Pesquisar este blog

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

1 Tessalonicenses 3:13

1 Tessalonicenses 3:13 - Para confirmar os vossos corações, para que sejais irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso SENHOR Jesus Cristo com todos os seus santos.
PARA CONFIRMAR. As orações do apóstolo e seus amigos de ministério em favor da igreja de Cristo em Tessalônica e o seu grande desejo era de que o crescimento e o desenvolvimento da espiritualidade deles todos, viesse a confirma-los na fé em Cristo Jesus, o Salvador. Essa expressão usada pelo autor desta carta significa além de tudo, se tornar estável, se fixar em terreno sólido e se fortalecer naquilo em que se apoia. As aflições, perseguições e lutas que os Tessalonicenses vinham enfrentando por amor a Cristo, não podiam os abalar, mas os firmarem cada vez mais no evangelho de Cristo.

OS VOSSOS CORAÇÕES. Quando o escritor se refere aos corações dos seus filhos na fé, ele se refere ao homem interior, e tudo aquile que representa o homem essencial, com suas mais sinceras intensões e práticas. O apóstolo aponta em direção do intimo de cada um dos seguidores de Cristo, a fim de que eles dessem tudo de si mesmo para se firmarem nos caminhos do Senhor Jesus, reunindo todas as suas forças mais profundas. Não era tempo de recuar nem negar a fé, mais sim avançar.

PARA QUE SEJAIS IRREPREENSÍVEIS. O apelo do autor era para que os seguidores de Cristo naquele lugar pudessem fazer uma introspecção dentro de si mesmo e se acharem dignos de servirem ao Senhor. Como também, Deus olhar para eles e ver que estavam defendendo a fé em Cristo e sua missão com integridade. Além do mais, a sociedade poder ver em todos eles que eram legítimos representantes do reino dos céus. Ser irrepreensível é honrar a Deus com a vida e com o testemunho.

EM SANTIDADE. A santidade defendida pelo evangelho das boas novas nos ensina sobre uma vida separada do mundanismo, e ao mesmo tempo voltada para Deus e o seu reino. Viver em santidade é renunciar tudo aquilo que o mundo oferece de prazeres da carne, mas que não agrada ao Espírito de Deus. Buscar a santidade é procurar com todas as forças as coisas que são de cima e buscar o reino de Deus em primeiro lugar. Viver em santidade é se dedicar de corpo, alma e espírito para Deus e o seu reino.

DIANTE DE NOSSO DEUS E PAI. O Senhor nosso Deus e Pai é Onisciente, portanto, ele conhece os corações de todos os seres humanos, principalmente daqueles que dizem que o servem. O nosso Deus e Pai também é Onipresente, ele esta em todos os lugares ao mesmo tempo. Quando se diz que Deus é o nosso Pai, é porque todos que aceitam a Cristo como Senhor e Salvador, são chamados de Filhos de Deus, isso porque são guiados pelo Espírito Santo e fazem a vontade superior do Criador.

NA VINDA DE NOSSO SENHOR. Uma coisa é certa para a igreja de Cristo, (ainda que para o mundo não seja) é que o Senhor Jesus vai voltar para arrebatar os seus remidos. Mais um poucochinho de tempo, e o que há de vir virá, e não tardará. Ainda quando estava com os seus seguidores na terra, ele prometeu que voltaria para buscar a sua igreja remida.

JESUS CRISTO COM TODOS OS SEUS SANTOS. Essa expressão aponta para a vinda de Cristo com todos os seus anjos para buscar a sua igreja, ou ainda pode se referir a vinda de Cristo para os vivos na terra, já com a sua igreja. para socorrer ao Israel de Deus, durante a grande tribulação. segunda etapa da vinda de Cristo, provavelmente na metade do governo do anticristo.

1 Tessalonicenses 3:12

1 Tessalonicenses 3:12 - E o Senhor vos aumente, e faça crescer em amor uns para com os outros, e para com todos, como também o fazemos para convosco.
E O SENHOR. Esta frase tanto pode ser aplicada ao Deus Pai e Criador de todas as coisas, como também ao Senhor Jesus, porque aquilo que o Novo Testamento atribui a Deus Pai, também pode e deve ser atribuído a Cristo Jesus, o Filho de Deus. Em toda a extensão do evangelho das boas novas pode-se perceber que são muitas e diversas as referências bíblicas sobre o Senhorio de Cristo, isso porque ele é Rei dos reis e Senhor dos senhores. Todo poder lhe foi dado em cima no céu e em baixo na terra, antes mesmo de sua vinda, o Messias já era chamado de dominador universal (Daniel 7:14).

VOS AUMENTE. O período curto que o apóstolo juntamente com seus amigos de ministério ficaram em Tessalônica foi o suficiente para ganhar algumas vidas para o reino de Deus, o que na visão do escritor deveria aumentar cada vez mais este rebanho. É bem provável que com a saída do grupo de missionário as presas daquela cidade como fugitivos, não fosse boa a expectativa do apóstolo, quanto a fundar uma comunidade cristã ali. Mas agora, ele estava animado e com outra visão, mais positiva.

E FAÇA CRESCER. Esse crescimento pode ser visto em dois aspectos, primeiro em números, isso porque o próprio autor é consciente de que suas atividades naquela cidade foram poucas, por conta das perseguições, por isso que a igreja ainda era pequena. Segundo, esse crescimento pode ser em qualidade, com o desenvolvimento espiritual dos seguidores de Cristo. A volta do apóstolo podia contribuir em muito com o crescimento espiritual dos novos convertidos em Cristo, conforme a nova aliança.

EM AMOR. O amor fraternal sempre foi à essência mesmo da prática do judaísmo e passou a ser o combustível que deu vida ao cristianismo. O Senhor Jesus veio como sendo o Messias prometido de Deus para implantar uma nova dispensação em que cultiva o indispensável amor ao Deus Criador. Mas que, também leva os seus seguidores a amarem o seu próximo como a si mesmo, essa é a lei de Cristo, e que faz parte da nova aliança da graça de Deus com a humanidade mediante o evangelho.

UNS PARA COM OS OUTROS. Este é o segundo mandamento da lei de Cristo, onde a prática do amor fraternal entre todos os seguidores de Cristo é uma prova incontestável de que estamos seguindo os ensinamentos do grande Mestre e Rabi, Jesus de Nazaré. E a prática deste amor fraternal se dá pelo bem que sempre devemos fazer pelos nossos irmãos, em cuidar do bem-estar uns para com os outros.

E PARA COM TODOS. Na frase anterior percebe-se que a primeira preocupação do escritor era de que houvesse união e a prática do amor fraternal dentro da própria igreja do Senhor Jesus, assim como houve de Cristo para com os seus apóstolo e discípulos e de uns para com os outros. Neste ponto, o autor deixa transparecer de que este mesmo amor fraternal deve também ser praticado com todas as pessoas.

COMO TAMBÉM O FAZEMOS PARA CONVOSCO. Finalmente o apóstolo passa da teoria para a prática, ao testemunhar pessoalmente de que, quando esteve entre os seguidores de Cristo juntamente com seus amigos de ministério deu exemplo de como praticar no dia a dia este amor fraternal. Em todos os momentos de sua estadia entre os que faziam parte daquela igreja, Paulo amou a todos de forma sincera e forte.

