Pesquisar este blog

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Filipenses 2:4.

Filipenses 2:4 - Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros.
NÃO ATENTE. Este "não" enfático, que o autor coloca no início desta sua recomendação, nos dá a entender que sua proibição era de foto importante para a comunidade cristã de Filipos. Atentar neste caso descreve sobre o não por o coração naquilo que é fruto de sua exortação. Alguns da igreja de Filipos só estavam olhando para o seu próprio umbigo, se deixando levar pelo egoísmo pessoal, e com isso, desprezavam os interesses do restante da comunidade cristã daquela cidade. O egocentrismo não podia prevalecer, porque assim sendo, quem mais ia sofrer com as perdas era a igreja.

CADA UM. O próprio fundador do cristianismo, Jesus Cristo, deu o maior de todos os exemplos, de que sua vida por completa foi para defender os interesses dos outros, como também os apóstolos de Cristo vinham pondo em prática este mesmo exemplo, ao deixarem seus interesses pessoais para se dedicarem ao reino de Deus. E o missionário Paulo era um clássico destes exemplos para a igreja de Cristo na cidade de Filipos. Ele abandonou tudo para se dedicar inteiramente as igrejas por ele fundadas.

PARA O QUE É. Ao que tudo indica, alguns dos líderes da igreja de Filipos estavam deixando de lado as atividades próprias da comunidade cristã para voltarem seus interesses nas coisas do mundo. Era um momento de perseguição, em que o Estado romano confiscava os bens dos cristãos, com isso, alguns apostatavam da fé para não perderem os seus bens. Outros, mesmo tendo poder e influencia perante as autoridades, porem se mantinham neutros, em não defenderem a igreja para não ficarem maus vistos pela sociedade e principalmente pelos do império romano.

PROPRIAMENTE SEU. Paulo ataca o individualismo dentro da igreja de Filipos, onde ao que tudo indica era justamente o que estava ocorrendo. É provável que naquela igreja se cumprisse aquele velho proverbio: Eu estando bem, os outros que se lasquem. O cristianismo tem como lema a unidade do povo de Deus para os mesmos objetivos da comunidade cristã, portanto, o egoísmo pessoal não deve ter lugar na igreja de Cristo. O que é de interesse de um, deve ser defendido por todos.

MAS CADA QUAL. Esse “mas” tem uma importância fundamental, para que o autor passe a destacar sobre o que deve prevalecer no meio do povo de Deus. Paulo neste ponto, escreve uma recomendação forte em termos de cumprimento da lei de Cristo, que é a prática do amor fraternal. É como se ele apontasse o dedo para cada um dos membros daquela igreja, e lhes afirmassem: Vocês tem a obrigação da amar uns aos outros. Paulo lutava para que a igreja de Cristo fosse unidade em propósitos.

PARA O QUE É DOS OUTROS. Não era momento para divisão, nem para racha, entre aqueles que buscavam o reino de Deus. A igreja não podia se esfacelar diante das dificuldades e perseguições que estavam acontecendo. Paulo faz um chamamento para os líderes da igreja de Filipos, para que defendessem a unidade e a união do rebanho de Cristo Jesus.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Filipenses 2:3

Filipenses 2:3 - Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.
NADA FAÇAIS. Paulo conhecia bem a igreja de Filipos, e apesar de agora se encontrar preso, ele tinha pleno conhecimento do que estava ocorrendo de anormal naquela igreja. As suas recomendações neste texto, são próprias de quem realmente deseja o bem da comunidade inteira, principalmente no que concerne a união entre todos neste tempo de crise contra o cristianismo. O apóstolo deseja que os irmãos estejam neutros, no sentido de se dividirem uns contra os outros, porque o momento era de juntar forças, em defesa da fé que uma vez foi dada aos santos. Isso era muito bom.

POR CONTENDA. O autor sabia que as contendas só tinha como resultado, o enfraquecimento da igreja de Cristo. Não era momento dos irmãos falarem mal uns dos outros, nem de contenderem entre si, como se fosse uma casa dividida, pelo contrário, como todos estavam passando pelas mesmas perseguições deveriam era apoiar uns aos outros em todos os sentidos. O Senhor Jesus falou que, um reino dividido contra si mesmo, a tendência é ser destruído. As confusões não iriam ajudar em nada, aqueles que estavam sendo maltratados e oprimidos pelos opositores.

OU VANGLÓRIA. Ao que tudo indica havia alguns da igreja de Filipos, que por ocuparem posições de destaque perante a sociedade, e contar com alguns privilégios diante das autoridades romanas, se vangloriavam sobre os menos favorecidos da igreja, dizendo que não passariam por nenhum tipo de problema, como os demais. Por outro lado, existiam aqueles mais exaltados que insultavam as autoridades, movidos pelo sentimento de ser mártir, porque se criou neste tempo, um movimento de que os líderes da igreja deviam morrer por Cristo. Com isso buscavam morrer pelo evangelho.

MAS POR HUMILDADE. Ninguém precisava morrer como mártir da igreja primitiva, para ter sua recompensa no reino dos céus. O grande líder do cristianismo, Jesus Cristo, já havia feito isso em prol da sua igreja. O próprio Paulo escrevendo aos Romanos ele deixou registrado de que, os seguidores do reino de Deus devem ser sujeitos e respeitarem as autoridades. Se alguém tivesse que morrer por amor ao evangelho, que assim fosse, porem com humildade e simplicidade, como Cristo deixou o exemplo.

CADA UM CONSIDERE OS OUTROS. O conselho do escritor era de que, a arrogância não prevalecesse entre todos os cristãos de Filipos. O respeito é o melhor comportamento que deve haver entre todos aqueles que fazem parte do reino de Cristo. Paulo procurava lembrar aos irmãos de que, o seu direito só vai até onde começa o direito do outro. Os de posições mais elevadas tinham que considerar os que ocupavam posições inferiores na igreja, como também todos tinham que ter respeito e consideração pelas autoridades, que eram constituídas por Deus para tais finalidades.

SUPERIORES A SI MESMO. É provável que, algumas das autoridades eclesiásticas da igreja de Filipos estivessem se vangloriando de suas posições na comunidade, para desrespeitarem as autoridades políticas e civis do estado. Como também há quem diga que estes mesmos líderes da igreja, se julgavam superiores aos demais membros da comunidade cristã, e desprezavam os cristãos comuns da igreja de Cristo.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Filipenses 2:2

Filipenses 2:2 - Completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa.
COMPLETAI. O que mais incomodava o apóstolo Paulo, não eram suas algemas, nem tão pouco o fato de se encontra preso, por defender o evangelho de Cristo e o cristianismo. O que estava neste momento preocupando o coração do missionário dos gentios, era justamente a falta de comunhão entre todos os cristãos de Filipos. O que o autor esperava a partir daquele momento era de que, os seguidores de Cristo naquela igreja se unissem no mesmo propósito, em serem fieis ao Senhor Jesus, naquele momento difícil para a igreja de Cristo. Era momento de união e não de divisão.

O MEU GOZO. Paulo sabia que já tinha completado a sua missão, e que tinha feito o que Cristo havia lhe determinado que fizesse, com isso, se sentia feliz por cumprir com sucesso seus trabalhos missionários no mundo gentílico. Sentia-se contente por ver que havia contribuindo para o crescimento do reino de Cristo no mundo, e como enviado aos gentios, tinha fundado muitas igrejas em vários lugares. Todavia, para que ele desfrutasse desta felicidade até o fim, precisava saber que os cristãos estavam se apoiando mutuamente, para vencerem as lutas pelo reino de Cristo.

PARA QUE SINTAIS O MESMO. O que o escritor desta carta desejava profundamente era de que, todos os remidos em Cristo sentissem as mesmas coisas, que todos estavam passando. A causa era a mesma, todos estavam passando por perseguições dos Judeus e romanos, a pressão era muito grande para barrar o crescimento do cristianismo na terra, os servos de Cristo estavam tendo seus bens confiscados pelo Estado romano, a pobreza era generalizada. A situação era desconfortável para todos de igual modo, e se alguém estava sofrendo, todos tinham que estarem juntos na mesma batalha.

TENDO O MESMO AMOR. Somente o amor era capaz de amenizar os sofrimentos e as perseguições, que as igrejas estavam passando naquele momento de tribulação. Desde o ministério de Cristo, que o povo de Deus vinha aprendendo que deveriam ser praticantes do amor fraternal, em cumprimento da lei de Cristo. Os apóstolos haviam ensinado em todas as igrejas, que assim como devemos amar a Deus, também precisamos amar ao nosso próximo como a nós mesmo. Este amor fraternal tinha que sair da teoria e passar a ser uma prática habitual entre todos.

O MESMO ÂNIMO. A igreja de Cristo em Filipos, não podia fracassar neste momento de provações e perseguições. Era momento de levantar a cabeça e persistir em busca do reino de Deus e das coisas que são de cima. Eles tinham conhecimento do exemplo de Cristo, que lutou com resignação até o último momento, e também tinham conhecimento dos sofrimentos e perseguições, que o próprio Paulo já havia passado, e estava passando neste momento, em que se encontrava preso. Coragem era a palavra de ordem para vencerem as dificuldades que estavam surgindo.

SENTINDO UMA MESMA COISA. Paulo conclama os seguidores do Senhor Jesus em Filipos, para que estejam todos unidos em um mesmo propósito, porque se eles fracassassem. a missão de Paulo naquele lugar, não teria o sucesso que era desejado. Os cristãos de Filipos precisavam ser movidos pelo amor fraternal e pelo bom ânimo.

Filipenses 2:1

Filipenses 2:1 - Portanto, se há algum conforto em Cristo, se alguma consolação de amor, se alguma comunhão no Espírito, se alguns entranháveis afetos e compaixões.
PORTANTO, SE HÁ ALGUM CONFORTO. Esta expressão usada pelo autor se trata da forma em que somos consolados, apoiados, e encorajados pelo Senhor Jesus Cristo. Conforme a história e as tradições do cristianismo, ficamos sabendo que a igreja de Filipos foi uma das mais perseguida, neste mesmo tempo, em que Paulo escrevia esta carta. De maneira que, o escritor faz a colocação exata de palavras, que expressam a ajuda da parte de Cristo, o seu apoio neste momento de perseguição, e o seu encorajamento para vencer as lutas e as dificuldades que a igreja estava passando.

EM CRISTO. Escrever sobre Cristo é descrever sobre a missão perfeita realizada pelo Messias de Deus em cumprimento as promessas feitas pelo Deus eterno, em todo o arcabouço das antigas literaturas religiosas dos Judeus. O que os cristãos de Filipos estavam atravessando em termos de perseguição e opressão, não representava nem a sobra do que o Cordeiro de Deus teve que enfrentar pelos seus escolhidos. O exemplo de Cristo sobre tudo que ele teve que passar de sofrimentos, servia de consolo para os seus seguidores que estava tento o privilégio de experimentarem um pouquinho das provações difíceis que o Filho de Deus passou em nosso lugar.

SE ALGUMA CONSOLAÇÃO DE AMOR. Quando os seguidores do reino de Deus estavam sendo perseguidos lembravam de que muito mais sofreu o Salvador, Jesus Cristo, em sua morte expiatória em prol dos remidos. Com isso os cristãos de Filipos e a igreja de Cristo recebe força e conforto para continuar na luta, em defesa do evangelho e por seguirem ao Mestre, Jesus de Nazaré. Essa consolação comparativa entre os sofrimentos dos cristãos e o que Cristo teve que enfrentar para remir os salvos, servia de força e motivação para não negarem o nome de Cristo e o seu evangelho. Este amor era mútuo entre Cristo e os seus seguidores na cidade de Filipos.

