Pesquisar este blog

terça-feira, 19 de setembro de 2017

2 Coríntios 7:10

2 Coríntios 7:10 - Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, da qual ninguém se arrepende; mas a tristeza do mundo opera a morte.
PORQUE A TRISTEZA. Este é um sentimento que na maioria das vezes é sentido na alma e no espírito. São vários os modos operantes deste sentimento no mais íntimo do ser humano, que geralmente vem das circunstâncias da vida. A tristeza é bastante democrática, porque ela pode atacar grandes e pequenos, ricos e pobres. E até mesmo grandes homens de Deus foram vítimas da tristeza, em forma de depressão. Qualquer um pode ter seu dia ou temporada de profunda amargura em sua alma.

SEGUNDO DEUS. A tristeza segundo Deus é aquele tipo de tristeza que Deus permite para que no final de tudo, o ser humano reconheça que precisa do Criador de todas as coisas e que deve ser dependente dele. Geralmente, este tipo de tristeza, segundo Deus, tem a influência do Espírito Santo, ele que convence o homem do pecado, da justiça e do juízo. De forma que, o Espírito de Deus mostra a fragilidade do homem.

OPERA ARREPENDIMENTO. Este arrependimento pode vir por conta do peso na consciência, quando o homem pratica coisas erradas, e que reconhece que está pecando contra sua própria alma e principalmente contra Deus. Tudo começa por um ato de fé, quando o ser humano acredita que existe um Deus que é juiz dos vivos e dos mortos. Com isso, vem a necessidades de mudança de atitude, pelo arrependimento.

PARA A SALVAÇÃO. O arrependimento para a salvação acontece quando o homem se dá conta de que precisa do perdão de Deus para os seus pecados. Este arrependimento para a salvação desemboca no novo nascimento, que por sua vez produz a regeneração espiritual. A partir de então, tem início a uma jornada rumo a salvação, passando pelo estágio do desenvolvimento espiritual, por meio da santificação, que nada mais é que um processo de aperfeiçoamento, até a glorificação.

DA QUAL NINGUÉM SE ARREPENDE. Ninguém se arrepende de que? Da salvação! A salvação é a coisa mais preciosa que se possa imaginar. Todos aqueles que forem dignos de chegarem como remidos na presença majestosa do Deus de perdão, serão felizes para todo o sempre. Esta salvação é sinônimo de vida eterna, conforme a mensagem do evangelho das boas novas, que é uma modalidade de vida abundante.

MAS A TRISTEZA DO MUNDO. A tristeza do mundo é o tipo de sentimento que se traduz por remorso, mas sem mudança de atitude. Este tipo de tristeza tem uma força atrativa para o que é mal e errado, para que se cumpra aquela palavra que diz: um abismo chama outro abismo. A tristeza do mundo leva as suas vítimas a mergulharem em uma vida degradante, buscando preencher o vazio com vícios, que gera a morte.

OPERA A MORTE. Esta morte sobre a qual fala o escritor, tanto pode ser a morte física ou biológica, quanto e principalmente a morte espiritual. A marte física, quando esta tristeza se manifesta em termos de depressão, e por ela muitos se suicidam. E a morte espiritual, porque em vez de o ser humano buscar a solução em Deus, que é o Deus de toda consolação, o ímpio busca preencher tal tristeza com os prazeres carnais, que por consequência gera a separação eterna de Deus, morte eterna ou condenação.

2 Coríntios 7:9

2 Coríntios 7:9 - Agora folgo, não porque fostes contristados, mas porque fostes contristados para arrependimento; pois fostes contristados segundo Deus; de maneira que por nós não padecestes dano em coisa alguma.
AGORA FOLGO. Acreditamos que antes, quando o apóstolo dos gentios soube da situação difícil em que se encontrava a igreja de Cristo na cidade de Corinto, ele deve ter ficado arrasado, isso porque ele tinha a todos como seus filhos na fé. E mesmo tendo enviado sua carta àquela igreja por mãos de Tito, continuava a sua amargura de espírito, porque não sabia qual seria a reação dos irmãos, ao tomarem conhecimento das exortações fortes do apóstolo para com todos eles. Mas agora estava tudo bem.

NÃO PORQUE FOSTES CONTRISTADOS. Se realmente trata do tempo em que os leitores de Paulo receberam sua carta severa, os últimos três capítulos desta mesma carta, segundo alguns comentaristas afirmam, então, por um pouco período de tempo ficaram como que tristes com o apóstolo dos gentios, isso porque, o escritor mostrou os pontos vulneráveis em que eles estavam falhando. Certamente não gostaram.

MAS PORQUE FOSTES CONTRISTADOS PARA ARREPENDIMENTO. É provável que os irmãos da igreja de Cristo em Corinto estavam esperando a presença de próprio Paulo entre eles, porem, isso não foi possível, porque o momento não era possível à chegada do apóstolo, por conta que Paulo estava se sentindo traído por eles. De repente chega uma carta revelando que todos eles estavam errados precisando se converterem.

POIS FOSTES CONTRISTADOS. A reação imediata, que a ausência de Paulo com suas explicações sobre muita coisa, provocou tristeza profunda nos seus filhos na fé em Corinto, decepção geral para todos eles, porque estavam contando com sua presença, e chega uma carta, bastante forte contra seus erros. Assim, ficaram abatidos, mas tudo foi para que reconhecessem que estavam errados e se arrependessem.

SEGUNDO DEUS. A vida de Paulo era uma carta aberta diante de Deus, porque conforme ele próprio deixou escrito em (Gálatas 2:20) não vivia mais para si mesmo, mas para Cristo Jesus nosso Senhor. De forma que, Deus permitiu que coisas acontecessem naquela igreja contra o apóstolo, para que no final das contas, reatar a amizade que havia entre o fundador daquela igreja e todos os seus filhos na fé.

DE MANEIRA QUE POR NÓS NÃO PADECESTES. O escritor tenta justificar sua atitude em enviar sua carta aos seus filhos na fé, mesmo que no primeiro momento, eles acharam estranho em que Paulo lhes acusava de estarem falhando em suas fidelidades para com o apóstolo, mas que não tinha o objetivo de provocar prejuízos para nenhum deles. Paulo deve ter orado para que Deus tomasse a frente em tudo.

DANO EM COISA ALGUMA. Desde os primeiros momentos, em quando o apóstolo dos gentios esteve presente naquela cidade fazendo suas campanhas evangelísticas, que suas intensões eram as melhores possíveis para com os cidadãos daquela cidade. E muito mais depois que os conquistou para Cristo. Paulo não usou do expediente de explorar a ninguém financeiramente, é tanto que ele trabalhava em sua profissão para se manter, e manter seu ministério, isso para não depender de quem quer que seja.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

2 Coríntios 7:8

2 Coríntios 7:8 - Porquanto, ainda que vos contristei com a minha carta, não me arrependo, embora já me tivesse arrependido por ver que aquela carta vos contristou, ainda que por pouco tempo.
PORTANTO, AINDA QUE VOS CONTRISTEI. O autor reconhece que provocou dor nos seus leitores, mas que a sua intenção foi a melhor possível. Quando uma criança está doente, às vezes tem que ser furada para tomar uma vacina dolorosa, os pais ficam tristes, por ver seu filho pequeno chorando por sentir uma grande dor, mas mesmo assim toda esta atitude, porque deseja ver seu filhinho curado. Paulo era o pai na fé dos seus leitores, porque foi ele quem os conquistou para Cristo e para seu reino.

COM A MINHA CARTA. Há algumas conjecturas dos comentaristas sobre a que carta se refere o apóstolo. Alguns falam sobre uma carta enviada por Paulo aos coríntios, mas que foi perdida. Outros falam sobre 1 Coríntios, como sendo tal carta enviada por Paulo. E por fim, tem os que defendem que o apóstolo se refere à porção mais dura desta presente carta, a partir do décimo capítulo, que havia sido enviada primeiro.

NÃO ME ARREPENDO. Neste caso, arrepender-se seria voltar atrás no que havia feito, por achar que havia agido de maneira errada. O autor já era maduro e experiente o suficiente para saber o que estava fazendo. Quando ele enviou a tal carta, sabia no mais íntimo do seu ser que, estava dando um remédio amargo aos seus filhos na fé, mas que teria como resultado positivo, curar suas mazelas e defeitos.

EMBORA JÁ ME TIVESSE ARREPENDIDO. Não que o escritor estivesse desfazendo o que houvera dito no tópico acima, o que ele desejava esboçar era de que, depois de ter enviado a tal carta, ficou pensativo se tinha agido correto ou não. Até que agora, estava vendo que agiu corretamente, e que o medicamento amargo serviu para sanar os problemas de doenças espirituais que estavam afetando seus filhos na fé.

POR VER QUE AQUELA CARTA. Certamente o conteúdo de tal carta continha severas advertências contra os leitores de Paulo, ao ponto de causar preocupação no apóstolo dos gentios. O escritor não se preocupava somente em fundar as igrejas no mundo gentílico, mais ele se empenhava em cuidar destas comunidades cristãs, com o discipulado dos novos convertidos, e por suas cartas e pelos seus amigos de ministério.

VOS CONTRISTOU. O evangelho diz que, tem tristeza que é para morte, e tem certas tristezas que são positivas e que gera a vida. A tristeza que gera a morte é a tristeza do pecado deliberado, com suas consequências terríveis, que os pecadores incrédulos têm que experimentarem. Mas a tristeza que gera vida é aquela contrição que produz arrependimento, e com isso, provoca mudança positiva de atitudes e de vida.

AINDA QUE POR POUCO TEMPO. Neste ponto, o escritor pode está se referindo a entrega e leitura de tal carta da parte de Paulo, que ao ser lida, provocou enorme abatimento de espírito nos seus leitores. Mas que a presença de Tito, com suas explicações e seu jeito conciliador foi contornando a situação e, por fim, teve resultados positivos. Ou pode-se conjecturar que de princípio, os coríntios ficaram tristes com a chegada da carta, mas que depois reconheceram que Paulo tinha razão.

2 Coríntios 7:7

2 Coríntios 7:7 - E não somente com a sua vinda, mas também pela consolação com que foi consolado por vós, constando-nos as vossas saudades, o vosso choro, o vosso zelo por mim, de maneira que, muito me regozijei.
E NÃO SOMENTE COM A SUA VINDA. O apóstolo Paulo era um peregrino, que vivia viajando de cidade a cidade, de país a país, porque era um missionário transcultural e continental. E para dar assistência as igrejas por ele fundadas, contava com a cooperação de seus amigos de ministério. Sabendo dos problemas da igreja em Corinto, ele enviou a Tito, que neste caso, já estava de volta, trazendo boas notícias daquela igreja, além de trazer outras tantas novidades, que muito alegrou a Paulo.

MAS TAMBÉM PELA CONSOLAÇÃO. Quando o apóstolo dos gentios enviou seu companheiro de ministério, Tito a igreja de Cristo em Corinto, o escritor desta carta estava carregado de angústia pelo que estava sabendo dos seus filhos na fé. De forma que, Tito também viajou carregado de tristeza e preocupação, porque não sabia da reação que poderia acontecer lá, porem, Tito foi bem acolhido entre os irmãos.

