Pesquisar este blog

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Romanos 1:32


Romanos 1:32 - Os quais, conhecendo a justiça de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem.
OS QUAIS. Esta expressão do escritor aos Romanos faz uma conexão com o que ele vinha afirmando anteriormente sobre os homens que rejeitam o conhecimento de Deus, os quais ele chama de ímpios, injustos, insensatos, loucos, imundos, lésbicas, gays, perversos, iníquo, prostitutos, maliciosos, maldosos, invejosos, homicidas, cheios de contendas, enganadores, malignos, Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães, néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia. CONHECENDO. Estes que vivem alienados de Deus assim o fazem por opção e não porque não conhecem o Deus Criador. Até porque tudo que existe no universo é a mais pura revelação de um grande arquiteto universal. Além dos mais, as coisas mais importantes que continuam acontecendo em todo mundo têm no fundo no fundo a intervenção do Todo-poderoso. O Senhor tem se dado a conhecer continuamente por meio de seu trabalhar em prol daqueles que nele esperam. Basta um olhar curioso para a natureza e logo se percebe a organização do dominador cósmico na biodiversidade do nosso sistema complexo mais harmonioso da terra. A JUSTIÇA DE DEUS. Deus é justo e reto. E neste particular, os seres humanos sem Deus ou indiferentes para com o Criador deviam entender que o Senhor tem sido bom para todos, porem, mais benevolentes para com aqueles que nele confiam. Nesta vida terrena, as coisas funcionam com base no livre arbítrio, Todavia, um dia na eternidade futura, esta justiça de Deus vai chegar na história de cada um. Porque a vida de todo ser humano esta sendo registrada nos livros de Deus, e no julgamento final, cada um vai colher conforme a sua maneira em que viveu (Apocalipse 21:12). QUE SÃO DIGNO DE MORTE OS QUE TAIS COISAS PRATICAM. Neste caso a palavra morte se refere à morte eterna, ou seja, a separação eterna de Deus e da vida no lago de fogo, que é a segunda morte. Esta morte significa ser condenado para todo o sempre no inferno de fogo ardente. Todos os vícios citados pelo apóstolo Paulo neste texto de (Romanos 1:18-31) são tidos como coisas normais pelos seres humanos que se mantem indiferentes para com Deus. E não dão nenhuma importância ao foto de que um dia podem prestar contas ao Criador. NÃO SOMENTE AS FAZEM. Os ateus confessos ou práticos vivem como se fossem irracionais diante da grande responsabilidade que lhes são impostas, porem, ignoradas. Fazem tudo que vem ao pensamento e praticam muito mais do que suas paixões infames lhes exigem. Sem limites para as concupiscências da carne. MAS TAMBÉM CONSENTEM AOS QUE AS FAZEM. Percebe-se uma conspiração geral contra a tudo que representa Deus e os seus atributos. Os ímpios estimulam por seus atos malignos aos outros a se rebelarem contra o Criador como se isso fosse uma coisa comum ou normal. Só é bem aceito na sociedade quem vive conforme o mundo.

Romanos 1:31


Romanos 1:31 - Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia.
O PERFIL DO SER HUMANO ALIENADO DE DEUS. O apóstolo Paulo ainda não tinha estado com a igreja cristã na capital do império romano, mas já dava demonstração de que quando chegasse lá não ia amenizar o seu discurso em denunciar a forma perversa como os ímpios se comportam em seu estado de rebelião. É tanto que desde Romanos 1:18-31, que ele vem enumerando os vícios que classificam o modo de depravação de todos aqueles que se mantem indiferente para com o seu Criador. Distante de Deus vivendo ao bel prazer qualquer pessoa tem sistematicamente a tendência de desenvolver tais características neste texto apontadas por Paulo. NÉSCIOS. Esta é uma palavra que se traduz por tolo, ignorante, incapaz, idiota e estulto. Com isso o escritor deste texto foi duro ao afirmar de que os incrédulos não passam de pessoas rudes, que não tem entendimento para compreenderem as grandezas de Deus. Paulo classifica os seres humanos sem Deus como sendo pessoas incapazes de entender que tudo procede de um Deus Criador. E que aqueles que vivem distante do governante universal, assim o fazem por pura ignorância e idiotice. INFIÉIS. Os pagãos (seres humanos alienados de Deus) fazem questão em não querer assumir nenhum compromisso de fidelidade com o seu criador, porque a síndrome da apostasia lhes domina completamente. Os ímpios tem prazer em fazer tudo aquilo que contradiz a vontade do seu criador, e assim o fazem como deboche mesmo. De todas as formas buscam ridicularizarem as coisas do reino de Deus, seja por palavras ou por atos. NOS CONTRATOS. Desconsideram os pactos feitos entre Deus e o seu povo. Não acreditam na revelação bíblica como sendo a maneira como Deus expressa a sua vontade. Não dão crédito na inspiração das escrituras por acharem de que elas não passam de escritos humanos da religiosidade. SEM AFEIÇÃO NATURAL. Na realidade era para todos os seres humanos automaticamente viverem para Deus. Isso de forma natural, uma vez que tudo que acontece em toda a extensão da criação tem o indicativo de que existe um Deus Planejador, Criador, Controlador, e que governa em todas as dimensões do universo. IRRECONCILIÁVEIS. O que Deus fez pela humanidade por meio da obra realizada por Cristo em termos de benefícios é algo realmente de valor incalculável. No entanto, os incrédulos não aceitam tais benefícios como também não acreditam em nada disto. SEM MISERICÓRDIA. Como os infiéis não tem nenhum compromisso com Deus, isso os leva a também agirem de maneira odiosa para com o seu próximo. A lei de Cristo é: Amar a Deus e ao seu próximo. Quem não ama a Deus não tem como amar ao seu próximo. Quem aborrece a Deus sistematicamente odeia seus semelhantes.

sábado, 21 de dezembro de 2013

Romanos 1:30


Romanos 1:30 - Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães.
SENDO MURMURADORES. O vazio que há na vida de quase todos os seres humanos os leva a se tornarem insaciáveis. O que eles não sabem é que este vazio é a falta da presença de Deus. Como não reconhecem nem aceitam de que precisam de Deus, procuram preencherem este vazio com outros valores. No entanto, é um recipiente que nunca enche, e estão sempre precisando de mais. DETRATORES. Os que se tornaram e vivem indiferentes com Deus, quando estão se dando bem, se gabam de que o seu sucesso se deve ao seu esforço ou a sorte e ainda a qualquer outra coisa, menos a Deus. Todavia, quando as coisas dão erradas logo procuram colocar a culpa no Criador. ABORRECEDORES DE DEUS. O que mais tem neste mundo são pessoas que fazem de tudo para aborrecer ao Criador. Suas palavras são odiosas contra Deus. Suas ações quase todas são de deboche contra o Senhor que fez o céu e a terra. Os ímpios passam a vida toda alienados de Deus como se ele não existisse. Grande parte dos seres humanos mesmo sabendo quem é Deus, mas não fazem nada para agradá-lo. INJURIADORES. Estes são todos aqueles que estão no grupo dos que blasfemam de Deus. São os ateus confessos ou práticos. Confessos porque abrem a boca publicamente para injuriar ao Criador lhe atribuindo difamações das quais Deus não é merecedor. São ateus práticos aqueles que falsamente falam em Deus só da boca para fora, suas atitudes e comportamentos dizem o contrário. SOBERBOS. Todos aqueles que se acham alto suficientes estão nesta classe de indivíduos. São os que se acham independentes e que não precisam de Deus. Não são poucas as pessoas soberbas que estufam o peito em dizer que tudo que tem ou representa é o resultado da sua capacidade e da sua inteligência. PRESUNÇOSOS. São aqueles que se ufanam de si mesmo em termos de viverem do que nunca serão. Como que um ser humano pode pensar que é melhor do que o seu Criador? Os presunçosos se acham semideuses. Consideram-se mais importantes do que o Todo-poderoso. A humildade não faz parte do seu dicionário de vida. INVENTORES DE MALES. Estes não dormem sem antes planejarem algum tipo de artimanha contra o seu próximo. Suas mentes estão cauterizadas para a malignidade. Há uma inquietação dentro dos seus corações no sentido de maquinarem o mal. DESOBEDIENTES AOS PAIS E AS MÃES. Estamos vivendo em uma geração dos revoltados contra os seus progenitores. São filhos e filhas que fazem questão de desagradarem sempre os seus pais. Com isto as famílias estão quase todas divididas.

Romanos 1:29


Romanos 1:29 - Estando cheios de toda a iniquidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade.
ESTANDO CHEIO DE TODA INIQUIDADE. O ser humano sem Deus em sua vida vive transbordante de toda iniquidade. A palavra “iniquidade” funciona como introdução para as demais colocações feitas pelo escritor desta carta aos romanos. PROSTITUIÇÃO. É o modo de vida daquelas pessoas que fazem dos pecados sexuais seu manto de prazeres. Em romanos 1:26-27 o mesmo escritor combate a prática do homossexualismo como algo que pode ser caracterizado como ato dos irracionais. MALÍCIA. Descreve muito bem os corações dos que só vivem para as concupiscências da carne e das paixões infames dos desejos malignos. Estes se alimentam dos desejos e das práticas mais vergonhosas. Sem limites para o que é obsceno. AVAREZA. É a ganancia exacerbada de querer possuir tudo a qualquer custo. Mesmo que para tanto tenha que usar dos mais escusos meios para conseguir os seus intentos malévolos. O mundo esta abarrotado destes avarentos e dominado pela ganância. MALDADE. Esta é a característica daqueles que são influenciados pelo maligno que é Satanás e os seus demônios. O homem sem Deus por se só já tem a tendência de praticar o que é errado. Quanto mais, sendo instigado pelo próprio mal em pessoa. CHEIOS DE INVEJA. A inveja é irmã gênia da avareza. E aqueles que estão cheios dela não se contentam com o que têm nem com quem é. Mas ficam a espreita com o seu próximo desejoso de tomar ou possuir o que o outro tem ou é. A inveja é motivo de muitas desavenças e contendas entre os seres humanos avarentos e gananciosos. HOMICÍDIO. Quem comete homicídio não atenta somente para a vida do seu semelhante, mas também pode ser acusado de ir contra o próprio Criador, uma vez que a Deus pertence a vida e somente a ele tem o direito de tirar a vida de suas criaturas. Mas os homicidas querem ser mais do que Deus tirando a vida dos outros. CONTENDA. Todos os vícios citados pelo apóstolo Paulo nesta lista enumerada do código de conduta dos seres humanos sem Deus. Gera justamente o que pode se chamar de contenda. E o ódio tem sido o combustível inflamador destas desavenças constantes dos homens odiosos. Por isso que as disputas são constantes na terra. ENGANO. A própria vida dos homens sem Deus não passa de um engano. Porque em seus conceitos e de forma prática acham que são altos suficientes para viverem intendentes do Criador. Quando na verdade todos dependem dos atos de Deus. MALIGNIDADE. Tanto a maldade quanto a malignidade são provenientes do maligno. É o que pode ser chamado de interferência do Diabo na vida das pessoas. A malignidade é a ação do império das trevas em usar as pessoas para prejudicar o seu próximo.

