Pesquisar este blog

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

1 Tessalonicenses 2:15

1 Tessalonicenses 2:15 - Os quais também mataram o Senhor Jesus e os seus próprios profetas, e nos têm perseguido; e não agradam a Deus, e são contrários a todos os homens.
OS QUAIS. O escritor se refere aos judeus, eles que em nome do judaísmo maltrataram os seus próprios profetas, que anunciavam a chegada de um novo tempo, com a manifestação do Messias de Deus e com a implantação de uma nova aliança de Deus com a igreja por meio do evangelho da graça. Os judeus puritanos e ortodoxos nunca aceitaram a possibilidade de Deus estabelecer um novo pacto com os homens, porque eles se achavam melhores do que todas as nações do mundo. Como Cristo é Mediador de uma nova aliança, por isso mataram o enviado de Deus, Jesus de Nazaré.

TAMBÉM MATARAM. A morte de Cristo foi uma injustiça praticada pelos judeus contra, o Messias prometido, e teve motivações política-religiosa, e por inveja e ciúmes crucificaram aquele que só fez o bem a todos. Como a elite religiosa de Israel ficou carregada de ciúmes pelos feitos de Cristo e dominada pela inveja, porque Jesus era querido do povo, incitaram as autoridades romanas, que por motivos políticos condenaram a morte o Filho de Deus. Isso porque Cristo Jesus era Sacerdote e Rei.

O SENHOR JESUS. Antes mesmo do nascimento de Jesus, o Cristo, Deus já havia prometido que o seus Messias seria Rei da descendência de Davi. Como também um dos profetas menores havia vaticinado que o Cristo teria um governo mundial com temporalidade eterna (Daniel 7:14). O Senhorio de Cristo é confirmado nas páginas do Novo Testamento de forma abundante (Filipenses 2:9-11). O nome “Jesus” quer dizer: Aquele que veio salvar o seu povo dos seus pecados (Mateus 1:21).

E OS SEUS PRÓPRIOS PROFETAS. Certamente, estes profetas sobre os quais se refere o escritor dizem respeito a todos os profetas que vieram antes do Messias, bem como aqueles que depois de Cristo foram mortos por pregarem sobre a nova aliança de Deus com a igreja de Cristo, por meio do evangelho das boas novas. Provavelmente os profetas antigos foram aqueles que anunciaram a vinda do Messias e os novos foram aqueles que morreram por amor a Cristo e o evangelho.

E NOS TEM PERSEGUIDO. O apóstolo Paulo e todos os seus companheiros de ministério, sempre foram vítimas das perseguições dos judaizantes. O escritor por ser o apóstolo de Cristo enviado ao mundo gentílico, nunca foi aceito pelos judeus como um servo de Deus, e nem também foi apoiado pelos líderes do cristianismo de Jerusalém, o chamado grupo dos doze. O apóstolo sofreu perseguições dos judaizantes e também dos líderes do cristianismo que seguiam o legalismo da lei de Moisés.

E NÃO AGRADAM A DEUS. Desde a rejeição do Messias de Deus pelos seguidores do judaísmo que os judeus passaram a ser rejeitados por Deus e perderam a chance de reconciliação estabelecida pelo Cristo, Salvador. Deus enviou seu filho para o seu povo, porem, o povo da antiga aliança deram as costas para o seu próprio Messias, o rejeitando, e o condenando a morte e morte de Cruz, isso foi o cúmulo da injustiça.

E SÃO CONTRÁRIOS A TODOS OS HOMENS. Como a nova aliança de Cristo é com todos os homens, os judaizantes passaram a perseguir a todos que confessassem a Cristo como Mediador de uma nova aliança. Perseguiram a Cristo, e o mataram, depois passaram a perseguir os seguidores de Cristo em toda parte do mundo.

1 Tessalonicenses 2:14

1 Tessalonicenses 2:14 - Porque vós, irmãos, haveis sido feitos imitadores das igrejas de Deus que na Judéia estão em Jesus Cristo; porquanto também padecestes de vossos próprios concidadãos o mesmo que os judeus lhes fizeram a eles.
PORQUE VÓS, IRMÃOS. Como o escritor conhecia bem os seus leitores, mais uma vez se dirige diretamente a eles para lhes falar sobre seus problemas, que eles estavam enfrentando naquele momento. O fato de o apóstolo chamar os seguidores de Cristo de Tessalônica de irmãos segue uma tradição antiga do cristianismo. Já no judaísmo era uma tradição, porque os judeus se consideravam irmãos por meio dos patriarcas. No cristianismo, é que todos os convertidos em Cristo se consideravam irmãos, conforme o que está escrito em (João 1:12) e filhos de um mesmo Pai que é Deus.

HAVEIS SIDO FEITO IMITADORES. Nos dias de hoje é mais difícil se ter unanimidade de liturgia e igualdade de costumes entre todas as igrejas espalhadas em todo o mundo, porque é grande a quantidade de denominações com suas disparidades habituais. Porem, na época da igreja primitiva se podia ter um controle, no sentido de todas as comunidades cristãs serem imitadoras uma das outras, até porque o número de igrejas eram muito menores do que nos dias de hoje e daqui para frente.

DAS IGREJAS DE DEUS. Essa expressão usada pelo autor não está se referindo a várias denominações com suas ramificações locais, até porque neste tempo, em que esta carta foi escrita, as igrejas ou comunidades cristãs eram uma só. Há quem diga que as igrejas fundadas por Paulo eram diferentes das igrejas fundadas pelos demais apóstolos originais do Senhor Jesus, porem, se o eram em termos de doutrinas, não o eram em termos de sofrimentos e perseguições que tiveram de enfrentar por Cristo.

QUE NA JUDEIA ESTÃO EM CRISTO JESUS. Quem conhece bem a mensagem do Novo Testamento sabe que o ministério de Paulo tinha um direcionamento diferente dos demais apóstolos de Cristo. Isso porque o apóstolo Paulo foi chamado e enviado a fundar igrejas no mundo gentílico, enquanto que a maioria dos apóstolos concentraram suas atividades em Israel e na Palestina. Agora, tantos as igrejas fundadas por Paulo, quanto às fundadas pelo grupo dos doze eram igrejas de Deus.

PORQUANTO TAMBÉM PADECESTES. No tempo da igreja primitiva, alguém se converter ao cristianismo era sinônimo de problemas, porque assim como perseguiram, prenderam e mataram o fundador do cristianismo, Cristo Jesus, não era diferente com os seus seguidores. De forma que os Tessalonicenses que aceitaram a nova religião, o cristianismo, estavam tendo que enfrentar dificuldades naquela época.

DE VOSSOS PRÓPRIOS CONCIDADÃOS. Os judeus foram carrascos contra Jesus Cristo e contra os que deixavam o judaísmo pelo cristianismo. Da mesma forma, os cidadãos Tessalonicenses que deixavam suas antigas religiões pelo cristianismo passavam a serem perseguidos, tinham seus bens confiscados e eram presos e até mortos. As perseguições contra a igreja de Cristo se tornara generalizada por todas as partes.

O MESMO QUE OS JUDEUS FIZERAM A ELES. Desde a época de João Batista e do próprio Senhor Jesus, que os seguidores do judaísmo se levantaram contra tudo e contra todos que tentassem defender a nova dispensação da graça implantada pelo Messias de Deus. Até que culminou na destruição de Jerusalém no ano setenta, onde o foco principal era tentar acabar de uma vez por todas a igreja matriz em Israel.

1 Tessalonicenses 2:13

1 Tessalonicenses 2:13 - Por isso também damos, sem cessar, graças a Deus, pois, havendo recebido de nós a palavra da pregação de Deus, a recebestes, não como palavra de homens, mas (segundo é, na verdade), como palavra de Deus, a qual também opera em vós, os que crestes.
POR ISSO TAMBÉM DAMOS GRAÇAS A DEUS. Era de fato motivo de muita alegria para o autor, a forma graciosa com que os seus leitores (que no início de seus trabalhos em Tessalônica eram seus ouvintes) haviam recebido a mensagem do evangelho das boas novas por ele transmitida naquela cidade. O apóstolo rende graças a Deus pelo fato de ter sido bem recebido naquele lugar, porque o Senhor Deus de misericórdia tinha colocado graça nos corações de todos pelo missionário. Com isso, facilitou os trabalhos de pregação que ele tinha que fazer naquela região.

POIS, HAVENDO RECEBIDO DE NÓS. Antes de chegar a Tessalônica, o apóstolo havia sido expulso da cidade de Filipos, por conta de representar uma ameaça para as seitas pagãs que haviam naquela cidade. Até porque a mensagem do evangelho estava agindo poderosamente na vida das pessoas e muitos estavam se convertendo ao verdadeiro cristianismo. Já com a chegada do apóstolo em Tessalônica foi diferente, porque ele e seus amigos foram bem recebidos naquele lugar, como servos de Deus e mensageiros das boas novas de Cristo, que representa a nova aliança de Deus com a igreja de Cristo.

A PALAVRA DA PREGAÇÃO DE DEUS. A forma como a mensagem pregada por Paulo e seus companheiros de ministério foi recebida pelos moradores de Tessalônica, teve um impacto muito forte na vida das pessoas, porque eles entenderam que a palavra transmitida por aqueles mensageiros era de fato a palavra de Deus. Os missionários estavam apenas sendo porta vozes de Deus, em que suas pregações chegavam aos corações dos ouvintes como uma comunicação direta do trono de Deus aos homens.

A RECEBESTES, NÃO COMO PALAVRA DE HOMEM. O escritor se recorda muito bem a maneira como as boas novas do evangelho de Cristo foram recebidas no coração dos seus ouvintes naquela cidade e como isso produziu mudanças positivas na vida daqueles que creram na palavra de Deus. Os que chegaram a se converter ao cristianismo entenderam de que a mensagem pregada pelos missionários não era uma comunicação meramente humana, mas sim, como sendo Deus falando com eles.

SEGUNDO É NA VERDADE, COMO PALAVRA DE DEUS. Cristo se manifestou como sendo o Messias de Deus e enviado do Senhor para transmitir à mensagem das boas novas de salvação a humanidade, e ele cumpriu com sucesso seu ministério de pregação. Porem, com a morte de Jesus de Nazaré, e sua ascensão para se assentar a Destra de Deus, ele escolheu e chamou a Paulo como seu mensageiro ao mundo gentílico. Portanto, a mensagem pregada pelo apóstolo era a mensagem de Deus.

A QUAL TAMBÉM OPERA EM VÓS. Primeiro, essa palavra da parte de Deus operou na vida de Paulo, quando ele se converteu ao verdadeiro cristianismo. Da mesma forma, esta mesma mensagem ou palavra de Deus estava operando na vida dos que nasceram de nova na cidade de Tessalônica, porque eles receberam de bom grado o evangelho da libertação.

OS QUE CRESTES. Estes representavam todos àqueles que foram transformados em uma nova criatura, porque se converteram ao cristianismo pelo poder impactante das boas novas de Cristo. Eram todos os seguidores da nova religião anunciada pelo evangelho, como fazendo parte da nova dispensação da graça de Deus.

1 Tessalonicenses 2:12

1 Tessalonicenses 2:12 - Para que vos conduzísseis dignamente para com Deus, que vos chama para o seu reino e glória.
PARA QUE. Todo o trabalho desenvolvido pelo apóstolo e seus companheiros de ministério dentro da área da cidade de Tessalônica e todas as fadigas pelas quais eles tiveram que passar, tinha objetivos e finalidades bem definidos. A vida santa e justa que eles procuraram se aplicar no meio dos irmãos, seus esforços e trabalhos, renúncia da ajuda financeira da igreja, trabalhando noite e dia para não depender de ninguém financeiramente, os ensinos em forma de conselhos e consolação, tudo tinha alvos a serem alcançados, que este texto que estamos comentando coloca em pauta e explica.