COM QUE FOI CONSOLADO POR VÓS. A chegada de Tito em Corinto, foi um sucesso, e há quem diga que, não foi o enviou da carta da reconciliação que aplacou os ânimos dos irmãos em Corinto, mas sim, o trabalho brilhante de Tito neste sentido. Certamente a igreja de Cristo naquela cidade recebeu a Tito, como se fosse a própria pessoa do apóstolo Paulo, e em vez de o rejeitarem, consolaram o enviado de Paulo.

CONSTANDO-NOS AS VOSSAS SAUDADES. Como é lindo perceber-se que esta história termina bem, entre a igreja de Cristo que estava na cidade de Corinto e o seu fundador principal, que foi o apóstolo Paulo. Neste ponto, descobrimos que, nem mesmo as falácias negativas dos oponentes de Paulo naquela igreja foi o suficiente para afetar negativamente a boa comunhão de ambas as partes, de Paulo com a igreja.

O VOSSO CHORO. É bem provável que, a chegada de Tito naquela igreja, com a carta de Paulo, sem a sua presença, e o relatório de Tito, descrevendo as angústias do apóstolo por saber do mal-estar que estava acontecendo, os seus filhos na fé se desmancharam em choro, por terem por um momento acreditado nos falsos testemunhos que inventaram do grande apóstolo dos gentios, e pai na fé deles.

O VOSSO ZELO POR MIM. Percebe-se que o mal intendido já estava desfeito e o mal-estar já não existia mais. Tendo Tito esclarecido todas as verdades dos fatos, efetivamente os seguidores de Cristo naquela cidade demostraram um zelo devido àquele que os haviam conquistado para Cristo e o seu reino. Feita a reconciliação, os leitores de Paulo estavam conscientes de que eram realmente devedores ao apóstolo.

DE MANEIRA QUE, MUITO ME REGOZIJEI. Que alívio na alma de Paulo, que vontade de ver pessoalmente a todos os seus filhos na fé, que alegria provocou no coração do apóstolo as boas notícias que Tito conduziu até ele. É quase sempre assim, Deus permite que passemos certas experiências desconfortáveis, para em seguida mostrar que, no final das contas, ele está sempre no comando de todas as coisas. É notável que Deus estava conduzindo o apóstolo ao sucesso em sua missão e o aprovando.

2 Coríntios 7:6

2 Coríntios 7:6 - Mas Deus, que consola os abatidos, nos consolou com a vinda de Tito.
MAS. No começo desta carta, o autor desabafa e diz que não tinha condições de chegar até a igreja de Corinto, porque se naquele momento estivesse presente, como se diz aqui em nossa região, ia chutar o pau da barraca, falar todas as verdades, corrigir as injustiças que estavam sendo praticada contra ele, punir os injustos, praticando justiça com as próprias mãos, alegoricamente falando. No entanto, aplacada a ira e o senso de justiça, agora, era só motivo de alegria, gozo paz e comunhão com todos.

DEUS. A primeira carta, que o apóstolo enviou aos seguidores de Cristo em Corinto, foi com a tentativa de apaziguar as controvérsias a seu respeito naquela igreja, e com a chegada de Tito, o apóstolo percebeu que a situação havia sido contornada. Porque Deus cuidou em agir para o bem daquela igreja e para consolação do fundador daquela comunidade cristã. Deus é justo, e na tranquilidade ele repara as injustiças.

QUE CONSOLA. 2 Coríntios 1:3-4 - Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus de toda a consolação. Que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus. O Senhor Deus de toda a consolação, remove os motivos de nossa tristeza.

OS ABATIDOS. Se têm uma coisa que deixa um homem abatido e sem forças para lutar é quando ele está sendo injustiçado. Paulo fez o que pode, e além de suas forças para que a igreja em Corinto existisse. Mas, depois daquela igreja fundada, chegaram outros que já acharam a obra feita, porem, queriam ter domínio sobre a igreja, e para isso, buscavam denegrir a imagem de Paulo. E isso, provocou tristeza no apóstolo dos gentios. Mas, Paulo entregou esta causa nas mãos de Deus, e o Senhor resolveu.

NOS CONSOLOU. Aprendemos com esse exemplo de Paulo, que ele não era vingativo, mas entregava suas causas nas mãos de Deus, ele que sabe como resolver, da melhor forma possível. Revidar a altura, não resolve questão envolvendo servos de Cristo, quando estivermos sendo injustiçados, deixemos Deus resolver, porque quando Deus resolve, ninguém sai prejudicado, mas o resultado é só alegria, paz e reconciliação.

COM A VINDA. Tito era um companheiro do ministério de Paulo e fiel ministro do Senhor Jesus, ele que foi enviado por Paulo à cidade de Corinto, levando sua carta, e com a responsabilidade de tentar contornar a situação de divisão naquela igreja. Agora, já de volta, vindo da cidade de Corinto, Tito trazia consigo bons resultados da carta enviada por Paulo, porque as questões triviais naquela igreja estavam resolvidas.

DE TITO. Paulo era um missionário desbravador de novos campos missionários e como ele não parava muito tempo em um só lugar, a fim de que mais pessoas conhecessem a Cristo, por meio do evangelho. Então, Tito era um dos companheiros de ministério de Paulo, que dava assistência às igrejas por Paulo fundadas. Os comentaristas defendem que a presença de Tito em Corinto foi fundamental, e afirmam que Tito trabalhou fortemente para contornar a situação daquela igreja, em favor de Paulo.

domingo, 17 de setembro de 2017

2 Coríntios 7:5

2 Coríntios 7:5 - Porque, mesmo quando chegamos à Macedônia, a nossa carne não teve repouso algum; antes em tudo fomos atribulados: por fora combates, temores por dentro.
PORQUE, MESMO QUANDO CHEGAMOS. Este texto a nossa frente é um dos fortes indicativos de que seja provável que o autor tenha escrito esta sua carta aos Coríntios da Macedônia, o que alguns comentaristas discordam em parte, por defenderem que esta carta em sua totalidade é composta de algumas partes, em que a maioria do seu conteúdo foi escrita da Macedônia, enquanto outras partes tenham sido escrita de Éfeso. Sem fixar nos detalhes, este texto é esclarecedor por demais.

A MACEDÔNIA. Em algumas porções dos seus escritos, o apóstolo Paulo se refere a cidades, em outras, portanto, ele se referia a regiões maiores, como no caso da Macedônia. A cidade de Filipos era como que um distrito menor da grande região chamada de Macedônia. Houve uma época em que a Macedônia era dividida em mais de cento e cinquenta cidades, mas já no tempo do império romano era dividida em quatro confederações, ou reino, por dinastias. Certamente Paulo estava em Filipos.
A NOSSA CARNE. O apóstolo dos gentios era um missionário transcultural que viajava não somente de país a país, mas a sua missão era continental, evangelizando a Europa, Ásia e outras partes também. Desta forma, ele era muito ocupado, e chegando aquela região da Macedônia, que não era uma região pequena, não faltaram trabalhos para que ele fizesse suas campanhas evangelísticas, pregando o evangelho de Cristo.

NÃO TEVE REPOUSO ALGUM. O escritor, antes de se converter ao cristianismo provocou muitos prejuízos à igreja de Cristo, com seu fanatismo religioso em defesa do judaísmo. Mas depois de receber a Cristo, como Senhor e Salvador, agora, não descansava, mas dia e noite trabalhava pelo reino de Cristo, tentando, superar a se mesmo, em contribuir para que o reino de Cristo e a sua igreja se espalhasse rápido.

ANTES EM TUDO, FOMOS ATRIBULADOS. Os judaizantes andavam perseguindo a Paulo de cidade em cidade, por onde ele fazia suas campanhas missionárias e de evangelização. Além de que, em todas as cidades aonde Paulo chegava para pregar o evangelho de Cristo, já existiam as seitas heréticas do paganismo, em que seus líderes tudo faziam para impedir do apóstolo dos gentios ganhar vidas para Cristo.

POR FORA COMBATES. Assim sendo, não cessavam as batalhas contra o missionário Paulo, porque o diabo com os seus demônios sempre armavam ciladas, usando os opositores do apóstolo para tirar-lhe a vida, e com isso, impedirem o avanço do evangelho no mundo gentílico. O império romano, por meio de suas autoridades locais buscava ocasião de prender a Paulo, leva-lo a Roma e o executar como transgressor.

TEMORES POR DENTRO. O apóstolo não fala de “medo”, porque isso ele não tinha, quando ele fala sobre temor, ele se refere as suas preocupações e cuidados para não vacilar, tanto quando as leis judaicas, quanto as religiões pagãs, e acima de tudo, no tocante as leis romanas. Além dos cuidados que ele tinha com os falsos irmãos, como no caso da igreja de Corinto, que estava dividida pelo racha e pelo partidarismo.

2 Coríntios 7:4

2 Coríntios 7:4 - Grande é a ousadia da minha fala para convosco, e grande a minha jactância a respeito de vós; estou cheio de consolação; transbordo de gozo em todas as nossas tribulações.
GRANDE É A OUSADIA. Diante das boas notícias que o apóstolo havia recebido, por meio de Tito da igreja de Cristo na cidade de Corinto, o autor estava aliviado da tensão e dos cuidados com aquela comunidade cristã. Antes, suas preocupações com o estado espiritual daquela igreja, e de sua situação caótica, havia travado a boa comunicação com aquele povo, ao ponto de Paulo evitar ter que viajar para Corinto e pessoalmente tentar contornar a situação que era difícil para aquela igreja.

DA MINHA FALA. Quando o escritor se refere a sua fala, é porque, certamente, ele estava se utilizando de um amanuense, neste momento, em que ele falava e o seu ajudante escrevia aquilo que o apóstolo ia pronunciando. Ou quem sabe, o autor já pensa fortemente em viajar até a cidade de Corinto, para então, com suas próprias palavras pregar para seus filhos na fé, porque o ambiente agora era favorável?

PARA CONVOSCO. Na realidade, da parte de Paulo, nunca houve estremecimento para com aquela igreja, os seguidores de Cristo naquela cidade quem escutaram as opiniões contrárias, inventadas pelos opositores de Paulo naquele lugar, e por conta disto é que estavam como quem não reconhecendo o valor do apóstolo, na conquista de todos eles para o reino de Cristo. Mas agora, tudo estava esclarecido.

E GRANDE A MINHA JACTÂNCIA PARA CONVOSCO. A palavra jactância nos ensina sobre a franqueza do escritor para com os seus leitores, o que em tese nos fala sobre a sua sinceridade em dilatar seu coração para os seus filhos na fé. Sendo derribada a parede do desconforto, entre o apóstolo e seus filhos na fé em Corinto, agora, o apóstolo se sente a vontade para abrir seu coração mais ainda, a fim de relatar o que se passava no mais íntimo de seu ser, em sua alma, em seu espírito, no mais profundo.

