Pesquisar este blog

domingo, 28 de fevereiro de 2016

1 Pedro 3:21

1 Pedro 3:21 - Que também agora, por uma verdadeira figura, o batismo vos salva, o qual não é o despojamento da imundícia da carne, mas a indagação de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo.
QUE TAMBÉM AGORA, POR UMA VERDADEIRA FIGURA. O que aconteceu na época de Noé, e com o dilúvio que destruiu os rebeldes e desobedientes, agora, serve como uma ilustração do que pode acontecer na nova dispensação. Na realidade, as Santas Escrituras estão cheias de ensinos comparativos, ora por meio de parábolas, outra vez por meio de metáforas, vez por meio de ilustrações e outros tipos de figuras de linguagens que falam sobre verdades do reino de Deus.

O BATISMO VOS ALVA. De acordo com a nova aliança de Deus com a humanidade por meio de Cristo Jesus, o batismo, seja ele em água ou o batismo espiritual, tem uma importância fundamental na confirmação de que alguém faz parte do novo povo de Deus, que é a igreja. O batismo em água é a confirmação de que alguém se arrependeu dos seus maus caminhos e passou a ser uma nova criatura, assim como o batismo espiritual é a confirmação de que somos filhos de Deus.

O QUAL NÃO É O DESPOJAMENTO. Mas, o autor faz uma ressalva de que o batismo cristão não é a segurança de que alguém está completamente livre da natureza humana com suas falhas e desvios de conduta. Para que um discípulo de Cristo continue desfrutando da promessa de salvação, se faz necessário renunciar aos desejos desta esfera da vida terrena, além de se dedicar ao reino de Deus.

DA IMUNDÍCIA DA CARNE. Com a queda da raça humana lá no princípio da história da humanidade houve alterações significativas na estrutura espiritual do ser humano, quando a realidade nos mostra que o homem passou a ser dominado pelos seus desejos carnais. Portanto, o batismo cristão não blinda ninguém de ser tentado e atraído pelas suas próprias concupiscências a praticar as imundícias da carne, prejudicando assim o processo de santificação, importante para a salvação.

MAS A INDAGAÇÃO DE UMA BOA CONSCIÊNCIA. Para que alguém chegue a participar de maneira legítima do batismo cristão, conforme o evangelho da verdade, essa pessoa já deve ter passado pela transformação de vida, chegando a ser uma nova criatura em Cristo Jesus. Assim sendo, essa mesma pessoa tem cumprido os requisitos dispostos no evangelho da nova dispensação, por isso se sente com a consciência leve, tendo o privilégio de participante da família de Deus.

PARA COM DEUS. Quem exerceu a sua fé genuína em Cristo Jesus e na sua eficaz obra de redenção, quem se arrependeu verdadeiramente dos seus maus caminhos e passou a trilhar o caminho do evangelho, quem nasceu de novo e foi regenerado pelo poder do evangelho, sabe que é perante o Senhor Deus Criador que tem que prestar contas de suas intenções e pensamentos.

PELA RESSURREIÇÃO DE JESUS CRISTO. Saber que Cristo ressuscitou de entre os mortos, subiu ao céu, e está assentado a destra de Deus como nosso intercessor e advogado, nos traz a segurança de que tudo que envolve a vida cristã é positivo.

1 Pedro 3:19-20

1 Pedro 3:19-20 - No qual também foi, e pregou aos espíritos em prisão. Os quais noutro tempo foram rebeldes, quando a longanimidade de Deus esperava, nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca; na qual poucas, isto é, oito almas se salvaram através da água.
NO QUAL TAMBÉM FOI. No texto anterior, o autor nos faz saber que o Senhor Jesus foi vivificado no Espírito, e isso nos fala do seu próprio Espírito e não no Espírito Santo, como alguns buscam expor. Ao ser morto, e o seu corpo passar três dias na sepultura, o Espírito de Cristo não ficou preso ao seu organismo, mas sim, foi cumprir missões importantes no hades, certamente para proclamar a sua vitória universal com a redenção da humanidade, pela obra da reconciliação.

E PREGOU AOS ESPÍRITOS EM PRISÃO. Todos sabem que o Messias de Deus já era esperado como sendo um mensageiro da parte de Deus para pregar boas novas de salvação, conforme já estava previsto em Isaías 61:1-2. Não se sabe ao certo sobre o conteúdo da pregação feita pelo Mestre, Cristo Jesus nosso Senhor naquele lugar. A cultura religiosa dos judeus ensinava de que os ímpios se encontravam em uma prisão chamada hades, aguardando a ressurreição e o julgamento final.

NOS QUAIS NOUTRO TEMPO FORAM REBELDES. Desde a queda da raça humana, lá no Jardim do Éden, que o sentimento de rebelião passou a exercer domínio sobre a maioria dos seres humanos. E as histórias narradas nas Santas Escrituras confirmam de que, a síndrome do pecado afetou diretamente o comportamento dos seres humanos, quanto ao seu caráter e personalidade. Sobre o tempo a que se refere o nosso autor, logo mais a nosso frente, ele especifica essa mesma época.

QUANDO A LONGANIMIDADE DE DEUS. Essa longanimidade de Deus a que Pedro se refere diz respeito ao comportamento da parte do Criador em ter paciência com compaixão, esperando que os homens se arrependessem dos seus maus caminhos e se voltassem para o seu criador em fazer a sua vontade.

ESPERAVA NOS DIAS DE NOÉ, ENQUANTO SE PREPARAVA A ARCA. Enquanto Noé preparava a arca, conforme o Senhor lhe ordenara, Deus esperava que os homens daquela época se arrependessem de suas rebeliões e se voltassem para os seus planos. A construção da arca da salvação das águas do dilúvio era na realidade uma pregação que trazia consigo uma mensagem de juízo, e ao mesmo tempo apontava para um caminho de esperança, se houvesse arrependimento.

NA QUAL POUCAS, ISTO É, OITO ALMAS. Não se sabe ao certo quantos habitantes haviam sobre a terra, quando veio o dilúvio como destruição do primeiro mundo, mas podemos conjecturar que não eram poucos. No entanto, apenas a família de Noé é que acreditou na mensagem de Deus e entraram na arca.

SE SALVARAM ATRAVÉS DA ÁGUA. O livro do Gênesis nos fala sobre Noé, sua esposa, seus três filhos e suas três noras, estas foram ás pessoas que entraram na arca da salvação e escaparam da destruição que veio por meio do grande dilúvio. Quem não acreditou na pregação de Noé teve que enfrentar o dilúvio e a morte.

1 Pedro 3:18

1 Pedro 3:18 - Porque também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; sendo, na verdade, morto na carne, mas vivificado no espírito.
PORQUE TAMBÉM CRISTO. O testemunho do Senhor Jesus Cristo se multiplica na vida dos seus seguidores, assim foi o que aconteceu com a maioria dos seus apóstolos, dos seus discípulos e de todos aqueles que se propõem em seguir os seus passos. Como os sofrimentos e aflições que o Filho de Deus teve que passar se repete na vida dos seus servos, também os momentos de glória se revestem de muita importância, porque vivemos cheios da esperança prometida por Cristo.

MORREU UMA SÓ VEZ. O evangelho nos ensina que está determinado que o homem morra uma única vez. Com Cristo não foi diferente, nos mostrando que o verbo se fez carne, ou seja, Cristo além de ter a natureza e atributos divinos, ele também era homem, sujeitos as tentações, mas que não pecou. Em termos religiosos, não precisou repetir o sacrifício como no judaísmo e nas religiões pagãs, que os sacrifícios se repetiam e nunca cessavam, por causa dos pecados do povo.

PELOS PECADOS. A morte do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, Jesus Cristo, o Messias, foi uma morte redentora, porque o Filho de Deus estava morrendo em lugar dos pecadores, com um único sacrifício de sangue para redimir a sua igreja. A morte expiatória de Jesus Cristo resolveu o problema do pecado dos escolhidos e suas consequências também. Quem recebe a Cristo como Senhor e Salvador, têm a sua dívida quitada perante a justiça divina.

O JUSTO PELOS INJUSTOS. Quando se diz que o “Justo” morreu pelos injustos, esta se referindo a morte de Cristo pelos pecadores. Porque que Jesus foi, é, e sempre será o “justo”? Porque ele em tudo fez a vontade de Deus, além do mais, ele veio como sendo o Messias de Deus que cumpriu as exigências da legislação mosaica, e por fim, ele não pecou, não falhou e nem errou. Os injustos, sobre os quais o autor se reporta dizem respeito aos pecadores que são alcançados com a salvação.

PARA LEVAR-NOS A DEUS. Desde a queda da raça humana por meio de Adão e Eva que o homem, genericamente falando, se afastou do seu Criador de forma a viver alienado dos planos de Deus, isso porque o sentimento de desobediência passou a ter domínio sobre todos e a rebelião foi o que prevaleceu. Todavia, a obra de redenção feita pelo Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, teve a eficácia de produzir a reconciliação, estabelecendo a paz entre Deus e os homens.

SENDO, NA VERDADE, MORTO NA CARNE. A morte expiatória de Cristo foi biologicamente igual á de qualquer ser humano, até porque ele sendo em forma de homem, viveu como homem, porem sem pecado e morreu como homem, morte de cruz. Assim como ao homem está determinado morrer, assim foi com Cristo.

MAS VIVIFICADO NO ESPÍRITO. No entanto, como Cristo era a ressurreição e a vida, ele não poderia permanecer na sepultura como os demais mortais, por isso que ao terceiro dia ele ressuscitou de entre os mortos, ele foi vivificado no Espírito.

1 Pedro 3:16-17

1 Pedro 3:16-17 - Tendo uma boa consciência, para que, naquilo em que falam mal de vós, fiquem confundidos os que vituperam o vosso bom procedimento em Cristo. Porque melhor é sofrerdes fazendo o bem, se a vontade de Deus assim o quer, do que fazendo o mal.
TENDO UMA BOA CONSCIÊNCIA. Nada mais pesado em um seguidor do evangelho do que a sua própria consciência lhe acusando de alguma coisa que tenha praticado de errado, principalmente quando isto é a quebra de um ou mais dos mandamentos de Cristo. Mas, o que traz paz ao coração de um servo de Deus é quando ele tem plena certeza de que está vivendo de acordo com a vontade de Cristo, amando a Deus em primeiro lugar e ao seu próximo como a si mesmo.