VOS CONDUZÍSSEIS. Neste ponto, o autor declara suas metas pelas quais ele e seus amigos suportaram tantas coisas para levarem o evangelho das boas novas aos moradores de Tessalônica, bem como seus esforços por prosseguirem com os trabalhos de discipulado com os convertidos ao cristianismo. Era como se essas atividades levassem em seus braços os novos convertidos ao coração do próprio Deus, guiando seus passos ao encontro com Cristo para participarem da nova aliança da graça divina, tendo então, efeitos bem definidos com a obra de reconciliação com Deus.

DIGNAMENTE. O apóstolo tinha um cuidado especial em preparar os seguidores de Cristo, que eram os novos convertidos, para que vivessem, agora, de conformidade com as doutrinas da nova aliança, e com isso viverem dignamente perante o Senhor. Assim como ele buscava viver uma vida de santidade perante o Criador de todas as coisas, também procurava incentivar as novas criaturas em Cristo Jesus a que se separassem das coisas do mundo, ao mesmo tempo em que se dedicassem para Deus.

PARA COM DEUS. Essa frase tanto se refere ao Deus da antiga aliança, como também ao Deus da nova aliança, Cristo Jesus, porque tudo que o Antigo Testamente atribui a Deus Pai, dentro das páginas do Novo Testamento pode e deve ser também atribuído ao Filho de Deus, Jesus Cristo. O que o escritor tenciona em transmitir aos seus leitores é que, seus esforços no ensino da palavra eram para que pudesse leva-los a ter plena comunhão com Deus, lhes ensinando a buscar o reino de Deus em primeiro lugar.

QUE VOS CHAMA. Este ensino sobre a chamada de Deus na vida dos seguidores de Cristo é recorrente dentro das Sagradas Escrituras, ora falando da Escolha de Cristo na vida dos seus remidos, ora falando da eleição dos salvos para a vida eterna, ora declarando sobre a predestinação dos eleitos de Deus. Salmos 100:3 – nos fez povo seu, Efésios 1:5 – Somos predestinados segundo a sua vontade, Romanos 8:29-30 – Aos que chamou a este justificou, João 15:16 – Escolhidos e nomeados por Cristo.

PARA O SEU REINO. Escrever sobre o reino de Deus é a mesma coisas que falar sobre o governo de Cristo, sobre a vida dos seus escolhidos e sobre todo o mundo e sobre todas as coisas. Antes mesmo de sua vinda, como o Messias de Deus, já havia a promessa do Pai, de que o Cristo de Deus reinaria sobre tudo e sobre todos (Daniel 7:14). Conforme a mensagem do evangelho, Cristo é Rei dos reis e Senhor dos senhores.

E GLÓRIA. Quando fala sobre a glória de Deus e de Cristo está falando do seu poder e seu domínio sobre tudo e sobre todos. Deus é o Todo-poderoso e deu ao seu Filho, Jesus Cristo, todo poder no céu e na terra (Mateus 28:18). Também fala de seu resplendor, luz e majestade.

1 Tessalonicenses 2:11

1 Tessalonicenses 2:11 - Assim como bem sabeis de que modo vos exortávamos e consolávamos, a cada um de vós, como o pai a seus filhos.
ASSIM COMO BEM SABEIS. Novamente o escritor ataca a amnésia dos seus leitores, trazendo a tona tudo aquilo que eles estavam bem informados, sobre o seu comportamento e de seus companheiros de ministério entre eles, como homens de Deus que tudo faziam por amor. A vida do apóstolo, bem como daqueles que lhe ajudaram no começo dos trabalhos evangelísticos em Tessalônica era uma carta aberta diante de todos, porque suas atividades eram transparentes diante de toda a igreja. Diferente dos opositores de Paulo, que se infiltravam no meio da igreja com subterfúgio para enganarem o povo de Deus.

DE QUE MODO. O apóstolo tinha um cuidado todo especial pelos que se convertiam ao cristianismo, porque ele bem sabia do quanto foi importante seu encontro com Cristo quando ia de caminho para Damasco, para perseguir e prender os seguidores do reino de Cristo. Por isso que, em várias partes de suas cartas ele prefere chama-los de meus queridos irmãos, amados, meu filho na fé e outras tantas formas carinhosas e fraternais de tratamento, demonstrando acima de tudo seu apego e cuidado para com os que mesmo deixando suas antigas religiões se decidiram pelo cristianismo.

VOS EXORTAMOS. Essa frase dentro das páginas do Novo Testamento não tem o mesmo peso de quando ela é transliterada para o nosso português, porque em nossa língua ela retrata uma forma mais rígida de transmitir um mandamento. Já na aplicabilidade do evangelho das boas novas ela trata de conselhos cuidadosos do escritor para com os seus leitores. De fato, o autor fazia suas exortações aos seus ouvintes em forma de conselhos orientadores para que se firmassem no evangelho.

E CONSOLÁVAMOS. Os conselhos positivos transmitidos pelo apóstolo e também seus companheiros de ministério eram tão bons que serviam de consolação para os corações e para a alma dos que faziam parte da igreja cristã de Tessalônica. Além do mais, o que o apóstolo já havia passado de perseguição e pressão por pregar as boas novas do evangelho de Cristo, também servia de estímulo para os seguidores do reino de Deus naquele lugar tomarem coragem em continuar no cristianismo.

A CADA UM DE VÓS. Como o escritor se refere ao início de suas atividades na cidade de Tessalônica e quando ele começou a evangelizar aquele lugar, a igreja neste mesmo tempo não era tão grande, ao ponto dos missionários terem contatos pessoais com cada um dos membros do corpo de Cristo naquela cidade. Além do mais, a comunidade cristã daquela época era como uma grande família, onde cada um cuidava um do outro, praticando na realidade o amor fraternal mandado por Cristo.

COMO PAI. Como o apóstolo era de fato o líder principal deste trabalho missionário na cidade de Tessalônica, ele era considerado por todos como um pai da grande família chamada igreja crista, ou comunidade cristã de Tessalônica. E como liderança daquele movimento evangelizador e também como administrador da igreja local, o apóstolo agia como um pai de família que aconselhava e consolava seus filhos na fé.

A SEUS FILHOS. Na verdade, desde este tempo, e até os dias de hoje, existe no cristianismo um costume de se chamar de “filhos na fé”, aqueles que são alcançados pelas boas novas do evangelho e se tornam uma nova criatura. Portanto, os irmãos de Tessalônica eram considerados por Paulo como seus filhos na fé, gerados pelo evangelho e nascidos de cima, pelo Espírito de Deus.

1 Tessalonicenses 2:10

1 Tessalonicenses 2:10 - Vós e Deus sois testemunhas de quão santa, e justa, e irrepreensivelmente nos houvemos para convosco, os que crestes.
VÓS E DEUS. Boa parte dos comentaristas bíblicos são unânimes, em concordarem de que neste tempo, alguns vindos da parte da igreja mãe de Jerusalém tentavam invadir e dominar os campos missionários e as igrejas já fundadas por Paulo e seus companheiros de ministério. Razão porque o apóstolo usa de sua defesa pessoal, o testemunho dos próprios irmãos de Tessalônica e a aprovação de Deus para sustentar a tese de que ele e seus companheiros de ministério eram quem deviam continuar administrando aquelas comunidades cristãs, que foram fundadas por eles.

SOIS TESTEMUNHAS. A igreja de Cristo que estava na cidade de Tessalônica bem como o próprio Deus testemunhavam em favor do ministério de Paulo e de seus companheiros, a respeito dos seus trabalhos e intenções naquele campo missionário. Todavia, nem os cristãos daquele lugar nem Deus poderiam dar o mesmo testemunho a respeito dos cristãos judaizantes, que buscavam se infiltrar no meio da comunidade cristã para tirarem proveitos financeiros do povo de Deus, o que Paulo reprovava.

DE QUÃO SANTA. O escritor faz lembrar aos seus leitores, bem como o próprio Deus dava testemunho, do tipo de vida que o apóstolo e seus companheiros de ministério viveram entre os que faziam parte da igreja de Cristo naquela cidade. A santidade cristã é caracterizada pela separação do mundanismo, como também pela dedicação as coisas do reino de Deus. Já a santidade religiosa é diferente, porque é um tipo de vida artificial, sem prática, voltada para ativismo religioso e não para o amor a Deus e o próximo.

E JUSTA. Esse tipo de vida que o apóstolo e seus companheiros de ministério procuraram viver entre os que faziam parte da igreja de Cristo em Tessalônica, se caracterizava pela prática de uma vida justa, em que dava o devido valor a Deus as coisas do seu reino e a prática do amor fraternal para com todos sem distinção de cor, raça ou posição social. Para o autor desta edificante carta do Novo Testamento, não havia ninguém melhor do que ninguém, porque todos eram considerados iguais, como servos de Cristo.

E IRREPREENSIVELMENTE. Ninguém, nem mesmo os opositores de Paulo e dos seus auxiliares podiam acusa-los de qualquer tipo de comportamento inadequado dentro e fora da comunidade cristã de Tessalônica. Pelo contrário, a vida que eles viviam, enquanto estavam entre os seguidores de Cristo naquele lugar, era para glória, honra e louvor do nome de Cristo. Eles procuraram viver de forma digna e irrepreensível.

NOS HOUVEMOS PARA CONVOSCO. Essa frase nos leva a pensar da forma justa e equilibrada de como o apóstolo e seus amigos de ministério buscaram administrar a igreja de Cristo naquela cidade, desde os primeiros momentos, quando eles chegaram para evangelizar aquele lugar e depois da comunidade cristã já fundada. O apóstolo, como o mais importante fundador de igrejas no mundo gentílico da era apostólica tinha muita experiência em como se comportar no meio do povo de Deus.

OS QUE CRESTES. À medida que, o apóstolo e seus companheiros de ministério evangelizavam os cidadãos de Tessalônica e as pessoas se convertiam ao cristianismo, estes passavam a fazer parte da igreja cristã daquela cidade. E o apóstolo se dedicou inteiramente na sua organização e também na sua administração, por isso que ele se tornou bem querido e afeiçoado entre todos os que faziam parte daquela igreja.

1 Tessalonicenses 2:9

1 Tessalonicenses 2:9 - Porque bem vos lembrais, irmãos, do nosso trabalho e fadiga; pois, trabalhando noite e dia, para não sermos pesados a nenhum de vós, vos pregamos o evangelho de Deus.
PORQUE BEM VOS LEMBRAIS, IRMÃOS. O que o apóstolo esta relatando aos seus leitores não era algo de invenção própria nem fazia parte de um conteúdo vazio, porque ele chama a memória dos seguidores de Cristo naquela cidade, sobre algo que eles bem sabiam do que tinha ocorrido. O fato do autor chamar os seus leitores de irmãos, primeiro demonstra a sua simplicidade e humildade, porque apesar de ser “o grande apóstolo dos gentios” ele agia com modéstia, e depois era um costume entre os cristãos chamarem uns aos outros de irmãos, por serem todos filhos de Deus.

DO NOSSO TRABALHO E FADIGA. Certamente o apóstolo se refere as suas inúmeras e incansáveis atividades em prol do reino de Cristo na cidade de Tessalônica, juntamente com seus companheiros de ministério. Como esse missionário estava dando início aos seus labores em prol do evangelho das boas novas, ele se esforçava o máximo para pregar a palavra sobre Cristo a todos àqueles que estavam disponíveis a ouvi-lo, além de cuidar dos já convertidos pelo poder do evangelho, e administrar a igreja também.

POIS TRABALHAMOS. A recorrência da palavra “trabalho”, neste ponto, não é a mesma coisa que no caso anterior, porque neste caso, se trata dos trabalhos manuais ou profissionais que Paulo executava para seu próprio sustento e do seu ministério. Na frase anterior ele se refere às atividades evangelísticas em divulgar o evangelho de Cristo para aqueles que ainda não conheciam o Messias de Deus, e Cristo, Salvador, bem como suas atividades em prol da igreja já fundada por ele em Tessalônica.