ESTOU CHEIO DE CONSOLAÇÃO. Nos começos desta carta, o escritor demostra mais tristeza e angustia pelas notícias péssimas que ele tinha tomado conhecimento sobre a situação espiritual em que se encontrava a igreja em Corinto. Mas, com a chegada de Tito, trazendo boas novas daquela comunidade cristã, agora, não mais restava tristeza nem amargura, quanto a estes problemas com aquela comunidade cristã.

TRANSBORDO DE GOZO. O apóstolo dos gentios expressa não somente uma alegria que poderia ser passageira, mas ele fala a respeito de algo que vai além do seu estado emocional momentâneo, porque este gozo, sobre o qual fala o escritor fala sobre o contentamento da sua alma, e o prazer interior que estava desfrutando, em saber que a situação que antes lhe era desfavorável, havia sido contornado neste momento.

EM TODAS AS NOSSAS TRIBULAÇÕES. Não que as boas notícias vindas da igreja de Corinto fossem resolver todos os problemas da vida do apóstolo, até porque ele sempre estava enfrentando oposição de dentro das igrejas, e muito mais de fora delas. As suas tribulações iriam continuar lhe fazendo pressão, mas o escritor também busca tranquilizar seus leitores de que, apensar dos pesares, mas estava feliz e contente.

sábado, 16 de setembro de 2017

2 Coríntios 7:3

2 Coríntios 7:3 - Não digo isto para vossa condenação; pois já antes tinha dito que estais em nossos corações para juntamente morrer e viver.
NÃO DIGO ISTO. A primeira carta enviada pelo apóstolo teve um resultado benéfico na vida dos seus leitores, porque com a chegada de Tito, já se sabia que coisas melhores estavam acontecendo naquela comunidade cristã. Com a chegada desta segunda carta de Paulo aos Coríntios, se esperava ainda mais progresso na vida espiritual dos seguidores de Cristo na cidade de Corinto, até porque esta segunda carta vai mais carregada de exortações, principalmente a partir do décimo capítulo.

PARA VOSSA CONDENAÇÃO. A intenção do escritor, mesmo que suas palavras estivessem carregadas de fortes exortações, não era para que os seus leitores fossem condenados, por se afastarem de Cristo, se desviando do evangelho. Pelo contrário, o desejo do autor era efetivamente lhes aconselhar para que eles se voltassem para o centro da vontade de Deus. Paulo agia como pai na fé de todos os seus leitores.

POIS JÁ ANTES. Este antes, para alguns comentaristas, significa que o escritor fala sobre sua primeira carta aos Coríntios, em que por várias vezes o apóstolo dos gentios demonstra o seu amor de coração por todos os seus filhos na fé em Corinto. Mas, também nesta mesma carta, e em algumas referências, o escritor diz o mesmo, em demostrar o seu mais íntimo deseja de reatar sua plena comunhão com essa igreja.

TINHA DITO QUE ESTAIS. No caso da igreja de Corinto, eles não podiam dizer esta mesma coisa que Paulo estava dizendo, isso porque, por conta das acusações que os opositores de Paulo lhe fizeram diante da igreja, certamente, muitos por algum momento tiraram o apóstolo dos seus corações. Mas da parte do autor desta carta, ele podia declarar que nunca eles saíram do seu coração, porque as cartas de Paulo são provas robustas de que ele amava de verdade seus filhos na fé, e lutava por eles.

EM NOSSOS CORAÇÕES. O coração de Paulo era como o coração de um verdadeiro pai, que sempre tem lugar para mais um filho, e que é tão grande, ao ponto de caber com folga a todos quanto vierem. Lembrando-se de suas atividades evangelísticas e suas dificuldades para ganhar aquelas vidas para Cristo, o coração do apóstolo se enchia cada vez mais de um grande e puro amor por todos os seus filhos na fé.

PARA JUNTAMENTE MORRER. Com isso, o escritor dilata absolutamente suas entranhas para mostrar o mais íntimo de seu ser, em se dar por completo pelos seguidores de Cristo na cidade de Corinto. Essa é uma revelação do autor, em que ele diz que, estava pronto se necessário fosse morrer pelos seus filhos na fé. E ninguém da a sua vida por alguém, senão motivado por um verdadeiro amor, como Cristo o fez.

E VIVER. Por fim, o fundador daquela igreja mostra um caminho melhor, que era viver por todos que estavam servindo a Cristo na cidade de Corinto. Este viver era continuar fazendo seus trabalhos em prol dos seus filhos na fé, e no final das contas, leva-los a desfrutar a vida eterna. Até mesmo se fosse necessário morrer pelos seus leitores, que faziam parte da igreja em Corinto, o resultado final era salvação, que tem sinônimo de vida eterna, vida abundante, vida plena, vida feliz com Cristo Jesus, o Salvador.

2 Coríntios 7:2

2 Coríntios 7:2 - Recebei-nos em vossos corações; a ninguém agravamos, a ninguém corrompemos, de ninguém buscamos o nosso proveito.
RECEBEI-NOS. O apóstolo continua buscando a reconciliação com os seus leitores, isso porque Paulo era por demais amoroso para com os seus filhos na fé, e esta sua carta, ainda que um pouco dura, principalmente a partir do capítulo dez, é porque o apóstolo dos gentios queria o melhor para seus leitores. É aquela velha máxima, o pai que ama, castiga o filho, a quem ama de verdade. Para o escritor foi importante ganha-los para Cristo, como era importante também mantê-los no evangelho de Cristo Jesus.

EM VOSSOS CORAÇÕES. Certamente, os cristãos de Corinto ainda traziam consigo em seus pensamentos e mentes, a lembrança de Paulo e de suas muitas atividades em prol daquele povo. Porem, o fundador daquela comunidade cristã queria está no mais profundo do ser de cada um dos seus filhos na fé, no coração deles todos. O autor sentia a necessidade de manter comunhão com aquela igreja, que ele amava muito.

A NINGUÉM. Esta palavra é repetida três vezes, reiterando a sua forma correta de tratar a todos com quem conviveu em Corinto, quando ali esteve na fundação daquela igreja e na sua visita posterior. Se alguém tinha alguma acusação contra Paulo, era algo que inventaram, e não de forma justa, isso porque, o comportamento do apóstolo foi correto em toda a maneira de viver, das vezes em que esteve entre eles.

AGRAVAMOS. Na verdade, o escritor estava sendo vítima de muitas acusações por parte dos seus oponentes, de todos aqueles que desejavam prejudicar a comunhão que havia entre o apóstolo e seus filhos na fé. Porem, da parte de Paulo, ninguém podia lhe acusar de ter denegrido a imagem de quem quer que seja. O apóstolo dos gentios quando abria sua boca era para pregar o evangelho das boas novas e falar a respeito de Cristo Jesus, como sendo o Messias de Deus, prometido nas Escrituras.

A NINGUÉM CORROMPEMOS. Pelo contrário, as atividades de Paulo em Corinto, e em qualquer dos campos missionários que ele esteve fazendo missões, os seus trabalhos de evangelização era para fazer dos cidadãos, pessoas melhores, porque quem de verdade se converte pelo poder do evangelho, passa a ser um cidadão de bem. Corromper neste caso é levar alguém a ser prosélito de heresias da religiosidade.

DE NINGUÉM BUSCAMOS. O que o apóstolo dos gentios buscava, era levar as pessoas a Cristo e a reconciliação com Deus. Ele não estava interessado nos bens materiais de ninguém, nem esperava recompensa financeira de quem quer que seja. Paulo trabalhava com suas próprias mãos, na fabricação de tendas, para não ser pesado a ninguém, ele não aceitava nem mesmo ser sustentado pelas igrejas por ele fundadas.

TIRAR PROVEITO. Será que esta mensagem da palavra de Deus não serve de alerta para aqueles que, a título de hoje, vivem praticando o comercio da fé, que se utilizam do evangelho para tirarem proveito financeiro da igreja de Cristo? Diante desta palavra da parte de Paulo, percebe-se que, quase todas as organizações religiosas, estão fora do padrão do Novo Testamento, quando determinam recompensas financeiras para aqueles que fazem, supostamente a obra de Deus. O que fazem é ativismo religioso.

2 Coríntios 7:1

2 Coríntios 7:1 - Ora, amados, pois que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santificação no temor de Deus.
ORA, AMADOS. Neste capítulo sete, o escritor mostra sua alegria, com a chegada de Tito, por ver o resultado positivo que produziu sua primeira carta enviada para a igreja de Cristo em Corinto. No entanto, este primeiro versículo funciona como a conclusão do capítulo anterior e ao mesmo tempo com uma nova introdução de um novo tema de sua epístola. O certo é que, o apóstolo já visualiza uma luz no fim do túnel.

POIS QUE TEMOS TAIS PROMESSAS. O evangelho está repleto de maiores e melhores promessas para os seguidores do reino de Cristo, em comparação com a antiga dispensação da lei, em que suas promessas são terrenas e temporais. Já as promessas propostas no evangelho da nova dispensação são para esta vida, sim, mais principalmente para a vida futura, porque são promessas eternas de Deus.

PURIFIQUEMO-NOS. Diante do que nos está proposto no evangelho das boas novas, é sábio aquele que faz a opção em renunciar as coisas deste mundo, pelas promessas de esperança para a eternidade. Os seguidores do judaísmo se purificavam por meios de rituais e celebrações pontuais. Mas os cristãos se purificam, se separando das coisas profanas e se dedicando em buscar o reino de Deus em primeiro lugar e as coisas que são de cima. A purificação cristã não é superficial, mas sim, profunda, pelo Espírito.

DE TODA A IMUNDÍCIA DA CARNE E DO ESPÍRITO. A purificação da carne é a renúncia das concupiscências carnais, como obras da carne e dos desejos mais promíscuos que o ser humano pode desejar. Já a purificação do espírito nos fala da regeneração, isso porque, o homem foi feito a imagem e semelhança de Deus, porem, o pecado maculou o espírito do homem, enquanto o novo nascimento regenera o seu interior.

APERFEIÇOANDO. Para tanto, o homem precisa percorrer o caminho do desenvolvimento espiritual, que começa quando do exercício da fé plena no nome de Cristo e em sua perfeita obra de redenção em prol dos seus remidos. E Prossegue por meio do novo nascimento, que nada mais é do que o mergulho na regeneração espiritual, com a transformação necessária da vida, a fim de ser uma nova criatura.

A SANTIFICAÇÃO. Para quem deseja chegar diante da presença de Deus como bem-aventurado, tem que seguir a santificação. Hebreus 12:14 - Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor. Devemos ser santo em tudo, Pedro 1:15 - Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver. Essa santificação é a separação das coisas do mundo.

NO TEMOR DE DEUS. O temor do Senhor é o ponto chave por meio do qual os servos de Cristo se santificam em suas vidas diárias, isso porque, este temor do Senhor gera a consciência de que Deus tudo vê e tudo conhece. De forma que, viver no temor do Senhor é saber que o Senhor está presente em todos os momentos de nossa vida, portanto, nos faz monitorar nossos atos e palavras, no sentido de não praticarmos coisas erradas. Esse temor devido a Deus gera responsabilidade em nossas vidas.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

2 Coríntios 6:17

2 Coríntios 6:17 - Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; E não toqueis nada imundo, E eu vos receberei.
POR ISSO. Essa mensagem é um complemento do que o autor vinha expondo nos textos anteriores, apontando a necessidade dos seus leitores fazerem a diferença entre os que servem a Deus e os que não servem. Em que, Paulo antes de dar tais conselhos aos seus leitores, ele mesmo deu exemplo de vida, de quem realmente servia a Deus com inteireza de alma e espírito, mesmo que para tanto, sempre tenha encontrado tanta oposição, de dentro da igreja, e dos inimigos do evangelho também.

