprovado pelos seus leitores que o conheciam de perto e sabiam do bem que o apóstolo havia feito a todos eles. E aprovado por Deus, por meio da manifestação do poder divino na realização de suas atividades naquele lugar. Nem mesmo as difamações poderiam desfaze as obras benéficas já realizadas por Paulo.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

2 Coríntios 13:5-6

2 Coríntios 13:5-6 - Examinai-vos a vós mesmos, se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis quanto a vós mesmos, que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados. Mas espero que entendereis que nós não somos reprovados.
EXAMINAI-VOS A VÓS MESMOS. Como a igreja de Corinto estava envolvida com o partidarismo, e dentro dela haviam várias facções, os que diziam confessar o nome de Cristo estavam mais preocupados em olharem para os defeitos uns dos outros. E o autor percebe que há a necessidade urgente de alertar aos seus filhos na fé, para que dessem uma olhada introspectiva, onde cada um deveria examinar a se mesmo.

SE PERMANECEIS NA FÉ. Há quem diga que o próprio Paulo, que era o pai na fé de todos os seus leitores, já se deixava levar pelas dúvidas se realmente os que faziam parte da igreja cristã de Corinto ainda estava nos caminhos do evangelho. Eles até aceitaram a Cristo como Senhor e Salvador, quando Paulo esteve fundando aquela comunidade crista, porem, não se sabia mais se permaneciam na mesma fé de antes.

PROVAI-VOS A VÓS MESMOS. Este versículo do Novo Testamento encerra uma discussão antiga entre aqueles que defendem a predestinação ou segurança da salvação dos remidos e aqueles que defendem a possibilidade de perda da salvação, por meio da apostasia da fé. O que se pode assegurar é que ambos os lados destas questões tem textos bíblicos que as defendem, sem, no entanto, encontrar harmonia.

OU NÃO SABEIS QUANTO A VÓS MESMOS. Feito o exame de consciência de cada um individualmente, e da mesma forma, cada um individualmente provando a se mesmo se ainda estavam sendo fieis a Cristo. Os leitores de Paulo poderiam chegar a uma conclusão se efetivamente eles ainda continuavam ou não nos caminhos de Cristo. Ninguém tem o direito de julgar os outros, mas cada um sabe de sua condição e fé.

QUE JESUS ESTÁ EM VÓS? O escritor não faz uma afirmativa que Cristo esteja na vida dos seus leitores, mas ele faz uma interrogação, não querendo que eles buscassem responder ao escritor, mas sim, para si mesmos. Está Cristo na vida de alguém é acima de tudo esta pessoa ser um discípulo do Senhor Jesus, e isso implica que a pessoa não mais vive para si mesmo, nem para o mundo, porem, vive para Cristo Jesus.

SE NÃO É QUE JÁ ESTAIS REPROVADOS. Neste caso, e de acordo com o pensamento do apóstolo dos gentios, está reprovado é se encontrar fora dos caminhos do Senhor. É ter apostado da fé, e se Jesus retornasse naquele momento, os leitores desta carta não teriam condições de participar do arrebatamento da igreja remida. Está reprovado e partir desta vida, e em vez de subir para o paraíso, ser levado para o inferno.

MAS ESPERO QUE ENTENDEREIS QUE NÓS NÃO SOMOS REPROVADOS. Do lado dos que faziam parte da igreja cristã de Corinto, que estavam sendo bombardeados pelos adversários de Paulo, já poderiam estar pensando que Paulo e seus amigos de ministério não eram representantes de Cristo. Razão porque o escritor espera que eles não se deixem levar por tais pensamentos, até porque durante a fundação daquela igreja, Cristo deu provas suficientes que estava aprovando o ministério de Paulo.

2 Coríntios 13:4

2 Coríntios 13:4 - Porque, ainda que foi crucificado por fraqueza, vive, contudo, pelo poder de Deus. Porque nós também somos fracos nele, mas viveremos com ele pelo poder de Deus em vós.
PORQUE, AINDA QUE. Parte das acusações que os oponentes de Paulo faziam ao apóstolo dos gentios, o próprio Paulo podia identificar também no mesmo Cristo que os apóstolos pregavam. Assim sendo, o autor tinha o privilégio de se identificar com o Cristo que ele anunciava, e para o escritor isso era o maior dos privilégios de sua vida, que era ser parecido com o Cristo de Deus. Na realidade, as acusações feitas contra Paulo pelos seus opositores eram sem fundamentos, apenas queriam tomar seu lugar.

FOI CRUCIFICADO POR FRAQUEZA. Muitos dos que se diziam representantes legalistas das lideranças da igreja matriz, já não pregavam mais sobre o Cristo crucificado. Porque era escândalo para os gregos, de forma que, apenas falavam dos grandes feitos de Jesus e do Cristo divino. Não mais anunciando o Jesus humano, que enfrentou momentos de perseguição, de fragilidades, e que foi escandalizado pela morte de cruz.

VIVE, CONTUDO. Boa parte dos apóstolos, que também eram judeus tinha vergonha de pregar que o seu Cristo fora rejeitado pelo seu povo, os hebreus. Mas Paulo, e seus companheiros de ministério, não tinham vergonha do evangelho de Cristo, porque é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crer. Até porque o mesmo Jesus que foi crucificado, também era o mesmo que ressuscitou dos mortos e vive para sempre.

PELO PODER DE DEUS. A ressurreição de Jesus Cristo de entre os mortos, teve uma importância fundamental, como prova de que ele era o Messias de Deus, e foi quem deu sustentação ao cristianismo. Deus manifestou o seu poder na ressurreição de Cristo e isso gerou força para a sobrevivência da igreja, como corpo de Cristo na terra. Se Cristo não tivesse ressuscitado seria apenas mais um profeta de Israel.

PORQUE NÓS TAMBÉM SOMOS FRACOS NELE. Os falsos apóstolos e obreiros fraudulentos que vinham se levantando contra Paulo e seu apostolado na igreja de Corinto, acusavam ao apóstolo dos gentios de ser fraco. E isso, porque ele não tinha uma grande estatura física, era um pouco feio de aparência e tinha problemas de Saúde, o que o escritor diz ter um espinho na carne, além das limitações financeiras.

MAS VIVEREMOS COM ELE. No entanto, mesmo reconhecendo suas limitações, mas, Paulo e seus amigos de ministério nos campos transculturais gentílicos, tinham vida com Cristo, davam o melhor testemunho possível como representantes do reino de Cristo nesta terra. Poucos tinham condições de dizer o que Paulo disse em Gálatas 2:20 - Estou crucificado com Cristo e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim.

PELO PODER DE DEUS EM NÓS. Enquanto os opositores de Paulo em Corinto se achavam fortes, por representarem as lideranças de Jerusalém, de serem eloquentes, e outras tantas glórias humanas. Por outro lado, o apóstolo dos gentios, com humildade fazia seus trabalhos de missões, levando as boas novas de Cristo em Continentes inteiros como a Europa e Ásia. E isso, pelo poder manifesto de Deus sobre a sua vida. Para Paulo, tudo que acontecia com ele, era o poder de Deus em ação.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

2 Coríntios 13:3

2 Coríntios 13:3 - Visto que buscais uma prova de que Cristo fala em mim, o qual não é fraco para convosco, antes é poderoso entre vós.
VISTO QUE BUSCAIS. Neste ponto de sua carta, o apóstolo dos gentios revela mais um dos ataques de seus inimigos contra seu ministério, e ao que tudo indica vinha justamente dos supostos apóstolos que estavam infiltrados na igreja cristã de Corinto. Os oponentes de Paulo o acusavam de não representar o reino de Cristo, porque ele não havia convivido pessoalmente com o Senhor Jesus, duvidando assim do seu testemunho de ter se encontrado com o Jesus ressurrecto na estrada de Damasco.

UMA PROVA. Tais adversários do apóstolo dos gentios solicitavam uma prova material de que Paulo realmente tinha tido um encontro pessoal com Cristo e que suas revelações do evangelho vinham efetivamente diretas de Cristo. O que Paulo falou no início do capítulo anterior, eles pediam uma prova de que ele falava a verdade e que tudo isso não passava de fruto de sua imaginação, por delirar nas letras.

DE QUE CRISTO. Negavam de que Paulo era uma representante de Cristo e que ele não estava autorizado pelas lideranças de Jerusalém para fazer seus trabalhos missionários nem fundar igrejas em nome de Cristo. Os maiores problemas que Paulo enfrentou dentro das igrejas foram justamente vindos dos cristãos legalistas da igreja matriz, a quem ele chamou de falsos apóstolos e obreiros fraudulentos.

FALA EM MIM. Os líderes das igrejas de Israel afirmavam de que, o evangelho correto era aquele pregado pelos apóstolos de Jerusalém, ao qual Paulo chama de evangelho da circuncisão. Ao mesmo tempo, eles procuravam desclassificar o evangelho da incircuncisão pregado por Paulo e seus amigos de ministério no mundo gentílico. Graças a Deus, o que prevaleceu na igreja histórica foi o evangelho da incircuncisão, a prova disto é que as igrejas de Jerusalém só prevaleceram até os anos setenta.

O QUAL NÃO É FRACO. Os adversários de Paulo pregavam de que o apóstolo dos gentios anunciava um outro Cristo, que não era o mesmo Cristo pregado pelos líderes legalistas de Jerusalém. Mas, a própria igreja de Corinto era um exemplo de que, o Cristo pregado por Paulo era o Messias de Deus, e a prova disto é que muitas coisas o Senhor Jesus já havia realizado por meio de Paulo naquela cidade e na igreja.

