Pesquisar este blog

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Judas 1:8

Judas 1:8 - E, contudo, também estes, semelhantemente adormecidos, contaminam a sua carne, e rejeitam a dominação, e vituperam as dignidades.
E CONTUDO, TAMBÉM ESTES. O autor está se referindo aos defensores do judaísmo que a todo custo procuravam se infiltrar no seio da igreja cristã com suas heresias, tentando transtornar o evangelho de Cristo na mente dos convertidos ao cristianismo. Como também e principalmente os falsos mestres gnósticos que tinham como meta tentarem barrar o crescimento da igreja de Deus com suas intermináveis regras ascéticas, defendendo, de que os dogmas das religiões naturais são mais válidos do que aquilo que ensinam as boas novas do evangelho de Cristo Jesus. Estes não eram diferentes dos moradores de Sodoma, Gomorra, Admá, Zeboim e Zoar, que viviam sem regras, voltados inteiramente para os prazeres da carne e o homossexualismo.

SEMELHANTEMENTE ADORMECIDOS. Esta expressão bíblica diz respeito ao adormecimento da consciência. A rebelião contra os princípios defendidos por Deus e a sua palavra e contra os princípios morais da sociedade se dar pela inversão de valores, onde os alienados da verdade se firmam na tese de que não devem satisfação a ninguém pelos seus atos, mesmo que sejam reprovados pelos bons costumes da malha moral da sociedade e pelos mandamentos do Criador. Se o juiz da consciência humana estiver morto dentro de cada indivíduo a tendência é de que a sociedade vire um caos, até porque todos precisam ter consciência do que é certo e errado, e perder a noção deste mecanismo é se tornar irracional de forma absoluta.

CONTAMINAM A SUA CARNE. No caso de Sodoma e Gomorra e as demais cidades que foram destruídas pelo castigo divino, essa contaminação da carne se deu pela prática dos pecados mais abomináveis que se possa imaginar. As sagradas escrituras combatem contra o homossexualismo, o lesbianismo, a prostituição, o adultério, a fornicação, a prevaricação e todos os tipos de pecados sexuais que se possa nomear. Os prazeres carnais sem a permissão de Deus e fora dos padrões estabelecidos pela bíblia mancha à alma e contamina o corpo do ser humano, como algo que é vil.

E REJEITAM A DOMINAÇÃO. Esta frase nos faz pensar sobre alguns aspectos do ponto de vista do relato que envolveram aquelas cidades depravadas. A rejeição do domínio próprio representa um dos mais maléficos atos que o ser humano pode praticar, porque é na realidade a perda dos limites. Os moradores daquelas cidades rebeldes também rejeitaram os mensageiros de Deus que foram enviados pelo Senhor.

E VITUPERAM AS DIGNIDADES. Isso se refere à forma como os moradores daquelas cidades prostitutas trataram os anjos de Deus. A narrativa nos faz compreender de que eles desejavam manter relações sexuais com os anjos do Senhor, é tanto que Ló lhes ofereceu suas duas filhas virgens em lugar dos anjos. Não conseguindo seus intentos, procuraram destruir os agentes de Deus juntamente com Ló e sua família. Isso foi um total desrespeito aos mensageiros de Deus e porque não dizer ao Senhor?

Judas 1:7

Judas 1:7 - Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.
ASSIM COMO SODOMA. Continuam as reprimendas do autor aos falsos mestres judaizantes e gnósticos, mostrando de que assim como Sodoma e Gomorra, eles não ficarão impunes pelos seus pecados mais pervertidos. Sodoma, O significado do nome Sodoma é incerto, mas provavelmente deriva do Vale de Stdim, que em hitita quer dizer sal. O nome fala das planícies de sal e das covas de betume de um vale que ficava próximo ao mar Morto, onde se situava Sodoma. Uma das cinco cidades do vale de Sidim, destruída por causa de sua pecaminosidade (Gênesis 13:10; e 14; 18:16-33; 19:1-9). O local é mencionado mais de 50 vezes na Bíblia, na maioria dos quais relacionados à incomum natureza pecaminosa pela qual foi punida.

E GOMORRA. A palavra hebraica para Gomorra parece significar submersão, porque ela foi destruída pelo fogo. Gomorra foi uma das cidades da planície que foi destruída juntamente com Sodoma por conta de suas perversões sexuais, contrário à natureza, e pode-se ver isso em (Gênesis 10:19; 13:10; 19:24,28). Esta cidade se tornou um proverbio de práticas da iniquidade na sua mais alta escala de degradação, como também tipifica a destruição pelos atos sexuais mais promíscuos. Os escritures do novo testamento se referem a esta cidade como sendo um exemplo prático do derramamento da ira de Deus, sobre aqueles que são pervertidos.

E AS CIDADES CIRCUNVIZINHAS. Haviam cinco cidades no Vale de Sidim e são elas: Sodoma, Gomorra, Admá, Zeboim e Zoar. As quatro primeiras foram destruídas pela ira de Deus em recompensa pela iniquidade que prevalecia naqueles lugares, mas a ultima, Zoar foi poupada, (Deuteronômio 29:23 e Oséias 11:8). Alguns falam em uma erupção vulcânica naqueles lugares como castigo divino pela prática da iniquidade desenfreada e outros defendem de que houve uma explosão atômica. Da mesma forma Deus julgará os homens ímpios nos fins dos tempos da grande tribulação.

QUE, HAVENDO-SE ENTREGUE À FORNICAÇÃO COMO AQUELAS. O autor escreve sobre a fornicação representando todas as formas de pecados sexuais impuros e contrários a natureza, incluindo prostituição, prevaricação, adultério, fornicação, homossexualismo, lesbianismo, concupiscências, malícias, cobiça e todas as formas mais promíscuas de sexualidade e carnalidade. Não se pode ir contra as leis naturais e nem morais de Deus, nem muito menos contra os bons costumes da malha moral da sociedade, porque as consequências pela rebelião contra Deus é a destruição.

E INDO APÓS OUTRA CARNE FORAM POSTAS POR EXEMPLO, SOFRENDO A PENA DO FOGO ETERNO. Pelas sagradas escrituras, desde o princípio, que o Criador estabeleceu regras para o normal relacionamento entre um homem e uma mulher. Mas, nestas cidades, os seus moradores se entregaram ao homossexualismo, homem com homem e mulher com mulher, como se fosse uma coisa normal. Deus não aprova tal coisa.

Judas 1:6

Judas 1:6 - E aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, reservou na escuridão e em prisões eternas até ao juízo daquele grande dia.
E AOS ANJOS. Os anjos são seres espirituais que estão a serviço do reino de Deus ou do império das trevas e do mau. Neste caso, o autor se refere aos anjos das trevas e que semeia o mau em todo o mundo. Tanto os seres de luz quanto os que pertencem as trevas e ao mau, são anjos. Estes anjos tem uma potestade que lhes regem para o que é maléfico e ruim, que é chamado de diabo, satanás ou Lúcifer. E ao serviço deste principado das trevas estão os demônios, que são em grande quantidade e que estão espalhados por todas as partes, principalmente sobre a terra prejudicando os homens.

QUE NÃO GUARDARAM O SEU PRINCIPADO. Quem conhece as sagradas escritoras sabem de que tanto satanás, quantos os demônios na eternidade passada eram anjos que estavam na presença de Deus e que estavam ao seu serviço. Mas por conta da rebelião do diabo contra Deus e o seu reino, foram precipitados nas trevas e foram expulsos da presença do Criador. Lúcifer era um anjo de luz, assim como os demais anjos principais que servem na presença do Senhor, e os demônios cumpriam missões ao serviço do reino de Deus, assim como os anjos de luz cumprem hoje.

MAS DEIXARAM A SUA PRÓPRIA HABITAÇÃO. Lúcifer e os demônios que juntamente com ele se rebelaram contra Deus foram expulsos da luz e da presença do Deus Todo-poderoso. Eles viviam na eternidade passada nos céus de luz e podiam transitar livremente na presença do Deus que habita na luz inacessível. Como criaturas com livre arbítrio, optaram pela própria independência, mas de forma a perderem todos os privilégios de que gozavam na presença de Deus. Desde a rebelião do adversário que Lúcifer e um terço dos anjos de Deus foram precipitados dos céus.

RESERVOU NA ESCURIDÃO. A queda do diabo e dos demônios os conduziu a viverem eternamente nas trevas e na escuridão. Esta escuridão é a personificação das obras maléficas realizadas pelas hostes infernais. Tudo que acontece de mau e de ruim nesta terra e no mundo de alguma forma, direta ou indiretamente, tem a interferência do império das trevas. E o foco principal das legiões satânicas é lutar contra o reino de Deus e procurar tirar os seres humanos da presença do Criador. Assim como o diabo e os demônios entraram pelo caminho da rebeldia, lutam para tentarem levar os seres humanos a se apostatarem contra o Criador de todas as coisas.

E EM PRISÕES ETERNA ATÉ AO JUÍZO DAQUELE GRANDE DIA. As escrituras falam sobre o hades, sobre o abismo e sobre o inferno. O estado de apostasia destas hostes infernais é eterno, com isso entende-se que não tem remédio para a rebelião de satanás e os seus demônios. A cultura religiosa tanto judaica quanto cristã defende a tese de que o diabo, os demônios e todos aqueles que não são dignos da salvação por terem rejeitado a Cristo, serão julgado e condenados no dia do juízo final.

Judas 1:5

Judas 1:5 - Mas quero lembrar-vos, como a quem já uma vez soube isto, que, havendo o Senhor salvo um povo, tirando-o da terra do Egito, destruiu depois os que não creram.
MAS QUERO LEMBRAR-VOS. Certamente o autor está com seu pensamento ligado em Números (14:28-30) que trata do resultado da incredulidade dos filhos de Israel sobre o que ele haveria de fazer. É provável que o escritor estivesse direcionando esta mensagem aos leitores que conheciam as narrativas bíblicas que tratam das trajetórias do povo Judeu do Egito a terra prometida de Canaã. Como eles já conheciam estes eventos, o autor apenas lhes chama a atenção para as consequências do agir com incredulidade para com o Deus Todo-poderoso, Criador de todas as coisas, ele que é um Deus de amor e misericórdia, mas que também é um fogo consumidor para com aqueles que tentam zombar de sua grandeza e poder.

COMO A QUEM JÁ UMA VEZ SOUBE ISTO. Assim como o cristianismo neste mesmo tempo estava se expandindo de forma geral na Ásia Menor, com o judaísmo também não era diferente. A igreja primitiva buscava levar as boas novas de Cristo a todas as pessoas daquela região e do mundo civilizado de então, e o judaísmo com a mesmo força, do outro lado buscava fixar raízes em todas as cidades, até em uma tentativa de buscar barrar o crescimento da igreja de Cristo na terra. E os mestres do judaísmo transitavam por todas as partes, buscando tornar conhecida a história de Israel e a forma como Deus tratou o seu povo, resgatando-os da terra do Egito. De forma que o milagre da libertação de Israel do Egito era conhecido por todos.

QUE, HAVENDO O SENHOR SALVO UM POVO. Esta frase se reporta exclusivamente sobre a saída dos filhos de Israel do Egito, a casa da servidão para a terra da promessa que era Canaã, terra que manava leite e mel. O indicativo neste caso para salvação não deve ser entendido como vida eterna, que é uma das mensagens central do novo testamento. A salvação nos primórdios da história dos israelitas é compreendida como uma ação de livramento da parte de Deus para o seu povo ou na vida individual de alguém. Com isto, se entende que a retirada dos filhos de Israel do Egito é vista como uma salvação das mãos dos inimigos do povo de Deus. Na nova dispensação a salvação é mais vista como vida eterna, em que o Salvador e Cristo Jesus, nosso redentor.