SAI DO MEIO. A exortação tinha como finalidade uma tomada de posição por parte daqueles que confessavam seguir o evangelho pregado por Paulo na cidade de Corinto. Além de que, o apóstolo dos gentios reivindica uma tomada de atitude dos seus leitores, no sentido de não aceitarem os ensinos heréticos que estavam sendo semeados pelos cristãos legalistas, nem pelos gnósticos e seus artificialismos.

DELES. Os cristãos legalistas, certamente ligados ao partido de Simão Pedro, que era o representante da igreja matriz de Jerusalém, distorciam a mensagem do evangelho pregado por Paulo, com suas fábulas artificiais. E os gnósticos, modulavam este mesmo evangelho, por meio de uma mistura de cristianismo com as ciências do saber e da retórica, ou seja, se fosse hoje, seria filosofia, psicologia sociologia e etc.

E APARTAI-VOS. Percebe-se que dentro da comunidade cristã de Corinto, estava-se permitindo elementos estranhos e modismos no seio da igreja de Cristo. Hoje, antes de cinco horas da manhã, recebi uma mensagem de um amigo, afirmando que o nosso País precisa de uma reforma no meio evangélico urgente. Então respondi para ele que, uma reforma é muito difícil de acontecer, mas pelo menos um avivamento, ou seja, retorno as Escrituras, temos que lutar por isso em nosso país como sobrevivência.

DIZ O SENHOR. A Europa e a América do Norte entraram em sono profundo, porque as lideranças cristãs e os pregadores foram se deixando dominar pelos modismos no seio da comunidade cristã, aceitando elementos estranhos no seio das igrejas. No caso de nosso país, Deus tem falado e alertado aos seus servos que, os que defendem o verdadeiro evangelho, tem que com urgência se levantarem em defesa da igreja e do evangelho genuíno, assim como estava agindo Paulo nesta sua carta.

E NÃO TOQUEIS NADA IMUNDO. O que a palavra de Deus está recomendando é separação das coisas que desagradam ao nosso Deus, o que o evangelho chama de santidade de vida. A igreja não pode conviver com as coisas do mundo que tendem a tirar a espiritualidade do povo de Deus. Não podemos imitar as coisas do mundo, mas somos chamados a influenciar o mundo pelas coisas do reino de Deus e de Cristo.

E EU VOS RECEBEREI. Jesus disse que, não se pode servir a dois senhores, e isso nós traduzimos como que, ou a pessoa serve a Deus por meio da santidade de vida, ou por outro lado, se deixa influenciar pelas coisas do mundo, o que gera separação de Deus, isso porque, Deus só tem comunhão plena, com aqueles que fazem a sua vontade. Ou a igreja vive no centro da vontade de Deus ou não será aceita pelo Senhor.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

2 Coríntios 6:16

2 Coríntios 6:16 - E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo.
E QUE CONSENSO TEM O TEMPLO DE DEUS. Quando o autor fala sobre consenso, neste caso, ele está falando de aceitação, de união e comunhão. No que diz respeito ao templo de Deus, certamente ele está pensando nos templos que foram construídos em Israel, como lugar de adoração ao único Deus verdadeiro. Teve o templo construído por Salomão, o segundo por Zorobabel e o terceiro ainda em construção no tempo de Cristo, por Herodes. Onde somente Deus era objeto de culto e adoração.

COM OS ÍDOLOS? Os ídolos referidos pelo apóstolo dos gentios são as falsas divindades, criadas pela imaginação dos idólatras, e mais especificamente pelos líderes religiosos das seitas heréticas do paganismo. Estes ídolos sempre foram adorados por meio das imagens de esculturas, porque não existem, e com isso precisam de uma representação material e visível para ser objeto de culto e adoração.

PORQUE VÓS SOIS O TEMPLO DE DEUS. Agora, o escritor fala sobre uma nova realidade para o tempo da nova dispensação da graça de Deus, por meio de Cristo Jesus. Com a implantação deste novo tempo, Cristo estabeleceu um novo jeito de adoração ao Deus verdadeiro, em que, o adorador passou a ser o templo de Deus em Espírito. Neste caso, o templo somos cada um de nós, os remidos do Senhor Jesus.

COMO DEUS DISSE: NELES HABITAREI. Como era de costume, Paulo se utiliza de citações feitas no Velho Testamento, como prova de que a fé cristã não está baseada em simplesmente ideologia dos pregadores do evangelho das boas novas, mas que tem base sólida naquilo que já estava previsto na antiga dispensação. A antiga dispensação já previa a inauguração de um novo tempo, também chamado de nova dispensação da graça de Deus para a humanidade por meio da obra de redenção.

E ENTRE ELES ANDAREI. Isso fala de comunhão do Deus verdadeiro com os seus adoradores. Antes da queda da raça humana, ainda no Jardim do Éden, por meio do nobre casal Adão e Eva, o Senhor Deus vinha ter diariamente com o casal naquele lugar, mas com a queda, houve a separação, a perda da comunhão. Em Cristo, esta comunhão foi reatada, porque ele abril novamente o caminho de acesso a Deus.

E EU SEREI O SEU DEUS. Esta foi uma promessa feita por Deus para o tempo da nova dispensação, mas que foi feita ainda no tempo da velha dispensação. Ezequiel 37:26 - E farei com eles uma aliança de paz; e será uma aliança perpétua. E os estabelecerei, e os multiplicarei, e porei o meu santuário no meio deles para sempre. E o meu tabernáculo estará com eles, e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo.

E ELES SERÃO O MEU POVO. Esta mesma promessa foi confirmada já no tempo da nova dispensação da graça de Deus. Hebreus 8:10 - Porque esta é a aliança que depois daqueles dias Farei com a casa de Israel, diz o Senhor; Porei as minhas leis no seu entendimento, E em seu coração as escreverei; E eu lhes serei por Deus, E eles me serão por povo. O escritor fala do novo Israel de Deus, que é a igreja de Cristo Jesus.

2 Coríntios 6:15

2 Coríntios 6:15 - E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel?
E QUE. Malaquias 3:18 - Então voltareis e vereis a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus, e o que não o serve. O autor continua falando da diferença que existe entre os que servem a Deus e os que não servem. Indiretamente, o apóstolo diz que os seus oponentes na igreja de Cristo que estavam em Corinto, pelo comportamento deles, não serviam a Deus e a Cristo, e que, portanto, os seus filhos na fé deveriam se apartar deles, porque estavam agindo como incrédulos.

CONCÓRDIA. Esta é uma palavra que fala de harmonia, bem como de comunhão, e por fim de semelhança. Por isso que, no versículo quatorze deste mesmo capítulo, o escritor solicita que seus leitores não se submetessem a um julgo desigual com os incrédulos. Com isso ele quis dizer que, o fiel não tem como ter concórdia ou comunhão com os infiéis, porque o padrão de vida de cada um é totalmente diferente.

HÁ ENTRE CRISTO. Cristo é a verdade em essência, como também é a mais poderosa luz que se possa imaginar. Desta forma, ele é totalmente diferente das falsas divindades criadas pela imaginação dos líderes religiosos do paganismo. Que concórdia ou harmonia há entre Cristo e belial? A resposta é nenhuma. A palavra belial se refere ao maligno, de forma que, Cristo não tem nenhuma ligação ou harmonia com o diabo.

E BELIAL? Essa é uma palavra que representa as várias formas com que era chamado o diabo no tempo em que foi escrito o Novo Testamento, dentro do idioma grego. E uma das conotações da designação de satanás é justamente, inimigo de Deus e de Cristo. Belial é totalmente oposto a tudo que representa Cristo Jesus, uma vez que, o diabo representa a mais densa treva, tudo que é a mentira e o engano, bem como o mal em essência. Cristo é a luz maior e tudo que pode ser chamado de verdade e o bem.

OU QUE PARTE TEM. Não que o escritor estivesse recomendando aos seguidores de Cristo em Corinto, que cortassem totalmente a comunicação com os ímpios. Mas ele esta se referindo à comunhão de vida, tal como casamento de um servo de Cristo com uma pessoa incrédula, e isso para evitar problemas de convivência, porque são pessoas totalmente diferentes e que trilham caminhos absolutamente opostos.

O FIEL. Este é aquele que exerceu a sua fé total no Filho de Deus e na sua obra perfeita de redenção. E que por meio de um verdadeiro arrependimento decidiu mudar completamente de vida, sendo envolvido pelo novo nascimento, o que em tese é a regeneração espiritual. Mas que depois de aceitar a Cristo percorre o caminho da santidade de vida, buscando o reino de Deus e as coisas que são de cima.

COM O INFIEL? O infiel é todo aquele que ainda não teve um encontro transformador com Cristo Jesus, porque prefere viver para tudo que o mundo oferece e não para as coisas do reino de Cristo. Não pode haver harmonia plena entre o que serve a Deus e o que não serve, quando muito, pode haver comunicação, porque o servo de Cristo não pode se intrigar com as pessoas, mas que comunhão plena, não é possível, porque as trevas não tem comunhão com a luz, ou uma ou outra. Isso é uma pura realidade.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

2 Coríntios 6:14

2 Coríntios 6:14 - Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?
NÃO VOS PRENDAIS A UM JULGO DESIGUAL. O julgo era um tipo de equipamento que unia uma junta de animais para que juntos fizessem um mesmo tipo de atividade. De forma que, o escritor fala em termo alegórico, no sentido de alertar seus leitores, que confessavam ser discípulos de Cristo, sobre seus comportamentos, quanto aos incrédulos. Isso porque, tem certas associações que influenciam os remidos de Cristo a que sejam atraídos para o mundo, e não para a santidade de vida.

COM OS INFIÉIS. Estes infiéis são aqueles que vivem para o mundo e tudo que nele há, sem assumirem compromisso de fidelidade com Cristo, nem com as coisas do reino dos céus. Estes mesmos podem ser classificados de ateus, confessos ou não, isso porque, é grande o número de pessoas que vivem no mundo, sem, no entanto, querer compromisso com o evangelho de Cristo, porque optam pelas coisas desta vida.

PORQUE, QUE SOCIEDADE TEM. A santidade de vida pressupõe separação das coisas que o mundo oferece, mas que desagradam a Deus, bem como, dedicação as coisas que pertencem ao reino de Deus. A realidade é que, os remidos de Cristo são totalmente diferentes dos infiéis, e desta forma, não tem como celebrar nenhum tipo de comunhão mais velada entre um e outro, é água e óleo que não se juntam.