PARA CONVOSCO. Os opositores de Paulo em Corinto associavam as debilitações de Paulo, como suas pregações, comparadas com as pregações eloquentes de Apolo, e suas fragilidades físicas, ao Cristo que ele anunciava. Acusavam eles que, se o Cristo que Paulo pregava não o tornava mais poderoso, então, não era o Cristo que andou com os apóstolos de Jerusalém, quem falava por meio de Paulo, mas era outro Cristo.

ANTES É PODEROSO ENTRE VÓS. No entanto, a própria igreja de Corinto podia dar testemunho de que, o mesmo Cristo que Paulo pregou quando da fundação daquela igreja, bem como de sua visita posterior era poderoso entre eles, por meio de milagres prodígios e maravilhas. Paulo não expõe neste momento tais prodígios realizados por Cristo por seu intermédio, porque seria para ele, gloriar-se, o que ele não achava conveniente. Todavia, os seus leitores poderiam testemunhar em seu favor.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

2 Coríntios 13:2

2 Coríntios 13:2 - Já anteriormente o disse, e segunda vez o digo como quando estava presente; mas agora, estando ausente, o escrevo aos que antes pecaram e a todos os mais, que, se outra vez for, não lhes perdoarei.
JÁ ANTERIORMENTE O DISSE. O autor termina o capítulo anterior falando justamente sobre aqueles que já ha muito tempo viviam pecando deliberadamente, mesmo tendo recebido a palavra de Deus. Não há dúvida que estes camaradas já estavam na vida profana quando ouviram o evangelho de Cristo, ainda quando Paulo estava evangelizando aquela cidade e fundando aquela igreja. É provável que o apóstolo tenha conversado com eles para que deixassem tais pecados, que eram degradantes.

SEGUNDO VEZ O DIGO. Mais uma vez, por meio desta sua carta, chamada severa, o apóstolo lhes adverte que, abandonem seus pecados vários, porque quem de fato diz que segue a Cristo, tem que renunciar as coisas do mundo, ou as coisas que o mundo acha normal, para então fazer a vontade de Deus. E a vontade do pai é a nossa santificação, sem a qual, ninguém verá o Senhor. Isso é ser servo de Cristo.

COMO QUANDO ESTAVA PRESENTE. Acredita-se que o apóstolo, como ensinador que era das doutrinas cristãs, desde os primeiros momentos de quando esteve na cidade de Corinto, já ensinava a tais indivíduos que se eles desejavam servir a Cristo, que deixassem suas vidas de depravação. Não sendo diferente de quando esteve em sua segunda visita, deu um tempo para que se consertassem, e agora estava cobrando.

MAS AGORA, ESTANDO AUSENTE. Paulo já estivera presente na igreja de Corinto por dois períodos, e há quem diga que, nestas duas etapas tenha gastado quase três anos. Como missionário transcultural, tinha a missão de evangelizar o mundo gentílico de sua época, que era continentes inteiros, desta forma, não poderia se dedicar somente a igreja de Corinto, agora, por carta, advertia aos seus leitores sobre seus pecados.

O ESCREVO AOS QUE ANTES PECARAM. Nesta parte da carta, a exortação vai diretamente aos que estavam envolvidos com as invejas, iras, porfias, detrações, mexericos, orgulhos, imundícia, prostituição e tumultos (2 Coríntios 12:20-21). Estas advertências de Paulo tinham endereço certo, e é provável que toda a igreja local sabia de quem viviam envolvidos com tais pecados, assim como Paulo também sabia.

E A TODOS OS MAIS, QUE, SE OUTRA VEZ FOR. Até quem não estava envolvido com tais transgressões, precisavam ficar alertas para não caírem no mesmo erro. Tudo já estava programado para que o apóstolo logo mais chegasse à cidade de Corinto, e lá chegando à coisa não ficaria desmantelada como estava. O escritor queria que eles se consertassem antes de sua chegada, isso porque lhe pouparia de tomar providências.

NÃO LHES PERDOAREI. Os adversários de Paulo na igreja de Corinto o acusavam de ser severo por meio de suas cartas, mas que pessoalmente era medroso, ao ponto de não resolver os problemas contra quem vivia pecando na igreja. Todavia, o apóstolo deixa bem claro nesta sua colocação que, ao chegar na igreja de Corinto iria disciplinar os que viviam desordenadamente. Não mais haveria tolerância contra os que sabiam da verdade do evangelho, mais persistiam em viver na depravação do mundo.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

2 Coríntios 13:1

2 Coríntios 13:1 - É esta a terceira vez que vou ter convosco. Por boca de duas ou três testemunhas será confirmada toda a palavra.
É ESTA. Ao que tudo indica, já estava tudo programado diante da mente do escritor viajar até a cidade de Corinto, e com a firme convicção de resolver de uma vez por todas as divisões e o partidarismo que provocavam os rachas dentro da comunidade cristã de Corinto. Certamente o apóstolo já estava convicto que suas cartas não haviam promovido à mudança necessária para que os seguidores de Cristo naquela igreja fizessem de fato a vontade de Deus, e que eles precisavam mesmo de correções.

A TERCEIRA VEZ. Não temos como enumerar dentro do livro de Atos estas três visitas de Paulo aquela comunidade Cristã de Corinto, até porque o livro histórico de Atos não contêm todas as informações das atividades de Paulo, porem, pode-se falar de sua primeira visita, quando da fundação daquela igreja, depois uma outra visita para fazer o discipulado dos novos convertidos e uma terceira depois do enviou desta carta.

QUE VOU TER CONVOSCO. É provável que houvesse a cobrança dos que faziam parte daquela igreja da presença do apóstolo naquele lugar, como prova de que eles gostavam mesmo do apóstolo dos gentios. Bem como os falsos apóstolos e obreiros fraudulentos faziam tais acusações que Paulo não gostava daquela comunidade cristã. A realidade é que Paulo não tinha como se dedicar somente àquela igreja, até porque haviam muitas outras fundadas por ele, além dos trabalhos de missões transculturais.

POR BOCA DE DUAS. Esta é uma citação da própria lei de Moisés, que está registrado em Deuteronômio 19:15 - Uma só testemunha contra alguém não se levantará por qualquer iniquidade, ou por qualquer pecado, seja qual for o pecado que cometeu; pela boca de duas testemunhas, ou pela boca de três testemunhas, se estabelecerá o fato. Há quem diga que esta é uma indireta contra os legalistas opositores de Paulo.

OU TRÊS TESTEMUNHAS. O escritor estava alertando aos seus adversários infiltrados na igreja de Cristo em Corinto, que quando chegasse naquela comunidade cristã iria chamar o feito à ordem, e que, todos aqueles que estavam difamando sua conduta e seu ministério, teriam que provar suas acusações diante de toda a igreja. Na ausência de Paulo, estavam denegrindo sua imagem, mas teriam que provar suas acusações.

SERÁ CONFIRMADA. O alerta também estava indo para os verdadeiros líderes da igreja cristã em Corinto, que não concordavam com as acusações feitas contra Paulo para que eles juntassem as testemunhas que poderiam confirmar as palavras degradantes que os adversários de Paulo já haviam lançado contra o apóstolo dos gentios, todo isso com o objetivo de que na hora de se provar, ter as testemunhas.

TODA PALAVRA. Paulo não queria praticar nenhuma injustiça, nem disciplinar quem efetivamente era inocente. Aquela igreja, neste momento estava envolvida em uma tremenda confusão com vários partidos, com diversas ideologias. Assim sendo, quando Paulo chegasse naquela igreja, ele só queria esclarecer os fatos, desmentir as acusações feitas contra ele, disciplinar com justiça os que estavam errados e colocar cada peça no seu devido lugar. Por isso que ele precisava de testemunhas de verdade.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

2 Coríntios 12:21

2 Coríntios 12:21 - Que, quando for outra vez, o meu Deus me humilhe para convosco, e chore por muitos daqueles que dantes pecaram, e não se arrependeram da imundícia, e prostituição, e desonestidade que cometeram.
QUE, QUANDO FOR OUTRA VEZ. O autor espera realmente que as coisas melhorem na igreja de Corinto, por isso que mais uma vez, ele está enviando seu amigo de ministério Tito, com outros irmãos, a fim de que antes de sua chegada, houvesse mudanças positivas no comportamento dos seus filhos na fé. Paulo estava determinado em ir mais uma visita à cidade de Corinto, mas queria que ao chegar naquela igreja, pudesse sentir alegria, e não tristeza, angústia ou contrariedades.

O MEU DEUS. Assim como o apóstolo dos gentios aceitava as maravilhas da parte de Deus em seu favor e de seu ministério, tudo como sendo realizações do seu Deus em seu benefício e para o crescimento do evangelho. Da mesma forma, ele também atribuía como permissão de Deus, as coisas desagradáveis que tinha que passar, e isso nos ensina que Deus tem o comando de todas as coisas, e nada foge de seu controle.

ME HUMILHE PARA CONVOSCO. Essa é uma colocação feita pelo escritor que nos soa um tanto estranho. Mas que dentro do pensamento permissivo de Deus, podemos dizer que Paulo em seu senso de humildade, poderia compreender que seus labores em Corinto não fora suficiente para o crescimento, desenvolvimento e amadurecimento dos seus filhos na fé. Pode ser que Deus lhe mostre isto nesta visita.