NOITE E DIA. O apóstolo Paulo, como também aqueles que trabalhavam com ele nas missões transculturais, assim como no cuidado das igrejas, não aceitavam ser sustentados pelas igrejas nem por ninguém. Para tanto, eles trabalhavam em suas próprias profissões para não dependerem nem da igreja, nem de quem quer que seja. No caso de Paulo, ele trabalhava dia e noite na fabricação de tenda para ganhar o seu pão de cada dia, e sustentar seu ministério. E isso ele ensinava aos seus companheiros.

PARA NÃO SERMOS PESADOS. Observa-se que essa regra não era aplicada somente a vida e ministério do apóstolo Paulo, mais sim, a todos aqueles que estivessem ligados ao seu ministério também, que eram seus auxiliares diretos, bem como a todos os ministros que eram consagrados e ordenados por ele. Ao que tudo indica, isso não era seguido pelo ministério ligado a igreja de Jerusalém, que de princípio, estava mesclada com elementos bastante comuns ao judaísmo, eram os Cristãos legalistas, ortodoxos.

A NENHUM DE VÓS. Nem aos cristãos de Tessalônica e nem a nenhum de qualquer cidade aonde havia igrejas fundadas pelo apóstolo Paulo e seus companheiros de ministério. O apóstolo era intransigente quanto a ser sustentado pelas as igrejas ou por qualquer irmão que fizesse parte do corpo de Cristo, e não aceitava ajuda financeira de ninguém, nem da igreja e nem de quem quer que seja.

VOS PREGAMOS O EVANGELHO DE DEUS. Que o testemunho de Paulo e de seus companheiros de ministério sirva de exemplo para aqueles que pregam a palavra de Deus. O apóstolo pregava o evangelho do reino de Deus por amor e não por dinheiro nem recompensas financeiras. Diferente daqueles que hoje fazem do ministério uma profissão para explorarem o povo de Deus com o comercio da fé.

1 Tessalonicenses 2:8

1 Tessalonicenses 2:8 - Assim nós, sendo-vos tão afeiçoados, de boa vontade quiséramos comunicar-vos, não somente o evangelho de Deus, mas ainda as nossas próprias vidas; porquanto nos éreis muito queridos.
ASSIM NÓS. Certamente o autor se refere a ele próprio, como sendo o missionário principal, que cuidou de transmitir o evangelho da graça de Deus aos Tessalonicenses, bem como ele também se refere aos seus companheiros de ministério que o acompanhavam para realizar as missões transculturais. Desde o primeiro momento de seu ministério em levar a Cristo ao mundo gentílico, que o apóstolo se cercou de auxiliares, tanto para evangelizar novos campos, quanto para representá-lo nas igrejas por ele fundadas, a fim de darem assistência as igrejas de Cristo Jesus no mundo gentílico.

SENDO-VOS TÃO AFEIÇOADOS. Essa expressão usada pelo escritor revela o seu modo de tratar os irmãos da igreja de Cristo na cidade de Tessalônica, bem como todos aqueles que se convertiam ao verdadeiro cristianismo. Desde que o apóstolo colocou os seus pés na cidade de Tessalônica para pregar as boas novas do evangelho do Senhor Jesus, que ele demostrou uma afeição muito grande por todos os novos convertidos, e com o passar do tempo este amor foi só aumentando cada vez mais.

DE BOA VONTADE. O escritor retrata com singeleza de coração, as suas intenções mais profundas de como se afeiçoou pelos irmãos de Tessalônica, ao expressar a sua boa vontade em pregar a palavra de Deus para eles, e cuidar dos novos convertidos com muito respeito, amor fraternal e sinceridade. Paulo agia diferente dos seus opositores dentro da comunidade crista, porque eles estavam se infiltrando na igreja para tirarem proveito financeiro do povo de Deus naquele lugar. Mas Paulo era sincero com eles.

QUISÉRAMOS COMUNICAR-VOS. Neste ponto, o escritor abre o seu coração em expor suas finalidades primordiais quando chegou até a cidade de Tessalônica, além é claro de relatar os objetivos pelos quais o manteve naquela cidade até que a comunidade cristã estivesse formada. Seu foco era justamente transmitir as boas novas de Cristo, porque o Messias de Deus ainda não era conhecido daquele povo, e o que prevalecia era a idolatria e as seitas pagãs tomavam conta de tudo.

NÃO SOMENTE O EVANGELHO DE DEUS. Este evangelho de Deus sobre o qual o escritor se refere diz respeito a tudo aquilo que fala sobre a nova aliança de Deus para com a humanidade e principalmente com a igreja de Deus. Este era o lema do apóstolo e de seus cooperadores, no entanto, eles tinham outros objetivos bem claros ao chegarem e permanecerem naquele lugar. O missionário de Cristo aos gentios tudo fazia bem planejado, por isso que suas missões foram bem sucedidas.

MAIS AINDA AS NOSSAS PRÓPRIAS VIDAS. Quando o apóstolo escreve no plural, é porque haviam mais pessoas com ele, quando de sua chagada na cidade de Tessalônica, e sua permanência naquele lugar para cuidar dos novos convertidos e organizar a nova comunidade cristã. E eles estavam ali para o que desse ou viesse pelo evangelho.

PORQUANTO NOS ÉREIS MUITO QUERIDOS. E o que os movia nesta direção, de pregar as boas novas sobre Cristo e expor as próprias vidas em prol da nova aliança, era justamente o grande afeto que os seguidores de Cristo de Tessalônica despertaram no apóstolo e em seus cooperadores. Eles eram realmente muito queridos.

1 Tessalonicenses 2:6-7

1 Tessalonicenses 2:6-7 - E não buscamos glória dos homens, nem de vós, nem de outros, ainda que podíamos, como apóstolos de Cristo, ser-vos pesados. Antes fomos brandos entre vós, como a ama que cria seus filhos.
E NÃO BUSCAMOS GLÓRIA DOS HOMENS. Percebe-se que o escritor continua como que desabafando sobre aqueles que podiam ter lhe fornecido todo apoio, quando do início do seu ministério, desde o momento em que ele se dispôs a levar as boas novas sobre Cristo ao mundo gentílico. No entanto, ele próprio declara que já não esperava receber mesmo o apoio dos apóstolos originais, o que ele chama de glória dos homens, mas preferiu com a força vinda de Deus partir para realizar e executar a grande obra que o Senhor havia determinado que ele fizesse pelo mundo afora.

NEM DE VÓS, NEM DE OUTROS. Assim como o apóstolo não esperava apoio do grupo dos doze, nem das principais lideranças da igreja mãe de Jerusalém, agora ele também declara de que não esperava mesmo receber apoio dos seus opositores dentro da igreja de Tessalônica, nem muito menos de quem quer que seja. Foi admirável a determinação do apóstolo em com força de vontade realizar tudo aquilo que estava no seu coração, quanto o trabalho de evangelismo e missões no mundo.

AINDA QUE PODÍAMOS. Se o apóstolo quisesse, ele teria se achegado as principais lideranças cristãs de Jerusalém, e com certeza teria conquistado o seu espaço dentro do grupo dos doze apóstolos originais, até porque era perceptível que Deus tinha grande obra em sua vida. Além do mais, ele poderia por meios subalternos granjear o apoio das lideranças da igreja de Tessalônica e das demais igrejas espalhadas por todo o mundo para se constituir como o manda chuva da comunidade cristã, o que não fez.

COMO APÓSTOLO DE CRISTO. É dado por certo, que conforme a tradição cristã, Paulo se tornou o “grande apóstolo de Cristo aos gentios”. Há quem diga que o ministério dos apóstolos originais tenha se precipitado, ao escolher Matias em lugar de Judas Iscariotes, e não Paulo. Também é fato que Pedro tentou concertar isso, ao convidar a Paulo para ir até Jerusalém, quem sabe com a tentativa de conversar com Tiago, que era o principal líder do grupo, por ser irmão do Senhor, porem não deu certo.

SER-VOS PESADOS. Depois de mostrar suas credencias e relatar o caminho percorrido até então, o apóstolo faz saber aos seus leitores que tinha autoridade o suficiente para usufruir, se assim o quisesse, dos benefícios financeiros dos que faziam parte da igreja de Tessalônica. Ou quem sabe ser mais exigente com os seguidores de Cristo naquele lugar, em termos de doutrina, exortação ou até disciplina para quem merecesse.

ANTES FOMOS BRANDOS ENTRE VÓS. No entanto, como o apóstolo era movido pela combustão do amor, em vez de usar de rigidez, ele sempre agia de forma branda e compassiva para com todos, tendo como exemplo a vida de Cristo Jesus, que deu tudo de si mesmo pelo seus amigos, e para o bem dos seus seguidores, e discípulos do seu reino. Era uma característica peculiar do apóstolo, tratar bem os seus filhos na fé em Cristo.

COMO A AMA QUE CRIA SEUS FILHOS. Esta “ama” a que se refere o auto, era um tipo de mulher que por ser tão amorosa para com seus legítimos filhos, era convidada pelas mulheres da alta sociedade, para cuidar de seus filhos e filhas. Assim agia Paulo com todos aqueles que se convertia ao cristianismo, ele fazia questão de acompanhar pessoalmente essas pessoas, com educação, cuidado, muito amor e consideração.

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

1 Tessalonicenses 2:5

1 Tessalonicenses 2:5 - Porque, como bem sabeis, nunca usamos de palavras lisonjeiras, nem houve um pretexto de avareza; Deus é testemunha.
PORQUE. O escritor continua em suas argumentações em defesa do seu trabalho e suas atividades em prol do reino de Cristo para o desenvolvimento e crescimento da igreja remida do Filho de Deus, não somente em Tessalônica, mas em todo o mundo. Certamente, alguns que não fizeram quase nada em prol da igreja de Tessalônica e para a comunidade cristã no mundo gentílico estavam querendo tomar o espaço do apóstolo e de seus cooperadores nas igrejas por eles fundadas e supervisionadas.

COMO BEM SABEIS. Com razões obvias, o autor ativa a memória dos seus leitores, quanto ao que eles já sabiam, se bem que a amnésia podia está se apresentando na mente de alguns da igreja de Tessalônica, por conta dos seus interesses contrariados. Verdade é que o apóstolo não estava brincando, ao cobrar dos seus leitores, posições bem definidas quanto a liderança que ele conquistou a duras penas, para conseguir desbravar aquele campo missionário, que neste momento era excelente.

NUNCA USAMOS. Mas uma vez o escritor chama a atenção dos líderes da igreja de Cristo em Tessalônica para o seu testemunho pessoal, quanto ao seu modo de viver enquanto esteve trabalhando entre eles, desde os começos, até o presente momento. Os penetras que estavam assediando a comunidade cristã naquela cidade usavam de expedientes nefastos e enganadores para ludibriarem os menos esclarecidos e tentarem usar o espaço conquistado por Paulo e os seus cooperadores.

DE PALAVRAS LISONJEIRAS. As mensagens transmitidas pelo apóstolo e também os missionários que o acompanhavam eram palavras verdadeiras, de acordo com as revelações que o Senhor lhes mostrava sem interesses próprios, nem querendo tirar proveito da igreja. Mas, os opositores de Paulo e da obra de Deus, usavam da bajulação para por meio de elogios descabidos ganharem a confiança da igreja, e com isso, ocuparem indevidamente as posições de lideranças da igreja cristã em Tessalônica.

NEM HOUVE UM PRETEXTO. O autor desta edificante carta dá um tiro no pé daqueles que estavam tentando lhe fazer oposição na igreja de Cristo que estava em Tessalônica, ao mostrar, ainda que indiretamente, as intensões mais secretas dos inimigos do evangelho. Já da parte do apóstolo e de seus cooperadores, as intensões eram as melhores possíveis, porque só pensavam no crescimento da igreja de Cristo e na evangelização dos cidadãos daquela cidade e de toda aquela região.