SE ALGUMA COMUNHÃO NO ESPÍRITO. O “se” repetitivo do escritor aponta para a possibilidade de haver ou não estas coisas nos corações dos irmãos em Filipos. Paulo esperava que houvesse essa comunhão entre os seguidores de Cristo, com o Espírito de Deus. Essa comunhão é representada pelo novo nascimento que o Espírito Santo produz na vida de todos aqueles que se tornam novas criaturas em Cristo Jesus.

SE ALGUNS ENTRANHÁVEIS AFETOS. Além da comunhão que deve haver entre os cristãos e o Espírito de Deus, deve haver também comunhão entre todos aqueles que seguem o os passos de Cristo. A igreja precisava desta unidade em um mesmo Espírito para vencer as perseguições impostas pelos inimigos e opositores do cristianismo.

E COMPAIXÕES. Muitos dos seguidores do Senhor Jesus tiveram seus bens confiscados pelo governo de Roma, e com isso, passaram a enfrentar tremendas dificuldades, daí a necessidade de que a compaixão de uns para com os outros fosse exercida na prática, com ações e atos de generosidade. Tinha que haver compaixão entre todos os cristãos.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Filipenses 1:29-30

Filipenses 1:29-30 - Porque a vós vos foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nele, como também padecer por ele. Tendo o mesmo combate que já em mim tendes visto e agora ouvis estar em mim.
PORQUE A VOS, VOS FOI CONCEDIDO. 2 Timóteo 3:12 - E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições. Cristo foi o modelo mesmo para todos os seus seguidores, de como estamos sujeitos a passar por dificuldades, pelo fato de fazermos parte do reino da luz. Os cristãos primitivos nos deixaram o exemplo de que, as perseguições por conta de sermos discípulos de Cristo, fazem parte da caminhada e que estamos vulneráveis a ter que enfrentarmos tribulações pelo evangelho de Cristo. E o escritor desta missiva também é um exemplo forte dos que foram duramente perseguidos por ser um homem de Deus e missionário do reino de Jesus Cristo. Foi assim no passado e hoje não é diferente.

EM RELAÇÃO A CRISTO. A nossa relação com Cristo. Por sermos seus seguidores e discípulos e o fato de vivermos em Cristo e para Cristo. Sistematicamente nos remete a sermos vítimas das perseguições do império das trevas e de todos aqueles que estão a serviço do mal. No sentido humano, o cristianismo da verdade sempre foi uma ameaça às religiões de mistérios que de maneira dúbia trilam pelo caminho do engano. Quem vive pela verdade do evangelho de Cristo é perseguido sempre de alguma maneira, porque faz parte da luz e as trevas não se une com a luz.

NÃO SOMENTE CRER NELE. Esta é uma colocação feita pelo escritor, “de conscientização” em que os seguidores de Cristo além de crer no nome do Senhor Jesus como sendo o único Salvador e Senhor, têm como consequências ter que passar por algumas dificuldades e perseguições pelo seu testemunho de um cristão verdadeiro. Crer em Cristo é recebê-lo como Salvador e Senhor pessoal. Crer em Cristo é aceitar tudo aquilo que o evangelho fala sobre Jesus de Nazaré como sendo a regra de fé e prática cristã. Quem crer em Cristo faz parte da família de Deus.

COMO TAMBÉM PADECER POR ELE. O fato de receber a Cristo na vida, já é motivo suficiente para se passar por problemas de perseguição. Agora, quando alguém se dedica de alguma forma em passar a Cristo para outras pessoas, isto gera um fator multiplicador de ódio e revolta no mundo e no império das trevas, que se unem para perseguir o pescador de vidas para o reino de Cristo. Padecer por Cristo é de alguma forma sofrer por ser um representante do Senhor Jesus aqui na terra. E quanto mais importante for a missão do discípulo de Cristo nesta vida, mas ele estar sujeito a padecer por Cristo e o seu evangelho. Esta é uma realidade dura e inevitável.

TENDO O MESMO COMBATE QUE JÁ EM MIM TENDES VISTO. Os cristãos de Filipos conheciam de perto as batalhas que Paulo teve que enfrentar por conta de ser um representante do reino de Cristo na terra. Até porque Paulo foi o fundador daquela igreja que estava na cidade de Filipos. Não era coisa de ouvir dizer, mas de ver.

E AGORA OUVIS ESTAR EM MIM. Todos concordam que Paulo se encontrava preso ao escrever está epístola. E já era do conhecimento dos cristãos de Filipos esta situação difícil, que o apóstolo estava passando, por conta do evangelho de Cristo. Tudo que acontecia com Paulo se espalhava rapidamente por todas as partes, isso poque ele era o grande apóstolo de Cristo enviado ao mundo gentílico.

Filipenses 1:28

Filipenses 1:28 - E em nada vos espanteis dos que resistem, o que para eles, na verdade, é indício de perdição, mas para vós de salvação, e isto de Deus.
EM NADA VOS ESPANTEIS. No texto anterior, o escritor recomenda que os cristãos de Filipos, se dedicassem no combate da fé do evangelho. Agora, ele dá início a este versículo, alertando de que os irmãos não se espantassem com aqueles, que resistem à mensagem das boas novas sobre Cristo. E o apóstolo foi quem mais enfrentou este problema, dos opositores do evangelho da nova aliança. É tanto que ele se encontrava preso, por defender a Cristo e o seu evangelho. Do mesmo modo, os cristãos de Filipos estavam sujeitos, a passarem por estas mesmas perseguições.

DOS QUE RESISTEM. Jesus fundou o cristianismo que veio com força total. E no primeiro momento esta nova religião representou uma ameaça direta ao judaísmo, razão porque Jesus foi perseguido e morto com o apoio dos Judeus. Com a expansão do cristianismo para outras localidades além das fronteiras de Israel. A nova religião passou a ser alvo dos ataques do império romano, que além de ter determinado a morte de Cristo passou a perseguir e a matar os seus seguidores. Neste tempo, Roma fazia a imposição de sua religião oficial, “que não era o cristianismo”, em todo o seu domínio. Até 312 d.C. Roma não aceitava o cristianismo, mas tentava acabar com ele.

O QUE PARA ELES, NA VERDADE. Quem já leu o livro, “As catacumbas de Roma”, sabe que naquele país tinha mais de 500 km de galerias subterrâneas, onde a maioria dos cristãos viviam escondidos nas cavernas, para escaparem das perseguições do império romano. Durante os três primeiros séculos da era cristã, o cristianismo sobreviveu sob muita pressão dos Judeus e dos romanos, além é claro, das religiões de cada cidade onde se chegava com a mensagem do evangelho de Cristo Jesus. Depois de 312 d.C. o império político de Roma foi entrando em decadência, mas foi substituído pelo império religioso, que começou a se espalhar para as demais nações do mundo, até os dias de hoje. O antigo império político de Roma é o mesmo império religioso de hoje, a babilônia misteriosa.

É INDÍCIO DE PERDIÇÃO. Os que resistem ao evangelho de Cristo, perdem a oportunidade de ter a esperança de vida eterna e de salvação. Esta perdição, citada pelo escritor desta carta, diz respeito a tudo que representa de negativo, na vida de todos aqueles que rejeitam ao evangelho, e deixam de receberem a Cristo em suas vidas. Esta perdição, pode significar conforme o evangelho, a perdição eterna, morte eterna ou separação eterna do Deus da vida. É a segunda morte.

MAS PARA NÓS DE SALVAÇÃO. O que para os inimigos do evangelho, e da igreja de Cristo, representa perdição. Do outro lado, para nós, significa salvação e vida eterna. Porque aqueles que vivem para Cristo e o seu evangelho, tem a esperança de que, as perseguições que passamos por causa do nome de Cristo, resultará em glória eterna. Os que foram perseguidos ou mortos pelo evangelho serão recompensados.

E ISTO EM DEUS. Esta salvação da qual Paulo escreveu, nos ensina que ela vem de Deus em Cristo Jesus. E isto vem de Deus. Ninguém na realidade é digno desta salvação, mas tudo provem de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo. Por isso que o evangelho afirma que, a salvação é pela graça, que é um favor não merecido.

Filipenses 1:27

Filipenses 1:27 - Somente deveis portar-vos dignamente conforme o evangelho de Cristo, para que, quer vá e vos veja, quer esteja ausente, ouça acerca de vós que estais num mesmo espírito, combatendo juntamente com o mesmo ânimo pela fé do evangelho.
SOMENTE DEVEIS PORTAR-VOS DIGNAMENTE. O apóstolo conclui o restante deste capítulo falando a respeito da perseverança, do amor fraternal, da humildade e da santidade. Nesta primeira frase, ele deixa transparecer de que, vai dar uma focalizada na ética cristã, em como deve se comportar a igreja de Cristo que estava na cidade de Filipos. Se portar dignamente é viver de tal maneira que posamos ser bem vistos por Deus e pelo nosso próximo, como sendo um cristão verdadeiro. É alguém olhar para a nossa vida e ver que seguimos os passos de Cristo, o grande Mestre.

CONFORME O EVANGELHO DE CRISTO. Eis aqui a carta magna dos discípulos de Cristo. Assim como os israelitas tinham a legislação mosaica, os cristãos tem o evangelho de Cristo como caminho a ser seguido, para executar a vontade do Senhor Jesus. Moisés era tido como o maior de todos os legisladores do povo de Israel, porque deixou por escrito, não somente as leis de Deus, como também uma legislação civil e social. Cristo é o nosso grande Mestre porque nos deixou ensinos a serem seguidos. Quem vive de conformidade com o evangelho de Cristo é seu discípulo.

PARA QUE, QUE VÁ E VOS VEJA. O pensamento do apóstolo neste momento era de que, se fizesse uma boa defesa perante as autoridades e fosse solto, poderia retornar a cidade de Filipos para ver e rever os irmãos. E chegando lá poder ver em loco, que todos eles estavam se portando dignamente, como verdadeiros seguidores do reino de Deus. O grande amor que o apóstolo tinha pelos seus filhos e filhas na fé daquela cidade, o constrangia a sentir um imenso desejo de ver a todos, face a face.

QUER ESTEJA AUSENTE, OUÇA ACERCA DE VÓS. Mas, se porventura não fosse possível ser solto da prisão e retornar a Filipos, pelo menos ele queria ouvir falar de que, a igreja de Cristo naquele lugar estava vivendo a altura do chamado cristão. Como missionário que era Paulo vivia de lugar em lugar, pregando o evangelho onde Cristo ainda não era conhecido. No entanto, carregava consigo o cuidado com cada comunidade cristã que ele fundava. Mesmo ausente procurava saber como estavam.

QUE ESTAIS NUM MESMO ESPÍRITO. Isto fala o apóstolo, sobre o modo como deveria se portar uns para com os outros, dentro da comunidade cristã. Nada de partidarismo ou faccionismo, mas todos em um mesmo espírito e sentindo uma mesma coisa. Como bem ele falou em Filipenses 2:5 – De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus. Era um momento de unidade e união e não de divisão. Todos com os mesmos objetivos pelo evangelho de Cristo e pelo reino de Deus.

COMBATENDO COM O MESMO ÂNIMO PELA FÉ DO EVANGELHO. Paulo estava ausente, mas se Deus lhe concedesse a oportunidade de retornar aquela igreja, queria chegar lá e ver que o número de convertidos tinha aumentando, tendo em vista o combate feito pelos cristãos de lá, em prol e pelo crescimento do evangelho. Mesmo sabendo que o apóstolo estava preso, eles não poderiam desistir da obra, que não era de Paulo, mas de Cristo.