E CHORE POR MUITOS. O que menos o apóstolo desejava era chegar na igreja de Corinto e ver que muitos estavam ou continuavam no erro, e que seus trabalhos, quando da fundação daquela comunidade cristã, bem como de sua visita posterior não fora o suficiente para libertar seus filhos na fé de seus erros mais absurdos. Neste caso, o choro de Paulo era por ver que seus ensinos a estes muitos não surtiram o efeito desejado e que suas atividades discipuladoras tinham sido até então insuficiente.

DAQUELES QUE DANTES PECARAM. Este “dantes”, não temos como saber se refere à vida pregressa dos seus leitores, ou ainda do tempo em que Paulo esteve entre eles, ou ainda depois que Paulo os havia deixado. Há quem diga que “estes” já estavam pecando quando Paulo esteve com eles, mas que o apóstolo deu-lhes um tempo para que se consertassem, mas que quando lá voltasse tomaria as devidas providências.

E NÃO SE ARREPENDERAM DA IMUNDÍCIA. Pela expressão usada pelo escritor nesta sua frase, não houve mudança de vida para tais indivíduos que já eram contumazes em seus pecados de estimação. A cidade de Corinto era conhecida como um antro de prostituição, e muitos dos que se faziam de cristãos naquela igreja, queriam continuar com suas vidas profanas de antes. E isso não poderia ser aceito dentro da igreja.

E PROSTITUIÇÃO E DESONESTIDADE QUE COMETERAM. Tinha lá na igreja de Corinto um grupo que achavam de que era normal se prostituir e até fazer parte do ministério. Para o apóstolo Paulo, esses camaradas estavam sendo desonestos com a verdade do evangelho, porque faziam isto as ocultas, nem aceitavam a disciplina e achavam que tudo isso era normal. Hoje estes problemas são recorrentes nas igrejas modernas.

2 Coríntios 12:20

2 Coríntios 12:20 - Porque receio que, quando chegar, não vos ache como eu quereria, e eu seja achado de vós como não quereríeis; que de alguma maneira haja pendências, invejas, iras, porfias, detrações, mexericos, orgulhos, tumultos.
PORQUE RECEIO QUE, QUANDO CHEGAR. O autor fala sobre sua terceira visita àquela igreja, onde em sua primeira visita a cidade de Corinto foi para evangelizar aquela gente, na segunda não se sabe o motivo primordial, mas certamente para discipular os novos convertidos. E agora, Paulo pretende retornar para resolver algumas querelas que ainda não haviam sido resolvidas pelos seus enviados, bem como para completar o trabalho de ação social em prol dos pobres de Jerusalém e das igrejas carentes.

NÃO VOS ACHE COMO EU QUERERIA. Indicativos nos fazem entender que Paulo havia de princípio enviado Estéfanas, Fortunato e Acaico, que foram os portadores da primeira epístola aos coríntios, depois ele enviou Timóteo, que também não teve condições de resolver nada. Por fim, enviou Tito, que teve a habilidade de resolver quase todos os problemas de divergências. Agora, o próprio Paulo desejava chegar lá.

E EU SEJA ACHADO DE VÓS. O escritor queria chegar na igreja de Corinto e encontrar todos os problemas já resolvidos, no sentido de que os seus adversários não mais se levantassem contra ele, com tantas acusações injustas. Pelo conteúdo desta carta, e principalmente os últimos quatro capítulos, Paulo demostra que estava chateado com seus filhos na fé, e assim sendo, os irmãos não queria vê-lo deste modo, com raiva.

COMO NÃO QUERERIEIS. O apóstolo dos gentios, quando esteve de sua primeira visita a cidade de Corinto para pregar as boas novas de Cristo, foi com toda mansidão possível, porque era um momento de conquistas de vidas para o reino de Deus. Da segunda vez só queria edificar os novos convertidos com a doutrina cristã. Mas agora, se eles não mudassem de comportamento, Paulo chegaria com sua autoridade.

QUE DE ALGUMA MANEIRA HAJA PENDÊNCIAS. Na primeira viagem de Tito, quando lá esteve como representante de Paulo, quase todas as pendências haviam sido resolvidos, principalmente no que concerne a comunhão com o fundador daquela igreja, Paulo. Enviando na sua frente novamente a Tito, Paulo esperava efetivamente que, o restante das querelas fossem resolvidas e a plena paz fosse reestabelecida.

INVEJAS, IRAS, PORFIAS. Começa então o escritor a enumerar os problemas que ainda restavam naquela comunidade cristã, e que precisavam ser resolvidas. Os adversários de Paulo estavam agindo com inveja de sua liderança naquela igreja. Pregavam a ira contra o apóstolo dos gentios, isso porque os oponentes do apóstolo estavam agindo pelo sentimento de egoísmo próprio, egocentrismo e egolatria.

DETRAÇÕES, MEXERICOS, ORGULHOS, TUMULTOS. Os falsos apóstolos e obreiros fraudulentos usavam de seus discursos caluniosos contra o fundador daquela igreja, Paulo, espalhando mentiras e difamações contra o apóstolo dos gentios, porque eles estavam tomados de orgulho por terem vido de Jerusalém. Com isso, geravam tumultos naquela comunidade cristã, colocando os servos de Cristo uns contra os outros, razão de existir naquela igreja o partidarismo, o racha, as divisões e contendas.

domingo, 12 de novembro de 2017

2 Coríntios 12:19

2 Coríntios 12:19 - Cuidais que ainda nos desculpamos convosco? Falamos em Cristo perante Deus, e tudo isto, ó amados, para vossa edificação.
CUIDAIS QUE. Os seguidores de Cristo na cidade de Corinto estavam sendo coniventes com as acusações assacadas pelos adversários de Paulo, eles que estavam praticando injustiças contra o apóstolo dos gentios. Por que, que eles estavam sendo coniventes? Porque conheciam a vida e o ministério robusto que Paulo exerceu naquela cidade, quando da fundação daquela igreja e quando lá esteve em sua segunda visita, para acompanhar o crescimento daquela igreja amada, que ele amava de forma real.

AINDA NOS DESCULPAMOS. Além de que, estavam agindo com arrogância, certamente esperando que Paulo fosse até eles para se desculpar de alguma coisa, quando na realidade o apóstolo dos gentios estava com a razão, e não eles. Por isso que não é nada fácil servir a Cristo e ao seu reino, isso porque, mesmo estando certos, muitas vezes temos que nos humilhar aos outros para não perdermos a paz.

CONVOSCO? Os oponentes de Paulo naquela igreja acusavam ao apóstolo de não amar os irmãos daquela comunidade cristã, e de tê-los abandonado à própria sorte. E tinha muita gente naquela igreja aceitando tal acusação dos adversários de Paulo, ao ponto de acharem que tudo isto era verdade. Paulo amava a todos eles, agora, ele era um missionário transcultural, que tinha que evangelizar o mundo todo dos gentios, por isso que ele não poderia ficar somente cuidando da igreja em Corinto.

FALAMOS EM CRISTO. Neste ponto, compreendemos que, alguns estavam tristes com Paulo, por conta de suas exortações por carta, como se o apóstolo escrevesse o que ele bem quisesse. Desta forma, o escritor esclarece que, escrevia de acordo com as revelações que Cristo lhe conferia. Um estudo mais criterioso dos escritos de Paulo nos faz perceber que, ele tinha a iluminação de Cristo para transmitir suas mensagens.

PERANTE DEUS. Esta colocação feita pelo apóstolo Paulo nos esclarece sobre a sua responsabilidade que tinha com suas cartas, seus escritos, e podemos dizer com suas pregações que fazia do evangelho das boas novas de Cristo. É como se ele estivesse dizendo aos seus leitores, o que vos escrevo, assim faço diante de Deus, ele que vai pedir conta de cada palavra que escrevo, por cada frase e por cada epístola escrita.

E TUDO ISTO, Ó AMADOS. Mesmos que fosse uma mensagem dura, ou como alguns dizem, uma carta severa da parte de Paulo aos seus leitores, mas o escritor estava agindo desta forma, porque queria o melhor para seus filhos na fé. Percebe-se o quanto Paulo gostava daquela comunidade cristã, quando os chama de amados, esse era de fato o tratamento que o apóstolo dava a todos os seguidores de Cristo.

PARA VOSSA EDIFICAÇÃO. Desde os primeiros momentos, quando esteve durante muito tempo na cidade de Corinto para evangelizar aquela gente, que o apóstolo sempre agiu com o sentimento de construir uma igreja forte na fé naquele lugar. Suas visitas posteriores tinham a mesma intenção de poder promover o desenvolvimento espiritual do povo de Deus. Suas cartas, duas grandes missivas, não era diferente, tinham as mesmas finalidades que era edificar a vida espiritual daquela igreja amada.

sábado, 11 de novembro de 2017

2 Coríntios 12:16-17

2 Coríntios 12:16-17 - Mas seja assim; eu não vos fui pesado mas, sendo astuto, vos tomei com dolo. Porventura aproveitei-me de vós por algum daqueles que vos enviei?
MAS SEJA ASSIM. O começo deste texto, complementa o que o autor vinha falando no anterior, que ele amava cada vez mais os seus filhos na fé da igreja de Cristo em Corinto, e este seu amor havia sido demostrado quando da fundação daquela igreja, e de outra visita sua aquela comunidade cristã. Mesmo sabendo que estava sendo menos amado pelos seguidores de Cristo naquele lugar, e a prova disto é que os adversários de Paulo o acusavam de várias coisas, e eles não defendiam a Paulo.