DE AVAREZA. Os que buscavam impedir que Paulo e os seus amigos prosseguissem fazendo a obra de Deus em Filipos e em Tessalônica, tinham como objetivo tirarem proveitos financeiros, usando o evangelho para explorarem os menos esclarecidos. Porque o próprio Paulo trabalhava com as próprias mãos, na fabricação de tendas para não depender nem da igreja, nem de quem quer que seja, e isso é o correto. Eis aqui um tapa na cara dos que usam o evangelho para ganhar dinheiro, os charlatões e mercenários.

DEUS É TESTEMUNHA. O autor invoca o próprio Deus como sua testemunha, de que nunca usou o evangelho nem seu ministério para tirar proveito financeiro da igreja de Cristo nem muito menos de qualquer pessoa. O correto é que se faça a obra de Deus por amor, e somente por amor, e não por dinheiro. Quem prega, ora ou canta por dinheiro, corre o risco de ser reprovado por Deus no dia do acerto de contas.

1 Tessalonicenses 2:4

1 Tessalonicenses 2:4 - Mas, como fomos aprovados de Deus para que o evangelho nos fosse confiado, assim falamos, não como para agradar aos homens, mas a Deus, que prova os nossos corações.
MAS, COMO FOMOS APROVADOS DE DEUS. Na verdade, era grande o combate dos opositores do evangelho, tanto em Pilipos, como em Tessalônica e em todos os lugares, porque o problema, além de ser contra o ministério de Paulo, em essência o problema maior era contra o evangelho e contra a expansão do cristianismo no mundo gentílico. Até porque em Israel houve uma rejeição muito grande, é tanto que mataram o fundador do Cristianismo, Jesus Cristo. Reprovados pelos homens, porem, aprovados por Deus, tanto Paulo quanto os seus cooperadores na missão de pregar.

PARA QUE O EVANGELHO. O evangelho são as boas novas sobre Cristo, o Messias de Deus, e tudo aquilo que diz respeito à nova aliança de Deus com a humanidade e principalmente com a igreja remida de Cristo Jesus. O evangelho é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crer na eficácia da obra redentora do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, o Filho de Deus. No evangelho é que nós descobrimos a forma como Deus estabeleceu a paz com os homens por meio de Cristo.

NOS FOSSE CONFIADO. Essa frase nos dar a oportunidade de esclarecer algo que poucos cristão sabem. O grupo dos doze apóstolos originais ficaram de início aquartelados em Israel, porque achavam, (quem sabe) que a igreja seria composta apenas de judeus convertidos ao cristianismo. Todavia, a nova aliança feita por Cristo é mundial, por isso que ele confiou a Paulo o ministério e a missão de pregar o evangelho no mundo gentílico civilizada de sua época, surgindo assim à igreja.

ASSIM FALAMOS. Recebendo assim, o apóstolo Paulo, a incumbência e a responsabilidade de transmitir o evangelho em missões transculturais, ele não perdeu tempo, e procurou divulgar as boas novas aonde Cristo ainda não era conhecido. Pedro tomando conhecimento da conversão de Paulo, até tentou introduzi-lo na igreja de Jerusalém, por meio de Tiago, que era a liderança principal, porem, não deu certo, porque Deus tinha planos maiores para a vida de Paulo.

NÃO COMO PARA AGRADAR A HOMENS. Boa parte dos comentaristas bíblicos concordam de que há da parte do escritor um certo tom de desabafo, no que diz respeito a elite eclesiástica de Jerusalém, que não lhe prestaram o devido apoio no início do seu ministério. Verdade é que, se Paulo tivesse se incorporado ao ministério da igreja mãe de Jerusalém, talvez ele não pudesse fazer a grande obra missionária que ele executou em prol da igreja gentílica. Deus estava no comando de tudo.

MAS A DEUS. O fato de Paulo não ter sido incorporado ao ministério dos apóstolos originais, fazia parte de um plano maior de Deus para sua vida, o enviando a evangelizar o continente Europeu, a Ásia e também parte da África. Essa era de fato a vontade de Deus e o Senhor cuidou de todos os detalhes e pôs em execução.

QUE APROVA OS NOSSOS CORAÇÕES. Desde o momento de seu encontro com Cristo, na estrada de Damasco, que o apóstolo começou a sonhar com sua grande e importante missão de levar as boas novas do evangelho aos povos que ainda não conheciam o Salvador da humanidade, Jesus. É tanto que, o escritor teve uma maior revelação sobre a nova aliança de Deus com a igreja remida do que os demais apóstolos.

1 Tessalonicenses 2:3

1 Tessalonicenses 2:3 - Porque a nossa exortação não foi com engano, nem com imundícia, nem com fraudulência.
PORQUE. Neste mesmo tempo em que o apóstolo cumpria a sua missão de levar o evangelho genuíno das boas novas de Cristo havia muitos outros, que eram falsários, e que se aproveitavam da boa aceitação da nova mensagem de esperança, na nova dispensação, para tirarem proveito pessoal dos novos convertidos ao cristianismo. De maneira que, os opositores de Paulo, dentro e fora da igreja, tentavam coloca-lo na categoria de falso pregador de boas novidades entre o povo, E isso prejudicava os trabalhos do apóstolo dos gentios.

A NOSSA. Uma grande quantidade de pregadores itinerantes saíram mundo a fora usando o evangelho para explorarem os novos convertidos ao cristianismo, entre eles, os cristão ortodoxos do judaísmo, os falsos mestres gnósticos, e novas seitas que se diziam cristãs, mas que não passavam de falsas religiões pagãs. No entanto, a mensagem pregada por Paulo era verdadeira e as comunidades cristãs fundadas por ele e por seus auxiliares, que também eram missionários, eram aprovadas por Deus.

EXORTAÇÃO. Nesta carta de Paulo enviada à igreja de Cristo que estava na cidade de Tessalônica, bem como nas suas demais correspondências enviadas aos seus leitores, contem muitas exortações em forma de conselhos, a fim de alertar aos seus leitores sobre os perigos que rondavam as comunidades cristãs, no tocante as heresias que surgiam a todo o momento. Os seus conselhos visavam abrir o entendimento dos novos convertidos e principalmente dos líderes cristãos sobre os falsos ensinos.

NÃO FOI. O fato é que todas as forças contrárias ao evangelho, neste tempo, se mobilizaram para deter os mensageiros das boas novas de Cristo e o bom andamento do crescimento e desenvolvimento do cristianismo na terra. Mas, como os meios utilizados por Paulo e seus cooperadores foram legítimos e estavam de acordo com o plano de Deus, mesmo enfrentando as inúmeras dificuldades, a obra do evangelho cada vez mais se expandia, não só em Filipos, mas também em Tessalônica.

COM ENGANO. Os judaizantes por meio de suas fábulas artificias, os Falsos mestres gnósticos com suas filosofias sofistas, os enganadores líderes das seitas heréticas do paganismo e os falsos cristãos que se infiltravam no meio da comunidade cristã usavam do engano. Porem, o apóstolo e seus cooperadores faziam a obra de Cristo e cumpriam missões de conformidade com as determinações de Deus, sendo guiados e impulsionados pelo Espirito de Cristo, e pelo grande poder de Deus.

NEM COM IMUNDÍCIA. Nesta mesma época, as seitas heréticas bem como os líderes falsos do gnosticismo partiam mesmo para o lado mais ridículo de acharem de que os adeptos de suas respectivas religiões deviam se embrenharem na carnalidade e na pecaminosidade para libertarem a alma do corpo, por meio da imundícia, da depravação, da licenciosidade desenfreada, sendo dominados pelas concupiscências da carne.

NEM COM FRAUDULÊNCIA. Os falsos líderes das seitas heréticas usavam de todos os meios ilegais e imorais para tentarem enganar os mais simples com suas fraudes e mentiras inventadas. Ganhavam a confiança das pessoas, até aplicarem seus golpes financeiros e levarem vantagem em tudo. Essas fraudes se davam com a invenção de que faziam milagres e prodígios, porem, tudo era manipulação para enganar os outros. Nos dias de hoje existem muitos charlatões aplicando tais golpes e fraudes contra o povo de Deus.

1 Tessalonicenses 2:2

1 Tessalonicenses 2:2 - Mas, mesmo depois de termos antes padecido, e sido agravados em Filipos, como sabeis, tornamo-nos ousados em nosso Deus, para vos falar o evangelho de Deus com grande combate.
MAS, MESMO DEPOIS DE TERMOS PADECIDO. Antes mesmo de chegar a Tessalônica para pregar o evangelho de Cristo naquela região, o apóstolo teve que enfrentar muitas adversidades na cidade de Filipos, sobre esta narrativa podemos ler em (Atos 16:12-40). Porque o escritor fala sobre ter padecido? Porque naquela cidade, tendo chegado para cumprir a sua missão, ele foi duramente hostilizado, sendo perseguido, humilhado, castigado injustamente, açoitado pelas autoridades, mesmo tendo cidadania romana, o que não poderia ter sido feito, em fim, foi preso sem merecer.

E SIDO AGRAVADO. Essa frase nos ensina sobre os maus tratos que o apóstolo teve que enfrentar em Filipos por conta de sua missão, e por defender com coragem e determinação aquilo que pregava sobre Jesus de Nazaré, como sendo o Messias de Deus que se manifestou para implantar uma nova dispensação da graça. Como também nos fala sobre os modos ultrajantes com que os seus opositores lhe trataram publicamente, tudo isso, de caso pensado, na tentativa de impedirem que o autor fizesse os trabalhos em Filipos e não continuasse sua missão além daquela cidade.

EM FILIPOS, COMO SABEIS. Os fatos sobre os quais o escritor se reporta, nos fala sobre o início das atividades evangelísticas de Paulo no continente Europeu, e de como os inimigos do evangelho tentaram o deter em sua missão de pregar as boas novas do evangelho no mundo gentílico. A igreja de Cristo que estava em Tessalônica sabia de tudo que tinha ocorrido com Paulo na cidade de Filipos e de todos os sofrimentos que ele teve que enfrentar dos judeus e das autoridades romanas e locais de Filipos.

TORNAMO-NOS OUSADOS. Se o intento dos inimigos do reino de Deus era impedir que Paulo desbravasse o continente Europeu e o mundo gentílico com o evangelho da graça de Cristo, isso não funcionou. Pelo contrário, as tribulações, as perseguições e a prisão que ele teve que enfrentar deu força e combustão para que ele continuasse cumprindo sua missão em levar o evangelho em campos transculturais, porque ele sabia a quem estava servindo, e que era poderoso para livrá-los dos seus inimigos.

EM DEUS. É de fato recorrente este tipo de declaração feita pelo escritor, se referindo a sua dependência absoluta em Deus, por saber que todo o bem de que os servos do reino desfrutam vem do Criador de todas as coisas. Não é de menos que o apóstolo atribua a Deus sua sabedoria e conhecimento dos mistérios da nova dispensação da graça, até porque ele próprio nos faz saber que não recebeu instrução das coisas do evangelho de ninguém, nem mesmo dos demais apóstolos, mas diretamente de Deus.

PARA VOS FALAR O EVANGELHO DE DEUS. Os apóstolos originais contaram com a ajuda direta do próprio Senhor Jesus, quando ainda no exercício do seu ministério, quanto às pregações do evangelho das boas novas. No entanto, Paulo depois que se converteu, foi enviado logo que possível a pregar o evangelho em outros países.

COM GRANDE COMBATE. O autor nos faz saber que depois do seu encontro com Cristo, não mediu esforços em levar as boas novas do evangelho da dispensação da graça, aonde Cristo ainda não era conhecido. É a isto que ele chama de grande combate, se referindo as suas campanhas evangelísticas nas missões transculturais.