A JUSTIÇA. Essa justiça nos fala das coisas retas praticadas pelos que seguem o evangelho da verdade de Cristo, como também a vida de santidade que os servos de Deus são incentivados a viverem. Quem tem compromisso com os caminhos recomendados pelo evangelho de Cristo, não está isento de falhas, mas, dentro do possível, busca viver um estilo de vida, que o bem se faz bem presente em suas atitudes e palavras. O Espírito de Deus nos leva a optar pela santidade de vida diária.

COM A INJUSTIÇA? Essa injustiça fala sobre a vida depravada que o homem natural busca viver, se deixando dominar pelos prazeres mais impuros deste mundo, sendo dominado completamente pelas concupiscências da carne. E acima de tudo, esta injustiça diz respeito à incredulidade dos ímpios, que mesmo reconhecendo que existe um Deus Criador, mas se mantem alienados dos planos de Deus para suas vidas.

E QUE COMUNHÃO TEM A LUZ. Essa luz nos fala sobre o próprio Deus e seu filho Jesus, ele que veio ao mundo para iluminar os filhos dos homens. Mas em termos de conduta cristã, essa luz representa o bem que o servo de Cristo faz em prol do seu semelhante, em cumprimento ao segundo mandamento da lei de Cristo, que é amar ao seu próximo como a si mesmo. Essa luz também é o conhecimento do evangelho.

COM AS TREVAS? As trevas representam o diabo com os seus demônios, que abdicaram da luz para se submergirem nas trevas. Quando o escritor diz que não tem como a luz ter comunhão com as trevas, ele está declarando que, não tem como o seguidor de Cristo viver para Deus, e ao mesmo tempo se deixar ser influenciado pelos demônios das trevas. Além de que, não tem como servir a dois senhores, quem serve a Deus, tem que praticar atos de Justiça, bem como deixar as trevas pela luz.

2 Coríntios 6:12-13

2 Coríntios 6:12-13 - Não estais estreitados em nós; mas estais estreitados nos vossos próprios afetos. Ora, em recompensa disto, (falo como a filhos) dilatai-vos também vós.
NÃO ESTAIS. A igreja de Cristo que estava na cidade de Corinto sabia quem era o apóstolo dos gentios, haja vista que, Paulo foi o fundador daquela comunidade cristã. Agora, neste momento, o apóstolo dos gentios não mais conhecia os seus leitores como dantes, porque eles haviam mudado, mais mudado tanto, que se Paulo, neste momento fosse visitar a igreja em Corinto, teria que começar tudo de novo, porque era como se eles se tivessem desviados dos bons caminhos que aprenderam.

ESTREITADOS EM NÓS. Não estais estreitados em nós. O escritor nos deixa transparecer que, já havia sido como que quebrada a comunhão dos seus filhos na fé com o fundador daquela comunidade Cristã. Porem, isso não ocorreu da parte de Paulo para com os seus leitores, e ele deixa bem claro nesta parte de sua carta. E ao mesmo tempo, o escritor afirma que, esta de coração aberto para abençoa-los sempre.

MAS ESTAIS ESTREITADOS. Em várias partes desta carta de Paulo aos coríntios, Paulo demonstra sua insatisfação para com o comportamento dos seus leitores para com sua pessoa. As notícias que haviam chegado ao conhecimento de Paulo, eram de que seu trabalho evangelístico na cidade de Corinto havia sido desmanchado pelos seus opositores, e isso com o consentimento dos seus filhos na fé, o que não era justo.

NOS VOSSOS PRÓPRIOS AFETOS. Essa é uma frase que fala sobre os sentimentos mais profundos de uma pessoa, no caso, dos seguidores de Cristo na cidade de Corinto. É como se o autor lhes acusasse de que eles estavam com seus corações selados com correntes e cadeados, a fim de não cederem aos apelos do seu pai na fé, no caso, o apóstolo dos gentios, Paulo. O que os leitores desta carta estavam fazendo contra o fundador daquela igreja, era algo mais parecido com a ingratidão ou traição mesmo.

ORA, EM RECOMPENSA DISTO. Percebe-se a humildade da parte de Paulo para com os seus leitores, uma vez que, mesmo ele estando certo, porem, mesmo assim, apela pelo ato de reconciliação para com os seguidores de Cristo naquela igreja. Nada do que os oponentes de Paulo estavam falando a seu respeito de negativo era verdade, mas nem por isso, a escritor deixa de buscar reatar sua amizade pelos seus filhos na fé.

FALO COMO A FILHOS. Os membros da igreja cristã em Corinto, não deveriam nem aceitar qualquer movimento negativo contra o apóstolo Paulo, até porque eles eram devedores em potencial ao apóstolo dos gentios, uma vez que, o escritor foi o fundador daquela comunidade Cristã. Por isso que, o autor chama seus leitores de filhos na fé, porque foi o missionário dos gentios quem havia os levou a Cristo.

DILATAI-VOS TAMBÉM VÓS. Paulo faz um apelo à reconciliação, certamente porque, ele tinha conhecimento, pelos seus informantes, de que os seus filhos na fé estavam como que intrigados dele, se assim não fosse, não havia necessidades para tal solicitação por parte do fundador daquela igreja. Talvez, porque o apóstolo não pode, neste momento, viajar para visitar aquela comunidade cristã, que estava dividida.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

2 Coríntios 6:11

2 Coríntios 6:11 - Ó coríntios, a nossa boca está aberta para vós, o nosso coração está dilatado.
Ó CORÍNTIOS. Neste texto, descobrimos o destino desta epístola do apóstolo Paulo, que era justamente a igreja cristã na cidade de Corinto. Os coríntios para quem o autor estava enviado essa sua missiva, eram seus filhos na fé, que foram evangelizados por meio das campanhas missionárias do apóstolo dos gentios. Eles estavam passando momentos de revezes na fé, por conta do partidarismo que havia sido implantado pelos oponentes de Paulo naquela igreja, o que era de se lamentar.

A NOSSA BOCA. O apóstolo se refere à abertura do diálogo com aquela comunidade cristã, que bem a pouco tempo fora visitada pelo apóstolo, mas que neste momento se fazia indiferente com o fundador daquela comunidade cristã. Há quem diga que o escritor esteja se referindo ao modo em que esta carta foi escrita, não do próprio punho de Paulo, mas que ele se utilizava de um amanuense, que escrevia e ele falava.

ESTA ABERTA. Essa é uma expressão que nos ensina sobre comunhão, falando de que o apóstolo não estava agindo com indiferença para com seus leitores. Como também há quem diga que, os cristãos de Corinto não queriam mais se comunicar com o apóstolo dos gentios, porque os oponentes de Paulo naquela igreja haviam fermentado a comunhão deles com o fundador daquela comunidade cristã, Paulo.

PARA VÓS. Certamente, o autor tem em mente e na sua memória o rosto de cada um dos seus filhos na fé, e que se dirigia diretamente aqueles que lhe conheciam de perto. A realidade é que, da parte de Paulo, não havia dificuldades de comunhão com a igreja de Cristo em Corinto, isso porque, o apóstolo dos gentios amava a todos eles que eram seus filhos na fé. Um estudo detalhado das cartas de Paulo nos faz compreender que o escritor tinha um amor e afeto muito grande pelos seus filhos na fé daquela igreja.

O NOSSO CORAÇÃO. O autor não está se referindo simplesmente ao órgão do seu corpo, chamado coração, e que bombardeia o sangue, o fazendo circular livremente por todos os membros do corpo humano. Mas o escritor fala em termo alegórico, em se tratando do mais íntimo do seu ser, que de fato amava a todos que faziam parte da igreja de Cristo em Corinto. Até porque , todos eles eram seus filhos na fé.

ESTÁ. Este verbo de ação fala do ato contínuo de comunhão e comunicação da parte de Paulo para com os seus leitores. O autor nos faz saber que ele desejava ardentemente dar a destra de comunhão aos seus leitores, porque se interessava em muito, ajuda-los neste momento de crise, naquela igreja. Paulo só não viajou imediatamente para Corinto, porque o momento não era propício para sua presença.

DILATADO. O desejo do apóstolo era está presente no meio da igreja cristã em Corinto, porem, como o instante não era favorável, ele resolveu escrever esta sua carta, em demonstração de que continuava amando a todos. Todavia, por meio desta sua correspondência, o escritor esboça o que há de mais íntimo no seu interior, ao declarar que estava de coração dilatado para aperfeiçoar a comunhão com aquela igreja. Um coração dilatado, nos fala da abertura do diálogo entre duas ou mais partes.

2 Coríntios 6:10

2 Coríntios 6:10 - Como contristados, mas sempre alegres; como pobres, mas enriquecendo a muitos; como nada tendo, e possuindo tudo.
COMO. Neste texto, o apóstolo dos gentios fecha uma lista de muitas situações que ele teve que passar por ser um embaixador do reino de Deus e de Cristo, isso porque ele se considerava um cidadão do céu, e, portanto, um estrangeiro aqui na terra, que tinha que enfrentar suas dificuldades por representar o seu país celestial. Para o apóstolo era natural ter que enfrentar tamanhas dificuldades, porque ele via todas estas dificuldades como experiências, que em nada teriam forças para detê-lo.

CONTRISTADOS. Cristo foi um exemplo de homem que teve que enfrentar muitos momentos de angustias, assim como muitos profetas da antiga dispensação. Com Paulo não poderia ser diferente, uma vez que, sempre estava vivendo sob pressão, porque seus oponentes nas igrejas buscavam de todas as formas impedi-lo de realizar seus trabalhos em prol da igreja de Cristo, sem falar dos de fora da igreja.

MAS SEMPRE ALEGRES. No entanto, os embates da vida, as contrariedades que enfrentava no dia a dia, as perseguições que surgiam de todos os lados, as dificuldades financeiras para fazer a obra de Deus, e outras tantas barreiras, não tinham a capacidade de roubar a alegria da alma que o servo de Deus tinha no seu ser interior. Não são as circunstâncias exteriores que rouba a nossa paz interior da nossa alma.

COMO POBRES. Nesta parte, o apóstolo dos gentios fala de suas dificuldades financeiras para realizar suas campanhas evangelísticas, porque tinha que viajar de cidade em cidade, e até de país para país, para fazer missões transculturais. Paulo não recebia ajuda financeira de quem quer que seja, nem mesmo das igrejas, para manter seu ministério, para isso ele trabalhava com suas próprias mãos, construindo tendas, para manter seu ministério, que era independente, para glória de Deus.

MAS ENRIQUECENDO A MUITOS. Muitas vezes o apóstolo e seus companheiros de ministério passavam até fome, porque não tinha as coisas necessárias para sobrevivência, outras vezes ficava detido em determinado lugar, porque não tinha recursos para viajar e fazer missões e visitar as igrejas por ele fundadas. Todavia, suas atividades tornavam a muitos ricos dos tesouros celestiais, pela salvação da alma.

COMO NADA TENDO. Tem um versículo no Novo Testamento que fala diretamente sobre o modo de vida que Paulo tentava viver para Cristo, que é Gálatas 2:20 - Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim. O mais importante para Paulo era as coisas do reino de Cristo.

