Pesquisar este blog

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Efésios 4:2-3

Efésios 4:2-3 - Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor. Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz.
COM TODA HUMILDADE. Quem é de Cristo, anda como ele andou e pensa como ele pensava. E o Senhor Jesus é um dos maiores exemplos de humildade, tanto em suas palavras, ações e modo de vida. Da mesma sorte deve ser um discípulo de Cristo em suas ações e modo de viver, sempre demostrando total humildade, em seguir os ensinos deixados pelo Cristo de Deus. Quem não segue os passos de Cristo, por meio de suas palavras e ações sempre age com orgulho, petulância e prepotência no dia a dia.

E MANSIDÃO, COM LONGANIMIDADE. Os conselhos do apóstolo eram para que os seus leitores vivessem um estilo de vida baseado em boas virtudes uns para com os outros. Quem não se orienta pelo evangelho de Cristo, por qualquer coisa se ira e toma vingança contra os seus opositores, isso porque não se porta com tolerância. Porem, os servos de Cristo devem se portar com mansidão, tendo a capacidade de suportar com resignação os seus opositores, mesmo que para isso, sofra as injustiças dos homens.

SUPORTANDO-VOS UNS AOS OUTROS. Há quem diga que, na igreja de Éfeso estava acontecendo contendas, partidarismo e discórdias entre os irmãos, ao ponto do apóstolo transmitir o seu bom conselho aos seus leitores. A fome de poder, a sede por posição e o desejo de ocupar os primeiros lugares perante a igreja é quem leva o homem a ter raiva, inveja e ciúme uns dos outros. Apesar das diferenças, temos que suportar uns aos outros.

EM AMOR. Tudo que Deus fez pela igreja foi uma prova do seu grande amor pelos remidos (Romanos 5:8). A obra perfeita de redenção efetuada por Cristo Jesus foi também por amor singular a sua amada igreja. E Jesus também nos deixou o ensino de que, se nós o amamos, devemos também amar uns aos outros. Só temos condições de suportar uns aos outros, se formos constrangidos na prática pelo amor fraternal.

PROCURANDO GUARDAR A UNIDADE. A igreja de Cristo é um só corpo, formado por judeus e gentios. A unidade da igreja de Cristo é representada pela reconciliação dos homens todos com Deus, isso porque, Deus estava em Cristo reconciliando o mundo consigo mesmo. Guardar esta unidade no meio da igreja é desfrutar da verdadeira paz com Deus e com todos aqueles que fazem parte da família de Deus e do povo de Deus.

DO ESPÍRITO. Neste texto, a palavra “Espírito” começa com letra maiúscula, e isso significa dizer que o escritor se reporta sobre o Espírito de Deus, que também é o Espírito de Cristo. Desde o dia de pentecostes, com a descida do Espírito Santo sobre a igreja de Cristo, que um novo tempo foi inaugurado sobre a terra, em que o Espírito de Deus é quem esta preparando a igreja para a eternidade com Cristo, pela união dos remidos.

PELO VÍNCULO DA PAZ. A palavra “vínculo” fala sobre algo que liga uma parte a outra, como as juntas ligam uma parte do corpo à outra. Desta forma, o apóstolo recomenda que a paz deve ser o elemento primordial que liga um servo de Cristo ao outro, de tal maneira que todos se suportem mutuamente. A paz e o amor deve ser um solo fértil de convivência do povo de Deus, demostrando que fazemos parte de uma mesma família.

Efésios 4:1

Efésios 4:1 - Rogo-vos, pois, eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados.
ROGO-VOS, POIS, EU. O apóstolo começa este quarto capítulo de sua memorável epístola, fazendo um apelo em forma de rogos, a fim de que, os seus leitores vivessem uma vida digna de glórias ao Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. O pronome enfático “eu” demonstra efetivamente, que esta carta escrita a igreja de Cristo, que estava na cidade de Éfeso, de foto foi enviada pelo grande apóstolo dos gentios, Paulo, e que ele faz questão de deixar sua marca, como selo e garantia de sua autoridade apostólica.