PARA QUE, NAQUILO QUE FALAM MAL DE VÓS. O mundo não pode entender a vida de um servo fiel de Cristo, porque os discípulos de Cristo, não vivem mais para o mundanismo, nem para as concupiscências da carne, nem para a soberba da vida, mas sim, para Deus, realizando a vontade do Senhor. Por isso que, o homem natural, na sua ignorância e por não ter o Espírito de Deus, ele blasfema dos cristãos verdadeiros. Cristo disse que o mundo nos odeia, porque odiou a ele.

FIQUEM CONFUNDIDOS OS QUE VITUPERAM. Os incrédulos ficam confundidos pelo fato de que praticam todo tipo de injustiças contra os servos de Cristo, porem, mesmo assim, o verdadeiro discípulo de Cristo em vez de revidar a altura, ele perdoa os seus ofensores, e em vez de praticarem o mal, fazem o bem aqueles que lhe perseguem. Os ímpios não entendem que o mandamento de Cristo para os seus seguidores é de que amem até mesmo os seus inimigos.

O VOSSO BOM PROCEDIMENTO EM CRISTO. Aquele que assumiu um compromisso de fidelidade com o Senhor Jesus, busca por meio de seus procedimentos, palavras e pensamentos glorificar o bom nome de Cristo. Os incrédulos não gostam da palavra de Deus, todavia, eles descobrem a vontade de Deus por meio do bom testemunho dos servos de Deus. Quando um discípulo do Senhor Jesus pratica o amor fraternal, isso é mais forte que uma pregação.

PORQUE MELHOR É SOFRER FAZENDO O BEM. O que os opositores do cristianismo faziam contra os servos de Cristo era pura maldade sem razão de ser, porque, o que prevaleciam era as injustiças praticadas contra pessoas inocentes. Mesmo assim, o apóstolo recomendava aos seus leitores que continuassem agindo corretamente para com Deus e para com os homens também.

SE A VONTADE DE DEUS ASSIM O QUER. Nota-se que o autor tem uma percepção real do acompanhamento da parte de Deus em tudo que vinha acontecendo com a igreja do Senhor Jesus. O evangelho nos ensina que nada do que acontece na terra foge do controle do Criador, principalmente o que envolve o seu povo.

DO QUE FAZENDO O MAL. Não era permitido pelos líderes da igreja primitiva que os cristãos se voltassem contra o Estado, porque se assim fosse, as perseguições, prisões e matanças seriam muito mais intensas do que foi na realidade e de fato.

1 Pedro 3:15

1 Pedro 3:15 - Antes santificai em vossos corações a Cristo como Senhor; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a todo aquele que vos pedir a razão da esperança que há em vós.
ANTES SANTIFICAI EM VOSSOS CORAÇÕES. Esta é uma frase que nos ensina de como devemos (como seguidores do Senhor Jesus) dedicar nosso coração para Cristo, separando totalmente o nosso ser interior ao Filho de Deus, assim como ele se deu de corpo e alma por todos nós. Em muitas partes do evangelho das boas novas, quando os escritores se referem ao coração do ser humano, eles estão na realidade falando sobre o ser essencial do homem, a sua alma e o seu espírito.

A CRISTO COMO SENHOR. Antes mesmo de sua vinda, o Messias de Deus já era anunciado como aquele que viria para reinar, com um domínio eterno, que não haveria de passar. Dentro das páginas do Novo Testamento encontramos inúmeras referencias bíblicas se referindo a Cristo como Senhor dos senhores e Rei dos reis. Os parâmetros estabelecidos pela nova aliança de Deus com a humanidade apresenta Cristo reinando como Senhor sobre a vida dos seus seguidores.

E ESTAI SEMPRE PREPARADOS. Cristo reina poderosamente sobre a vida dos seus discípulos, porque ele está assentado perpetuamente sobre o trono dos seus corações, como sendo o Rei da descendência de Davi, e como tal, quem manda nos pensamentos dos cristãos verdadeiros é o Senhor Jesus. Os seguidores de Cristo (neste caso) são apresentados como servos, como soldados e embaixadores do reino do Senhor Jesus, e como tal, estes devem sempre estar preparados.

PARA RESPONDER. Na época da igreja primitiva os inimigos do cristianismo andavam a procura de ocasiões para terem do que acusar os servos de Cristo, para que pudessem condená-los perante os tribunais e as autoridades romanas. De forma que, o povo de Deus vivia sob pressão a todo o momento para que negassem o nome de Cristo. Com isso, submetiam os cristãos a todo o tipo de interrogatórios, a fim de condenarem a morte os que confessassem a Cristo.

COM MANSIDÃO E TEMOR. Neste mesmo tempo, eram muitas as questões que os judeus e os líderes das demais religiões levantavam quanto á nova religião. O conselho de Pedro era de que os representantes do reino de Deus fossem mansos nos interrogatórios que eles eram submetidos, sejam nos julgamentos religiosos ou nas conversas informais. Cautela era o comportamento devido de todos os cristãos, porque as autoridades estavam furiosas contra o cristianismo.

A TODO AQUELE QUE VOS PEDIR A RAZÃO. Principalmente os judeus buscavam questionar a vida e o ministério de “Jesus de Nazaré”, que os líderes do cristianismo e pregadores do evangelho afirmavam com segurança de que ele era o Messias prometido por Deus, conforme as profecias das Santas Escrituras.

DA ESPERANÇA QUE HÁ EM VÓS. O Messias de Deus, Jesus de Nazaré, veio e implantou uma nova dispensação também trazendo uma nova esperança de vida eterna, com uma proposta de um destino futuro melhor para os seus seguidores.

sábado, 27 de fevereiro de 2016

1 Pedro 3:13-14

1 Pedro 3:13-14 Ora, quem é o que vos fará mal, se fordes zelosos do bem? Mas também, se padecerdes por amor da justiça, bem-aventurados sois; e não temais as suas ameaças, nem vos turbeis.
ORA, QUEM É QUE VOS FARÁ MAL. É bem provável que o escritor se refira as maldades praticadas pelos judaizantes, pelos falsos mestres do gnosticismo, pelos líderes das seitas pagãs e pelas autoridades romanas, que se macunavam todos contra os seguidores do cristianismo, com o intuito de tentarem impedir o crescimento da religião de Cristo. Porem, o povo de Deus contava com a proteção de Cristo, por isso que no final de tudo, a igreja saiu vencedora em tudo.

SE FORDES ZELOSOS DO BEM? Verdade é que os inimigos do evangelho e do povo de Cristo procuravam expor seu ódio contra a igreja remida por meio das injúrias, das injustiças e das distorções da realidade. Mas, se os seguidores de Cristo buscassem dentro do possível viver de forma correta, sempre praticando o bem, buscando o máximo que possível obedecer as autoridades e suas leis, ficaria mais difícil para que os opositores e inimigos encontrassem motivos para os maltratar.

MAS, SE PADECERDES. Esta frase representa tudo de mal que os inimigos de Cristo e do seu evangelho faziam contra a igreja remida do Senhor Jesus. Desde o primeiro momento em que um cidadão se declarava seguidor do cristianismo, dentro da esfera do governo romano, ele passava a ser duramente perseguido pelas autoridades religiosas e do império. Foram muitas as perseguições, as aflições e tribulações que os cristãos tiveram que enfrentar nos começos da igreja.

POR AMOR A JUSTIÇA. Os heróis da fé, os servos de Deus, os profetas do Senhor, o próprio Messias de Deus e agora os seguidores do Cristo de Deus foram extremamente hostilizados na terra por seguirem o amor da justiça. Este amor á justiça é optar por uma nova vida ao lado de Cristo e passar a viver em torno das coisas que pertencem ao reino dos céus. Quando alguém rompe com o mundanismo e procurar fazer a vontade de Deus, isso ele faz por amor a justiça.

BEM-AVENTURADOS SOIS. Os perseguidores da igreja de Cristo se achavam acima de tudo e de todos, quando na realidade eram os mais miseráveis de todos os homens, até porque quem se levanta contra os planos de Deus se dá mal. Mas, os servos de Cristo, mesmo que nesta vida fossem considerados como os coitadinhos, mas, diante do coração do Pai eram considerados de bem-aventurados.

E NÃO TEMAIS AS SUS AMEAÇAS. Os cristãos primitivos viviam sob pressão a todo o momento, porque eram submetidos aos mais cruéis testes da fé, quando eram oprimidos e coagidos a negarem o nome de Cristo. Perseguições, tribulações e torturas eram aplicadas contra os que deixassem suas religiões pelo cristianismo.

NEM VOS TURBEIS. Cristo deixou suas palavras de conforto aos seus discípulos da seguinte forma: Não se turbe os vossos corações (João 14:1) e outra vez: Tenho vos dito isso, para que em mim tenhas paz, no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo (João 16:33). Os servos de Cristo não estavam sóis.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

1 Pedro 3:11-12

1 Pedro 3:11-12 - Aparte-se do mal, e faça o bem; busque a paz, e siga-a. Porque os olhos do Senhor estão sobre os justos, e os seus ouvidos atento à sua súplica; mas o rosto do Senhor é contra os que fazem o mal.
APARTE-SE DO MAL. Assim como o judaísmo, o cristianismo tem suas regras a serem seguidas, para que não seja algo sem alvos e objetivos. Enquanto o judaísmo usa mais o “não” para requerer suas proibições, o cristianismo usa vários termos que expressam estes mandamentos de controle de uma vida cristã conforme o evangelho da verdade. Apartar-se do mal é viver para Deus e com Deus em todos os momentos da vida, divorciando-se de tudo aquilo que representa o mal.

E FAÇA O BEM. A partir do momento que um ser humano faz sua aliança de fidelidade com Cristo de conformidade com o evangelho da libertação, essa pessoa abraça as regras deste pacto para viver uma nova vida em Cristo. Deste modo, os atos, palavras e pensamentos desta nova criatura devem ser voltados para o querer da vontade de Deus. O Senhor é o bem em essência e quem desejar agradar ao seu coração, deve se apartar do mal e optar em fazer o bem sempre.

BUSQUE A PAZ E SIGA-A. O apóstolo Pedro viveu em um tempo em que os conflitos eram permanentes contra os seguidores do cristianismo. A igreja de Cristo vinha enfrentando uma verdadeira guerra espiritual e social, em que a paz, o sossego e a tranquilidade não fazia parte do dia a dia dos filhos de Deus, porque os opositores do cristianismo buscavam de todas as maneiras maltratar os seguidores de Cristo. Mas, os cristãos não podiam revidar os ataques dos seus inimigos.

PORQUE OS OLHOS DO SENHOR. Essa expressão representa a Onipresença de Deus, e com isso o apóstolo escreve aos seus leitores que Deus estava presente quando eles tinham que enfrentar os seus perseguidores. Como também, o autor fala a respeito da Onisciência do grande Deus, Criador de todas as coisas, ele que tem conhecimento de todas as coisas que acontecem sobre o planeta terra. O que os servos de Deus vinham passando não fugia do controle do Todo-poderoso.