TIRANDO-O DA TERRA DO EGITO. Desde os tempos mais remotos dos mais ilustres antepassados dos Judeus, Jacó, Isaque e Abraão, que Deus havia feito promessas para os seus descendentes de que eles herdariam a terra de Canaã. E chegado o tempo do cumprimento destas promessas, o Senhor entrou em ação para resgatar o seu povo da escravidão do Egito e os fazer entra na terra prometida.

DESTRUIU DEPOIS OS QUE NÃO CRERAM. Este texto assim como muitos outros dentro das sagradas escritoras reforça a tese dos que defendem o livre arbítrio humano em paradoxo com a predestinação. Abrindo assim a possibilidade de queda.

Judas 1:4

Judas 1:4 - Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus, e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo.
PORQUE SE INTRODUZIRAM ALGUNS. Um dos objetivos desta carta é justamente para combater o gnosticismo no seio da igreja cristã. Os falsos mestres gnósticos se introduziam sorrateiramente no meio dos cristãos para distorcerem a mensagem do evangelho de Cristo Jesus. Eram falsos mestres porque procuravam transtornar a mensagem das boas novas com suas fábulas enganosas para tentarem desviar os seguidores de Cristo dos caminhos da nova aliança de Deus com a humanidade por meio de Cristo Jesus, único mediador entre Deus e os homens, o Salvador.

QUE JÁ ANTES ESTAVAM ESCRITOS PARA ESTE MESMO JUÍZO. Não se sabe ao certo qual referência o autor está citando neste texto, senão ao livro apócrifo de (Enoque 81:8; 106:19 e 108:7) que faz referência a um estado de apostasia em algumas lideranças da igreja, mesmo que isto dependa de interpretações. A citação ao juízo sobre estes falsos líderes que estavam semeando apostasia dentro do cristianismo fala sobre a reprovação dos tais, pela verdade de Deus e do evangelho das boas novas de Cristo. Deus não deixará impune tais hereges que pervertem a verdade.

HOMENS ÍMPIOS. Os falsos mestres do gnosticismo que tentavam transtornar o evangelho de Cristo eram homens ímpios, camuflados de cristãos, que se infiltravam no meio da igreja para perverterem as boas novas de Cristo e tentarem desviar os seguidores do Senhor Jesus do evangelho da nova aliança. É preciso se ter cuidado com estes homens ímpios que se infiltram na igreja com outras intenções, e não para servirem de verdade ao reino de Deus e de Cristo. Muitas vezes estes hereges são pregadores, são cantores, e falsos pastores, que tiram proveito do povo de Deus.

QUE CONVERTE EM DISSOLUÇÕES A GRAÇA DE DEUS. Já neste ponto, o escritor ataca não somente os falsos mestres gnósticos, como também os judaizantes. Isto porque os defensores da legislação mosaica e do judaísmo, por não terem aceitado a Jesus de Nazaré como sendo o Messias enviado por Deus, continuavam semeando os ensinos de que era necessário guardar a lei de Moisés. Enquanto que os falsos mestres gnósticos pregavam de que para serem aceitos diante de Deus as pessoas tinham que seguirem suas inumeráveis regras de asceticismo. Tudo isso para tentarem anular a salvação pela graça de Deus em Cristo Jesus (Efésios 2:8).

E NEGAM A DEUS, ÚNICO DOMINADOR E SENHOR JESUS CRISTO. Tantos os judaizantes que estavam a serviço do judaísmo, quanto os falsos mestres gnósticos negavam a Deus com suas pregações heréticas. O autor foi enfático ao escrever de forma direta sobre a divindade de Jesus de Nazaré, o Filho de Deus. Em uma reorganização da frase, teríamos o seguinte; “E negam o único dominador e Deus, o Senhor Jesus Cristo”. Cristo é Deus e negar isto é uma perigosa heresia.

Judas 1:3

Judas 1:3 - Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da salvação comum, tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos.
AMADOS, PROCURANDO EU ESCREVER-VOS. Quem sabe para amortecer um pouco o impacto de sua forte mensagem, o autor começa sua exortação de forma carinhosa chamando os seus leitores de “amados”. Desta forma ele deixa transparecer de que suas palavras não são negativas, mas positivas, no sentido de mostrar a cura para o problema, mesmo que o medicamento seja amargo para se ingerir. Não se sabe o grau de dificuldade que o escritor teve para deixar esta carta por escrito, mas o certo é que ele demonstra um grande esforço para assim o faze-lo. Há quem diga que sua leitura fosse pouca e não contasse com um amanuense para lhe auxiliar neste feito.

COM TODA DILIGÊNCIA. Talvez o autor desta carta fosse um novo convertido ao cristianismo, e que não conhecesse em profundidade os elementos da nova aliança de Deus por meio de Cristo para a humanidade. Pelo que se sabe, os irmãos de Jesus só passaram a acreditar que ele era realmente o Messias prometido, um pouco mais tarde, no decorrer do desenvolvimento da igreja primitiva. No entanto, o autor estava empregando toda a sua diligência e o pouco que conheciam da nova dispensação para deixar para as gerações futuras esta obra literária de cunho religioso importante.

ACERCA DA SALVAÇÃO COMUM. Provavelmente o autor conhecia muito bem a legislação mosaica e suas regras complicadas para se achar graça diante de Deus. Até porque a antiga aliança de Deus com Israel, não continha as mesmas promessas de salvação, em termos de vida eterna, como a nova dispensação da graça. Quando o autor chama de “salvação comum” é que Jesus descomplicou o aceso a posse de todas as bênçãos de Deus para a humanidade. E de acordo com a nova aliança da graça, qualquer ser humano que receber a Cristo em sua vida tem a promessa de salvação. A antiga aliança era exclusiva com uma não, já a nova é com todos os povos do mundo.

TIVE POR NECESSIDADE ESCREVER-VOS E EXORTAR-VOS. Se neste ponto, o pensamento do ator estiver direcionado para os seus leitores compatriotas israelenses, ele bem focaliza seu objetivo em uma necessidade urgente de todos se converterem do judaísmo para o cristianismo, seguindo as normas estabelecidas pelo evangelho das boas novas, escrito por ele e pelos demais autores do novo testamento. A palavra “exortar-vos” vem no sentido de aconselhamento e não como uma regra fixa que seja obrigada a ser cumprida a qualquer custo, como a lei.

A BATALHAR PELA FÉ. Esta fé a que se refere o autor diz respeito à fé de conformidade com o evangelho de Cristo, não mais pela fé judaica nem pela fé natural das religiões pagãs. Em toda a extensão do novo testamento se destaca a importância da fé no poderoso nome de Cristo para a salvação. A parte do ser humano em uma aliança com Deus é justamente a sua fé e da parte de Deus a graça.

QUE UMA VEZ FOI DADA AOS SANTOS. Os que cumpriam os mandamentos da lei eram chamados de justos, já na nova aliança, quem guarda o evangelho de Cristo é chamado de santo. Isto é, santo vivo e não morto ou canonizado por uma religião.

Judas 1:2

Judas 1:2 - Misericórdia, e paz, e amor vos sejam multiplicados.
MISERICÓRDIA. Incluir a palavra misericórdia na saudação da igreja era uma demonstração do derramar abundante da bondade de Deus para com os gentios que foram alcançados pelo grande e infinito amor de Deus Pai em Cristo. A nova aliança de Deus com a humanidade foi a chegada desta misericórdia de Deus, enviando o seu Messias prometido para realizar a obra de expiação em prol de todos. Com isso concorda o texto que afirma que as misericórdias do Senhor são tudo para nós. Lamentações 3:21-22 - As misericórdias do SENHOR são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim. Novas são cada manhã; grande é a tua fidelidade. A igreja de Cristo foi alcançada por essa misericórdia.

E PAZ. Em termos de Saudação era e sempre foi à saudação judaica dos filhos de Israel. Como sabemos, todos os bons elementos da antiga aliança foram transportados para o cristianismo, até porque o fundador da nova aliança de Deus com a humanidade é um Israelita da gema, Jesus de Nazaré. Incluir a palavra paz na saudação cristã tem todo o sentido, uma vez que, o Messias de Deus veio justamente estabelecer a paz entre Deus e os homens, isto foi possível mediante a reconciliação realizada pelo Senhor Jesus (Romanos 5:11 - E não somente isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora alcançamos a reconciliação).

E AMOR. Incluir a palavra amor na saudação era uma forma de expressar o amor fraternal que deve haver entre todos aqueles que fazem parte do reino de Deus e de Cristo. Além do mais, representa o verdadeiro amor de Deus em Cristo Jesus para redimir a humanidade perdida. Na realidade a vinda do Messias de Deus para resgatar as vidas perdidas da condenação eterna foi a mais eficaz manifestação do amor de Deus pela humanidade, e neste amor foi que Deus estava reconciliando consigo mesmo o mundo. Um dos mais lindos textos da bíblia nos fala justamente deste amor de Deus pelo mundo, João 3:16 – Porque Deus amor o mundo de uma tal maneira, que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crer, não pereça, mas tenha vida eterna. É este amor de Deus que tem alcançado o mundo.

VOS SEJAM. O desejo ardoroso do autor é de que as misericórdias do Deus eterno alcance toda a humanidade, porque assim sendo a vitória final será da igreja de Cristo e dos redimidos pelo seu sacrifício expiatório. O escritor também espera que a paz de Deus em Cristo Jesus pelo ato de reconciliação seja abrangente em todas as partes da terra, chegando até aos confins do mundo. Em fim, que o grande e infinito amor de Deus venha a atingir toda a humanidade que ainda não foi alcançada pela salvação do Filho de Deus, Jesus Cristo, ele que veio para salvar os pecadores desgarrados.

MULTIPLICADOS. A multiplicação da misericórdia de Deus, da paz pela reconciliação e do seu imenso amor, tem como resultado o crescimento do cristianismo na terra. O autor viveu em um período de intensas perseguições a igreja de Cristo, onde quem não tinha uma visão escatológica do futuro do cristianismo podia chegar a pensar de que ela não sobrevivesse aos ataques constantes do judaísmo, e do império romano.

Judas 1:1

Judas 1:1 - Judas, servo de Jesus Cristo, e irmão de Tiago, aos chamados, santificados em Deus Pai, e conservados por Jesus Cristo.
JUDAS. Existem várias personagens com este nome nas páginas das sagradas escrituras, principalmente no Novo Testamento, até porque este nome se tornara comum entre os Judeus. Entre os próprios discípulos de Jesus havia dois homens com este nome, que eram Judas Iscariotes e Judas filho de Tiago (Lucas 6:16). Tinha também um que era meio irmão de Jesus, porque era filho de Maria e José, e é provável que seja o Judas que é autor desta carta chamada universal. Ainda nas páginas do Novo Testamento se ler sobre Judas, o Galileu, Judas Damasceno, Judas chamado Barsabas. Já na história dos Hebreus teve um homem muito importante pós-exílio chamado de Judas Macabeu. Judas é nome derivado de Judeu que veio de Judá.