O PRESO. Sobre essa colocação feita pelo escritor, podemos pelo menos conjecturar sobre três coisas, sobre o apóstolo. Primeira, que ele pode está de fato, neste momento de seu ministério, preso na cidade de Éfeso, por conta de pregar o evangelho. Segunda, é que ele pode se referir aos seus aprisionamentos em Éfeso, Cesaréia e Roma e em Jerusalém. E terceira, ele pode também se reportar ao fato de que estava preso a Cristo pelo seu compromisso de fidelidade que tinha com o Senhor, e por não fazer mais a sua própria vontade.

DO SENHOR. Os dois destaques feitos pelo apóstolo nos chama atenção. Primeiro, o artigo “o” preso, e o segundo, “do Senhor”. Há quem diga que Paulo ficou conhecido na cidade de Éfeso, como sendo “o preso no Senhor”, porque em todas as suas atividades que ele exercia em torno do evangelho de Cristo, era ameaçado de prisão pelas autoridades, e que por fim, terminou se cumprindo sua prisão naquela cidade de Éfeso, por amor a Cristo.

QUE ANDEIS. Mais uma vez, o apóstolo usa essa metáfora do andar cristão, e isso ele repete muitas vezes em seus escritos, para ensinar sobre o modo de vida digno que os seguidores de Cristo deviam praticar como representantes do reino de Deus na terra. O intuito do apóstolo, como um dos principais fundadores daquela comunidade cristã, era de que os seus leitores honrasse o nome de Cristo, pelo modo digno de se comportarem.

COMO É DIGNO. O cristianismo até mesmo em seus começos, sempre foi uma religião organizada, a começar com o profícuo ministério do Senhor Jesus. Depois, os apóstolos se organizaram e começaram a por em ordem os ensinos de Cristo, ao redigirem o Cânon do Novo Testamento, contendo as regras da legislação de Cristo. Assim sendo, quem se dizia ser um cristão e seguidor de Cristo, tinha que viver conforme o evangelho.

DA VOCAÇÃO. Desde os tempos da igreja primitiva, que ser um discípulo de Cristo, não era para qualquer um, nem para quem queria, mas sim, para quem fosse vocacionado para isso por Deus. Essa vocação era que produzia convicção nos chamados por Cristo, para fazerem parte de sua igreja, ao ponto dos cristãos primitivos suportarem, tribulações, aflições, perseguições, confisco dos bens, prisões e até morte, por amor a Cristo Jesus.

COM QUE FOSTES CHAMADOS. Paulo tinha em mente, a sua própria chamada, quando teve um encontro pessoal com o Senhor Jesus, na estrada de Damasco. Em que a partir de então, passou a estar pronto a se necessário fosse, morrer pelo evangelho de Cristo. Todos quantos servem ao reino de Deus, é porque foram chamados por Cristo para serem seus discípulos. Somente quem tem esta chamada é que consegue ser fiel até o fim.

domingo, 27 de novembro de 2016

Efésios 3:21

Efésios 3:21 - A ele glória na igreja, por Jesus Cristo, em todas as gerações, para todo o sempre. Amém.
A ELE. Paulo se refere ao Deus Todo-poderoso que faz por nós muito mais do que pedimos ou pensamos, segundo o seu poder que opera em nosso favor. Ele é o Criador de todas as coisas, que põe seu ilimitado poder a nossa disposição, que está sempre atento as nossas orações e tem a capacidade de nos responder positivamente as nossas solicitações. Para ele, nada é impossível, e tudo que deseja fazer ele faz pelo seu grande poder. Ele é o Deus que está presente quando invocamos o seu nome, ele é Onipresente.

GLÓRIA. A ele seja glória desde sempre, hoje e para todo o sempre. Os filhos de Israel em suas celebrações faziam questão de glorificar ao Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, pelas bênçãos recebidas da parte do seu Deus. No cristianismo não poderia ser diferente, desde os tempos da igreja primitiva que os servos de Cristo têm por costume render glórias ao Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, por todos os benefícios recebidos. Dar glórias a Deus é o exaltar com palavras e com ações de graças.

NA IGREJA. A igreja é o corpo espiritual de Cristo Jesus que é ao mesmo tempo a morada de Deus pelo seu Santo Espírito. O mundo não glorifica o nome do Senhor, pelo contrário, os seres humanos materialistas, ímpios e incrédulos desprezam ao Criador, por não reconhecerem que a ele pertence todo poder e glória. Mas a igreja de Cristo reconhece e agradece pelas realizações de Deus, por isso que cada um glorifica ao Senhor.