1 Tessalonicenses 3:11

1 Tessalonicenses 3:11 - Ora, o mesmo nosso Deus e Pai, e nosso Senhor Jesus Cristo, encaminhe a nossa viagem para vós.
ORA, O MESMO NOSSO DEUS. Esse é o Deus a quem o autor vinha rendendo ações de graças por saber que a igreja de Cristo em Tessalônica estava firme na fé. Ele que é digno de louvor, a quem devemos glorificar e dirigir as nossas ações de graças, porque ele é digno. É o Deus que criou todas as coisas nos céus, no mar e na terra, e que governa sobre todo o universo, que é também o Deus Todo-poderoso, que domina sobre tudo e sobre todos, sempre cheio de amor e misericórdia pelas suas criaturas, exercendo sempre a sua compaixão e compreensão para nos perdoar.

E PAI. Desde os tempos mais remotos da humanidade que os praticantes do monoteísmo consideram o Deus Criador como sendo o Pai dos seres humanos, porque ele é a fonte originária que nos criou no princípio. Humanamente falando, a raça humana tem seus começos no nobre casal Adão e Eva, porque são os nossos primeiros pais biológicos, no entanto, o Criador do homem foi Deus. Já na nova dispensação, todos os cristãos verdadeiros nasceram de novo, por isso são chamados filhos de Deus.

E NOSSO SENHOR. Como o Novo Testamento é Cristocêntrico, sua mensagem central é o Cristo Salvador, eis a ração porque os seus escritores colocam a Cristo em pé de igualdade com o Deus Pai, é tanto, que o Deus Filho diz: Eu e o Pai somos um. O escritor chama Cristo de “Senhor” dele e da igreja remida, porque dentro do conteúdo das boas novas do evangelho é perceptível à natureza do Senhorio de Cristo, isso porque ele é Rei dos reis e Senhor dos senhores, até porque tem poder sobre todos.

JESUS CRISTO. Dentro das páginas do Novo Testamento este é o título mais comum do Filho de Deus, que também é conhecido por Jesus de Nazaré, o filho do carpinteiro, Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, Redentor, Salvador e etc. Jesus é o nome próprio do Filho de Deus e “Cristo” nos ensina sobre a sua missão, como sendo o Messias prometido, o enviado de Deus Pai, aquele que veio para redimir a humanidade dos seus pecados. Jesus Cristo era humano, mas também era divino.

ENCAMINHE. Na realidade o apóstolo estava planejando tudo e tomando as devidas providências a fim de retornar a cidade de Tessalônica, juntamente com seus cooperadores do evangelho, para darem continuidade aos seus trabalhos evangelísticos e edificar a igreja de Cristo com as doutrinas cristãs. Todavia, ele era consciente de que só seria possível fazer este empreendimento se o Senhor Deus e o seu Filho Jesus estivesse no comando desta tão esperada viagem missionária.

A NOSSA VIAGEM. Timóteo acabara de chegar daquela cidade trazendo boas notícias sobre a firmeza na fé dos seguidores de Cristo em Tessalônica. De imediato, cresceu grandemente o desejo no coração do apóstolo para também se fazer presente naquela cidade. De acordo com a vontade de Deus o grupo deveria chegar naquele lugar porque tinham muitos trabalhas a serem feitos ainda.

ATÉ VÓS. Até o momento, apenas o desejo reinava e crescia dentro do coração do escritor para retornar a cidade de Tessalônica. No entanto, com a chegada de Timóteo, o desejo passou a ter ação, no sentido de se tornar em realidade prática, é tanto que o apóstolo, juntamente com seus companheiros de ministério já estavam se programando para retornar aquela cidade.

1 Tessalonicenses 3:10

1 Tessalonicenses 3:10 - Orando abundantemente dia e noite, para que possamos ver o vosso rosto, e supramos o que falta à vossa fé?
ORANDO ABUNDANTEMENTE. A saída de Paulo e de seus amigos de ministério da cidade de Tessalônica não foi nada fácil, uma vez que tiveram que sair como fugitivos para não serem presos e até mortos por tentarem implantar o cristianismo naquela cidade pagã. Com a chegada das boas notícias de que naquele lugar a semente do evangelho havia frutificado e que tinha lá uma igreja de pessoas convertidas pelo poder do evangelho, então, surgiu o intenso desejo do apóstolo de retornar aquele lugar para dar continuidade à obra de Deus, cuidando do rebanho do Senhor ali.

DIA E NOITE. Como o apóstolo fazia suas missões com planejamento, já estava resolvido que ele deveria retornar aquela cidade para dar a devida assistência aos novos convertidos ao cristianismo, mesmo que corresse perigo de ser preso. Sua atitude a partir de então, foi juntamente com seus cooperadores fazerem uma campanha de oração para que o Senhor lhes encaminhassem a essa nova empreitada, e isso eles fizeram com muita oração, dia e noite, de forma intensa.

PARA QUE POSSAMOS VER. O apóstolo sabia dos perigos que ele e seus companheiros de ministério poderiam passar ao retornarem a cidade de Tessalônica para darem continuidade as suas atividades evangelísticas e ao discipulado cristão naquele lugar. Por isso que eles se aplicaram de forma intensa as campanhas de oração e súplicas, a fim de que, tudo desse certo, e eles fossem encaminhados de volta aquela cidade, de onde recentemente haviam sido expulsos por perseguições.

O VOSSO ROSTO. Dito isto, podemos conjecturar de que o autor se lembra neste momento de cada rosto de todos aqueles que faziam parte daquela comunidade cristã, e isso é certo se afirmar porque todos eles eram filhos na fé do apóstolo e dos demais que faziam parte de sua equipe missionária. Como não fazia muito tempo, porque alguns comentaristas afirmam de que só havia passados seis meses, o escritor não se esqueceu das feições de cada um dos irmãos, que eram novos convertidos.

E SUPRAMOS. Essa expressão nos ensina das necessidades urgentes de que passavam os seguidores de Cristo naquele lugar de receberem as instruções necessárias para se firmarem cada vez mais nos caminhos do evangelho de Cristo. Como também retrata bem o ardente desejo do apóstolo de poder dar continuidade a seus trabalhos de discipulado, a todos aqueles que se converteram do paganismo para o cristianismo. Era de fato, juntar a carência com o desejo para gerar crescimento espiritual da igreja.

O QUE FALTA. O escritor se reporta as carências de ensinamentos adequados de conformidade com a nova dispensação da graça ou nova aliança, a fim de que, os cristãos de Tessalônica pudessem se desenvolver e crescer espiritualmente como seguidores do reino dos céus. Somente o discipulado podia fazer isso gradativamente.

A VOSSA FÉ. A chegada do apóstolo juntamente com seus amigos de ministério supririam as necessidades espirituais da comunidade cristã naquele lugar. E Paulo estava ansioso para retornar a cidade de Tessalônica e edificar a fé da igreja de Cristo.