SERVO DE JESUS CRISTO. Este autor começa sua epístola com humildade ao se destacar como servo de Jesus Cristo. Como irmão do Senhor, poderia usar esta ligação familiar com o fundador do cristianismo para impor autoridade a sua missiva, no entanto não usou de tal artifício. Ao que tudo indica, posteriormente a ressurreição do Senhor Jesus, seus irmãos e irmãs passaram a crer que ele era o Messias de Deus enviado ao mundo como salvador da humanidade. E neste caso Judas que era irmão de Jesus passou a servir fielmente ao grande Mestre Jesus de Nazaré. Com isso ele passou a dedicar sua vida e todas as suas atividades ao evangelho de Cristo Jesus.

E IRMÃO DE TIAGO. Tanto Judas quanto este Tiago citado neste texto eram meio irmãos de Jesus, afirma-se meio irmãos, porque Jesus não teve um pai biológico, uma vez que ele foi gerado pelo Espírito de Deus, de forma que Judas e Tiago eram seus irmãos apenas por parte de Maria. Quanto aos nomes dos irmãos de Jesus, incluindo Judas e Tiago, basta ler Mateus 13:55 - Não é este o filho do carpinteiro? E não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos Tiago, e José, e Simão, e Judas? Com destaque que cita o nome de Maria que era a mãe de ambos. Há quem diga que Judas destacou o fato de ser irmão de Tiago porque este Tiago era a principal autoridade eclesiástica da igreja em Jerusalém. E como tal merecia este destaque.

AOS CHAMADOS SANTIFICADOS EM DEUS PAI. Aos chamados. A bíblia fala sobre que muitos são chamados, isso nos faz entender de que esta carta de Judas estava endereçada e tinha o seu destino aos que em qualquer lugar do mundo, sente que é uma pessoa chamada por Deus para pertencer ao seu reino. A expressão “santificada em Deus Pai” se dar pelo fato de que foi Deus quem tomou a iniciativa de remissão da igreja de Cristo, mediante o enviou do seu Messias para justificar a todos quanto fazem parte do seu reino. Deus enviou seu Filho como Salvador do mundo.

E CONSERVADOS POR JESUS CRISTO. Cristo Jesus em sua perfeita e eficaz obra de redenção deu ao mundo a chance de continuar existindo e com isso abre a possibilidade do ser humano se reconciliar com Deus. Por mais que se escreva a respeito, mas ninguém tem condições de expressar o devido valor do sacrifício de Cristo pela humanidade e principalmente pela sua igreja que ele resgatou.

3 João 1:15

3 João 1:15 - Paz seja contigo. Os amigos te saúdam. Saúda os amigos pelo seu nome.
PAZ. Em termos de Saudação era e sempre foi à saudação judaica dos filhos de Israel. Como sabemos, todos os bons elementos da antiga aliança foram transportados para o cristianismo, até porque o fundador da nova aliança de Deus com a humanidade é um Israelita da gema, Jesus de Nazaré. Incluir a palavra paz na saudação cristã tem todo o sentido, uma vez que, o Messias de Deus veio justamente estabelecer a paz entre Deus e os homens, isto foi possível mediante a reconciliação realizada pelo Senhor Jesus (Romanos 5:11 - E não somente isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora alcançamos a reconciliação).

SEJA CONTIGO. O autor deseja ao seu amigo e companheiro de ministério, Gaio que a paz que procede de Deus esteja sobre a sua vida, com o desfrutar de plena tranquilidade no seu dia a dia. Que o sossego seja o resultado de uma vida de bem-estar em todos os momentos que ele tiver que passar. Com absoluta saúde em seu organismo, assim como bem estava a sua alma, recebendo as vitaminas celestiais para se fortalecer cada vez mais. Esta paz que o ancião deseja a Gaio, neste tempo da igreja primitiva, era o que os cristão mais precisavam por conta das perseguições.

OS AMIGOS. Não se sabe ao certo quem são estes amigos aos quais o escritor se refere, porque em vez de amigos ele poderia ter escrito, “os irmãos”. Neste sentido, alguns comentaristas defendem de que Gaio era muito conhecido na cidade de Éfeso por pessoas que faziam parte da sociedade daquela cidade. No entanto, é mais real se pensar que o autor se refere aos seus amigos e irmãos que faziam parte da igreja de Éfeso. Até porque existem no maio do povo de Deus aqueles que são irmãos no cristianismo, mas não são amigos pessoais. É provável que Gaio tenha feito muitas amizades com os irmãos da igreja de Éfeso e um deles é o próprio apóstolo João.

TE SAÚDAM. Os amigos saúdam-te. Neste ponto, a saudação pode incluir todos que faziam parte da igreja de Éfeso, onde João era o seu líder principal, pode também se referir apenas aos irmãos e amigos mais chegados de Gaio na cidade de Éfeso que faziam parte daquela igreja, podiam ser também os missionários e pregadores itinerantes que conduziam esta missiva do ancião. O fato é que todos estavam conduzindo paz e comunhão para Gaio e podemos acrescentar a igreja da qual ele era o responsável pela administração eclesiástica. O que mais Gaio estava precisando neste momento era de paz e sossego, neste momento de perseguição aos cristãos.

SAÚDA OS AMIGOS. A saudação do apóstolo João e dos amigos de Gaio na cidade de Éfeso, também era extensiva a igreja da qual Gaio era responsável. Com isso, o autor desta epístola deixa transparecer de que as igrejas mantinham comunhão umas com as outras. Diferente das guerras denominacionais que há nos dias atuais, apenar de todos saberem de que somos um mesmo povo e pertencemos à igreja invisível e espiritual de Cristo, mesmo frequentando denominações diferentes.

PELO SEU NOME. As saudações feitas pela igreja primitiva eram em nome de Cristo, nome este sobre o qual o autor se refere. O nome de Cristo tinha uma importância expressiva para os seus seguidores é tanto que tudo que se fazia era em seu nome.

3 João 1:13-14

3 João 1:13-14 - Tinha muito que escrever, mas não quero escrever-te com tinta e pena. Espero, porém, ver-te brevemente, e falaremos face a face.
TINHA MUITO QUE ESCREVER. Não se sabe ao certo se o autor se refere ao seu evangelho, que narra com detalhes a história de Cristo, Quem sabe o Apocalipse que é um livro profético e ao mesmo tempo escatológico, que trata dos últimos acontecimentos ou ainda as suas outras duas cartas, que fazem parte do Canon do novo testamento. Há quem diga que outros escritos que foram redigidos por este autor foram perdidos e não chegaram até nós. O que se sabe é que o apóstolo João, o mesmo autor desta epístola teve uma grande participação nos escritos do evangelho de Cristo Jesus. Todo o seu conteúdo literário é de grande importância para a igreja primitiva e principalmente para o crescimento do cristianismo no planeta terra.

MAS NÃO QUERO ESCREVER-TE COM TINTA E PENA. Já neste ponto, o apóstolo deixa claro de que está carta, por enquanto, era o suficiente para tratar dos temas mais necessários que ele desejava abordar. É mais provável que o autor já tivesse em mente o propósito de fazer mais uma viagem missionária pela Ásia Menor, com isso passaria pessoalmente na casa de seu amigo e companheiro de ministério, Gaio, para transmitir seus ensinos e conselhos pessoalmente a ele, e a igreja que tomava conta como um ministro do evangelho. Tinta e pena nos falam dos escritos quem foram redigidos pelo autor desta epístola. Os autores desta época não contavam com o aparato que nos temos hoje para redigir as suas cartas, mas assim o faziam com uma caneta de pena.

ESPERO POREM. Agora, o autor torna conhecido dos seus leitores e para seu amigo Gaio, o seu desejo mais profundo de visitar aquela região. O fato do autor se classificar de presbítero, nos faz entender de que ele era um dos supervisores do ministério cristão na Ásia Menor. E como tal, tinha a responsabilidade de se locomover de cidade em cidade para tomar conhecimento dos fatos que envolviam a igreja de Cristo naquela região. Conforme a história do cristianismo, João era o principal líder da igreja de Cristo da cidade de Éfeso, que era por consequente uma das mais importantes cidades da Ásia Menor. Além do mais, ele era um missionário também, que gostava e se gastava nas atividades evangelísticas para anunciar a Cristo e o seu evangelho.

VER-TE BREVEMENTE. O apóstolo João, como supervisor que era das igrejas cristãs em toda a Ásia Menor, sentia a necessidade urgente de fazer mais uma de suas viagens missionárias para tomar conhecimento em loco de como estava à obra de Cristo, no que diz respeito às igrejas naquela região. Havia a necessidade também de resolver questões de oposição levantada por Diótrefes ao ministério, ele que não mais aceitava nem mesmo as cartas de recomendação enviada pelo apóstolo para representar os missionários e os pregadores itinerantes que passavam pela igreja.

E FALAREMOS FACE A FACE. Ao que tudo indica tinham assuntos mais fortes que não poderiam ser tratados por carta. Razão porque o autor diz querer tratar pessoalmente com aquela senhora. Pode ser que o apóstolo cogitasse a hipótese de que sua carta não refletisse a mesma autoridade que lhe era atribuída, com a sua presença. Existem coisas que papel e tinta não resolve, mas, uma boa conversa olhando olho no olho, pode trazer melhores resultados.

3 João 1:12

3 João 1:12 - Todos dão testemunho de Demétrio, até a mesma verdade; e também nós testemunhamos; e vós bem sabeis que o nosso testemunho é verdadeiro.
TODOS DÃO TESTEMUNHO. Agora, o autor faz um contrates entre o testemunho de Diótrefes, o ditador, com o bom testemunho que estava se espalhando a respeito de um outro ministro do evangelho, chamado Demétrio. Enquanto Diótrefes, como carrasco, não aceitava a obra missionária e, portanto, não recebia de bom grado os evangelistas itinerantes, além de não aceitar as cartas de recomendação do ancião João. Do outro lado, Demétrio se destacava como um bom ministro do evangelho de Cristo, dando a devida hospitalidade aos missionários, além de dar o devido apoio as suas atividades evangelísticas na cidade que ele era responsável pela igreja.

DE DEMÉTRIO. O nome Demétrio significa “terra mãe”. É provável que este homem fosse um grego, que nasceu em uma família pagã, isso pelo fato de que quando nasceu foi consagrado a uma deusa da mitologia grega, conhecida como “seres”. Essa deusa era considerada pelos seus adeptos como protetora da agricultura, a quem se atribuía a fecundidade, e patrona do matrimônio. Tudo isso de acordo com a mitologia dos antepassados de Demétrio, mas agora ele era um convertido ao cristianismo e adorava somente a Deus único e verdadeiro. Agora, Demétrio era seguidor de Jesus de Nazaré e tinha o privilégio de ser um propalador do evangelho.

ATÉ A MESMA VERDADE. Provavelmente, Diótrefes, que também era um pastor da Ásia Menor, havia espalhado pela região mensagens depreciativa a respeito de Demétrio, razão porque o apóstolo ver a necessidade de também recomenda-lo ao seu amigo e companheiro de ministério Gaio. Há quem sustente também de que Demétrio era um dos auxiliares de João na igreja de Éfeso e que foi enviado pelo apóstolo para acompanhar os pregadores itinerantes em suas viagens missionárias pela Ásia Menor, e como representante direto do apóstolo João precisava de boas recomendações. O certo é que Demétrio tinha bom testemunho de todos.

E TAMBÉM NÓS TESTEMUNHAMOS. Dizer que todos davam bom testemunho de Demétrio é a mesma coisa que afirmar que sua história de vida estava sendo escrita não somente pelo seu testemunho pessoal, mas que toda a igreja da Ásia Menor tinha conhecimento de como realmente se converteu ao cristianismo. E o próprio João, como um dos remanescentes do grupo apostólico também se interpunha em favor do testemunho de Demétrio assegurando verdadeiramente de que ele era fiel.