Romanos 1:28


Romanos 1:28 - E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm.
E, COMO ELES. Eles quem? Os ímpios que não vivem para Deus. Os injustos que tentam levar vantagens em tudo. Aqueles que mesmo conhecendo a Deus pela revelação das coisas criadas, mas que insistem em negarem a existência de Deus porque são ateus práticos ou confessos. Aqueles que têm os corações obscurecidos por não glorificarem a Deus nem lhe darem graças por todos os benefícios que o Senhor proporciona a todos. Em fim, os seres humanos, homens e mulheres que se embrenham nos prazeres infames da sensualidade promíscua do homossexualismo. NÃO SE IMPORTARAM. Na verdade deram as costas para o seu criador. Por mais que Deus se dê a conhecer, por mais que ele se revele a estes incrédulos eles se tornam cada vez mais indiferentes para com o criador. E quem conhece as verdades das escrituras sabem que por traz disto existe uma força maléfica instigando a mente dos ímpios para que se tornem alienados de Deus. Satanás é um ser que já tem em si mesmo a sentença final de destruição no inferno e quer levar consigo quantos ele poder para a morte eterna, ou seja, separação eterna de Deus e da vida. DE TER CONHECIMENTO DE DEUS. Os seres humanos que estão do lado do mau se tem tornado tão materialistas ao ponto de não lhes sobrar nenhum raio de visão no sentido de enxergarem a existência e o governo de Deus que se tem revelado simultaneamente em todas as coisas criadas. O Deus deste século (o Diabo) tem cegado o entendimento dos incrédulos (2 Coríntios 4:4) para não darem importância a tudo aquilo que se tem chegado aos seres humanos dos conceitos e das verdades sobre Deus. Não tem outra classificação para se dar a isso senão a rebelião e apostasia. ASSIM DEUS OS ENTREGOU. O escritor desta epístola vem repetindo este tema da entrega que Deus tem feito dos ímpios a sua própria sorte. Como os incrédulos não se importam com o conhecimento de Deus, o Senhor também não se importa com eles. O que Paulo desejava ensinar aos irmãos da igreja cristã na cidade de Roma é que Deus não precisa dos ateus, agora o homem sem Deus esta em maus lenções. Até porque Deus sem o homem ele continua sendo o que é, mas o homem sem Deus ele não é nada. Viver sem Deus é prescrever uma eternidade na perdição eterna. A UM SENTIMENTO PERVERSO. O ser humano que vive uma vida ao seu bel prazer longe de Deus, suas faculdades mentais vão desenvolver sentimentos perversos. Eis a razão porque o mundo em vez de melhorar cada vez mais se torna pior. Isso porque a rebeldia dos ímpios vai se multiplicando. Longe de Deus é solo fértil para a maldade. PARA FAZEREM COISAS QUE NÃO CONVÊM. Essa disposição dos homens sem Deus os leva a viver uma vida profana. O temor de Deus é que impõe responsabilidade e limites nas ações dos seres humanos. Quem não teme a Deus faz coisas que não convêm. Assim o fazem, por acharem de que não vão prestar conta dos seus atos a Deus.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Romanos 1:27


Romanos 1:27 - E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.
SEMELHANTEMENTE TAMBÉM OS HOMENS. O que Paulo fala sobre as mulheres em sua perversão sexual umas com as outras no texto anterior. Agora, ele também acusa os homens que semelhantemente estão na mesma condição do homossexualismo. Assim como as mulheres que são lésbicas em suas paixões infames, os homens que se inflamam em sua sensualidade uns para com os outros também vivem conforme os desejos sexuais mais promíscuos. Nem as escrituras aprovam, com isso pode-se dizer que Deus não aprova, porque as escrituras expressam à vontade de Deus, nem tão pouco a maioria da sociedade aceita este tipo de comportamento sexual de homem com homem. DEIXANDO O USO NATURAL DA MULHER. A expressão “uso natural da mulher” fala sobre uma saldável, limpa e legal relação entre o marido e sua mulher. As demais formas de práticas sexuais são reprovadas pelas escrituras, seja o adultério, a fornicação, a prevaricação ou coisa semelhante, e principalmente o homossexualismo. Assim como a mulher foi criada para uma troca de sentimentos para com o homem. Da mesma forma o homem foi criado por Deus para amar a sua mulher, assim como cristo ama a sua igreja. As escrituras não faz apologia à homofobia, ela é o manual do fabricante que contem conceitos e regras para o objeto criado, no caso o homem, metaforicamente falando. SE INFLAMARAM EM SUA SENSUALIDADE. Paulo fala em termos patológicos ao se referir a essa mudança comportamental do homem com homem ao afirmar: “Se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros”. E há quem defenda de que o caso do homossexualismo seja mesmo uma doença. Se não for uma chaga patológica pelos menos no conceito que as escrituras classificam, metaforicamente não deixa de ser uma doença moral e ética. Conforme o pensamento religioso uma enfermidade do corpo e da alma que leva a morte do espírito. De conformidade com o contexto bíblico se não houver arrependimento e transformação, por fim, a morte eterna. UNS PARA COM OS OUTROS, HOMEM COM HOMEM. A reprovação bíblica neste texto diz respeito a um homem ter sentimento amoroso por outros em termos sexuais, o que a bíblia chama de amor Eros em sua forma degradante. Quando Deus criou a mulher para o homem (Genesis 2:18), foi para que ele há tivesse como uma companheira sexual. Deus não criou um homem para Adão e sim uma mulher. COMETENDO TORPEZA E RECEBENDO EM SI MESMO A RECOMPENSA QUE CONVINHA AO SEU ERRO. O amor de um homem por outro em termos sexuais e não o amor fraternal é considerado um tipo de vício que traz suas consequências. O livro do Genesis no seu capítulo decimo nono traz a história de Sodoma e Gomorra em que grande parte dos seus moradores eram praticantes do homossexualismo. E o resultado disto é que Deus mandou descer fogo do céu e consumiu aquelas duas cidades e os seus habitantes. Certamente o apóstolo Paulo estava pensando neste evento.

Romanos 1:26


Romanos 1:26 - Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza.
POR ISSO DEUS OS ABANDONOU. Paulo dar continuidade ao assunto que vinha abordando sobre a profanação dos pagãos e ateus confessos ou práticos que buscam a sua independência no tocante a não se submeterem a vontade de Deus. Deus criou o ser humano com livre arbítrio e permite que o homem faça as suas próprias escolhas. O fato de Deus ter abandonado os ímpios para que vivam ao seu bel prazer foi em consequência dos atos sucessivos e repetitivos de rebelião e apostasia das criaturas humanas. Como se diria em uma linguagem bem compreensível, é como se Deus não mais desejasse interferir nas vontades dos seres humanos. Deus deu o desprezo aos profanos permitindo-lhes a liberdade para fazerem o que quiserem. AS PAIXÕES INFAMES. O ser humano é diferente dos seres irracionais. Isto porque o ser humano é constituído de corpo, alma e espírito (Tricotomia). Para que o ser humano se aproxime de Deus ele deve viver mais para o espírito do que para o corpo. A alma é modelada conforme o modo de vida que o ser humano vive. Se viver mais para o espírito recebe luz e pureza. Mas se viver mais para o corpo ou a carne recebe as trevas e a impureza. Essas paixões infames das quais falam o escritor é porque o ser humano já programou conscientemente a sua alma aos desejos mais baixos em termos de imundície e depravação. Igualando-se aos seres mais irracionais. É natural que o ser humano que vive somente em função do corpo, sem dar oportunidade para o seu espírito se desenvolver, que sua alma seja programada aos sentimentos mais impuros e infames em essência. PORQUE ATÉ SUAS MULHERES. Conforme as escrituras, Deus formou o homem (Gênesis 2:7). Depois de ter criado o homem, formou a mulher como uma companheira idônea para o homem (Gênesis 2:18). O objetivo primário da criação da mulher foi para ser companheira do homem como ajudadora. Subtende-se com isso que no tocante ao lado sentimental e sexual a mulher foi criada para o homem (e não para outra mulher). Quando há uma mudança no comportamento e na opção sexual da mulher (mulher com mulher), a isso se dar o nome de disfunção. Quem aceita que a mulher foi criada por Deus para cumprir determinados objetivos e exercer certas funções, deve aceitar as regras do manual do fabricante (Criador, que é Deus), que são as recomendações contidas nas sagradas escrituras. MUDARAM O USO NATURAL. Essa mudança do uso natural a que se refere o apóstolo Paulo é no que diz respeito ao homossexualismo feminino. Numa linguagem bem clara é o despertar de sentimentos como: amor, paixão ou ainda atração física de uma mulher por outra. Na prática isso se traduz por uma relação sexual (ou algo parecido) de uma mulher com outra. NO CONTRÁRIO A NATUREZA. Em regras gerais, o natural é que entre os seres vivos a relação sexual é entre macho e fêmea. Os estudiosos da biodiversidade animal e os curiosos no tocante a sexualidade dos seres irracionais tem percebido a prática da homossexualidade nas espécies mais rudimentares. A prática do lesbianismo pode ser (hipoteticamente) a troca da identidade humana da mulher pela irracionalidade.

Romanos 1:25


Romanos 1:25 - Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.
POIS MUDARAM A VERDADE. Antes de qualquer comentário é preciso dizer que Deus é imutável, ele não muda é o mesmo ontem hoje e eternamente. O que mudaram foram os novos conceitos formulados pelos pagãos a respeito das verdades de Deus. Com o desenvolvimento intelectual da raça humana os ateus confessos ou práticos se acham no direito de fazerem definições ideológicas a respeito de quem é Deus. Com isso passaram a criar falsas divindades conforme ao bem prazer na mentalidade perversa da natureza humana alienada. Essa inversão da verdade em mentira foi tomando corpo à medida que foi satisfazendo ao conforto mental daqueles que buscam a divinização da criatura em lugar do Criador. DE DEUS EM MENTIRA. Todos os conceitos verdadeiros de Deus como os seus atributos próprios da divindade foram os idólatras pagãos transferindo para os seus ídolos, que assumiam a forma de imagens de escutara. A escritura sagrada recomenda de que só devemos adorar e venerar ao Criador de todas as coisas. Os falsos líderes religiosos afirmam de que a ser humano pode adorar e venerar os supostos santos da mitologia religiosa. Se a pessoa faz sua oração a um morto é porque acredita que ele esteja presente e que tome conhecimento da sua petição e que pode resolver qualquer problema. Estes atributos: Onipotência, Onisciência e Onipresença são exclusivos do Deus Criador, e ele não divide sua glória com ninguém. E HONRARAM MAIS A CRIATURA. A revolta universal contra Deus que teve início quando Satanás queria ser Deus e tomar o lugar de Deus. Vem encontrando ressonância entre os humanos desde a queda do nobre casal no jardim do Éden. O inimigo de Deus vem desde o princípio da criação do homem inculcando na mentalidade humana de que ele deve se rebelar contra o criador. E um dos artifícios mais usados é a anulação de tudo que é verdade sobre Deus. E a divinização da criatura em lugar do criador por meio da idolatria de falsas divindades é a façanha mais comum que tem livre aceitação por parte dos que são usados pelo Diabo. E SERVIRAM MAIS A CRIATURA. Basta um olhar crítico para o comportamento daqueles que fazem parte das religiões pagas e das seitas heréticas e logo se percebe que as criaturas em suas mais diversas formas e apresentações são postas acima do Criador. E o fanatismo funciona como combustível que alimenta toda esta cadeia de mentiras farsantes para desviar o foco da adoração que deveria ser exclusiva para o Criador e passa a ser direcionada para a criatura. DO QUE O CRIADOR. Horam e servem mais a criatura do que ao Criador. O homem foi criado para render toda glória para Deus e o servir de todo seu coração, entendimento e forças. A idolatria em suas mais diversas formas tenta roubar isso de Deus. QUE É BENDITO ETERNAMENTE. AMÉM. Deus é bendito eternamente. Amém. Paulo usa essa doxologia para mostrar de que somente o nosso Deus Criador é digno de toda a nossa adoração, Somente ele é digno de que o honremos com todas as nossas forças, ele é digno do nosso louvor. Isso porque é bendito eternamente, amém.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Romanos 1:24