1 Tessalonicenses 3:9

1 Tessalonicenses 3:9 - Porque, que ação de graças poderemos dar a Deus por vós, por todo o gozo com que nos regozijamos por vossa causa diante do nosso Deus.
PORQUE, QUE AÇÕES DE GRAÇAS. Chegadas às boas notícias trazidas por Timóteo de que a igreja de Cristo estava bem na cidade de Tessalônica, o apóstolo dos gentios, se ver no privilégio de render graças a Deus pela sua grande misericórdia por ter guardado firme a todos os seus filhos na fé. Render a Deus ações de graças era um costume dos judeus que passou a ser também uma boa e sadia tradição dos cristãos. Os pagãos fazem isso, aos seus ídolos, aos falsos deuses, ou aos seus heróis, porem o servo do Senhor reconhece que todas as bênçãos vêm do Criador de todas as coisas.

PODEMOS DAR A DEUS. Quando Timóteo chegou de volta daquela cidade trazendo as boas notícias a respeito da firmeza dos santos em Cristo naquele lugar, certamente o apóstolo, juntamente com os seus demais cooperadores no evangelho fizeram um culto de ações de graças ou uma oração de agradecimento a Deus pelas vidas de todos aqueles que não negaram a sua fé em Cristo. O autor reconhece que a fonte originária do bem-estar espiritual dos seus filhos na fé era Deus.

POR VÓS. É bem provável que passasse na mente do apóstolo, como se fosse um filme em sena, os nomes e os rostos de todos aqueles que ele viu com os próprios olhos nascerem de novo, pelo poder das boas novas do evangelho por ele pregado. Neste momento, os seguidores de Cristo de Tessalônica eram os motivos pelos quais o escritor e os seus companheiros de ministério se prostravam perante Deus em ações de graças, porque mesmo em meio às perseguições, eles estavam firmes em Cristo.

POR TODO O GOZO. É notável que o escritor se recorde muito bem dos momentos de alegria que ele desfrutou quando de suas atividades evangelísticas e discipuladoras na cidade de Tessalônica, quando ali esteve semeando a palavra de Deus para aquele povo. Como também ele se refere ao contentamento que estava sentindo, depois que Timóteo chegou com as boas notícias de que todos os servos de Cristo naquele lugar estavam firmes no Senhor, andando no caminho do evangelho de Cristo.

COM QUE NOS REGOZIJAMOS. Na verdade, era motivo de festa, quando Paulo e seus companheiros de ministério pregavam as boas novas do evangelho, e alguém aceitava a Cristo como Senhor e Salvador. No entanto, também era motivo de banquete para eles, ao tomarem conhecimento do desenvolvimento espiritual de todos aqueles que faziam parte da igreja remida do Senhor na cidade de Tessalônica. É bem provável que eles achavam que os seguidores de Cristo naquele lugar não suportariam as lutas.

POR VOSSA CAUSA. E qual era o motivo de tanta alegria, gozo e contentamento do apóstolo e de seus amigos de ministério? Era efetivamente, por saberem que teria valido a pena serem perseguidos naquela cidade, ao ponto de terem que sair as presas para não serem presos e mortos. Uma vez que, agora, tinham conhecimento de que a semente do evangelho nasceu, cresceu e estava dando fruto naquele lugar.

DIANTE DO NOSSO DEUS. Esta expressão demonstra o regozijo do grupo de ministros do evangelho pelos resultados positivos de suas missões cumpridas em Tessalônica. Eles estavam rendendo ações de graças perante o Senhor por não terem trabalhado em vão. Os esforços e as aflições haviam proporcionado resultados positivos e a igreja estava firme na fé em Cristo.

1 Tessalonicenses 3:7-8

1 Tessalonicenses 3:7-8 - Por esta razão, irmãos, ficamos consolados acerca de vós, em toda a nossa aflição e necessidade, pela vossa fé. Porque agora vivemos, se estais firmes no Senhor.
POR ESTA RAZÃO, IRMÃOS. O autor escreve sobre os motivos pelos quais, agora, estava tranquilo e sossegado, depois que o seu amigo de ministério, Timóteo, havia chegado com as boas notícias do bom desempenho na fé que vinham desenvolvendo os seguidores do Senhor Jesus naquele lugar. Quando o apóstolo chama os seus filhos na fé de “irmãos” é porque o grande apóstolo dos gentios tinha o sentimento de igualdade com todos aqueles que nasciam de novo pelo poder irresistível das boas novas do evangelho de Cristo, até porque todos eram igualmente filhos de Deus.

FICAMOS CONSOLADOS. A forma com que o apóstolo e seus amigos foram expulsos da cidade de Tessalônica, e o turbilhão de perseguições que surgiram contra a igreja de Cristo naquela cidade tinha ocasionado angústias profundas e até certo ponto desespero no coração de Paulo. No entanto, depois que seu auxiliar no evangelho, Timóteo, lhe apresentou seu relatório de como os novos convertidos ao cristianismo estavam vivendo na fé, isso provocou tranquilidade e consolação em sua alma.

ACERCA DE VÓS. Verdade é que, já nesta época, várias comunidade cristãs estavam sendo formadas pelas atividades evangelísticas de Paulo e de seus companheiros de ministério, assim como a recém formada igreja cristã do Senhor Jesus em Tessalônica. Todavia, percebe-se uma preocupação específica do apóstolo pelos seguidores de Cristo naquele lugar, isso porque, ele próprio e seus amigos de ministério provaram pessoalmente das duras e hostis perseguições levantadas ali contra o cristianismo.

EM TODA A NOSSA AFLIÇÃO E NECESSIDADE. Quando o apóstolo e seus amigos chegaram a cidade de Tessalônica tinham em mente o grande projeto missionário para aquele lugar, com suas campanhas de evangelização, o que não foi possível concluir por conta das perseguições surgidas. E isso provocou no grupo profundas angústias em seus corações o que passou a os afligirem, e até certo ponto veio o sentimento de fracasso, porque eles tinham como uma necessidade cumprirem suas missões.

PELA VOSSA FÉ. Timóteo retornou a cidade de Tessalônica, tendo sido enviado por Paulo, e viu com os próprios olhos, que as atividades, apesar de breve, que eles exerceram na evangelização dos moradores daquele lugar tiveram bons resultados, e produziu assim, um relatório a respeito da firmeza na fé dos cristãos daquela comunidade. O resultado foi que os novos convertidos estavam firmes na fé.

PORQUE AGORA VIVEMOS. Os cuidados que o apóstolo tinha com a vida espiritual da comunidade cristã na cidade de Tessalônica eram como uma enfermidade de morte para a sua alma. Mas, ao saber que estavam todos bem e que andavam conforme o evangelho das boas novas, isso era motivo de vida e alegria para ele.

SE ESTAIS FIRMES NO SENHOR. O relatório trazido por Timóteo era de que nem mesmo as hostis perseguições e algumas prisões dos seguidores de Cristo naquela cidade foram motivos para afastarem os seus filhos na fé dos caminhos de Cristo.