ESTÃO SOBRE OS JUSTOS. As Santas Escrituras nos ensinam do governo universal de Deus sobre todos e sobre tudo, e que ele está sob o comando de todas as coisas, sejam elas importantes ou insignificantes. Nem mesmo uma simples folha de uma arvore cai no chão sem a permissão do Criador. Quanto mais à vida e tudo o mais que envolvem as atividades dos seus servos, Deus acompanha passo a passo os acontecimentos que são favoráveis e desfavoráveis aos seus filhos.

E OS SEUS OUVIDOS ATENTOS À SUA SÚPLICA. Como é importante para um servo de Deus saber que ele tem o privilégio de manter contato com o seu Deus, principalmente nos momentos em que ele mais precisa. E o mais importante é saber também que o seu Deus é diferente dos ídolos e das imagens de esculturas, isso porque o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, responde as orações.

MAS O ROSTO DO SENHOR É CONTRA OS QUE FAZEM O MAL. No entanto, o Senhor aborrece aqueles que praticam a maldade e que tem prazer na iniquidade.

1 Pedro 3:10

1 Pedro 3:10 - Pois, quem quer amar a vida, e ver os dias bons, refreie a sua língua do mal, e os seus lábios não falem engano.
POIS, QUEM QUER. Ver-se que o apóstolo aponta em direção ao livre arbítrio, em que os seus leitores tem o direito de escolher o que deve fazer exercendo sua própria vontade e querer, o que constitui o plano de criação do ser humano pelo Deus Criador. O inimigo quando passa a ter posse sobre a vida de muitas pessoas, ele busca exercer domínio e controle sobre a mente destas pessoas possessas. Deus, no entanto, respeita as vontades das pessoas em sua teocracia.

AMAR A VIDA. O conceito do mundo é de que “amar a vida” é aproveitar os momentos de diversão, com festas regadas a muita bebida, envolvendo-se em atos sexuais ilícitos, como adultério, prevaricação, fornicação, homossexualismo e lesbianismo. Para o evangelho das boas novas, “amar a vida” é decidir a viver para Cristo e com Cristo, porque quem toma sua decisão ao lado do Senhor Jesus, a sua qualidade de vida passa a ser a melhor que se possa imaginar neste mundo.

E VER DIAS BONS. Pensa o homem natural que “dias bons” é desfrutar tudo que o mundo oferece, e realizar seus desejos carnais e a soberba da vida. Para os incrédulos, ter “dias bons” é ter riquezas materiais, é adquirir fama e sucesso profissional. Para quem é uma nova criatura em Cristo Jesus, “dias Bons” é desfrutar vida abundante na presença de Deus, buscando o reino de Deus em primeiro lugar, e com isso, as demais coisas são acrescentadas e nada falta.

REFREIA SUA LINGUA. O apóstolo Tiago dedica boa parte de sua epístola a este tema, lembrando aos seus leitores sobre o controle que devem exercer sobre sua forma de se expressar por meio da fala. Refrear a língua neste caso é procurar controlar a faculdade da fala o máximo que possível para não pronunciar palavras inadequadas que venham a prejudicar a quem quer que seja. O que se espera de um servo de Cristo é que ele use sua língua para glória de Deus.

DO MAL. Agora, o nosso autor mostra aos seus leitores no que não se deve usar a língua, ou seja, a voz, que representa a faculdade da fala, que é justamente para tudo aquilo que representa o mal, e com isso entende-se que o homem pode ser um instrumento do maligno por meio de suas palavras que ele fala. Mas, que aqueles que representam a Cristo usem sua voz para pregar o evangelho.

E OS SEUS LÁBIOS. Os lábios, assim como todos os membros da boca, como a própria língua e os dentes fazem parte deste instrumental na modulação e na articulação da comunicação por meio da fala ou da voz. No caso dos lábios, eles exercem um controle fundamental na separação das palavras e frases umas das outras, proporcionando intervalos, como na escrita temos os pontos e virgulas.

NÃO FALE ENGANO. Outra vez, Pedro, dá a sua dica no que não se deve usar a nossa faculdade da fala, que é efetivamente para o engano. Todos aqueles que falam mentiras perdem totalmente a confiança das pessoas, porque até mesmo quando estiverem falando a verdade não são dignas de credibilidade.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

1 Pedro 3:9

1 Pedro 3:9 - Não retribuindo mal por mal, ou injúria por injúria; antes, pelo contrário, bendizendo; porque para isso fostes chamados, para herdardes uma bênção.
NÃO RETRIBUINDO. Os ímpios não levam desafora para casa, essa é a temática dos que não servem a Cristo, até porque, na sociedade não tem lugar para homens moles, esse é o conceito do mundo. No entanto, com os servos de Cristo é diferente, porque o evangelho nos ensina a não revidar aqueles que nos afrontam, mesmo que estejamos com a razão. Se alguém se levanta contra um discípulo do Senhor Jesus, sem causa, é porque também fizeram isso com Cristo.

MAL POR MAL. Os seguidores do reino dos céus são pessoas do bem, que são guiados pelo sentimento do amor fraternal, que representam a luz radiante da glória de Cristo, e que só desejam o bem e a vitória de todos. Mas, os que são incrédulos tem ódio dos servos de Cristo, mesmo sem terem razão para tal. Nesta batalha, os filhos de Deus não devem confrontar os seus opositores a mesma altura, mas devem sim, perdoar os seus ofensores, porque não sabem o que fazem.

OU INJÚRIA POR INJÚRIA. A todo o momento, os servos de Cristo nesta terra passam por momentos de injustiças e de incompreensões, por conta da crueldade daqueles que não entendem as coisas de Deus. Os cristãos primitivos eram maltratados pelos opositores do evangelho de todas as formas, eram perseguidos, afligidos, preso e mortos de forma injuriosa. Mas, em vez de praguejarem os seus inimigos, eles os perdoavam, porque eram chamados para passarem por isso.

ANTES, PELO CONTRÁRIO. O agir dos servos de Cristo deve ser o contrário das ações malévolas dos que vivem alienados de Deus. Os discípulos do Senhor Jesus vivem conforme o padrão que Cristo deixou como testemunho. Se Cristo quisesse teria destruído os seus opositores, mas ele preferiu suportar as injúrias e as injustiças dos seus perseguidores. Assim deve proceder um servo de Deus, mesmo que tenha que passar pela moinha das injustiças humanas e do mundo.

BENDIZENDO. Nos faz lembrar do caso de Balaque e Balaão, em que o ímpio desejou comprar os serviços do profeta para amaldiçoar os filhos de Deus, e que por fim, não deu certo, isso porque, somos chamados para abençoar e não para amaldiçoar a vida das pessoas. Mesmo que alguém maltrate, faça sofrer e persiga um servo de Cristo, quem segue o evangelho das boas novas, perdoa os seus ofensores, assim como Cristo, na hora da crucificação perdoou os seus opositores.

PORQUE PARA ISSO FOSTES CHAMADOS. A chamada na vida de alguém, que opta em viver para Cristo e com Cristo, contradiz os conceitos humanos e faz com que o servo de Cristo ande na contra mão deste mundo. Disse Jesus: não me escolhestes vós a mim, mas eu vós escolhi a vós e vos nomeei. A nossa eleição vem de Deus.

PARA HERDARDES UMA BÊNÇÃO. O evangelho nos garante que somos herdeiros de Deus e coo-herdeiros com Cristo das bênçãos celestiais. E Deus tem nos abençoado desde os mais altos céus, porque buscamos agradar o seu coração.

1 Pedro 3:8

1 Pedro 3:8 - Finalmente, sede todos de um mesmo sentimento, compassivos, cheios de amor fraternal, misericordiosos, humildes.
FINALMENTE. Este “finalmente” usado pelo nosso autor sagrado não sinaliza a conclusão de sua epístola, nem muito menos o final deste capítulo de sua carta, nem também o final de uma seção de assunto, mas é um artifício literário para introduzir um novo lema, que em síntese resume um tema já abordado. E na realidade, os três versículos que temos a nossa frente são um resumo em pauta do que significa o novo pacto estabelecido por Cristo com a igreja, que é a prática do amor fraternal.

SEDE TODOS. Os comentaristas bíblicos concordam de que neste tempo da história da igreja de Cristo, em seus começos ainda, já era perceptível a presença de divergências entre as principais lideranças do cristianismo. E Pedro era um mediador entre os líderes da igreja mãe de Jerusalém, e os novos conceitos pregados e ensinados por Paulo no mundo gentílico. E como tal, o apóstolo pede que haja equilíbrio nos conceitos e ideias entre todos para que a igreja não se dividisse já em seu princípio.

DE UM MESMO SENTIMENTO. Desde os tempos primitivos e durante toda a história do cristianismo que sempre brotaram no seio da igreja as ervas daninhas das divisões, das facções e dos partidarismos, o que levou a nascerem movimentos contrários para a divisão e o esquartejamento do corpo de Cristo, que é a igreja. Porem, as lideranças da comunidade cristã, assim como Pedro, lutavam para que os verdadeiros filhos de Deus continuassem na mesma direção, buscando o reino dos céus em primeiro lugar.

COMPASSIVOS. O momento em que a igreja de Cristo estava passando era de perseguições em seus primórdios, em que os judaizantes buscavam ocasiões diversas para maltratarem os seguidores do cristianismo. Desta forma, os servos de Deus precisavam se apoiar uns nos outros para vencerem as aflições do dia a dia. Não cabia hostilidade de uns para com os outros, mas sim compaixão mútua entre todos, em demonstração de amor e misericórdia, compreensão e acolhimento.

CHEIOS DE AMOR FRATERNAL. Em vez do sentimento de raiva, ódio ou rancor de uns para com os outros, o autor apontava em uma direção benéfica, no que tange a convivência da comunidade cristã, com a prática do amor fraternal. A prática do amor fraternal entre o povo de Deus e para com todos é a essência mesmo da nova dispensação implantada pelo Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, Jesus Cristo. Amar uns aos outros é prova suficiente de que alguém é um discípulo de Cristo.

MISERICORDIOSO, HUMILDES. Atos de misericórdia de um ser humano para com o seu próximo é o que torna a lei da sobrevivência suportável, porque se não houver bondade de uma pessoa para com o seu semelhante, mesmo que raramente, este mundo se torna um caos insuportável. Quanto a ser humilde, o próprio Senhor Jesus deixou o seu exemplo para os seus seguidores. Ninguém tem como exercer a compaixão, misericórdia e o amor fraternal para com os outros se não for humilde.