1 Tessalonicenses 2:1

1 Tessalonicenses 2:1 - Porque vós mesmos, irmãos, bem sabeis que a nossa entrada para convosco não foi em vão.
PORQUE. Parte deste capítulo dois desta carta nos ensina sobre a forma como o apóstolo exerceu seu ministério evangelístico naquele lugar, porque o apóstolo Paulo foi chamado e comissionado por Cristo a pregar as boas novas do evangelho ao mundo gentílico, diferente dos demais apóstolos. Além do mais, a vida que o escritor passou a ter entre os irmãos de Tessalônica passou a ser a prova maior de que ele era de fato um homem de Deus, e que o seu maior interesse era justamente o bem estar da obra de Deus naquela cidade, e o crescimento do reino de Cristo Jesus em todo o mundo.

VÓS MESMOS. Uma coisa é de ouvir falar a respeito de uma pessoa, e a outra é conhecer pessoalmente a alguém de perto, que no caso do relacionamento entre o apóstolo e os seguidores de Cristo em Tessalônica era bem estreito. Não se sabe quanto tempo, mas de fato o escritor esteve convivendo pessoalmente com os cristãos daquela cidade, o tempo suficiente para que se tornasse bem conhecido por todos, ao ponto disto se tornar em um vínculo de afeição e amizade de ambas as partes.

IRMÃOS. Desde os tempos de Abraão, Isaque e Jacó, que se tornou uma tradição entre os seguidores do judaísmo, chamarem uns aos outros de irmãos, porque se consideravam de uma mesma arvore genealógica, ligados ao mesmo tronco dos patriarcas. No tempo do cristianismo também se percebe que este mesmo costume se perpetrou entre os seguidores do evangelho, tendo a Deus como Pai de todos os cristãos e Jesus como o irmão mais velho. Todos aqueles que recebem a Cristo como Senhor e Salvador, agora, são chamados filhos de Deus (João 1:11-12).

BEM SABEIS. O autor coloca diante de todos os que faziam parte da igreja de Cristo em Tessalônica, o julgamento do seu próprio testemunho, ao atinar para suas consciências sobre o seu modo de vida que teve entre os irmãos naquela cidade. Diferente dos líderes do gnosticismo, do judaísmo, e das seitas heréticas das religiões pagãs, que procuravam se distinguirem dos adeptos de suas respectivas religiões, o apóstolo se dava bem a conhecer pelos seguidores do Cristianismo em Tessalônica.

QUE A NOSSA ENTRADA. Certamente o apóstolo faz lembrar aos seus leitores sobre como ele começou em suas atividades evangelísticas naquela cidade, e o modo legítimo pelo qual foi semeando as boas novas de Cristo naquela região. Como o apóstolo era vigiado de perto pelas autoridades romanas, e pelos líderes das demais religiões existentes em cada cidade, ele tinha o cuidado de agir corretamente em cada localidade para não infligir às leis e os costumes de cada civilização e cultura.

PARA CONVOSCO. Neste ponto, o escritor destaca em particular o modo criterioso em como ele se comportou eficazmente para com os que neste tempo já eram seguidores dos seus ensinos e pregações, cumprindo assim sua missão entre eles. Se neste tempo, já existia uma igreja formada naquele lugar, foi pelo empenho do apóstolo entre eles.

NÃO FOI EM VÃO. Uma das coisas que muito regozijava o missionário do reino de Cristo era saber que suas atividades em prol do reino dos céus estavam tendo resultados positivos. Nada mais satisfatório do que o conforto mental e a paz na alma, de quando nos sentimos realizados por sabermos que temos cumprido fielmente a missão que Deus determina para nossas vidas, isso não tem preço.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

1 Tessalonicenses 1:10

1 Tessalonicenses 1:10 - E esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura.
E ESPERAR. Aqueles que se converteram dos ídolos para servirem ao Deus vivo e verdadeira só restava uma coisa, esperar o retorno bendito do filho de Deus. A igreja primitiva esperava a volta de Cristo (parousia) ainda nos seus dias. Assim como nós estamos esperando o arrebatamento da igreja a qualquer momento. A volta de Cristo para arrebatar para si a sua igreja é dada por certa (João 14:3). E isso pode se dar a qualquer momento Hebreus 10:37 – Mais um poucochinho de tempo, e o que há de vir virá e não tardará. Jesus prometeu: Eis que cedo venho (Apocalipse 22:12).

DOS CÉUS. A crença da antiga aliança, conforme a tradição dos Hebreus era de que, os que morriam com Deus ficavam no seio de Abraão, portanto, não nos céus, mas sim em uma certa região no seio da terra, acima do hades, que ficava no centro mesmo da terra. Já o cristianismo tem a crença de que os que dormem em Cristo estão no paraíso, uma região celeste, e Cristo entronizado a presença de Deus, no mais alto céu, de onde virá para buscar a sua noiva, a igreja. São muitas as referências neotestamentária sobre Cristo estar no céu dos céus com Deus o Pai (Atos 1:9-11).

A SEU FILHO. Jesus é Filho de Deus. Já nas profecias Messiânicas classificava o Cristo como Filho de Deus. E a forma como ele foi gerado no ventre de sua mãe comprova isto. Ele foi gerado pelo Espírito do Senhor. José foi o pai adotivo de Jesus, todavia o Pai verdadeiro de Cristo Jesus é o próprio Deus Todo-poderoso. Jesus Cristo é o unigênito de Deus Pai de forma especial (João 3:16). O próprio Deus de Israel testificou de que Jesus é seu filho (Marcos 1:11) Os cristãos de Tessalônica estavam preparados só aguardando a volta do Filho de Deus para os tirarem da terra.

A QUEM RESSUSCITOU. O Velho Testamento mostra com alguns exemplos que é possível a ressurreição dos mortos. Já o Novo Testamento dá veracidade a este fato com vários acontecimentos deste gênero, principalmente os casos de ressurreição de mortos realizados pelo Senhor Jesus, ele que é a própria ressurreição e a vida. João 11:25 - Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá. No entanto, a ressurreição de Jesus foi a comprovação maior de que ele era o Messias de Deus, o Emanuel de Deus, Deus conosco, como sendo a vida.

DENTRE OS MORTOS. Os casos de ressurreição de mortos tanto no Antigo Testamento quanto no Novo Testamento provam de que é possível alguém ressuscitar. Mas estas mesmas pessoas que ressuscitaram voltaram a morrer, portanto, ficaram por fim dentre os mortos, com a crença de que ressuscitariam no último dia. Todavia, a ressurreição de Cristo dentre os mortos foi diferente das demais, uma vez que ele não morreu novamente como os demais. Cristo subiu vivo para se assentar eternamente a destra da majestade celestial. Cristo é portanto, Senhor da morte e da vida.

A SABER, JESUS, QUE NOS LIVRA DA IRA FUTURA. Jesus é o nome próprio do Filho de Deus, digamos que foi o nome humano do Messias, Emanuel, e Cristo de Deus. Jesus significa Salvador, porque a sua missão e obra na terra foi para salvar a humanidade da ira futura. Essa ira futura quer dizer: Condenação eterna ou segunda morte, separação eterna do Deus da vida.

1 Tessalonicenses 1:9

1 Tessalonicenses 1:9 - Porque eles mesmos anunciam de nós qual a entrada que tivemos para convosco, e como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir o Deus vivo e verdadeiro.
PORQUE ELES MESMOS ANUNCIAM DE NÓS. Paulo fala a respeito do testemunho que o munda dava sobre os cristãos de Tessalônica como também sobre como o missionário penetrou com o evangelho naquela região da Grécia e depois em toda a Europa e no mundo civilizado daquela época. Era notório em todos os lugares os efeitos da missão transcultural do evangelho em todo o mundo. Em Israel a obra ficou como que bloqueada por conta do radicalismo judaico, mas no mundo gentílico o evangelho encontrou terreno fértil nos corações dos que precisavam de salvação.

QUAL A ENTRADA QUE TIVEMOS PARA CONVOSCO. Os governos, as autoridades e a sociedade não cristã estavam como que admirados a forma como o evangelho pregado por Paulo e seus cooperadores estava sendo aceito no mundo gentílico. Todavia, já era esperado pelo reino de Cristo e pela igreja tal aceitação da mensagem do evangelho pelos gentios. Porque diz a palavra que: Veio para os que eram seus (Judeus) e os seus não o receberam, mas a todos quantos o receberam (gentios), deu-lhes o direito de se fazerem filhos de Deus, aos que creem em seu nome (João 1:10-11). (nome de Cristo).

E COMO DOS ÍDOLOS. Os Judeus em sua grande maioria por seguirem o monoteísmo, com a crença em um único Deus verdadeiro, não tinham esse problema com os ídolos. Já os gentios, seguidores na sua grande maioria do politeísmo, crença na diversidade de divindades (Idolatria) e por seguir o paganismo, sempre tiveram envolvidos com os ídolos. Mas, ao se converterem ao cristianismo, abandoavam a idolatria nos seus ídolos para viverem para o único Deus verdadeiro e Jesus Cristo, como único Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo que se fez homem.

VOS CONVERTESTES PARA DEUS. Dos ídolos vos convertestes para Deus. Não tem como a pessoa servir aos ídolos e a Deus ao mesmo tempo. Conforme as Escrituras Sagradas a idolatria é uma abominação diante de Deus e o Senhor não divide sua glória com ninguém. A conversão bíblica fala sobre uma mudança de direção na forma de adoração, serviço e amor. Onde a pessoa que se converte ao cristianismo passa a adorar somente o único Deus verdadeiro, a servi-lo e a amá-lo acima de qualquer coisa. Uma religião que se diz ser cristã que aceita idolatria é falsa, é uma seita herética.

PARA SERVIR O DEUS VIVO. O que é servir ao Deus vivo? Quem serve aos ídolos não serve ao Deus vivo, porque os ídolos não tem vida em si mesmo. Servir ao Deus vivo é adorar somente ao Deus único e verdadeiro criador dos céus e da terra.

E VERDADEIRO. As falsas divindades ou os ídolos dos pagãos são mentiras criadas pela imaginação maléfica dos idólatras. O Deus verdadeiro é o Deus que criou o homem a sua imagem, conforme a sua semelhança, o mundo e tudo que nele ha.

1 Tessalonicenses 1:8

1 Tessalonicenses 1:8 - Porque por vós soou a palavra do Senhor, não somente na Macedônia e Acaia, mas também em todos os lugares a vossa fé para com Deus se espalhou, de tal maneira que já dela não temos necessidade de falar coisa alguma.
PORQUE POR VOS. A igreja de Tessalônica foi bem instruída pelo apóstolo Paulo em tudo que concerne às coisas do evangelho de Cristo. E os cristãos daquele lugar se tornaram bons discípulos do reino de Cristo. Seguindo é claro os ensinos de Paulo como missionário e fundador daquela comunidade cristã. Eles viram no apóstolo um bom exemplo de como se deve cumprir o ide imperativo do Senhor Jesus, em semear a palavra do evangelho a toda criatura, conforme está escrito em (Marcos 16:15).

SOOU A PALAVRA DO SENHOR. Ao se converterem ao cristianismo, os cristãos de Tessalônica foram tomados pelo amor cristão pelos não convertidos, no sentido de os levarem ao conhecimento das boas novas do evangelho do Senhor Jesus. E cada um daqueles que recebiam a Cristo como Senhor e Salvador, se tornava um pregador do evangelho libertador, em levar a Cristo aqueles que ainda não o conheciam. Com isso a palavra de Deus se espalhou por toda aquela região da Grécia.