1 Tessalonicenses 3:6

1 Tessalonicenses 3:6 - Vindo, porém, agora Timóteo de vós para nós, e trazendo-nos boas novas da vossa fé e amor, e de como sempre tendes boa lembrança de nós, desejando muito ver-nos, como nós também a vós.
VINDO, POREM, AGORA TIMÓTEO. Em textos anteriores o autor se refere ao seu grande desejo de saber de tudo que estava acontecendo com os novos convertidos ao cristianismo na cidade de Tessalônica, por isso que ele toma a decisão de enviar o seu amigo e filho na fé Timóteo para trazer um relatório dos fatos. Agora, já de volta, o jovem ministro do evangelho vem com as boas notícias de como estavam se comportando na fé os seguidores do Senhor Jesus naquela cidade, e como era grande o amor deles pelo Cristo de Deus e de uns para com os outros também.

DE VÓS PARA NÓS. Não se sabe ao certo quanto tempo o jovem ministro do evangelho Timóteo esteve entre os cristãos de Tessalônica nesta sua viagem rápida para saber da situação pela qual passavam os filhos de Deus naquela cidade. O fato é que foi o tempo suficiente para fazer um apanhado e produzir um relatório de tudo que estava acontecendo com a igreja de Cristo naquele lugar. Nada de mal aconteceu com ele, tudo transcorreu em plena paz, e agora ele já estava de volta.

E TRAZENDO-NOS BOAS NOVAS DE VOSSA FÉ. Neste ponto, o escritor começa a entrar nos detalhes do conteúdo do relatório produzido e trazido pelo seu enviado Timóteo, que foi justamente ao encontro da comunidade cristã naquela cidade para colher informações de como estavam os novos seguidores de Cristo. O resultado foi muito bom e o jovem ministro do evangelho do Senhor Jesus trouxe as boas notícias de que a igreja de Cristo estava vivendo movida pela força da fé no Salvador, Jesus.

E AMOR. Este é o amor fraternal produzido pelo Espírito de Deus entre todos aqueles que confessam a Jesus de Nazaré como único Senhor e Salvador. O Senhor Jesus quando ainda na terra foi o grande modelo da prática do amor fraternal para com o próximo, uma vez que ele só fez o bem a todos e amou aos seus até os últimos momentos em que com eles conviveu. Assim ele mesmo ensinou aos seus seguidores que a sua nova lei deve ser baseada na prática do amor fraternal entre todos.

E DE COMO SEMPRE TENDES BOAS LEMBRANÇAS DE NÓS. A igreja de Cristo que estava em Tessalônica não havia se esquecido de Paulo e de seus companheiros de ministério, nem muito menos de suas atividades evangelísticas para semear naquela cidade as boas novas do evangelho de Cristo. A amnésia não tinha lugar no pensamento dos filhos na fé do apóstolo, nem dos seus esforços para chegar com a mensagem de Cristo aquele lugar, onde nasceu a comunidade cristã dos remidos.

DESEJANDO MUITO VER-NOS. Timóteo esteve pessoalmente por alguns dias juntamente com os novos convertidos ao cristianismo naquela cidade, e pode perceber o grande desejo de todos os remidos para verem os missionários de Cristo de volta para darem continuidade aos trabalhos naquele lugar, eles queriam ver a Paulo.

COMO NÓS TAMBÉM DE VÓS. Muito maior e mais intenso era o desejo do apóstolo de retornar a cidade de Tessalônica e ver os seus filhos na fé, dar um abraço em cada um deles e reafirmar o amor fraternal que sentia por cada um deles. Era grande a saudade, ao ponto de nem mesmo o relatório trazido por Timóteo suprir tal lacuna.

domingo, 27 de setembro de 2015

1 Tessalonicenses 3:5

1 Tessalonicenses 3:5 - Portanto, não podendo eu também esperar mais, mandei-o saber da vossa fé, temendo que o tentador vos tentasse, e o nosso trabalho viesse a ser inútil.
PORTANTO, NÃO PODENDO EU. Certamente o escritor se refere aos seus próprios conflitos interiores, no tocante aos seus anseios, em querer saber da realidade do que se passava com os seguidores do Senhor Jesus em Tessalônica. É bem provável que o temor e receio do apóstolo eram de que o mesmo que havia lhe acontecido em Filipos e em Tessalônica, estivesse acontecendo com os irmãos daquela cidade, uma vez que o autor foi escorraçado daquelas cidades simplesmente pelo fato de pregar as boas novas do reino dos céus, implantando o cristianismo como nova religião.

TAMBÉM ESPERAR MAIS. No primeiro momento, o apóstolo havia deixado abaixar a poeira das perseguições contra a igreja do Senhor Jesus em Tessalônica, até porque ele não podia voltar aquele lugar, nem tão pouco enviar um dos seus amigos de ministério de volta, porque seria um grande risco. Passado o primeiro momento, e transcorrido mais ou menos seis meses, agora, não dava mais para esperar, a sua paciência já havia esgotado, porque ele precisava saber alguma coisa a respeito.

MANDEI SABER DA VOSSA FÉ. Ao que tudo indica as coisas já estavam mais calmas no tocante as investidas dos judaizantes, dos líderes das religiões pagas e do império romano contra o apóstolo e seus companheiros de ministério. De forma que, o escritor resolveu enviar Timóteo para saber do estado espiritual dos filhos de Deus naquela cidade. Verdade é que muitos em todas as partes já haviam negado a sua fé em Cristo pela pressão do império romano, mas como estava em Tessalônica?

TEMENDO QUE O TENTADOR. Os cuidados do apóstolo, que foi o fundador direto daquela comunidade cristã que estava na cidade de Tessalônica, era que o tentador procurasse vencer os cristãos por meio das ameaças, prisões e até a morte de alguns. Este tentador era justamente o diabo com os seus demônios, que estavam usando os judaizantes, os líderes das seitas heréticas do paganismo e o próprio império romano para tentar atingir a igreja de Cristo naquele lugar e deter a marcha do cristianismo.

VOS TENTASSE. Essas tentações vinham por meio das perseguições contra os seguidores do Senhor Jesus, uma vez que, apenas o fato de alguém confessar a Cristo como Senhor e Salvador era motivo de passar por vários problemas. Sem contar que muitos estavam sendo presos por pertencerem ao cristianismo e tinham seus bens confiscados pelo estado romano. No entanto, o mais grave é que tantos outros cristãos estavam sendo mortos por não negarem a sua fé em Cristo Jesus, o Salvador.

E O NOSSO TRABALHO. O escritor se refere as suas atividades e de seus companheiros de ministério na cidade de Tessalônica, em prol do reino de Deus para alcançarem aqueles que haviam se rendido ao poder do evangelho libertador do Senhor Jesus. Foram muitas e diversas as campanhas evangelísticas realizadas naquele lugar.

VIESSE A SER INÚTIL. O apóstolo se refere ao foto de os seguidores do Senhor cederem as investidas, as tentações e perseguições dos inimigos do evangelho naquele lugar e negarem a sua fé no Senhor Jesus. Assim sendo, os trabalhos de evangelização e os esforços deles, do apóstolo e seus amigos, teria sido em vão.

1 Tessalonicenses 3:4

1 Tessalonicenses 3:4 - Pois, estando ainda convosco, vos predizíamos que havíamos de ser afligidos, como sucedeu, e vós o sabeis.
POIS. Quando o apóstolo teve um encontro pessoal com o Cristo ressurrecto na estrada de Damasco, logo depois, ele se dirigiu ao deserto da Arábia e por lá passou mais de três anos, certamente se preparando para a grande missão que o Senhor Jesus estava lhe revelando que ele devia fazer a partir de então. Já na cidade de Filipos, ele e seus cooperadores começaram a enfrentar resistência aos seus ministérios, quando depois de terem iniciado um trabalho evangelísticos, tiveram de sair daquela cidade as presas para Tessalônica, a fim de não serem presos e mortos pelos inimigos do evangelho.