POR JESUS CRISTO. A igreja existe por conta da obra perfeita de redenção efetuada por Jesus Cristo, o Filho de Deus. Por isso que, tudo que a igreja de Cristo é ou representa é por Cristo e em Cristo. No mundo, tudo se realiza pelas forças naturais, mas no ambiente da igreja remida de Cristo, é pelo poder que emana do Filho de Deus. Desta forma, se glorificamos a Deus pelo louvor, pela palavra ou pela oração é por Cristo Jesus.

EM TODAS AS GERAÇÕES. As gerações nos falam de determinados períodos de tempo, o que em muitas referências bíblicas se refere a eras. Assim sendo, em cada momento da história da humanidade, quando alguém teve o impulso de glorificar a magnificar a Deus, essa força veio da parte de Cristo, que também é o Alfa, ou seja, ele sempre existiu, mesmo antes da sua vinda como sendo o Messias de Deus ou o Emanuel de Deus.

PARA TODO O SEMPRE. Boa parte dos comentaristas bíblicos apontam em direção das eras futuras no que tange aos acontecimentos escatológicos. Portanto, Cristo sempre exercerá sua influencia iluminadora, a fim de que as gerações futuras glorifiquem a Deus Pai, de eternidade a eternidade. Seja na terra ou nas regiões celestiais, a igreja viva de Cristo sempre vai contar com o poder vigoroso de Cristo para glorificar a Deus.

AMÉM. Essa é uma palavra que expressa à certeza de que aquilo que foi dito será confirmado pelo poder de Deus. A palavra “amém” tem o significado de assim seja, ou Deus confirme o que foi dito. Em algumas das cartas do Novo Testamento essa palavra no seu final, significava a assinatura do autor, e mais especificamente nas de Paulo. Neste texto, este amém significava o final, não desta carta, mas da doxologia do tema em foco.

Efésios 3:20

Efésios 3:20 - Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o seu poder que em nós opera.
ORA, AQUELE QUE É PODEROSO. Essa frase tanto cabe ao Deus Pai, quanto ao seu Filho, Jesus Cristo. O Criador sempre foi conhecido como o Todo-poderoso, ou Onipotente, aquele que pode todas as coisas e que nada é impossível para ele. Todos os demais poderes que há na terra ou no céu, são outorgados do grande Deus, porque ele é a fonte originária de toda e qualquer força ou poder. No que diz respeito a Cristo, ele próprio disse: Todo poder me foi dado no céu e na terra (Mateus 28:18). Ele tem todo poder.

PARA FAZER TUDO. O ser humano, seja ele quem for, está cheio de limitações, e dependendo do caso, não pode fazer nada nem por si mesmo. E aquilo que o homem pode fazer é por permissão de Deus, porque é o Criador quem dá a inteligência ao ser humano, que tem força e não poder. Mas o Deus Onipotente é capaz de fazer e prodigalizar tudo que lhe apraz. Quando olhamos para a terra, os demais planetas e o universo, chegamos a conclusão que realmente para o Deus Criador, tudo é possível.

MUITO MAIS ABUNDANTEMENTE. Entende-se com isso que, os atos criativos de Deus não entrou em estado de estagnação, mas que o Senhor continua no seu trabalho de fazer novas coisas para o benefício do seu povo. O que a igreja de Cristo tem recebido, é apenas uma sombra pálida do que ainda vai se despontar no futuro para os remidos de Cristo. Os salvos estão em um estágio de glória do grande esplendor que há de ser.

ALÉM DAQUILO QUE PEDIMOS. Muitas vezes, no sentimento de humildade pedimos apenas o que mais estamos precisando para cada momento da vida. No entanto, o escritor esta revelando neste texto, que o Senhor tem muito mais para nós, além daquilo que pedimos. Até porque pedimos apenas conforme nossas necessidades, quando sabemos que Deus tem coisas grandes e diversas para fazer em nosso favor, sempre.

OU PENSAMOS. O raciocínio do homem é incapaz de pensar o quanto Deus é grande em fazer obras perfeitas, milagres, prodígios e sinais. De fato, tateamos em termos de conhecimento da capacidade de realização sobre o Deus Criador de todas as coisas. E descobrimos o quanto somos limitados nos nossos pensamentos sobre a grandeza do Deus Onipotente. Qualquer pensamento sobre o que Deus é capaz de fazer é pequeno.