1 Pedro 3:7

1 Pedro 3:7 - Igualmente vós, maridos, vivei com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais frágil, e como sendo elas herdeiras convosco da graça da vida, para que não sejam impedidas as vossas orações.
IGUALMENTE VÓS, MARIDOS. Nos textos anteriores, o autor, vinha repassando seus conselhos para as mulheres cristãs, quanto a seus comportamentos no tocante aos seus maridos, principalmente aqueles que ainda não eram convertidos ao cristianismo. Mas, agora, ele se dirige aos servos de Deus para lhes comunicar sua exortação sobre como eles deveriam tratar suas esposas. No cristianismo, os deveres conjugais é uma estrada de duas vias, onde ambos têm direitos e deveres.

VIVEI COM ELAS COM ENTENDIMENTO. O desejo do apóstolo era de que a paz e a harmonia reinassem dentro dos lares cristãos, porque assim sendo, as famílias cristãs poderiam servir de bons exemplos para a sociedade. Esse viver com as esposas com entendimento, nos ensina sobre o respeito e a consideração que o esposa deve ter com suas respectivas esposas, lhes tratando de forma digna e justa, porque na conjuntura familiar, a mulher ocupa lugar de honra e destaque.

DANDO HONRA A MULHER. Como diz um ditado popular: Onde tem um grande homem, é porque junto dele tem também uma grande mulher. No cristianismo houve um progresso muito grande quanto ao tratamento em que os homens devem dar as suas esposas, comparado ao judaísmo. No judaísmo, e também nas culturas mais antigas, as mulheres não tinham muito valor na estrutura familiar e na sociedade. O machismo perdeu força no cristianismo, como ponto de progresso.

COMO VASO MAIS FRÁGIL. Neste tempo e nos começos do cristianismo, os autores do Novo Testamento viam com preocupação o momento de transição entre o judaísmo e o cristianismo. Pedro, que antes de ter um encontro com Cristo seguia o judaísmo conservador procura tocar na sensibilidade dos seus leitores para que atentassem para o quanto as mulheres já haviam sido discriminadas até então. Mas que esta situação precisava ser mudada para melhor a partir de agora.

E COMO SENDO ELAS HERDEIRAS CONVOSCO. Atos 16:31 – Crê no Senhor Jesus, e serás salvo, tu e a tua casas. O apóstolo Paulo afirma que a mulher é santificada no esposo e vice versa. Entende-se que os esposos cristãos podem ser participantes da salvação de suas esposas, principalmente quando estes dão bons testemunhos para com suas esposas. Assim sendo, com o passar do tempo elas vão ver que os servos de Deus são diferentes dos demais e com isso se converterão.

DA GRAÇA DA VIDA. Esta “graça da vida” poder ser entendida como sendo a graça que produz vida eterna, a começar com uma vida saudável que os servos e servas de Deus já começam a desfrutar a partir do momento que se convertem a Cristo. Um casal abençoado por Deus é portador permanente da graça manifesta do Pai.

PARA QUE NÃO SEJAM IMPEDIDAS AS VOSSAS ORAÇÕES. O apóstolo dá a entender que quando a união de um casal estiver comprometida, isso impede das orações da família chegarem ao trono da graça. O bom é viverem sempre unidos.

1 Pedro 3:6

1 Pedro 3:6 - Como Sara obedecia a Abraão, chamando-lhe senhor; da qual vós sois filhas, se fazeis o bem e não temeis nenhum espanto.
COMO SARA. O apóstolo poderia usar o nome de muitas das outras heroínas da fé que estão contidos nas páginas do Velho Testamento, mas o nome de Sara soava bem como exemplo de mulher que era submissa a seu marido, porque ela era a esposa favorita do patriarca Abraão. Além do mais, ela era considerada a matriarca da nação inteira de Israel, por ser a mãe de Isaque, ele que nasceu de um milagre, cumprindo assim a promessa feita a Abraão de ser o Pai de uma grande nação.

OBEDECIA. Não se sabe ao certo a que ato de obediência específico se refere o nosso autor sagrado ou se ele se reporta em termos gerais a vida de submissão prestada por Sara ao seu marido Abraão. Mas, é certo se dizer e afirma que ela era usada como modelo de esposa pelo povo judeu para ensinar as mulheres recém-casadas de como deviam ser obedientes aos seus maridos. Mesmo vivendo em circunstâncias desfavoráveis, perante sua rival, ela, no entanto, permaneceu firme.

A ABRAÃO. Escrever sobre este patriarca é a mesma coisa que contar a história de uma nação inteira, chamada Israel, porque aquele povo tem a sua origem na promessa feita por Deus ao seu amigo Abraão, quando ele ainda era peregrino em terra estranha. Em vários momentos da história de Abraão e Sara se percebe o quanto este nobre casal se ajustavam aos planos de Deus para que o Senhor deles suscitasse uma grande nação, da qual nasceu o Cristo e filho de Deus.

CHAMANDO-LHE SENHOR. Essa forma de tratamento usada por Sara quando se dirigia ao seu marido Abraão, nos ensina sobre o seu respeito e consideração que ela disponibilizada quanto á pessoa do Patriarca. Este exemplo era tomado emprestado da vida de Sara para ensinar as mulheres judias de que elas deveriam ser submissas em tudo aos seus esposos. E esta foi uma tradição herdada pelo cristianismo, mais que veio de fato do judaísmo e da lei de Moisés.

DA QUAL VÓS SOIS FILHA. Toda a humanidade tem uma progenitora na sua genealogia, que é justamente Eva, a primeira mãe dos seres humanos, lá no princípio da história humana. Todavia, para o povo de Israel, a chamada grande mãe se chama Sara, porque para aquele povo e aquela nação, a história deles teve início como nação, com a promessa feita a Abraão e a Sara. O cristianismo tem respeito a esta heroína da fé, por tudo aquilo que a seu respeito diz a bíblia.

SE FAZEIS O BEM. O “se” é condicional e chama a responsabilidade das mulheres cristãs a serem modelo de pessoas que fazem o bem. E fazer o bem neste caso é dar um bom testemunho como servas de Deus dentro da estrutura de sua família, como esposas que são submissas a seus esposos, e uma boa mãe também.

E NÃO TEMEIS NENHUM ESPANTO. Aquelas mulheres cristãs que obedecessem aos conselhos do apóstolo, se viam diante da possibilidade de viverem tranquilas sem nenhum espanto. O bom comportamento destas servas de Deus seria usado para aplacar os sentimentos contrários dos que resistem ao evangelho.

1 Pedro 3:5

1 Pedro 3:5 - Porque assim se adornavam antigamente também as santas mulheres que esperavam em Deus, e estavam submissas a seus maridos.
PORQUE ASSIM SE ADORNAVAM. O autor não está criando uma nova doutrina cristã com regras para delinear o comportamento das esposas cristãs, como que para lhes ensinarem a ser submissas aos seus esposos, até mesmo aquelas em que os seus maridos ainda não eram convertidos, quanto mais as que tinham esposos cristãos. Mas, o apóstolo está apenas citando costumes antigos de comportamento das mulheres que serviram a Deus, conforme a tradição judaica.

ANTIGAMENTE TAMBÉM. Certamente, o escritor se refere às boas tradições que a cultura judaica sempre buscou preservar quanto ao comportamento das santas mulheres de Deus para com seus esposos, e no seio de sua família. Usos e costumes são na maioria das vezes temporários e mudam de região para região, principalmente quando é moda, como nos dias de hoje. Todavia, o tempo não muda uma boa tradição, quando esta é aprovada pela malha moral da sociedade.

AS SANTAS MULHERES. Estas santas mulheres de Deus não se refere ás supostas santas canonizadas por determinadas religiões pagãs, mas dizem respeito às mulheres que foram chamadas por Deus para cumprirem missões importantes no seu reino. Ser uma mulher santa é viver separada do mundanismo, e ao mesmo tempo se dedicar a fazer a vontade de Deus. A bíblia tem muitas referências sobre estas heroínas da fé, tais como Sara, Rebeca, Rute e outras tantas.

QUE ESPERAVAM. Essa é uma frase que classifica aquelas mulheres que depositavam sua esperança em Deus, como sendo o Deus que conhece todas as coisas e que requer um comportamento modesto de suas filhas. Elas esperavam em Deus porque tinham plena confiança de que o Senhor é justo e recompensador daquelas pessoas que procuravam fazer a sua vontade. Essa esperança representa a confiança absoluta de que Deus é galardoador e abençoador.

EM DEUS. As heroínas da fé seguiam o monoteísmo, depositando sua esperança no único Deus verdadeiro, Criador dos céus e da terra. Diferente das mulheres pagãs que seguiam o politeísmo, com suas crenças vãs nas falsas divindades dos povos, que são frutos das imaginações dos líderes religiosos que seguiam o paganismo. O pensamento do autor se posiciona em direção das mulheres que seguiam o judaísmo, que sempre foi à religião oficial de todo o Israel de Deus.

E ESTAVAM SUBMISSAS. A legislação de Moisés ensinava que as mulheres que faziam parte do judaísmo deviam ser submissas aos seus esposos como manda a lei, e aquelas que desobedecessem aos mandamentos de Moisés eram consideradas transgressoras, e com isso tinham que arcar com as consequências.

A SEUS MARIDOS. Sem falar que os costumes e tradições dos judeus consideravam as mulheres como seres inferiores aos homens, o que gerava o sentimento de machismo na sociedade. É preciso lembrar que o fato das mulheres serem submissas aos maridos, não é a mesma coisa de serem escravas dos mesmos.

1 Pedro 3:4

1 Pedro 3:4 - Mas seja o do íntimo do coração, no incorruptível traje de um espírito manso e tranquilo, que és, para que permaneçam as coisas.
MAS SEJA O DO ÍNTIMO. No texto anterior o autor vinha aconselhando ás senhoras casadas que faziam parte do corpo de Cristo, a igreja, que procedessem com simplicidade e modéstia com os usos e costumes exteriores. Agora, ele incentiva que as mesmas sejam ávidas nos dons e nas boas qualidades interiores de quem realmente serve a Cristo com fidelidade de espírito e alma. Não adianta a pessoa se enfeitar toda por fora com joias e vestes bonitas e ter o interior sujo.

DO CORAÇÃO. O apóstolo atenta para uma vida de transparência das santas mulheres que confessam o nome de Cristo, seja diante da sociedade, no seio de sua família e principalmente para com a igreja de Cristo. Quando se fala do coração está se referindo ao mais íntimo do ser humano, e isso nos indica que as esposas devem ser fieis e submissas aos seus esposos, com toda a sinceridade possível, até porque Deus vê tudo que se passa nos pensamentos e nas intenções.