ESTANDO AINDA CONVOSCO. Neste momento, o apóstolo e seus amigos de ministério estavam em Atenas, de onde enviou esta carta, pelas mãos de Timóteo, porem, antes de chegarem a Atenas, eles fizeram um trabalho de evangelização na cidade de Tessalônica, onde ficaram por algum tempo, não se sabe quanto. É justamente sobre este período que o autor se refere nesta frase, ao dizer: estando ainda convosco. O escritor teve o privilégio de conviver com a igreja do Senhor naquela cidade e ganhou muitas vidas para o reino de Cristo.

VOS PREDIZÍAMOS. A bíblia nos assegura de que Deus não fará nada de importante, sem antes revelar os seus mistérios aos seus servos. Certamente, pela revelação escatológica que o Senhor vinha dando ao apóstolo, ele já havia pregado, ainda quando estava presente com os irmãos em Tessalônica, sobre os fatos que eles teriam que passar naquele lugar. Predizer neste caso, não é a mesma coisa que adivinhar, como acontece no ocultismo, mas trata da revelação de Deus sobre os fatos futuros.

QUE HAVERÍAMOS. O Espírito de Deus estava em plena operação para desvendar os acontecimentos que estavam para desenrolar na vida de Paulo, dos seus companheiros de ministério e com a igreja dos Tessalonicenses. Nada do que aconteceu, quanto as perseguições e tribulações que eles passaram naquele lugar era novidade para o escritor, isso porque de antemão o Senhor já havia o alertado, sobre o que ainda haveria de acontecer, e eles tiveram uma prova disto na cidade de Filipos.

DE SER AFLIGIDOS. Estas aflições sobre as quais o escritor se reporta, dizem respeito às perseguições dos judaizantes que se levantaram contra o grupo de missionários, incluindo Paulo, na cidade de Tessalônica, que resultou na saída as pressas daqueles homens de Deus daquele lugar para não serem presos ou mortos. Sem contar que o cristianismo passou a representar uma ameaça para as religiões pagãs locais daquela cidade, e com isso, os líderes das respectivas religiões se levantaram contra o grupo de missionários.

COMO SUCEDEU. Como o cristianismo cresceu rapidamente naquela cidade, então, despertou ciúmes nas demais religiões, incluindo o judaísmo, por isso que, as lideranças religiosas instigaram as autoridades locais do império romano para investirem contra Paulo e seus amigos de ministério, porque o intuito era barrar o desenvolvimento da igreja na cidade de Tessalônica, e demais cidades da região.

E VÓS O SABEIS. Os seguidores do Senhor Jesus, não somente sabiam da forma como o apóstolo foi expulso daquela cidade, mas eles mesmos também foram vítimas das mesmas tribulações que o grupo de missionários tiveram que enfrentar. E estas perseguições não cessaram com a saída do apóstolo, mas continuavam até o momento. Até porque a oposição era contra o cristianismo que estava em expansão.

1 Tessalonicenses 3:3

1 Tessalonicenses 3:3 - Para que ninguém se comova por estas tribulações; porque vós mesmos sabeis que para isto fomos ordenados.
PARA QUE. O autor esta se referindo ao enviou de Timóteo, que era seu filho na fé e ministro do evangelho de Cristo, além de seu cooperador na obra de Deus para consolar os corações dos seguidores do Senhor Jesus na cidade de Tessalônica. Bem como ele foi enviado para aconselhar a igreja de Cristo naquela cidade a permanecer firme dos caminhos do Senhor, mesmo que tivesse de enfrentar perseguições, prisões e até a morte por defender o evangelho das boas novas e viverem conforme o cristianismo ou nova dispensação da graça estabelecida por Cristo Jesus.

NINGUÉM. Não se sabe ao certo quantos cidadãos da cidade de Tessalônica haviam se convertido ao cristianismo pelo poder do evangelho pregado por Paulo e seus amigos de missão. O que se sabe é que as atividades do apóstolo foram intensas naquele lugar para alcançar muitas vidas com as boas novas de Cristo. A prova disto é que despertou a inveja e o ciúme dos judaizantes bem como dos líderes das demais seitas pagãs daquela cidade, ao ponto de perseguirem e expulsarem o grupo dos missionários.

SE COMOVA. A perseguição foi intensa e cruel contra o apóstolo e contra os seus amigos de ministério ao ponto de estes saírem às presas de Tessalônica para não serem presos e quem sabe até mortos pelos opositores do evangelho de Cristo. Com a saída dos missionários, essas perseguições se voltaram contra os seguidores de Cristo, que faziam parte da comunidade cristã. No entanto, a chegada de Timóteo tinha como objetivo ajudar aos irmãos a não se moverem da fé em Cristo Jesus.

POR ESTAS TRIBULAÇÕES. Nos tempos da igreja primitiva, a religião era subsidiada e promovida pelo estado, que no caso em foco, era o império romano quem dava total e irrestrito apoio as religiões submissas a Roma. Desde a morte de Cristo, como fundador do cristianismo, até as perseguições e prisões de Paulo, que o império romano estava a serviço do diabo e dos inimigos do cristianismo. E estas perseguições não poderiam afetar a fé dos seguidores de Cristo em Tessalônica.

PORQUE VÓS MESMOS. O escritor foi ousado em fazer esta afirmativa a respeito dos irmãos que faziam parte da igreja cristã em Tessalônica, e isso representa de fato o quanto ele conhecia de perto os novos convertidos à religião de Cristo. Certamente neste mesmo tempo não era muito grande o número daqueles que haviam acreditado no evangelho pregado por Paulo e seus amigos naquela cidade, ao ponto do escritor conhecer pessoalmente a todos, porque eles eram seus filhos na fé.

SABEIS QUE. Os que faziam parte da igreja de Cristo na cidade de Tessalônica sabiam de tudo que havia se passado com a vida de Paulo desde o momento de sua conversão a Cristo na estrada de Damasco, e principalmente desde que ele começou a fazer a obra missionária do evangelho libertador. O apóstolo chegou naquela cidade vindo fugido das perseguições que lhe ocorreram na cidade de Filipos.

PARA ISTO FOMOS ORDENADOS. Quando ele chegou a Tessalônica não foi diferente, e teve que evangelizar os cidadãos daquele lugar passando por muita pressão para que ele não fizesse a obra naquela cidade. No entanto, foi justamente para isso que ele foi ordenado como apóstolo dos gentios, por isso enfrentava perseguições.