NÃO SOMENTE NA MACEDÔNIA E ACAIA. Macedônia era uma província romana ao norte da Grécia. Já a Acaia era a outra província romana ao sul, que juntamente com a Macedônia formavam a Grécia. A Grécia era um país que ficava ao sul da Europa. Paulo esteve visitando aquela região em sua segunda e terceira viagem missionária e esteve em Tessalônica, Filipos, Bereia, Antenas e Corinto. Paulo nos faz saber que a igreja de Cristo que estava em Tessalônica se tornara uma igreja missionária em levar o evangelho de Cristo além das fronteiras do seu próprio país.

MAS TAMBÉM EM TODOS OS LUGARES. A cidade de Tessalônica se tornou pequena para os evangelistas daquela igreja. Certamente cuidaram em levar as boas novas em todas as cidades da Macedônia, Acaia e em toda a Grécia, que com o seu idioma, o grego, contribuiu decisivamente na propagação do evangelho. A igreja de Tessalônica foi além das fronteiras da Grécia com as boas novas. Certamente contribuiu para a divulgação do evangelho em toda Europa e demais regiões do velho continente. Ao ponto de chegar a todos os lugares habitados da época.

A VOSSA FÉ PARA COM DEUS SE ESPALHOU, DE TAL MANEIRA. Quando o escritor se refere a vossa “fé para com Deus”, certamente ele esta tratando da nova fé dos cristãos, de acordo com a nova aliança de Deus com a humanidade. E não da velha aliança de Deus com Israel, nem tão pouco da fé pagã dos gentios sem Deus. A igreja de Tessalônica teve uma importância fundamental em divulgar esta fé cristã em Cristo.

QUE JÁ DELA NÃO TEMOS NECESSIDADE DE FALAR COISA ALGUMA. Paulo tem uma visão global neste tempo, de como a fé cristã chegou a todas as nações do mundo habitável de sua época. E podemos conjecturar de que ele se sentia realizado por ser um dos tais que contribuiu para que isto viesse a acontecer. E sua missão se cumprir no mundo, como apóstolo dos gentios.

1 Tessalonicenses 1:6-7

1 Tessalonicenses 1:6-7 - E vós fostes feitos nossos imitadores, e do Senhor, recebendo a palavra em muita tribulação, com gozo do Espírito Santo. De maneira que fostes exemplo para todos os fiéis na Macedônia e Acaia.
E VÓS FOSTES FEITOS NOSSOS IMITADORES. Escrevendo aos Filipenses Paulo solicita que os cristãos sejam seus imitadores: Sede também meus imitadores, irmãos, e tende cuidado, segundo o exemplo que tendes em nós, pelos que assim andam (Filipenses 3:17). Já escrevendo aos Coríntios ele adverte que sejam seus imitadores: Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores. (1 Coríntios 4:16). A convivência de Paulo entre os cristãos de Tessalônica lhes deixou um exemplo de um bom Cristão, a ser seguido. O apóstolo era um ótimo discipulador do reino de Cristo.

E DO SENHOR. Imitadores do Senhor Jesus Cristo, ou seja, discípulos de Cristo, porque discípulo quer dizer aquele que segue os ensinos do seu Mestre. A escritura aconselha: Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados. (Efésios 5:1). Jesus é o nosso exemplo a ser seguido. Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também. (João 13:15). E tem mais. Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou. (I João 2:6). O Senhor Jesus nos deixou um exemplo de vida correta, de perfeita comunhão com o Pai e de serviço intenso ao reino de Deus.

RECEBENDO A PALAVRA. A mensagem das boas novas de Cristo foi bem recebida nos corações dos que faziam parte da igreja de Cristo na cidade de Tessalônica. Certamente passava na mente de Paulo os momentos iniciais de sua missão naquela cidade, quando ali chegou com o evangelho libertador do Senhor Jesus. Não tinha como esquecer-se do modo como os cidadãos daquele lugar foram receptíveis a mensagem por ele anunciada. Como também os novos convertidos estavam atentos aos ensinos que o missionário lhes comunicava sobre como ser seguidor de Cristo.

EM MUITA TRIBULAÇÃO. A partir do momento em que os cidadãos da cidade de Tessalônica foram se convertendo ao cristianismo passaram a ser alvo dos ataques dos Judeus legalistas, do império romano com suas autoridades, assim como também dos líderes das demais religiões pagãs ali já existentes. E descobrimos neste ponto desta epístola de Paulo que a igreja de Cristo em Tessalônica era também mais uma das comunidades cristãs daquela época bastante perseguida, por fazer parte do reino de Deus e de Cristo. Os cristãos daquele lugar tiveram que enfrentar aflições e perseguição.

COM GOZO DO ESPÍRITO SANTO. No entanto, contavam com o gozo dado pelo Espírito Santo para suportarem tais tribulações. Até porque ele é chamado de Consolador: João 14:16 - E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre. Quem tem o Espírito de Deus, não se deixa abater com pouca coisa. Mesmo enfrentando as perseguições canta hinos de vitória.

DE MANEIRA QUE FOSTES EXEMPLO PARA TODOS OS FIÉIS DA MACEDÔNIA E ACAIA. As igrejas da Macedônia e Acaia, tomando conhecimento da perseverança dos cristãos de Tessalônica, em meio às aflições e perseguições, se fortaleciam na fé. Macedônia era uma província romana ao norte da Grécia. Já a Acaia era a outra província romana, que juntamente com a Macedônia formavam a Grécia.

1 Tessalonicenses 1:4-5

1 Tessalonicenses 1:4-5 - Sabendo, amados irmãos, que a vossa eleição é de Deus. Porque o nosso evangelho não foi a vós somente em palavras, mas também em poder, e no Espírito Santo, e em muita certeza, como bem sabeis quais fomos entre vós, por amor de vós.
SABENDO, AMADOS IRMÃOS. O apóstolo apela para as convicções dos corações dos cristãos que estavam em Tessalônica e para a certeza que habitava sobre suas mentes de que eles pertenciam a Deus. E demonstra o seu carinho e afeto pelos seus filhos e filhas na fé naquela cidade os chamando de amados. Ele tinha realmente um amor especial pelos convertidos ao cristianismo, é tanto que ele os trata como pedras preciosas de sua coroa. E quando os classificam de irmãos, isso fala de sua humildade em se colocar em par de igualdade com todos, apesar de ser o grande apóstolo.

QUE A VOSSA ELEIÇÃO É DE DEUS. Cristo mesmo declarou sobre esta escolha. João 15:16 – Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi e vos nomeei. Salmos 100:3 – Sabei que o Senhor é Deus, foi ele quem nos fez povo seu e ovelhas do seu pasto. Romanos 8:29-30 - Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou.

PORQUE O NOSSO EVANGELHO. Quando Paulo escreve sobre “o nosso evangelho”, ele se refere ao evangelho por ele anunciado e pregado. Porque na verdade o evangelho é de Deus e sobre Cristo e a nova aliança da graça. O apóstolo como missionário do cristianismo tinha como missão levar as boas novas do evangelho no mundo transcultural, além das fronteiras de Israel. Em que sua mensagem principal era apresentar Jesus de Nazaré, como sendo o Messias enviado de Deus para executar a nova aliança de Deus com a humanidade, a nova dispensação da graça.

NÃO FOI A VÓS SOMENTE EM PALAVRAS. Verdade é que o evangelho foi pregado ostensivamente pelo apóstolo de Cristo na cidade de Tessalônica. Paulo tendo chegado naquela cidade procurou de todas as formas, principalmente por meio da pregação anunciar as boas novas sobre o Cristo de Deus, demonstrado para os gentios de que a nova aliança de Deus não era nacionalista, como foi na primeira com Israel, mas sim, com todas as nações do mundo e com qualquer pessoa. Mas não foi somente em palavra, mas em poder e no Espírito Santo.

MAS TAMBÉM EM PODER E NO ESPÍRITO SANTO, E EM MUITA CERTEZA. O apóstolo conciliava suas mensagens sobre o evangelho com demonstração de poder da parte de Deus e de Cristo, mediante as operações do Espírito santo. É o que podemos chamar de teoria posta em prática. Não somente palavras, mas obras e atos juntos. Coisa que esta faltando nos dias de hoje. Só palavras, mas pouca manifestação de poder.

COMO BEM SABEIS QUAIS FOMOS ENTRE VÓS, POR AMOR DE VÓS. Paulo convoca o próprio testemunho de todos que faziam parte da igreja em Tessalônica para o que ele acabara de escrever. Certamente refrescando a memória de todos eles sobre o que aconteceu quanto esteve presente entre eles, e o que Deus fez por amor deles.

1 Tessalonicenses 1:3

1 Tessalonicenses 1:3 - Lembrando-nos sem cessar da obra da vossa fé, do trabalho do amor, e da paciência da esperança em nosso Senhor Jesus Cristo, diante de nosso Deus e Pai.
LEMBRANDO-NOS SEM CESSAR. Além de lembrar sempre de agradecer a Deus pela vida de todos os cristãos de Tessalônica e de fazer orações de contínuo por eles ao Senhor, o apóstolo tem boas recordações dos tempos em que conviveu com todos os irmãos daquela cidade. Todas as atividades que ele executou juntamente com os seguidores do Senhor Jesus naquele lugar passavam como uma fita em sua memória. Paulo não tinha como esquecer do quanto aquela gente era dedicado com amor a obra do evangelho de Cristo, a fé sobrenatural e a esperança que os mantinham de pé.

DA OBRA DA VOSSA FÉ. Esta obra da fé a que se refere o apóstolo, diz respeito à vida de fé daquele povo. A fé que os movia em direção a Cristo e em obediência ao evangelho das boas novas. A fé é o firme fundamento das coisas que não se veem e a prova das coisas que se esperam (Hebreus 11:1). A fé dos irmãos de Tessalônica estava posta em Cristo, como sendo o Messias de Deus e salvador da humanidade. Esta fé da igreja de Tessalônica se baseava nas pregações e nos ensinos do evangelho.

DO TRABALHO DO AMOR. Numa interpretação mais compreensível podemos deduzir como sendo: “Do trabalho com amor”. Na realidade Paulo não trabalhava sozinha na execução dos seus trabalhos evangelísticos nem em suas atividades administrativas da comunidade cristã de Tessalônica. Pelo contrário, tudo que o apóstolo fazia naquela cidade em torno do reino de Cristo, contava com o empenho pessoal de todos os seus cooperadores e auxiliares daquela comunidade, isso com todo amor.

E DA PACIÊNCIA. A paciência é uma das grandes virtudes cristãs que caracterizam os seguidores do reino de Cristo como quem tem capacidade de suportar contrariedades com resignação. Ao mesmo tempo, em que os qualificam como pessoas que persistem nas labutas em prol do reino de Deus e no evangelho, sem, contudo ver de imediato o resultado, porem com esperança que no tempo de Deus virão os frutos dos trabalhos desempenhados pelo evangelho libertador.

DA ESPERANÇA EM NOSSO SENHOR JESUS CRISTO. A fé é quem sustenta todos os remidos nos caminhos do evangelho, e a esperança é quem os move com paciência em direção ao cumprimento das promessas de Deus em Cristo, de acordo com a nova aliança. Esta esperança cristã em nosso Senhor Jesus Cristo é a certeza de que tudo que o evangelho descreve sobre as heranças eternas se cumprirão. Quando se fala sobre a esperança cristã, se traduz por esperança na salvação e na vida eterna.

DIANTE DO NOSSO DEUS E PAI. E Paulo toma como testemunha o nosso Deus e Pai, de que esta esperança que depositamos em Cristo não é em vão. Pelo contrário, todas quantas promessas de Deus há em Cristo, tem a assinatura do nosso Pai celeste.

1 Tessalonicenses 1:2

1 Tessalonicenses 1:2 - Sempre damos graças a Deus por vós todos, fazendo menção de vós em nossas orações.
SEMPRE DAMOS. Paulo era consciente de que tivera bons resultados do seu trabalho missionário na cidade de Tessalônica. Sabia que não tinha trabalhado em vão pelo reino de Cristo e pelo progresso do evangelho naquela cidade. No momento ausente, mas, tinha em mente os belos momentos que passou de alegrias e contentamentos juntamente com aquela igreja. Razão porque estava sempre agradecendo a Deus pela existência daquela comunidade Cristã, e isso ele fazia como ato contínuo.