Romanos 1:24 - Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si.
POR ISSO TAMBÉM DEUS OS ENTREGOU. O apóstolo Paulo chega neste ponto a declarações fortes sobre a vida profana a que são permitidos viverem os pagãos. Trata das questões morais e da perca de milites por aqueles que vivem para si mesmo, sem dar satisfação nem a Deus, o Criador, nem aos limites impostos pelos bons costumes e tradições da sociedade. Quando o ser humano perde o temor de Deus e transgridem as fibras morais da sociedade, ele é capaz de praticar qualquer coisa. Ninguém pode viver sem limites, senão a sociedade vira um caos total. ÀS CONCUPISCÊNCIAS. Esta palavra significa literalmente desejos obscenos, anelos carnais, anseios sexuais pervertidos. É obvio que o escritor deste texto esta usando este vocábulo para expressar uma disposição mental dos incrédulos em se submergirem de corpo e alma aos prazeres sexuais mais vis de que se possa imaginar. Como também as más intenções meramente carnais em busca da degradação moral e ética. E por incrível que pareça tais impurezas sexuais e carnais eram praticados em rituais religiosos dos cultos pagãs. DE SEUS CORAÇÕES. Todos estes sentimentos impuros da sagacidade sexual vêm da sede das emoções, chamado coração sujo dos ímpios que não seguem o temor de Deus e que tem prazer em quebras todos os limites morais impostos pela sociedade. O sexo é uma coisa maravilhosa quando segue os padrões normais e os mandamentos de Deus, naquilo que é permitido. Doutra sorte, é a quebra dos padrões para o qual foi feito. Um coração tendencioso as impurezas sexuais é considerado sujo pela escritura. À IMUNDÍCIA. As concupiscências carnais por si só já leva o indivíduo as práticas imundas na sexualidade. Geralmente o ser humano natural nunca se pergunta para que foi criado o ato sexual nem como deve ser praticado de forma a atender as expectativas para os quais servem. Quem segue a forma correta na troca deste sentimento sabe que uma relação sexual saldável produz bem estar e pureza e não peso na consciência nem sensação de culpa. Quando há um ato sexual fora dos padrões normais estabelecidos por Deus e pela fibra moral da sociedade e o indivíduo acha que está tudo bem, é porque sua consciência está morta para o que é moral, ético e legal. Isso é considerado pelas escrituras como abuso do livre arbítrio. PARA DESONRAREM. Tudo que foi criado na natureza segue o seu curso normal em cumprirem as leis que lhes fora imposta quando do ato da criação. O nosso corpo foi criado com finalidades bem definidas e cada órgão com funções a desempenhar dentro do conjunto orgânico bem equilibrado. SEUS CORPOS ENTRE SI. Quando os desejos impuros regem na inversão funcional de um ou mais órgão do nosso organismo buscando satisfazer os apetites desordenados da carnalidade a isso é que o autor deste texto classifica de “desonra do corpo”.

Romanos 1:23


Romanos 1:23 - E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis.
E MUDARAM A GLÓRIA. O apóstolo Paulo esta se referindo à depravação humana no que concerne à idolatria. Que nada mais é do que uma tentativa profana e insana de querer tirar de Deus a sua glória. Tentando transferir os seus atributos e qualidades de divindade para os ídolos religiosos dos gentios. Os conceitos distorcidos sobre Deus que passaram a permear a mente dos homens (como o ser humano é programado para ser materialista), logo buscaram uma forma de roubar aquilo que só a Deus pertence, transferindo na prática para as falsas divindades dos seres humanos. Como os homens não mudam naquilo que realmente são (humanos), então tentam mudar de alguma forma o que é imutável (Deus). Como o homem não tem como enganar o seu próximo promovendo a sua própria deificação, isso porque sabemos quem somos, e somos todos iguais (seres humanos limitados). Usam do artifício da mentira para transferir os atributos que só pertence a Deus. A supostos semideuses (santos) criados pela imaginação pervertida dos homens. DO DEUS INCORRUPTÍVEL. Deus é incorruptível. Com isso, o escritor desta missiva a igreja cristã de Roma estava dizendo de que o pau, a pedra, o gesso e qualquer outro material não pode ser chamado de Deus. Deus é invisível. Portanto qualquer representação visível de falsas divindades diretas ou indiretas de Deus é pura mentira. Qualquer tentativa de querer representar Deus ou transferir seus atributos para quem quer que seja é loucura, porque Deus é Espírito e não matéria. De forma bem clara, a materialização de qualquer forma ou imagem tentando representar Deus é falsa. Na prática, qualquer tipo de idolatria é querer roubar a glória de Deus. EM SEMELHANÇA DA IMAGEM. Como é que se explica isso. Jeremias 10:3-5 - Porque os costumes dos povos são vaidade; pois corta-se do bosque um madeiro, obra das mãos do artífice, feita com machado; Com prata e com ouro o enfeitam, com pregos e com martelos o firmam, para que não se mova. São como a palmeira, obra torneada, porém não podem falar; certamente são levados, porquanto não podem andar. Não tenhais receio deles, pois não podem fazer mal, nem tampouco têm poder de fazer bem. Hora, se uma suposta representação de Deus, como um ídolo, não vale nada, quanto mais à representação em forma de imagem de um suposto santo. DE HOMEM CORRUPTÍVEL. A divinização do homem no humanismo. Entende-se por humanismo, os conceitos de supervalorização do ser humano. Pode-se dizer de um sistema bem desenvolvido no qual o homem, os seus interesses e o seu desenvolvimento se tornam o tema central. Em termos religiosos isso se dar quando as mentes pervertidas de líderes religiosos sejam quem for, procuram atribuir a um ser humano (vivo ou morto) os atributos e qualidades inerentes de Deus. E DE AVES, E DE QUADRÚPEDES E DE RÉPTEIS. Nas culturas pagãs politeísta, que é diferente da cultura cristã ou judaica, onde a fé é monoteísta, que é a crença em um único Deus verdadeiro. Na crença politeísta, que é a mesma coisa que crença pagã, os religiosos adoram e veneram a criatura e não o Criador. Isso se chama idolatria.

Romanos 1:22


Romanos 1:22 - Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos.
DIZENDO-SE. O egoísmo humano tem parte marcante no tocante ao homem ter centrado em si mesmo os seus conhecimentos, pensando que tem sabedoria própria para discernir e definir quem é o seu Deus. Quando na verdade a escritura diz que a sabedoria terrena é loucura diante de Deus. 1 Coríntios 1:20 - Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o inquiridor deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo? Com o desenvolvimento intelectual do homem foi lhe dando motivos pessoais para chegar, à maioria da raça humana, a pensar de que é independente dos conceitos de Deus que a revelação da natureza e de toda a criação vinha dando da existência e do governo do Criador. Com este egocentrismo crescente na mentalidade dos homens, eles se acham no direito de mudar a verdade sobre Deus e, além disto, transferir para outrem aquilo que só a Deus pertence. SÁBIOS. Dizendo-se sábios. Quem é o ser humano comparado com Deus para dizer que Deus não é quem realmente ele é. É muita prepotência do homem frágil e fraco querer passar a ideia de que Deus não existe ou que ele pode ser comparado ou semelhante a qualquer coisa criada, quando na verdade ele é o criador de todas as coisas. Ninguém é igual em essência ao Deus Criador. Isso significa dizer que não podemos atribuir a nada nem a ninguém os atributos que são próprios apenas da divindade. Querem tomar o lugar de Deus ou tentar substituí-lo. Assim como Deus existe com tudo o que ele representa. Do lado oposto também existe um ser (criado) chamado Satanás. Este anjo caído teve na eternidade passada a petulância de querer ser como Deus e até certo ponto desejava tomar o lugar de Deus. Deu no que deu, perdeu seus privilégios e foi precipitado nas trevas para toda a eternidade. Desde que os seres humanos foram criados na face da terra que este ser maligno vem interferindo na vida das pessoas para afastá-las da presença de Deus. TORNARAM-SE. Quando o homem foi criado por Deus tinha em suas faculdades mentais os conceitos perfeitos de quem era realmente o Deus Criador. Com a queda veio à alienação e isso as ideais perfeitas que o homem tinha do seu criador foi sendo transformadas em dúvidas. E o desenrolar da história demonstra uma total distorção nos conceitos que o homem passou a ter sobre o Criador. Todo o panteão de falsas divindades projetadas pela raça humana é na prática tentativa de querer substituir o Criador pela criatura. LOUCOS. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. Deus é Deus e nada muda sua essência naquilo que ele é de verdade. O ser humano tem que se contentar com aquilo que ele é: “criatura de Deus e nada mais”. O Ser humano querer ser o que não é a isso se chama insanidade. E conforme os conceitos da psicologia e da psiquiatria insanidade é popularmente conhecida como loucura. Por mais que o homem se torne conhecedor daquilo que lhe é permitido sondar ele nunca vai passar de uma criatura.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Romanos 1:21