SEGUNDO O SEU PODER. Essa é mais uma das dezenas de doxologias que nós encontramos nas páginas do Novo Testamento expressando a grandeza de Deus e o estado de adoração dos escritores. Aprendemos dentro deste texto que pedimos pouco e pensamos pequeno sobre os atos de Deus em nosso favor, haja vista que, o seu ilimitado poder está a nossa disposição, no sentido de atender as nossas petições pelas orações.

QUE EM NÓS OPERA. O autor tenta repassar verdades fortes para seus leitores, sobre o poder de Deus que está disponível para cada um deles, é só pedir para receber muito mais do que se pensa. O Deus Todo-poderoso se coloca a disposição dos seus filhos para realizar tudo que lhe pedirmos. Os céus estão abertos para os remidos de Cristo e as potentes mãos do Criador trabalham em prol dos que nele esperam e confiam.

sábado, 26 de novembro de 2016

Efésios 3:19

Efésios 3:19 - E conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus.
E CONHECER. Os líderes do judaísmo se esforçavam por tornar conhecidos os mandamentos da legislação mosaica, em que até mesmo suas crianças deveriam conhecer as sagradas letras desde a mais tenra idade. Os gnósticos de maneira frenética buscavam difundir suas filosofias gnósticas como sendo a sabedoria e o conhecimento mais importante do que qualquer coisa. Todavia, para os líderes do cristianismo o mais importante era tornar conhecido em todo o mundo o ilimitado amor de Cristo.

O AMOR. Este é o amor “ágape”, que é o perfeito e ilimitado amor de Cristo pela sua igreja remida. Quando se fala sobre o amor de Cristo é a mesma coisa que se referir ao amor de Deus pela igreja amada de Cristo. Foi por conta deste amor de Cristo pela sua igreja que ele veio como sendo o Cristo Salvador. Deus amou o mundo de uma tal maneira, que deu o seu unigênito Filho (João 3:3). E Paulo escrevendo aos romanos ele confirma dizendo: Deus prova o seu amor para conosco, quando Cristo morreu por nós.

DE CRISTO. Este amor de Cristo se traduz por todos os benefícios que ele produziu em prol de sua igreja, mediante a obra perfeita de redenção. O sacrifício propiciatório do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo foi uma prova irrefutável da bondade de Cristo para com a humanidade. Cristo encarnou esse amor, quando se manifestou como sendo o Emanuel de Deus, ou seja, Deus se humanizou por amor gracioso pelos homens.

QUE EXCEDE TODO ENTENDIMENTO. O amor de Cristo pela humanidade é muito maior do que qualquer compreensão de um sistema religioso, seja do judaísmo, seja do gnosticismo filosófico, seja do paganismo mundano. Nada é mais excelente do que as bênçãos positivas resultantes do sacrifício de amor que o Filho de Deus realizou para o bem dos seus remidos. Para muitos, isso é encoberto, porem revelado para a igreja.

PARA QUE SEJAIS CHEIOS. Compreender o grande amor de Cristo em prol da humanidade é se encher de coisas boas da parte de Deus e acima de tudo se encher do verdadeiro conhecimento e entendimento. Esse enchimento na vida do servo de Cristo é que o torna iluminado da verdadeira sabedoria que vem do alto e o faz ser cada vez mais fervoroso na presença do Pai, pelas virtudes positivas do Espírito Santo de Deus.

DE TODA A PLENITUDE. Essa plenitude na vida de quem segue o amor de Cristo significa dizer que o poder de Deus reside na vida dos remidos do Senhor. Essa plenitude de Deus na vida dos salvos em Cristo se percebe pelas virtudes que se manifestam em sua vida, tais como os dons e os ministérios. Ter a virtude de Deus na vida é ter o brilho da glória de Deus e resplandecer como astros no mundo e como sal da terra.

