Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Filemom 1:24-25

Filemom 1:24-25 - Marcos, Aristarco, Demas e Lucas, meus cooperadores. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com o vosso espírito. Amém.
MARCOS, ARISTARCOS. Continuam as saudações finais de Paulo e cita o nome de Marcos, que é o mesmo que João Marcos. Ele que no começo falhou com Paulo, mas que foi amadurecendo na fé, ao ponto de já por este tempo do ministério de Paulo ser chamado de cooperador do apóstolo. Ele se tornou um cooperador de confiança de Barnabé, o que o ajudou a se reaproximar de Paulo. Aristarco, que também é chamado de prisioneiro de Cristo juntamente com Paulo. Não se sabe se ele estava preso por conta do evangelho de Cristo ou de forma voluntária para ficar perto do apóstolo e poder ajuda-lo. Ele era de Tessalônica, mas que foi companheiro de viagem de Paulo a Roma, E que estivera em companhia do apóstolo em Éfeso.

DEMAS E LUCAS. Demas, é uma personagem da qual o evangelho fala pouco a seu respeito. Em 2 Timóteo 4:10 nos fala de sua retirada ou fuga da obra, isso se deveu não por se ter desviado do evangelho mais sim para cuidar dos seus próprios negócios. Porem, já nesta referencia a que estamos comentando aparece como um dos cooperadores de Paulo, ao que tudo indica retornou a realizar a obra do Senhor. Lucas, diz respeito ao médico amado, que se tornou um dos companheiros de viagem do apóstolo, e um dos maiores escritores do novo testamento, com sua obra Lucas-Atos. Conforme as tradições cristãs, ele deixou de exercer plenamente sua profissão de médico para se dedicar a obra do evangelho poderoso de Cristo Jesus.

MEUS COOPERADORES. Paulo assim classificava todos aqueles que de alguma forma ajudavam no seu ministério em prol do evangelho de Cristo. Como missionário ele fundou muitas igrejas no mundo gentílico. E onde fundava uma nova comunidade cristã, ele preparava obreiros locais para tomarem conta dos trabalhos, a quem chamava de cooperadores, e partia para outro campo missionário para pregar o evangelho onde Cristo ainda não era conhecido. No caso destes que foram citados anteriormente, além de cooperarem na obra do evangelho com Paulo, estes estavam agora, neste momento difícil da vida do apóstolo o ajudando em seu aprisionamento.

A GRAÇA DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO. Quando a saudação era dirigida a igreja composta de judeus e gentios, comumente a saudação era graça e paz. Neste caso a saudação foi dirigida a um cidadão gentio, portanto, a saudação para os gentios se usava em alguns casos apena a palavra graça, expressando o modo gracioso como Deus abril a porta da graça para aqueles que não tinham nenhuma aliança com o Deus de Israel. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo é citada porque Cristo veio para o que era seu e os seus não o recebeu, mas a todos quanto o receberam deu-lhes o poder de se fazerem filhos de Deus, aos que creem em seu nome, João 1:11-12.

SEJA COM O VOSSO ESPÍRITO. AMÉM. O apóstolo estava abençoando a Filemom com a graça de Cristo, não somente nas coisas materiais, mas no homem interior, no espírito. O seu desejo é que seu amigo Filemom fosse iluminado com esta graça ao ponto de compreender a plenitude da obra expiatória de Cristo Jesus em favor de todo o mundo. Essa graça de Cristo chegando ao espírito de Filemom, ele iria entender que recebeu o perdão de Cristo para também poder perdoar Onésimo.

Filemom 1:22-23

Filemom 1:22-23 - E juntamente prepara-me também pousada, porque espero que pelas vossas orações vos hei de ser concedido. Saúdam-te Epafras, meu companheiro de prisão por Cristo Jesus.
E JUNTAMENTE PREPARA-ME TAMBÉM POUSADA. Até então, Paulo vinha cuidando do assunto da ida de Onésimo e a sua chegada junto a Filemom. Sua maior preocupação era com o encontro entre o escravo fugitivo e o seu dono, no que poderia acontecer se Filemom resolvesse não perdoar os erros cometidos pelo seu escravo. Agora, o apóstolo também acena de sua possível ida posteriormente até onde Filemom estava. Certamente este aceno de Paulo, de que depois iria pessoalmente ao encontro de Filemom, funcionava como pressão psicológica para que Onésimo fosse bem recebido pelo seu patrão. É como se Paulo estivesse dizendo para Filemom: Estou enviando Onésimo com esta carta de recomendação e reconciliação, mas em breve eu estarei também ai para ver como foram resolvidas as coisas entre vocês.

PORQUE ESPERO QUE PELAS VOSSAS ORAÇÕES. A esperança de Paulo era de que mais uma vez o Senhor, como de outras vezes lhe concedesse a libertação da prisão para então voltar a fazer suas viagens missionárias. E já estava em seu pensamento e fazia parte dos seus planejamentos visitar Filemom, seu grande amigo. Por isso que apelava para a oração de Filemom e dos seus para que isso realmente se tornasse realidade. Como um homem de oração que era o apóstolo sabia de que pela oração dos justos Deus podia fazer até mesmo o impossível. Em suas cartas, Paulo sempre fala de suas orações contínuas em favor dos servos de Cristo, como também não cessa de pedir orações em seu favor para que Deus lhe conceda cumprir com tudo aquilo que sobre ele estava designado. A oração de um justo pode muito em seus efeitos.

VÓS EI DE SER CONCEDIDO. Paulo reconhece de que o momento era difícil para ele neste momento de seu aprisionamento. Ele era consciente de que poderia humanamente falando nem sair mais desta situação. Mas ao mesmo tempo tinha confiança de que pela oração dos seus amigos em seu favor Deus poderia reverter o quadro e lhe conceder o privilégio de ir visitar a Filemom e aqueles que com ele estavam. Somente um milagre da parte de Deus era que tornava possível a chegada de Paulo na presença de seu amigo Filemom. Muitos dos que poderiam defender o apóstolo perante as autoridades romanas já haviam se afastado dele com medo das reações contrárias e dos prejuízos sociais que poderiam advir disto.

SAÚDAM-TE EPAFRAS, MEU COMPANHEIRO DE PRISÃO. Segue-se o restante desta carta às saudações finais do apóstolo e dos que ainda restavam dos seus amigos com ele. Epafras quer dizer encantador. Ele era um dos auxiliares de Paulo nos cuidados das igrejas em Colossos, Hierápolis e Laudicéia. Esteve com Paulo na prisão para visita-lo, onde ficou voluntariamente como companheiro de prisão do apóstolo.