Filipenses 1:25-26

Filipenses 1:25-26 - E, tendo esta confiança, sei que ficarei, e permanecerei com todos vós para proveito vosso e gozo da fé. Para que a vossa glória cresça por mim em Cristo Jesus, pela minha nova ida a vós.
E TENDO ESTA CONFIANÇA. Paulo se refere a sua confiança em Deus, que mais uma vez faria sua defesa perante as autoridades, das acusações que lhe imputavam. E com isso, teria mais tempo para continuar fazendo a sua obra de realizar missões e pregar os ensinos de Deus para edificação das igrejas que ele fundou. Como ele próprio escreveu: Mas julgo mais necessário, por amor de vós, ficar entre vos para dar mais frutos da minha obra. O apóstolo tinha um amor muito grande pela comunidade cristã de Filipos, assim como pelas demais igrejas fundadas por ele.

SEI QUE FICAREI, E PERMANECEREI COM TODOS VÓS. Nos textos anteriores deste mesmo capítulo, o escritor demonstrava uma certa dúvida sobre que achava melhor partir e estar com o Senhor. Mas agora, ele retoma seu ânimo, no sentido de ter a esperança de sair da prisão e voltar a visitar e conviver com os cristãos de Filipos. Certamente sua fé foi ativa pela confiança de que tinha testemunho suficiente para convencer as autoridades que ia lhe julgar para que os tais lhe absorvessem das acusações que lhe eram impostas. Seu destino estava nas mãos do Senhor.

PARA PROVEITO VOSSO. Assim como o apóstolo tinha sido muito importante para levar as boas novas do evangelho de Cristo naquela cidade. Como também tinha sido usado por Deus para fundar aquela comunidade cristã e fazer com que se firmassem na fé em Cristo. Paulo neste momento se sente otimista o suficiente para ainda em breve se fazer útil entre os que consideravam serem seus filhos e filhas na fé. O apóstolo só achava necessário ficar nesta terra mais um pouco se fosse ser proveitoso.

E GOZO NA FÉ. Trocar uma vida atribulada e cheia de perseguições como era a do apóstolo por uma vida de sossego com Cristo nas mansões celestes, só valia a pena para Paulo se isso resultasse em bons frutos para a igreja de Cristo. Pela fé que possuía e pela esperança que tinha, de morrer e estar com Cristo, só valeria a pena ficar neste mundo, se isto resultasse em proveito e edificação na vida daqueles que ele tinha ajudado a levar ao encontro com Cristo Jesus, o Salvador da humanidade.

PARA QUE A VOSSA GLÓRIA CRESÇA. Numa visão de liberdade do encarceramento em que se encontrava e já se vendo entre os cristãos de Filipos, o apóstolo deslumbrava ser útil entre eles para lhes ensinarem os desígnios de Deus e produzir crescimento espiritual naquela igreja. O que Paulo desejava era estar entre os irmãos e vê-los cheios da glória de Deus. Se desenvolvendo no conhecimento do Senhor e crescendo na sabedoria de Deus, isso era a alegria e o gozo maior do apóstolo.

POR MIM EM CRISTO JESUS, PELA MINHA NOVA IDA A VÓS. Esse crescimento da glória de Deus na vida dos cristãos de Filipos, Paulo desejava ser participante. Mas era consciente de que isso só era possível mediante Cristo Jesus. Por isto que, a Escritura afirma de que, Cristo é tudo em todos. Quando Paulo declara: "Pela minha nova ida a vos", ele está sendo positivista de que, mais uma vez o seu Deus o livraria da prisão e da morte. Tudo isto impulsionado pelo amor que tinha pela igreja de Cristo.

Filipenses 1:23-24

Filipenses 1:23-24 - Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor. Mas julgo mais necessário, por amor de vós, ficar na carne.
DE AMBOS OS LADOS ESTOU EM APERTO. Paulo se refere ao que tinha descrevido anteriormente ao dizer que, não sabia se era melhor morrer e está com Cristo ou ficar vivo para dar mais frutos no evangelho. O fato de o apóstolo afirmar que estava em aperto, diz respeito a sua decisão em se defender como das outras vezes perante as autoridades, ou deixar que as coisas transcorressem normalmente, e o intento dos seus opositores se concretizassem, que era na realidade tirar-lhe a vida. De ambos os lado ele ainda não havia se decidido o que fazer. Era um momento de dúvida.

TENDO DESEJO DE PARTIR. Paulo era consciente do que já havia feito em prol do reino de Deus, e estava certo de que tinha feito o que foi possível fazer. Poucos dos líderes da igreja primitiva fizeram tanto quanto o apóstolo realizou pelo evangelho do Senhor Jesus. Com isso, ele estava convicto de que, se partisse para estar com Cristo, seria mais conveniente para ele. Tinha fé de que seu galardão estava guardado nas mansões celestiais. Vivia cheio de esperança de que se morresse naquele momento a graça de Cristo o transportaria para o reino dos céus.

E ESTAR COM CRISTO. Este “estar com Cristo” é morrer e ter o privilégio de subir para Cristo, em vez de descer para o lugar de sofrimento. Pode até ser que o apóstolo estivesse pensando na promessa feita por Cristo em João 14:1-3 - Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. Essa é a nossa grande esperança.

PORQUE ISTO É AINDA MELHOR. Não há como comparar as bênçãos que os remidos irão desfrutar na vida eterna com Cristo, com as coisas desta vida. Esta vida terrena por melhor que seja sempre surgem os problemas e as dificuldades, e a cada dia um novo desafio a ser enfrentado. Mas, conforme as Escrituras, a vida eterna com Cristo será sem contrariedades, com plena paz e absoluto sossego. Lá não haverá nenhum tipo de necessidade, porque Cristo será tudo em todos. Maranata, ora, vem Senhor Jesus.

MAS JULGO MAIS NECESSÁRIO. Nisto percebe-se o grande amor que o apóstolo tinha pela obra de Deus e pelos seus filhos e filhas na fé. A história do cristianismo nos revela que Paulo dedicou mais de trinta anos de sua vida as atividades em prol do reino de Deus, depois de sua conversão ao evangelho. Certamente neste momento uma luz ilumina a mente do apóstolo lhe indicando de que sua missão ainda não havia terminado. E há quem diga que ele ainda viveu algum tempo fazendo missões.

POR AMOR A VÓS, FICAR NA CARNE. Mas uma vez nesta sua epístola, o apóstolo se refere ao seu amor pelos cristãos de Filipos. Este amor foi quem o levou a desejar ficar um pouco mais na terra para desfrutar da comunhão com as igrejas que ele fundou com seu trabalho missionário. O “ficar na carne” a que se refere Paulo, diz respeito a permanecer neste mundo, e continuar fazendo a obra de Deus na terra.

Filipenses 1:21-22

Filipenses 1:21-22 - Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho. Mas, se o viver na carne me der fruto da minha obra, não sei então o que deva escolher.
PORQUE PARA MIM. Como a igreja de Cristo que estava em Filipos era muito querida por Paulo, ele mais uma vez dilata seu coração para revelar os seus sentimentos pessoais e o que ele achava da situação em que estava enfrentando. Somente para pessoas de muita confiança é que relatamos nossos pensamentos mais confidenciais, como foi no caso de Paulo, ele confiava na igreja de Filipos para quem estava escrevendo sobre sua vida pessoal, porque sabia de que encontraria apoio nela.

O VIVER É CRISTO. Ao ler esta frase notável do grande apóstolo, não tem como não citar Gálatas 2:20 - Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim. Porque para mim, o viver é Cristo. O cristão verdadeiro não vive mais para o mundo, nem para os outros e nem para si mesmo, ele vive para Cristo. Em outra parte dos seus escritos Paulo escreveu: Procuro agradar a homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo (Gálatas 1:10). Viver para Cristo é ser verdadeiramente seu discípulo.

E O MORRER E GANHO. Este aprisionamento enfrentado por Paulo era tão difícil, que ele próprio não sabia se realmente saia dessa vivo ou morto. Mas, para ele não tinha importância, tanto fazia sobreviver, como morrer pela causa do evangelho. Por que Paulo diz que para ele o morrer é ganho? Porque ele sabia do que já havia feito em prol do evangelho, como também tinha a esperança de que ao partir desta terra para a outra vida, Cristo usaria de misericórdia e de sua graça para lhe dar a vida eterna.

MAS SE O VIVER NA CARNE. Este viver na carne a que se refere o apóstolo diz respeito à vida no corpo, ou seja, esta vida que vivemos aqui na terra, não quer dizer viver nas obras da carne, as quais ele combateu em (Gálatas 5:19-21). Paulo está tratando nesta frase de sua vida como missionário que era do reino de Cristo e propagador das boas novas da dispensação da graça em Cristo.

ME DER FRUTO. Este fruto ao qual Paulo escreve, diz respeito ao resultado dos seus trabalhos missionários em prol do reino de Cristo, como também dos seus ensinos nas igrejas para edificar o povo de Deus, assim bem como de suas pregações sobre a defesa que fazia de ser Jesus de Nazaré o Messias enviado de Deus para implantar a nova aliança do Senhor com a humanidade.

DA MINHA OBRA. Qual era a obra de Paulo? Quando Cristo o chamou para ser um missionário do seu reino, Paulo passou pouco mais de três anos entre Damasco e o deserto da Arábia, se preparando para a grande obra a que ele passaria a executar a partir de então. Começou por revelação divina a fazer sua obra missionária e a pregar o evangelho onde Cristo ainda não era conhecido.

NÃO SEI ENTÃO O QUE DEVA ESCOLHER. Esta expressão da parte do apóstolo é que ele possivelmente estava para ser julgado. Onde podia se defender como das outras vezes, ou não convencer as autoridades e ser morto em breve pelo evangelho da verdade de Cristo.

Filipenses 1:20

Filipenses 1:20 - Segundo a minha intensa expectação e esperança, de que em nada serei confundido; antes, com toda a confiança, Cristo será, tanto agora como sempre, engrandecido no meu corpo, seja pela vida, seja pela morte.
SEGUNDO A MINHA INTENSA EXPECTAÇÃO. Paulo estava absolutamente centrado nos últimos fatos que o cercava ao ponto de expressar aquilo que se passava no seu pensamento e mente no tocante o que poderia lhe acontecer. A simples leitura deste texto que está diante de nós, nos faz saber de que o apóstolo estava mais uma vez enfrentando perigo de morte. O império romano tinha como objetivo destruir o cristianismo já em seu nascedouro, razão porque foi Roma quem mais matou cristão em toda a história do mundo. Isto é comprovado pela história do cristianismo.

E ESPERANÇA. No entanto, mesmo estando encarcerado e enfrentado perigo de aniquilamento o apóstolo se alimentava da esperança que mais uma vez o Senhor o pudesse livrar dos seus algozes perseguidores. Como um missionário cristão voltado para a propagação das boas novas de Cristo tinha o sonho de ainda alcançar muitos lugares e inúmeras vidas com o evangelho da libertação. O mundo diz: A esperança é a última que morre, mas para quem vive pela fé a esperança nunca morre.

DE QUE EM NADA SEREI CONFUNDIDO. Enfrentando tribulação, prisão e perigo de morte, além de ter que enfrentar a todo o momento as autoridades políticas e religiosas, a confiança de Paulo era que jamais seria confundido em todos os seus embates e lutas que enfrentava por causa do evangelho de Cristo. A defesa que o apóstolo fazia em prol de Cristo e de seu evangelho era sólida e tinha como testemunho milhares de pessoas que se convertiam ao cristianismo. Por isso que ele estava seguro de que não seria envergonhado no momento de sua defesa.

ANTES, COM TODA CONFIANÇA. Neste período em que Paulo estava enfrentando seus opositores ele era submetido a intensos interrogatórios pelas autoridades romanas e judaicas, e até certo ponto, pressionado a negar a fé que tanto defendia. Mas, como das outras vezes, ele juntou sua esperança e confiança e tinha certeza de que tudo ia sair bem. Ele estava pronto psicologicamente para o que desse e viesse.