NO INCORRUPTÍVEL. Entende-se que as mulheres que não servem a Deus e que se trajam com seus adornos extravagantes, assim procedem pelos desejos e as concupiscências da carne, que é algo corruptível e que logo há de passar. Mas, aquelas esposas que servem ao reino de Cristo, devem proceder pelos impulsos da alma e do espírito, que são incorruptíveis. As obras exteriores devem refletir as ações de um caráter imaculado, porque é isso que acompanha para a vida eterna.

TRAJE DE UM ESPÍRITO. Enquanto as mulheres incrédulas se preocupam com a beleza física e exterior, as santas mulheres que servem a Deus e ao seu reino precisam se preocupar na conservação de um espírito irrepreensível perante o Juiz dos vivos e dos mortos, porque é a ele que todas irão prestar contas. Em vez de vestidos suntuosos, joias raras e caras, penteados mirabolantes, as servas de Cristo devem optar por uma vida de santificação e renúncia das luxúrias carnais.

MANSO E TRANQUILO. A paz dentro de uma conjuntura familiar depende e muito do comportamento das esposas, até porque elas devem contribuir para que haja harmonia entre todos os membros de sua família. Principalmente as mulheres cristãs, elas tem o dever de se portarem com espírito de mansidão para que venha a desarmar os sentimentos de ignorância dos seus maridos não convertidos. E o espírito tranquilo de uma serva de Deus produz paz no seio de sua família.

QUE ÉS. De fato o apóstolo exorta as irmãs casadas e que seus esposos ainda não se converteram ao verdadeiro cristianismo para que estas sejam pessoas verdadeiras, agindo como servas de Cristo dentro de seus lares, assim como agem quando estão na igreja, reunidas com o povo de Deus. E é assim que deve ser.

PARA QUE PERMANEÇAM AS COISAS. O desejo de Pedro é que o procedimento adequado das servas de Cristo para com seus maridos e no seio de suas famílias possa contribuir para que os seus esposos venham a lhes apoiarem nas suas atividades da vida cristã, coso contrário, eles se levantarão contra elas mesmas.

1 Pedro 3:2-3

1 Pedro 3:2-3 - Considerando a vossa vida casta, em temor. O vosso adorno não seja o enfeite exterior, como as tranças dos cabelos, o uso de joias de ouro, ou o luxo dos vestidos.
CONSIDERANDO A VOSSA VIDA CASTA. Continua o apóstolo transmitindo seus conselhos bem práticos ás mulheres cristãs em como elas deviam proceder para glória do nome de Cristo, principalmente aquelas que seus maridos ainda não eram convertidos. As irmãs foram exortadas a que vivessem uma vida casta com simplicidade, com modéstia e submissão, que as distinguiam das demais senhoras da sociedade, que buscavam viver uma vida de vaidade e de luxúrias exageradas.

EM TEMOR. Esse temor pode ser traduzido em duas vertentes. Primeira, o temor devido a Deus que é o juiz dos vivos e dos mortos, ele que por meio de sua Onipresença esta em todos os lugares, e por meio de sua Onisciência conhece todas as coisas, inclusive os procedimentos de todas as servas dele. Depois, temor aos seus maridos em forma de respeito e consideração, porque segundo a palavra de Deus, o esposo é o cabeça do lar, e, portanto, o administrador da família.

O VOSSO ADORNO. Historicamente, os homens sempre foram mais modestos em suas maneiras de se vestirem e de se arrumarem. Porem, as mulheres sempre buscaram se destacar pela sua própria beleza, além de se enfeitarem com seus adornos e enfeites dos mais diversos. Estes adornos são: as vestes nos mais variados formatos, colares, pulseiras, brincos, calçados e vários enfeites para os cabelos, além das maquiagens. As mulheres cristãs deviam evitar essas coisas.

NÃO SEJA O VOSSO ENFEITE EXTERIOR. Estes enfeites sãos os mesmos já citados no texto anterior e que tem como finalidade tornar a mulher mais atraente. Mas, como a recomendação é direcionada as mulheres casadas, elas não precisavam mais chamar a atenção dos homens, haja vista que já tem seus maridos. Em muitos casos, estes adereços exteriores servem para esconder uma personalidade distorcida ou um caráter maquiado, coisa que não pode acontecer com uma mulher cristã.

COMO AS TRANÇAS DOS CABELOS. As mais variadas formas de penteado dos cabelos das mulheres variam de cultura para cultura, dificilmente há um padrão para todas, até porque as mulheres na sua grande maioria são impulsivas quanto à vaidade. As tranças com seus formatos diversos e os broxes dos mais variados eram muito usados nas culturas pagãs como enfeites e adornos na beleza feminina, coisas que eram evitadas pelas mulheres judias e também cristãs.

OU O USA DE JOIAS DE OURO. As mulheres mais pobres eram sempre modestas em suas maneiras de procederem com seus adornos, até mesmo pela condição econômica desfavorável. No entanto, as que tinham uma condição financeira mais confortável abusavam do uso de joias de ouro e de outros metais preciosos.

OU O LUXO DOS VESTIDOS. O evangelho das boas novas recomenda que as mulheres cristãs devem comportar-se com modéstia e simplicidade em tudo que fazem. Na maneira de se vestirem, elas devem honrar o nome de Cristo nisto.

1 Pedro 3:1

1 Pedro 3:1 - Semelhantemente vós, mulheres, sede submissas a vossos maridos; para que também, se alguns deles não obedecem à palavra, sejam ganhos sem palavra pelo procedimento de suas mulheres.
SEMELHANTEMENTE, VÓS MULHERES. No capítulo anterior o nosso escritor tinha transmitido aos seus leitores seus conselhos de como os cristãos deviam ser sujeitos as autoridades constituídas por Deus, bem como os servos também deviam se submeter aos seus senhores. Agora, ele dá início a este terceiro capítulo aconselhando as mulheres cristãs de como elas deviam proceder principalmente para com os seus maridos que ainda não haviam se convertido para o cristianismo.

SEDE SUBMISSAS. Esta submissão se traduz por atos de obediência ao chefe da família, seja ele seguidor do evangelho ou não. O cristianismo é filho do judaísmo e muitos dos conceitos e das boas tradições da nova religião foram herdadas da antiga religião dos israelitas. Mas, é bom lembrar que esta submissão não é a mesma coisa que escravidão ao ponto de fazer com que as servas de Deus façam coisas que desagradem a Deus. Porque o Senhor está à cima de qualquer homem.

A VOSSOS MARIDOS. As Santas Escrituras dispõem sobre como deve ser o comportamento de cada membro da família dentro da conjuntura familiar, de tal maneira que, se todos obedecerem aos preceitos de Deus, neste particular, tudo dará certo, e a paz é o que prevalecerá entre todos. No caso da mulher, como gestora do seu lar, ela deve ao seu marido submissão, o que vai gerar harmonia e paz dentro do lar. O marido é o chefe, que é o cabeça dentro do matrimônio.

PARA QUE TAMBÉM SE ALGUNS DELES. Essa submissão da esposa ao seu marido resultará em boas perspectivas no plano da salvação dentro das famílias e a mulher ocupa um papel fundamental na conversão dos seus esposos. Desde os primórdios da formação da igreja que a comunidade cristã é composta por famílias formadas de esposas convertidas, mas com maridos, que na maioria das vezes, não querem aceitar a Cristo Jesus como Senhor e Salvador de suas vidas.

NÃO OBEDECEM À PALAVRA. É muito difícil para as mulheres cristãs pregarem para seus esposos que não são convertidos, até porque o evangelho declara que elas são inferiores dentro da estrutura familiar aos seus maridos, e por isso, fica complicado para o que se acha inferior ganhar a confiança do seu superior. Além do mais, a sociedade sempre foi estigmatizada pelo machismo, e com isso, os homens sempre se acharam superiores às mulheres, conforme as culturas antigas.

SEJAM GANHOS SEM PALAVRAS. O autor acaba por afirma que as irmãs não precisam se preocupar com a pregação da palavra de Deus para seus esposos que ainda não obedecem à palavra de Deus. O que o apóstolo tenta demonstrar para as irmãs é de que melhor é evitar as discussões no lar, por conta da palavra de Deus.

PELO PROCEDIMENTO DE SUAS MULHERES. Um bom testemunho de vida que uma esposa cristã pode e deve dar para seu marido vale mais que muitas pregações. Quando não se pode pregar por palavras, então, se prega com a vida.

1 Pedro 2:25

1 Pedro 2:25 - Porque éreis desgarrados, como ovelhas; mas agora tendes voltado ao Pastor e Bispo das vossas almas.
PORQUE ÉREIS. Temos aqui duas situações. A primeira delas é quando o pensamento do apóstolo se volta para os povos gentios dos quais a igreja de Cristo na sua grande maioria sempre foi formada, povos que estavam fora do alcance da aliança da lei, que foi exclusivista com os israelitas. A segunda situação fala também de quando os leitores de Pedro ainda não eram discípulos de Cristo, e que, portanto, viviam na velha vida para o mundo e para a carnalidade.

DESGARRADOS. Assim vive o homem natural, que ainda não se converteu dos seus maus caminhos para uma nova vida em Cristo Jesus. Este viver desgarrado é a mesma coisa que ser levado pelo vento para qualquer lugar ou situação, sem ter alvos definidos nem lugar certo para pousar. Os incrédulos não sabem de onde vieram, não procuram compreender quem efetivamente são, nem muito menos se interessam em descobrir para onde irão no futuro ou destino eterno.

COMO OVELHAS. Em sua metáfora comparativa, o escritor via os seus leitores antes de se converterem ao cristianismo, como ovelhas desgarradas e perdidas. E esta é a situação daqueles que não buscam as coisas do reino de Deus, eles são definidos pelo evangelho como seres alienados que não tem noção da real situação de perdição em que se encontram. Uma ovelha desgarrada ou que se desviou do rebanho esta desprotegia e passa a viver sujeita aos perigos e males.

MAS AGORA. Este “agora” a que se reporta o nosso escritor diz respeito ao novo tempo ou dispensação da graça de Deus por meio de Cristo Jesus ou o escritor também pode estar se referindo ao tempo da vida dos seus leitores depois da transformação em novas criaturas em Cristo Jesus. Seja como for, o autor nos escreve sobre uma nova situação para aqueles que buscavam viver uma nova experiência com o evangelho de Cristo, tendo nascido de novo para Deus.