POR CRISTO JESUS. Não foi que Epafras tivesse cometido algum tipo de transgressão contra as leis romanas, mas, neste tempo, e pelas leis vigentes, alguém poderia se oferecer voluntariamente para ficar preso, com o objetivo de ajudar a outrem que estava sob os cuidados do Estado. Tudo isso estava fazendo Epafras por Paulo por amor a Cristo e o seu evangelho, porque era por esta causa que Paulo estava preso.

terça-feira, 27 de maio de 2014

Filemom 1:20-21

Filemom 1:20-21 - Sim, irmão, eu me regozijarei de ti no Senhor; recreia as minhas entranhas no Senhor. Escrevi-te confiado na tua obediência, sabendo que ainda farás mais do que digo.
SIM, IRMÃO, EU ME REGOZIJAREI DE TI NO SENHOR. Paulo vinha falando sobre o perdão da dívida de Onésimo para com Filemom, mas si isso não fosse possível, que se colocasse em sua conta. E ele começa este texto usando uma afirmativa, “sim” com a certeza de que seu amigo iria compreender sua proposta. Chama então Filemom de irmão porque o conhece e sabe de que ele era um convertido ao cristianismo e seguidor de Cristo Jesus. Com isso aponta para o sentimento familiar de Filemom lembrando-o de que agora, tanto ele quanto Onésimo e também o próprio Paulo, faziam parte da família divina. O escritor usa o verbo no futuro porque espera bons resultados ao saber que vai se alegrar em Cristo por ter Filemom perdoado a dívida de Onésimo, e por fim o liberar de volta para que esteja com ele para ajudá-lo na prisão.

RECREIA AS MINHAS ENTRANHAS NO SENHOR. Enviada a carta pelo próprio Onésimo, só restava esperar o desfecho do que poderia acontecer. Ficava então a expectativa da reação de Filemom com o retorno do seu antigo escravo fugitivo, com uma carta de recomendação impecável em termos de defesa. Há nesta frase aqui escrita pelo apóstolo um pedido indireto para que Filemom acatasse suas reivindicações em prol de Onésimo. Somente o bom resultado e o atendimento de suas solicitações poderia alegrar a alma do velho apóstolo. Paulo estava ansioso de que pudesse se alegrar em Cristo por saber que seu amigo e irmão Filemom recebeu bem a Onésimo, perdoou a sua dívida, e além do mais o enviou de volta para servir ao apóstolo neste momento difícil de sua vida e de seu ministério.

ESCREVI-TE CONFIANDO. Neste tempo de sua vida, Paulo já era bastante experiente nas coisas do reino de Deus e já havia passado por muitas coisas na vida, portanto, sabia do que estava escrevendo. Cada palavra do conteúdo de sua epístola endereçada ao seu amigo Filemom estava completamente carregada de certeza do que estava escrevendo. Suas convicções eram baseadas na confiança de que o espírito de Deus entraria em ação quando Filemom lesse sua correspondência, no sentido de tocar em sua sensibilidade, a fim de que tudo ocorresse conforme ele esperava. Por conhecer um pouco do seu amigo, tinha certeza de que seria atendido.

NA TUA OBEDIÊNCIA. Certamente Paulo tem um lampejo em seus pensamentos de que Filemom era um cristão verdadeiro, e como tal, ia receber Onésimo com sua carta de recomendação, como um homem de Deus, e não simplesmente como um homem rico, que estava decepcionado com seu escravo fugitivo e que só merecia o castigo ou a morte. Paulo esperava efetivamente que Filemom agisse conforme os padrões de um discípulo de Cristo, que tem como princípio o amor fraternal.

SABENDO QUE AINDA FARÁS MAIS DO QUE DIGO. As cogitações dos pensamentos do apóstolo eram de que Filemom além de atender suas reivindicações sobre Onésimo e a causa que o envolvia, iria ele reagir positivamente, além das expectativas do que estava exposto na carta. Certamente Onésimo estava com receio do seu encontro com Filemom, mas Paulo lhe garante que ele vai se surpreender com a boa receptividade.

Filemom 1:19

Filemom 1:19 - Eu, Paulo, de minha própria mão o escrevi; eu o pagarei, para te não dizer que ainda mesmo a ti próprio a mim te deves.
EU, PAULO. Quando o escritor usa o seu nome pessoal na primeira pessoa, ele deseja enfatizar o que realmente estava a dizer. O nome original do Apóstolo Paulo era Saulo; no judaico Saulo, em hebreu Shaul (Saul) e no grego Saulus. O Apóstolo Paulo nasceu entre os anos 5 e 10 d.C. na cidade de Tarso da Cilícia . Por isso era e é chamado Paulo ou Saulo de Tarso. Atos 9:11 - E disse-lhe o Senhor: Levanta-te, e vai à rua chamada Direita, e pergunta em casa de Judas por um homem de Tarso chamado Saulo; pois eis que ele está orando. Ele era da tribo de Benjamim e foi criado de conformidade com as tradições judaicas. Nesta epístola pastoral ele se apresenta como amigo de Filemom, a quem estava se dirigindo por meio desta epístola para interceder em benefício de Onésimo seu filho na fé, que era um ex-escravo de Filemom.

DE MINHA PRÓPRIA MÃO O ESCREVI. Geralmente Paulo usava um amanuense para escrever suas cartas e epístolas. Mas neste caso, ele de próprio punho estava conluiando esta epístola. Há quem diga que Onésimo não sabia escrever e apesar de Timóteo ser citado no início da carta, mas este tratado tinha que ter a assinatura da parte de quem se comprometia, no caso Paulo. Também temos aqui mais um argumento em favor da tese de que neste momento de aprisionamento quase todos os amigos de Paulo se afastaram dele, até para não correrem o mesmo risco de serem presos também. Além do mais esta era uma carta compromisso, em que Paulo se comprometia em arcar com os danos e com os prejuízos causados a Filemom pelo seu antigo escravo Onésimo. Portanto tinha que ter a assinatura de Paulo.

EU O PAGAREI. Mais uma vez Paulo se compromete em saldar a dívida feita por seu filho na fé Onésimo perante Filemom. Onésimo levava consigo este acordo por escrito pela própria mão de Paulo se comprometendo com Filemom em arcar com os prejuízos feitos em tempos passados com Filemom. Onésimo sabia quem era Filemom e conhecia bem o quanto ele era carrasco com os seus escravos, (mas isso antes dele se converter). O apóstolo não queria saber de quanto era à dívida, mas assinou uma promissora em branco, e enviou para Filemom dizendo: Coloque o valor da conta que meu Filho na fé, Onésimo te deve porque eu te pagarei. Era como se o apóstolo estivesse dando um cheque em branco pela dívida de Onésimo.