1 Tessalonicenses 3:2

1 Tessalonicenses 3:2 - E enviamos Timóteo, nosso irmão, e ministro de Deus, e nosso cooperador no evangelho de Cristo, para vos confortar e vos exortar acerca da vossa fé.
E ENVIAMOS TIMÓTEO. A bem poucos meses atrás (alguns falam em seis meses) o apóstolo juntamente com Timóteo e Silas haviam sido expulsos da cidade de Tessalônica pelos judaizantes e outros opositores do cristianismo, porque naquela cidade eles procuravam pregar sobre Jesus de Nazaré, como sendo o Messias e Salvador da humanidade. Como Paulo era o alvo principal destas perseguições, ele não pode no momento retornar a cidade de Tessalônica, por isso enviou a Timóteo.

NOSSO IRMÃO. Essa forma de tratamento pode ser aplicada a toda humanidade, porque em Adão e Eva nós somos irmãos uns dos outros, por pertencermos a uma mesma matriz. No tocante aos judeus, eles se consideravam irmãos uns dos outros, por meio da genealogia dos patriarcas, Abraão, Isaque e Jacó. Já no tocante ao cristianismo, essa tradição é mais elevada quando coloca Deus no meio da discussão, ao se afirmar que todos os remidos em Cristo são filhos de Deus (João 1:11) e, portanto, irmãos uns dos outros.

E MINISTRO DE DEUS. A título de hoje, um ministro do evangelho de Cristo pode ser um Pastor ou um Evangelista, de forma que, Timóteo tanto estava preparado para ser um líder local de uma comunidade cristã, como também tinha plenas condições de ser um pregador itinerante do evangelho das boas novas. Percebe-se que a figura do Pastor, até os anos 312 d.C não tinha muito destaque, porque naquela época não se podia construir templos dedicados ao cristianismo, de forma que, os evangelistas eram mais uteis do que os obreiros locais, para expandirem o evangelho das boas novas no mundo gentílico.

E NOSSO COOPERADOR. João Batista, quando começou a exercer seu ministério, como precursor do Messias, ele formou uma equipe ministerial, a quem o Novo Testamento chama de discípulos. Com Jesus não foi diferente, ele também formou um bom grupo, que ficou sendo conhecido como o grupo dos doze apóstolos originais. E o apóstolo Paulo seguiu o mesmo exemplo, ao ser chamado como apóstolo dos gentios, ele procurou formar sua equipe ministerial, a qual ele chama de “cooperadores”.

NO EVANGELHO DE CRISTO. Essa colocação feita pelo escritor nos remete a pensar que, na realidade Timóteo era neste tempo um evangelista, encarregado de coordenar as companhas missionárias e evangelísticas realizadas pelo apóstolo Paulo. No tempo da igreja primitiva a função de evangelista tinha uma importância fundamental, pelo fato de que não existiam templos, como nos dias de hoje, nem também diversidade de denominações, o que existia eram comunidades cristãs, que se reunião de casa em casa para cultuarem ao Deus único e verdadeiro e o seu cristo.

PARA VOS CONFORTAR. De fato, a igreja de Cristo na cidade de Tessalônica estava passando por um momento difícil de perseguições, que começaram com a chegada de Paulo e seus cooperadores, até que culminou com a expulsão dos mesmos daquela cidade. Mesmo com a saída do grupo daquele região, os judaizantes e os líderes das seitas pagãs, continuaram perseguindo os cristãos para se desviarem do evangelho da verdade.

E VOS EXORTAR ACERCA DA VOSSA FÉ. Além de confortar os que estavam sofrendo por conta da nova fé, Timóteo levava consigo a responsabilidade de aconselhar os seguidores do reino dos céus a permanecerem nos caminhos do evangelho. Até porque, se render a Cristo pelo poder do evangelho deve ser um caminho sem volta.

domingo, 20 de setembro de 2015

1 Tessalonicenses 3:1

1 Tessalonicenses 3:1 - Por isso, não podendo esperar mais, achamos por bem ficar sozinhos em Atenas.
POR ISSO. Este capítulo três, do versículo primeiro ao quinto é uma continuidade do que o autor vinha expondo nos textos finais do capítulo anterior, acrescentando-se a isso a ação de enviar Timóteo a Tessalônica para dar continuidade aos trabalhos começados ali, enquanto estiveram lá, antes de serem perseguidos e terem que sair às presas para nãos erem presos, e quem sabe até mortos. Esta secção a nossa frente trazem revelações importantes sobre a localização do apóstolo e sua equipe, no momento em que esta carta foi escrita, bem como suas atividades naquele instante.

NÃO PODENDO. Porque enviar Timóteo e quais os objetivos desta missão? A bem pouco tempo, o apóstolo havia sido expulso de Tessalônica pelos judaizantes e os líderes das religiões pagãs, portanto, seria um risco muito grande ter que retornar neste momento. De forma que, era agir com prudência se resguardar de correr novos riscos retornando aquela cidade agora, até porque o escritor estava apenas começando suas importantes missões rumo ao mundo gentílico e não podia se arriscar a tanto.

ESPERAR MAIS. Percebe-se que o apóstolo estava aflito com os cuidados com a nova comunidade cristã em Tessalônica já fundada. Ele sabia que os novos seguidores de Cristo naquela cidade estavam sofrendo pressões para abandonarem a nova fé, que era o fundamento mesmo da igreja cristã naquela região. Fazia-se urgente o enviou de Timóteo neste momento, para ajudar aos regenerados em Cristo a darem procedimento à nova jornada na caminhada cristã, e se firmarem no evangelho.

ACHAMOS. O escritor fala sobre atitude, até porque o capítulo anterior ele expressa o seu grande e profundo desejo e intenções de socorrer a comunidade cristã, com uma possível, mas remota, possibilidade de retornar a Tessalônica. Desde que o apóstolo colocou seus pés no caminho para cumprir uma importante missão, de levar o evangelho onde Cristo não era conhecido, que ele passou a ser alvo dos ataques dos opositores do evangelho, por isso que ele escreve sobre o fato de ter que ficar sozinho, agora.

POR BEM. Como o apóstolo já tinha em mente o seu cronograma de realizações em propagar o evangelho em todo mundo gentílico, como Europa, Ásia e outras partes do mundo, que era o mundo antigo civilizado daquela época, tudo tinha que ser bem planeja para que nada desse errado. Até porque sua morte antes de tempo, podia trazer grandes prejuízos para esta obra. De forma que ele se deu conta que se fazia necessário, para o bem de todos e da obra, não retornar a Tessalônica, mas enviar Timóteo, que era seu filho na fé, e companheiro de ministério.

FICAR SOZINHO. Primeiro se percebe a importância que Timóteo tinha neste momento para o ministério de Paulo, ao ponto do apóstolo destacar que estava abrindo mão de um auxiliar de grande relevância em sua missão. Depois o escritor também coloca em evidência a importância que ele dava a igreja recém-formada de Tessalônica ao se dispor ficar sozinho em Antenas para enviar Timóteo com o objetivo de suprir as necessidades daquela igreja, que ele tanto amava e que se preocupava com todos.

EM ATENAS. Esta cidade fazia parte da grande Ática, que por sua vez era rica em mármore, além das minas de prata, como também tinha argila de excelência para o fabrico de artesanato. Atenas era uma cidade tida como berço da cultura grega. Essa é a antiga Atenas de Plantão, Péricles, Aristóteles e Sócrates, como berço de grandes nomes da filosofia e da política.