E VÓS BEM SABEIS. Gaio conhecia pessoalmente o ancião João, o grande apóstolo de Cristo e seu amigo, ao ponto de dar toda credibilidade ao que ele estava escrevendo sobre Demétrio. Ele sabia de que o testemunho que o apóstolo dava de Demétrio tinha força o suficiente para desfazer qualquer mensagem negativa que a seu respeito tinha sido espalhada por Diótrefes e seus discípulos.

QUE O NOSSO TESTEMUNHO É VERDADEIRO. Nesta expressão do autor ele coloca em evidência toda a sua autoridade apostólica em defesa de um companheiro de ministério. Certamente o apóstolo conhecia Demétrio o suficiente para afirmar de que agora ele era um novo homem em Cristo Jesus, a quem dedicava toda sua vida.

3 João 1:11

3 João 1:11 - Amado, não sigas o mal, mas o bem. Quem faz o bem é de Deus; mas quem faz o mal não tem visto a Deus.
AMADO. Este amado a quem o autor se refere diz respeito à Gaio. João era dentre todos os apóstolos o mais amoroso, e é chamado de apóstolo amado, porque era amado de Cristo e pelos demais apóstolos, e era um líder que amava profundamente os seus liderados. Alias, o amor fraternal deve ser uma das principais características do cristão verdadeiro, porque é o segundo mandamento da lei de Cristo. O primeiro é amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração e o segundo, semelhante a este é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo, destes dois mandamentos depende toda a lei de Cristo. Uma das características deste escritor é o seu tratamento afetuoso.

NÃO SIGAS O MAL. Se dirigindo agora ao seu amigo e companheiro de ministério, Gaio, o apóstolo registra o seu conselho, no sentido de orientar bem este líder exemplar da Ásia Menor. Nesta sua advertência, o autor certamente tinha em mente o mau exemplo que vinha dando Diótrefes, e aproveita para solicitar ao amado Gaio que não siga o mau testemunho que vinha dando para o ministério, o pastor chamado Diótrefes. Não seguir o mal é rechaçar toda forma de erro na maneira de viver e de se conduzir, principalmente como líder de uma igreja e seguidor de Cristo.

MAS O BEM. Neste ponto, o autor deve estar com o pensamento fixo naqueles que até o momento na história do cristianismo vinham dando um bom testemunho como representante do reino de Deus e como ministro do evangelho de Cristo Jesus. Seguir o bem é em linhas gerais optar por tudo aquilo que é correto e honesto em toda forma de viver. João, aconselhava seu companheiro de ministério de que para ser um líder espiritual, a pessoa deve tomar como lema de vida, sempre praticar o bem a todos, sem olhar a quem, mas principalmente aos domésticos da fé.

QUEM FAZ O BEM. É provável que este bem a que se refere neste caso o escritor, diz respeito ao atendimento de Gaio aos missionários que ele estava lhe enviando com carta de recomendação. Gaio estava para receber os evangelistas itinerantes na igreja que ele era responsável, e lhes fazer o bem, era lhes ofertar toda assistência e hospitalidade devida. Estes missionários estavam em campanha evangelística naquela região e precisavam do apoio dos responsáveis por cada igreja. Os missionários deixaram tudo para saírem em busca de vidas para o reino de Deus, portanto, na realização de suas atividades evangelizadoras precisavam de apoio.

É DE DEUS. Diótrefes não estava dando para o apóstolo João provas de que fosse um homem de Deus e isso por não acolher os missionários, nem receber as cartas de recomendação enviadas pelo apóstolo. Mas, João esperava que Gaio agisse diferente, no sentido de agilizar os trabalhos missionários dos evangelistas itinerantes. Quem não apoio àqueles que buscam resgatar vidas para o reino de Deus, longe estar de ser uma pessoa de Deus, principalmente quem diz ser um líder do cristianismo.

MAS QUEM FAZ O MAL NÃO TEM VISTO A DEUS. Esta frase; “visto a Deus”, deve ser entendida como; “conhece a Deus assim como ele é”. Deus é invisível, mas se dar a conhecer a todos aqueles que praticam o bem, mas se afasta dos malfeitores da terra.

3 João 1:10

3 João 1:10 - Por isso, se eu for, trarei à memória as obras que ele faz, proferindo contra nós palavras maliciosas; e, não contente com isto, não recebe os irmãos, e impede os que querem recebê-los, e os lança fora da igreja.
POR ISSO, SE EU FOR. Ao que tudo indica o apóstolo João estava planejando fazer mais uma viagem de supervisão por aquela região da Ásia Menor, e faz entender de que iria fazer uma visita a este tal de Diótrefes, quem sabe para tentar corrigir os seus erros, nos quais estava envolvido. Era natural, sempre que necessário, o apóstolo como supervisor das igreja na Ásia Menor fazer estas viagens de supervisão dos trabalhos ou em viagens missionárias para também pregar o evangelho em outras cidades além da cidade de Éfeso, onde era o líder principal daquela igreja. Pode ser que neste caso, esta provável viagem, fosse para resolver este problema com Diótrefes.

TRAREI À MEMÓRIA AS OBRAS QUE ELE FAZ. Se esta viagem que estava na mente do apóstolo fosse uma viagem de supervisão da obra de Cristo nas igrejas, certamente o apóstolo por onde passasse iria conversar com os dirigentes das igrejas a respeito do que Diótrefes estava fazendo de errado. Mas, se fosse uma viagem direcionada diretamente para resolver com Diótrefes estes problemas, ele confessa que vai soltar o verbo, cara a cara com ele, e dizer tudo que esta sabendo a seu respeito. Já que as cartas por João enviadas, Diótrefes não estava dando a menor importância.

PROFERINDO CONTRA NÓS PALAVRAS MALICIOSAS. Já era do conhecimento do apóstolo, e portanto, do ministério de que este homem, estava em posição de desobediência a ética ministerial, não respeitando os seus superiores na hierarquia ministerial. Quando o autor escreve no plural; “nós”, é certo afirmar de que Diótrefes estava caluniando não somente a apóstolo João, mas a todos que faziam parte da liderança da igreja primitiva desta época. Não se sabe ao certo o que ele estava dizendo em contrário contra o ministério, mas é dado por certo de que ele estava fazendo sérias acusações contra os seus superiores e contra o ministério.

E NÃO CONTENTE COM ISSO, NÃO RECEBE OS IRMÃOS. Eram fortes as palavras contrárias que Diótrefes estava falando contra o ministério da igreja primitiva. Suas palavras maliciosas de depreciação contra os ministros do evangelho estavam se espalhando por todas as igrejas, até chegar à igreja cede de Éfeso, e portanto, ao supervisor regional, João. Além disto, os missionários que foram enviados e recomendados pelo apóstolo estavam sendo mau tratados por aquele pastor.

E IMPEDE OS QUE QUEREM RECEBER. Além de não receber os evangelistas itinerantes que estavam com suas campanhas missionárias naquela região, Diótrefes saia de casa em casa, nos lares dos cristãos onde estavam sob sua jurisdição ameaçando os irmãos de que ninguém receberem em seus lares aqueles missionários cristãos. Esse pastor era realmente absolutamente contrário a obra missionárias.

E OS LANÇA FORA DA IGREJA. Se qualquer família, desse hospitalidade aos missionários, ou pelo menos recebesse os evangelistas itinerantes em seus lares para pregar a palavra de Deus, Diótrefes, como pastor, não somente disciplinava os irmãos, mas até expulsava os mesmos e suas respectivas famílias da igreja local.

3 João 1:9

3 João 1:9 - Tenho escrito à igreja; mas Diótrefes, que procura ter entre eles o primado, não nos recebe.
TENHO ESCRITO. Assim como o autor estava enviando os missionários com carta de recomendação a seu amigo e companheiro de ministério Gaio, da mesma forma o apóstolo João também enviara os mesmos missionários para outras igrejas na Ásia Menor, onde ele era supervisor. Certamente as demais igrejas por onde passaram os missionários ou evangelistas itinerantes acolheram de bom grado a carta de recomendação que o apóstolo lhes enviara, recomendando os missionários, menos a que era dirigida por um certo pastor chamado Diótrefes. É provável que isto tenha causado um impacto para o grande líder João, que estava apoiando os missionários.

À IGREJA. João, ao direcionar os missionários a determinadas igrejas, com eles escrevia uma carta lhes recomendando, e certamente solicitando aos seus responsáveis, que dessem hospitalidade e apoio aos evangelistas itinerantes, que estava naquela região em campanha missionária. Quando o autor escreve neste texto “à igreja” ele quer dizer; a comunidade cristã local, e não a um templo religioso. Até porque nesta época, não era permitido pelo império romano à construção de templos dedicados ao cristianismo. Somente depois de 312 D.C. é que foi permitido, com o casamento entre a igreja e o Estado, o que foi muito ruim para o cristianismo.

MAS DIÓTREFES. Este nome significa; “Aquele que é nutrido por Deus”, só que neste caso e nas circunstâncias desta carta de João, ao que tudo indica ele fazia questão de ser contrário ao que seu nome indicava, porque ele estava era nutrindo-se a si mesmo de um autoritarismo desmedido. Ele era um pastor que tomava conta de uma igreja local e de alguns outros lugares de reunião da igreja. Ao que tudo indica não gostava da obra missionária nem dos trabalhos evangelísticos, razão porque se oponha a campanha missionária dos evangelistas itinerantes enviados por João.

QUE PROCURA. Não é que Diótrefes fosse a maior autoridade da igreja onde era o responsável, mas ele procurava ser. Porque na realidade, em termos de autoridades eclesiásticas, as igrejas sempre tiveram sua hierarquia, e na igreja primitiva, enquanto vivos eram os apóstolos, dos quais João era um deles, e um dos mais bem conceituado. De forma que Diótrefes apenas procurava ter o principado dentre os demais. No entanto, procurar ser, não é a mesma coisa que “ser” de fato.

TER ENTRE ELES O PRIMADO. O apóstolo João era o supervisor das igrejas na Ásia Menor, no entanto, existiam os líderes locais delegados ou consagrados ao ministério pela autoridade eclesiástica superior. E até mesmo em uma comunidade cristã haviam vários líderes, dentre estes Diótrefes procurava ser o mais importante, ao ponto de não querer se submeter a autoridade do supervisor de área, João.

NÃO NOS RECEBE. Não é que João tivesse acompanhado os evangelistas itinerantes em suas campanhas missionárias pela Ásia Menor. Mas, é que os missionários com carta de recomendação do apóstolo se faziam representar por ele. O fato é que quando os missionários chegaram à cidade onde Diótrefes era o líder, não foram bem recebidos, mesmo tendo eles carta de recomendação do grande apóstolo João.

3 João 1:7-8

3 João 1:7-8 - Porque pelo seu Nome saíram, nada tomando dos gentios. Portanto, aos tais devemos receber, para que sejamos cooperadores da verdade.
PORQUE PELO SEU NOME SAÍRAM. O Nome, que dizer: o nome de Cristo Jesus, conforme se ver em Filipenses 2:9-11 - Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome. Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra. E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai. Era no nome de Cristo Jesus que os missionários e evangelistas itinerantes pregavam o evangelho da salvação nos campos missionários. Eles não estavam em nome de nenhuma organização religiosa, mas sim, serviam ao reino de Deus em nome do Senhor Jesus Cristo para quem eles faziam missões no mundo.