PARA TE NÃO DIZER QUE AINDA MESMO A TI PRÓPRIO. A maioria dos comentaristas bíblicos ver nesta expressão do apóstolo um certo tom de brincadeira da parte do apóstolo para com Filemom. Mas como o assunto dizia respeito a quantias em dinheiro, Paulo pede que Filemom faça primeiro uma avaliação do quanto é que vale ele próprio (Filemom). Era como Paulo estivesse perguntando a Filemom: Olha meu amigo, antes de você calcular a dívida que Onésimo te deve, você faça os cálculos de quanto é que vale primeiro você. Com o seu valor em mãos venha me cobrar à dívida.

A MIM TE DEVES. Não se sabe que tipo de favor Filemom devia ao apóstolo Paulo. Mas podemos conjecturar de que se devia ao fato de que ele havia se convertido por meio do trabalho missionário do apóstolo. Certamente o próprio Filemom já havia dito a Paulo que devia tudo a ele por fazer parte do reino de Deus. Isso não tem preço.

Filemom 1:17-18

Filemom 1:17-18 - Assim, pois, se me tens por companheiro, recebe-o como a mim mesmo. E, se te fez algum dano, ou te deve alguma coisa, põe isso à minha conta.
ASSIM, POIS, SE ME TENS POR COMPANHEIRO. Sem dúvida alguma que Paulo e Filemom eram amigos e companheiros ou sócios em uma mesma causa que era a causa do evangelho do reino de Cristo. O apóstolo usa uma palavra que descreve a sociedade em um negócio. Onde tanto Filemom quanto ele tinham os mesmos interesses no bem-estar do empreendimento. E como Paulo anteriormente chamara Onésimo de “meu filho” desejava que seu herdeiro espiritual participasse do negócio tal qual ele próprio. É como se Paulo dissesse para Filemom: Somos sócios neste negócio, como não posso ir pessoalmente estou enviando um meu representante, meu filho, para que possa participar contigo dos mesmos interesses.

RECEBE-O COMO A MIM MESMO. Paulo não queria que Onésimo se apresentasse ao seu antigo patrão como um escravo. O que o apóstolo desejava realmente era de que Onésimo chegasse diante de Filemom como seu representante. Isto porque conforme as leis romanas da época, Filemom tinha direitos sobre a vida de Onésimo para fazer dele o que bem quisesse. Poderia ferrá-lo, castiga-lo e até mata-lo se assim o desejasse. Como Paulo tinha um grande amor fraternal por Onésimo e precisava dele por demais, queria preservá-lo de qualquer prejuízo ou desgaste. De modo que, nesta carta de recomendação, o apóstolo envia Onésimo como seu legítimo representante. Era como se o próprio fosse no lugar de Onésimo.

E SE TE FEZ ALGUM DANO. Em muitos casos, na antiguidade onde era permitida a escravidão de seres humanos, havia rebelião por parte de um ou até mesmo por todo o grupo de escravos de uma determinada fazenda. E nestes casos, o escravo provocava um grande estrago na fazendo antes de fugir para que o seu dono diante dos prejuízos não pudesse ter condições de realizar a incursão em busca do escravo fugitivo. Não se sabe se este foi o caso de Onésimo para com Filemom, mas se fosse, o apóstolo estava assumindo a responsabilidade de arcar com os prejuízos. Fosse pouco ou muito os danos que porventura Onésimo tivesse causado, Paulo pagaria.

OU SE TE DEVE ALGUMA COISA. Neste tempo, o escravo era comprado por alguém e só tinha direito a comida pela recompensa do seu trabalha. Se o escravo quisesse qualquer coisa a mais, teria que pagar por isso ao seu dono. Se quisesse uma roupa melhor do que as roubas de trabalho, tinha que trabalhar mais do que o devido para pagar isso ao seu patrão. Se chegasse a ficar doente e precisasse de tratamento ou medicamentos tinha que trabalhar mais para pagar tal dívida ao seu patrão. E existiam também acordos entre o escravo e o seu dono na compra de sua carta de alforria, onde o escravo trabalhava durante muito tempo além da sua carga horária para ganhar a liberdade. Fosse qual fosse o caso de Onésimo, Paulo queria quitar a dívida.

POE ISSO À MINHA CONTA. Era uma grande responsabilidade que Paulo estava assumindo para com Filemom por apenas um escravo. O que o apóstolo estava autorizado é que a conta de Onésimo fosse zerada. Onésimo não devia mais nada a Filemom, tudo passaria para a conta de Paulo. Isso fala da importância que o ex-escravo tinha para o apóstolo. E expressa o valor que passar a ter alguém quando se converte ao reino de Deus. É uma mudança de status do nada para o tudo.

Filemom 1:16

Filemom 1:16 - Não já como servo, antes, mais do que servo, como irmão amado, particularmente de mim, e quanto mais de ti, assim na carne como no Senhor?
NÃO JÁ COMO SERVO. Existem comentaristas que defendem de que Paulo havia comprado à liberdade de Onésimo da prisão, e não de Filemom. Porque o escravo fugitivo que era preso pelo Estado e que o seu dono não requeria o direito de posse passava a pertencer ao Estado e podia ser vendido o seu direito de liberdade. De forma que Paulo enviou de volta Onésimo ao seu antigo patrão, não mais como escravo, mas como liberto, socialmente e principalmente pelo evangelho de Cristo. De maneira que o apóstolo recomenda que Onésimo fosse recebido por Filemom, não como um escravo que havia fugido para não cumprir com suas obrigações. Mas ele solicitava que seu amigo Filemom visse Onésimo de outra forma como cristão.

ANTES, MAIS DO QUE SERVO. Filemom devia esquecer tudo que houve de errado da parte de Onésimo para com ele. Veja que o escritor não coloca a palavra escravo mais sim servo, que era aquele estado em que o antigo escravo já tinha sua alforria em mãos, mas se dava tão bem com seu antigo dono, que desejava continuar morando e servindo ao seu antigo patrão. Como servo, ele tinha liberdade e ao mesmo tempo era visto como tendo valor perante o seu antigo dono, sua família e diante da sociedade. Na condição de servo, o antigo escravo passava a receber benefícios pelo fruto do seu trabalho. E muitos destes servos passavam a serem pessoas de total confiança dos seus antigos donos. Era assim que Paulo desejava que acontecesse com Onésimo.