1 Tessalonicenses 2:19-20

1 Tessalonicenses 2:19-20 - Porque, qual é a nossa esperança, ou gozo, ou coroa de glória? Porventura não o sois vós também diante de nosso Senhor Jesus Cristo em sua vinda? Na verdade vós sois a nossa glória e gozo.
PORQUE, QUAL É A NOSSA ESPERANÇA. A nova dispensação esta recheada de grandes e preciosas promessas, que se solidificam na esperança futura de inumeráveis bênçãos, na vida de todos aqueles que depositam sua fé e confiança em Cristo. A esperança e expectação dos remidos do Senhor Jesus é justamente de que estamos aguardando a volta gloriosa do Salvador da humanidade para entrarmos nas dimensões celestiais para a vida eterna e desfrutarmos da salvação em Cristo Jesus.

OU GOZO. Apesar de ter que enfrentar as perseguições dos judaizantes, as oposições dos falsos mestres gnósticos, a pressão dos líderes das seitas heréticas do paganismo e as forças contrárias do império romano, nada disto tirava da alma do apóstolo, dos seus amigos de ministério e dos remidos de Cristo, a alegria. Até porque, se nesta vida o cristão passa por tantas dificuldades, por pertencer à luz do reino de Cristo, por outro lado, a grande esperança é de que ao herdar a salvação, só haverá alegria eterna.

OU COROA DE GLÓRIA? Essa expressão bíblica se reporta as recompensas de todos aqueles que trabalham por amor em prol do reino de Cristo na terra, principalmente para aqueles que são chamados para executarem importantes missões em prol da igreja de Cristo, pregando o evangelho, louvando o nome do Senhor dignamente e que procuram de todas as formas estabelecer plena comunhão com Cristo. O evangelho promete grandes e importantes galardões para quem renuncia o mundo, sua própria vontade, por meio da renúncia, para fazer a vontade de Cristo Jesus.

PORVENTURA NÃO O SOIS VÓS TAMBÉM. Quando a escritor diz: “vós também”, certamente ele está também pensando nos trabalhos que já realizou em outras partes do mundo, no que concerte as suas atividades em prol do reino de Cristo, e muitas outras missões que ele ainda iria realizar no mundo gentílico pelo evangelho. Mas, não podia deixar de fazer lembrar que, apesar de ainda não ter feito o que era seu deseja de fazer na cidade de Tessalônica, mas já havia feito alguma coisa em prol do povo de Deus naquele lugar.

DIANTE DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO. O apóstolo escreve sobre o momento em que ele esperava que se apresentaria diante de Cristo para mostrar os frutos do seu trabalho perante o Senhor da igreja de Tessalônica. Ao mesmo tempo, ele fala sobre o Senhorio de Cristo, coisa que é sustentada em toda a extensão do Novo Testamento. Depois ele fala sobre o nome próprio do Filho de Deus, “Jesus”, destacando em seguida o Cristo de Deus como Redentor da humanidade, por fazer a reconciliação do homem com Deus.

EM SUA VINDA? Desde os tempos primitivos da igreja remida, que a volta de Cristo para arrebatar a sua igreja é algo de suma importância para todos os remidos do Senhor. E para o apóstolo este dia representa o momento de apresentar os seguidores do reino dos céus, como coroa de glória perante o Salvador da humanidade.

NA VERDADE VÓS SOIS A NOSSA GLÓRIA E GOZO. Certamente pensando e lembrando dos rostos e das fisionomias de cada um dos servos de Cristo que faziam parte da igreja do Senhor naquela cidade é que o escritor se alegra por saber que todos eles representam os frutos do seu trabalho e de seus companheiros de ministério. A coroa de glória dos ministros do evangelho são as vidas salvas pelos seus trabalhos no reino de Cristo.

1 Tessalonicenses 2:18

1 Tessalonicenses 2:18 - Por isso bem quisemos uma e outra vez ir ter convosco, pelo menos eu, Paulo, mas Satanás no-lo impediu.
POR ISSO. As preocupações do escritor são claramente demostradas em forma de cuidados com os novos convertidos ao cristianismo, até porque era um momento delicado para a comunidade cristã em qualquer parte do mundo, onde houvesse judaizantes, religiões pagas, e a força do império romano. E isso foi evidenciado pelos fatos históricos que ficaram registrados nas tradições cristãs. Se Paulo foi expulso de Tessalônica por pregar o evangelho, imagine os novos convertidos, que passaram a ser alvos dos ataques de todos aqueles que faziam oposição ao Cristianismo.

BEM QUISEMOS. Conforme deixou bem claro no texto anterior, o apóstolo empreendeu várias diligências para poder retornar a cidade de Tessalônica e por fim poder ajudar a nova comunidade Cristã, que estava em seus começos, e que precisava muito de um líder, tal como Paulo. Como até o momento não havia sido possível a chegada ou retorno do apóstolo aquele lugar, pelo menos em seus desejos isso era uma realidade que ele procurava mentalizar mesmo que fosse na imaginação.

UMA E OUTRA VEZ. Isso nos fala das inúmeras vezes em que o apóstolo dos gentios procurou e com diligência buscou empreender viagem de volta à cidade de Tessalônica para dar continuidade as suas atividades evangelísticas e seu trabalho de discipulado dos novos convertidos ao cristianismo naquela cidade. O autor deixa transparecer aos seus leitores seu empenho em se mobilizar para pelo menos visitar aquela igreja, mesmo que fosse de forma oculta, dos opositores do evangelho ali.

IR TER CONVOSCO. A saudade era muito grande, juntando-se a isso as preocupações com aqueles que eram seus filhos na fé, e que estavam dando seus primeiros passos no caminho do reino dos céus, sem falar no desejo de ganhar mais vidas para o reino de Cristo naquela cidade. Certamente o escritor tinha em mente a feição e os rostos de todos aqueles que ele havia evangelizado e que vieram a se converter pelo poder transformador do evangelho. O seu maior desejo era ir ter com seus filhos na fé.

PELO MENOS EU, PAULO. Neste ponto, o apóstolo demonstra sua prontidão em enfrentar perseguições, prisões e até a morte se fosse necessário para dar assistência espiritual à igreja de Cristo que estava na cidade de Tessalônica. Provavelmente, existia alguém dos amigos de Paulo que não tinha a mesma disposição para retornar aquela cidade, porque sabia do quanto foi difícil ter que sair às presas para não morrer. Todavia, para o apóstolo, o morrer era para Cristo e o viver era ganho.

MAS SATANÁS. Esta personagem é conhecida também dentro das Sagradas Escrituras como o diabo ou lúcifer. De princípio ele vivia na presença de Deus e era chamado até de anjo de luz, porem se rebelou contra o criador de todas as coisas, vindo a ser precipitado dos céus para o mundo das trevas. Recebeu o nome de satanás ou diabo pelo seu ato contínuo de rebelião juntamente com os seus demônios. Satanás é o inimigo de Deus e quem influencia os homens a alienação.

NO-LO IMPEDIU. Com isso entende-se que existem forças operantes do mal contra o reino de Cristo, procurando atrapalhar a obra de Deus e buscando impedir que os agentes do bem e da luz possam executar a vontade do Pai. Satanás usa todos aqueles sobre quem ele tem influencia para fazerem oposição a igreja de Cristo Jesus.