CRISTO SERÁ, TANTO AGORA COMO SEMPRE, ENGRANDECIDO NO MEU CORPO. Foi Paulo quem escreveu uma das maiores declarações de um cristão verdadeiro. Gálatas 2:20 - Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim. Para ele o viver é Cristo e o morrer também.

SEJA PELA VIDA. Paulo estando vivo representava desfalque para o inferno, uma vez que aonde ele chegava tinha por costume anunciar as boas novas sobre Cristo. E isto era uma ameaça ao judaísmo, como também a antiga religião oficial do império romano. Se Deus o livrasse mais uma vez da prisão ele continuaria fazendo missões.

SEJA PELA MORTE. Mas também aceitava o caso se fosse ter que morrer pelo nome de Cristo. Porque tanto as suas prisões quanto a sua morte serviria de estímulo aos que lhe conheciam para continuarem fazendo os trabalhos que ele deu início.

Filipenses 1:19

Filipenses 1:19 - Porque sei que disto me resultará salvação, pela vossa oração e pelo socorro do Espírito de Jesus Cristo.
PORQUE SEI. Pelos relatos que Paulo vinha escrevendo, podemos conjecturar de que, haviam na igreja de Filipos opositores ao ministério do apóstolo. E é mais que evidente de que eram os falsos pregadores que anunciavam o evangelho por contendas, porfia, contenção, por inveja, não puramente e por fingimento. Estes, na ausência de Paulo tentavam desfazer o que o apóstolo tinha feito pelo evangelho na comunidade cristã que estava na cidade de Filipos. Mas, Paulo sabia que os cristãos verdadeiros estavam orando e intercedendo por ele, a fim de que Deus lhe ajudasse.

QUE DISTO. Disto o que? Por meio das orações dos seus filhos e filhas na fé que estavam em Filipos. Por intermédio da intercessão dos verdadeiros cristãos que conheciam o trabalho realizado pelo apóstolo em prol da igreja de Filipos e para o crescimento do evangelho naquele lugar. Esta é conhecida como a epístola da prisão em que, o apóstolo escreveu quando estava preso, provavelmente em Roma. E ele fala justamente da importância das orações da igreja em seu favor.

ME RESULTARÁ SALVAÇÃO. A tradução correta desta frase é: Me resultará em livramento. A palavra “salvação” em muitos casos na bíblia é usada em termos de “livramento”, diferente da designação “vida eterna”. Boa parte dos comentaristas bíblicos concordam de que haviam rumores de que o apóstolo seria executado em breve por causa das suas atividades em prol do evangelho e em sua defesa de que, Jesus de Nazaré era o Messias de Deus, prometido nas Sagradas Escrituras.

PELA VOSSA ORAÇÃO. Descobrimos neste particular, o quanto é importante à oração intercessória de uns pelos outros. O apóstolo estava enfrentando um dos piores momentos de sua trajetória, como missionário do reino de Cristo, e era o momento de solicitar dos seus filhos e filhas na fé a oração em seu favor. Até porque, ele sabia de que pela oração da igreja, Deus podia mudar aquela situação. A Escritura afirma que, a oração do justo pode muito em seus efeitos. Imagine uma igreja toda orando em favor de uma causa. Acontecesse o que fosse, mas Paulo estava seguro de sua fé.

E PELO SOCORRO DO ESPÍRITO. Tendo destacado a importância da oração de intercessão da igreja de Filipos em seu favor, ao mesmo tempo em que solicitava dos irmãos que orassem por ele. Agora o apóstolo busca destacar a importância do socorro prestado pelo Espírito Santo em sua vida. Isto é realmente uma grande dádiva da parte de Deus, na vida de todo cristão verdadeiro, a presença do Consolador amado.

DE JESUS CRISTO. O Espírito de Jesus Cristo, a que se refere o escritor, diz respeito ao mesmo Espírito de Deus. Jesus é o nome próprio do Filho de Deus, e quer dizer: Aquele que veio para salvar. E Cristo quer dizer, ungido de Deus ou enviado de Deus, para executar ou implantar a nova aliança da graça de Deus com a humanidade.

Filipenses 1:17-18

Filipenses 1:17-18 - Mas outros, por amor, sabendo que fui posto para defesa do evangelho. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda.
MAS OUTROS, POR AMOR. Paulo vinha escrevendo sobre os falsários do evangelho ao falar: Uns, na verdade, anunciam a Cristo por contenção, não puramente, julgando acrescentar aflição às minhas prisões. Mas agora ele elogia os que pregam o evangelho por amor. Os que pregam o evangelho por amor devem receber toda credibilidade. Mas quem prega a palavra por dinheiro é um mercenário, falsário e enganador. Quem já se viu ganhar dinheiro para fazer as coisas para Deus? Devemos ao Senhor até os cabelos da nossa cabeça. Quem cobra para pregar o evangelho já esta dizendo quem é. Para o escritor desde comentário é o pior tipo de gente que há no mundo, seja ele quem for.

SABENDO QUE FOI POSTO. Paulo faz uma defesa pessoal da sua chamada. Os que pregavam o evangelho de forma legítima e pura reconheciam de que, o apóstolo tinha sido posto pelo próprio Cristo como um defensor incansável das boas novas do evangelho do Senhor Jesus. Diferente dos que pregavam o evangelho de forma dúbia e com segundas intenções, que tentavam macular o testemunho do fundador da comunidade cristã em Filipos, o apóstolo Paulo. Porem, o exemplo histórico do cristianismo ultrapassou a barreira do tempo e comprovou de que Paulo foi um guerreiro em prol do evangelho de Cristo Jesus, com as boas novas de Deus.

PARA DEFESA DO EVANGELHO. A isto se pode dar o nome de uma verdadeira “batalha” que teve que enfrentar rotineiramente o apóstolo em defesa do evangelho de Cristo. Teve que enfrentar inúmeras vezes os Judeus mais radicais e defensores da legislação mosaica para lhes comprovar de que Jesus de Nazaré era realmente o Messias prometido por Deus. E o pior é que Paulo foi duramente perseguido pelo império romano, ao ponto de ser por diversas vezes preso em defesa da fé que anunciava. Passou por muitas tribulações, perseguições e perigos de morte.

MAS QUE IMPORTA? CONTANTO QUE CRISTO SEJA ANUNCIADO DE TODA MANEIRA. Contudo, ele passa uma borracha e diz não se importar com nada do que já passou em defesa do evangelho. O importante mesmo é que o Senhor Jesus seja anunciado de todas as maneiras. O bom é que o evangelho seja anunciado pelos que pregam por amor, sem segundas intenções, nem para tirarem proveito dele. Como nem tudo fica perdido, até mesmo os que usam de engano para pregar, que assim seja.

OU COM FINGIMENTO OU EM VERDADE. O escritor descreve neste ponto de sua carta dois grupo dos que anunciam o evangelho. Os que pregam a palavra com fingimento, que são aqueles que na realidade nem cristãos verdadeiros são, quanto mais pregadores sobre Cristo. E os que pregam a Cristo e anunciam o evangelho em verdade. Estes são legítimos representantes do reino de Cristo e não mercenários.

NISTO ME REGOZIJO, E ME REGOZIJAREI AINDA. Mas, que o evangelho seja anunciado de todas as maneiras, para que os que vivem alienados de Deus possam conhecer a Cristo. Mesmo estando preso, mas isso, redundava em alegria e felicidade para o apóstolo e missionário, Paulo. Esse era o seu maior prazer e contentamento.

Filipenses 1:15-16

Filipenses 1:15-16 - Verdade é que também alguns pregam a Cristo por inveja e porfia, mas outros de boa vontade; Uns, na verdade, anunciam a Cristo por contenção, não puramente, julgando acrescentar aflição às minhas prisões.
NA VERDADE É QUE TAMBÉM ALGUNS PREGAM A CRISTO. Paulo entra em uma polêmica bíblica que ressoa até nos dias atuais e escreve sobre o modo como as pessoas pregam sobre Cristo. É preciso se perguntar os motivos porque os pregadores usam do evangelho do Senhor Jesus. Se é para o crescimento do reino de Cristo ou é por outros interesses. Porque a pessoa pode estar pregando sobre Cristo, mas no fundo no fundo o objetivo é tirar proveito do evangelho do Senhor. Quem ouve os pregadores destes últimos dias deve ter cuidado para não ser enganado pelos profissionais do evangelho, que pregam a Cristo de forma interesseira.

POR INVEJA E PORFIA. Os profissionais do evangelho que estão a serviço de uma placa denominacional e não do reino de Deus, muitas vezes fazem suas campanhas evangelísticas com o intuito de encherem seus templos de prosélitos, com o objetivo de demonstrar para as outras denominações que a maior e mais poderosa e a sua igreja. E a palavra “porfia” quer dizer contenda. Na verdade existe nos dias atuais muita concorrência entre aqueles que pregam a palavra de Deus, uns querendo ser melhores que os outros, assim procedem movidos pelo sentimento de inveja e porfia.

MAS OUTROS DE BOA VONTADE. No entanto, nem toda a massa é podre, até porque existem aqueles que pregam a palavra de Deus com o único desejo de que vidas sejam libertas com a mensagem poderosa do evangelho de Cristo Jesus. Estes são aqueles que pregam a palavra por amor e não como mercenários que buscam ganhar dinheiro pregando o evangelho da nova aliança. Estes são aqueles que pregam sem segundas intenções, porque o seu objetivo é apenas anunciar a Cristo e o seu reino.

UNS NA VERDADE ANUNCIAM A CRISTO POR CONTENÇÃO NÃO PURAMENTE. Nem todos que pregam a palavra de Deus, assim o fazem de maneira pura e verdadeira. Existem milhares dos supostos pregadores do evangelho, que fazem do dom da palavra uma profissão e não uma missão em anunciar as boas novas do evangelho gracioso do Cristo crucificado. Esta palavra escrita por Paulo “contenção” diz respeito aqueles que pregam o evangelho para dele tirar proveito próprio. Sãos os que querem se tornar famosos como pregadores ou que cobram para pregar o evangelho. Pregar o evangelho não puramente é tentar passar para a igreja que é um pregador da palavra, mas na verdade é um enganador, porque não prega por amor ao evangelho, mas sim ao dinheiro.

JULGANDO ACRESCENTAR AFLIÇÃO ÀS MINHAS PRISÕES. Além de estar preso por pregar de forma pura o evangelho de Cristo, Paulo se sentia aflito por ver que os falsos pregadores agiam livremente procurando enganar a igreja. Sobre as prisões do apóstolo ficamos sabendo que ele foi preso em Jerusalém, em Cesaréia, em Éfeso e em Roma. Não se sabe ao certo de onde o apóstolo escreveu está epístola aos Filipenses, pode ter sido de Cesaréia ou de Éfeso e mais provavelmente de Roma, onde foi o seu último encarceramento. Agora, como prisioneiro de Cristo e por pregar o evangelho das boas novas, não tinha como combater pessoalmente nas igrejas estes falsários do evangelho. Mas por carta alertava aos cristãos sobre a existência deles.

Filipesnses 1:14

Filipenses 1:14 - E muitos dos irmãos no Senhor, tomando ânimo com as minhas prisões, ousam falar a palavra mais confiadamente, sem temor.
MUITOS DOS IRMÃOS. Quando Paulo usa a palavra “muitos” nos dá a entender que nem todos os cristãos de Filipos seguiam os seus ensinos. Verdade é que o líder não tem como agradar a todos, ao ponto de ser unanimidade onde lidera. Alguns comentaristas bíblicos chegam a identificar nesta expressão do apóstolo um certo tom de crítica da parte de Paulo aos seus opositores naquela comunidade Cristã. Todavia, é mais justo afirmar de que nem todos tem o dom da palavra, por isso que Muitos e não todos, tomando ânimo com as prisões de Paulo é que pregavam.