COMO IRMÃO AMADO. Tanto Filemom, quanto Onésimo, agora eram servos do Senhor dos senhores. Ambos eram discípulos de Cristo e que se moviam em direção ao reino de Deus pela mesma fé. No reino de Deus somos todos irmãos porque temos um mesmo Pai, o Criador de todas as coisas. E somos todos irmãos de Cristo, o unigênito do Pai, de forma especial. Paulo solicitava que Filemom recebesse a Onésimo não como sendo o antigo escravo fugitivo que merecia ser castigado ou crucificado e morto. Mas como um irmão amado. Da mesma forma que Filemom amava ao apóstolo devia amar a Onésimo, como irmão na fé e no reino de Deus.

PARTICULARMENTE DE MIM, E QUANTO MAIS DE TI. Paulo demonstrou por meio dos seus escritos, ser um apóstolo devidamente amoroso para com todos os seguidores do reino de Cristo, Com os seus cooperadores e agora de forma especial ao seu filho na fé Onésimo que estava por demais lhe sendo útil. Não é de menos que ele dedicou uma de suas cartas pastorais para defender e recomendar a Onésimo para com Filemom seu antigo patrão. O apóstolo desejava ardentemente que Filemom dedicasse esse mesmo amor fraternal a Onésimo, sem ressentimentos amargos pelo que ocorrera em tempos passados, até porque Onésimo agora era servo de Cristo.

ASSIM NA CARNE COMO NO SENHOR. Fica subtendido neste parafraseado do apóstolo de que Filemom devia agora respeitar a Onésimo não somente como irmão na fé, mas também de forma social e humanitária. Não se sabe ao certo se Filemom tinha irmãos na carne, mas se tivesse, era para tratar com Onésimo da mesma forma que tratava com seus irmãos consanguíneos. Da mesma forma que ele tratava com os irmãos da igreja, também devia tratar com Onésimo, como irmão na fé.

Filemom 1:15

Filemom 1:15 - Porque bem pode ser que ele se tenha separado de ti por algum tempo, para que o retivesses para sempre.
PORQUE BEM PODE SER. Até então, Paulo vinha com pensamentos positivos e expondo seus fortes argumentos em favor de que Filemom, liberasse seu servo Onésimo para que assistisse a ele ali na prisão. Por várias vezes tentou tocar na sensibilidade de Filemom para que este se comovesse com sua situação e enviasse de volta seu antigo escravo para estar com Paulo em seu aprisionamento. Neste ponto o apóstolo se deixa levar por dúvidas de que Filemom poderia não liberar Onésimo para que voltasse para perto dele a fim de ser-lhe útil. Se aqueles que juravam sentimentos de amizade para com Paulo os abandonaram neste momento de prisão, um a mais ou a menos, era de se esperar que porventura acontecesse.

QUE ELE. Este “ele” a que se refere o apóstolo diz respeito a Onésimo. Onésimo significa “útil”, e na verdade ele passou a ser muito útil a Paulo em seus encarceramentos. Era um ex-escravo fugitivo de Filemom que poderia ser executado por ter fugido do seu antigo patrão, mas pela intercessão de Paulo em seu favor passou a ser importante para o apóstolo, tanto nas suas prisões, como no ministério. Onésimo é chamado por Paulo de meu filho, não porque fosse filho biológico do apóstolo, mas porque foi gerado na fé pelas pregações de Paulo quando de seu aprisionamento. Onésimo não vinha honrando o nome que tinha, “útil”, isso porque como escravo fugitivo não estava cumprindo com suas obrigações. Mas tendo se convertido, passou a honrar o nome que tinha, porque passou a ser útil para Paulo.

SE TENHA SEPARADO DE TI. Isto se deve ao fato de que Onésimo tinha fugido de Filemom. Não se sabe ao certo o motivo desta separação entre o escravo e seu patrão. A história dá conta de que os escravos não tinham uma vida nada fácil, e a maioria não tinham nenhum valor humano perante os seus patrões. Quando Onésimo fugiu de Filemom, certamente nenhum nem outro haviam se convertido ao cristianismo. Como Paulo tenta apaziguar antecipadamente os ânimos de Filemom isso pode comprovar que o motivo da fugida de Onésimo seja mesmo de sua parte. A epístola descreve como sendo ele antes inútil, talvez por não querer cumprir com os seus deveres.

POR ALGUM TEMPO. Não se sabe quanto tempo havia desde o momento em que Onésimo tinha fugido até agora. Era muito difícil a vida de um escravo para se manter como fugitivo, a não ser que alguém lhe oferecesse esconderijo. O próprio Estado, no caso o império romano, cuidava em prender e trazer de volta para seu patrão ou dono, os escravos que fossem encontrados como fugitivos. No entanto, o dono do escravo tinha que pagar as despesas que o Estado teve com o escravo fugitivo.

PARA QUE O RETIVESSE PARA SEMPRE. Nesta parte, Paulo se sente totalmente desanimado sobre seu apelo de que Filemom viesse realmente a liberar Onésimo para que este voltasse para estar com ele ali na prisão, o servindo e ajudando em seu ministério. O apóstolo se sente desmotivado de que sua solicitação fosse ter êxito.

Filemom 1:14

Filemom 1:14 - Mas nada quis fazer sem o teu parecer, para que o teu benefício não fosse como por força, mas, voluntário.
MAS NADA QUIS FAZER. Bem que Paulo poderia reter para si mesmo a Onésimo para o servir na prisão e nos serviços prestados ao apóstolo fora da prisão. E isso não traria nenhum impasse entre a amizade de Paulo e seu amigo Filemom. No texto anterior o apóstolo nos deixa transparecer que Filemom devia muito a Paulo o fato de ter sido alcançado pelo evangelho da esperança. Qualquer atitude da parte de Paulo seria bem aceita por Filemom, no entanto, como o apóstolo era muito experiente, achava por bem ter que combinar com Filemom, sobre o destino do seu antigo escravo, que agora era convertido e passou a servir a Paulo como seu auxiliar direto.

SEM O TEU PARECER. A forma como Paulo expôs a questão e os muitos argumentos convincentes apresentados por ele, se tornava quase que irrecusável sua proposta diante de Filemom. Todavia, para que não se corresse o risco de algum sentimento de amargura nascer no coração de Filemom, o apóstolo queria saber a opinião e o parecer de Filemom neste negócio. Conforme ficamos sabendo por meio da mensagem do evangelho e das tradições cristãs, Paulo se encontrava preso e seus antigos companheiros de ministério, haviam quase todos se afastado dele por conta de agora se encontrar como prisioneiro. De forma que Onésimo era a pessoa que mais vinha neste momento ajudando ao apóstolo. Ele era muito útil a Paulo neste momento.