EU NÃO VOS FUI PESADO. Os oponentes de Paulo o acusavam de que ele não amava os seus filhos na fé daquela igreja, porque não recebia deles ajuda financeira. Mas este era um propósito do apóstolo dos gentios, em que ele não recebia ajuda financeira das igrejas fundadas por ele, nem de quem quer que seja para fazer a obra de Deus, e isso era regra geral também para seus amigos de ministério em todas as igrejas gentílicas.

MAS, SENDO ASTUTO. Esta era mais uma das acusações feitas contra Paulo pelos seus opositores naquela igreja, que ele havia agido desde o primeiro momento com astucia para ganhar a amizade e a consideração dos irmãos da igreja de Corinto. Porem, a realidade é que, o apostolo dos gentios agia com sabedoria e com graça, por isso que ele já havia ganhado muitas vidas para o reino de Deus com suas pregações.

VOS TOMEI COM DOLO. Mais uma acusação que os adversários de Paulo lhe faziam dentro da igreja cristã de Corinto é que ele havia enganado os irmãos, e com isso os prendido a si, ao ponto daquela igreja não aceitar outra liderança, a não ser Paulo. Os falsos apóstolos e obreiros fraudulentos queria dominar sobre aquela comunidade cristã, e quando a igreja resistia, eles acusavam a igreja de ser prisioneira de Paulo.

PORVENTURA APROVEITEI-ME DE VÓS. Desde os primeiros momentos em que Paulo esteve na cidade de Corinto para evangelizar aquela gente, e ganhar vidas para o reino de Cristo, sua intensão mais nítida era em levar com amor a mensagem de libertação aos coríntios. Em nenhum momento, o apóstolo dos gentios usou seu ministério como uma profissão para ganhar dinheiro nem praticou o comercio da fé contra a igreja.

POR ALGUM DAQUELES. Da mesma forma, quando enviou seus amigos de ministério lhes recomendou igualmente que eles não aceitassem ajuda financeira dos irmãos de Corinto, a fim de que, mais tarde não fosse acusado de se aproveitarem daquela igreja. Certamente, o escritor esta falando de seus auxiliares, Tito, Timóteo, Estéfanas, Fortunato, Acaico e outros, que foram portadores da primeira carta.

QUE VOS ENVIEI? Tendo Paulo fundado aquela igreja, ele ficou com os irmãos o tempo suficiente para preparar obreiros locais, tendo que partir para conquistar novos campos missionários, voltou a visitar outra vez aquela igreja, e jamais abandonou os seus filhos na fé, a prova disto é que sempre teve a preocupação em enviar seus amigos de ministério para saber das coisas daquela igreja. Mas, nenhum dos enviados de Paulo usou da prerrogativa de tirar proveito financeiro daquela igreja.

2 Coríntios 12:15

2 Coríntios 12:15 - Eu de muito boa vontade gastarei, e me deixarei gastar pelas vossas almas, ainda que, amando-vos cada vez mais, seja menos amado.
EU. O escritor coloca em sua carte, neste ponto, o “eu” enfático para se destacar dos seus oponentes que agiam indubitavelmente diferentes dele. Os adversários de Paulo, que estavam infiltrados na igreja de Corinto, provavelmente eram líderes legalistas vindos das bandas de Jerusalém, que estavam se aproveitando da bondade dos seguidores de Cristo daquela igreja e tirando proveito financeiro dos fiéis. Já o apóstolo dos gentios agia de modo diferente, porque pregava o evangelho de graça.

DE MUITO BOA VONTADE GASTAREI. O que o autor desta carta já havia feito em prol daquela comunidade cristã, ele assim o fez de boa vontade, sem esperar deles nenhuma recompensa financeira, uma vez que Paulo e seus amigos de ministério não se aproveitavam das igrejas para receber salários para fazerem a obra de Deus. Paulo fala sobre quando esteve fundando aquela igreja e sobre sua outra visita ali.

E ME DEIXAREI GASTAR. Neste ponto, o apóstolo dos gentios olha para o futuro e reafirma de que ainda havia de sua parte a disposição de fazer outras visitas àquela cidade para completar a obra que ele havia iniciado, dando assistência posteriormente, mas que ainda havia muito o que se fazer naquele lugar. Paulo se coloca mais uma vez a disposição dos seus filhos na fé para fazer crescer aquela obra.

PELAS VOSSAS ALMAS. Enquanto os opositores de Paulo em Corinto exploravam os fiéis cobrando deles pelas suas atividades religiosas, porque eles tinham mesmo era a intenção de se aproveitarem da igreja de Cristo. Do outro lado, o que mais interessava para Paulo era alcançar com a palavra de Deus as vidas dos moradores daquela cidade. A intenção do apóstolo dos gentios era conduzir aquela gente ao reino de Cristo e da luz, proporcionado o desenvolvimento espiritual da igreja e seus filhos na fé.

AINDA QUE, AMANDO-VOS. O escritor acaba que, revelando o real motivo pelo qual já havia feito uma grande obra em prol da igreja de Cristo em Corinto, que era justamente o amor dele por aquelas vidas, que precisavam de salvação em Cristo Jesus. Enquanto isso, os seus adversários amavam mesmo era o dinheiro que os fiéis depositavam em suas mãos, quando estes pregavam a palavra ou faziam alguma coisa.

CADA VEZ MAIS. Antes da chegada de Tito a igreja de Corinto, os oponentes de Paulo haviam conseguido fazer um grande estrago na comunhão que havia entre Paulo e aquela igreja. Se Paulo não amasse aquela gente, simplesmente havia os abandonado, porem, como seu amor por eles só crescia cada vez mais, não desistiu, enviou a Tito para reverter as coisas, e agora estava disposto a visita-los novamente mais uma vez.

SEJA MENOS AMADO. Não se sabe se o escritor faz apenas uma crítica aos seus leitores ou se isso representava a realidade. Se realmente o que Paulo diz aqui era a verdade, então ele sente a necessidade urgente de retornar a igreja de Corinto, para reconquistar o amor dos seus filhos na fé por ele. Porque da sua parte, o amor de Paulo pelos seus filhos na fé, ia cada vez mais sendo transbordante, se desenvolvendo e crescendo dada vez mais. Era o grande amor de um pai, pelos seus filhos na fé.

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

2 Coríntios 12:14

2 Coríntios 12:14 - Eis aqui estou pronto para pela terceira vez ir ter convosco, e não vos serei pesado, pois que não busco o que é vosso, mas sim a vós: porque não devem os filhos entesourar para os pais, mas os pais para os filhos.
EIS AQUI ESTOU PRONTO. No começo desta carta, Paulo afirma que não estava com disposição de viajar até a cidade de Corinto, isso porque o ambiente naquela igreja não estava favorável a sua presença naquele momento. Mas agora, depois da visita de conciliação feita por Tito, o autor ver que pode chegar até os seus filhos na fé. Esta prontidão da parte de Paulo também pode significar condições financeiras.

PARA PELA TERCEIRA VEZ IR TER CONVOSCO. A primeira visita se deu quando para desbravar aquele campo missionário, e ganhar vidas para o reino de Cristo (Atos 18:1). A segunda visita, não encontra registrada no livro histórico do Novo Testamento, Atos dos Apóstolos, mas que é real, haja vista que, Paulo fala neste texto de uma terceira visita. Ao que tudo indica, nesta terceira visita, o apóstolo dos gentios deseja realmente implantar os trabalhos de ação social naquela igreja, o que não fez antes.

E NÃO VOS SEREI PESADO. Os falsos apóstolos e obreiros fraudulentos que estavam invadindo a igreja de Corinto, acusavam a Paulo pelo fato de que ele fazia seus trabalhos em prol da igreja de maneira gratuita, sem cobrar por suas atividades. Mais uma vez o apóstolo dos gentios deixa bem claro para seus filhos na fé que, chegando mais uma vez naquela igreja, não receberia dinheiro para fazer seus trabalhos.

POIS NÃO BUSCO O QUE É VOSSO. Paulo não tinha interesse financeiro nem econômico em fazer seus trabalhos em prol da igreja de Cristo. O que muitos dos supostos líderes dos dias atuais deveriam aprender, em não receberem salários para fazerem suas atividades em prol da igreja de Cristo. Infelizmente, muitos têm feito de seu ministério uma profissão, e da palavra de Deus o chamado comercio da fé.

MAS SIM A VÓS. O mais importante para o apóstolo dos gentios era as vidas que ele conquistava para o reino de Cristo. Quem legitimamente faz a obra de Deus, não visa tirar proveito financeiro da igreja de Cristo, mas sim, que vidas sejam libertas do império das trevas e das garras do inimigo. Os trabalhos executados por Paulo no mundo gentílico tinha como foco ganhar vidas para Cristo, e não o reino dos homens.

PORQUE NÃO DEVEM OS FILHOS ENTESOURAR PARA OS PAIS. O escritor usa mais uma de suas metáforas que era legítima para sua época e que também se aplica no mundo atual, e que é a lei natural de todos os povos. Quando alguém diz que é um ministro do evangelho e vive explorando seus filhos na fé, neste caso, há uma inversão de valores. O correto é os líderes ajudarem a seus filhos na fé, e não o contrário.