Romanos 1:21 - Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu.
PORTANTO, TENDO CONHECIDO A DEUS. Os seres humanos, pouco ou muito, de alguma forma tem conhecimento sobre o Deus Criador e Revelador. O próprio Deus desde o princípio tem se dado a conhecer. Isso porque de alguma maneira ele vem ter contato com o ser humano. A escritura diz que o Espírito de Deus vem testificar com o espírito do homem ensinando-lhe coisas importantes sobre o reino de Deus e sua vontade. O próprio esplendor de toda a criação lança luzes reveladoras de que isso tudo não veio a existir por si mesma, mas que existe um planejador e executor no imenso programa de criação do universo e do cosmo. E Deus fez um homem a sua imagem e semelhança, isto também testifica de que no ser humano há uma conexão com a presença de Deus. Acima de tudo o Messias de Deus é o Emanuel, isto é Deus conosco. Deus se revela em Cristo. NÃO O GLORIFICARAM COMO DEUS. Mesmo tendo o conhecimento da existência do Deus Todo-poderoso e conhecendo a sua vontade. Não o glorificaram como Deus. Não reconheceram a sua grandeza nem a ele deram a devida glória que ele merece. Desde o primeiro momento em que o Senhor fez o homem sobre a face da terra que os seres humanos procuram se deslocar em outra direção e não em busca do Deus Criador. Hora, se o Senhor foi quem criou todas as coisas, ele tem o direito de exercer sua soberana vontade sobre toda a sua criação. Deus criou o homem e a mulher e lhes deu no princípio apenas um mandamento. E o homem com sua mulher não foram capazes de obedecer apenas a uma regra simples. Caíram, e com isso veio à rebelião humana. NEM LHE DERAM GRAÇAS. Tudo que Deus criou e que os seres humanos podem ter acesso é justamente para que os homens sejam beneficiados com todas as beneficências do Criador. No jardim do Éden, por exemplo, não faltava nada para Adão e Eva, A benção de Deus estava sobre eles. Todavia, em um ato de ingratidão desobedeceram a vontade de Deus. E assim tem sido em toda a extensão da história dos seres humanos. O Senhor derrama continuamente os seus benefícios á todos, e tem como resposta a ingratidão dos homens. Porque em vez de reconhecerem de que tudo provêm de Deus, agem ao contrário, atribuindo a outras fontes as bênçãos recebidas. ANTES EM SEUS DISCURSOS SE DESVANECERAM. Na verdade ao longo da história da humanidade aos poucos o foco foi desviado e os homens em atos sucessivos de rebelião foram desvirtuando o discurso em atribuir aos falsos benfeitores os benefícios recebidos da parte do Criador. Com isso a raça humana foi perdendo o contato com Deus em dar lugar à alienação. Foram aos poucos dando as costas para o Criador, movidos pela rebelião. E O SEU CORAÇÃO INSENSATO SE OBSCURECEU. As luzes acesas no coração dos seres humanos a respeito do conhecimento de Deus foram se apagando para dar lugar às trevas densas da incredulidade. Por isso que todos pecaram, destituídos estão da gloria de Deus.

Romanos 1:20


Romanos 1:20 - Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis.
TODAS AS COISAS INVISÍVEIS. Naturalmente que o homem natural só ver aquilo que está posto diante dos seus olhos. Mas, além das coisas que podemos visualizar com o sentido da visão existem infinitas outras que não são visíveis. Deus existe, mas não o enxergamos com os nossos olhos. E tudo o mais que é atribuído a ele como seus atributos são reais em essência, mas não podemos ver. No entanto, tudo isto pode ser percebido, sentido e conhecido. Pelas coisas criadas percebemos a existência de Deus, com isto conhecemos os seus atributos e sentimos a sua presença conosco. DESDE A CRIAÇÃO DO MUNDO. Desde a criação do cosmo. Desde a criação dos céus em seus mais diversos níveis. Desde a criação da terra com os seus sistemas e subsistemas mais variados. Desde a criação do homem que o Senhor tem se manifestado em demonstrar a sua existência. E com seus muitos atributos tem chegado ao homem com uma infinidade de atividades beneficiadoras a todos. TANTO O SEU ETERNO PORDER. Olhando para o mundo como um todo, percebe-se o quanto o Criador é poderoso. E o seu poder é eterno, no princípio, meio e fim. Por isto que as escrituras chamam o Senhor de o “Todo-poderoso” porque o seu domínio se estende de geração a geração, uma vez que ele é o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim. O seu reino é um reino eterno que não tem fim. COMO SUA DIVINDADE. Desde o princípio mesmo, que o Deus eterno tem espalhado em todas as dimensões do universo de que ele é Deus. Seja no contesto geral das escrituras ou na totalidade da criação percebe-se a existência comprovada de uma divindade superior. Deus é divino em essência. E nas mais diversas maneiras como ele se dar a conhecer que é Deus, negar a sua existência é de fato um ato de pura insanidade e insensatez. Deus é auto existente e não depende de nada para existir. SE ENTENDE, E CLARAMENTE SE VÊEM. As coisas mais poderosas e fantásticas que ocorrem no cosmo é a total revelação do Deus invisível, mas que é real. Somente a absoluta insanidade do ser humano é que o leva a negar a existência do Deus criador e que intervém em toda a extensão das coisas criadas. Por tudo que há no universo se entende e claramente se vêem que existem um arquiteto e administrador de tudo. PELAS COISAS CRIADAS. A visão das coisas visíveis e a percepção das invisíveis revelam claramente as marcas da existência do Deus criador. O homem pode até transformar, manipular e modular aquilo que já existe. No entanto, o ato de criação daquilo que não existe, mas passa a existir, demonstra a ação e a administração de Deus. PARA QUE ELES FIQUEM INESCUSÁVEIS. Tudo que está posto diante dos nossos olhos e percepções é para que o homem não tenha como negar o Deus criador e benfeitor.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Romanos 1:19


Romanos 1:19 - Porquanto, o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou.
PORQUANTO. Esta expressão abre a possibilidade de se tratar de um assunto não diferente, mas de introduzir ou acrescentar algo ao que já estava descrevendo. O que Paulo pretende enfatizar em seguida é que todos, tanto os justos quanto os injustos tem algum conhecimento da justiça de Deus. E como ele age para demonstrar de que quem realmente controla o mudo é ele. Se as pessoas não podem vê-lo com o sentido da visão humana, porem tem a noção pouca ou muita de que ele intervém, quando necessário para punir os injustos e galardoar os que agem de forma correta. Negar este princípio fundamental da existência é ser ímpio e aceitar como crença e pela fé, isso se traduz como temor ao Criador. O QUE DE DEUS. O Senhor é transcendental e eterno. O que é possível o homem saber e conhecer do seu Criador é tangível. No entanto, existem coisas a respeito do Todo-poderoso que o ser humano não tem capacidade de absorver. Deus é infinito e o ser humano e absolutamente limitado. Nem por isso Deus se torna inaccessível ao homem. Pelo contrário, o Senhor mesmo se dar a conhecer as suas criaturas. De alguma forma todo ser humano que passa pela terra tem algum tipo de contato com o Deus eterno. Quem nega conscientemente a existência de Deus, assim o faz no puro ato de alienação ou rebelião. Negar o Criador é negar a si mesmo como criatura. SE PODE CONHECER. O que de Deus se pode conhecer. Observamos neste particular que existe um limite na revelação da pessoa de Deus, no tocante ao ser humano. Deus é o Espírito e o homem é natural, ou seja, ele vive mais para as coisas materiais. São duas dimensões completamente distintas entre si. Mas isso não neutraliza a chance de que o homem tem de conhecer a Deus naquilo que lhe é permitido. Aqueles que vivem mais no espírito tem mais penetração no conhecimento de Deus. E ainda mais os que são guiados pelo Espírito do Senhor. NELES SE MANIFESTA. A pergunta é: Neles quem? Nos atributos de Deus! O escritor estar para introduzir um tema de suma importância na interligação entre a criatura e o criador. Onde o ponto de contato é justamente a manifestação de Deus na história e para os seres humanos por meio dos seus atributos. Não vemo-lo com os olhos físicos, mais sabemos que ele existe e é bem ativo, pela manifestação dos seus atributos. É necessário, portanto que o homem fique atento às intervenções do Deus invisível por meio de suas ações perceptível. O que é intangível pode ser perceptível. PORQUE DEUS. Deus é Supremo, Poderoso, Magnânimo, Altíssimo e tudo o mais de adjetivos fortes que possamos enumerar em nosso linguajar fraco e débil. Todavia, ele mesmo se dar a conhecer para as suas criaturas. E assim o faz para que haja essa comunhão com o homem, que segundo a revelação da natureza nos faz entender que é a coroa da sua criação de Deus, isto é: O homem. LHO MANIFESTOU. O que está disponível em termos de informação no conhecimento de Deus, o Senhor mesmo se encarrega de dar esse acesso para que todos o conheçam, naquilo que é possível. Na verdade quem o busca encontrá-lo-á.

Romanos 1:18


Romanos 1:18 - Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens, que suprime a verdade em injustiça.
PORQUE DO CÉU SE MANIFESTA. Quando a bíblia se refere aos céus atmosféricos ou a este céu visível, de estrelas, sol, lua, nuvens, astros, cometas, satélites e etc. Geralmente a palavra vem no plural. E também é comum vir no plural quando se refere aos céus dos seres celestiais ou ao paraíso. Mas quando a palavra esta escrita no singular é porque se refere ao céu dos céus. A morada mesmo do Deus Todo-poderoso, Criador de todas as coisas. É de fato da habitação de Deus que se manifestam as suas ações positivas, ou negativas como é o caso em foco. Deus é o Rei universal e tem o seu trono no mais alto céu de onde emanam todas as manifestações de comando do seu domínio. E de forma organizada planeja e executa seus projetos. A IRA DE DEUS. Quando pensamos neste tema, cada um de nós têm os seus próprios conceitos sobre o que vem a ser a ira de Deus. Para sermos mais honestos na análise deste tema controvertido, precisamos por em teste a realidade história do comportamento geral de Deus para com a humanidade e não focalizando pontos específicos das citações bíblicas. Na visão total podemos conjecturar de que esta ira de Deus se manifesta em termos de justiça imparcial e não em punição odiosa, como é o caso da ira dos seres humanos. Caso contrário, nem terra existiria mais, muito menos seres humanos. A ira de Deus é na prática a justiça divina em ação como ela deve ser. SOBRE TODA A IMPIEDADE. As escrituras dividem a raça humana em dois grupos distintos no que diz respeito ao relacionamento com Deus. Do lado positivo estão todos aqueles que vivem com Deus e para Deus. Estes são os que pela fé se reconciliaram com o seu criador, sendo justificados por Cristo Jesus. Do lado negativo estão todos aqueles que se mantem afastados do seu criador, sendo dominados pela síndrome da rebelião cósmica e universal. Aos que são justificados por Cristo a escritura os classificam de justos e aos alienados e não alcançados pela graça da nova aliança são chamados de ímpios. De onde surgem todas as obras de impiedade. E INJUSTIÇA DOS HOMENS. Essa ira de Deus sobre toda impiedade dos homens e suas injustiças vem em forma de reparação e correção. Deus está atento sobre todos os seres humanos (ainda que o homem não tenha a percepção sobre isto), no tocante ao seu comportamento para consigo mesmo, para com o seu Criador e para com o seu próximo. Quando há por parte do ser humano uma injustiça ou impiedade, Deus entre em ação para disciplinar o mal feito e compensar positivamente o injustiçado e o prejudicado. Isto ocorre porque o homem é incapaz de ser justo em tudo. QUE SUPRIME A VERDADE EM INJUSTIÇA. Esta verdade a que se refere o texto, diz respeito à realidade e a justiça que deveria ser pratica pelos homens. O ser humano por ser falho por natureza, para atender aos seus interesses pessoas, termina por ser injusto para com Deus e em seu relacionamento com o seu próximo suprime a verdade para levar vantagens. A fim de que haja equilíbrio e o caos não seja estabelecido, Deus põe ordem nas coisas, corrigindo quem está errado e compensando o dano a quem foi injustiçado. A ira de Deus não é destruidora como a ira humana, ela é benéfica em corrigir as distorções e as injustiças dos homens. A verdadeira justiça vem do céu.