E POSSUINDO TUDO. Para o escritor, ele tinha tudo, porque nesta vida ele contava com as providências de Deus em seu favor, isso porque o Senhor cuida daqueles que nele confiam. Certamente, este tudo, sobre o qual o apóstolo dos gentios se reporta, deve ser as coisas espirituais, porque quem tem Cristo em sua vida, muitas vezes não tem tudo que quer, mas tem tudo que precisa, ainda nesta vida presente, e por fim, a vida eterna, onde não mais haverá nenhum tipo de necessidade ou pobreza.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

2 Coríntios 6:9

2 Coríntios 6:9 - Como desconhecidos, mas sendo bem conhecidos; como morrendo, e eis que vivemos; como castigados, e não mortos.
COMO DESCONHECIDO. Como esta é uma carta de Paulo em sua própria defesa e de seu ministério, estes pontos abordados pelo autor são justamente indicativos de que o apóstolo era efetivamente acusado nestes assuntos que ele destaca. É provável que os seus oponentes lhe acusassem de que o apóstolo dos gentios havia abandonado a igreja por ele mesmo fundada na cidade de Corinto. E isso porque Paulo era um missionário transcultural, que vivia viajando para semear o evangelho.

MAS SENDO BEM. O fato é que, o missionário do reino de Cristo, antes de se converter ao cristianismo, muito tinha prejudicado a igreja do Senhor Jesus, com suas perseguições contra o povo de Cristo. Mas depois que teve um encontro pessoal com o Cristo de Deus, ele muito se esforçava para reparar os danos que ele mesmo havia provocado ao cristianismo. Além de que ele foi chamado por Cristo para isso mesmo.

CONHECIDO. No entanto, quando o apóstolo chegava em uma cidade, como foi no caso de Corinto, ele ficava o tempo suficiente para evangelizar as pessoas, aplicava de forma intensa a prática do discipulado cristão, constituía lideranças locais, e só depois partia para outro campo missionário. E como era de costume, ele não abandonava tal comunidade cristã, fazia suas visitas e enviava suas comunicações por cartas.

COMO MORRENDO. Também os seus oponentes o acusavam de ser uma pessoa enferma, frágil e debilitada, que não dava conta das igrejas por ele fundadas. Ainda diziam que o apóstolo a qualquer momento seria eliminado pelos seus opositores, porque os judaizantes, os gnósticos, os líderes das seitas heréticas e as autoridades romanas buscavam ocasião permanentemente para condenarem a morte o apóstolo dos gentios, coisa que mais tarde no ministério de Paulo, conseguiram fazer.

E EIS QUE VIVEMOS. Até o momento, foram muitas as investidas contra o servo de Deus, porque o problema maior não era apenas o apóstolo dos gentios, mas o que as trevas e o mal desejavam realmente era barrar o crescimento e desenvolvimento da religião de Cristo no mundo. E Paulo foi um dos pioneiros em divulgar as boas novas de Cristo por todas as partes, no mundo civilizado de sua época, como missionário.

COMO CASTIGADOS. Depois de Cristo, nenhum outro dos líderes do cristianismo foi tão castigado quanto o apóstolo dos gentios, e isso porque teve que enfrentar muitas dificuldades para cumprir sua missão como emissário da mensagem do evangelho de Cristo aos gentios. As perseguições estavam sempre em evidência, muitas vezes açoitado, passando perigo dos de sua nação e dos seus oponentes.

E NÃO MORTOS. Na época em que o cristianismo nasceu, o paganismo predominava nas cidades antigas onde Paulo fazia suas campanhas evangelísticas. De forma que, aonde o apóstolo chegava com sua equipe de evangelização, de imediato se levantavam os líderes das seitas pagãs contra o servo de Deus, porque ele representava uma ameaça para as demais religiões pagãs. Assim sendo, de muitas formas investiam contra a vida de Paulo, ao ponto de quase sempre tentar mata-lo.

2 Coríntios 6:8

2 Coríntios 6:8 - Por honra e por desonra, por infâmia e por boa fama; como enganadores, e sendo verdadeiros.
POR. O apóstolo dos gentios continua relatando sobre as entranhas do seu ministério, bem como falando sobre as coisas que ele já havia passado por ser um embaixador do reino de Deus e de Cristo. E com todas estas informações descobrimos que o apóstolo não teve uma vida nada fácil, em pregar o evangelho da verdade que ele propagava em todas as partes do mundo civilizado de sua época. A título de hoje, ser ministro do evangelho é sinônimo de privilégios sociais, fama, dinheiro, poder sobre os liderados, boa vida, vez e voz. Mas nos começos do cristianismo foi difícil para os líderes.

HONRA. Certamente o autor aponta em direção das lideranças mais privilegiadas da igreja matriz de Jerusalém que andavam por todas as partes gozando dos seus privilégios de pertencerem à elite religiosa da igreja cristã primitiva. Assim como hoje, existem muitos que fazem de tudo para conseguirem se tornar lideranças no meio do povo de Deus, mas não pela importante missão de fazer a obra de Cristo, porque na maioria dos casos, o status de ser um líder cristão é que entra em evidência.

E POR DESONRA. Quando conhecemos a história ministerial do Senhor Jesus, logo descobrimos as dificuldades que enfrentam aqueles que legitimamente fazem a obra de Deus na terra. E no caso de Paulo, não foi diferente, ele que foi uma das lideranças da igreja primitiva, que depois de Cristo, foi mais perseguido, expulso muitas vezes de cidade em cidade, simplesmente por pregar o evangelho da verdade de Cristo.

POR INFÂMIA. Os judaizantes eram perspicazes em perseguirem o apóstolo dos gentios, e para tentarem barrar seu ministério, eles não mediam esforços, no sentido de denegrirem a imagem do missionário. Da mesma forma, os falsos cristãos que faziam oposição à autoridade de Paulo, como sendo apóstolo de Cristo enviado aos gentios. Eles chegavam até mesmo a levantarem falsos testemunhos conta Paulo.

E POR BOA FAMA. Diante da pressão interna das igrejas e dos inimigos externos, o apóstolo dos gentios buscava andar de forma digna, perante Deus, diante da igreja de Cristo e também perante a sociedade opressora dos seus opositores. Com isso, os seus oponentes não conseguiam destruir sua reputação, e Deus o honrava de forma justa perante o seu povo. Por isso que ele era bem conhecido pela igreja de Cristo.

COMO SENDO ENGANADORES. Não que Paulo fosse um enganador, mas esse era o conceito de que tinham seus oponentes, tanto nas igrejas como e principalmente diante dos seus inimigos profanos. Os judaizantes, os gnósticos, os líderes das seitas heréticas do paganismo e as autoridades romanas acusavam a Paulo de ser um enganador, embusteiro, mentiroso. Eles levantavam falso testemunho contra Paulo.

E SENDO VERDADEIROS. O próprio Deus que conhece o mais íntimo dos filhos dos homens aprovou e autenticou o ministério de Paulo, dando-lhe atestado de boa conduta, é tanto que, este apóstolo de Cristo, Paulo, teve um brilhante ministério, até mais eficaz do que, os que eram considerados colunas na igreja matriz de Jerusalém. Paulo não se aproveitava da sua posição para tirar proveito de quem quer que seja.

sábado, 9 de setembro de 2017

2 Coríntios 6:7

2 Coríntios 6:7 - Na palavra da verdade, no poder de Deus, pelas armas da justiça, à direita e à esquerda.
NA PALAVRA. O apóstolo fala do dom da palavra que Deus lhe deu como sendo a palavra das boas novas sobre o Messias de Deus, que era Jesus de Nazaré, e sobre a nova aliança da graça divina. Como também se reporta sobre o ministério da palavra, através do qual, ele como missionário transcultural, implantou inúmeras igrejas no mundo gentílico. O ministério de Paulo, que era chamado de evangelho da incircuncisão, era diferente do evangelho da circuncisão pregado por Simão Pedro.

DA VERDADE. Em (Gálatas 1:6-12), o apóstolo dos gentios fala sobre o outro evangelho, que é o evangelho da circuncisão, pregado pelos cristãos legalistas ligados a igreja matriz de Jerusalém. Mas o evangelho da verdade pregado por Paulo tinha como conteúdo principal a pessoa bendita de Cristo Jesus, e os parâmetros elementares da nova dispensação de Deus para a humanidade, por meio de Cristo.

NO PODER. O que mais fortalecia o ministério de Paulo era justamente o fato de que ele reconhecia que não merecia os favores de Deus, e com isso dependia completamente do Senhor em tudo que falava e fazia. Com isso, Deus derramava poder sobre suas palavras pregadas e com facilidade convencia os seus ouvintes sobre seus argumentos. Percebia-se a operosidade do trabalhar de Deus em seu favor.

DE DEUS. O partido de Simão Pedro na igreja em Corinto mostrava as cartas de recomendações vinda da igreja mãe de Jerusalém, o partido de Apolo mostrava o poder da eloquência na oratória do pregador. Mas, quando Paulo esteve entre os coríntios, ele agiu movido pelo poder de Deus, e não por apoios meramente humanos. O ministério de Paulo foi um sucesso, por causa do poder de Deus em sua vida, aprovando e confirmando sua preciosa chamada como apóstolo dos gentios.

PELAS ARMAS DA JUSTIÇA. Os oponentes de Paulo em todas as igrejas, se utilizavam do subterfúgio para ganharem espaço nas comunidades cristãs fundadas pelo apóstolo, nem que para tanto, se utilizassem da prática da injustiça. Enquanto que, a verdade de Deus permeava as atitudes do apóstolo Paulo, porque ele não pregava o evangelho com intenções dissimuladas, mas com justiça atribuía glórias a Cristo Jesus.

A DIREITA. Essa colocação feita pelo escritor se refere a suas defesas contras os falsos irmãos que se levantavam contra ele, não que tivesse razão de ser, mas para conquistarem espaços nas igrejas fundadas pelo apóstolo dos gentios. Paulo usava as armas da justiça contra seus opositores dentro da comunidade cristã, e isso ele fazia se defendendo com a verdade, e não querendo tomar vingança dos seus oponentes.

E A ESQUERDA. Já neste ponto, o escritor fala sobre os seus inimigos fora da comunidade cristã, que eram efetivamente os seus compatriotas judaizantes, que lutavam de forma veemente contra o ministério de Paulo, e ainda as autoridades romanas que andavam a espreita contra o apóstolo, buscando motivos para o condenarem e matar o servo de Deus. Além dos líderes das seitas heréticas das religiões pagãs, que tinham a Paulo como invasor, por libertar seus prosélitos.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

2 Coríntios 6:5-6

2 Coríntios 6:5-6 - Nos açoites, nas prisões, nos tumultos, nos trabalhos, nas vigílias, nos jejuns. Na pureza, na ciência, na longanimidade, na benignidade, no Espírito Santo, no amor não fingido.
NOS AÇOITES, NAS PRISÕES. O apóstolo dos gentios trazia em seu corpo as marcas de Cristo e isso em se tratando de suas cicatrizes, por muitas vezes ter sido maltratado e chicoteado por defender ao evangelho poderoso de Cristo. Sobre suas prisões, podem ser vistas nas páginas do Novo Testamento, como a tradição cristã nos fala de prisão em Éfeso, Jerusalém, Cesaréia, Filipos e em Roma. Aqueles que estavam sendo usados pelo diabo contra o cristianismo tentavam detê-lo em suas atividades pelo evangelho.