MAIS OS PAIS PRA OS FILHOS. A verdade é que, os líderes legalistas da igreja matriz de Jerusalém cobravam dos seus filhos na fé recompensas financeiras para exercerem seus ministérios. Mas nas igrejas gentílicas, compostas de gentios convertidos ao cristianismo, nos campos missionários transculturais, Paulo não aceitava nem permitia que as igrejas sustentassem com salários seus ministros. As igrejas atuais se enquadram no caso das igrejas gentílicas, e não nas judaicas ligadas a Jerusalém.

2 Coríntios 12:13

2 Coríntios 12:13 - Pois, em que tendes vós sido inferiores às outras igrejas, a não ser que eu mesmo vos não fui pesado? Perdoai-me este agravo.
POIS, EM QUE TENDES VÓS SIDO. O autor chama a atenção dos seus leitores para um ato comparativo, entre a igreja de Corinto e as demais que faziam parte dos seus campos missionários transculturais. E se fosse necessário, poderiam também fazer a comparação com as igrejas da Judeia em que eram administradas pelos apóstolos de Jerusalém. Se fosse feito tal comparativo, podia se perceber que a igreja de Cristo em Corinto era muito mais desenvolvida do que as demais comunidades cristãs.

INFERIORES AS OUTRAS. O trabalho feito por Paulo e seus amigos de ministério naquela cidade foi completo, desde os primeiros momentos em quando esteve em Corinto para pregar o evangelho das boas novas, que houve dedicação também ao discipulado cristão, de forma que, em outros momentos, em visitas posteriores, da mesma maneira o apóstolo dos gentios fez de tudo para implantar aquela igreja.

IGREJAS. Pode ser que Paulo esteja se referindo as outras igrejas daquela mesma região da grande Macedônia, ou pode ser que ele esteja falando das demais igrejas por ele fundadas no mundo gentílico, ou das igrejas fundadas em Israel pelos líderes de Israel. Mas o que podemos pensar é que comparada as demais igrejas cristãs, aquela comunidade cristã não era inferior a nenhuma delas, pelo contrário era superior.

A NÃO SER QUE EU MESMO. O fato que o apóstolo dos gentios passa a notificar, como algo que ele não praticava naquela igreja de Corinto, não diminuía ela das demais igrejas. A realidade é que os costumes das igrejas gentílicas não eram os mesmos das igrejas que estavam ligadas as lideranças de Israel. As igrejas compostas de Judeus convertidos ao cristianismo, estavam passando por um momento entre o tradicional judaísmo dos hebreus para a nova religião implantada por Cristo, o cristianismo.

VOS NÃO FUI PESADO? Com isso, Paulo quis dizer que não havia recebido ajuda financeira daquela igreja por seus trabalhos feitos naquele lugar. Este era um sistema de trabalho implantado por Paulo nas igrejas fundadas por ele no mundo gentílico. Ele, Paulo, trabalhava com suas próprias mãos, na fabricação de tendas para se manter e manter seu ministério, e isso era o que prevalecia nas igrejas fundadas por Paulo.

PERDOAI-ME. Não que fosse necessário Paulo pedir perdão aos seus leitores pelo fato de não ter recebido deles ajuda financeira para pregar o evangelho naquele lugar. Mas o escritor usa de zombaria com aqueles que estavam explorando os irmãos de Corinto, quando cobravam para pregar a palavra de Deus. Paulo admitia que as lideranças de Jerusalém recebessem alimentos, mas não salários para pregar (1 Coríntios 9:7-11).

ESTE AGRAVO. No judaísmo antigo, as lideranças religiosas de Israel recebiam seus sustentos para realizarem seus serviços religiosos em prol do povo de Israel. As lideranças legalistas da igreja matriz de Israel, também recebiam ajuda em forma de alimentos para administrarem as comunidades cristãs. Todavia, nas igrejas fundadas por Paulo e seus amigos de ministério, isso não funcionava, porque o próprio Paulo não admitia que ninguém fizesse a obra de Deus por dinheiro, nem mesmo ele.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

2 Coríntios 12:12

2 Coríntios 12:12 - Os sinais do meu apostolado foram manifestados entre vós com toda a paciência, por sinais, prodígios e maravilhas.
OS SINAIS. Não era nem para o apóstolo estar se justificando diante da igreja de Corinto, até porque todas que faziam parte daquela comunidade cristã já conheciam muito bem a ele. Uma vez que, como fundador daquela comunidade cristã, o apóstolo já havia dado provas suficientes de que era na realidade um verdadeiro apóstolo de Cristo, e que fazia a obra de Deus com muito amor e dedicação. As provas que os oponentes de Paulo pediam a seu respeito, já eram manifestas naquele lugar.

DO MEU APOSTOLADO. A verdade é que os adversários de Paulo estavam dando provas de que eram falsos apóstolos, como o próprio Paulo os acusa disto. Porque se fossem verdadeiros obreiros da seara do Senhor, não estariam perturbando aquela comunidade cristã, querendo invadir uma igreja já fundada e que havia sido bem cuidada pelo seu fundador, que foi justamente Paulo e seus amigos de ministério.

FORAM MANIFESTADOS ENTRE VÓS. Cristo quando ainda na terra havia prometido que depois de sua ascensão para se assentar a destra do Pai, daria poder aos seus discípulos, pela presença poderosa do Espírito de Deus. Desta forma, tudo que o Espírito de Deus estava fazendo por meio dos apóstolos da igreja matriz de Jerusalém, também vinha realizando por intermédio do apóstolo dos gentios, Paulo.

COM TODA A PACIÊNCIA. Esta expressão também nos fala da perseverança, bem como da persistência em executar a vontade de Deus. Na realidade, Paulo desejava que sua missão se cumprisse o mais rápido possível, porem teve que esperar o agir de Deus em cada cidade, no sentido de fazer o que tinha de ser feito, e ele não desistia de seus propósitos, ainda que tinha que enfrentar toda a resistência dos judeus, dos líderes das demais religiões pagãs, e acima de tudo do império romano.

POR SINAIS. Jesus falou sobre estes sinais em Marcos 16:17 - E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas. Pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão. Certamente, eram estes tipos de sinais que os adversários de Paulo requeriam que ele fizesse como prova.

PRODÍGIOS. Paulo não fala em suas cartas a respeito dos prodígios que o Espírito de Deus operava por seu intermédio, até porque a função de um legítimo representante do reino de Cristo era glorificar ao nome do Senhor Jesus. Esses prodígios podem ser vistos como provas das realidades espirituais, em que levam as pessoas a refletirem sobre a existência de um Criador e governante universal, que é o grande Deus.

E MARAVILHAS. O escritor fala em termos da operação de coisas sobrenaturais, milagres e maravilhas que Deus realizava por seu intermédio. Estas maravilhas podem ser vistas com a alteração dos fenômenos naturais da própria natureza, bem como pela realização de milagres de ordem físicas, como a cura de doenças e enfermidades, o que ocorria no ministério de Paulo, apesar de o livro de Atos dos Apóstolos não dá muita ênfase sobre isso, porque Cristo era quem deveria ser glorificado e não Paulo.

2 Coríntios 12:11

2 Coríntios 12:11 - Fui néscio em gloriar-me; vós me constrangestes. Eu devia ter sido louvado por vós, visto que em nada fui inferior aos mais excelentes apóstolos, ainda que nada sou.
FUI NÉSCIO. Esta não é a primeira vez que o autor reconhece que não deveria estar agindo desta forma, tentando justificar-se perante a igreja de Cristo em Corinto, até porque nos textos anteriores ele confessa total e absoluta dependência de Deus, e que em tudo o Senhor Jesus o havia honrado em seu ministério. A realidade é que o homem por mais sábio que possa ser, em meio a alta pressão ele termina perdendo as estribeiras e fazendo e falando o que não se deve, isso é normal do ser humano.

EM GLORIAR-ME. Certamente, o apóstolo se refere ao fato de ele ter revelado suas experiências mais profundas com Deus, tal qual o seu arrebatamento até ao terceiro céu ou paraíso, mesmo estando contando a verdade sobre seu relacionamento com Deus. Porem, como seus oponentes se apropriavam de qualquer pretexto, neste caso, poderiam usar tais argumentos do próprio Paulo contra ele mesmo em se exaltar.

VÓS ME CONSTRANGESTES. A verdade é que, nem precisava que o apóstolo dos gentios fizesse sua defesa pessoa perante a igreja de Corinto para se defender de seus acusadores. Aquela comunidade cristã conhecia bem o testemunho do apóstolo, e eles mesmos eram quem deveriam estar defendendo o fundador daquela igreja, sem precisar que o escritor desta carta fosse forçado a escrever tais argumentações.

EU DEVIA TER SIDO LOUVADO POR VÓS. Paulo fala dos momentos em que ele foi atacado pelos seus adversários naquela comunidade cristã. O que deveria acontecer, quando alguém tentasse levantar falsas acusações contra o apóstolo dos gentios? Os próprios irmãos daquela igreja, deveriam ter se levantado em favor do apóstolo, e diante dos seus acusadores simplesmente falar do que Paulo tinha feito por eles todos.