Romanos 1:17


Romanos 1:17 - Porque no evangelho se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá da fé.
PORQUE NO EVANGELHO. O apóstolo Paulo foi um dos líderes da igreja primitiva que mais recebeu luz na compreensão dos termos da nova aliança de Deus com os homens por meio de Cristo Jesus. Era conhecedor profundo também das normas legalistas estabelecidas pela velha aliança de Deus com Israel. Usando termos comparativos ele faz-nos entender que o evangelho era na essência superior as propostas e promessas da legislação mosaica. Porque no evangelho Cristocêntrico ou Messiânico encontramos a suficiência dos planos e programas de Deus para Israel e para todo o mundo. Este evangelho é absoluto em termos de servir de guia para levar-nos de volta aos braços de Deus. Ele é a luz que nos tira das trevas. SE DESCOBRE A JUSTIÇA. No evangelho descobrimos a verdadeira justiça de Deus. Na lei de Moisés encontramos a justiça humana como meio do homem se justificar para com o seu criador. No evangelho é diferente, encontramos o absolutismo da justiça de Deus em ação para beneficiar incondicionalmente a humanidade. Isto porque a mensagem central do evangelho é de que Cristo Jesus é em essência a causa primária e final desta nossa justificação diante do Pai celestial. Ninguém por seus supostos atos de retidão ou santidade pessoal tem como ser recebido plenamente por Deus, mas, com Cristo como nossa justiça somos totalmente aceitos por Deus pai. DE DEUS. Somente nas boas novas do poderoso evangelho de Cristo é que somos informados inteiramente desta justiça de Deus para conosco. E esta justiça de Deus se compreende como sendo o envolvimento direto e exclusivo do Criador no processo crescente da nossa salvação. Vendo Deus que ninguém era capaz de se justificar por si só. Ele interveio na história da humanidade por meio do Messias e completou todo o procedimento da justificação do homem para com ele. É a isto que se da o nome de reconciliação do homem para com o seu criador. DE FÉ EM FÉ. Com estes esclarecimentos o apóstolo dos gentios enfatizava o crescimento da fé. Esta fé, que ao que tudo indica não era estagnatária mais evolutiva progressivamente. Podemos conjecturar de que o escritor visualizava a fé diminuta quando da dispensação da lei. Mas que no período da nova dispensação ela deu significativo impulso em termos de qualidade e quantidade, ela cresceu. E continua se desenvolvendo em todo o cronograma do nosso desenvolvimento espiritual. Quando nos arrependemos dos nossos erros é que temos a fé de que alcançaremos o perdão de Divino. Passamos pelo processo do novo nascimento pela convicção de que o Espírito Santo é o agente transformador de nossas vidas. COMO ESTÁ ESCRITO: MAS O JUSTO VIVERÁ DA FÉ. Esta potencialidade de crescimento da fé já era prevista desde os tempos da antiga dispensação, com citações do velho testamento e lembrada em outras partes do novo pacto. Como nós encontramos em Habacuque 2:4 - mas o justo pela sua fé viverá. Confirmada em Gálatas 3:11 - E é evidente que pela lei ninguém será justificado diante de Deus, porque o justo viverá da fé. E ainda Hebreus 10:38 - Mas o justo viverá da fé; E, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. Entramos apenas com a nossa fé.

domingo, 15 de dezembro de 2013

Lucas 15:24


Lucas 15:24 - Porque este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a alegrar-se.
ESTE MEU FILHO. Todos os que faziam parte daquela fazenda. Certamente os vizinhos e amigos do fazendeiro estavam ali reunidos. E diante da multidão, o pai estende a mão e aponta em direção ao jovem, e diz: Este meu filho. Com isso o fazendeiro estava declarando e testemunhando diante de todos, que havia aceitado de volta no ceio de sua família aquele que até bem pouco não passava de um mendigo perambulante. Assim age Deus para conosco, quando nos atiramos nos seus braços arrependidos, diz a bíblia de que há festa no céu, diante de Deus e dos seus anjos. E o Senhor declara diante dos seres celestiais, este é meu filho. ESTAVA MORTO. A declaração textual de que o jovem tinha gastado tudo o que tinha vivendo dissolutamente nos faz entender que ele viveu uma vida devassa de pecado e rebeldia contra os princípios morais. E o jovem mesmo declara de que tinha pecado contra o céu e perante Deus. Conforme as escrituras, o que leva o ser humano a morte espiritual é justamente uma vida sem limites para o pecado e a desobediência aos mandamentos de Deus. O jovem estava vivo no corpo, mais morto na alma e no espírito, porque estava separado de Deus. Morte significa: Separado de Deus. Viver longe de Deus ou distante do Senhor é na realidade ser um vivo morto. E REVIVEU. O fazendeiro testemunhava diante de todos. O motivo desta tão grande festa é para celebrar a ressurreição espiritual deste jovem, meu filho. Porque ele estava morto, mas reviveu. O Jovem começou a reviver quando caiu em si e reconheceu que estava no caminho errado, distante do pai. Sua alma e seu espírito deram as primeiras respiradas de alento, quando ele se levantou e percorria mesmo que cansado o caminho de volta aos braços do pai. Sua alma e seu espírito estavam passando pelo processo de renovação e transformação. E reviveu quando foi aceito de volta nos braços de Deus. Alguém só pode dizer que estar vivo espiritualmente se estiver perto de Deus, se viver junto do Pai celeste. Ele que é a vida e que dá a vida. ESTAVA PERDIDO. A escritura pergunta: De que adianta ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Por um bom tempo este jovem da ilustração tinha tudo o que desejasse. Com muito dinheiro pela herança recebida do pai. Vivendo dissolutamente nas festas e farras da vida. Bebendo as melhores e mais caras bebidas dos bares e em muitos prazeres com as mulheres da vida. Mas, estava perdido, pelo simples fato de estar longe de Deus. Tinha legiões de supostos amigos, mas nem se lembrava do seu Criador. E FOI ACHADO. Porem foi achado, primeiro por si mesmo. Depois pela sua consciência que o alertou de que no caminho em que ele ia o seu fim era inevitável. Por fim, foi achado quando retornou para Deus, que nos ama de verdade. E COMECARAM A SE ALEGRAR. Ditas estas palavras, chegou o momento de comemorar o motivo maior de toda aquela festança. Que era o volta do filho mais jovem que estava morto e reviveu, e que estava perdido e foi achado. A festa estava somente começando, porque o banquete foi realmente grande e por dias.

sábado, 14 de dezembro de 2013

Lucas 15:23


Lucas 15:23 - E trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos, e alegremo-nos.
E TRAZEI. O fazendeiro exigia diligencias rápidas dos seus empregados. Era um momento impar em que todos os que trabalhavam naquela fazendo tinha que se movimentar para que o planejado tivesse que acontecer de fato. Na sua felicidade incontrolável o pai fez a convocação dos que estavam ao seu serviço a fim de preparar uma grande festa de comemoração. Até os que estavam de folga tinha que trabalhar naquele dia, mesmo que fosse necessário pagar hora extra. O verbo que expressa ação nos dá a ideia de que o fazendeiro queria resolver tudo depressa. O BEZERRO. Na nossa linguagem contemporânea se diria o garrote. Ou ainda como falam os criadores de gado o novilho, que é um bezerro que tem entre dois e três anos de idade, que tem a carne bem saborosa e macia. Dizia o fazendeiro trazei aquele garrote grande e bonito do rebanho porque é um momento de grande alegria. Trazei aquele novilho de estimação que já tenho preparado para este momento tão especial. O pai falou: O bezerro. E não um bezerro, porque um bezerro seria qualquer um. Mas “o bezerro” nos dá a entender de que aquele garrote era diferente, e que estava sendo guardado para uma data especial, da volta do filho. CEVADO. Trazei o bezerro cevado. Havia um tipo de identificação especial neste garrote. Se ele dissesse aos seus empregados: Vai lá no campo e trazei o bezerro, com isso os empregados poderiam escolher qualquer um que encontrasse. Mas quando ele acrescentou a palavra “cevado”, separou dentre todos os bezerros aquele que era o mais gordo de todos. O bezerro cevado não comia misturado com os outros. Além de se alimentar com todo o leite da vaca-mãe, ele tinha uma dieta balanceada com as melhores rações possíveis. Certamente era acompanhado por um especialista em cuidar de animais, como diríamos nos dias de hoje, um veterinário. Recebendo um tratamento diferenciado com vitaminas e proteínas, como também sendo cuidado com todas as vacinas adequadas para não pegar nenhuma doença. E MATAI-O. Neste momento o bezerro cevado já estava ali posto diante do Filho do fazendeiro, de todos os trabalhadores e do próprio dono da fazenda. Um garrote supergordo, o mais lindo de todo o rebanho. De cabelo lizo e brilhante por ser bem cuidado por quem dele tomava conta. Certamente alguém deve ter pensado, o fazendeiro vai dar de presente ao seu filho. Houve quem sabe um momento de silêncio e todos olhando para o bezerro e para o fazendeiro. E alguém pergunta. O que fazer com o garrote cevado patrão? E ele responde: Matai-o. E COMAMOS. Essa foi à resposta do dono do bezerro cevado, matai-o e comamos a sua carne feita churrasco em uma grande festa. Chama todo mundo porque é festa. E ALEGREMO-NOS. Dizia aquele pai que estava cheio de felicidade, vamos nos alegrar com a chegada deste meu filho. Vamos fazer um grande banquete. Com muita alegria. É dia de festa e noite de banquete. Que venham todos os empregados e etc.