TENDES VOLTADO. Certamente, o autor se reporta ao foto dos seus leitores terem aceitado a Cristo Jesus como Senhor e Salvador de suas vidas, quando deixaram o judaísmo ou as religiões pagãs pelo cristianismo verdadeiro. Se voltar para Cristo é uma viagem de retorno porque o evangelho diz que todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus, e quando um pecador se arrepende dos seus maus caminhos e aceita a Cristo, está voltando para os braços de Deus.

AO PASTOR. Jesus mesmo declarou em João 10:11 - Eu sou o bom pastor; o bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas. Nas profecias correspondentes ao Messias, Deus já prometera de que o seu Cristo viria como Pastor que cuidaria do seu rebanho (Isaías 53:6). E quando esteve exercendo seu ministério na terra isso foi uma realidade na vida do Grande Pastor das ovelhas, Jesus Cristo, o Salvador.

E BISPO DAS VOSSAS ALMAS. Dentro deste texto, a palavra “bispo” provavelmente se refere a “guardiã” e se encaixa muito bem no papel exercido por Cristo quanto a sua igreja, porque é ele quem protege sua igreja dos ataques do império do mal.

1 Pedro 2:24

1 Pedro 2:24 - Levando ele mesmo os nossos pecados em seu corpo sobre o madeiro, para que mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados.
LEVANDO ELE MESMO OS NOSSOS PECADOS. Neste ponto, o escritor nos fala sobre o que a respeito do Messias já estava escrito. Isaías 53:5 - Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e esmagado por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. A velha dispensação ou na dispensação da lei, o que prevalecia era o bem elaborado sistema de sacrifício de animais como propiciação e expiação.

EM SEU CORPO. Na nova dispensação da graça de Deus ou para implantar esta nova dispensação, Deus estabeleceu que o próprio Messias, que veio como sendo o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, ele mesmo seria sacrificado em preço de redenção, substituindo assim o velho modo da propiciação e expiação pelo pecado do povo. Na expiação, conforme a lei, um cordeiro sem defeito era enviado ao deserto para morrer em lugar do povo. Cristo foi este Cordeiro.

SOBRE O MADEIRO. A crucificação do Senhor Jesus foi o ápice do seu sacrifício em prol dos pecados do seu povo, que é a sua igreja remida. O Cristo de Deus, além de levar sobre as suas costas a sua cruz (que era nossa), ele foi nela crucificado em nosso lugar, por isso que a bíblia afirma: O castigo que nos traz a paz, estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. O ato da crucificação do Cordeiro de Deus foi também a obra de redenção dos pecados dos que fazem parte da igreja.

PARA QUE MORTOS PARA O PECADO. Todos aqueles que estão em Cristo Jesus e que foram alcançados pelos benefícios incalculáveis da redenção feita pelo Messias de Deus estão mortos para o mundo e, portanto, para o pecado também, por isso que o evangelho afirma: Se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima. O pecado e as concupiscências da carne já não têm domínio sobre os que já nasceram de novo e que são novas criaturas em Cristo.

PUDÉSSEMOS VIVER PARA A JUSTIÇA. Libertos da escravidão do pecado, e agora, sendo guiados pelo Espírito de Deus, os remidos do Senhor Jesus vivem não mais para o mundanismo, nem para os desejos da carne, mas sim para a justiça de Deus. Este viver “para a justiça” é ter uma vida de santidade onde o que prevalece é a vontade soberana do Deus bendito. Esta justiça sobre a qual o autor se refere não é a justiça própria, mas sim, a justiça que provem de Cristo, que nos justifica.

E PELAS SUAS FERIDAS. O apóstolo novamente volta seus pensamentos para Isaías 53:4 - Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e carregou com as nossas dores; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Certamente o autor fala das muitas dores que Cristo teve que suportar.

FOSTES SARADOS. Por fim, o escritor nos ensina sobre os efeitos milagrosos que a morte do Cordeiro de Deus tem na vida dos seus discípulos. Cristo Jesus, não somente teve poder para curar quando esteve aqui, ele continua curando ainda.

1 Pedro 2:23

1 Pedro 2:23 - O qual, quando o injuriavam, não injuriava, e quando padecia não ameaçava, mas entregava-se àquele que julga justamente.
O QUAL. O autor se refere a Cristo Jesus, o Filho de Deus que também era o Messias prometido conforme as Escrituras, o Emanuel de Deus, ou seja, Deus entre os homens, Jesus de Nazaré, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Cristo padeceu por nós, a fim de nos deixar o exemplo, com o objetivo de que sigamos as suas pisadas, e isso quer dizer que, as mesmas coisas que o bom Pastor passou por nós, podemos também ter que suportar, porque o seu exemplo se repete em nossa vida.

QUANDO O INJURIAVAM. O Senhor Jesus Cristo desde os seus primeiros anos de vida teve que conviver com a lei da sobrevivência, uma vez que, já nos seus primeiros dois anos de vida foi perseguido pela maior autoridade do seu país, e com isso teve que sair de Israel como fugitivo para escapar da morte. O Cristo de Deus não teve uma vida nada fácil, sua vida e ministério foram sempre marcados por duras perseguições e teve que enfrentar a oposição de muitos que se achavam grande entre os homens.

NÃO INJURIAVA. O Messias de Deus nos deixou o exemplo de como conviver com as adversidades, porque mesmo tendo o poder de destruir os seus opositores, mas em atitude de humildade nunca revidou aqueles que se levantaram contra ele. Muitos foram aqueles que falaram mal do Filho de Deus como sendo um mal feitor, mentiram contra ele, o caluniaram, difamaram com sua reputação, o prenderam injustamente, o condenaram sem razão, e o mataram de forma cruel lá na cruz, mas ele não revidou.

E QUANDO PADECIA. Lançavam sobre o meigo nazareno os mais injustos impropérios, muitas vezes teve que sair ás presas para não ser morto por apedrejamento, a língua dos seus opositores estava sempre afiada para falarem mal daquele que só fez o bem a todos (Atos 10:38). A história do Cristo de Deus foi pontilhada por muitos momentos de perigos e desafios, isso porque ele teve que pagar um alto preço de sangue para cumprir a missão sem par de Redentor da humanidade.

NÃO AMEAÇAVA. Nos faz lembrar daquela passagem em que foram prender a Cristo e os apóstolos queriam defende-lo, porem, o Senhor Jesus repreendeu a Pedro e disse: Se eu quisesse pediria ao Pai, e ele enviaria os seus exércitos para defender-me. Se Jesus desejasse venceria a todos os seus opositores por meio do seu poder, faria descer fogo do céu e consumiria os seus inimigos, no entanto, ele decidiu por não reagir, não fazia ameaças àqueles que lhe perseguiam, escolheu ser manso.

MAS ENTREGAVA-SE AQUELE. O Cristo de Deus resolveu confiar no Pai e entregar a ele os seus opositores, esperando que o Senhor o guardasse dos seus algozes perseguidores, e aprendemos com o ministério do Senhor Jesus, que a melhor coisa a fazer é depender inteiramente do Deus que é justo e reto em tudo que faz. Cristo tinha consciência que Deus estava no controle de todas as coisas no seu viver e que só aconteceria aquilo que o Senhor permitisse, e foi justamente o que aconteceu.

QUE JULGA JUSTAMENTE. As Santas Escrituras nos asseguram de que Deus é o Juiz dos vivos e dos mortos. Tudo que os homens praticam durante sua vida na terra hão de darem conta perante o justo Juiz. A justiça divina é imparcial e absolutamente transparente, tudo aquilo que o homem plantar, é justamente o que haverá de colher. Como Deus é Onisciente e conhece todas as coisas, não tem como julgar injustamente.

domingo, 21 de fevereiro de 2016

1 Pedro 2:21-22

1 Pedro 2:21-22 - Porque para isto sois chamados; pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas pisadas. O qual não cometeu pecado, nem na sua boca se achou engano.
PORQUE PARA ISTO SOIS CHAMADOS. Os seguidores do Senhor Jesus não estão aqui na terra por um acaso, pois todos eles cumprem missões significantes a serviço do reino de Deus. Nem as coisas que lhes acontecem são por um acaso também, pelo contrário, tudo está sendo monitorado pelos céus. Existe a chamada específica na vida dos remidos de Cristo, o que também o evangelho chama de escolha por parte de Cristo e em outras partes significa a nossa eleição e por fim a predestinação.

POIS TAMBÉM CRISTO. Na realidade, os leitores de Pedro estavam atravessando momentos difíceis por confessarem o nome de Cristo, como único Senhor e Salvador. Naquele tempo eram muitas as perseguições e a maioria deles estavam sendo afligidos por pertencerem ao reino dos céus. Todavia, eles podiam olhar para o exemplo do Cristo de Deus para suportarem os sofrimentos, porque o Senhor Jesus nos deixou o exemplo, como que avisando que, tudo poderia acontecer com a igreja.

PADECEU POR NÓS. As Santas Escrituras confirmam esta declaração em Isaías 53:4-5 - Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Ele era o Cordeiro de Deus que se manifestou para remir a sua igreja.

DEIXANDO-NOS O EXEMPLO. A história de sofrimentos na vida do Cristo de Deus é uma cena que se repete na vida de muitos dos seus seguidores. Aquilo que os opositores do reino dos céus fizeram com o Filho de Deus, torna a se repetir com o testemunho daqueles que andam nas suas pisadas, ou seja, daqueles que são os seus discípulos ou seguidores. Quando lemos nos evangelhos os relatos das perseguições que o Redentor da humanidade teve que passar, isso nos dá força para prosseguirmos.

PARA QUE SIGAIS AS SUAS PISADAS. Quando um pecador se arrepende dos seus pecados e entrega sua vida e seu destino aos cuidados de Cristo Jesus, como seu Senhor e Salvador, essa pessoa passa a ser uma nova criatura e pode ser chamada de discípulo de Cristo. E ser discípulo é seguir os ensinos do seu Mestre, Jesus de Nazaré, que também é chamado de Rabi, porque foi o maior e melhor pregador de todos os tempos. O autor afirma que, o que Jesus passou, nós também podemos passar.

O QUAL NÃO COMETEU PECADO. O Senhor Jesus foi o único ser humano que viveu no planeta terra e que não cometeu pecado, uma vez que, a sua vida foi absolutamente pautada na vontade de Deus e tudo que ele fazia, dizia e praticava era dentro dos parâmetros da santidade. Jesus não pecou, e nem falou em absolutamente nada.