GRAÇAS. As ações de graças sempre foram práticas comuns entre os cristãos de todos os tempos pelas coisas boas e maravilhosas que Deus executa em prol dos seus filhos e filhas. Ações de graças é um modo de reconhecer de que foi agraciado com as bênçãos de Deus. O cristão atribui todas as coisas boas que lhe acontecem ao Deus Criador, por saber que o Senhor é o nosso verdadeiro Pai que cuida de nossas vidas. Acreditamos que o Deus eterno trabalha em prol dos que nele esperam.

A DEUS. Ao nosso próximo que nos faz um benefício agradecemos. Mas ações de graças em forma de adoração, rendemos ao único Deus verdadeiro, por reconhecermos que dele é que procedem todas as coisas maravilhosas que nos acontecem. Faz parte do nosso dia a dia cultuar ao Deus eterno, pelos seus benefícios em nosso favor. Sempre que adoramos ao Senhor por meio de nossas orações, já é de praxe redermos ações de graças pelas inumeráveis bênçãos recebidas.

POR VÓS TODOS. No caso de Paulo, neste texto, ele rende ações de graças a Deus pela vida de cada um dos que faziam parte da igreja de Cristo que estava na cidade de Tessalônica. Certamente, conhecia de vista a todos, por ser o principal fundador daquela comunidade cristã. O missionário era extremamente amoroso para com os seus filhos e filhas na fé. E em outras partes dos seus escritos declara que carregava a todos dentro do seu coração, em uma expressão sentimental de amor e afeto.

FAZENDO MENÇÃO DE VÓS. Não se sabe ao certo o número de cristão que faziam parte da igreja de Cristo naquela cidade. Mas, podemos conjecturar de que o apóstolo se demorava em oração perante o Senhor, agradecendo e intercedendo pela vida dos irmãos daquela igreja. Certamente, citando nome por nome dos que ele se lembrava, ao mesmo tempo pedindo que o Senhor os ajudassem, conforme a necessidade de cada um, até porque o apóstolo conhecia pessoalmente a todos.

EM NOSSAS ORAÇÕES. Mesmo ausente no corpo, mas cuidava do lado e das necessidades espirituais da igreja de Cristo em Tessalônica. Isto demonstra o zelo que o apóstolo cuidava em ter dos cristãos daquela cidade. As orações que os cristãos fazem ao Deus verdadeiro é um momento de comunhão com o Pai, onde agrademos pelas bênçãos recebidas, expomos nossas necessidades e intercedemos pelos outros.

1 Tessalonicenses 1:1

1 Tessalonicenses 1:1 - Paulo, e Silvano, e Timóteo, à igreja dos tessalonicenses em Deus, o Pai, e no Senhor Jesus Cristo: Graça e paz tenhais de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo.
PAULO. O nome original do Apóstolo Paulo era Saulo; no judaico Saulo, em hebreu Shaul (Saul) e no grego Saulus. O Apóstolo Paulo nasceu entre os anos 5 e 10 d.C. na cidade de Tarso da Cilícia . Por isso era e é chamado Paulo ou Saulo de Tarso. Atos 9:11 - E disse-lhe o Senhor: Levanta-te, e vai à rua chamada Direita, e pergunta em casa de Judas por um homem de Tarso chamado Saulo; pois eis que ele está orando. Ele era da tribo de Benjamim e foi criado de conformidade com as tradições judaicas.

SILVANO. É a mesma pessoa chamada de Silas. Cristão de Jerusalém que acompanhou Paulo em sua segunda viagem missionária, depois que este se separou de Barnabé, por conta da controvérsia que houve entre os dois por causa de João Marcos. Assim como Paulo, era cidadão de Jerusalém, mas também possuía cidadania romana. Ele foi um dos ajudadores de Paulo, assim como Timóteo na fundação da comunidade cristã em Tessalônica. Estava com Paulo em Corinto, quando este escreveu esta epístola, juntamente com Timóteo.

TIMÓTEO. Há quem diga que os três (Paulo, Silvano e Timóteo) estivessem juntos escrevendo está carta, em que Paulo citava o seu conteúdo e Timóteo era o seu amanuense que escrevia aquilo que Paulo falava. O nome Timóteo significa “Honrado por Deus ou aquele que honra a Deus”. Foi pastor da Igreja de Éfeso (1 Timóteo 1:3). Ele era muito amigo de Paulo. E companheiro deste em algumas de suas viagens missionárias. Recebeu instrução religiosa desde muito jovem de sua mãe e de sua avó (2 Timóteo 1:5 e 3:15). Ele procurou honrar o nome que tinha.

À IGREJA DOS TESSALONICENSES. Eis aqui o destino da epístola a que estamos comentando, a comunidade cristã que estava fundada na cidade de Tessalônica, capital da província romana da Macedônia, região que hoje faz parte da Grécia. Paulo pregou ali (Atos 17:1-9). A palavra “igreja” neste texto bíblico não é a mesma coisa que um templo religioso como se denomina nos dias de hoje. É sempre bom lembrar que até o ano de 312 de nossa era cristã, não era permitido, em toda a extensão do domínio do império romano se construir templos cristãos.

EM DEUS PAI E NO SENHOR JESUS CRISTO. Carta de Paulo aos tessalonicenses que estão em Deus Pai e no Senhor Jesus Cristo. Estar em Deus e em Cristo é fazer parte da família divina. E diz respeito a todos aqueles que em qualquer lugar receberam a Cristo como Senhor e salvador. João 1:12-13 - Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome. Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. Estar em Deus e em Cristo é viver para as coisas que são de cima.

GRAÇA E PAZ TENHAIS DE DEUS NOSSO PAI E DO SENHOR JESUS CRISTO. Graça e paz era a saudação cristã no mundo gentílico. A paz por conta da reconciliação com Deus em Cristo e a graça porque os gentios alcançaram o favor imerecido da parte de Deus, com a nova aliança. O Pai enviou o Senhor Jesus Cristo para trazer paz e graça.

terça-feira, 25 de agosto de 2015

2 Timóteo 4:22

2 Timóteo 4:22 - O Senhor Jesus Cristo seja com o teu espírito. A graça seja convosco. Amém.
O SENHOR. O Senhorio de Cristo é destacado em toda a extensão do Novo Testamento, com detalhes em uma passagem que nos mostra de como Jesus Cristo, o Filho de Deus ganhou esta proeminência sobre tudo e sobre todos, que é em Filipenses 2:9-11 - Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome. Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai. Mas, já nas profecias do Velho Testamento confirmava (Daniel 7:14)

JESUS CRISTO. O nome “Jesus” quer dizer: Salvador, conforme se traduz o texto de Mateus 1:21 - E dará à luz um filho e chamarás o seu nome Jesus; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados. Este nome também é uma transliteração do nome de Josué, que de conformidade com a tradição judaica quer dizer: Grande libertador. Já o adjetivo ou sobrenome Cristo, nos ensina sobre a missão de Jesus como redentor da humanidade e principalmente da sua igreja, que ele comprou com o seu sacrifício de amor.

SEJA COM O TEU ESPÍRITO. O apóstolo estava abençoando a Timóteo com o nome de Cristo, não somente nas coisas ministeriais, mas no homem interior, no espírito. O seu desejo é que seu amigo Timóteo fosse iluminado com esta graça ao ponto de compreender a plenitude da obra expiatória de Cristo Jesus em favor de todo o mundo. Essa graça de Cristo chegando ao espírito de Timóteo, ele iria intender que recebeu o perdão de Cristo para também poder perdoar aos seus opositores, que neste momento eram muitos, dentro e fora da comunidade cristã da cidade de Éfeso, onde ele era o líder.

A GRAÇA. Quando a saudação era dirigida a igreja composta de judeus e gentios, comumente a saudação era graça e paz. Neste caso a saudação foi dirigida a um cidadão gentio, portanto, a saudação para os gentios se usava em alguns casos apena a palavra “graça”, expressando o modo gracioso como Deus abril a porta da graça para aqueles que não tinham nenhuma aliança com o Deus de Israel. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo é citada porque Cristo veio para o que era seu e os seus não o recebeu, mas a todos quanto o receberam deu-lhes o poder de se fazerem filhos de Deus, aos que creem em seu nome, João 1:11-12.

SEJA CONVOSCO. Quando o autor diz que a graça seja com Timóteo ou com a igreja de Cristo que estava na cidade de Éfeso, ele expressa muito mais que palavras, porque esta frase tem um significado muito vasto dentro dos parâmetros do evangelho das boas novas. O desejo profundo do escritor é de que os efeitos da nova dispensação da graça de Deus seja efetivamente colocado em prática na vida de todos aqueles que eram remidos de Cristo naquela igreja. Receber a graça de Deus em Cristo Jesus é receber o perdão dos pecados pela manifestação do amor de Deus.

AMÉM. Esta palavra é muito comum no final das cartas de Paulo, como conclusão dos relatos que ele desejava repassar para os seus leitores. Esta mesma palavra também é um dos títulos de Cristo conforme o livro do (apocalipse 3:14), o que representa a autenticação e veracidade do que está sendo escrito pelo autor desta belíssima carta.

2 Timóteo 4:21

2 Timóteo 4:21 - Procura vir antes do inverno. Êubulo, e Prudente, e Lino, e Cláudia, e todos os irmãos te saúdam.
PROCURA VIR. O apóstolo tenta convencer ao seu amigo e filho na fé, Timóteo, de que ele precisava tomar a atitude de viajar até a capital do império para lhe prestar a devida assistência neste momento de sua vida, até porque era o mais delicado de todos. Verdade é que não era nada fácil para o jovem ministro do evangelho ter que deixar suas atividades ministeriais em Éfeso, a fim de atender a solicitação do seu pai na fé, até porque, outros vindos de Jerusalém estavam rondando aquela igreja para se apossarem do cargo de ministro da igreja naquela cidade, que era uma grande igreja.

ANTES DO INVERNO. O autor estava preso no cárcere do estado romano, que era úmido e frio, portanto, se aproximava o período do inverno que piorava cada vez mais esta situação quanto ao clima, até porque a cidade de Roma fica em cima de altas colinas montanhosas e o frio em determinados momentos do ano é por demais intenso. Um pouco antes, o apóstolo havia pedido a Timóteo (Quando vieres, traze a capa que deixei em Trôade 4:13), porque ele precisava deste agasalho para se proteger do frio terrível que castigava os prisioneiros no período do inverno em Roma.

ÊUBULO. Este não era um nome muito comum nos tempos do Novo Testamento, é tanto que só se encontra nesta referência bíblica, e tem o significado de: aquele que tem bons desejos. Alguns comentaristas chegam a afirmarem de que este não seria um nome próprio, mas que o autor se referia a alguém que era bem conhecido por Timóteo e por Paulo, que carregava consigo suas mais leais intenções de ajudar a Paulo, como também a obra de Deus. Alguns dos líderes cristãos estavam neste tempo sendo ameaçados de prisão e até de morte, por isso que viviam no anonimato.

E PRUDENTE. Já este nome era mais comum entre os romanos e gregos, inclusive tem a mesma pronúncia em nossa língua portuguesa. De acordo com as tradições cristãs, temos duas personagens com este nome na história da igreja primitiva, falasse no primeiro como fazendo parte dos setenta discípulos originais do Senhor Jesus, aqueles que foram enviados de aldeia em aldeia pelo senhor Jesus para pregar o evangelho. Já o segundo diz respeito a este de quem o autor se refere neste ponto de sua carta a Timóteo, ele que era cooperador de Paulo, e que lhe ajudava fazendo missões.