Lucas 15:22


Lucas 15:22 - Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa; e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão, e alparcas nos pés.
MAS O PAI DISSE AOS SEUS SERVOS. O pai como era por demais generoso, certamente já tinha perdoado o seu filho, quando si comoveu de intima compaixão por ele. A maior preocupação do filho era ser perdoado pelo pai. Já o pai, não se preocupava com o que tinha acontecido, sua maior preocupação era com este momento tão importante, no qual tinha reencontrado o seu querido filho que estava distante, que andava afastado. O pai chama a atenção dos seus empregados todos para executarem tarefas novas a fim de que ali houvesse uma grande festa. TRAZEI DEPRESSA. Certamente o pai convocando todos os seus trabalhadores lhes davam recomendações de que fossem rápidos naquilo que haviam de fazerem. Olhando para a situação penosa do seu filho. Via aquele pai que aquela situação tinha que ser resolvida imediatamente. O filho estava esqueletizado de tanto passar fome. Estava maltrapilho, e com roupas velhas, sujas e rasgadas feito um mendigo. Moralmente falando nem parecia com um ser humano. Além de estar com os pés descalços. Era um estado estremo de pobreza e ignominia absoluta. A MELHOR ROUPA. Quando ainda vivia ao lado do pai, certamente se vestia das melhores roupas possíveis, pois era o filho do fazendeiro. Saiu de casa com tanto dinheiro que se quisesse tinha comprado várias lojas só de tecidos de grife. Quando das suas gastanças farras e frequentando festas da alta sociedade com certeza usava somente roupas importadas. Mas perdeu tudo, e o emprego que chegou a arrumar não dava nem para comprar comida, quanto menos roupas para se vestir. Estava maltrapilho. Mas agora, seu pai já tinha preparado a melhor roupa para ele. E VESTI-LHO. Podemos conjecturar que os empregados do fazendeiro agiram rapidamente em providenciar água em abundância para o jovem tomar um bom banho. Tirou toda a sujeira do corpo com um sabonete de primeira qualidade. Usou a melhor e maior toalha da casa do pai. E ai vestiu a melhor roupa que o pai já tinha reservado para o dia em que ele voltasse. A maioria dos comentaristas bíblico concordam de que aquele pai tinha certeza de que mais cedo ou mais tarde o seu filho casula ia voltar para casa. E ao que tudo indica, ele já estava esperando. PONDE-LHE UM ANEL NA MÃO. Os historiadores e comentaristas das tradições e dos costumes mais antigos dizem de que a pai dava um anel para ser colocado no dedo do filho como sinal de que ele pertencia a sua família. E neste anel haviam as inicias do nome do pai, do seu sobrenome e assim sucessivamente. Ao que tudo indica o jovem ou tinha perdido o primeiro anel, ou tinha vendido para comprar de comida. E ALPARCAS NOS PÉS. O jovem chegou tão maltrapilho de volta na casa do pai, que não tinha sequer um par de sandálias. Vinha andando na terra quente com os pés descalços. Como agora tinha uma nova caminhada a fazer, ganhou sandálias novas.

Lucas 15:21


Lucas 15:21 - E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e perante ti, e já não sou digno de ser chamado teu filho.
E O FILHO LHE DISSE. Este filho é o que pode ser chamado de ingrato por ter trocado seu pai por dinheiro. E a tipologia do jovem que não pensa nas consequências de uma vida descontrolada. É o modelo de pessoa que vive dissolutamente na devassidão e nos vícios. Que chegou ao fundo do poço como recompensa da sua rebelião. Mas que acordou para a realidade e que planejou dar a volta por cima. Disposto a recomeçar já estava nos braços daquele que só ele poderia lhe ajudar. O jovem agora tinha uma nova chance de dizer ao seu pai o quanto tinha errado. E que precisava do seu perdão para pelo menos ser acolhido como empregado. PAI. Este é o tipo do pai que pode ser chamado o melhor do mundo. Este pai é daquele tipo que trabalha muito e que dar duro na vida para proporcionar uma vida boa e de qualidade para os seus filhos. Quem sabe deixou de usufruir os frutos dos seus próprios labores pensando em juntar um tesouro para o futuro dos seus filhos. Não considerava o que possuía como seu próprio, mas o que tinha era dos seus filhos. Este era um pai generoso que de braços abertos acolhe de volta o filho perdido. E que está disposto a lhe dar de volta toda a dignidade que tinha antes. PEQUEI CONTRA O CÉU. Diante do seu pai o jovem confessa pessoalmente de que tinha pecado contra os céus, E isto significa dizer que tinha pecado contra Deus. O jovem reconhece de que tinha cometido falhas graves contra o seu criador. O Pai havia lhe favorecido tudo de bom que alguém poderia desejar na vida, e ele em uma sequencia de atitudes rebeldes, desobedecia aos princípios para os quais fora criado e estava na terra, reconhecia de que tinha errado o alvo da sua vida. PERANTE TI. Sabia também o jovem, que nada do que havia feito, ficara oculto do conhecimento de Deus. O senhor, além de ser Onisciente ele também é Onipresente. Deus tem conhecimento e sabedoria o suficiente para saber de antemão tudo o que acontece no mundo, e principalmente na vida do seu povo. Além disso, ele esta na sua grandiosidade em todos os lugares. E neste particular o jovem esta declarando que na tipologia bíblica o pai representa o Deus pai celeste. Em cuja presença vivemos. JÁ NÃO SOU DIGNO. Agora, não como antes, que foi apenas no pensamento, neste momento e pessoalmente o jovem dizia ao seu pai que não era digno de sua bondade nem de sua compaixão. Pelas suas ações que sucessivamente vinha praticando tinha perdido completamente a sua dignidade e não merecia nenhuma consideração ou respeito pelo seu pai. Tinha traído a confiança daquele que só lhe fez o bem, o trocando por dinheiro. Tinha abandonado a presença do seu pai em troca de uma vida dissoluta de rebeldia absoluta. Não era digno de mais nada. DE SER CHAMADO TEU FILHO. Reconhecia o jovem: Eu não sou digno de ser chamado teu filho. O Senhor tem toda razão de não me considerar mais como pertencente a sua família. Não sou digno de ter o seu bom sangue correndo em minhas veias. Se o Senhor me tratar como um estranho esta com toda a razão. Não sou digno de ter um pai tão generoso como o Senhor. Só peço que me trate como um dos seus servos.

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Lucas 15:20


Lucas 15:20 - E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, seu pai o avistou, e se moveu de íntima compaixão por ele e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou.
E LEVANTANDO-SE. Depois de cai em si. E ver que estava realmente no fundo do poço, aquele jovem começou a pensar na possibilidade de voltar aos braços do pai. Feito todo o planejamento de como seria o seu retorno, agora era a hora de agir. E a sua primeira atitude foi: Levantar-se. Isso significa dizer que ele efetivamente estava caído, quem sabe prostrado diante da mais difícil situação. Rendido diante dos desafios contrários que o mundo lhe proporcionou. Juntou as últimas forças que lhe restavam e se pôs de pé. Com toda disposição para ser quem era antes. FOI PARA SEU PAI. Certamente cambaleando e fraco, consegue dar o primeiro passo. Com a vista embasada pela fraqueza, mira rumo ao mesmo caminho que o trouxe ao precipício, mas que agora, o conduziria de volta a uma nova vida junto do pai. Reconhecendo cada curva da vereda que o levou a perdição e a ruína. Mas, com a esperança de que encontraria o abrigo que sua alma tanto precisava. Enumerava seus passos lentos em uma contagem regressiva, ansioso para que a jornada terminasse logo. Nunca em sua vida uma caminhada foi tão longa como aquela. E QUANDO AINDA ESTAVA LONGE. Muito distante ainda vinha o jovem, que só dava para ver um vulto, como que uma miragem. Mesmo assim dava para perceber que vinha alguém cambaleando, quem sabe com uma vara na mão, onde se escorava para não cair completamente no chão. Era a cena mais triste da sombra de um resto de ser humano, que lutava agonizando em busca de sobreviver. Certamente sua imagem mais se confundia com um cadáver, dada à magreza de sua estrutura física. SEU PAI O AVISTOU. Quando o jovem ainda vinha distante, o seu pai o avistou. Detectamos aqui de que aquele pai nunca tinha perdido a esperança do retorno de seu filho casula. Além do mais ele estava todos os dias esperando a sua volta. O grande desejo do seu coração era vê-lo novamente voltando para o seu aconchego. Seu amor era infinito e incondicional, não dependia das circunstâncias nem das consequências. Seu pai o viu de longe e reconheceu que era o seu filho mais moço. E SE MOVEU DE INTIMA COMPAIXÃO POR ELE. O amor e a misericórdia falaram mais alto do que a vingança e a raiva. Essas características de Deus são imutáveis. Faz parte de sua essência a compaixão grandiosa e a misericórdia ilimitada. Deus não leva em conta o tempo da ignorância, só espera de nós um ato de aproximação. E CORRENDO, LANÇOU-SE-LHE AO PESCOÇO. A saudade que estava do seu filho casula era tão grande, que não deu para esperar que ele desse mais alguns passos. O pai correu ao seu encontro e o abraçou de forma firme e perdoadora. Este é o abraço acolhedor, que alguém que esta passando por tempos difíceis na vida, tanto precisa. E O BEIJOU. O recomeço desta comunhão entre o pai e o filho dava sinais de que o tempo perdido precisava ser recuperado com carinho e atenção. Esse beijo era de bem vinda à casa do pai. Sem importar se o jovem estava sujo ou não, o pai o beijou.

Lucas 15:19


Lucas 15:19 - Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros.
JÁ NÃO SOU. O jovem tinha se transformado em nada. Não passava de uma sombra ambulante ocupando qualquer lugar na terra. O seu patrão não tinha nenhuma consideração por ele, ao ponto de lhe ofertar uma esmola de salário que não dava nem para comprar a própria comida, nem roupas e nem calçados. Quem passava por ele o ignorava pensando ser um zumbi. A sua imagem era o retrato da ignominia em pessoa. Perdeu completamente a identidade. A narrativa não fala sobre o seu nome própria, se tinha antes, já não o chamavam mais, porque foi substituído por qualificativos da pior espécie. Quem sabe agora o chamava de mendigo, esmoler, fantasma perambulante. E outros apelidos que não convém escrever. DIGNO. Perdeu absolutamente a dignidade, com isso deixou de ser considerado um cidadão que fazia partes dos cadastros públicos da sociedade. Se caísse duro e morresse ali naquela terra onde sobrevivia, seria consequentemente enterrado como indigente. Porque não tinha família, nem amigos e nem conhecidos. Sua reputação chegou ao pior nível de conceitos, e não encontrava quem lhe desse algum valor. Não podia contar mais com o respeito das pessoas nem muito menos com a consideração de quem quer que seja. Estava apagado e riscado das estatísticas e dos números dos seres humanos. E ninguém lhe dava nada. Chegou ao seu fim. DE SER CHAMADO. O jovem cogitava em seus pensamentos: Eu não sou digno de ser chamado. Se estendo as mãos, ninguém me dar um pingo de atenção. Se grito pedindo ajuda ninguém me ouve. Se bolo de fome pelo chão ninguém me ver. Quando eu tinha dinheiro, todos me convidavam para as festas, foi testemunha de muitos casamentos e participei de muitos batizados, era sempre chamado para todos os banquetes e tudo o mais. Não sou digno de ser chamado. O que fiz com meu pai foi a coisa mais horrível que se possa imaginar, dei mais valor as coisas matérias do que a sua própria pessoa, e tomei parte dos seus bens, antecipadamente. TEU FILHO. Imaginava o jovem: Quando eu chegar diante de meu pai eu vou lhe dizer: Eu não sou digno de ser chamado teu filho. O Senhor tem toda razão de não me considerar mais como pertencente a sua família. Não sou digno de ter o seu bom sangue correndo em minhas veias. Se o Senhor me tratar como um estranho esta com toda a razão. Não sou digno de ter um pai tão generoso como o Senhor. FAZE-ME COMO UM. Conversando consigo mesmo ele planejava no que ia falar para o seu pai, quando o encontrasse. Perdi tudo e não sou mais nada. Somente o Senhor pode me tornar alguma coisa. Qualquer coisa um pouquinho a mais do que nada para mim está bom demais. Porque me tornei pior do que nada. Pensava o jovem, te imploro que me tires desta posição de neutralidade como ser humano. Faze-me novamente sentir que ainda existo, mesmos sem ser digno de nada porque nada sou. DOS TEUS JORNALEIROS. E veio em sua lembrança de que seu pai tinha ao seu serviço muitos empregados. Com isso ele replicou em dizer ao seu pai: Eu desejo, apesar de não poder nem pedir, que me tornes como um dos teus empregados.