VISTO QUE EM NADA FOI INFERIOR. Se Paulo era um homem de média estatura, o que para seus oponentes era um defeito, se ele era um pouco calvo, se tinha olhos grandes e deficiência visual, se era um varão feio de aparência. Mas por outro lado, e principalmente nas coisas espirituais era um gigante. Ele não era em nada inferior aos demais apóstolos de Jerusalém, pelo contrário, fez mais do que eles pela igreja.

AOS MAIS EXCELENTES APÓSTOLOS. No desenvolvimento de sua defesa Paulo chama seus adversários de falsos apóstolos e obreiros fraudulentos, porque estavam agindo de forma errada em invadirem seus campos missionários. Todavia, neste ponto, Paulo reconhece que nem todos os apóstolos da igreja matriz eram errados, e que dentre eles haviam os mais excelentes, e que agiam com dignidade de apóstolos de Cristo.

AINDA QUE NADA SOU. Mas, como sempre agia dentro do sentimento de humildade e simplicidade, Paulo termina por reconhecer que não é nada, e isso comparado ao grande Deus e a grande obra que ele vinha cumprindo em prol do reino de Cristo. Esse reconhecimento do escritor de que não é nada, quebrava as forças dos seus adversários que o acusavam de ser alguém que se exaltava a si mesmo. Apesar de falar das suas mais excelentes experiências com Deus, não se pode acusa-lo de exaltação.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

2 Coríntios 12:10

2 Coríntios 12:10 - Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte.
POR ISSO SINTO PRAZER NAS FRAQUEZAS. Por isso, é uma continuação do que o autor vinha dizendo no texto anterior em que ele reafirma que, a graça de Cristo era mais importante para ele, do que a falsa sensação de glória pessoal, uma vez que, em suas fraquezas o poder de Cristo se manifestava em seu ministério. Para Paulo era mais conveniente conviver com suas limitações, com suas dificuldades, com seus problemas, tendo que lhe dar no dia a dia com uma enfermidade, e com o sofrimento.

NAS INJÚRIAS. Paulo não tinha culpa de ter que conviver com uma enfermidade em sua carne, mais mesmo assim, seus oponentes o acusavam de ser incapaz de dar conta de suas atividades. Por isso que os falsos apóstolos queriam se apossar da igreja de Cristo em Corinto, acusando ao apóstolo dos gentios de ter abandonado aquela comunidade cristã. O que representava uma injúria contra o servo de Deus. Paulo.

NAS NECESSIDADES. Quem conhece bem o que Paulo expressa sobre seu ministério, sabe que ele não aceitava ser sustentado pelas igrejas por ele fundadas, e nem por quem quer que seja. Ele trabalhava com suas próprias mãos, na construção de tendas, a fim de não ser pesado a ninguém, nem mesmo as igrejas de Cristo. Por isso que ele fala em suas necessidades, quando tinha que fazer grandes viagens missionárias.

NAS PERSEGUIÇÕES. Antes de se converter ao cristianismo, Paulo era seguidor do judaísmo, tendo deixado a religião dos seus pais, então passou a ser perseguido de forma implacável pelos judaizantes. Além do mais, o império romano o perseguia dia e noite, como também os líderes das antigas religiões pagãs, porque Paulo representava uma ameaça contra eles. Por fim, os falsos irmãos também o perseguiam nas igrejas.

NAS ANGÚSTIAS POR AMOR A CRISTO. Para ser o apóstolo dos gentios, Paulo não tinha uma vida nada fácil, até porque para exercer seu ministério independente, passava por muitas dificuldades. Muitas vezes esse seu grande amor por Cristo e por seu evangelho fazia com que o apóstolo passasse por muitas injustiças dos seus próprios compatriotas judeus, além de conviver com as perseguições internas.

PORQUE QUANDO ESTOU FRACO. A lógica do ministério de Paulo era de que, quanto mais dificuldades ele enfrentava por amor a Cristo, mais ele recebia de força para fazer e executar a obra de Deus. Isso representava para o nosso escritor estabilidade em seu ministério, uma vez que, ele não dependia das circunstâncias externas para cumprir sua missão, mas ele era completamente dependente das providências de Deus.

ENTÃO SOU FORTE. Essa mesma frase foi escrita, pelo mesmo Paulo positivista, que mesmo estando preso, chegou a dizer: Poso todas as coisas naquele que me fortalece. Quanto maior fossem as dificuldades para Paulo, mais o poder de Cristo estava em operação para que ele executasse suas atividades em prol da igreja de Cristo. Quem vive pela fé que opera milagres, não se detém diante dos obstáculos, porque seus alvos serão atingidos, Deus trabalha por aquele que nele espera (Isaías 64:4).

2 Coríntios 12:8-9

2 Coríntios 12:8-9 - Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim. E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo.
ACERCA DO QUAL TRÊS VEZES OREI AO SENHOR. Justamente acerca do espinho na carne, foi que Paulo se dirigiu ao Senhor, certamente solicitando que Cristo lhe ajudasse a se livrar daquele problema de saúde. Uma coisa que aprendemos neste texto é que o escritor fez sua oração ao Senhor Jesus, o que não era permitido pelo judaísmo, mas pelo cristianismo sim, e isso nos fala da divindade do Filho de Deus.

PARA QUE SE DESVIASSE DE MIM. Três vezes o autor faz aquela oração fervorosa ao Senhor Jesus, isso não quer dizer que ele só tenha pedido a Cristo estas três vezes, mas estas foram orações específicas sobre este problema. Provavelmente se lembrado do que Jesus havia dito sobre as vãs repetições, o apóstolo dos gentios não quis insistir em sua campanha de oração, com o objetivo de alcançar a sua cura sobrenatural.

E DISSE-ME: A MINHA GRAÇA TE BASTA. Até porque, houve uma resposta da parte de Cristo sobre este negócio, que foi: A minha graça te basta. Esta resposta da parte do Senhor Jesus para Paulo foi o suficiente para que ele entendesse que a resposta era negativa, no que diz respeito a não libertá-lo daquele problema. Nem sempre a resposta de Deus vai ser positiva, no sentido de atender aos nossos desejos pessoais.

PORQUE O MEU PODER SE APERFEIÇOA NA FRAQUEZA. No caso de Paulo, Cristo estava lhe dizendo que, aquela sua fraqueza, era permitida da parte do Senhor para que ele não se gloriasse. Além de que, por meio de sua fragilidade, ele dependesse mais e mais do poder de Deus, que estava a sua disposição, a fim de que o nome do Senhor Jesus fosse exaltado. De forma que, o problema tinha sua utilidade neste caso.

DE BOA VONTADE, POIS. Muitas das coisas que Deus permite em nossa vida, humanamente falando, não têm lógica, e nem adianta tentar entender com a sabedoria humana. Porem, se a vontade de Deus é que passemos determinadas situações difíceis, basta então a nós aceitar de boa vontade as determinações e as concessões de Deus para conosco. Isso porque, no final das contas Deus é glorificado.

ME GLORIAREI NAS MINHAS FRAQUEZAS. É difícil? Até demais! E eu diria que é humanamente falando irracional se pensar desta forma. Todavia, as nossas limitações, as nossas fraquezas, as enfermidades permitidas por Deus, em grande parte é para que venhamos a depender absolutamente do Senhor. Por isso que é compreensível que grandes homens de Deus, tenha que passar grandes provações e testes difíceis.

PARA QUE EM MIM HABITE O PODER DE CRISTO. O cristianismo não permite a idolatria de nenhum ser humano, seja de quem for, nem mesmo dos grandes heróis da fé. Mediante as virtudes depositadas na vida de Paulo, ele poderia se vangloriar de ser mais importante do que tudo mundo. Mas como Deus não dá sua glória a ninguém, ele permitia que o apóstolo dos gentios fizesse sua obra em meio as grandes dificuldades, e dentro deste parâmetro é que ele diz que, o poder pertence a Cristo Jesus.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

2 Coríntios 12:7

2 Coríntios 12:7 - E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar.
E PARA QUE NÃO ME EXALTASSE. Toda honra, e toda a glória pertence ao Deus eterno e ele não da sua glória a ninguém, nem mesmo aos seus mais excelentes ministros, isso porque, Paulo não era qualquer um, haja vista que, ele foi muito significativo no reino de Cristo, como missionário pioneiro nos campos transculturais dos gentios, ou seja, no mundo inteiro. Deus deu ao apóstolo um limite para que ele reconhecesse que tudo que ele fazia e executava era pelo poder e força do Deus Todo-poderoso.

PELA EXCELÊNCIA DAS REVELAÇÕES. Conforme declarou no início deste capítulo, o apóstolo dos gentios foi arrebatado até ao paraíso, ou terceiro céu, e ouviu palavras profundas da parte de Deus, revelando a ele coisas importantes sobre os mistérios celestiais. O que foi revelado a Paulo, nenhum dos depois apóstolos, nem mesmo os mais excelentes de Jerusalém, tiveram o mesmo privilégio que o apóstolo dos gentios.

FOI-ME DADO. Tudo que acontece na vida de um verdadeiro servo de Deus tem a permissão do Senhor. Aprendemos isso com o testemunho de Jó, bem como com a vida do apóstolo Paulo. O inimigo de Deus e dos homens só toca na vida de um servo de Deus, se assim o Senhor Deus Criador permitir. Portanto, podemos tirar a lição que, Deus mantem o controle total sobre a nossa vida, até mesmo sobre as aflições.