NADA TOMANDO DOS GENTIOS. Como os evangelistas itinerantes e missionários eram enviados a pregarem o evangelho onde Cristo ainda não era conhecido e onde ainda não havia igreja local, eles eram levados pelo Espírito de Deus para o mundo gentílico, para alcançarem os incrédulos para Cristo, e dos não cristãos eles não podiam receber qualquer ajuda financeira, para que o evangelho não fosse escandalizados e eles fossem taxados de aproveitadores. Hoje, o conceito do mundo com respeito aos líderes religiosos é de que são todos ladrões, dada a comercialização da palavra de Deus por parte dos que dizem representar as denominações. O autor não queria que isso acontecesse com os missionários cristãos.

PORTANTO, AOS TAIS DEVEMOS RECEBER. A recomendação do apóstolo ao seu amigo e companheiro de ministério Gaio era de que as igrejas deviam apoiar estes verdadeiros missionários do reino de Cristo, lhes dando toda hospitalidade possível, seus sustentos e condições para que realizassem a obra missionária. Os missionários da igreja primitiva não tiravam proveito do evangelho para ganharem dinheiro com a pregação da palavra de Deus, o que eles precisavam mesmo era de hospitalidade dos lideres das igrejas, seus sustentos e apoio espiritual para realizarem suas atividades evangelísticas. Diferente dos dias de hoje, onde existe uma leva grande de profissionais do evangelho, que ganham muito dinheiro para pregarem a palavra.

PARA QUE SEJAMOS COOPERADORES. O autor se inclui juntamente com Gaio e os demais que apoiavam os missionários em cumprirem suas missões em levarem o evangelho de Cristo aos povos ainda não alcançados. O escritor tinha como privilégio em poder cooperar com a obra de Deus em apoiar os trabalhos dos missionários e pregadores do evangelho itinerantes. Por ser um líder muito ocupado em cuidar das coisas ministeriais e das atividades da igreja local, o apóstolo não podia se dedicar as atividades missionárias, de forma que ele via a oportunidade de fazer a obra missionária, mesmo que indiretamente, enviando e ajudando aos missionários.

DA VERDADE. João afirmava para seu companheiro de ministério, Gaio, de que uma forma de estar na verdade do evangelho seria cooperar com a obra missionária, dando todo apoio necessário para que os missionários cumprissem suas respectivas missões. Existem três maneiras de se fazer missões, indo ao campo missionário, apoiando financeiramente a obra missionária e dando apoio espiritual aos missionários.

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

3 João 1:6

3 João 1:6 - Que em presença da igreja testificaram do teu amor; aos quais, se conduzires como é digno para com Deus, bem farás.
QUE EM PRESENÇA DA IGREJA. Os missionários que saíram de Gaio e estavam em Éfeso com João tiveram oportunidade na igreja e ali deram bom testemunho a respeito do amigo e companheiro de ministério do apóstolo. É provável que o apóstolo tenha feito uma grande reunião para que a igreja ouvisse das maravilhas de Deus, realizadas por intermédio dos missionários. E quando eles tiveram oportunidade para pregarem para a igreja de Cristo, não se esqueceram de agradecerem a Deus diante de todos, pelo apoio que tiveram, quando de passagem pela igreja que era cuidada por Gaio. E isso chamou a atenção do apóstolo João, ele que quando esteve com seu amigo, lhe recomendou que tratasse bem os missionários do reino de Deus e de Cristo.

TESTIFICARAM DO TEU AMOR. Antes de estarem na cidade de Éfeso com o apóstolo João, os missionários estiveram com Gaio e na igreja que ele era o responsável. E quando lá estiveram foram bem cuidados e apoiados pelo servo de Deus. Ao que tudo indica Gaio tinha sido um discípulo de João, o apóstolo do amor, com isso ele aprendeu com o apóstolo que a prática do amor fraternal é uma das grandes e importantes virtudes cristãs. Na presença de João e da igreja de Éfeso os missionários testificaram da bondade de Gaio para com eles e de como os tratou de forma amorosa e os apoiou da melhor forma possível. O testemunho dos missionários foi tão comovente e gracioso ao ponto de João fazer lembra nesta carta.

AOS QUAIS, SE CONDUZIRES COMO É DIGNO. Depois da estadia com o apóstolo João na cidade de Éfeso, e tendo ali cumprido suas respectivas missões naquele lugar, os missionários deviam retornar ao lugar onde Gaio morava e se reunia com a igreja de Cristo que estava sob os seus cuidados. E João tendo dado todo apoio aos tais missionários agora os enviava de volta com a devida recomendação ao seu amigo Gaio. Certamente os missionários eram os condutores desta carta na qual o apóstolo lhes recomendava muito bem. O autor solicitava que como da outra vez, Gaio tratasse de forma digna estes servos de Deus, que andavam pregando o evangelho.

PARA COM DEUS. O tratamento digno que o apóstolo recomendava para os missionários era porque eles eram representantes de Deus, e como tal deviam ser bem cuidados por onde passassem. Os missionários do reino de Cristo viviam pela fé pregando o evangelho do Senhor Jesus. Trabalhavam com as próprias mãos para se manterem no campo missionário, como é o exemplo do apóstolo Paulo, mas não rejeitavam a ajuda da igreja quando lhes eram favoráveis por meio de ofertas voluntárias. Certamente João lhes ajudado com a igreja e esperava o mesmo de Gaio.

BEM FARÁS. O escritor aconselhava ao seu amigo e companheiro ministerial Gaio: Olha amigo, quando os missionários chegaram por ai, lhes ofereçam todo apoio, hospitalidade e não se esqueça de reunir a igreja, e dentro as possibilidades lhes ajudarem com aquela oferta missionária como é de costume nas igreja de Cristo.

3 João 1:5

3 João 1:5 - Amado, procedes fielmente em tudo o que fazes para com os irmãos, e para com os estranhos.
AMADO. João era dentre todos os apóstolos o mais amoroso, e é chamado de apóstolo amado, porque era amado de Cristo e pelos demais apóstolos, e era um líder que amava profundamente os seus liderados. Alias, o amor fraternal deve ser uma das principais características do cristão verdadeiro, porque é o segundo mandamento da lei de Cristo. O primeiro é amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração e o segundo, semelhante a este é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo, destes dois mandamentos depende toda a lei de Cristo. É certo afirmar de que aquele que diz ser um seguidor de Cristo Jesus, mas não ama ao seu próximo, tem negado a fé. O próprio Jesus deu o exemplo maior, quando se deu por amor a todos.

PROCEDES FIELMENTE. A forma de viva em que leva um servo de Deus é quem testifica do quanto de comunhão ele tem com o Senhor Jesus e com a igreja de Cristo. Quando o autor se refere aos procedimentos do seu amigo Gaio, ele está escrevendo sobre os seus atos do dia a dia e da forma como ele se conduz para com a comunidade cristã e também no meio da sociedade. O conselho do apóstolo era de que seu irmão e companheiro de ministério fosse fiel em suas ações e tratamentos com os demais irmãos e com os não cristãos, com quem ele convivia e mantinha contatos. Não se sabe se o escritor estava tentando corrigir ou não seu amigo Gaio.

EM TUDO QUE FAZES. Tem pessoas que possuem dupla personalidade, na igreja é uma coisa e na vida familiar e social é outra totalmente contrária, dando mau testemunho como servo de Deus. O cristão não é representante do reino de Deus somente durante os cultos em que participa, a nossa comunhão e fidelidade a Cristo deve ser durante todos os momentos de nossa vida e por onde passarmos. Tem muitos que na igreja parecem anjos, mas nos negócios se transformam em demônios pelas falcatruas que praticam, e isso não convêm a um servo de Cristo. Principalmente para quem diz ser um ministro do evangelho de Cristo Jesus. Esse sim é que deve dar bons exemplos, que sirvam de espelho para os demais.

PARA COM OS IRMÃOS. Esta forma de tratamento veio do judaísmo e foi implantado no cristianismo. Os Judeus se consideravam irmãos por pertencerem aos seus ilustres antepassados, Jacó, Isaque e Abraão. No cristianismo, esse tratamento se dava pela conscientização de que pertencemos à mesma família divina. Quando chamamos alguém de irmão, estamos lembrando de que Deus é o Pai de todo cristão verdadeiro. É porque sabemos que Cristo é o nosso irmão mais velho e que todos aqueles que o recebem em suas vidas se tornam filhos de Deus (João 1:11). Somos irmãos porque nascemos de novo pelo mesmo Espírito Santo (João 3:5).

E PARA COM OS ESTRANHOS. Estes estranhos a quem se refere o escritor, diz respeito aos incrédulos, aos ímpios ou aqueles que não são seguidores do verdadeiro cristianismo. O autor aconselhava a Gaio de que ele fosse honesto em seus procedimentos para com os que não faziam parte da igreja de Cristo Jesus, o Salvador.

3 João 1:4

3 João 1:4 - Não tenho maior gozo do que este, o de ouvir que os meus filhos andam na verdade.
NÃO TENHO. Os principais líderes da igreja primitiva neste período viviam sob pressão dos judaizantes e das autoridades do império romano. A maioria dos apóstolos foram perseguidos, presos e mortos por estarem a serviço do cristianismo e cuidarem do crescimento da igreja de Cristo na terra. E muitos deles perderam toda a esperança das coisas da terra, ao ponto de só esperarem coisas boas da parte de Deus. Era tanta perseguição que o autor certamente não tinha mais prazer nesta vida e nas coisas da terra. O seu contentamento estava apenas nas coisas do reino de Cristo e no bem-estar da igreja e dos que dela faziam parte.

MAIOR GOZO. No meio de turbilhões de perseguições por defender o evangelho de Cristo, algo trazia alívio e alegria ao velho apóstolo, que foram as boas notícias que os visitantes em Éfeso traziam sobre Gaio e as igrejas onde ele cooperava. Desde que teve o seu encontro com Jesus de Nazaré e por muitos anos de ministério, o apóstolo dedicara todas as suas atividades e energia para ver o bem-estar e o desenvolvimento do cristianismo por todas as partes. E as boas notícias que lhe chegavam sobre a igreja que Gaio estava a frente, o fazia vislumbrar os bons frutos e resultados dos seus incansáveis trabalhos e labutas em prol do evangelho de Cristo.

DO QUE ESTE DE OUVIR. Os irmão que estavam visitando a igreja matriz de Éfeso, e especialmente a pessoa de João, que era o supervisor das igrejas na Ásia Menor, testificaram ao apóstolo de como estava o seu amigo e companheiro de ministério, Gaio. E o testemunho que deram foi de que Gaio era um verdadeiro ministro do evangelho de Cristo Jesus e de que ele cumpria fielmente suas responsabilidades, as quais fora designado pelo apóstolo João e o ministério. Certamente as boas notícias eram de que os trabalhos na igreja que Gaio era o responsável, crescia e se desenvolvia, conforme era o esperado pelo apóstolo João.

QUE OS MEUS FILHOS. O amor que João tinha pelo rebanho de Cristo é tanto, que ele considerava todos os seguidores do Senhor Jesus, como seus filhos na fé. É claro que ele não estava escrevendo sobre seus filhos biológicos, mas sim, sobre aqueles que nasceram de novo, como fruto de suas atividades evangelísticas na Ásia Menor. Esta mensagem do apóstolo em sua carta de valor literário incalculável é o grande desejo de todos os pais que tem os seus filhos fora dos caminhos de Cristo. Quantos pais e mães já não choraram ao ler esta passagem bíblica, e saberem que seus filhos vivem afastados da igreja? Assim como, muitos outros se alegraram por verem se cumprir esta palavra em seus lares, pela volta dos filhos desviados do evangelho.