Lucas 15:18


Lucas 15:18 - Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti.
LEVANTAR-ME-EI. O próprio jovem reconheceu de que estava caído. Na verdade ele estava no mais profundo do poço, atirado no esgoto imundo da vida, na mais densa nuvem de escuridão tenebrosa. Escorregou no charco de lodo e foi caindo no lamaçal da ruína e da desgraça. Se vendo na pior de todas as situações, caindo em si, teve um pensamento positivo, apesar dos pesares. Levantar-me-ei, pensou consigo mesmo. Esta foi à luz que raiou em meio à densa escuridão. Foi um ponto de firmeza em meio ao lamaçal, dando lhe a possibilidade de se levantar. Estava vendo uma saída. E IREI. Tudo isso eram apenas luzes brilhando no pensamento do jovem. Mas, como dizem os sábios, antes de uma atitude importante, é bom que haja um planejamento, ainda que só no pensamento. O jovem não tinha mais nada a perder, e agora, estava sonhando em fazer o caminho de volta, em busca da única esperança que lhe restava. Ele pensa: irei. Com isso ele cogita consigo mesmo: Não posso continuar neste lugar, portanto, tenho que tomar uma atitude. O caminho que me fez despencar, vou trilhar de volta para chegar ao topo de onde não deveria ter saído. TER COM MEU PAI. A mente daquele jovem começava a ter lucidez, ao reconhecer de que havia a possibilidade de ser novamente acolhido pelo seu grande amigo de outrora que era o seu pai. No seu pensamento começa a passar uma fita como um filme onde ele com passos ainda que cansados, mas com resignação, caminhando em direção do seu pai, mesmo sem saber que reação poderia acontecer com o seu retorno diante do seu progenitor. E ele, ainda que apenas na mente, começa a visualizar o cominho de volta, aquele mesmo que o levou para longe do pai, seria a mesma trilha que o levaria de volta aos braços do pai. E DIR-LHEI, PAI. A sua confissão. É na realidade o reconhecimento do seu erro. Acordando daquele pesadelo o jovem estava sendo tocado com a sensibilidade da culpa em reconhecer que havia fracassado em seus projetos e desejos. E caindo em si. O jovem estava admitindo que precisava recomeçar. Sentia que na direção que seguia não dava mais para dar um único passo a frente. Tinha chegado ao seu limite máximo. Faz uma autoanálise e diz para si mesmo: Eu estou errado, eu falhei, eu fracassei. PEQUEI CONTRA O CEU. Neste encontro consigo mesmos, o jovem chega à conclusão de que tinha pecado contra os céus, E isto significa dizer que tinha pecado contra Deus. O jovem reconhece de que tinha cometido falhas graves contra o seu criador. O Pai havia lhe favorecido com tudo de bom que alguém poderia desejar na vida, e ele em uma sequencia de atitudes rebeldes, desobedecia aos princípios para os quais fora criado e estava na terra. E PERANTE TI. Sabia também o jovem, que nada do que havia feito, ficara oculto do conhecimento de Deus. O senhor, além de ser Onisciente ele também é Onipresente.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Lucas 15:17


Lucas 15:17 - E, tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome!
E TORNANDO EM SI. O Senhor Jesus ao narrar esta alegoria ou parábola nos faz entender, neste ponto descrito pelo Dr. Lucas, autor deste tratado, de que o jovem estava como que fora de si, desde o primeiro momento. É como se ele tivesse perdido a sua identidade. Aplicando uma pintada da hermenêutica teológica podemos acrescentar o adendo de que o jovem ao que tudo indica estava possuído por uma força superior a sua própria vontade, ao fazer tudo o que se pode caracterizar como alienação da sua própria consciência. Perdido completamente no linear do seu intelecto e dissociado absolutamente de sua vontade. Estava fora de si. Certamente a psicologia ou psiquiatria contemporânea lhe daria sem objeção nenhuma um atestado de deficiência mental grave. QUANTOS JORNALEIROS DE MEU PAI. Em meio aquela noite escura e tenebrosa surge uma faísca de luz que lhe permite aquecer a sua memória. E com este insignificante foco de claridade consegue fazer uma pálida comparação entre o seu estado de penúria e os ofegantes privilégios de que desfrutavam os empregos de seu pai. Ele estava com um serviço, mas tão mal remunerado, que não dava nem para comprar a própria comida, nem a roupas e nem o calçados. Enquanto que os trabalhadores de seu pai tinham comida em abundância e com fartura, além é claro do bom salário que o generoso fazendeiro (seu pai) ofertava. Começava então aquele jovem a ter consciência, que ao que nos parece, até então, estava como que adormecida. MEU PAI. Tantas coisas aconteceram até este ponto em que o jovem se lembra de que tem um pai. Quando ainda estava usufruindo do bem bom que o mundo tinha a oferecer, seu pai estava como que morto em sua mente. O que tinha valor para ele era os seus bens materiais, sua legião de supostos amigos e colegas, e a mulherada da vida que lhe proporcionavam prazeres e contentamentos. Todavia, agora que tinha caído no precipício da ruina e da pobreza estrema. Veio na sua memória de que tinha um pai. O ser humano é assim, só depois de chegar à pior situação de sua existência se lembra de pai a quem chama de Deus. TEM ABUNDÂNCIA DE PÃO. Feita uma breve reflexão sobre o estado deplorável em que se encontrava, com uma fome terrível, desejando se alimentar de lavagem de porcos, surgiram em sua memória às recordações dos tempos em que via com os seus próprios olhos os empregados do seu pai se banqueteando em mesas fartas e sobejando por ter comida em abundância. Certamente, seus pensamentos se digladiavam entre si o acusando de ter sido um tolo da pior espécie. E EU AQUI. Entre as vagueações de sua memória em retroceder no passado de apenas e tão somente lembranças e nada mais. Olha mais uma vez para si mesmo e cai na dura realidade de um destino cruel que o tinha empurrado no precipício da desgraça e da ruina. Não podia culpar a ninguém, senão a si mesmo por tal situação. PEREÇO DE FOME. A coisa mais básica para a sobrevivência de um ser humano é o alimento de cada dia. E quando este não esta disponível, pode-se dizer que é o fim.

Lucas 15:16


Lucas 15:16 - E desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada.
E DESEJAVA. Veja a que se resumiu todo o desejo deste jovem, a um simples anseio de apenas encher o estômago. Quando ainda estava junto ao seu querido pai, seus apetites alimentícios eram todos supridos. Todo tipo de iguarias que desejasse estavam ali expostas à mesa farta do pai. Certamente, enquanto junto do pai não sabia o que era sentir fome. Provavelmente também, enquanto tinha dinheiro, frequentou os melhores e caros restaurantes de sua cidade, experimentando os melhores cardápios da culinária gastronômica do lugar. Quem sabe por repetidas vezes experimentou a gula mergulhado na fartura que lhe era propícia. ENCHER O ESTÔMAGO. Mas agora, no momento de pobreza estrema e atravessando a miséria absoluta desejava apenas encher o estômago. A dor da fome lhe torturara como o maior inimigo da vida e lhe perseguia dia e noite sem nem um momento de trégua. Sem ter do que se alimentar, suas energias se esgotavam a cada dia, e sua carne definhava para dar lugar a magreza total. O pouco que conseguisse dormir tinha que se deparar com o pesadelo, que agonizava sua alma em sonhos terríveis dos pratos cheios que sempre teve em abundancia na casa do pai, mas que agora fazia tanta falta. O jovem estava aprendendo lições da forma mais dura possível. COM AS BOTOLAS. O jovem desejava encher seu estomago com as alfarrobas. Bolotas é o nome dado à vargem da alfarrobeira, em forma de um chifre. Esta planta era muito comum na palestina em que os criadores de porcos utilizavam para alimentar os seus animais. A vargem da alfarrobeira tem em seu interior uma forma de gelatina adocicada que era muito utilizada na dieta da criação de porcos, mas que nos tempos de seca era também usada em último caso como alimento pelos mais pobres da sociedade que não tinha outra opção, senão o alimento dos porcos. QUE OS PORCOS COMIAM. O jovem chegou a uma situação tal de dificuldade que desejava comer a mesma lavagem que os porcos comiam. A nossa versão portuguesa da bíblica coloca a palavra bolotas porque na realidade eram as alfarrobas colocadas de molho e em forma de lavagem eram dadas aos porcos. O jovem tomava conta dos porcos e consequentemente era quem lhes alimentavam com lavagem de alfarrobas. E com a fome apertando, desejava comer do mesmo alimento que os porcos comiam. A situação era tão extrema, que os porcos estavam passando mais bem do que ele em termos de alimentação. O ex-filho de fazendeiro, agora era mendigo. E NINGUÉM LHE DAVA NADA. Há tempo para todo propósito na vida de cada um de nós. Para este jovem da ilustração narrada por Cristo Jesus, dava-se a etapa da colheita das consequências, pela sua insensatez, em ter em um ato de rebeldia se afastado daquele que só lhe fez o bem sempre, o seu pai. Como se diz em um bem conhecido provérbio popular, quem planta vendo, termina por colher tempestade. Quem sabe fez muitas “amizades” e com seus bens sustentou muitos dos seus aparentes amigos de bebidas e comida, mas agora, ninguém lhe dava nada. Seu estômago lutava com suas próprias vísceras, que o dilacerava de dor, porem, não achava quem lhe ofertasse um prato de comida. Estava sem roupas e descalço.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Lucas 15:15


Lucas 15:15 - E foi, e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos, a apascentar porcos.
E FOI, E CHEGOU-SE. O jovem se encontrava na pior situação que alguém poderia chegar. No mais profundo do poço, sem luz nem saída para aquele abismo em que se encontrava. E ele teve que tomar uma atitude, porque sabia que do jeito que estava ia se acabar logo. E foi a procura de uma solução para o seu problema, foi em busca de arrumar um serviço e procurar um emprego. E chegou a uma fazenda a procura de um trabalho. Queria voltar e ter dignidade. Desejava com seus esforços voltar a ter uma vida normal como qualquer cidadão. A UM CIDADÃO. Na sua procura por um serviço encontrou um cidadão que de início pelo menos parou para lhe dar atenção. Certamente contou a sua história sobre os sofrimentos que vinha atravessando. E podemos conjecturar que tenha falado da sua vida anterior como filho de um fazendeiro. E aquele cidadão atendeu a sua petição, não sabemos se comovido com sua história ou por estar precisando mesmo de um empregado, o contratou para um serviço que a partir de então ele ia executar. DAQUELA TERRA. Esta mesma terra a que se refere o escritor diz respeito ao mesmo município ou estado. Era a mesma terra onde ele já tinha desfrutado de tantas festas, bebedeiras, farras e gastanças, vivendo dissulutamente. Era a mesma terra que tinha lhe tirado toda a sua riqueza e que tinha lhe jogado na lama e no esgoto. Era a terra dos seus sofrimentos, onde estava passando fome, sem roupas nem calçados com muitas necessidades. Levando uma vida miserável e pobre. O QUAL O MANDOU. O fazendeiro agora como seu patrão era quem mandava em sua vida, e já começou com ordens de que deveria fazer o serviço para o qual foi contratado. Porque o seu salário dependia de sua produção em executar aquilo que o chefe mandava. Quando ainda estava na casa do pai era patrão e mandava nos empregados de seu pai, o fazendeiro. Agora, estava como empregado sendo mandado por um estranho. Tudo isso por ter se afastado da presença do seu pai. PARA OS CAMPOS. Não sabemos em que tom de voz o seu patrão o ordenou que fosse para o seu posto de trabalho. O que sabemos é que nos tempos mais remotos da história da humanidade quase sempre os empregados eram tidos como escravos. E como escravos não eram bem tratados pelos seus patrões e muitas vezes donos. Porque os escravos ficavam como que propriedades dos que os contratavam. E foi o jovem para os campos. Quem sabe lembrando-se dos bons tempos em que viveu na fazendo do seu pai, não como empregado, mais como filho de fazendeiro. A APASCENTAR PORCOS. O seu patrão não usou nade de complacência com ele. Em vez de colocá-lo como um administrador ou quem sabe um vaqueiro. Não, mas deu-lhe a função de apascentador de porcos, um animal considerado imundo pelas sociedades antigas. Além de ser empregado e escravo também tinha a pior profissão.