PARA QUE O TEU BENEFÍCIO. Tudo nos faz crer que Paulo, como ministro do evangelho havia feito muita coisa por Filemom. Agora, quando o apóstolo estava precisando dele, esperava ser beneficiado diante de sua solicitação. No texto anterior, Paulo chegou a dizer que os serviços prestados por Onésimo a ele, eram como se o próprio Filemom, quem estivesse fazendo. O benefício a que Paulo se refere diz respeito à Filemom receber bem a Onésimo, mas o remeter de volta para servir ao apóstolo. Com isso da para se entender que Paulo estava se sentindo desamparado, e que rogava a Filemom, que o ajudasse por meio de Onésimo, permitindo que ele voltasse para o apóstolo para ficar lhe visitando e o ajudando em seu aprisionamento.

NÃO FOSSE COMO POR FORÇA. Paulo deixa transparecer ao seu amigo Filemom que não estar forçando a barra, apesar de poder fazer isso, como o grande apóstolo que era e a liderança a que se tornou. O apóstolo não estava cobrando o retorno da ajuda espiritual que prestou a Filemom quando ainda estava em Éfeso. Paulo não estava lançando em rosto o que fizera em benefício de Filemom. Ele só estava tentando demostrar o quanto estava precisando neste momento da sua ajuda e do seu benefício em autorizar que seu escravo agora passasse a lhe servir na prisão onde estava passando a pior prova do seu ministério.

MAS VOLUNTÁRIO. O que Paulo esperava era que de forma pacífica Filemom aceitasse sua proposta de liberar Onésimo para ser seu cooperador. Ele queria resolver esta questão com seu amigo Filemom em plena paz e santo gozo. A exposição feita pelo o apóstolo era para que Filemom resolvesse de forma voluntária enviar de volta seu escravo para ficar a disposição de Paulo. Certamente, Filemom tinha tantos outros servos para lhe servir, mas Onésimo seria muito útil a Paulo, o prisioneiro de Cristo.

Filemom 1:12-13

Filemom 1:12-13 - E tu torna a recebê-lo como às minhas entranhas. Eu bem o quisera conservar comigo, para que por ti me servisse nas prisões do evangelho.
E TU TORNA A RECEBÊ-LO. Não se sabe como Onésimo ganhou a liberdade da prisão, mas agora ele era liberto. E além de ficar ajudando a Paulo na prisão, ele passou a ser útil ao apóstolo para representá-lo aonde fosse enviado. Por isso que Paulo estava enviando Onésimo de volta a Colossos e ao seu antigo patrão, e agora, irmão Filemom. E o apelo do apóstolo ao seu amigo Filemom era de que recebesse de volta a Onésimo, mas não como dantes, porque dantes ele era um escravo, mas agora um irmão na fé, e uma pessoa que estava sendo muito útil a Paulo. Sem se importar o quando Onésimo deu trabalho e causou problemas ao seu antigo patrão, agora ele era servo de Cristo.

COMO ÀS MINHAS ENTRANHAS. Certamente Onésimo já havia relatado para Paulo os estragos que ele havia feito contra Filemom, com isso o apóstolo tem ciência das razões de Filemom, se não aceitasse de volta a Onésimo. De forma que o apóstolo usa do argumento mais forte possível para reverter o quadro em favor de Onésimo. Paulo estava dizendo para Filemom que Onésimo era seu filho na fé, e como tal era um pedaço dele que estava indo ao encontro de Filemom. Era como se o próprio Paulo fosse no lugar de Onésimo, e isso representa o quanto aquele servo estava sendo útil para o apóstolo na prisão. Paulo estava enviando a Filemom alguém muito precioso para ele, porque muitos haviam abandonado o apóstolo na prisão.

EU BEM O QUISERA CONSERVAR COMIGO. O desejo de Paulo, até pela necessidade que ele tinha da presença de Onésimo era de que ele continuasse servindo ao apóstolo neste momento tão difícil de seu ministério, quando se encontrava preso por defender o evangelho de Cristo, porque muitos que antes eram seus amigos, agora o haviam abandonado. Onésimo além de servir e auxiliar a Paulo ali na prisão, ele servia como informante das coisas que estavam acontecendo nas igrejas. Se desse errado o que Paulo estava esperando acontecer, e Filemom prendesse ou executasse a Onésimo, Paulo sofreria grande prejuízo, porque perderia um auxiliar, que lhe era muito útil.

PARA QUE POR TI ME SERVISSE. Neste ponto percebe-se o quanto havia de consideração por parte de Filemom ao apóstolo. Razão porque é sustentada a tese de que Filemom devia muito a Paulo o fato de ter sido alcançado com o evangelho libertador do Senhor Jesus. Era como se Filemom devesse servir a Paulo, mas como ele não podia fazer isso pessoalmente, Onésimo ocupava o seu lugar em servir ao apóstolo como se o próprio Filemom, estivesse no lugar de Onésimo.

NAS PRISÕES DO EVANGELHO. Além de detenções por curto período, fala-se sobre três encarceramentos mais logos do apóstolo por defender o evangelho glorioso do Senhor Jesus, em Cesaréia, em Éfeso e em Roma. Como neste caso deste encarceramento de Paulo muitos dos seus antigos “amigos” haviam se afastado dele por conta da prisão. Ele precisava muito de alguém para ajuda-lo e ser-lhe útil em cuidar dos negócios da igreja que estava fora, como informante dos acontecimentos.

Filemom 1:10-11

Filemom 1:10-11 - Peço-te por meu filho Onésimo, que gerei nas minhas prisões. O qual noutro tempo te foi inútil, mas agora a ti e a mim muito útil; eu tornei a enviar-te.
PEÇO-TE POR MEU FILHO ONÉSIMO. Paulo vinha preparando o terreno emocional em Filemom para fazer este pedido especial. Existem algumas traduções das escrituras que em vez de peço-te, é colocada a palavra rogo-te, para demonstrar a intensidade do apelo de Paulo em favor de Onésimo. Meu filho, certamente Onésimo foi alcançado pelo evangelho libertador do Senhor Jesus pelas pregações de Paulo. Não é que Onésimo fosse filho biológico do apóstolo, mas filho na fé. Onésimo significa “útil”, e na verdade ele passou a ser muito útil a Paulo em seus encarceramentos. Era um ex-escravo fugitivo de Filemom que poderia ser executado por ter fugido do seu antigo patrão, mas pela intercessão de Paulo em seu favor passou a ser importante para o apóstolo, tanto nas suas prisões, como no ministério.