ANDAM NA VERDADE. Esta é uma linguagem alegórica para representar a vida cristã ideal e de como se deve se comportar todo aquele que diz ser um seguidor do reino de Cristo. Esta verdade a que se refere o escritor, diz respeito a tudo que as sagradas escrituras afirmam sobre o evangelho da verdade. Assim como o judaísmo tem a sua legislação, do mesmo modo, a nova aliança de Cristo, tem suas regras de como deve andar alguém que faz parte da igreja de Cristo. A notícia que chegou ao autor era de que seu amigo Gaio dava bom testemunho como um homem de Deus.

3 João 1:3

3 João 1:3 - Porque muito me alegrei quando os irmãos vieram, e testificaram da tua verdade, como tu andas na verdade.
PORQUE MUITO ME ALEGREI. A nossa felicidade não deve ser egoísta, quando apenas nós estivermos bem, mas ela deve ser altruísta, no sentido de nos sentirmos satisfeito quanto soubermos que os nossos irmãos estão sendo abençoados. Infelizmente o individualismo tem prevalecido no mundo, fortalecido pelo egocentrismo, onde as pessoas só pensam no seu bem-estar pessoal, e isso tem prevalecido até mesmo no meio do povo de Deus. O evangelho nos ensina de que devemos nos alegra com os que se alegram, desta forma, devemos nos sentir contentes por ver que alguém esta sendo vitorioso. É nisto que consiste o amor fraternal que deve existir na igreja.

QUANDO OS IRMÃOS. Esta forma de tratamento veio do judaísmo e foi implantado no cristianismo. Os Judeus se consideravam irmãos por pertencerem aos seus ilustres antepassados, Jacó, Isaque e Abraão. No cristianismo, esse tratamento se dava pela conscientização de que pertencemos à mesma família divina. Quando chamamos alguém de irmão, estamos lembrando de que Deus é o Pai de todo cristão verdadeiro. É porque sabemos que Cristo é o nosso irmão mais velho e que todos aqueles que o recebem em suas vidas se tornam filhos de Deus (João 1:11). Somos irmãos porque nascemos de novo pelo mesmo Espírito Santo (João 3:5). Somos irmãos porque fomos gerados pela mesma palavra da verdade (1 Pedro 1:23).

VIERAM. É provável que Gaio tivesse enviado representantes para fazer uma visita em Éfeso e relatar os fatos que estavam ocorrendo na igreja da qual ele era o responsável. Certamente estes mesmo irmãos que vieram visitar a João, foram eles que conduziram esta carta do grande apóstolo ao amado Gaio. A chegada destes irmãos provocou uma felicidade enorme no autor desta carta, porque trouxeram boas notícias a respeito do seu amigo Gaio e de como os trabalhos cresciam. A alegria de João por saber que seu amigo estava bem, nos faz apreender de que ele era um líder espiritual, que se dava bem com os seus liderados e tinha comunhão e perfeita comunicação com eles.

E TESTIFICARAM DA TUA VERDADE. Os irmão que estavam visitando a igreja matriz de Éfeso, e especialmente a pessoa de João, que era o supervisor das igrejas na Ásia Menor, testificaram ao apóstolo de como estava o seu amigo e companheiro de ministério, Gaio. E o testemunho que deram foi de que Gaio era um verdadeiro ministro do evangelho de Cristo Jesus e de que ele cumpria fielmente suas responsabilidades, as quais fora designado pelo apóstolo João e o ministério. Certamente as boas notícias eram de que os trabalhos na igreja que Gaio era o responsável, crescia e se desenvolvia, conforme era o esperado pelo apóstolo João.

COMO TU ANDAS NA VERDADE. Esta é uma linguagem alegórica para representar a vida cristã ideal e de como se deve se comportar todo aquele que diz ser um seguidor do reino de Cristo. Esta verdade a que se refere o escritor, diz respeito a tudo que as sagradas escrituras afirmam sobre o evangelho da verdade. Assim como o judaísmo tem a sua legislação, do mesmo modo, a nova aliança de Cristo, tem suas regras de como deve andar alguém que faz parte da igreja de Cristo. A notícia que chegou ao autor era de que seu amigo Gaio dava bom testemunho como um homem de Deus.

3 João 1:2

3 João 1:2 - Amado, desejo que te vá bem em todas as coisas, e que tenhas saúde, assim como bem vai a tua alma.
AMADO. João era dentre todos os apóstolos o mais amoroso, e é chamado de apóstolo amado, porque era amado de Cristo e pelos demais apóstolos, e era um líder que amava profundamente os seus liderados. Alias, o amor fraternal deve ser uma das principais características do cristão verdadeiro, porque é o segundo mandamento da lei de Cristo. O primeiro é amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração e o segundo, semelhante a este é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo, destes dois mandamentos depende toda a lei de Cristo. É certo afirmar de que aquele que diz ser um seguidor de Cristo Jesus, mas não ama ao seu próximo, tem negado a fé. O próprio Jesus deu o exemplo maior, quando se deu por amor a todos.

DESEJO QUE TE VÁ BEM. Esse deve ser o lema de vida de todo cristão verdadeiro, desejar sempre da forma mais sincera e profunda a felicidade do seu próximo, mesmo que isso lhe cause decepções. Não podemos nos modular pelo que os outros fazem ou desejam para nós, quando se pratica o amor fraternal de forma altruística, se faz o bem sem olhar a quem nem sem esperar receber qualquer recompensa de volta. Esta declaração do autor expõe o seu mais profundo respeito e consideração pelos seus liderados, alias este deve ser o papel de um verdadeiro líder, buscar de todas as formas o bem-estar dos que estão ao seu redor. Dentre tantas mensagens belíssimas das sagradas escrituras essa é uma palavra de conforto e consolação.

EM TODAS AS COISAS. Aquele que diz ser um seguidor do evangelho de Cristo tem por dever desejar e dentro de o possível contribuir para que o seu semelhante viva de forma feliz e abençoada. Se não podemos cooperar para o bem do nosso próximo, pelo menos devemos desejar do mais profundo do nosso ser, que todos sejam saciados da mais plena alegria e paz. Seja na vida familiar ou financeira e principalmente da vida espiritual, que as nossas orações e intercessões sejam no sentido de abençoar aqueles que conhecemos. É muito triste escutar alguém que se diz servo de Deus ameaçando nos púlpitos das igrejas contra os pequeninos de Cristo. Somos chamados por Cristo para sermos abençoadores do povo de Deus.

E QUE TENHAS SAÚDE. Não se sabe ao certo se Gaio era acometido de algum tipo de enfermidade ou que alguma doença habitava sobre o seu organismo. Mas, o que predominava no desejo do amado apóstolo era de que a mais perfeita saúde fosse efetivamente companheira de Gaio. Uma das coisas que muito faz sobre os servos de Deus são as doenças e enfermidades que lhes são permitidas como espinho na carne. Com isso precisamos ficar atentos quanto ao estado de saúde dos nossos irmãos e irmãs, no sentido de orarmos por eles, quando soubermos que existe alguém doente. E a intercessão neste sentido é importante, porque a oração de um justo ajuda muito.

ASSIM COMO BEM VAI A TUA ALMA. O autor conhecia bem a saúde espiritual do seu amigo e amado irmão Gaio. Ele tinha certeza de que ele vivia em plena comunhão com Deus, e isso refletia no bem-estar de sua alma. Este bem-estar da alma é o reflexo do quanto realizamos a vontade de Deus em nossas vidas. E o Espírito de Deus testifica com o nosso espírito quando desfrutamos do refrigério da presença de Deus.

3 João 1:1

3 João 1:1 - O presbítero ao amado Gaio, a quem em verdade eu amo.
O PRESBÍTERO. Este é o remetente desta carta. Não há dúvidas de que o autor desta belíssima missiva é o apóstolo João, o mesmo escritor do quarto evangelho, chamado de evangelho de João, do livro profético do novo testamento, conhecido como o livro das revelações ou livro do Apocalipse, como também as duas outras cartas, 1 João e 2 João. Esta epístola que estamos comentando é chamada de universal porque não foi endereçada a uma igreja específica, mas para que circulasse por todas as igrejas da Ásia Menor e do mundo. As três cartas do apóstolo João contem temas relacionados às doutrinas do evangelho de Cristo para as igrejas de Jesus Cristo espalhadas no mundo.

PRESBÍTERO. A palavra “presbítero” pode significar para esta época em que foi escrito esta carta, um bispo, um supervisor ou um ancião. Na realidade João era um dos doze apóstolos originais de Jesus Cristo. Nesta época em que escreveu esta carta, ele era o líder da igreja de Cristo na importante cidade de Éfeso, na Ásia Menor. Além do mais ele era supervisor das igrejas em toda aquela região. Pouco se fala dentro do Canon do novo testamento da figura do pastor, porque este título na igreja primitiva era genérico para classificar o líder que cuidava de grupos específicos dentro da comunidade cristã. O título de presbítero era mais honrado do que o de pastor.

AO AMADO. O apóstolo João era dentre todos os apóstolos o mais amoroso, e é chamado de apóstolo amado, porque era amado de Cristo e pelos demais apóstolos, e era um líder que amava profundamente os seus liderados. Alias, o amor fraternal deve ser uma das principais características do cristão verdadeiro, porque é o segundo mandamento da lei de Cristo. O primeiro é amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração e o segundo, semelhante a este é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo, destes dois mandamentos depende toda a lei de Cristo. É certo afirmar de que aquele que diz ser um seguidor de Cristo Jesus, mas não ama ao seu próximo, tem negado a fé. O próprio Jesus deu o exemplo maior, quando se deu pro amor a todos.

GAIO. Existem várias pessoas com este nome dentro do arcabouço do novo testamento. Dentre eles podemos citar: Gaio da Macedônia. Foi companheiro de Paulo em algumas de suas viagens. Ele e Aristarco foram arrebatados pela multidão, no tumulto de Éfeso (Atos 19.29). Gaio de Derbe. Era, provavelmente, representante da igreja, na delegação que acompanhou o apóstolo Paulo, quando este levou a Jerusalém às contribuições das igrejas gentílicas (At 20.4). Gaio de Corinto. Foi hospedeiro de Paulo naquela cidade (Romanos 16.23 e 1 Coríntios 1.14). Gaio a quem João dirige a sua terceira epístola em termos de muito afeto (3 João 1). Não se pode saber se quaisquer destes são os mesmos, até porque este nome era muito comum.

A QUEM EM VERDADE EU AMOR. O autor faz uma declaração pessoal do seu amor fraternal que tinha por Gaio. Certamente Gaio era um dos líderes de uma igreja local na Ásia Menor, que estava sob a jurisdição da supervisão do apóstolo João. Essa afirmativa do escritor nos faz ver o tipo de líder que era João, em termos de saber lidar com afeto e carinho com os seus liderados. Este é um exemplo a ser seguido por muitos líderes dos dias de hoje, que administram as denominações com autoritarismo ferrenho e não com o devido amor fraternal que deve ser praticado.