NO SENHOR. Muitos irmãos no Senhor. O evangelho nos ensina de que ao recebermos a Cristo adquirimos o direito de sermos feitos filhos de Deus. João 1:12 - Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome. Com isto, passamos a fazer parte da família de Deus e consequentemente irmãos uns dos outros. No Senhor: Se refere ao Senhorio de Cristo que é salientado em toda a extensão do Novo Testamento. Confirmado de forma direta em Filipenses 2:11 - E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai. Cristo é Rei dos reis e Senhor dos senhores.

TOMANDO ÂNIMO. A sobrevivência, o crescimento e a expansão do cristianismo é um mistério de Deus. A morte do seu líder maior, Jesus de Nazaré foi à tentativa de deter a nova dispensação de Deus com a humanidade. Com a morte de Cristo, ai que o cristianismo tomou desenvoltura e crescimento, até porque Cristo veio para os seus e concentrou suas atividades em Israel. Mas depois, quanto mais se perseguiam os cristãos, mais eles se fortaleciam na fé. E tomavam ânimo para pregar a palavra. Foi assim em todo o tempo da igreja primitiva e durante o ministério de Paulo.

COM AS MINHAS PRISÕES. Conforme os relatos bíblicos com sugestões das traições cristãs, Paulo sofreu aprisionamento em Jerusalém, em Cesaréia, em Roma e em Éfeso. Não se sabe ao certo de onde o apóstolo escreveu está epístola aos Filipenses pode ter sido de Cesaréia ou de Éfeso e mais provavelmente de Roma, onde foi o seu último encarceramento. Por isso que é sustentada a tese pelos comentaristas bíblicos de que Paulo, depois de Cristo, tenha sido o líder da igreja primitiva, mais perseguido por causa do evangelho. Razão porque se tornou prisioneiro de Cristo ou por Cristo.

OUSAM FALAR A PALAVRA. Estas prisões de Paulo por causa de sua apologia que fazia de “Jesus de Nazaré” como sendo o Messias de Deus prometido nas Escrituras. Não desestimulou os cristãos de Filipos, no sentido de que se calassem para não pregar mais o evangelho do Senhor Jesus. Pelo contrário, agora era que os seguidores de Cristo na cidade de Filipos se sentiam estimulados a anunciarem as boas novas de salvação em Cristo. E faziam isto com toda ousadia de Deus.

MAIS CONFIADAMENTE SEM TEMOR. Com a prisão e morte de alguns líderes do cristianismo primitivo criou-se o sentimento de que seria privilégio sofrer pelo nome de Cristo. E muitos, até certo ponto, se sentiram motivados a se transformarem em mártir do cristianismo. Quase todos os líderes foram mortos por amor a Cristo Jesus.

Filipenses 1:13

Filipenses 1:13 - De maneira que as minhas prisões em Cristo foram manifestas por toda a guarda pretoriana, e por todos os demais lugares.
DE MANEIRA QUE. Tanto os Judeus conservadores da legislação mosaica, quanto e principalmente o império romano, pretendiam destruir a nova fé que estava surgindo com impacto poderoso na vida das pessoas. E como Paulo era o espalhador desta nova fé, pregando sobre uma nova aliança de Deus com os homens por intermédio de Cristo. Com isso eles pretendiam deter a mensagem do evangelho, detendo ou prendendo o propalador desta nova fé, no poderoso nome de Cristo Jesus, o Salvador.

AS MINHAS PRISÕES. Conforme os relatos bíblicos com sugestões das traições cristãs, Paulo sofreu aprisionamento em Jerusalém, em Cesaréia, em Roma e em Éfeso. Não se sabe ao certo de onde o apóstolo escreveu está epístola aos Filipenses, pode ter sido de Cesaréia ou de Éfeso e mais provavelmente de Roma, onde foi o seu último encarceramento. Por isso que é sustentada a tese pelos comentaristas bíblicos de que Paulo, depois de Cristo, tenha sido o líder da igreja primitiva mais perseguido por causa do evangelho. Razão porque se tornou prisioneiro de Cristo ou por Cristo.

EM CRISTO. As prisões de Paulo em Cristo. É porque ele foi diversas vezes preso por causa de Cristo. Ou seja, ele defendia Jesus de Nazaré como sendo o Cristo de Deus, o enviado de Deus Pai para implantar a nova dispensação da graça. O ungido do Senhor que veio executar o plano da salvação em favor da humanidade, por meio de uma nova aliança. O apóstolo pregava de que Jesus de Nazaré era o Messias de Deus, prometido nas Escrituras do Velho Testamento. Ele era o Emanuel, Deus conosco. E por causa desta defesa das boas novas de Cristo que ele anunciava, tanto os Judeus quanto o império romano perseguiam-no e várias vezes prenderam a Paulo tentando cala-lo.

FORAM MANIFESTAS. Estes fatos das prisões de Paulo em várias ocasiões por causa de suas pregações sobre o Cristo de Deus chegavam às igrejas como um fato admirável, porque diziam: O perseguidor agora esta sendo perseguido por causa daquela fé que antes procura destruir. Já entre os judeus ele representava uma ameaça à legislação mosaica. E para o império romano Paulo representava ao poder político perigo de sedição, porque Roma queria manter o domínio sobre a vida de todos os cidadãos. E Paulo apresentava Cristo como Rei dos reis e Senhor dos senhores, o que o império romano não aceitava.

POR TODA GUARDA PRETORIANA E POR TODOS OS DEMAIS LUGARES. Algumas versões bíblicas nos falam neste ponto: Por toda a guarda palaciana. Ou seja, em todas as dependências dos palácios reais de Roma e onde haviam governadores ligados a Roma. As prisões de Paulo não somente eram acompanhadas pelas autoridades romanas, mas eles mesmos eram os responsáveis diretos ou indiretos por elas. Isto porque houve caso de prisão de Paulo que as autoridades romanas assim o fizeram para agradar aos Judeus. Assim como as prisões de Paulo por amor a Cristo se espalharam por todos os lugares. Uma vez que ele era muito conhecido.

Filipenses 1:12

Filipenses 1:12 - E quero, irmãos, que saibais que as coisas que me aconteceram contribuíram para maior proveito do evangelho.
E QUERO, IRMÃOS. Tendo concluído as suas saudações iniciais, Paulo começa então a entrar no âmago do motivo de sua missiva a igreja que estava na cidade de Filipos. Fornecendo aos cristãos daquela cidade as informações sobre o seu estado de aprisionamento e encarceramento por causa do evangelho e os resultados destes problemas que ele teve que enfrenar. Era, portanto, o seu desejo que os irmãos, assim como ele os chama, ficassem por dentro dos fatos que lhe envolviam.

QUE SAIBAIS. A cidade de Filipos no tocante a sua importância para o cristianismo primitivo funcionou como uma porta de entrada para a Europa. E Paulo como um missionário enviado de Cristo aos gentios foi o responsável pela fundação da igreja cristã naquela cidade. Mas agora, Paulo estava em outra parte, talvez em Roma, como prisioneiro de Cristo, por causa do evangelho que pregava. No entanto, ele tanto procurava saber o estado em que se encontrava a igreja em Filipos, como também fazia questão em mantê-los bem informados de sua situação.

QUE AS COISAS. Tanto os Judeus conservadores da legislação mosaica, quanto e principalmente o império romano, pretendiam destruir a nova fé que estava surgindo com impacto poderoso na vida das pessoas. E como Paulo era o espalhador desta nova fé, pregando sobre uma nova aliança de Deus com os homens por intermédio de Cristo. Ele era o algo principal a ser perseguido por estas duas forças contrárias ao evangelho, os judeus e os romanos. Muitas coisas lhe aconteceram.

QUE ME ACONTECERAM. Estas coisas que aconteceram com Paulo envolviam as tribulações, perseguições e prisões que ele estava enfrentando neste momento da sua missão. Há quem afirme dentre os comentaristas bíblicos de que o apóstolo já estava certo de que chegara aos momentos finais de sua missão como enviado de Cristo aos gentios. Se é verdade que o local deste aprisionamento de Paulo era mesmo o de Roma, então, estava consumado sua carreira como missionário cristão.

CONTRIBUÍRAM. Paulo retarda só um pouquinho a revelação de que se encontrava preso, o que ele faz no texto seguinte, para agora, em meio à tempestade dizer que sempre há bonança para o barco em que Cristo se encontra. Mesmo passando os piores momentos de sua missão como servo de Cristo, ele busca tirar o positivo em meio ao negativo. Isso ao afirmar que, mesmo sendo perseguido e preso, mas até isto contribuiu para o proveito do evangelho. Isso é puro positivismo cristão.

PARA MAIOR PROVEITO DO EVANGELHO. Nem tudo estar perdido. Temos o exemplo de Cristo, como fundador do cristianismo, que mesmo tendo que enfrentar tanta oposição dos Judeus e autoridades romanas. Mesmo tendo que enfrentar uma crucificação dolorosa e uma morte injusta, foi tudo para o bem da humanidade. Com Paulo não era diferente, as suas tribulações, perseguições e prisões tinham proveito.

Filipenses 1:10-11

Filipenses 1:10-11 - Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalo algum até ao dia de Cristo; Cheios dos frutos de justiça, que são por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.
PARA QUE APROVEIS AS COISAS EXCELENTES. O crescimento do cristão na ciência e no conhecimento não é para que ele se torne arrogante, prepotente e nem orgulhoso, achando que é melhor que os outros. Mas é para que possa distinguir para si, o que é bom e o que é errado, sempre aprovando o que é certo. Aprovar as coisas excelentes é optar pelo que é sempre o certo e não pelo que é mau e negativo. Mas isso não diz respeito à vida dos outros, porem a nossa própria vida e modo de agir. Porque a Escritura diz: Escapa-te pela tua vida. Não temos o direito de julgar os outros.

PARA QUE SEJAIS SINCEROS. Sinceros diante de Deus, a fim de que o Senhor examine os nossos corações e não veja nenhum artifício de falsidade. Sincero consigo mesmo, porque podemos enganar aos outros mas não devemos enganar a nós mesmo naquilo que somos ou pretendemos ser. E sinceros para com o nosso semelhante, uma vez que Deus está vendo tudo e iremos prestar conta dos nossos feitos perante o juiz dos vivos e dos mortos, pelos atos de falsidade e engano que praticarmos contra o nosso próximo. Todo cristão verdadeiro deve ser autêntico e realista, sem falsidade.

E SEM ESCÂNDALO ALGUM. Neste ponto de sua carta, Paulo chama à atenção dos cristãos de Filipos, no tocante a ética cristã. A vida de um autêntico seguidor de Cristo deve ser pautada pelo que é correto e bom. Sempre optando pelo que é certo e positivo para que a sociedade olhe para ele e possa refletir: Eis um verdadeiro discípulo de Jesus. O nosso bom testemunho como representante do reino de Deus engrandece, glorifica e louva o nome de Cristo.

ATÉ AO DIA DE CRISTO. Certamente o apóstolo estar se referindo ao dia do retorno de Cristo para buscar a sua igreja, que ele comprou e redimiu com o seu sacrifício vicário. A volta de Cristo (parúsia) é dada por certa. Em duas etapas, na primeira para buscar a sua igreja e a segunda para redimir a Israel e estabelecer o seu reino milenial. Assim como a primeira vinda de Cristo marcou a história da humanidade em antes e depois, a sua segunda vinda vai ter uma importância profunda no mundo.