QUE GEREI NAS MINHAS PRISÕES. Além de detenções por curto período, fala-se sobre três encarceramentos mais logos do apóstolo por defender o evangelho glorioso do Senhor Jesus, em Cesaréia, em Éfeso e em Roma. Não se sabe ao certo em qual destes foi que Paulo pregou o evangelho para Onésimo. É bem provável que este escrava estivesse preso por conta de ser um escravo fugitivo do seu antigo patrão Filemom, e como fugitivo, o Estado cuidou em detê-lo. É provável que Onésimo tenha ficado preso na mesma cela que Paulo ou na mesma carcerária ou prisão. Com isso, Paulo aproveitou o tempo que lhe era de sobra para falar do amor de Cristo, que é o libertador de todos os homens, até mesmo dos escravos humanos.

O QUAL NOUTRO TEMPO TE FOI INÚTIL. Conjectura-se que este escrava fugitivo tenha dado muito trabalho ao seu antigo patrão. Inútil, este escravo não procedia de conformidade com o nome que lhe deram, que era “útil”, ele envergonhava a se mesmo agindo contrário aquilo que fora vaticinado quando lhe deram o seu nome próprio. Inútil, também fala sobre o valor dos escravos naquela época, que humanamente falando neste mesmo tempo, não tinha nenhum valor como pessoa perante a sociedade nem diante dos seus donos. Há quem diga que Onésimo era realmente muito preguiçoso quando ainda vivia como escravo com Filemom, motivo pelo qual fugiu, para não cumprir suas obrigações nos afazeres determinados por ele.

MAS AGORA A TI E A MIM MUITO ÚTIL. Como um homem convertido pelo poder libertador do evangelho de Cristo, agora, Onésimo era um novo homem. Paulo dava testemunho da transformação pela qual passou este escravo, que agora era liberto pelo poder de Cristo. Como um homem de Deus ele passou a ser alguém que honrava o nome que tinha e o testemunho que passou a dar de um servo de Cristo. Paulo confia na mudança de Onésimo, ao ponto de por em cheque sua amizade com Filemom para defender seu filho na fé. Ele passou a ser útil por ter se convertido.

EU TORNEI A ENVIAR-TE. Não se sabe como Onésimo ganhou a liberdade da prisão, mas agora ele era liberto. E além de ficar ajudando a Paulo na prisão, ele passou a ser útil ao apóstolo para representá-lo aonde fosse enviado. Por isso que Paulo estava enviando Onésimo de volta a Colossos e ao seu antigo patrão, e agora, irmão Filemom.

Filemom 1:8-9

Filemom 1:8-9 - Por isso, ainda que tenha em Cristo grande confiança para te mandar o que te convém. Todavia peço-te antes por amor, sendo eu tal como sou, Paulo o velho, e também agora prisioneiro de Jesus Cristo.
POR ISSO, AINDA QUE TENHA EM CRISTO. A partir de então, Paulo começa a expor o motivo pelo qual enviou esta carta ao seu amigo Filemom. E ocupa o resto deste capítulo para interceder junto a Filemom, em favor de um escravo seu, que havia fugido, mas que foi alcançado com o evangelho pelo apóstolo na prisão. Este ex-escravo de Filemom era onésimo, a quem Paulo chama de meu filho, certamente filho na fé. Interpondo o apostolo o nome de Cristo neste negócio é porque o apelo de Paulo é ao irmão Filemom, servo de Cristo, e não simplesmente ao dono de escravos e homem rico que era Filemom. Tanto Onésimo como Filemom agora eram servos de Cristo e esta questão deveria ser resolvida como tal na paz de Cristo.

GRANDE CONFIANÇA PARA TE MANDAR O QUE CONVÉM. Paulo usa sua amizade junto ao seu amigo Filemom para conseguir o seu intento, que era conseguir o perdão de Filemom para Onésimo ser aceito novamente junto ao seu antigo patrão, agora como irmão e não como escravo. O apóstolo se declara confiante de que será atendido em sua reivindicação, por isso começa a afirmar o que estava a solicitar ao seu amigo Filemom. Para te mandar o que convém, com isso o apóstolo transforma seu apelo em conselho, no sentido de que o mais certo para Filemom seria retirar qualquer queixa contra Onésimo, fosse pessoal ou formal, ante as autoridades. Porque já nesta época existiam as penalidades contra os escravos que fugissem do seu patrão.

TODAVIA PEÇO-TE ANTES POR AMOR. Sabendo de antemão do quanto Filemom era amoroso para com o Senhor Jesus, para com os irmãos e para com ele, Paulo, então, o apóstolo usa esta virtude de seu amigo para conseguir o seu intento. A religião de Cristo é fundamentalmente nesta palavra, “amor”. Marcos 12:30-31 - Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes. Baseado neste amor cristão é que Filemom deveria acolher a Onésimo, sem raiva nem ira, mas com perdão e amor fraternal.

SENDO EU COMO SOU, PAULO O VELHO. Paulo fala sobre sua condição atual, porque mais na frente ele vai solicitar a Filemom que além de receber a Onésimo, o mande de volta para lhe servir como ajudante em sua prisão. Paulo o velho. Há alguns pensamentos sobre essa declaração de Paulo. Uns falam sobre que Paulo estava dizendo que era ancião, que nesta época era presbítero ou embaixador do evangelho, no entanto, não cabe dentro do seu apelo humilde o uso de sua autoridade eclesiástica. A realidade é que ele já estava em idade avançada, com seus quase sessenta anos, que nesta época era muita idade, para quem tanto sofreu.

E TAMBÉM AGORA PRISIONEIRO EM JESUS CRISTO. Além de já estar um tanto velho, Paulo estava como prisioneiro do império romano. Como todos sabem, por diversas vezes o apóstolo foi preso por ser um pregador do evangelho de Cristo Jesus. Na prisão, Paulo precisava de alguém para ajudá-lo a cuidar do que ele não podia fazer.

Filemom 1:6-7

Filemom 1:6-7 - Para que a comunicação da tua fé seja eficaz no conhecimento de todo o bem que em vós há por Cristo Jesus. Tive grande gozo e consolação do teu amor, porque por ti, ó irmão, as entranhas dos santos foram recreadas.
PARA QUE A COMUNICAÇÃO DA TUA FÉ. Filemom era um homem de fé. E esta sua fé servia de exemplo para Paulo e também para todos aqueles que conheciam a este homem de Deus. Quando Paulo fala na comunicação da tua fé, ele está dizendo que Filemom tinha uma fé tal no Senhor Jesus que isso se espalhava em todas as igrejas. Tem pessoas que para receberem alguma coisa espiritual se acosta na fé de outrem, mas Filemom tinha a sua fé pessoal no Senhor Jesus. A fé é o firme fundamento das coisas que não se veem, e a prova das coisas que se esperam (Hebreus 11:1). As escrituras falam sobre a fé como um dom de Deus, também fala sobre a fé adquirida, como também existe a fé natural. No caso em foco, Filemom tinha a fé adquirida.