2 João 1:12-13

2 João 1:12-13 - Tendo muito que escrever-vos, não quis fazê-lo com papel e tinta; mas espero ir ter convosco e falar face a face, para que o nosso gozo seja cumprido. Saúdam-te os filhos de tua irmã, a eleita. Amém.
TENDO MUITO QUE ESCREVER-VOS. Não se sabe ao certo se o autor se refere ao seu evangelho, que narra com detalhes a história de Cristo, Quem sabe o Apocalipse que é um livro profético e ao mesmo tempo escatológico, que trata dos últimos acontecimentos ou ainda as suas outras duas cartas, que fazem parte do Canon do novo testamento. Há quem diga que outros escritos que foram redigidos por este autor foram perdidos e não chegaram até nós. O que se sabe é que o apóstolo João, o mesmo autor desta epístola teve uma grande participação nos escritos do evangelho de Cristo Jesus. Todo o seu conteúdo literário é de grande importância.

NÃO QUIS FAZÊ-LO COM PAPEL E TINTA. Já neste ponto, o apóstolo deixa claro de que está carta, por enquanto, era o suficiente para tratar dos temas mais necessários que ele desejava abordar. É mais provável que o autor já tivesse em mente o propósito de fazer mais uma viagem missionária pela Ásia Menor, com isso passaria pessoalmente na casa desta senhora, a eleita, para transmitir seus ensinos e conselhos pessoalmente a ela, seus filhos e a igreja que possivelmente se reunia em sua casa. Papel é tinta nos falam dos pergaminhos quem foram escritos pelo autor. A prova de que o conteúdo desta carta foi inspirado por Deus é que resistiu ao tempo e chegou até nós.

MAS ESPERO IR TER CONVOSCO. Agora, o autor torna conhecido dos seus leitores e para sua irmã e amiga, a eleita, o seu desejo profundo de visitar aquela região. O fato do autor se classificar de presbítero, nos faz entender de que ele era um dos supervisores do ministério cristão na Ásia Menor. E como tal, tinha a responsabilidade de se locomover de cidade em cidade para tomar conhecimento dos fatos que envolviam a igreja de Cristo naquela região. Conforme a história do cristianismo, João era o principal líder da igreja de Cristo da cidade de Éfeso, que era por consequente uma das mais importantes cidades da Ásia Menor.

E FALAR FACE A FACE. Ao que tudo indica tinham assuntos mais fortes que não poderiam ser tratados por carta. Razão porque o autor diz querer tratar pessoalmente com aquela senhora. Pode ser que o apóstolo cogitasse a hipótese de que sua carta não refletisse a mesma autoridade que lhe era atribuída, com a sua presença. Existem coisas que papel e tinta não resolve, mas, uma boa conversa olhando olho no olho, pode trazer melhores resultados.

PARA QUE O VOSSO GOZO SE CUMPRA. Além do mais, a visita do apóstolo naquele lugar já era muito esperada. A presença do escritor para transmitir a palavra de Deus naquele lugar iria produzir muita alegria nos corações de todos.

SAÚDAM-TE OS FILHOS DE TUA IRMÃ, A ELEITA. AMÉM. Alguns comentaristas chegam a conjecturar de que essa senhora, a eleita, não é uma pessoa, mas sim a igreja de Cristo. Se assim for, eram os irmão da cidade de Éfeso, onde liderava João, quem estava enviando saudações aos irmãos desta igreja, para a qual estava sendo endereçada esta carta. Há quem diga que o nome desta senhora, a eleita, era Kiria.

2 João 1:10-11

2 João 1:10-11 - Se alguém vem ter convosco, e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis. Porque quem o saúda tem parte nas suas más obras.
SE ALGUÉM VEM TER CONVOSCO. Nesta mesma época era frenética a movimentação dos judaizantes e dos falsos mestres gnósticos buscando deter a marcha da igreja e o crescimento do cristianismo. Nenhuma outra religião do mundo representou uma maior ameaça ao judaísmo e as demais religiões antigas, quanto o cristianismo, que vinha tomando corpo de forma tremenda. De forma que os agentes do judaísmo e das demais religiões do mundo antigo faziam campanhas permanentes de casa em casa, pregando um outro evangelho e procurando transtornar a fé dos cristãos. Estes hereges visitavam de casa em casa onde havia cristãos, buscando os arrebatar para suas religiões de origem. Eram sobre eles que o escritor alertava a igreja de Cristo.

E NÃO TRAZ ESTA DOUTRINA. O autor se refere à doutrina de Cristo ou sobre Cristo. As doutrinas de Cristo dizem respeito a tudo aquilo que a seu respeito estão escrito nas sagradas escrituras. Na realidade o Senhor Jesus não deixou por escrito nenhuma obra literária, em que ele próprio tenha escrito, no entanto, os seus ensinos estão registrados no novo testamento. Parte dos seus apóstolos foram designados pelo Espírito de Cristo para deixarem registrado muita coisa do que Jesus de Nazaré pregou em seu ministério terreno. Além de outros escritores que participaram do Canon do novo testamento como autores de obras literárias belíssimas. Por fim, temos também as referências messiânicas do velho testamento, que antes mesmo da vinda do Messias já vaticinavam a seu respeito.

NÃO O RECEBAIS EM CASA. Assim como o cristianismo tinha milhares de seus missionários para convidar os pagãos a se converterem a Cristo pelo evangelho. Da mesma forma, os judaizantes e os líderes das demais religiões desta época também tinham seus missionários que andavam de cidade em cidade e de casa em casa, buscando tirar os cristãos do evangelho para suas religiões. A estes, o escritor recomenda que os seguidores de Cristo, não recebam em suas casas, porque são hereges, a serviço das religiões pagas e não do reino de Deus e de Cristo. Esta é uma exortação dura, porem, demonstra o perigo que estes hereges representavam para a igreja de Cristo. Uma vez que o intento deles era tentar confundir a fé dos cristãos.

NEM TÃO POUCO O SAUDEIS. Neste ponto, o autor é mais pragmático ainda, ao aconselhar que os seguidores de Cristo não deem nem atenção a estes falsos mestres de um outro evangelho. A recomendação era: Se vocês encontrarem um destes hereges, não lhes deem a paz, não lhes saúdem com a graça, porque eles não têm comunhão com Deus, nem com Cristo e muito menos com vocês. É preciso se ter cuidado com quem vem nos falar de assuntos religiosos, que não estejam de conformidade com o genuíno evangelho de Cristo ou aquilo que é a doutrina de Cristo.

PORQUE QUEM O SAÚDA TEM PARTE NAS SUAS OBRAS. O que o autor está tentando explicar para os seus leitores é de que se alguém tem comunhão com estes hereges e falsificadores do evangelho de Cristo, corre o risco se se tornarem como eles mesmos. Até porque o objetivo deles é desviar os cristãos do evangelho de Jesus, o Salvador.

2 João 1:9


2 João 1:9 - Todo aquele que prevarica, e não persevera na doutrina de Cristo, não tem a Deus. Quem persevera na doutrina de Cristo, esse tem tanto ao Pai como ao Filho.
TODO AQUELE QUE PREVARICA. Um dos motivos da escrita desta carta era justamente para combater as falsas doutrinas que os judaizantes e os gnósticos tentavam infiltrar no meio da igreja de Cristo. Os judaizantes que eram penetras no seio da igreja do Senhor Jesus para transtornar o evangelho de Cristo, se diziam cristãos, mas no fundo no fundo estavam a serviço das autoridades judaicas para combater o crescimento do cristianismo. Já os gnósticos, que eram representantes camuflados das falsas religiões do mundo, também se faziam de cristãos para se colocarem entre os cristãos para de forma enganosa, tentarem deturpar a mensagem do evangelho glorioso de Cristo. Com isso pregavam um outro evangelho.

E NÃO PERSEVERA. Ao que tudo indica até certo ponto conheciam e se dedicavam em se aprofundarem nas questões envolvendo a nova aliança de Deus ou nova dispensação. Mas, eram apenas conhecedores teóricos, porque não chegavam a praticarem as regras estabelecidas pela lei de Cristo. O escritor, mesmo que indiretamente os classificam de hereges, porque estavam abdicando do conhecimento que tinham do Cristo de Deus para se deixarem levar pelas heresias por eles defendidas. Quem sabe, destes eram aqueles que apostataram da fé?

NA DOUTRINA DE CRISTO. As doutrinas de Cristo dizem respeito a tudo aquilo que a seu respeito estão escrito nas sagradas escrituras. Na realidade o Senhor Jesus não deixou por escrito nenhuma obra literária, em que ele próprio tenha escrito, no entanto, os seus ensinos estão registrados no novo testamento. Parte dos seus apóstolos foram designados pelo Espírito de Cristo para deixarem registrado muita coisa do que Jesus de Nazaré pregou em seu ministério terreno. Além de outros escritores que participaram do Canon do novo testamento como autores de obras literárias belíssimas. Por fim, temos também as referências messiânicas do velho testamento, que antes mesmo da vinda do Messias já vaticinavam a seu respeito.

NÃO TEM A DEUS. Quem não seguir os ensinamentos que as sagradas escrituras descrevem sobre o evangelho do Senhor Jesus, também tem negado ao Deus Criador de todas as coisas. Os Judeus afirmavam de que não precisavam de Cristo Jesus porque eles já tinham a Deus. E os falsos mestres gnósticos negavam a humanidade e a divindade do Cristo de Deus, defendendo de que ele era apenas mais uma manifestação angelical. Mas todos eles com suas heresias negavam a Deus também. Estes grupos que faziam oposição ao cristianismo rejeitaram ao Cristo de Deus e agora buscavam deter o crescimento e o desenvolvimento da igreja do Senhor Jesus.

QUEM PERSEVERA NA DOUTRINA DE CRISTO, ESSE TEM TANTO AO PAI COMO AO FILHO. Os monoteístas judaizantes tentavam confundir a fé dos cristãos, lhes perturbando a mente ao afirmarem que os seguidores de Cristo eram politeístas, portanto idolatras. Mas, o autor assegura aos seguidores do cristianismo de que quem tem a Cristo também tem a Deus pai. E que foi o próprio Deus Criador quem prometeu e enviou seu Filho Jesus, como sendo o Messias, o Emanuel, Deus conosco.

2 João 1:8

2 João 1:8 - Olhai por vós mesmos, para que não percamos o que temos ganho, antes recebamos o inteiro galardão.
OLHAI. O autor nos deixa escapar ainda que indiretamente a sua intenção de exortar os seus leitores sobre um tema um tanto polêmico. Na realidade existem pessoas e não são poucas, que gostam mesmo é de olhar para a vida dos outros. São aquelas pessoas que vivem de fazerem fofoca das vidas alheias. São aqueles que têm olhos de borracha para só verem os defeitos dos outros, mas se esquecem dos seus. O escritor recomenda que estes se convertam e passem a olhar para si mesmos. Ninguém foi constituído por Deus como juiz da vida de ninguém, o único que foi constituído como juiz dos vivos e dos mortos, foi Cristo Jesus, ele que nunca pecou e nem falhou.

POR VÓS MESMOS. Quando usamos da curiosidade em olhar para o nosso testemunho de vida pessoal, no sentido de nos corrigirmos a cada dia, no final da trajetória teremos alcançados grandes vitórias. Precisamos sim, dedicar tempo e cuidado para não vivermos ao bel prazer, mas procurando de todas as formas fazer a vontade do nosso Deus, porque assim sendo, tomaremos posse de todas as suas promessas para as nossas vidas. Usando sempre o colírio da santificação e da pureza, a fim de progredirmos no desenvolvimento espiritual, rumo às mansões celestiais.