CHEIOS DE FRUTOS DE JUSTIÇA, QUE SÃO POR JESUS CRISTO. A nossa vida cristã como seguidores de Cristo deve ser pontilhada por atos de justiça. As nossas práticas do dia a dia com quem convivemos e nos encontramos deve ser marcadas por atos de justiça. As nossas palavras que falamos e os nossos pensamentos tem que ter a marca da justiça. Isto quer dizer que, as pessoas têm que ver Cristo em nós e no que fazemos ou falamos, porque Cristo é a justiça de Deus. Devemos viver de tal modo que as pessoas que nos veem e que nos conhecem devem pensar Cristo esta nele(a).

PARA GLÓRIA E LOUVOR DE DEUS. A nossa sinceridade com Deus, conosco mesmo e com o nosso próximo. A nossa vida cristã sem escândalo perante a sociedade. E os nossos frutos de justiça praticados no dia a dia de nossas vidas devem render glórias ao nome do nosso Deus e ser para louvor do Senhor. Não é para que venhamos a achar que somos perfeitos, mas é tudo para honra, glória e louvor do nosso Deus.

Filipenses 1:8-9

Filipenses 1:8-9 - Porque Deus me é testemunha das saudades que de todos vós tenho, em entranhável afeição de Jesus Cristo. E peço isto: que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento.
PORQUE DEUS ME É TESTEMUNHA. O apóstolo invoca como sua testemunha o Deus que tudo ver e o mesmo que tudo conhece. Com isto ele desejava transmitir segurança aos seus leitores de que o que estava dizendo era a mais pura realidade. Observa-se que Paulo era um homem de Deus que sempre colocava o Senhor em primeiro lugar em sua vida e em tudo que fazia e dizia. Com isso a sua mensagem chegava aos seus leitores com total segurança de que o missionário estava fazendo uma declaração acima de qualquer dúvida, porque testificava a verdade, Deus sendo sua testemunha.

DAS SAUDADES QUE DE TODOS VÓS TENHO. Quem não já ouviu ou leu a seguinte frase: Quem pensa que a distancia faz esquecer, se esquece que a saudade faz lembrar. Paulo estava um pouco distante no corpo, mas bem presente com a igreja de Cristo que estava na cidade de Filipos. Esta é mais uma das diversas declarações de amor fraternal de Paulo aos seus filhos e filhas na fé. Sentir saudade de alguém é na realidade um sinal mais que evidente de que aquela pessoa é importante para nós. Um pouco antes, neste mesmo capítulo Paulo diz que carrega a todos no coração.

EM ENTRANHÁVEL AFEIÇÃO. Certamente os leitores de Paulo mais sensíveis na cidade de Filipos devem ter ficado emocionados com tais declarações do apóstolo. Era efetivamente enorme o amor fraternal que o missionário sentia por todos os seguidores de Cristo naquele lugar. Este é o amor que deve haver entre os membros do corpo de Cristo. O reino de Cristo é 50% para Deus e 50% para o nosso próximo. Cristo Disse: Amarás pois o Senhor teu Deus e o teu próximo como a ti mesmo. O coração de Paulo transbordava de amor e saudade dos cristãos de Filipos.

EM JESUS CRISTO. Esta saudade e este amor fraternal nas entranhas de Paulo pela igreja de Cristo que estava na cidade de Filipos eram em Jesus Cristo. Jesus “O Cristo”. O Jesus histórico, também chamado de Nazareno, o filho do Carpinteiro e de Maria. É o mesmo Messias, de quem falaram os profetas e as Escrituras do Velho Testamento. Jesus é o nome próprio e podemos dizer que Cristo e o adjetivo que fala de suas qualidades e principalmente de sua missão, porque Cristo quer dizer o enviado, ou ungido de Deus para executar o plano da salvação. Jesus é o nome próprio do Filho de Deus e o sobrenome Cristo fala de quem Jesus de Nazaré realmente é. Ele é o Messias de Deus, o Emanuel, que é Deus conosco.

E PEÇO ISTO: QUE O VOSSO AMOR CRESÇA MAIS E MAIS EM CIÊNCIA E EM CONHECIMENTO. Certamente Paulo se refere neste ponto de seu escrito ao amor ágape e ao amor phileo. O amor ágape é o amor que Deus tem por nós e o amor que devemos dedicar e oferecer ao nosso Deus. Já o amor phileo diz respeito ao amor que devemos ter para com os nossos familiares, e amigos, como também ao nosso semelhante. Além do amor a Deus e ao nosso semelhante, Paulo pede que cresçamos também no amor a ciência e no conhecimento. Com isso entende-se que o cristão ao se converter ele não deixa de ser também um cidadão da terra. Portanto, ele precisa continuar em suas atividades normais do dia a dia, buscando crescer em tudo que há de bom.

Filipenses 1:7

Filipenses 1:7 - Como tenho por justo sentir isto de vós todos, porque vos retenho em meu coração, pois todos vós fostes participantes da minha graça, tanto nas minhas prisões como na minha defesa e confirmação do evangelho.
COMO TENHO POR JUSTO. Paulo tinha uma sensibilidade aguçada em termos de afeição por aqueles que se convertiam ao cristianismo em ouvir a sua pregação das boas novas do evangelho. E reconhece que não pode de forma alguma deixar de lembrar-se da cooperação e do auxílio que os cristãos de Filipos lhes prestaram. Não seria justo da parte do grande apóstolo e missionário cristão esquecer-se de orar e suplicar pelos seus filhos e filhas na fé que conquistou naquela cidade. O seu desejo é que o Senhor completasse a obra de confirmação da fé na vida de todos que faziam parte daquela igreja.

SENTIR ISSO DE VÓS TODOS. É como se o escritor desta carta abrisse totalmente o seu coração e suas entranhas para contar o segredo do seu mais íntimo. Estando distante em viagem missionária, e provavelmente neste momento na prisão, por não poder estar junto deles, mas sentia o desejo de ouvir dizer que estavam todos bem e firmes no evangelho do Senhor Jesus. O seu anelo é que o Senhor suprisse as suas necessidades espirituais para continuarem buscando o reino de Deus em primeiro lugar e as coisas que são de cima, como mais preciosas do que as terrenas e materiais.

PORQUE VOS RETENHO EM MEU CORAÇÃO. Nesta expressão alegórica o escritor demonstra a grandeza do seu coração em guardar a todos os seguidores de Cristo dentro de seu coração. É claro que esta é uma linguagem metafórica, mas que expressa muito bem o amor e afeto que o apóstolo tinha pelos irmãos de Filipos. Como ele mesmo escreveu anteriormente era mais que justo reter a todos no mais íntimo do seu ser, até porque ele recebeu tratamento vip quando esteve entre os cristãos de Filipos. Ninguém ficava de fora do coração do apóstolo, nem os mais importantes nem os menos nobres.

POIS TODOS VÓS FOSTES PARTICIPANTES DA MINHA GRAÇA. Diferente de outros campos missionários, em Filipos havia unanimidade sobre a autoridade apostólica de Paulo, ao ponto de todos se darem as mãos em cooperar com suas atividades ministeriais naquela cidade. Quando ele fala sobre “todos” é que a igreja em peso cooperava com o ministério de Paulo, tanto em apoio logístico, quanto em apoio financeiro, apesar de ele não aceitar depender financeiramente da igreja, é tanto que ele trabalhava em serviços seculares para manter-se e não ser pesado a ninguém.

TANTO NAS MINHAS PRISÕES COMO NA MINHA DEFESA E CONFIRMAÇÃO DO EVANGELHO. Paulo foi de fato um dos líderes da igreja cristã primitiva que mais foi perseguido por causa do evangelho de Cristo Jesus, chegando muitas vezes a ser preso por fazer apologia das boas novas de salvação em Cristo Jesus. É provável que quando esteve evangelizando na cidade de Filipos tenha passado por algumas destas prisões. Porem encontrou apoio dos irmãos em defendê-lo das acusações de que era vítima dos seus opositores. A frase “em confirmação do evangelho”, quer dizer que, as testemunhas que foram perante as autoridades defender a Paulo, o defendiam com a verdade.

Filipenses 1:5-6

Filipenses 1:5-6 - Pela vossa cooperação no evangelho desde o primeiro dia até agora. Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao dia de Jesus Cristo.
PELA VOSSA COOPERAÇÃO NO EVANGELHO. Paulo se regozija na presença de Deus pela vida de cada um daqueles que faziam parte da comunidade cristã na cidade de Filipos. E dava muitas graças a Deus sempre que se lembrava de como foi bem recebido como missionário do reino de Cristo naquele lugar, por aqueles que se converteram ao cristianismo. Como também neste ponto reconhece a forma como os seus filhos e filhas na fé se deram voluntariamente em cooperação a obra do evangelho de Cristo. O evangelho é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crer, porque nele encontramos a historia de Cristo e como ele implantou a nova dispensação da graça de Deus.

DESDE O PRIMEIRO DIA. Provavelmente esta seria a segunda viagem missionária de Paulo. E a cidade de Filipos foi na realidade uma porta de entrada para a missão de Paulo e da igreja na Europa. Chegando o apóstolo naquele lugar Deus abril as portas para ele pregar o evangelho, tanto aos Judeus que ali residiam como também aos gentios, que não conheciam a Deus, nem muito menos a Cristo. E logo que a mensagem do evangelho foi sendo recebida no coração daquela gente, que eles foram se tornando cooperadores do ministério missionário de Paulo.

ATÉ AGORA. Não se sabe ao certo quanto tempo Paulo esteve pregando o evangelho naquela cidade, e instruindo os novos convertidos a permanecerem dos caminhos de Cristo. Mas, conforme aprendemos na frase anterior os cristãos de Filipos foram bastante bons para com o fundador da igreja de Cristo ali. E não somente isto, mas até mesmo depois que Paulo teve que partir rumo ao centro da Europa, que os cristãos de Filipos lhes davam assistências de uma forma ou de outra.

TENDO POR CERTO ISTO MESMO. Temos a nossa frente uma das belas passagens do Novo Testamento em termos de expressão de conforto e segurança para a vida do cristão. Paulo faz uma declaração de convicção sobre o que estava para escrever aos seus leitores. Ele era um homem de fé e que depositava inteiramente suas expectativas sobre o seu Deus. E aquilo que fazia ou falava, assim o fazia por confiar que Deus era com ele e confirmava suas palavras. Isso porque Deus é sempre fiel.

QUE AQUELE QUE EM VÓS COMEÇOU. “Aquele” se refere a Cristo Jesus nosso Senhor, ele que mediante o Espírito Santo faz uma obra perfeita de transformação na vida de qualquer pecador que o recebe como Senhor e Salvador. O pensamento de Paulo estava neste momento voltado para os cuidados que ele sempre demonstrava com os seus filhos e filhas na fé, que ele ganhava para o reino de Deus e de Cristo. Ele sabia que Cristo tinha entrado na vida dos que faziam parte da igreja de Cristo em Filipos, até porque, ele foi o seu fundador, mas foi só o começo, das grandes coisas que Deus ainda estava para realizar.

A BOA OBRA A APERFEIÇOARÁ ATÉ AO DIA DE JESUS CRISTO. Provavelmente esta boa obra a que se refere o escritor, diz respeito à transformação total dos cristãos de Filipos, em verdadeiros discípulos de Cristo. Sobre o dia de Jesus Cristo, certamente Paulo está escrevendo sobre o retorno de Cristo para arrebatar a sua igreja. Isto porque, a igreja primitiva vivia na expectativa do retorno eminente de Cristo.