E LINO. Este nome tem sua origem no trabalho artesanal do linho, talvez porque ele próprio fosse um chefe de família que exercesse tal atividade ou seus pais fosse desta mesma profissão. Conforme escritos mais antigos, ele se converteu ao cristianismo por meio das atividades evangelísticas de Pedro na capital do império romano, vindo, conforme a tradição cristã, a ser um dos sucessores do apóstolo, se realmente este se tornara o líder da igreja cristã de Roma, coisa que é um tanto incerta.

E CLÁUDIA. Ainda de conformidade com as tradições cristãs mais antigas, essa era uma jovem de origem britânica, que se convertera ao cristianismo por meio das campanhas evangelísticas do apóstolo Paulo. Ela era de família nobre, que veio estudar em Roma, para melhor se adequar aos modos de etiquetas da família real.

E TODOS OS IRMÃOS TE SAÚDAM. Não se sabe ao certo se o escritor se refere a todos os irmãos da igreja de Cristo que estava em Roma, ou se ele se refere somente aos seus auxiliares que ainda lhe faziam companhia neste momento de abandono.

2 Timóteo 4:19-20

2 Timóteo 4:19-20 - Saúda a Prisca e a Áqüila, e à casa de Onesíforo. Erasto ficou em Corinto, e deixei Trófimo doente em Mileto.
SAÚDA A PRISCA. Como se aproxima o final desta segunda carta de Paulo ao seu filho na fé, o jovem ministro do evangelho e líder atual da igreja de Cristo em Éfeso, o escritor começa a sua lista de nomes com suas saudações pessoais aos seus amigos e companheiros de ministério. Ao que tudo indica Prisca era uma mulher muito influente entre a cristandade, até porque o seu nome nas referencias a ela e ao seu esposo, seu nome aparece na frente, dando a entender que ela era mais importante do que ele.

E A ÁQUILA. Ele era o esposo de Prisca, ao que tudo indica ela era uma cidadã romana, e ele era judeu, razão porque, segundo a tradição cristã, eles foram expulsos de Roma no ano de 52 D.C por um decreto do imperador romano, Claudio, que ordenou a expulsão de todos os cidadãos judeus da capital do império. Prisca e Áquila foi um casal que deu exemplo de como podem ajudar no apoio a igreja de Cristo, quando abriram as portas de sua casa para ajudar ao povo de Deus. Além do mais, eles sofreram perseguições, mas não negaram a sua fé no Salvador, Jesus Cristo.

E A CASA DE ONESÍFORO. A saudação de Paulo a “casa de Onesíforo” e não a ele, é que, conforme o pensamento dos comentaristas bíblicos, este homem já havia falecido quanto o apóstolo escreveu esta carta. Verdade é que este homem, por nome de Onesíforo deu toda a sua assistência possível ao apóstolo quando ele esteve preso em Roma, em sua primeira prisão ou quem sabe em parte também de seu segundo aprisionamento na capital do império, e Paulo agradecia a sua família por tudo.

ERASTO. Ao que tudo indica este Erasto fez algumas viagens missionárias com Paulo e algumas outras representando o apóstolo. Alguns intérpretes do Novo Testamento defendem de que de fato Erasto era um dos líderes da igreja em Éfeso, enquanto que outros afirmam de que ele ali estivesse para ajudar a Timóteo na organização da comunidade cristã daquela cidade. Mas, há outros que falam neste Erasto como sendo o tesoureiro da igreja de Cristo na cidade de Coríntio, e não da igreja em Éfeso.

FICOU EM CORINTO. Escritos antigos dão conta de construções feitas por Erasto de seu próprio bolso, o que sustenta a tese de que ele era um homem muito importante naquela, cidade além de ser alguém bem sucedido financeiramente. O certo é que a tradição cristã defende que ele era o tesoureiro da igreja de Cristo em Corinto, e que por muitas vezes esteve pessoalmente com Paulo em suas viagens missionárias, e já em outras ocasiões teve que representar o apóstolo nas igrejas, por ele estar preso.

E DEIXEI TRÓFIMO. Este personagem citada pelo escritor neste ponto de sua carta, diz respeito a mais um dos seus cooperadores nos trabalhos missionários e ministeriais que acompanhava a Paulo em suas viagens. Os judeus acusaram o apóstolo Paulo de ter introduzido um estranho no tempo de Jerusalém, ocasião que gerou um tumulto contra o apóstolo dos gentios, o levando a ser detido em Jerusalém.

DOENTE EM MILETO. Não se sabe ao certo em que ocasião Paulo tenha deixado o seu amigo de missões na cidade de Mileto, nem que tipo de enfermidade havia acometido aquele cooperador do apóstolo. Mileto ficava cerca de oitenta quilômetros de Éfeso, dentro da região da Ásia Menor, lugar de missões evangelísticas do grande apóstolo dos gentios.

2 Timóteo 4:18

2 Timóteo 4:18 - E o Senhor me livrará de toda a má obra, e guardar-me-á para o seu reino celestial; a quem seja glória para todo o sempre. Amém.
E O SENHOR. Em toda a extensão do Novo Testamento nós encontramos provas cabais e incontestáveis do Senhorio de Cristo Jesus, ele que é Rei dos reis e Senhor dos senhores. E um dos textos que nos declara mais transparentemente como Jesus se tornou Senhor de tudo e de todos é: Filipenses 2:9-11 - Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome. Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra. E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.

ME LIVRARÁ. Sendo Cristo Jesus o dominador universal, conforme Daniel 7:14 - E foi-lhe dado o domínio, e a honra, e o reino, para que todos os povos, nações e línguas o servissem; o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino tal, que não será destruído. Ele tem poder para dar livramento a todos àqueles que lhe servem fielmente, porque todo poder lhe foi dado no céu e na terra. É o que aprendemos em Mateus 28:18 - E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. É Cristo Jesus, nosso Senhor, quem guarda e protege seus seguidores.

DE TODA MÁ OBRA. Certamente o escritor se refere às perseguições que os judaizantes lhe empregavam todos os dias de sua vida, porque o apóstolo pregava por todas as partes que aquele Jesus de Nazaré, que foi rejeitado pelos judeus era o Messias prometido nas Escrituras por Deus Pai. Como também o autor escreve sobre as tribulações causadas pelas autoridades romanas, que a todo o momento estavam no seu encalce, tentando lhe pegar em falhas, conforme as leis romanas e judaicas.

E GUARDAR-ME-Á. Neste mesmo tempo em que Paulo escreve esta bela carta pastoral ao seu filho na fé Timóteo, se acirravam as perseguições contra a igreja de Cristo, principalmente contra as lideranças cristãs, com destaque contra o apóstolo Paulo, que se tornou o grande apóstolo dos gentios em todo o mundo. Muitos já haviam negado a sua fé em Cristo, por conta das pressões, porem Paulo desejava permanecer até o fim, defendendo a causa de Cristo, mesmo correndo o risco de Morte.

PARA O SEU REINO CELESTIAL. A esperança irrefutável do apóstolo é de que o Senhor Jesus lhe guarde até o final de sua jornada sem que ele tenha que negar a sua fé no poderoso nome do Filho de Deus, haja visto que, até o momento o autor já passou por muitas lutas e perseguições pelo nome de Cristo e por pregar as boas novas do evangelho da graça de Deus. O escritor está se referindo a salvação da sua alma, que é a mesma coisa de vida eterna, conforme as páginas do Novo Testamento.

A QUEM SEJA GLÓRIA. Aquilo que se pode ser dito sobre Deus Pai no evangelho das boas novas, também deve ser atribuído a Cristo Jesus, o Filho de Deus. Conforme as Escrituras do Velho Testamento e os ditames do judaísmo monoteístas tradicional, não se podia render a glória devida ao Messias de Deus, como é feito no evangelho.

PARA TODO O SEMPRE. AMÉM. No entanto, como Jesus de Nazaré, o Cristo de Deus é o único Mediador entre Deus e os homens, porque ele foi exaltado soberanamente por Deus Pai, acima de qualquer outro. A ele sejam dadas glória, louvor e ações de graças, hoje e para todo o sempre. Isso pode ser visto também em Apocalipse 5:12.

2 Timóteo 4:17

2 Timóteo 4:17 - Mas o Senhor assistiu-me e fortaleceu-me, para que por mim fosse cumprida a pregação, e todos os gentios a ouvissem; e fiquei livre da boca do leão.
MAS O SENHOR ASSISTIU-ME. Enquanto os líderes da igreja cristã de Roma negaram o apoio ao apóstolo quando de seu julgamento perante as autoridades romanas, quando o correto era que deveriam prestar toda assistência religiosa, psicológica e jurídica a Paulo, porem fizeram ao contrário. No entanto, o apóstolo dos gentios não foi desamparado pelo Senhor Jesus, ele que cuida dos seus e defende todos aqueles que confessam o seu nome, principalmente aqueles que vivem para o seu evangelho.

E FORTALECEU-ME. Temores haviam por todas as partes, as acusações que levantaram contra Paulo eram fortes, as próprias autoridades romanas que estavam incumbidas de julgarem ao apóstolo eram contra ele. Todavia, mesmo estando sozinha diante dos seus algozes opositores, o apóstolo não se deu por vencido, de antemão preparou o seu testemunho e provas para se defender dos seus acusadores. E isso ele fez com o apoio absoluto e irrestrito do Advogado poderoso, Jesus Cristo (1 João 2:1).

PARA QUE POR MIM. Neste ponto, tem certa razão em defenderem os que pensam que este seria o primeiro julgamento de Paulo perante as autoridades romanas, apesar de que ao que tudo indica, o apóstolo se encontrava no momento de seu segundo aprisionamento em Roma, quando escreveu esta sua segunda carta a Timóteo, isso diz a tradição. Se Paulo se refere ao seu primeiro aprisionamento em Roma, é certo dizer que ele ainda tinha muito que fazer em prol do evangelho de Cristo no mundo gentílico, razão porque foi solto para cumprir o resto de sua missão.

FOSSE CUMPRIDA A PREGAÇÃO. O grupo dos doze apóstolos originais concentraram suas atividades evangelísticas e ministeriais na Palestina e mais especificamente em Israel, vindo somente depois dos anos setenta, quando o imperador Tito mandou queimar Jerusalém, a se expandirem para o mundo gentílico. No caso de Paulo, ele foi chamado e comissionado por Cristo para cumprir seu ministério de pregação entre as nações gentílicas, por isso que ficou sendo chamado de apóstolo dos gentios.

E TODOS OS GENTIOS. As Escrituras separam as nações em dois grandes grupos distintos, (Isso no que concerne ao sistema religioso) os judeus e os gentios. Os judeus são todos aqueles que fizeram parte do judaísmo, por serem descendentes dos patriarcas, Abraão, Isaque e Jacó. Já os gentios eram todos os demais povos do mundo que seguiam as religiões consideradas pagãs pelos filhos de Israel.

A OUVISSEM. Como Paulo foi chamado e comissionado para ser o porta voz de Deus e levar o evangelho das boas novas ao mundo gentílico, ele cuidou em cumprir com eficácia seu ministério de pregação em todo mundo civilizado de sua época. Percebe-se que o apóstolo não foi acolhido pelo grupo do doze, e Pedro até tentou resolver esta questão, porem, a missão de Paulo era na Europa, Ásia e parte da África, a fim de que os gentios ouvissem as boas novas do evangelho de.

E FIQUEI LIVRE DA BOCA DO LEÃO. Esta frase nos faz pensar que a ocasião sobre a qual o escritor se reporta diz respeito ao seu primeiro aprisionamento na capital do império romano, ou de outras vezes que ele foi preso por defender e pregar as boas novas de Cristo, tais como em Éfeso, Cesareia, Jerusalém e etc. O certo é que o Senhor Jesus criou uma atmosfera favorável para que ele continuasse seu trabalho.