NEM NA SUA BOCA SE ACHOU ENGANO. O ser humano natural para se dá bem nos seus negócios e alcançar seus objetivos, na maioria das vezes usa da mentira e do engano para com o seu próximo. Jesus foi diferente, porque em tudo que ele falou e pregou se baseava na verdade e os seus ensinos se fundamentalizavam na transparência.

1 Pedro 2:20

1 Pedro 2:20 - Pois, que glória é essa, se, quando cometeis pecado e sois por isso esbofeteados, sofreis com paciência? Mas se, quando fazeis o bem e sois afligidos, o sofreis com paciência, isso é agradável a Deus.
POIS, QUE GLÓRIA É ESSA. Continua o autor escrevendo sobre a situação dos escravos em relação aos seus senhores e como deviam os servos cristãos se comportarem com os seus senhores, porque disto dependia em muito o tratamento recebido. O apóstolo não aprovava a rebeldia dos servos contra seus senhores, porque segundo podemos entender, se os servos se comportassem mal com os seus deveres, deviam ser repreendidos. Se agindo certo eram maltratados, imagina rebelando-se.

SE QUANDO COMETEIS PECADO. Certamente, o apóstolo se refere a lei da colheita, conforme a semeadura, principalmente no tocante ao erro com suas consequências. O evangelho da verdade aconselha aos servos de Deus que não se deve viver na prática deliberada do pecado, porque o resultado disto é a morte espiritual. Da mesma forma é quando alguém não obedece as determinações dos seus superiores terrenos. Os servos deviam se sujeitar aos seus senhores, porque isso era bom para eles próprios.

E SOIS POR ISSO ESBOFETEADOS. Nesta mesma epístola, o autor aconselha aos seus leitores que estejam sujeitos a todas as autoridades, porque não há autoridade que não venha de Deus, e as autoridades são constituídas por Deus. Um pouco antes, o escritor também recomenda que os servos devem obedecer aos seus senhores. Se estas recomendações não forem postas em prática, o resultado era que os inferiores fossem castigados pelos seus superiores, sejam as autoridades ou os senhores deles.

SOFREIS COM PACIÊNCIA? Quando um cidadão comete um crime, conforme as leis do seu país, e é condenado pela justiça, ele tem a obrigação de quitar a sua dívida com a justiça dos homens. Se um escravo também cometia atos de rebeldia para com o seu senhor, ele era castigado pelo seu erro, e já sabia que as coisas funcionavam assim mesmo. Da mesma forma é quando um servo de Cristo entra pelo caminho da desobediência as doutrinas cristãs, ele sabe que disto resultam as consequências.

MAS SE, QUANDO FAZEIS O BEM. Neste caso, fazer o bem, conforme o contexto é o cidadão obedecer ás leis criadas e constituídas pelas autoridades. Bem como os servos se sujeitarem as regras ordenadas pelos seus senhores, assim sendo, ambos estarão fazendo o bem, tanto aos outros, como e principalmente a si mesmo. No caso do dever cristão, não é diferente, quando um servo de Cristo obedece aos mandamentos do evangelho da verdade, ele faz o bem a todos, e a si mesmo também.

E SOIS AFLIGIDOS. O autor escreve neste ponto de sua carta, sobre as injustiças humanas praticadas pelas autoridades contra os cidadãos, como também dos senhores contra os seus escravos, bem como dos ímpios contra os servos de Deus e de Cristo. É quando a pessoa é do bem, mas é penalizada pelas injustiças dos homens.

ISSO É AGRADÁVEL A DEUS. O apóstolo escreve sobre como Deus ver as injustiças dos homens e a forma como o Senhor fará o reparo de tal injustiça, pela sua bondade. Deus é justo e reto, de forma que, cada um será compensado por Deus.

1 Pedro 2:19

1 Pedro 2:19 - Porque isto é agradável, que alguém, por causa da consciência para com Deus, suporte tristezas, padecendo injustamente.
PORQUE ISTO. Que os irmãos convertidos ao cristianismo, mas que eram servos dos senhores de escravos, se sujeitassem aos seus patrões, no Senhor, para que houvesse paz social entre todos, uma vez que, bastavam às perseguições do Estado contra os cristãos. O conselho do apóstolo visava o bem-estar dos mais pobres da igreja e a paz em seus ambientes de trabalho. Além de serem muito pobres e estarem excluídos da sociedade, não era bom que fossem oprimidos ainda mais.

É AGRADÁVEL. O escritor afirma que é bonito de se ver que os irmãos se comportassem de tal maneira com os seus patrões, em atos de obediência a eles, ao ponto de se tornarem agradáveis perante os seus senhores. Tal comportamento de submissão conquistava o coração dos seus senhores ao ponto destes usarem de bom censo em praticarem a benevolência para com os irmãos. Seja qual for a situação social de um servo de Deus, agindo corretamente, rende glórias para o nome de Cristo.

QUE ALGUÉM. Este alguém sobre o qual o apóstolo se refere diz respeito aos cristãos que eram escravos. No tempo da igreja primitiva e quando esta epístola foi escrita, as leis e os costumes permitiam o regime de escravidão social. Graças a Deus, que há muitos anos que esta chaga social foi banida do mundo, principalmente das nações civilizadas. Mas, para a época, o fato de alguém se converter para Cristo, não era motivo de se libertar do regime social de escravidão, neste aspecto, não mudava nada.

POR CAUSA DA CONSCIÊNCIA. O peso da consciência é o que de fato se pode chamar de peso pesado, porque é algo que se torna insuportável na cabeça daqueles que tem a consciência viva, que é diferente daqueles que tem a consciência adormecida ou morta. Ter uma boa consciência para com Deus é ter a certeza do dever comprido diante daquilo que é a vontade do nosso Pai celeste. A maior satisfação de um servo de Deus é ele se sentir livre de culpas, por sempre executar o querer do seu Deus.

PARA COM DEUS. O verdadeiro temor a Deus é que leva o ser humano a viver uma vida digna perante o Deus que é juiz dos vivos e dos mortos. Todo ser humano é falho em seus procedimentos, por isso que precisa do arrependimento para consertar os seus erros e continuar na busca em agradar ao Criador. O Espírito Santo trabalha na mente do servo de Cristo para lhe testificar a respeito da verdadeira conversão de vida. A santificação é um processo que não tem estagnação nunca.

SUPORTE TRISTEZA. Aqueles que faziam parte da igreja primitiva viviam sob pressão para negarem o nome de Cristo e a fé deles era posta a prova todos os dias. A história do cristianismo conta de milhares que foram perseguidos, outros foram presos e outros tantos foram mortos por meio do martírio. O autor recomenda aos irmãos que suportassem tais aflições como servos de Cristo, até porque, muito mais sofreu nosso Senhor Jesus Cristo, mas não fugiu do seu compromisso e missão.

PADECENDO INJUSTAMENTE. O que os opositores do reino de Deus praticavam de maldade contra os cristãos daquela época eram obras de pura perversidade e injustiça. Os servos de Cristo, mesmo estando certos, eles eram hostilizados pelos chefes das demais religiões daquela época, que se utilizavam das autoridades do Estado para maltratarem, perseguirem e confiscarem os bens dos que confessassem a Cristo.

1 Pedro 2:17-18

1 Pedro 2:17-18 - Honrai a todos. Amai aos irmãos. Temei a Deus. Honrai ao rei. Vós, servos, sujeitai-vos com todo o temor aos vossos senhores, não somente aos bons e moderados, mas também aos maus.
HONRAI A TODOS. É bem provável que Pedro esteja se referindo ao respeito, que o cristão deve ter com todas as pessoas, com quem se relaciona no seu dia a dia. As igrejas são visitadas constantemente por pessoas não convertidas, sejam elas pessoas comuns da sociedade e também as autoridades civis. E as lideranças da igreja precisam ter respeito e consideração por todas estas pessoas. No período da igreja primitiva havia uma certa hostilidade da sociedade contra a igreja e também do estado, mas o povo de Deus não podia reagir da mesma forma, mas sim com respeito a todos.

AMAI AOS IRMÃOS. A lei de Moisés continha muitos e diversos mandamentos, no tocante a como o ser humano devia se relacionar para com o seu próximo, e principalmente de um judeu para com o outro. No cristianismo e na lei de Cristo, tudo isso se resume em um só mandamento, que é amar ao próximo como a si mesmo, porque deste mandamento depende todos os demais. Como o tempo era difícil para os seguidores de Cristo, por conta das perseguições, uns precisavam dos outros.

TEMEI A DEUS. A bíblia declara que, temer a Deus é o princípio da sabedoria, porque quem teme a Deus é inteligente o suficiente para agir corretamente em tudo que faz e que fala, uma vez que, o temor a Deus leva o homem a ter responsabilidade com os seus atos. Temer a Deus não é a mesma coisa que ter medo de Deus, temer a Deus é ter respeito ao Criador de todas as coisas e ser consciente de que vamos prestar contas diante da justiça divina pelos nossos atos e obras. Temer é ser inteligente.

HONRAI AO REI. O evangelho nos ensina de que, as autoridades são constituídas por Deus, e que elas estão cumprindo missões nesta terra para o bem dos bons e para repreensão dos que agem errado. As lideranças da igreja primitiva ensinavam aos seguidores de Cristo de que eles não deviam desafiar as autoridades. O império romano estava sendo usado pelo inimigo para perseguir a igreja, de forma que, os servos de Deus não podiam nem deviam provocar mais ainda as autoridades.

VÓS SERVOS, SUJEITAI-VOS COM TODO TEMOR AOS VOSSOS SENHORES. Neste mesmo período da igreja primitiva existiam muitos dos cristãos que eram escravos. E para que houvesse paz em suas vidas, o autor recomenda que estes se sujeitassem aos seus senhores, conforme o costume e as leis desta época. Estes senhores, geralmente eram os proprietários de grandes fazendas, que compravam escravos para trabalharem em suas lavouras, já que a agricultura era uma atividade econômica.

NÃO SOMENTE AOS BONS E MODERADOS. A leitura que se faz destes senhores de escravos nos livros de história é que eram quase todos maus e carrascos. Todavia, existiam aqueles que eram mais generosos com os seus servos. Existiam aqueles que tratavam os seus escravos com atos de bondade, porque eram mais moderados no tocante a situação social deles. Muitos desses se converteram ao cristianismo.

MAS TAMBÉM AOS MAUS. O conselho do escritor era de que os irmãos que eram escravos se sujeitassem aos seus senhores, mesmo que eles fossem pessoas ruins. Até para que eles não tivessem mais motivos de lhes serem mais carrascos do que naturalmente já eram. Esses senhores, quando eram maus, também eram carrascos com seus servos.