SEJA EFICAZ NO CONHECIMENTO DE TODO O BEM. Esta fé posta em prática na vida de uma pessoa de Deus, o induz a buscar conhecer mais e mais as bênçãos provenientes da parte do Senhor Jesus Cristo. Quem exerce sua fé plenamente no poder eficaz do Senhor Jesus, tem a sua disposição a realização de coisas impossíveis e sobrenaturais. Existe a fé como dom, que é dado por Deus para a salvação (Efésios 2:8). Existe a fé natural que todo pessoa tem um pouco dela. Mas existe a fé adquirida em potencial, que resulta em milagres prodígios e sinais na vida de quem a possui. Esta fé pessoal varia de pessoa para pessoa em quantidade e qualidade. Esta fé em forma de confiança plena na vida de Filemom o enchia de esperança absoluta.

QUE HÁ EM CRISTO JESUS. Todo o bem que há em Cristo Jesus. Não somente em termos de bênçãos para esta vida presente, mas principalmente de bênçãos espirituais para a eternidade. O Messias de Deus veio com a missão de remover toda maldição dos remidos e proporcionar bênçãos sem medida na vida de todos aqueles que exercem fé no seu poderoso nome. O resultado da eficaz missão salvífica do Filho de Deus foi para produzir salvação e vida eterna para todos aqueles que nascem de novo pelo Espírito de Deus. Mas para que isso fosse possível foi necessário que o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, fosse crucificado em nosso lugar.

TIVE GRANDE GOZO E CONSOLAÇÃO DO TEU AMOR. Neste ponto não se sabe a que ocasião se refere o apóstolo, provavelmente ele trata das boas notícias sobre Filemom que lhe haviam chegado. Neste caso, Paulo se sentiu muito feliz ao saber do amor que Filemom tinha para com Cristo e também para com a igreja do Senhor Jesus. O apóstolo era por demais amoroso para com os cristãos, e se sentia confortado ao saber que o seu exemplo estava sendo copiado por Filemom. Podemos afirmar que este amor de Filemom tinha três vertentes, uma em direção a Cristo, outra em direção à igreja do Senhor Jesus em Colossos e outra em direção a Paulo.

PORQUE POR TI, Ó IRMÃO, AS ENTRANHAS DOS SANTOS FORAM RECREADAS. Por causa do que Felemom fazia pela igreja de Cristo em Colossos servia de felicidade e bem-estar para todos os cristãos daquela cidade. Há quem diga que Filemom era um homem rico e influente em Colossos e ele usava sua influencia para benefício da igreja do Senhor Jesus, defendendo a igreja de Cristo, diante das autoridades.

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Filemom 1:4-5

Filemom 1:4-5 - Graças dou ao meu Deus, lembrando-me sempre de ti nas minhas orações. Ouvindo do teu amor e da fé que tens para com o Senhor Jesus Cristo, e para com todos os santos.
GRAÇAS DOU AO MEU DEUS. O apóstolo rende ações de graças por ter Filemom como seu cooperador e por saber de sua dedicação para com o Senhor Jesus e para com a sua igreja na cidade de Colossos. Como Paulo tinha uma fé monoteísta e não politeísta, ele dirige suas ações de graças ao Deus único e verdadeiro, por saber que dele é que procedem todas as coisas boas que lhe aconteciam. Sempre foi costume dos cristãos verdadeiros renderem suas ações de graças ao Deus da misericórdia, isso porque quem serve ao Criador de todas as coisas, tem a certeza de que o Senhor trabalha em prol daqueles que nele esperam. Ao que tudo indica, Filemom foi consagrado ao ministério pelo apóstolo, e tendo conhecimento do seu desempenho pelo evangelho de Cristo em Colossos, se sente satisfeito e feliz com o seu cooperador.

LEMBRANDO-ME SEMPRE DE TI, NAS MINHAS ORAÇÕES. Neste particular, o apóstolo era amoroso e cuidadoso para com os seus cooperadores consagrados por ele. Até porque o apóstolo tinha um zelo especial pela igreja do Senhor Jesus, principalmente aquelas que foram por ele fundadas, diretas ou indiretamente. De forma que ele se preocupava com o bem-estar da igreja e dos líderes que eram encarregados de administrarem as comunidades cristãs. Razão porque ele não se esquecia de fazer suas orações de forma permanente pelos obreiros para que eles recebessem a proteção divina e para que desempenhassem suas funções ministeriais da melhor forma possível. Paulo sabia que as mesmas coisas que ele já havia passado por conta de defender e pregar o evangelho de Cristo, Filemom também estava sujeito a passar.

OUVINDO DO TEU AMOR E DA FÉ QUE TENS. O apóstolo e missionário Paulo tinha por costume acompanhar as notícias sobre as igrejas por ele fundadas e supervisionadas. Mesmo em viagens para pregar o evangelho onde Cristo ainda não era conhecido ou visitando as igrejas já existentes, ele se preocupara em saber o estado de cada uma das igrejas e de seus líderes. Certamente ele estava bem informado de como Filemom estava desempenhando suas atividades na igreja de Colossos. E destaca duas características desde líder cristão: O seu amor e a sua fé depositada no Senhor Jesus Cristo. Características estas indispensáveis na vida de todos aqueles que fazem a obra do reino de Deus e de Cristo Jesus, o Rei da glória.

PARA COM O SENHOR JESUS CRISTO. A fé e o amor de Filemom estavam primeiros depositados no Senhor Jesus Cristo e depois o seu amor distribuído para com a igreja do Senhor Jesus Cristo. Em toda a extensão do novo testamente se verifica o Senhorio de Cristo Jesus. E mais especificamente em (Filipenses 2:9-11). Jesus é o nome próprio do filho de Deus, que ficou sendo conhecido como Jesus de Nazaré. Cristo fala sobre a missão do Messias e quer dizer: o enviado e ungido de Deus Pai.

E PARA COM TODOS OS SANTOS. Nesta parte é o amor de Filemom que estava derramado abundantemente sobre todos os que faziam parte da igreja de Cristo em Colossos. A palavra “santos” neste texto fala dos cristãos vivos e não de mortos canonizados. Filemom fazia a obra de Deus com empenho e amor à igreja de Cristo.