PARA QUE NÃO PERCAMOS. O mesmo escritor nos traz uma recomendação importante em Apocalipse 3:11 - Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. Com isto, entende-se que existe a possibilidade de se perder muitas coisas espirituais. São textos como este que os defensores do livre arbítrio se apegam para atacarem as ideias teológicas defendidas pelos calvinistas. No entanto, em um debate racional e sem extremos, pode-se encontrar dentro das próprias escrituras argumentos para a defesa de ambas as ideias, Tanto arminiana, quanto calvinista. São os casos denominados de paradoxos da teologia moderna.

O QUE TEMOS GANHO. Não se pode e nem se deve estabelecer uma regra geral para todos neste caso, porque cada um individualmente é que julga saber o que têm ganho da parte de Deus e do seu reino. A verdade é que pouco ou muito, todos que são remidos por Cristo Jesus tem recebido alguma coisa do espírito santo de Deus. Com relação a salvação, ela é comum a todos os que foram comprados pelo sacrifício expiatório do Cordeiro de Deus. Já com respeito a diversidade de dons, são diferentes.

ANTES RECEBEMOS O INTEIRO. A missão do Cristo de Deus foi justamente para efetivar a vitória completa dos seus remidos. As suas promessas são propostas para todos os que fazem a sua vontade do Deus Criador. Cabe a cada um de nós nos esforçarmos para tomarmos posse de todas as bênçãos que nos esperam no porvir.

GALARDÃO. A bíblia nos afirma de que todos iremos comparecer perante o tribunal de Cristo para recebermos o nosso galardão (2 Coríntio 5:10). As sagradas escrituras nos falam sobre muitas coroas que os salvos em Cristo irão receberem e etc. e tal.

2 João 1:7

2 João 1:7 - Porque já muitos enganadores entraram no mundo, os quais não confessam que Jesus Cristo veio em carne. Este tal é o enganador e o anticristo.
PORQUE JÁ MUITOS ENGANADORES. Este é um dos textos que serve de alerta para a igreja de Cristo em termos de profecia escatológica em que teve sua validade em todos os tempos, e muito mais nos dias de hoje. Quando Jesus apareceu no senário mundial, veio combatendo o engano religioso dos sacerdotes, escribas e fariseus, isso porque eles na época monopolizavam para si a pessoa de Deus, como donos da verdade. Os apóstolos procuraram com empenho e dedicação atribuir toda a glória a Cristo Jesus, o Nazareno, como o Senhor e Salvador da igreja. Mas eles sabiam da infiltração dos judaizantes e dos falsos mestres gnósticos, que cercavam o arraial dos santos com seus ensinos enganadores e suas falsidades ideológicas maléficas.

ENTRARAM NO MUNDO. O cristianismo fundado por Jesus de Nazaré, o Cristo de Deus surgiu para substituir o judaísmo, e todas as demais religiões do mundo, como sendo a nova aliança de Deus com a humanidade. Os chefes do judaísmo e das demais religiões falsas do mundo não aceitando esta realidade, sempre procuraram se infiltrar no seio da igreja para por meio do engano tentar confundir a fé dos cristãos. Por isso que o escritor fala que eles entraram no mundo, e tem seus objetivos, que é lutarem para combater o crescimento e o desenvolvimento do cristianismo.

OS QUAIS NÃO CONFESSAM QUE JESUS CRISTO. No que diz respeito aos judaizantes, eles negaram a Jesus de Nazaré, como sendo o Messias prometido por Deus Pai. João 1:10-11 - Estava no mundo (Jesus), e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Já com relação aos gnósticos, que eram na época os representantes das religiões naturais ou falsas religiões do mundo, eles tentavam confundir os cristãos afirmando de que Jesus era mais um dos muitos anjos de Deus que havia se manifestado na terra.

VEIO EM CARNE. O problema central era negar a humanidade do Cristo de Deus. Com isso tentavam derrubar por terra a verdade de que Jesus de Nazaré era a perfeita manifestação do Messias de Deus, ou seja, do Emanuel, Deus conosco. Os Judeus lutaram, perseguiram e mataram a Jesus de Nazaré, por não aceitarem de que ele era Deus. E os gnósticos, desenvolveram uma tese enganosa de que Jesus não era humano, mas sim, apenas um ser espiritual, como um anjo de Deus, ou manifestação de um ser celestial dentre muitos outros. Mas a bíblia defende de que Jesus era Deus, porem, como o Messias devia ser um homem, ele se fez homem.

ESTE TAL É O ENGANADOR E O ANTICRISTO. No início do texto se fala em muitos e o próprio Jesus alertou sobre o aparecimento destes muitos falsos cristos, que o evangelho chama de anticristos. Anticristo quer dizer: aquele que luta contra Cristo ou que tenta tomar o lugar de Cristo. Jesus falou em Mateus 24:5 - Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos. O anticristo vai ser dentre as “grandes lideranças” que se dizem cristãs. E as suas várias manifestações tem se dado entre aqueles que se dizem representar a Cristo, porque estes tem procurado ocupar o lugar de Cristo para com a igreja, tentando serem cabeças da igreja. São estes que o escritor tem chamado de muitos enganadores.

2 João 1:6

2 João 1:6 - E o amor é este: que andemos segundo os seus mandamentos. Este é o mandamento, como já desde o princípio ouvistes, que andeis nele.
E O AMOR É ESTE. O autor se refere ao amor fraternal que deve haver entre todos os que fazem parte do reino de Cristo. A legislação mosaica determinava uma infinitude de regras e mandamentos para quem seguiam as suas leis. Na nova dispensação ou nova aliança de Deus com a humanidade por Cristo, o novo legislador, Cristo Jesus, resumiu a lei em dois mandamentos principais. O primeiro é amarás o Senhor teu Deus acima de todas as coisas, e o segundo, semelhante a este é: E ao teu próximo como a ti mesmo, destes dois mandamentos depende a lei de Cristo. Quem não é praticante do amor fraternal, não pode dar testemunho de que vive o evangelho.

QUE ANDEMOS. Em muitas partes do evangelho encontramos passagens que abordam a questão do andar cristão. Todas as legislações religiosas do mundo têm suas leis que ditam as normas para quem deseja fazer parte de suas comunidades. O judaísmo tem a legislação mosaica, e o cristianismo, como não podia ser diferente tem o evangelho das boas novas de Cristo, que contem os mandamentos de como se deve seguir ao Senhor Jesus, conforme o evangelho da verdade. E a recomendação é de que se alguém diz que está em Cristo, este tal deve andar como ele andou. Esta é uma citação do mesmo escritor desta carta, e nós encontramos em (1 João 2:6).

SEGUNDO OS SEUS MANDAMENTOS. Além dos dois mandamentos principais, de amar a Deus acima de qualquer coisa e ao próximo como a si mesmo, encontramos muitos outros ensinos deixados pelo Senhor Jesus, de forma oral, que foram copilados pelos escritores dos evangelhos (Mateus, Marcos, Lucas e João). Além é claro dos muitos ensinos transmitidos pelos seus apóstolos em forma de pregação e dos seus escritos, que chegaram até nós. Quem conhece o evangelho do Senhor Jesus assim como ele está registrado no novo testamento, pode dizer que tem condições de seguir a Cristo, conforme a vontade superior do Deus Pai e Criador.

ESTE É O MANDAMENTO. No caso em foco, a que se refere nesta frase o escritor, ele destaca o mandamento do amor fraternal. É provável que João estivesse ciente de alguma divisão dentre os membros da família daquela senhora eleita, para quem ele endereçou a sua epístola. Ou quem sabe ele tinha conhecimento das contendas pela falta de amor fraternal entre os membros da igreja de Cristo que se reunia na casa daquela Senhora. Uma das tarefas comuns do império das trevas é semear a discórdia entre o povo de Deus. Mas o escritor alertava a igreja sobre este perigo.

COMO JÁ DESDE O PRINCÍPIO OUVISTES. Com a ascensão de Cristo, e para a continuidade da igreja na terra, uma das coisas muito importante na vida dos cristãos era a unidade. E os apóstolos andavam de lugar em lugar onde havia comunidade cristã, arrebanhando pela união o povo de Cristo. E o amor fraternal de forma sincera entre todos os seguidores de Cristo representava a sobrevivência do cristianismo.

QUE ANDEIS NELE. Que andeis em que? No amor fraternal! As pregações dos apóstolos e a confirmação pelos seus escritos eram a mesma coisa que eles anunciavam desde o principio. A prática do amor fraternal, não podia faltar na igreja.

2 João 1:5

2 João 1:5 - E agora, senhora, rogo-te, não como se escrevesse um novo mandamento, mas aquele mesmo que desde o princípio tivemos: que nos amemos uns aos outros.
E AGORA. Ao que tudo indica, o autor aponta em direção de uma nova situação para aquela senhora e sua família. Não sabemos ao certo a que religião ela pertencia antes de se converter ao cristianismo. Há quem diga de que ela era uma Judia da dispersão, que antes de ter um encontro com Cristo seguia o judaísmo helenísticos e com isso procurava guardar os mandamentos da legislação mosaica. Por outro lado há quem defenda de que esta irmã, antes de ser alcançada pelo evangelho das boas novas seguia as religiões pagas de sua cidade, coisa que era comum no mundo antigo. Mas agora, que fora liberta por Cristo, precisava desfrutar uma nova experiência de vida.

SENHORA. Este tratamento dado pelo apóstolo a esta irmão, fala do seu respeito e consideração que tinha por ela e por sua família. No início desta carta o autor a classifica de senhora eleito, com isto, entende-se que João já havia percebido que ela realmente era uma pessoa especial para Cristo e eleita para fazer coisas importantes pelo reino de Deus. Há alguns comentaristas que afirmam ser esta senhora uma diaconisa da igreja de Cristo e que apoiava as reuniões da igreja em sua residência. Isto porque nesta época não era permitido pelo império romano à construção de templos dedicados ao cristianismo, somente depois de 312 D.C. é que isto mudou.

ROGO-TE. O que o apóstolo tinha para recomendar aquela irmã e a igreja que se reunia em sua residência assim ele o estava fazendo de forma solene, ao ponto de impetrar uma súplica em forma de rogos para que ao ser lida, não fosse recebida como uma simples informação, mas como sendo um mandamento da parte de Cristo. Esta forma de se dirigir a alguém era comum na cultura cristã primitiva, até mesmo das autoridades mais importantes para as menos destacadas. O importante neste caso não era o remetente da recomendação, mas sim, o que se estava sendo solicitado do receptor da petição. Mas, isso também fala da importância desta senhora irmã, eleita.

NÃO COMO SE ESCREVENDO UM NOVO MANDAMENTO. É provável que o apóstolo em outras oportunidades já tivesse ensinando as coisas do reino de Deus para aquela senhora e sua família, quem sabe, com a igreja que se reunia em sua casa. Ao que tudo indica, uma nova situação estava se modulando com aquela senhora e sua família, ao ponto de serem lembradas as mesmas coisas, agora, no entanto, de forma escrita. Não havia nada de novo com relação aos ensinos da nova dispensação.

MAS AQUELES MESMO QUE DESDE O PRINCÍPIO TIVEMOS. Jesus não escreveu pessoalmente nenhuma obra literária, no entanto, depois de sua ascensão, orientou aos seus apóstolos de que ensinassem e escrevessem seus ensinamentos para a igreja que estava se formando. Certamente João se refere a estes ensinos de Cristo.

QUE NOS AMEMOS UNS AOS OUTROS. A prova disto é que o apóstolo cita um dos mandamentos muito importantes da lei de Cristo, que é o amor fraternal da igreja. O primeiro é: Amar a Deus sobre todas as coisas, e o segundo é amar ao próximo como a si mesmo, nisto é que consiste a nova dispensação de Deus em Cristo Jesus.