1 Pedro 2:15-16

1 Pedro 2:15-16 - Porque assim é a vontade de Deus, que, fazendo o bem, façais emudecer a ignorância dos homens insensatos. Como livres, e não tendo a liberdade como capa da malícia, mas como servos de Deus.
PORQUE ASSIM É A VONTADE DE DEUS. Todas as coisas têm um ou mais propósitos, conforme a vontade de Deus, e nisso o escritor vem demonstrando que, até mesmo as autoridades ímpias cumprem o seu propósito para aquilo que foram constituídas. Não se vê com os olhos físicos, nem também se percebe com a inteligência humana, que o Criador mantem o controle absoluto sobre tudo que acontece sobre a terra, mas é fato, que a todo o momento o Deus verdadeiro intervêm no mundo dos homens.

QUE FAZENDO O BEM. No tocante aos procedimentos dos servos de Deus, nisto também se percebe a interferência do Pai, em muitos casos com os dons espirituais e ministeriais que o Senhor dar aos seus seguidores, para que por meio de seus atos, o nome do Senhor seja glorificado. A sociedade espera que os servos de Cristo só façam o bem e ajam de maneira correta sempre, e quando de fato isso acontece, tem efeitos positivos na vida dos que percebem as boas ações e obras dos seguidores de Cristo.

FAÇAIS EMUDECER A IGNORÂNCIA. Essa ignorância citada pelo apóstolo, diz respeito à falta do conhecimento da verdade do evangelho da libertação, por parte dos incrédulos e de todos aqueles que não obedecem aos mandamentos de Deus. Quando os representantes de Deus na terra praticam o amor fraternal por meio de uma boa conduta para com todos, os homens deste mundo são tocados com isso, e passam a sentirem que Deus está na vida dos seus servos pela prática do bem.

DOS HOMENS INSENSATOS. A insensatez é companheira da ignorância e da prepotência humana, uma vez que, os ateus se deixam dominar pelo sentimento da rebeldia para com Deus, em não acreditarem nos seus mandamentos. A queda da raça humana produziu como consequência nos homens naturais a apostasia aos planos do Criador. Quem não é guiado pelo Espírito de Deus nem se submete aos seus planos, age com irracionalidade, e não tem a sensibilidade da palavra em sua vida.

COMO LIVRES. Apontando em direção aos seguidores do Senhor Jesus, o escritor revela o verdadeiro status dos que são remidos de Cristo. Na verdade, todos aqueles que nasceram de novo para uma nova vida em Cristo Jesus, são livres em todos os aspectos. Quem obedece aos mandamentos de Cristo, automaticamente também cumpre os mandamentos e as leis dos homens, uma vez que, quem segue o evangelho de Cristo, não é transgressor das leis civis, nem desobedece aos governantes.

E NÃO TENDO A LIBERDADE COMO CAPA DE MALÍCIA. Essa liberdade cristã não tem preço, porque faz parte do resgate realizado por Cristo na cruz do calvário. Todavia, essa mesma libertada não pode ser usada para camuflar situações de dupla personalidade na vida de alguém que se diz ser um seguidor do Senhor Jesus. Além do mais, muitos cristãos usavam de tal liberdade para afrontarem as autoridades.

MAS COMO SERVOS DE DEUS. Essa é uma das mais belas classificações que se pode atribuir a um ser humano que busca o reino de Deus em primeiro lugar e as coisas que são de cima, servo de Deus. Ser um servo de Deus é renunciar a própria vontade e exercer controle sobre o livre arbítrio para fazer e realizar a vontade de Deus como meta prioritária de vida. Quem é um servo de Deus não vive mais para o mundanismo.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

1 Pedro 2:13-14

1 Pedro 2:13-14 - Sujeitai-vos a toda instituição humana por causa do Senhor, quer seja ao rei, como soberano. Quer às autoridades, como enviadas por ele, tanto para castigo dos malfeitores como para louvor dos que praticam o bem.
SUJEITAI-VOS. Houve um tempo na época da igreja primitiva em que alguns que faziam parte do cristianismo desejavam mesmo morrerem em defesa do evangelho para serem considerados mártir do cristianismo e morrerem em nome de Cristo. Todavia, Pedro como liderança religiosa da igreja de Cristo buscava desestimular tal atitude, aconselhando que os irmãos não desafiassem as autoridades civis porque elas também estão a serviço do Senhor, cumprindo seu papel nesta terra e no mundo.

A TODA AUTORIDADE HUMANA. Essa frase cobre um leque muito grande de pessoas que ocupam posições elevadas perante a sociedade, sejam elas autoridades civis, políticas ou religiosas. Desde que há humanidade sobre a terra que a sociedade busca se organizar por meio das instituições humanas. E as autoridades governamentais são um mau necessário, porque por meio delas a sociedade se organiza para manter o controle e evitar assim o caos. Sujeitai-vos a elas.

POR CAUSA DO SENHOR. Os cristãos mais radicais buscam isolar essas autoridades humanas da administração universal de Deus sobre todas as coisas, mas, o evangelho da verdade afirma de que não há autoridade que não tenha sido constituída por Deus. De forma que, quando alguém obedece as leis estabelecidas pelas autoridade governamentais, indiretamente elas estão obedecendo as ordens de Deus, que é quem permite que se levantem as autoridade para governarem.

QUER SEJA O REI, COMO SOBERANO. Nos dias de hoje, são pouquíssimos países que constituem seus monarcas como rei, percebe-se que a maioria dos países na atualidade tem como mandatário um presidente da república ou um primeiro ministro como governante. Mas, nos tempos mais antigos das civilizações, a figura do rei predominava na maioria ou em quase todas as nações, em que uma família real reinava por muito tempo por meio das dinastias, com a monarquia reinante.

QUER AS AUTORIDADES, COMO ENVIADAS POR ELE. O apóstolo Paulo aborda este mesmo tema em Romanos capítulo treze, quando afirma que as autoridades foram e são enviados de Deus ou constituídos por Deus para cumprirem tais papeis perante a sociedade. Como o Senhor é o Rei dos reis e Senhor dos senhores, os leitores de Pedro precisavam entender que, até mesmo as autoridades ímpias, estão sob o governo do Criador de todas as coisas. Tudo e todos cumprem missões comissionadas.

TANTO PARA CASTIGO DOS MALFEITORES. No entendimento de Pedro, as autoridades cumprem suas funções públicas a serviço da ordem social e do bem-estar da grande maioria, e conforme este pensamento, quem agir contrário a estas leis, do bem-estar comum, arca com as consequências. Quem não obedecem as instituições governamentais e busca criar problemas no meio da sociedade se dá mal, porque é considerado como transgressor da lei, e portanto, criminoso é.

COMO PARA LOUVOR DOS QUE PRATICAM O BEM. Por outro lado, quem procura viver bem em sociedade, tem a proteção e o apoio das autoridades governamentais. Os servos de Cristo não podem viver no mundo sem obedecerem as autoridades humanas, pelo contrario, os cristãos são obrigados a serem bons exemplos de pessoas.

1 Pedro 2:12

1 Pedro 2:12 - Mantendo exemplar o vosso procedimento no meio dos gentios, para que, naquilo que falam contra vós outros como de malfeitores, observando-vos em vossas boas obras, glorifiquem a Deus no dia da visitação.
MANTENDO EXEMPLAR. E continua o autor com seus concelhos práticos sobre como o seguidor do reino dos céus deve se comportar como representante do reino de Deus no meio da sociedade e principalmente para com Deus e no meio da igreja de Cristo. As pessoas tem que olhar para a vida de um servo de Cristo e ver um bom testemunho de quem por meio de suas palavras e atos, efetivamente glorifica o nome de Deus. A verdade é que nós somos a bíblia da sociedade, todos estão nos observando.

O VOSSO PROCEDIMENTO. Tudo que um servo de Cristo fala ou faz, não passa despercebido aos olhos da sociedade, portanto, o comportamento daqueles que confessam o nome de Cristo deve ser exemplar, no seio da sua família, no seu local de trabalho, aonde estuda, para a sociedade e na igreja do Senhor Jesus. Cada ato praticado deve contar para glória do nome de Cristo, até porque, há um descrédito muito grande nas palavras das pessoas, de forma que os procedimentos falam mais.

NO MEIO DOS GENTIOS. Neste caso, “os gentios” citados pelo apóstolo, dizem respeito aos não convertidos ao cristianismo. Como também, neste texto, se trata dos pagãos, dos incrédulos, dos ímpios e de todos aqueles que vivem alienados de Deus e dos seus mandamentos. Quando alguém vai fazer um negócio qualquer com o seguidor do Senhor Jesus, todos esperam que haja honestidade nos procedimentos daquele que representa a Cristo nesta terra, dai a importância do nosso testemunho.

PARA QUE, NAQUILO QUE FALAM CONTRA VÓS OUTROS. A grande verdade é essa, é que o mundo nos odeia, e por conta disto falam mal dos servos de Deus, blasfemam do nosso testemunho e não aceitam a forma diferente em que vivemos, até porque o verdadeiro discípulo de Cristo anda na contra mão da sociedade. Na nossa vista, até nos respeitam, mas pelas nossas costas nos apunhalam. Porem, uma forma de calar a voz dos que nos caluniam é justamente provando o contrário do que dizem.

COMO DE MALFEITORES. É difícil escapar da língua caluniadora dos incrédulos, e a prova disto é que o Senhor Jesus viveu uma vida correta em tudo que fazia e falava, mas nem por isso teve como escapar das línguas maus, e o chamaram de malfeitor. De forma que, mesmo que o seguidor do Senhor Jesus procure viver uma vida correta perante a sociedade, mesmo assim, vão falar mal dele. O Fato é que os que buscam o reino de Deus em primeiro lugar, desagradam o mundo para agradar a Deus.

OBSERVANDO-VOS EM VOSSAS BOAS OBRAS. Uma das maneiras bastante importante de se pregar para as pessoas que não gostam de ouvir o evangelho é justamente fazendo o bem para estas pessoas. Certamente o autor não está se referindo as obras da lei, mas sim, a prática da lei do amor fraternal ensinada do Cristo Jesus. A sociedade espera dos seguidores de Cristo que sejam pessoas boas.

GLORIFIQUEM A DEUS NO DIA DA VISITAÇÃO. Este dia da visitação a que se refere o autor diz respeito aos dias maus que os ímpios têm que enfrentarem no seu dia a dia sendo julgados pela lei da sobrevivência, que não é nada fácil. De forma que, os que servem a Cristo, devem mostrar total solidariedade a todos, porque no final, isso renderá glórias ao nome do nosso Deus. É sempre bom fazer o bem a todos.