NOS TUMULTOS, NOS TRABALHOS. Não se sabe ao certo, quantos motins se levantaram contra o servo de Deus, por onde ele passava pregando o evangelho de Cristo. Já no que diz respeito as suas atividades em prol do reino de Cristo, ele foi um dos mais eficientes evangelistas de sua época. Sem falar nos trabalhos seculares para manter seu ministério, pois, ele não aceitava salário de ninguém para fazer a obra.

NAS VIGÍLIAS NOS JEJUNS. Estas vigílias, hora eram feitas com a igreja, para buscar a presença de Deus, ora eram em suas campanhas evangelísticas, pregando o evangelho a tempo e fora de tempo. Paulo era descendente de Judeus, eles que tinham o bom costume de praticarem a abstinência de alimentos, com o fito de buscarem o favor de Deus por meio do jejum. Outras vezes, era falta de alimentos mesmo.

NA PUREZA, NA CIÊNCIA. Essa pureza fala a respeito da simplicidade, da devoção nas coisas do reino de Deus, na sinceridade em servir a Deus e a igreja com um coração imaculado. Já no que diz respeito à ciência, sobre a qual fala o escritor, diz respeito a sua dedicação em examinar e estudar as escrituras para edificar as igrejas com a palavra de Deus. Além das revelações que Deus lhe deu, percebe-se que o apóstolo dos gentios era profundamente conhecedor dos mistérios de Deus, pelas Escrituras.

NA LONGANIMIDADE, NA BENIGNIDADE. A vida de Cristo foi o modelo a ser seguido pelos seus servos quanto a sofrer com resignação, sem, no entanto, revidar aos seus opositores. E Paulo aprendeu a não tomar vingança dos seus oponentes, mas sempre lhes perdoava. Além de que, ele era benigno para com os seus oponentes, quando em vez de lhes expulsarem da igreja, lhes perdoavam por meio da benignidade.

NO ESPÍRITO SANTO. Esse é o ponto mais preciso deste texto, porque o escritor fala de sua busca permanente e incessante pela presença gloriosa do Espírito Santo em sua vida. Para fazer a obra que ele fez em prol do evangelho de Cristo, sozinha não era possível, mas com o apoio direto de Espírito Santo, é que o progresso foi se tornando realidade. Quem quiser fazer de forma correta a obra de Deus só pelo Espírito Santo.

NO AMOR NÃO FINGIDO. Este era o amor de Paulo por Deus e por Cristo, pelo evangelho que ele pregava aos gentios e pela obra de Deus em geral. Como também pelo seu grande amor sincero que ele tinha pelos seres humanos, e principalmente pelos seus filhos na fé. Paulo aprendeu na prática a viver com todos, o amor fraternal, que constitui o ápice da lei de Cristo Jesus, ele que morreu por amor a humanidade.

2 Coríntios 6:4

2 Coríntios 6:4 - Antes, como ministros de Deus, tornando-nos recomendáveis em tudo; na muita paciência, nas aflições, nas necessidades, nas angústias.
ANTES, COMO MINISTRO. No caso de um ministro que faz parte da gestão pública, ele é um braço da administração central. Mas no que diz respeito a uma autoridade eclesiástica, o ministro do evangelho da mesma forma é uma extensão do governo de Cristo, por isso que, o escritor diz que é um embaixador de Cristo com uma mensagem do evangelho a proclamar. Portanto, todos aqueles que têm a chamada para o ministério, é um participante direto do reino da luz e de Cristo Jesus, o Rei eterno.

DE DEUS. Os leitores desta carta tinham uma compreensão bastante clara do que o autor estava falando, porque nesta mesma época, o império romano governava de maneira internacional, por meio de suas autoridades delegadas por Roma. De forma que, quando Paulo esteve trabalhando em Corinto como ministro de Deus, ele fez sua demonstração de que era de fato um legítimo representante de Deus na terra.

TORNANDO-NOS RECOMENDÁVEIS EM TUDO. Desde o primeiro momento em que o apóstolo dos gentios entregou sua vida aos cuidados de Cristo, ao ter um encontro com o Cristo ressurrecto na estrada de Damasco, que o seu testemunho era conhecido de todos, principalmente nas igrejas por ele fundadas. Portanto, os seus leitores já conheciam de perto, e sabiam de que ele tudo fazia para glorificar a Cristo Jesus.

NA MUITA PASCIÊNCIA. Como ministro de Deus e representante do reino de Cristo, o apóstolo procurava de todas as maneiras ser um imitador de Cristo, e isso ele já havia dito aos seus leitores, quando escreveu sua primeira carta a (1 Coríntios 11:1). Cristo foi o maior exemplo de Paciência, quando teve de suportar todo tipo de injustiça da parte dos homens, quando se quisesse teria feito derramar fogo do céu e destruir a todos, mas com paciência suportou as afrontas, a fim de cumprir sua missão.

NAS AFLIÇÕES. De conformidade com as Santas Escrituras, todos aqueles que se propuseram em fazer e executar a vontade de Deus na terra e cumprir importantes missões ao mando do Pai celestial, tiveram que passar por todo tipo de aflições. Cristo foi afligido por todos os lados, e com Paulo não foi diferente, porque os judaizantes viviam no seu encalce, lhe impondo terríveis perseguições, que o afligia dia e noite.

NAS NECESSIDADES. O apóstolo dos gentios, não contava com o apoio das lideranças da igreja matriz de Jerusalém, para fazer suas campanhas evangelísticas e viagens missionárias. Também não aceitava ser sustentado pela igreja, nem muito menos por quem quer que seja. Ele trabalha com as próprias mãos, construindo tendas, para manter seu ministério, por conta disto, passava por muitas e diversas necessidades.

NAS ANGÚSTIAS. Além das pressões exteriores, que aquele homem de Deus tinha que enfrentar dos judaizantes, das lideranças das demais religiões heréticas de sua época que lhe perseguiam, e principalmente do império romano. Ele também tinha que conviver com as angústias internas pelas dificuldades que lhe perseguiam, com as tristezas de alma, por ver que, aqueles que poderiam lhe oferecer uma não de apoio, agiam com indiferença com ele, criando mais problemas para seu ministério.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

2 Coríntios 6:3

2 Coríntios 6:3 - Não dando nós escândalo em coisa alguma, para que o nosso ministério não seja censurado.
NÃO DANDO NÓS. Percebe-se que o apóstolo dos gentios tinha um cuidado especial em como fazia a obra do evangelho de Cristo, com zelo peculiar pelo seu ministério, até porque, ele mesmo reconhecia de que não era merecedor de tamanho privilégio da parte de Deus, em ser um ministro do reino de Cristo. Como Paulo se considerava ser um embaixador do reino de Deus, isso para ele era a coisa mais importante de sua vida, e com esforço e dedicação procurava cumprir fielmente sua missão.

ESCÂNDALO. Neste mesmo tempo, muitos dos que se diziam ministros do evangelho, viviam dando mau testemunho por onde passavam, envergonhando o nome de quem diziam confessar, o nome de Cristo. Com Paulo era diferente, porque ele com esmero procurava honrar o nome de Cristo, por meio de sua vida, do seu ministério, suas ações e palavras. Ele confessa que, o seu viver era para Cristo (Gálatas 2:20).

EM COISA ALGUMA. Infelizmente, uma grande parte dos que se dizem ser ministros de Cristo vivem mergulhados em uma vida de escândalos, é o que se ver nos noticiários e o que se ouve nas ruas e nas calçadas da sociedade, sobre muitos dos chamados líderes cristãos. O autor presava pelo seu testemunho de ministro do evangelho de Cristo, ao ponto de que ninguém achava motivo de escândalo nele.

PARA QUE. Ver-se a grande responsabilidade de todos aqueles que tomam como missão ser um ministro do evangelho de Cristo, quando tais embaixadores carregam consigo mesmo o peso de em hipótese alguma provocar escândalo ao evangelho. Quando um simples membro da igreja escandaliza o evangelho, em muitos casos os estragos são vistos, na maioria das vezes em seu testemunho pessoa, mas quando um ministro do evangelho escandaliza, tem uma repercussão na igreja e na sociedade.

O NOSSO MINISTÉRIO. O apóstolo dos gentios fazia um monitoramento permanente sobre suas ações e palavra, a fim de não dar ocasião dos seus oponentes blasfemarem do seu bom nome. Além de que, o apóstolo vivia sendo vigiado por todos os lados pelos seus opositores, a fim de lhe pegar em alguma falha para terem motivos de denegrirem sua imagem. Paulo tinha muitos opositores nas igrejas e fora delas.

NÃO SEJA. Ao que tudo indica, na igreja de Corinto havia muitos que desejavam ver o apóstolo dos gentios sendo difamado, no tocante a sua vida e seu ministério, porque aquela igreja era constituída de facções, com vários partidos dentro da comunidade cristã. A maioria destas facções desejavam que Paulo fosse desterrado da comunidade cristã de Corinto, para que assumissem o controle da igreja de Cristo naquele lugar.

CENSURADO. Em suas epístolas, o apóstolo dos gentios nos deixa transparecer que era atacado de todos os lados. Os judaizantes procuravam ocasião para levar Paulo aos tribunais eclesiásticos, às autoridades romanas do mesmo modo viviam monitorando a vida do apóstolo para condená-los nos tribunais civis, além dos falsos irmãos que se levantavam constantemente contra ele, principalmente os cristãos legalistas, porque afirmavam de que o ministério de Paulo era contra os líderes da igreja de Jerusalém.

2 Coríntio 6:2

2 Coríntio 6:2 - (Porque diz: Ouvi-te em tempo aceitável. E socorri-te no dia da salvação; Eis aqui agora o tempo aceitável, eis aqui agora o dia da salvação).
PORQUE DIZ: OUVI-TE. O autor se refere ao que está escrito em (Isaías 49:8), em que o profeta faz suas queixas por não ter sido ouvido, naquilo que proclamava aos seus ouvintes. Certamente com Paulo não era diferente, quanto ao que ele diz no texto anterior, apontando para o fato de que, se os seus leitores não voltassem a ser como de princípio, quando ouviram ao evangelho, poderia ter corrido em vão, ou seja, todo o seu trabalho poderia se transformar em nada, se permanecessem como agora.

EM TEMPO ACEITÁVEL. No caso do profeta, Deus estava levando sua mensagem para que o seu povo se voltassem ao o seu concerto, era uma oportunidade de se converterem dos seus maus caminho. No que diz respeito ao tempo da nova dispensação, o escritor fala de uma nova chance que Deus estava proporcionando, por meio da vinda do Messias, que implantou a nova dispensação da graça de Deus.

E SOCORRI-TE. Deus havia feito tudo pelo seu povo Israel, inclusive deu aos descendentes de Abraão, Isaque e Jacó a maior de todas as oportunidades, quando enviou o seu Messias prometido. Percebe-se que o Emanuel veio para o que era seu, e os seus não o receberam. A vinda do Messias de Deus foi uma oportunidade de ouro que os judeus tiveram para se reconciliarem com Deus, porem, não quiseram.