UM ESPINHO NA CARNE. O ser humano é constituído de Alma, espírito e corpo, o que a teologia chama de tricotomia. No caso de Paulo, ele foi atingido em seu corpo orgânico, o que ele chamou de carne. Este espinho, nos fala de algo doloroso, quem sabe uma enfermidade que lhe causava muito sofrimento, mas que funcionava como um tutor, que lhe ensinava que ele era um ser humano como qualquer outro da terra.

A SABER, UM MENSAGEIRO DE SATANÁS. O testemunho de Paulo nos faz compreender que por traz dos nossos sofrimentos pessoais, muitas vezes tem o dedo do nosso arque inimigo. Não se pode demonizar todas as enfermidades como sendo a presença de um ou mais demônios no corpo de uma pessoa, mas onde há a presença do mal que causa sofrimento, entende-se que tem a influência do adversário.

PARA ME ESBOFETEAR. O escritor usa uma expressão muito forte, ao afirmar que tal influência negativa do adversário por meio de uma enfermidade dolorosa, lhe servia como uma tapa na cara, com o fito de lhe humilhar. Certamente os opositores de Paulo, fora e dentro das igrejas lhe lançavam em rosto, o fato de ele dizer que era um apóstolo de Cristo, mas que não tinha a capacidade de se curar a si mesmo.

A FIM DE NÃO ME EXALTAR. Por fim, o apóstolo dos gentios revela suas limitações, em que Deus lhe deu poderes extraordinários, principalmente no revelar dos conhecimentos dos mistérios do seu reino, mas com isso, lhe pôs limites. O limite imposto por Deus na vida de Paulo funcionou, e a sua vida é um exemplo de humildade, de simplicidade, como um dos mais excelentes dos apóstolos da igreja primitiva. Ele tratava seus amigos de ministério com igualdade e a igreja com amor.

2 Coríntios 12:5-6

2 Coríntios 12:5-6 - De alguém assim me gloriarei eu, mas de mim mesmo não me gloriarei, senão nas minhas fraquezas. Porque, se quiser gloriar-me, não serei néscio, porque direi a verdade; mas deixo isto, para que ninguém cuide de mim mais do que em mim vê ou de mim ouve.
DE ALGUÉM ASSIM ME GLORIAREI EU. É claro que Paulo está falando de sim mesmo, mas como se fosse duas pessoas, o homem natural ou humano, e o apóstolo dos gentios que era um homem espiritual. E isso não se trata de dupla personalidade, mas sim de realidades bem distintas de uma mesma pessoa. Temos o exemplo de Cristo que era cem por cento homem e cem por cento Deus. Somos cem por cento humanos, e esta é uma experiência única, mas que Cristo está sendo formado em nós.

MAS DE MIM MESMO NÃO ME GLORIAREI. Em se tratando do homem Paulo, ele sabia de que não poderia contar vantagens sobre nada, porque como ser humano que era só podia contar com suas limitações, porque era um homem frágil, cheio de defeitos, ao ponde de dizer que era o mais miserável de todos os homens. E que só servia ao poderoso reino de Cristo porque a graça de Deus o havia alcançado.

SENÃO NAS MINHAS FRAQUEZAS. Os próprios adversários de Paulo o acusavam na igreja de Cristo que estava na cidade de Corinto, de ser um homem de aparência frágil, um homem destituído de beleza, nariz grande, testa chata, poucos cabelos em sua cabeça, com deficiência na visão física, que não era bom de oratória, porque tinha dificuldades para falar, tinha estrutura fraca, pelos muitos labores que enfrentava.

PORQUE, SE QUISER GLORIAR-ME. Mas, por outro lado, era um gigante espiritual, em que poucos dos líderes da igreja primitiva fizeram o que ele foi capaz de fazer em prol do reino de Cristo. Praticamente desbravou os campos transculturais dos gentios sozinha, pregando o evangelho das boas novas de Cristo em dimensões continentais, além de cuidar dos trabalhos do discipulado cristão em todas as igrejas.

NÃO SEREI NÉSCIO, PORQUE DIREI A VERDADE. O escritor chama a atenção dos seus leitores de que, ele não seria louco ou insensato se continuasse escrevendo sobre suas experiências espirituais, que já havia passado diante de Deus. Isso porque, se continuasse expondo tais experiências, não estaria falando mentiras, nem esbouçando enganos, mas sim verdades profundas, e a igreja de Corinto sabia destas realidades.

MAS DEIXO ISTO, PARA QUE NINGUÉM CUIDE DE MIM. A experiência do arrebatamento de Paulo ao paraíso ou ao terceiro céu, como ele mesmo fala, foi apenas uma pequena amostra do que ele quis falar, do que já tinha passado com as coisas de Deus, mas que ele agora muda de assunto, passando a expor suas fraquezas, em vez de gloriar-se. Percebe o escritor que não queria ser ídolo dos seus leitores.

MAIS DO QUE EM MIM VÊ OU DE MIM OUVE. A experiência e a oportunidade que o Criador nos dá de ser um ser humano é única e muito importante. A prova disto é que Deus se humanizou por meio de Jesus de Nazaré, que também era o Emanuel, ou seja, Deus entre os homens. Era como homem cheio de fraquezas que Paulo desejava que seus leitores o vissem, a fim de não gerar idolatria entre eles quanto a sua pessoa.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

2 Coríntios 12:3-4

2 Coríntios 12:3-4 - E sei que o tal homem (se no corpo, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe). Foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar.
E SEI QUE O TAL HOMEM. Continua então, o autor falando sobre suas experiências para com Deus, que o dava autoridade a fim de que, seus inimigos dentro da igreja de Cristo que estava em Corinto, deviam analisar tais colocações, a fim de chegarem à conclusão que Paulo efetivamente não fazia a obra de Deus baseado em argumentos humanos, mas sim, com um direcionamento diretivo de Deus, uma vez que, o evangelho por ele anunciado nos campos missionários era uma revelação de Deus.

SE NO CORPO, SE FORA DO CORPO. Estas experiências de arrebatamentos aconteceram com alguns dos profetas do Velho Testamento, em que o homem entra em transe, como que perdendo os sentidos humanos, entrando uma dimensão espiritual para receber o conhecimento divino. Este é um tipo de contado com o ser divino de Deus, em que o ser humano fica como que anestesiado, sem intender nada.

NÃO SEI, DEUS SABE. Por isso que Paulo diz que não sabe o que aconteceu quanto ao homem natural, ao ser humano em essência que ele era neste momento do arrebatamento. Quando o escritor diz que Deus sabe, ele quis dá a entender que Deus era testemunha do que ele estava testemunhando. E que o fato era verdadeiro e que aconteceu dentro de uma realidade, que ele podia falar como experiência pessoal.

FOI ARREBATADO. Conforme o que se sabe sobre este tipo de experiência, é como se a pessoa humana ficasse fora de si mesma, em que o seu espírito se desloca do seu corpo físico, passando a ser levado pelo poder de Deus a outra dimensão da existência. Muitas pessoas que tem a experiência perto da morte, contam testemunho de como seus espíritos são levados por anjos ou pelo próprio Cristo para verem e ouvirem coisas espirituais, que não são coisas terrenas, mas coisas do céu.

AO PARAÍSO. As crenças dos hebreus, antes da vida de Cristo eram de que, este paraíso era a parte boa do hades, onde ficava o seio de Abraão. Na ressurreição de Cristo, pelo poder de Deus, o Senhor Jesus transportou este tal paraíso para uma posição elevado, quanto a terra, nas regiões celestiais. Mas, este paraíso sobre o qual fala o escritor neste texto, diz respeito às dimensões espirituais de Deus e de Cristo.

E OUVIU PALAVRAS INEFÁVEIS. Certamente o escritor está falando de acesso à presença mais próxima de Deus e de Cristo, nas regiões celestiais, onde ele teve o privilégio de ouvir palavras profundas, que não se ouve nesta dimensão da vida terrena. O escritor fala de palavras boas, palavras de esperança e de vida. Por isso que Paulo teve uma compreensão mais profunda das boas novas do evangelho de Cristo.

QUE AO HOMEM NÃO É LÍCITO FALAR. Paulo se refere ao homem de carne e osso, ou ao homem natural, por isso que ele fala sobre um homem que assumiu uma outra dimensão da existência, sendo arrebatado, para ter condições de ouvir tais palavras, que por um ser humano natural, não seria possível compreender. Por isso que ele fala consigo mesmo, como se fosse duas pessoas, assumindo duas realidades da vida.

2 Coríntios 12:2

2 Coríntios 12:2 - Conheço um homem em Cristo que há catorze anos (se no corpo, não sei, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) foi arrebatado ao terceiro céu.
CONHEÇO UM HOMEM. Ver-se a humildade do autor em não querer dizer que se tratava de sua própria pessoa, que de fato era este homem. O fato de o apóstolo falar de si mesmo como um homem, pode ele estar se contrapondo com seus oponentes que se vangloriavam de serem super-homens ou super-apóstolos, ou ainda super-obreiros. O que Paulo passa a dizer sobre si mesmo é algo que vai além das possibilidades humanas, e poucas pessoas tiveram o privilégio que ele teve.

EM CRISTO. Somente quem está em Cristo Jesus é que tem este privilégio de ser arrebatado e receber visões e revelações dos céus, como o apóstolo dos gentios teve nesta sua experiência com Cristo. “Em Cristo” é uma indicação que alguém tenha aceitado a Cristo como Senhor e Salvador, e com isso a pessoa não mais vive para si mesmo, nem para este mundo enganador, mas sim, vive a fazer a vontade de Cristo.