Filipenses 1:3-4

Filipenses 1:3-4 - Dou graças ao meu Deus todas às vezes que me lembro de vós. Fazendo sempre com alegria oração por vós em todas as minhas súplicas.
DOU GRAÇAS. Os seguidores de Cristo, naquela cidade de Filipos eram como a coroa de glória dos trabalhos missionários de Paulo. O apóstolo os via cada um individualmente como sendo pedras preciosas de sua coroa, no alcance crescente da graça de Deus sobre aquele povo. A cidade de Filipos, que antes da chegada do evangelho era completamente dominada pela depravação pagã, e agora,o apóstolo ver no meio daquela sociedade, pessoas transformadas pelo poder do evangelho, pregado por Paulo, redundava em ações de graças para com Deus.

AO MEU DEUS. Paulo reconhecia de que, o sucesso de sua missão evangelizadora em Filipos não se devia a nenhum apoio externo de nenhum outro líder religioso, nem tão poucos aos seus esforços pessoas em anunciar as boas novas de salvação. Todavia, olhava para cima, para o seu Deus, com gratidão em seu coração pelos frutos colhidos de onde não se esperava. Paulo foi muito perseguido pelos seus compatriotas Judeus mais radicais, e pelo império romano, e ao que tudo indica, passou muitas vezes até perigo de morte pelo evangelho que pregava. E ver o crescimento e o desenvolvimento do seu trabalho em Filipos era para ele motivo de agradecer a Deus.

TODAS ÀS VEZES. Certamente que este era um ato contínuo da parte de Paulo, orar incessantemente pelos seus filhos e filhas na fé, que estavam na cidade de Filipos. Apesar de sempre estar se deslocando de cidade para cidade em busca de novos campos missionários, além é claro, de visitar as cidades já evangelizadas por ele, aonde fundou comunidades cristãs. Paulo tinha o zelo extremo em cuidar, mesmo a distância, do bem estar espiritual dos que se convertiam ao cristianismo por terem ouvido a sua pregação, das boas novas do evangelho de Cristo.

QUE ME LEMBRO DE VÓS. Podemos conjecturar de que, a imagem de cada um dos discípulos de Cristo na cidade de Filipos estava bem gravada na memória do grande apóstolo e missionário do Senhor. E pelo conteúdo desta missiva podemos ainda ter a certeza de que, eram boas as lembranças do apóstolo sobre aquela igreja. Que, ao que tudo indica, era uma igreja sofrida e perseguida, mas que preservava na fé, mesmo tendo que passar por aflições e tribulações. Motivo impulsionador pelo qual Paulo não cessava de interceder a Deus por eles, que estavam sempre na mente do apóstolo.

FAZENDO SEMPRE COM ALEGRIA. Dificilmente um outro líder da igreja primitiva, foi mais perseguido que o apóstolo Paulo. Mas nem por isso, ele se desanimava com tais perseguições, tribulações e perigos de morte que tinha que enfrentar. Mesmo estando em um dos momentos mais difíceis de sua missão, porque tudo indica que esta carta foi escrita da prisão, ele encontrava forças em Deus, para animar a igreja de Filipos, sem deixar transparecer que estivesse desanimado. Paulo era um otimista que não se deixava vencer fácil e carregava consigo uma mensagem positivista.

ORAÇÃO POR VÓS EM TODAS AS MINHAS SÚPLICAS. Mesmo distante, mas o apóstolo estava presente no pensamento e na lembrança com todos os cristãos de Filipos. Em constante oração e súplica por eles a Deus para o Senhor abençoa-los e guarda-los. Tendo conhecimento dos sofrimentos dos seus filhos na fé, naquela cidade, o apóstolo se sente na responsabilidade de interceder por eles diante de Deus, ele e somente ele que socorre os aflitos em suas tribulações.

Filipenses 1:2

Filipenses 1:2 - Graça a vós, e paz da parte de Deus nosso Pai e da do SENHOR Jesus Cristo.
GRAÇA A VÓS. A vós, se refere aos seguidores de Cristo Jesus na cidade de Filipos. Graça e paz. Esta era na verdade a saudação cristã nos tempos da igreja primitiva. Nos dias de hoje cada denominação tem o seu modo próprio de saudação, até para diferenciar uma das outras. A palavra graça separada da palavra paz era uma saudação grega ou dos gentios convertidos ao cristianismo. Representando o modo gracioso como foram alcançados pelo evangelho das boas novas e receberam a Cristo como único Salvador. Na realidade os gentios ou os não Judeus eram povos que viviam separados da comunidade de Israel e não eram alcançados pela antiga aliança de Deus .

PAZ. Em termos de Saudação era e sempre foi à saudação judaica dos filhos de Israel. Como sabemos, todos os bons elementos da antiga aliança foram transportados para o cristianismo, até porque o fundador da nova aliança de Deus com a humanidade é um Israelita da gema, Jesus de Nazaré. Incluir a palavra paz na saudação cristã tem todo o sentido, uma vez que, o Messias de Deus veio justamente estabelecer a paz entre Deus e os homens, isto foi possível mediante a reconciliação realizada pelo Senhor Jesus (Romanos 5:11 - E não somente isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora alcançamos a reconciliação).

DA PARTE DE DEUS. Tanto a graça que é um favor não merecido quanto à paz que representa a reconciliação do homem com o seu Criador, provem de Deus que reconciliou consigo mesmo o mundo (2 Coríntios 5:18 - E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação). Os gentios não mereciam a graça divina e nem se interessavam pelo reino de Deus. Todavia, o Senhor pela sua grande misericórdia abril esta porta da graça para toda a humanidade. Tanto os Judeus como os gentios são beneficiados.

NOSSO PAI. Deus é o nosso Pai celeste. Todo ser humano tem um progenitor conforme a carne e o sangue. Porem, o nosso Deus é de fato o nosso verdadeiro Pai, Criador. Todos aqueles que recebem a Cristo em suas vidas por crerem no seu nome, são feitos filhos de Deus, estes que foram gerados segundo a vontade de Deus. João 1:12-13 - Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome; Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. Pertencemos a família de Deus e somos realmente irmãos de Cristo Jesus, o Primogênito do Pai.

E DO SENHOR. Graça e paz da parte de Deus e do Senhor Jesus Cristo. Sem Cristo não seria possível recebermos esta graça divina que nos alcançou. O Senhor Jesus Cristo foi o condutor e executor desta tão feliz paz que desfrutamos com o nosso Pai celestial. O mesmo Jesus de Nazaré que veio humilde também é o nosso Senhor e Rei eterno.

JESUS CRISTO. Jesus é o nome próprio do filho de Deus e podemos dizer que Cristo é o adjetivo que fala de suas qualidades e principalmente de sua missão. Porque Cristo quer dizer o enviado, ou ungido de Deus para executar o plano da salvação. Jesus é um nome próprio e a palavra Cristo fala de quem é Jesus de Nazaré, o Messias de Deus e também Emanuel, ou seja, Deus entre os homens.

Filipenses 1:1

Filipenses 1:1 - Paulo e Timóteo, servos de Jesus Cristo, a todos os santos em Cristo Jesus, que estão em Filipos, com os bispos e diáconos.
PAULO E TIMÓTEO. Há quem diga que os dois estivessem juntos escrevendo está carta aos Filipenses, em que Paulo citava o seu conteúdo e Timóteo era o seu amanuense, que escrevia aquilo que Paulo falava. O nome próprio de Paulo significa: Aquele que é pequeno, mas seu Deus é grande. O nome Timóteo significa “Honrado por Deus ou aquele que honra a Deus”, Timóteo foi companheiro e ajudante do apóstolo Paulo. Conforme pode ser visto em todas essas referencias (Atos 16:1-5; 17:10-15; 18:5; 19:21-22; 20:3-5). Recebeu instrução religiosa de sua mãe Eunice e de sua avó Lóide(2 Timóteo 1:5; 3:15). Foi pastor da Igreja de Éfeso (1 Timóteo 1:3).

SERVOS DE JESUS CRISTO. Nisto se percebe a simplicidade e a humildade destes dois homens de Deus, que longe estavam do orgulho, da prepotência e do egoísmo. Apesar de Paulo, neste tempo, já ser uma das principais lideranças da igreja primitiva e Timóteo era um grande líder da igreja cristã na cidade de Éfeso. Mas eles se consideravam apenas servos de Cristo, a serviço do reino de Deus e do Senhor Jesus.

A TODOS OS SANTOS. A partir desta frase começa Paulo e Timóteo a declarar o destino desta epístola. A todos os santos, não que os cristãos de Filipos fossem perfeitos, mas a palavra "santo", neste texto, quer dizer: Separados para Deus e ao serviço do seu reino. Os santos a quem se refere o apóstolo, não se tratava de mortos canonizados por uma instituição religiosa, mais sim, os seguidores de Cristo, vivos que faziam parte da igreja de Cristo na cidade de Filipos. Santos porque foram justificados por Cristo perante a justiça de Deus.

EM CRISTO JESUS. Esta expressão “em Cristo Jesus” se refere a todos aqueles que vivem para Cristo, porque o receberam como Senhor e Salvador de suas vidas. A palavra Cristo significa o enviado de Deus para executar o plano da salvação ou ungido de Deus para implantar a nova aliança da graça de Deus. Já o nome próprio "Jesus", quer dizer: Salvador ou aquele que veio para salvar o seu povo dos seus pecados. Jesus é o nome próprio do Filho de Deus, e o sobrenome Cristo fala sobre a missão do Messias de Deus no mundo.

QUE ESTÃO EM FILIPOS. A todos os santos em Cristo Jesus que estão em Filipos. Eis aqui o endereço real do destino final desta epístola do grande apóstolo Paulo. Filipos era uma cidade da Macedônia fundada por Felipe II, pai de Alexandre, o Grande, no ano de 358 a.C. Foi a primeira cidade da Europa que ouviu a pregação de um missionário cristão (Atos 16:6-40). A partir de então os campos missionários foram abertos.

COM OS BISPOS E DIÁCONOS. Além dos santos que estavam em Cristo à carta vai destinada também aos bispos e aos diáconos. Bispos quer dizer: Dirigentes de uma igreja local. Também eram chamados de presbíteros, só mais tarde na história do cristianismo que eram chamados de supervisores ou superintendentes regionais. Já os diáconos eram aqueles que estavam ao serviço da igreja local. Os diáconos nos tempos primitivos eram servos da igreja e auxiliavam aos dirigentes locais, nos serviços sociais da igreja.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

2 Pedro 3:18

2 Pedro 3:18 – Antes, crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora, como no dia da eternidade. Amém.
ANTES, CRESCEI NA GRAÇA. Em vez de serem arrastados pelos ventos das heresias, transmitidas pelos opositores do cristianismo, os seguidores de Cristo precisam mesmo é crescer na graça de Cristo. E crescer nesta graça é se esforçar ao máximo e se dedicar tanto quanto for possível para agradar aquele que nos chamou para seu reino e glória. Todos aqueles que se consideram discípulos de Cristo, devem renunciar as coisas do mundo para fazer e executar a vontade do seu Senhor e Salvador Jesus Cristo. É preciso dizer: não mais vivo eu, mas Cristo vive em mim.

E CONHECIMENTO DE NOSSO SENHOR. Com o surgimento do cristianismo na terra, as demais religiões passaram a se envolver em ativismo frenético para não perderem seus prosélitos para a nova religião fundada por Cristo. O judaísmo, o gnosticismo, os seitas heréticas, as religiões místicas e culturais perderam muitos dos seus adeptos, com isso tentavam a todo custo reverter o quadro e reaver o prejuízo. Enquanto isso, o evangelho, que é tudo aquele que diz respeito a Cristo, se expandia cada vez mais. É a isso que o escritor chama de conhecimento de Cristo. É a nova aliança de Deus com a igreja remida de Cristo.