Lucas 15:14


Lucas 15:14 - E, havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades.
E, HAVENDO ELE GASTADO TUDO. Gastou tudo. Quando ainda estava junto do pai era rico e tinha tudo o que desejasse nas mãos. O problema deste jovem foi somente porque se afastou do Pai. Se ele tivesse permanecido junto do pai nada do que ele passou tinha acontecido. O ser humano seja quem for tem a tendência a fazer o que lhe causa prazer e a viver sem limites. E ninguém pode viver sem limites, porque isso traz consequências desastrosas mais cedo ou mais tarde. COMO QUE ELE GASTOU TUDO? Era um jovem inexperiente, não pensava nas consequências de suas gastanças com as farras. Certamente se juntaram a ele muitos falsos amigos para o explorar. Gastando muito dinheiro com bebidas caras, como acontece nos dias de hoje, com as drogas que são caríssimas. E quando se cai na gandaia não deixa de aparecerem dezenas de mulheres prostitutas para se aproveitares da situação e arrancar muito dinheiro do jovem. O JOVEM GASTOU TUDO. Não foi somente o seu dinheiro. Além de estragar todo o patrimônio que herdou do seu pai, ele também gastou todas as suas energias, e com isso já não tinha mais saúde. Gastou tudo, inclusive a sua moral e a sua personalidade. Ficou pobre essa é a realidade. Com isto os que antes se pareciam amigos se afastaram todos. Ninguém mais lhe dava atenção nem o ajudava. Estava esgotado, sem forças e sem dinheiro. Gastou tudo o que tinha vivendo dissulutamente. HOUVE NAQUELA TERRA. Biblicamente falando a terra é sinônimo de mundo. Foi no mundo, longe do pai que ele entrou em decadência. O mundo foi a sua perdição e que o levou a destruição dos seus bens e valores. Foi no mundo que ele se encontrou no fundo do poço, ninguém queria o ajudar, estava longe daquele que sempre o ajudou, mas agora longe do pai, não achava quem o ajudasse. Até porque foi ele próprio quem procurou aquela situação se atirando no esgoto da devassidão. UMA GRANDE FOME. Entrou ele na classe dos pobres e começou então a surgirem às dificuldades. Teve a partir de então início a colheita dos frutos amargos da sua insensatez. E para completar, a própria natureza lhe dava sinais de que os tempos de vacas gordas haviam passado. Vem então, uma grande seca e com ela a fome. E COMEÇOU A PADECER. Quando se diz que gastou tudo. Não tinha mais casa, com isto estava morando na rua. Não tinha dinheiro para comprar roupas, estava passando frio. Os sapatos e as sandálias se gastaram e estava andando descalço. Não tinha comida e a fome era o que lhe restava para roer o estomago. NECESSIDADE. Esta palavra é sinônimo de pobreza estrema. Ela se encaixa quando o ser humano tem falta das coisas mínimas necessárias para sua sobrevivência. É quando ele depende da sorte e da boa vontade dos outros para sobreviver.

Lucas 15:13


Lucas 15:13 - E, poucos dias depois, o filho mais novo, ajuntando tudo, partiu para uma terra longínqua, e ali desperdiçou os seus bens, vivendo dissolutamente.
POUCOS DIAS DEPOIS. O filho casula pediu a sua parte da herança do pai que lhe cabia e que lhe era de direito. Feita a reivindicação o seu pai, que tanto trabalhou para juntar uma boa fortuna em bens, fazenda. O pai não pensou duas vezes nem fez abjeção alguma, de imediato cuidou em dividir as terras e certamente outros bens que tinha entre os dois filhos. O mais jovem como era imediatista e já tinha em mente o que fazer com a sua herança, não perdeu tempo em vender as terras e outros bens imóveis, como que de forma apressada, poucos dias depois já estava com suas posses em dinheiro, pronto para viajar. Parte dos esforços e trabalhos do pai, que durante anos juntou, em pouco tempo seria desperdiçado por aquele filho ingrato. O FILHO MAIS NOVO. Este era o filho casula, o mais jovem dentre os dois. O que representa a inexperiência, o que ainda não conhece a vida nem o que o mundo tem a oferecer. É aquele tipo de jovem que deseja conhecer novas aventuras e até certo ponto se arriscar em novas experiências. Na prática é aquele tipo de jovem que gasta tudo que tem sem pensar no dia de amanhã. É o mesmo que se gasta a si mesmo explorando os seus potenciais sem imaginar nas consequências que virão no futuro. Este jovem é a tipologia dos que se embrenham nos vícios, na bebedeira, nas farras e nas noitadas, gastando tudo que tem com as mulheres e com os prazeres da vida. PARTIU PARA UMA TERRA LONGÍNQUA. Ao que tudo indica, o que o mantinha perto do seu pai, não era o seu grande amor, os seus cuidados, seu afeto, sua dedicação nem tudo o mais que representa um bom e perfeito pai. O que o sustentava junto do pai eram os bens materiais. Tomando posse da sua herança, partiu e foi para longe do seu pai. Para ele quanto mais distante melhor do pai para que este não visse o que ele estava a fazer com o suo do seu progenitor. Foi para uma terra distante. Afastou-se muito daquele que sempre lhe ofereceu o melhor. Foi para longe daquele que só cuidou dele, lhe deu tanto amor, atenção, proteção e lhe abençoou. Não quis ficar perto de quem só lhe fez o bem. O seu pai só lhe proporcionou coisas boas. E ALI DESPERDIÇOU OS SEUS BENS. Foi para longe do Pai e encontrou o lugar ideal para desperdiçar todos os seus bens. Antes, tinha uma vida simples na zona rural, sendo sempre orientado e aconselhado por seu pai, no que devia fazer. Agora, distante do pai e sem o seu monitoramento, procurava viver como achava que devia viver. Certamente se encontrava em uma cidade grande, onde o custo de vida era muito caro, e as facilidades para se gastar dinheiro eram constantes. Consequentemente o seu modo de vida não lhe dava chance de sustentar o que tinha nem muito menos multiplicar os seus bens. E quando se tira sem colocar novamente a tendência é mais cedo ou mais tarde se acabar. VIVENDO DISSOLUTAMENTE. Neste ponto da ilustração apresentada pelo Senhor Jesus aprendemos o modo como o jovem gastou todos os seus bens. Vivendo dissolutamente. Pela interpretação da ótica religiosa podemos deduzir de que aquele jovem passou a ter uma vida de devassidão absoluta. Uma vida sem regras e sem limites para a imoralidade e para a pecaminosidade. Vivendo intensamente errado.

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Lucas 15:12


Lucas 15:12 - E o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me pertence. E o pai repartiu por eles a fazenda.
O MAIS MOÇO DELES. Este era o filho casula, o mais jovem dentre os dois. O que representa a inexperiência, o que ainda não conhece a vida nem o que o mundo tem a oferecer. É aquele tipo de jovem que deseja conhecer novas aventuras e até certo ponto se arriscar em novas experiências. Na prática é aquele tipo de jovem que gasta tudo que tem sem pensar no dia de amanhã. É o mesmo que se gasta a si mesmo explorando os seus potenciais sem imaginar nas consequências que virão no futuro. Este jovem é a tipologia dos que se embrenham nos vícios, na bebedeira, nas farras e nas noitadas, gastando tudo que tem com as mulheres e com os prazeres da vida. O PAI. Este pai é daquele tipo que trabalha muito e que dar duro na vida para proporcionar uma vida boa e de qualidade para os seus filhos. Quem sabe deixou de usufruir o fruto dos seus próprios labores pensando em juntar um tesouro para o futuro dos seus filhos. Não considerava o que possuía como seu próprio, mas o que tinha era dos seus filhos. Este pai era um homem trabalhador e diligente, ao ponto de ter uma fazenda, com muitos trabalhadores ao seu serviço. Usava sua inteligência para juntar bens e deixar uma boa herança para seus filhos. Este pai da ilustração de Cristo era um pai perfeito, um bom pai, generoso, compassivo, misericordioso, acolhedor, amoroso, perdoador e paciente em esperar o retorno do filho. DA-ME A PARTE DOS BENS. O filho mais jovem, que sempre esteve junto do pai, toma uma atitude radical. Decidiu antecipar a reivindicação de sua herança antes da morte do pai. O natural é que os bens do pai sejam repassados para os filhos depois da sua partida desta vida. Todavia, a ação da inexperiência falou mais alto nas entranhas daquele jovem, que inverteu as ordens das coisas, que sem pensar poderia ferir profundamente os sentimentos daquele pai tão amoroso. Para o jovem desta ilustração os bens materiais tinham mais valor do que o seu pai. QUE ME PERTENCE. O jovem numa atitude impensada cobrava do pai, ainda que antecipadamente, os seus direitos de herdeiro. Não que ele estivesse errado, porque conforme os costumes mais antigos os herdeiros poderiam reivindicar os seu direito de herança a qualquer tempo. Mas isto acontecia quantos o pai se legava a sustentar o filho, mesmo tendo boas posses materiais. E O PAI REPARTIU POR ELES. O pai em uma atitude de generosidade não fez nenhuma objeção à reivindicação do seu filho mais moço. E não somente deu a ele a sua parte, mas também repartiu com o primogênito aquilo que lhe era de direito. A FAZENDA. Ficamos sabendo neste ponto da ilustração de que os bens do pai era uma fazenda. Certamente com atividades próprias de um fazendeiro, como agricultura, criação de gado, e de outros animais e atividades da zona rural em geral.