QUE HÁ CATORZE ANOS. Há quem diga que esta experiência que Paulo teve em seu ministério se deu no início quando ele se dirigiu aos desertos da Arábia, depois de ter um encontro com o Senhor Jesus na estrada de Damasco. Mas, há quem diga que o apóstolo se refira a uma experiência que ele teve bem perto da morte, quando o apedrejaram e ele ficou quase morte, (Atos 14:19), porem, não se tem como saber.

SE NO CORPO, NÃO SEI. Este tipo de experiência realmente leva ao participante a ficar confuso, porque são experiências raras, mas que no Velho Testamento aconteceram com alguns profetas. Geralmente estes acontecimentos se dão em que o espírito da pessoa sai do corpo, e passa a ser guiado aonde o Senhor o quer levar para fazer ver ou ouvir coisas espirituais, que o homem natural não pode alcançar. Essa foi uma experiência tão profunda na vida de Paulo, que ele não sabe explicar.

SE FORA DO CORPO, NÃO SEI. É provável que este arrebatamento na vida de Paulo tenha si dado fora do corpo. A dúvida do escritor se ele foi arrebatado no corpo ou fora do corpo, é porque se trata de um mistério, que certamente ele explicaria quando presente entre os irmãos da igreja de Corinto, quando lá estivesse. Apesar do assunto se tratar de muitas conjecturas, mas os comentaristas dizem que foi fora do corpo.

DEUS O SABE. Essa é uma expressão que fala sobre a Onisciência de Deus, ou seja, Deus sabe e conhece todas as coisas. Essa é uma forma humilde do escritor depositar em Deus todas as suas experiências e depender completamente do Senhor. Paulo quis dizer com isso que, se alguém tiver alguma dúvida destas verdades, pode orar e perguntar a Deus, que o Senhor dará uma resposta sobre isso, sobre a veracidade.

FOI ARREBATADO AO TERCEIRO CÉU. Este tipo de arrebatamento se dá quando o participante entra em estado de estase, em que passa a participar de uma dimensão espiritual tão profunda, que o seu espírito pode sair do seu corpo e ser guiado às dimensões celestiais. Este terceiro céu, nos fala do paraíso, em que o primeiro céu seria o céu atmosférico, o segundo céu seria o céu sideral e o terceiro seria o céu espiritual de Deus. Os judeus acreditavam em sete níveis de céus diferentes.

domingo, 5 de novembro de 2017

2 Coríntios 12:1

2 Coríntios 12:1 - Em verdade que não convém gloriar-me; mas passarei às visões e revelações do Senhor.
EM VERDADE QUE. Ainda no capítulo anterior, o apóstolo Paulo reconhece que, o seu testemunho em defesa pessoal não era de conformidade com o querer de Cristo, até porque, ele sabia que se alguém deveria se gloriar, que se gloriasse em Deus, e não nos seus feitos. O fato é que, os irmãos de Corinto, e principalmente os adversários de Paulo o estavam obrigando a dar seu testemunho, das coisas que ele já havia passado em prol da obra do evangelho e de suas experiências com Deus.

NÃO CONVÉM. Se não fosse a pressão que o autor desta carta vinha passando dos seus oponentes na igreja de Corinto, quem sabe não havia nem a necessidade dele estar escrevendo esta sua carta severa, dos capítulos dez a treze desta epístola. Ou quem sabe o escritor estivesse usando esta correspondência para falar de outros assuntos mais edificantes para a vida da igreja e para transmitir ensinamentos à igreja.

GLORIAR-ME. Para nós da atualidade achamos normal dar testemunho do que Deus tem feito em nossas vidas e das experiências que temos com o Espírito de Deus. Mas para Paulo, em sua consciência, ele estava fazendo algo que não devia. Porem, ele achava necessário para mostrar aos seus inimigos que ele tinha um ministério legítimo, e que fazia a obra de Deus com a aprovação do Senhor que o chamou.

MAS PASSAREI. Certamente o apóstolo dos gentios se reporta ao que lhe aconteceu em um arrebatamento que lhe sucedeu até o paraíso, onde ele ouviu da parte do Senhor coisas maravilhosas e viu outras tantas coisas misteriosas, que não se ver nem se ouve nesta terra dos seres humanos. Essa experiência que Paulo teve no começo do seu ministério norteou sua vida e atividades em torno do evangelho glorioso do Senhor Jesus, porque Deus lhe fez saber como agir em prol da igreja de Cristo.

ÀS VISÕES. Já no tempo da velha dispensação, Deus deu muitas e variadas destas visões aos seus servos os profetas. Estas visões sobre as quais Paulo fala, podem ser dadas em sonhos, quando o visionário está dormindo, por meio de sonhos celestiais, ou por um estado de transe, em que o servo de Deus entra em contado com a dimensão espiritual de Deus, em que o Senhor lhe mostra coisas extraordinárias.

E REVELAÇÕES. Estas revelações chegam ao conhecimento dos servos de Deus por vários meios, seja por meio de uma visão, como no caso do parágrafo anterior, bem como de algo que se ouve, mas que não se ver, ou ainda como o desvendar de verdades misteriosas que não se sabe explicar de como elas vem. Existem contatos diretos do Espírito de Deus com o nosso espírito, que é algo totalmente espiritual.

DO SENHOR. Finaliza então o escritor falando da fonte de onde emanavam suas visões e revelações, que era justamente do Senhor, que tanto pode se referir a Deus Pai, como a Deus Filho. Com esta declaração, o apóstolo dos gentios autentica seus trabalhos em prol do evangelho de Cristo, afirmando que tudo que ele pregava ou ensinava ou ainda escrevia, vinha diretamente da sabedoria maior que era Cristo Jesus, ele que é o Senhor de Paulo, dos leitores desta carta e da igreja remida de Cristo.

sábado, 4 de novembro de 2017

2 Coríntios 11:32-33

2 Coríntios 11:32-33 - Em Damasco, o que governava sob o rei Aretas pôs guardas às portas da cidade dos damascenos, para me prenderem. E fui descido num cesto por uma janela da muralha; e assim escapei das suas mãos.
EM DAMASCO. Depois de sua conversão ao cristianismo, essa foi à primeira cidade em que Paulo passou um bom tempo, depois de ficar seus primeiros momentos, nos desertos da Arábia. Damasco é uma das cidades mais antigas do mundo, em que esteve sempre habitada, e que neste tempo era uma das cidades mais importantes da Síria, tendo sido a capital deste país, mas que hoje é um distrito. Paulo se reporta a um incidente que lhe ocorreu naquela cidade, que por um milagre ele escapou.

O QUE GOVERNAVA SOB O REI ARETAS. Este rei Aretas citado por Paulo, governou sobre a Síria até aproximadamente os anos quarenta de nossa era cristã. Ele ficou mais conhecido porque se tornou sogro de Herodes Antípas, que era uma personagem importante no império romano. Vindo então Aretas a se tornar inimigo mais tarde de Herodes, quanto este se divorciou da filha de Aretas, que ficou enfurecido.

PÔS GUARDA ÀS PORTAS DA CIDADE DOS DAMASCENOS. Os governos das cidades antigas e mais importantes mantinha controle absoluto sobre tudo que acontecia com a sociedade de seus domínios. De forma que, aonde Paulo chegava pregando o evangelho causava desfalque nas religiões oficiais. Assim sendo, ao fazer seus trabalhos em Damasco, os judeus incitaram os damascenos contra ele para prendê-lo.

PARA ME PRENDEREM. O cristianismo aonde chegava com sua mensagem de esperança convencia aos milhares, a respeito de Jesus Cristo como Salvador, e uma proposta de vida eterna para quem cresse na nova aliança de Deus com a humanidade. Paulo como um dos principais agentes de propagação do evangelho da graça de Deus, em Cristo Jesus, passou a ser o alvo principal dos inimigos do reino de Deus e de Cristo.

E FUI DESCIDO NO CESTO. Certamente, tendo Paulo descoberto o plano das autoridades locais contra sua pessoa, juntamente com os novos convertidos que o apoiaram naquele momento, planejaram uma saída da cidade, a fim de escapar da prisão, ou quem sabe da morte. Este cesto, geralmente era feito de cordas fortes, como se fossem sacos fortes para carregar alimentos ou objetos mais pesados.

POR UMA JANELA DA MURALHA. Algo parecido aconteceu com os espias na cidade de Jericó, quando a meretriz Raabe fez escapar os enviados de Josué para espiar a terra. Esta casa que tinha uma janela, ficava provavelmente sob a muralha da cidade, por onde serviu de escape para o servo de Deus. O escritor está justamente mostrando as dificuldades que ele enfrentou para que se tornasse apóstolo de Cristo aos gentios.

E ASSIM ESCAPEI DAS SUAS MÃOS. Se este fato ocorreu nos três primeiros anos depois da conversão de Paulo, e ele não tivesse escapado desta emboscada dos damascenos, e ele tivesse sido preso, condenado e morto, não teria comprido sua importante missão de levar o evangelho da libertação ao mundo gentílico. Mas em tudo, Deus estava no controle, para que o evangelho do Senhor Jesus fosse por meio de Paulo semeado em todas as partes do mundo civilizado daquela mesma época.