E SALVADOR, JESUS CRISTO. O próprio nome “Jesus”, quer dizer: Salvador (Mateus 1:21). Jesus é o Salvador porque ele era o Messias de Deus que se manifestou na terra para salvar o seu povo dos seus pecados. Jesus é o nome próprio do Filho de Deus, que representa o Emanuel do Antigo Testamento, ou seja, Deus que se fez homem e habitou entre nós. Já o sobrenome Cristo, envolve a missão redentora do Messias de Deus na terra. Escrever sobre o Cristo de Deus é descrever sobre a redenção da humanidade, e sobre a expiação pelos nossos pecados.

A ELE SEJA DADA GLÓRIA. A Cristo Jesus nosso Salvador, seja dada glória. Nenhum dos seres humanos que nasceu, viveu e morreu na terra é digno desta glória devida ao Cristo, Filho de Deus. Ele é digno desta glória, porque recebeu de Deus, tamanha honra e louvor, por ter se prontificado a redimir a criação por inteira. Os benefícios da redenção realizada por Jesus Cristo atingiu não somente os seres humanos, mas toda a criação, isso porque, não fora o sacrifício do Cordeiro de Deus, todo o Cosmo, ou seja, o universo já teria sido destruído, Isso em justa recompensa, pela rebelião cósmica.

ASSIM AGORA. Com sua missão perfeita cumprida fielmente diante dos homens e diante de Deus, Cristo Jesus, nosso Salvador, se tornou digno de receber da sua igreja, do mundo e até do inferno, essa glória citada pelo autor, desta belíssima carta. Paulo escrevendo a igreja de Filipos ele descreveu justamente sobre isso. Todos os joelhos se dobrarão e toda língua confessá que Cristo é o Senhor para glória de Deis Pai.

COMO NO DIA DA ETERNIDADE. AMÉM. Certamente o apóstolo está se referindo a eternidade futura de todas as coisas. Este dia da eternidade, conforme o pensamento de muitos comentaristas bíblicos tem início com o arrebatamento da igreja de Cristo, que será a inauguração de uma nova dimensão de vida, a vida eterna para os salvos e remidos por Cristo. Este “Amém” usado neste ponto pelo escritor, se refere a conclusão desta carta, como também representa a aprovação de Cristo Jesus, que é o amém de Deus.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

2 Pedro 3:17

2 Pedro 3:17 - Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão, guardai-vos de que, pelo engano dos homens abomináveis, sejais juntamente arrebatados, e descaiais da vossa firmeza.
VÓS, PORTANTO, AMADOS. O autor volta a se dirigir aos seus leitores para mais uma vez lhes transmitir o seu conselho prático sobre o que eles devem fazer e como devem se comportar diante de tudo que já está previsto que haverá de acontecer. “Amados” essa era uma forma de tratamento comum entre todos os que eram seguidores de Cristo Jesus, em cumprimento do segundo mandamento da legislação de Cristo, que é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. O amor fraternal dentro da comunidade cristã sempre foi uma prática recomendada também pelos apóstolos de Cristo.

SABENDO ISTO DE ANTEMÃO. O apostolo se refere às previsões escatológicas já citadas por ele, como também as escritas por Paulo, e porque não dizer, com todas as profecias escatológicas contidas no evangelho, principalmente do livro do Apocalipse? O escritor especificamente nesta sua carta escreveu sobre os fins dos tempos, sobre a vinda de Cristo, sobre o dia do Senhor, que deve ser interpretado como sendo o período da grande tribulação, em fim, também descreveu sobre o triste e terrível fim, daqueles que são hereges e dos seus seguidores, os que se desviam da graça de Cristo.

GUARDAI-VOS DE QUE. O conselho de Pedro é de que os amados irmãos, seus leitores, fossem cautelosos com os hereges que estavam rondando a comunidade cristã, buscando transtornar o evangelho das boas novas de Cristo, bem como procurando manipular as escrituras para confundir os duvidosos na fé. O apostolo demonstrava sua preocupação com os seguidores de Cristo, no sentido de que eles se guardassem destes ventos de heresias, que estavam surgindo no meio do povo de Deus.

PELO ENGANO DOS HOMENS ABOMINÁVEIS. Estes homens abomináveis a que se refere o autor dizem respeito aqueles que se infiltravam no meio da comunidade cristã, com nome de cristãos, mas que no fundo, no fundo, buscavam mesmo era desviar os seguidores do cristianismo, das doutrinas fundamentais da nova aliança de Deus em Cristo. Eles usavam do engano para buscar desviar os cristãos do evangelho da verdade. Eram homens abomináveis, porque estavam a serviço de suas antigas religiões pagãs e do império do mal.

SEJAIS JUNTAMENTE ARREBATADOS. Neste ponto, o escritor desta carta sagrada, faz saber aos seus leitores o objetivo mesmo das heresias transmitidas pelos algozes inimigos e opositores do evangelho do Senhor Jesus. Os que faziam parte do cristianismo agora, outrora pertenciam a outras religiões pagãs ou místicas, em que seus antigos líderes queriam que voltassem novamente ao paganismo.

E DESCAIAIS DA VOSSA FIRMEZA. De forma que os hereges que se infiltravam no meio dos cristãos, buscavam a todo custo, usando o engano, resgatarem os seus antigos prosélitos para voltarem as suas antigas religiões pagãs. Essa frase representa "se desviar das verdades do evangelho" e voltar ao paganismo religioso.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

2 Pedro 3:16

2 Pedro 3:16 - Falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição.
FALANDO DISTO. O autor desta carta está afirmando que, as coisas que agora ele está recomendando aos seus leitores eram as mesmas coisas que o grande apóstolos dos gentios, Paulo, também havia ensinado nas igrejas e por meio dos seus escritos. Ao escrever esta carta, Pedro não estava agindo diferente de Paulo nem dos demais escritores do Novo Testamento. Fazendo-se um estudo comparativo entre as cartas de Pedro e as de Paulo, chegamos a conclusão de que estes assuntos abordados por Pedro também foram citados por Paulo, que teve uma grande participação na escrita do Cânon do Novo Testamento, bem como das doutrinas cristãs da igreja primitiva.

COMO EM TODAS AS SUAS EPÍSTOLAS. Em termos de epístolas do Novo Testamento, Paulo foi na realidade quem escreveu o maior número delas. Isso porque as epístolas, em sua grande maioria foram escritas para as igrejas do mundo gentílico, como Paulo foi o maio missionário em campos missionários transculturais de sua época, ele tratava dos assuntos de interesse das igrejas por ele fundadas, por meio de suas epístolas, cartas ou missivas. É de comum acordo entre os estudiosos do Novo Testamento que, Paulo escreveu treze epístolas do Canon do Novo Testamento.

ENTRE AS QUAIS HÁ PONTOS DIFÍCEIS DE ENTENDER. Pedro se refere desta forma sobre os escritos de Paulo, porque ele tinha uma outra visão do evangelho de Cristo. Assim como Paulo foi enviado a ser missionário entre os gentios, Pedro foi designado por Cristo a exercer o seu ministério mais direcionado entre os Judeus. Cristo e o seu grupo apostólico concentraram suas atividades ministeriais junto ao Israel de Deus, enquanto que Paulo foi comissionado a levar as boas novas ao mundo gentílico.

QUE OS INDOUTOS E INCONSTANTES TORCEM. Pedro se refere aos judaizantes, aos falsos mestres gnósticos, aos líderes das religiões pagãs e aos místicos das religiões naturais, que procuravam distorcer as mensagens pregadas por Paulo, bem como seus escritos enviados as igrejas cristãs por ele fundadas. Os hereges de início até se tornaram seguidores do cristianismo, mais deixaram a graça de Cristo por outros interesses. Eles se desviaram do evangelho e estavam a serviço de suas antigas religiões.

E IGUALMENTE AS OUTRAS ESCRITURAS. Assim como faziam em distorcerem os escritos de Paulo, do mesmo modo, manipulavam as profecias messiânicas das antigas literaturas religiosas do judaísmo para negarem que Jesus era o Messias. O cristianismo sobreviveu porque Cristo é Senhor, mas foi de todas as formas atacado.

PARA SUA PRÓPRIA PERDIÇÃO. Os hereges e opositores do cristianismo, agiam em nome do judaísmo, do gnosticismo, do paganismo, e do misticismo, mas não para o seu próprio bem, nem dos seus prosélitos, mas para a sua própria condenação e ruína, isso porque estavam a serviço do império das trevas e do mal.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

2 Pedro 3:15

2 Pedro 3:15 - E tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada.
E TENDE POR SALVAÇÃO. Todos aqueles que forem dignos da salvação podem e devem atribuir isso a grande e infinita bondade do nosso Deus, por Cristo Jesus nosso Senhor e Salvador. A promessa de Deus pelo evangelho das boas novas é proporcionar a vida eterna a todos quanto forem alcançados pela redenção que há no Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. E como o assunto que vem sendo tratado diz respeito ao dia do Senhor, quem quiser escapar da grande tribulação, precisa viver dignamente diante de Deus para ser participante do arrebatamento da igreja de Cristo.

A LONGANIMIDADE DE NOSSO SENHOR. Essa longanimidade do Senhor para com a humanidade diz respeito à obra perfeita de Cristo em prol dos seres humanos. Essa longanimidade se traduz no grande amor de Deus pelo seu povo, em ter dado o seu Filho unigênito para salvar todo aquele que crer em Cristo Jesus. A bondade do Senhor vem sendo demostrada progressivamente na medida em que mais e mais pessoas se convertem ao cristianismo e passam a desfrutar das promessas de vida eterna em Cristo Jesus. Essa longanimidade é a aliança da graça estabelecida pelo Senhor.

COMO TAMBÉM O NOSSO IRMÃO. Pedro tinha uma amizade muito grande por Paulo e vice-versa, bem como uma imensa consideração por reconhecer sua importância como apostolo de Cristo e ministro da nova aliança de Deus em Cristo. Quando Paulo se converteu ao cristianismo, passados mais de três anos em consagração, ele foi para Jerusalém, ao que tudo indica a convite de Pedro para conhecer a igreja mãe, que na época, era liderada por Tiago, irmão do Senhor. Certamente alguns do grupo não reconheceram o ministério de Paulo, mas Pedro sim.

PAULO VOS ESCREVEU. Esse testemunho de Pedro em favor de Paulo e dos seus escritos teve uma importância fundamental na autenticidade do apostolado de Paulo e o coloca em posição de destaque como autor de grande parte do Cânon do Novo Testamento. Na realidade, Paulo foi escolhido por Cristo para receber grandes revelações sobre a aliança da graça de Deus em Cristo para a igreja remida. Nenhum dos apóstolos ou escritores do Novo Testamento teve tamanha revelação quanto Paulo, sobre as doutrinas cristãs para a igreja e a graça de Deus para os gentios.

SEGUNDO A SABEDORIA. Esta sabedoria a que se refere Pedro a respeito de Paulo descreve sobre as revelações que o apostolo dos gentios recebeu de Cristo para anunciar as boas novas do evangelho ao novo Israel de Deus que é a igreja de Cristo. Ele próprio escreveu: Gálatas 1:11-12 - Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens. Porque não o recebi, nem aprendi de homem algum, mas pela revelação de Jesus Cristo.

QUE LHE FOI DADA. Ao ser chamado por Cristo para ser ministro de uma nova aliança, foi dado a Paulo ser conhecedor dos mistérios de Deus para a igreja de Cristo. E ele conhecia em profundidade o mistério de Cristo para os gentios. é tanto que foi um dos mais importantes missionário no tempo da igreja primitiva, levando o evangelho de Cristo as demais nações, que ainda não conheciam o Cristo de Deus.