Filemom 1:2-3

Filemom 1:2-3 - E à nossa amada Áfia, e a Arquipo, nosso camarada, e à igreja que está em tua casa. Graça a vós e paz da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.
E A NOSSA AMADA ÁFIA. Há quem diga que Áfia seria a esposa de Filemom, mas a maioria dos comentaristas concordam de que ele era mesmo a esposa de Arquipo. E conforme as tradições cristãs mais antigas era na sua casa onde se reunia a igreja de Colossos. De acordo com o judaísmo, havia uma certa dose de descriminação no tocante as mulheres, principalmente no que diz respeito a religião. Já no cristianismo este preconceito foi removido, por isso que no novo testamento se ver várias mulheres sendo destacadas como lideranças no meio cristão. Áfia era uma delas, que foi classificada pelo grande apóstolo Paulo como amada, certamente pelo apoio que ela dava a igreja cristã em Colossos. Tem versão que substitui a palavra amada por irmã.

E A ARQUIPO, NOSSO CAMARADA. Provavelmente o esposo de Áfia, eles que tinham uma grande importância para a igreja de Colossos. Alguém pergunta: Porque não colocou o nome de arquipo, antes do nome de Áfia? A resposta mais provável é que ela seria mais dedicada do que ele a causa da igreja de Cristo naquela cidade. Especula-se que Arquipo era de Laudicéia e não de Colossos, seja de onde for, o certo é que ele tinha muita influencia onde morava, uma vez que protegia os cristãos dos ataques das autoridades romanas, permitindo que a igreja se reunisse em sua casa. Há quem diga que ele era um homem rico e influente, por isso que usava dos seus prestígios junto às autoridades para que os cristãos buscassem a Cristo em sua casa.

E À IGREJA QUE ESTÁ EM SUA CASA. Até os começos do terceiro século de nossa era cristã, não era permitido pelo império romano à construção de templos dedicados ao cristianismo. Isso porque nem os Judeus, nem os romanos, aceitaram ser Jesus de Nazaré o Messias prometido por Deus nas sagradas escrituras. Com isso condenaram e mataram o Cristo de Deus e depois disto passaram a perseguir a todos aqueles que confessavam a Cristo como seu salvador. Como o cristianismo não foi reconhecido pelo império romano, os cristãos para se reunirem faziam isso nas residências dos mais influentes da sociedade. Era uma forma de amenizarem as perseguições contra a igreja, uma vez que as autoridades romanas ficavam temerosas de atacar tais casas.

GRAÇA A VÓS E PAZ DA PARTE DE DEUS NOSSO PAI. Graça, essa palavra foi incrementada na saudação da igreja primitiva para expressar o favor não merecido que os gentios passaram a desfrutar com a implantação da nova aliança de Deus com a humanidade mediante a obra salvífica realizada pelo Senhor Jesus. Paz, essa palavra já fazia parte da saudação judaica dos filhos de Israel, mas que também representa para a igreja a reconciliação entre o Criador e as suas criaturas. O sacrifício expiatório do cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo foi justamente para estabelecer esta paz entre Deus e a humanidade e porque não dizer com o cosmo inteiro?

E DO SENHOR JESUS CRISTO. Em toda a extensão do Novo Testamento se verifica o Senhorio de Cristo Jesus. E mais especificamente em (Filipenses 2:9-11). Jesus é o nome próprio do filho de Deus, que ficou sendo conhecido como Jesus de Nazaré. Cristo fala sobre a missão do Messias e quer dizer: o enviado e ungido de Deus Pai.

Filemom 1:1

Filemom 1:1 - Paulo, prisioneiro de Jesus Cristo, e o irmão Timóteo, ao amado Filemom, nosso cooperador.
PAULO. O significado do seu nome é: Pequeno. Paulo é o nome romano de Saulo de Tarso, que pela primeira vez se lê em (Atos 13.9), quando ele resistiu a Elimas, o feiticeiro, principiando nessa ocasião o seu trabalho gentílico na corte de Sérgio Paulo. Pode presumir-se que ele já era assim chamado nas suas relações com os gentios. Mas depois deste incidente é sempre esse nome que o apóstolo tem nos Atos e nas suas epístolas. Ele nasceu em Tarso, na Cilícia (Atos 9.11 - 21.39 - 22.3). Foi o maior missionário da igreja primitiva, ocupando significativo espaço no livro de Atos. Também foi um dos mais importantes fundadores de igrejas no mundo gentílico, por isso que a tradição cristã o classifica de apóstolo de Jesus Cristo aos gentios.

PRISIONEIRO DE JESUS CRISTO. Antes de ter um encontro pessoal com o Jesus ressurreto ele era zeloso pelo judaísmo, mas tendo se convertido ao cristianismo passou a viver completamente em torno de sua missão em levar o evangelho de Cristo aos gentios. Metaforicamente falando pode-se dizer que ele era um prisioneiro de Cristo, porque não fazia mais o seu próprio querer, no entanto se dedicava inteiramente ao serviço de Cristo e do seu reino, por isso que ele diz que era servo de Jesus Cristo. E literalmente falando podemos assegurar de que ele já havia passado por vários aprisionamentos por conta de anunciar as boas novas do evangelho de Cristo, e no momento estava preso em Roma de onde escreveu esta epístola pastoral.

E O IRMÃO TIMÓTEO. Timóteo era filho de mãe judia, porem, de pai gentio. Vinha sendo instruído nas sagradas escrituras dos Judeus desde muito jovem, pela sua mãe Eunice e a sua avó Loide, mas nunca se tornou em um convertido ao judaísmo, razão porque ainda era incircunciso quando foi encontrado por Paulo. Ele era nativo de Lista e não de Derbe, como alguns costumam afirmarem. Ao se tornar um pouco mais maduro foi consagrado ao ministério por se notabilizar como pregador do evangelho. Além de ter o dom profético, ao que tudo indica se tornou uma das principais lideranças em Éfeso. Paulo cita o nome de Timóteo neste começo de seu escrito porque em algumas de suas cartas o apóstolo usa seu filho na fé como amanuense de seus escritos, ou seja, Paulo falava e Timóteo escrevia o que ele ia citando.

AO AMADO FILEMOM. Primeiro Paulo o chama de amado, porque assim o era pelo apóstolo. Há quem diga que ele era mais um dos filhos na fé do apóstolo dos gentios, e Paulo tinha uma amizade real com este seu amigo e cooperador. Filemom se tornou a principal liderança da igreja de Colossos, certamente consagrado por Paulo para o ministério, provavelmente esta consagração deva se ter dado em Éfeso, onde Paulo passou cerca de três anos, porque Éfeso era uma das principais cidades da Ásia Menor.

NOSSO COOPERADOR. Essa palavra “cooperador” no Novo Testamento é comumente usada por Paulo para descrever aqueles que eram de seu círculo de confiança. E diz respeito aqueles que ajudavam a Paulo em seu ministério, como lideranças das igrejas por ele fundadas, e ou como acompanhantes em suas viagens missionárias.