1 Tessalonicenses 2:17

1 Tessalonicenses 2:17 - Nós, porém, irmãos, sendo privados de vós por um momento de tempo, de vista, mas não do coração, tanto mais procuramos com grande desejo ver o vosso rosto.
NÓS POREM, IRMÃS. A partir de então, até o fim desde presente capítulo, o escritor expressa seu grande desejo de retornar a cidade de Tessalônica para rever os irmãos, que ele e seus companheiros de ministério haviam conquistado para o reino de Cristo. E neste ponto, o apóstolo descreve sobre seus anseios mais íntimos juntamente com seus amigos de ter o privilégio de voltar a desfrutar da companhia dos seus filhos na fé naquela cidade. Ao mesmo tempo em que expressa seu sentimento de igualdade para com todos eles, ao classifica-los de irmãos, o que passou a ser uma tradição cristã.

SENDO PRIVADO DE VÓS. No começo de suas viagens missionárias, o apostolo tendo chegado à cidade de Filipos, e após ganhar algumas vidas para o cristianismo, não demorou muito até que os judaizantes fizessem um movimento contra ele, o que o levou a sair fugido daquela cidade, coisa que não foi diferente na cidade de Tessalônica. Logo surgiram as perseguições naquele lugar e para não ser preso e até morto pelos opositores do evangelho, o apóstolo teve que sair às pressas de lá.

POR UM MOMENTO DE TEMPO. A grande esperança do apóstolo era de que passados alguns dias ou meses, ele poderia retornar a cidade de Tessalônica para dar continuidade as suas campanhas evangelísticas em ganhar vidas para o reino dos céus. No primeiro instante, a situação era crítica por conta da ciumeira que foi gerada entre os seguidores do judaísmo, bem como das demais religiões pagãs que haviam na cidade de Tessalônica, até porque muitos estavam se convertendo ao cristianismo.

DE VISTA. O autor estava privado de vista de ver pessoalmente os seguidores de Cristo, que eram seus filhos na fé na cidade de Tessalônica, e certamente isso gerava em sua alma saudades e ao mesmo tempo preocupação com o estado espiritual deles. Há quem diga que já se passara seis meses desde que o apóstolo teve que fugir da cidade de Tessalônica. Normalmente o tempo às vezes provoca a amnésia nas pessoas, o que não foi o caso de Paulo, ele sentia muito desejo de vê-los pessoalmente outras tantas vezes.

MAS NÃO DO CORAÇÃO. O escritor não podia no momento contemplar os rostos dos seus filhos na fé, todos aqueles que faziam parte da igreja cristã de Tessalônica, mas todos eles habitavam no seu coração. O autor usa uma expressão que representa o sentimento de quem se sente órfão dos seus parentes, e isso nos ensina do quanto o apóstolo se importava com o bem espiritual dos seguidores de Cristo naquela cidade. Assim deve agir todo verdadeiro líder espiritual, no tocante aos seus filhos na fé cristã.

TANTO MAIS PROCURAMOS COM GRANDE DESEJO. Havia do fundo do coração do apóstolo um profundo desejo de estar com os irmãos novos convertidos daquela igreja, e isso efetivamente dominava seus pensamentos, ao ponto de ele com grande esforço procurar diligentemente um meio de poder retornar aquela cidade.

VER O VOSSO ROSTO. Como foi ele quem começou as atividades evangelísticas em Tessalônica, e não fazia muito tempo que havia deixado àquela cidade, o apóstolo se lembrava dos rostos e das feições de cada um daqueles que faziam parte da igreja cristã daquela cidade. E isso demonstra o quanto o apóstolo era amoroso com todos, principalmente com seus filhos na fé.

1 Tessalonicenses 2:16

1 Tessalonicenses 2:16 - E nos impedem de pregar aos gentios as palavras da salvação, a fim de encherem sempre a medida de seus pecados; mas a ira de Deus caiu sobre eles até ao fim.
E NOS IMPEDEM. Desde a entrada de Israel na terra de Canaã, que o judaísmo havia sido implantado naquela nação como única religião correta para os judeus, de forma que, os descendentes de Abraão defendiam a sua religião com unhas e dentes, ao ponto de matarem ou morrerem pela legislação mosaica. Mataram o Senhor Jesus em defesa do judaísmo e desde então estavam enfurecidos contra todos aqueles que se propusessem propagar as boas novas do evangelho, como sendo a nova dispensação da graça de Deus, o que o evangelho chama de cristianismo, fundado por Cristo.

DE PREGAR AOS GENTIOS. Os apóstolos originais de Cristo, bem como os seus discípulos convertidos do judaísmo para o cristianismo na Palestina, sofreram tremendamente nas mãos dos judeus. No entanto, para expandir o evangelho no mundo gentílico, fora da Palestina, Deus chamou e capacitou a Paulo, como sendo o apóstolo dos gentios, o que sem perca de tempo, ele passou a executar o seu grande plano de levar o evangelho nos campos transculturais, além de Israel e da Palestina.

AS PALAVRAS DA SALVAÇÃO. Essa expressão representa tudo aquilo que envolve a nova dispensação da graça de Deus com a humanidade e mais especificamente com a igreja remido do Cristo vivo. O autor foi justamente designado pelo Deus de Israel para ser o propagador das boas novas de Cristo as demais nações do mundo, chamados de os gentios. Razão porque depois de um certo período curto de preparação no deserto da Arábia e em Damasco, o apóstolo em seguida começou sua importante missão de propagar o evangelho das boas novas, na Ásia, Europa, e em outras parte do mundo.

A FIM DE ENCHEREM SEMPRE. O apóstolo neste instante tem uma visão metafórica do que seriam comparados aqueles judaizantes rebeldes que tinham prazer em desobedecerem aos planos de Deus, defendendo uma religião ultrapassada, o judaísmo. Eles eram vasos cheios de pecados e carregados de transgressões, desde que rejeitaram o seu próprio Messias, Cristo Jesus, o Salvador da humanidade. E davam continuidade a suas aberrações maléficas, ao continuarem perseguindo a igreja de Cristo.

A MEDIDA DOS SEUS PECADOS. A maior de todas as transgressões dos judeus, neste tempo da nova dispensação, foi justamente terem rejeitado o seu Messias, conforme João 1:10-11 - Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Depois de terem matado o Senhor Jesus na cruz do Calvário, agora, tentavam de todas as formas combater o cristianismo, que na visão deles anulava o tradicional judaísmo.

MAIS A IRA DE DEUS. Essa ira de Deus sobre a qual o autor se refere, diz respeito à rejeição deles por parte de Deus no novo pacto, como nação. Assim como eles rejeitaram o seu Cristo, da mesma forma, a porta da graça se fechou para eles, como nação, para se abrir para os gentios, sobre os quais, vem sendo edificada a igreja.

CAIU SOBRE ELES ATÉ O FIM. Os judeus, desde a rejeição de que eles proporcionaram ao seu Cristo, vem pagando um alto preço, por conta de sua rebelião, e isso será assim até o tempo do fim, quando da implantação do reino milenial de Cristo sobre a terra, porque a segunda etapa da vinda de Cristo será já com a igreja remida para socorrer ao Israel de Deus.