NO DIA DA SALVAÇÃO. No caso do tempo em que Isaías profetizou tal mensagem, a salvação era termo de livramento do perigo, da morte e das consequências da desobediência. Já em se tratando da nova aliança da graça de Deus, salvação tem um sentido de vida eterna e participação na eternidade de uma modalidade de vida feliz, em plena paz e bem-estar. Cristo veio justamente implantar este dia da salvação, que de princípio foi oferecido aos judeus, mas depois, aos gentios e por fim a todos.

EIS AQUI AGORA. O apóstolo dos gentios fala da dispensação da graça de Deus, por meio de Cristo Jesus, o Salvador. Desde a vinda do Messias de Deus, Jesus Cristo, que a porta da salvação estava aberta para todos os que aceitassem Jesus de Nazaré como Senhor e Salvador. Para isso foi que Deus enviou seu Filho ao mundo, é tanto que o nome próprio do Messias de Deus era Jesus, ou seja, o salvador do seu povo.

O TEMPO ACEITÁVEL. Antes da vinda do Emanuel de Deus, a situação era precária para toda a humanidade, porque era um momento de decisão para o Criador de todas as coisas, onde por um lado ele com justiça tomava vingança da humanidade destruindo tudo, ou por outro lado, tomaria a atitude benevolente de salvar sua criação, o que terminou acontecendo com a vinda bendita do Príncipe da paz, Jesus.

EIS AQUI AGORA, O DIA DA SALVAÇÃO. Desde a queda da raça humana, ainda no jardim do Éden, nunca jamais, se teve um tempo tão favorável para a reconciliação dos filhos dos homens com o Deus Criador. A aliança de Moisés não resolveu o problema da alienação humana, razão porque Deus em Cristo implantou a nova dispensação, em que o homem entra com sua fé e um genuíno arrependimento e é regenerado a condição de imagem e semelhança do seu Criador, por meio do novo nascimento.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

2 Coríntios 6:1

2 Coríntios 6:1 - E Nós, cooperando também com ele, vos exortamos a que não recebais a graça de Deus em vão.
E NÓS. O apóstolo dos gentios foi um exemplo de homem de Deus que se envolveu por completo na obra da reconciliação entre Deus e os homens, porque ele se gastou em prol de suas campanhas evangelísticas, a fim de tornar o seu Cristo conhecido dos povos de sua época. Feliz daquele que se coloca a disposição do reino de Cristo, com a finalidade de ser um instrumento de Deus para semear o evangelho das boas novas, com a mais pura intenção de glorificar e magnificar o nome de Cristo Jesus.

COOPERANDO TAMBÉM. Deus pelo seu grande amor e graça tomou a sublime iniciativa de buscar reconciliar consigo mesmo todas as coisas. Cristo na qualidade de Filho de Deus executou e pôs em prática a obra de reconciliação dos homens com Deus, e, tendo subido aos céus, designou seus escolhidos para darem continuidade a esta missão tão importante, que é levar os filhos dos homens a reconciliação.

COM ELE. Tanto o ator fala sobre o Deus Pai, quanto do Senhor Jesus Cristo, uma vez que a reconciliação do homem com o seu Criador faz parte do programa da salvação de Deus, e foi o Cristo de Deus Pai quem veio em sua missão redentora para reconciliar o homem com Deus. De forma que, os embaixadores do reino dos céus são cooperadores com o programa de salvação de Deus, por meio de Cristo Jesus.

VOS EXORTAMOS. Assim sendo, o apóstolo dos gentios, que era o pai na fé dos seguidores de Cristo na igreja em Corinto, se utilizava do privilégio de ser um porta voz de Deus e de Cristo para levar suas orientações aquele povo. Essa colocação feita pelo escritor tanto pode servir de alerta, como de conselho, no sentido de que, os seus leitores refletissem a que situação tinham chegado. Os oponentes de Paulo naquela igreja em vez de estarem ajudando aos coríntios, estavam era lhes prejudicando.

A QUE NÃO RECEBAIS. Somente Deus, e Paulo sabiam do quanto ele tinha se esforçado para levar as boas novas do evangelho aos seus filhos na fé que faziam parte da igreja de Cristo em Corinto. Todavia, com as notícias chegadas daquela igreja, o apóstolo dos gentios se sente decepcionado com todos eles. Porque em vez de progredirem no desenvolvimento espiritual, estavam regredindo nas coisas de Deus.

A GRAÇA DE DEUS. Certamente, o foco da exortação de Paulo está direcionado no grupo de Simão, que em vez de defenderem a graça de Deus como meio de salvação para os homens, continuavam defendendo que os filhos dos homens teriam de continuar guardando a legislação de Moisés, como meio de agradar a Deus. Paulo pregava e ensinava que, na nova dispensação a salvação não era por méritos pessoas.

EM VÃO. A mensagem, ainda que subliminar deste texto é que, alguns da igreja de Corinto estava apostatando da fé, ao abandonarem o cristianismo e se convertendo ao judaísmo. O escritor teve grandes problemas com os as lideranças legalistas de Jerusalém, porque a igreja matriz, por meio de suas lideranças defendiam de que os cristão precisam continuarem guardando a legislação de Moisés. Enquanto que, Paulo defendia que a salvação, agora, na nova dispensação era pela graça de Deus em Cristo.

2 Coríntios 5:21

2 Coríntios 5:21 - Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus.
ÀQUELE. O escritor está se referindo ao Messias de Deus, ele que veio como Filho perfeito de Deus Pai para resolver definitivamente o problema dos pecados da humanidade, especificamente da sua igreja remida. O mesmo Emanuel, que é Deus entre os homens, e como tal, não falhou em sua importante missão de reconciliar com Deus todas as coisas, com destaque os seus remidos. Ele que também é o Cristo de Deus, que como ungido de Deus e como enviado implantou a nova dispensação.

QUE NÃO CONHECEU. Que não cometeu pecado é a interpretação mais clara do texto em nosso idioma. Efetivamente o apóstolo dos gentios, assim como os demais escritores do Novo Testamento defendem a impecabilidade de Cristo, e com isso, a igreja remida do Senhor Jesus defende de que, o Senhor Jesus Cristo não pecou, não errou nem falho. Por isso, o evangelho diz que ele foi obediente em tudo ao Pai.

PECADO. 1 Pedro 2:21-24 - Porque para isto sois chamados; pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas pisadas. O qual não cometeu pecado, nem na sua boca se achou engano. O qual, quando o injuriavam, não injuriava, e quando padecia não ameaçava, mas entregava-se àquele que julga justamente. O autor fala do Cristo de Deus, sob as piores injustiças dos filhos homens.

O FEZ PECADO POR NÓS. 1 Pedro 2:24 - Levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, para que, mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados. Isaías 53:5 - Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. O Senhor Jesus Cristo não merecia passar por tudo que sofreu, mas ele padeceu em nosso lugar.

PARA QUE NELE. Todos aqueles que estão em Cristo Jesus são ricamente abençoados com os benefícios positivos de sua morte expiatória, como Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Como Cordeiro substituto, o Cristo de Deus efetuou a perfeita reconciliação dos seus remidos com o Deus de Justiça e paz. Por isso que afirmamos que os remidos de Cristo, são os beneficiários diretos e exclusivos da redenção.

FÔSSEMOS FEITOS JUSTIÇA. Romanos 3:24-26 - Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus. Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus. Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus. Cristo justificou de forma completa os seus remidos diante da justiça divina.

DE DEUS. Se Deus desejasse fazer justiça e tomar as devidas providências com o justo juízo sobre os filhos dos homens, assim teria procedido, sem praticar nenhum ato de injustiça, porque os homens eram merecedores do castigo. Mas pela sua grande misericórdia, o Criador de todas as coisas resolveu pela sua infinita bondade abençoar a todos que recebem a Cristo Jesus como Senhor e Salvador, com a reconciliação.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

2 Coríntios 5:20

2 Coríntios 5:20 - De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus.
DE SORTE QUE SOMOS EMBAIXADORES. A figura do embaixador fala de representatividade, bem como de um porta voz de paz e de reconciliação. Os países mais desenvolvidos tem nas outras nações os seus embaixadores com a função de resolver problemas diplomáticos entre uma nação e a outra. Cada um dos ministros de Cristo nesta terra, o serve como embaixador, procurando estabelecer a paz e a reconciliação. Levamos as boas novas de Cristo ao mundo como seus embaixadores.

DA PARTE DE CRISTO. Somos embaixadores da parte de Cristo, diz o autor, com muita ousadia, principalmente ele que levava as boas novas de Cristo a vários países do mundo civilizado de sua época. Ser um embaixador da parte de Cristo é ser um legítimo representante do seu reino na terra. Imagine o privilégio de ser um embaixador do reino de Cristo e defender os interesses do Rei dos reis neste mundo.

COMO SE DEUS. O poder mais elevado neste caso é o de Deus, o grande monarca de toda a criação, que enviou seu direto embaixador, Jesus Cristo como seu legítimo representante, o Emanuel de Deus era Deus conosco. Cumprindo Cristo a missão mais importante de implantar o canal de reconciliação entre Deus e os homens, voltou para junto do Pai. Agora, nós somos os embaixadores de Deus por Cristo Jesus, o Rei.

POR NÓS ROGASSE. O apóstolo dos gentios tem a visão do reino de Deus, com missões delegadas para os seus servos executarem como representantes do seu reino. Por enquanto, as nossas embaixadas são na terra, até que sejamos também arrebatados para estarmos para sempre na presença do nosso Rei eterno, Cristo Jesus. O autor quer dizer que Deus nos usa como representantes do seu reino, a fim de que venha por meio de seus portas vozes fazer um chamamento ao mundo sobre a reconciliação.

ROGAMO-VOS, POIS. No caso de Paulo, ele fala por meio de sua carta aos seus leitores, que se reconciliem com Deus. Em certo sentido, o escritor nos passa a informação que, os seus leitores estavam como que se desviando do evangelho de Cristo. Na sua primeira carta aos Coríntios, Paulo fala sobre as divisões naquela igreja, onde o partidarismo era perceptível, em que havia em Corinto várias facções.

DA PARTE DE CRISTO. O escritor fala como embaixador que representava a Cristo em suas missões. Com isso, ele dizia aos seus leitores que não tinha uma mensagem própria, mais que sua missão era falar em nome de Cristo, o Rei que ele representava como embaixador. É importante frisar que, todo aquele que prega o verdadeiro evangelho de Cristo é de fato um embaixador do reino de Deus ou porta voz.

QUE VOS RECONCILIEIS COM DEUS. A vinda de Cristo ao planeta terra foi justamente para estabelecer a reconciliação dos filhos dos homens com Deus. Cristo fez a sua parte por meio da propiciação e expiação e tendo voltado para se assentar à destra de Deus, nos tem constituído como seus representantes ou embaixadores para levar ao mundo sua mensagem de reconciliação. Se reconciliar com Deus é deixar a alienação, o caminho da rebelião e se voltar para os braços de Deus pela reconciliação.