DE DEUS. Tudo provem de Deus em Cristo Jesus. O ser humano é fraco, limitado e cheio de falhas, no entanto, quando sobre ele repousa a plenitude de Deus, o servo de Cristo passa a ser um legítimo representante do reino de Deus. O homem não tem nenhuma capacidade nas coisas sobrenaturais, mais o poder de Deus sobre sua vida o torna habilidoso nas coisas espirituais, por isso que, os servos de Cristo são ousados e fortes.
/div>

Efésios 3:18

Efésios 3:18 - Poderdes perfeitamente compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade.
PODERDES PERFEITAMENTE. O escritor não mediu esforços para levar o evangelho das boas novas aos moradores da cidade de Éfeso, mostrando pela pregação quem era de fato Jesus de Nazaré, provando pelas Sagradas Escrituras que ele era o Messias prometido por Deus Pai. Agora, mesmo ausente, se dedicava por meio desta carta e de outros escritos, como as epístolas a Timóteo, para edificar a vida de todos aqueles que faziam parte da igreja do Senhor Jesus. Neste texto tem mais motivos de sua oração.

COMPREENDER. Para o apóstolo, não bastava alguém ter ouvido o evangelho poderoso de Cristo, e até certo ponto crer em sua mensagem, mas se fazia necessário, que os servos de Cristo compreendessem tudo que diz respeito ao amor de Cristo pela sua igreja amada. Essa compreensão dos mistérios de Deus por meio de Cristo é que gera o crescimento espiritual de um servo de Deus e o faz forte o suficiente para permanecer nos caminhos do evangelho, a prova disto é que muitos aceitam, mas não permanecem.

COM TODOS OS SANTOS. Os santos, neste caso, não são aqueles que foram canonizados por uma autoridade eclesiástica ou por uma instituição religiosa. Estes Santos a que se refere o autor, também não dizem respeito a pessoas que já morreram, mas sim aos servos de Cristo que estava vivos. A palavra “santo” quer dizer: Aquele que foi separado do mundo para servir a Deus e se dedicar as coisas do seu reino celestial.

QUAL SEJA A LARGURA. A largura de que? O próximo versículo diz que estas dimensões citadas pelo escritor dizem respeito ao amor de Cristo. Tanto no capítulo anterior quanto neste também que estamos comentando, Paulo vinha falando do alcance da missão de Cristo e a grandeza da graça de Deus em alcançar a todos. A aliança da lei era exclusivista somente com uma nação, chamada Israel, mas a aliança da graça é para todas as nações.

E O CUMPRIMENTO. A missão do Cristo de Deus quebrou as barreiras geográficas e o evangelho das boas novas chegava livremente a todos os povos do mundo. E o apóstolo Paulo foi quem mais recebeu iluminação, quanto a compreensão deste mistério de Deus com a igreja remida de Cristo, muito mais do que os demais apóstolos. Até porque ele ficou sendo conhecido como sendo o apóstolo enviado por Cristo ao mundo gentílico.

E A ALTURA. Os judeus eram os privilegiados que tinham direitos garantidos pela lei de receberem as promessas de Deus, porem, os gentios se sentiam excluídos destas vantagens. A vinda de Cristo proporcionou a todas as gentes, os mesmos privilégios que Israel desfrutava, e muito mais, porque as promessas da nova aliança de Deus com a igreja de Cristo vão além desta dimensão de vida, abre os céus para os remidos de Cristo.

E A PROFUNDIDADE. Todas estas dimensões citadas pelo escritor nos ensinam da imensidão do amor de Cristo pela humanidade, representando o alcance real dos efeitos de sua obra redentora em favor de todos os povos do mundo. Falar em profundidade, neste caso é dizer da grandeza ilimitada dos resultados alcançados pela propiciação feita pelo Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, em que foi possível a reconciliação.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Efésios 3:17

Efésios 3:17 - Para que Cristo habite pela fé nos vossos corações; a fim de, estando arraigados e fundados em amor.
PARA QUE. A presença do Espírito Santo na vida dos seguidores de Cristo era indispensável, porque o revestimento que vinha do alto na vida dos cristãos os fortalecia de poder para suportarem as tribulações do dia a dia. As perseguições dos opositores do evangelho e as prisões, que em muitos casos terminavam em morte dos inocentes. O poder outorgado pelo revestimento dava aos servos de Cristo força para suportarem as aflições e ousadia para propagarem o evangelho das boas novas de Cristo.

CRISTO. Falar de “Cristo” é escrever sobre a missão do Messias de Deus, ele que era o ungido e enviado de Deus Pai e ao mesmo tempo, o Emanuel, ou seja, Deus entre os homens. Como também, falar de Cristo é a mesma coisa que ensinar sobre a redenção da humanidade pelo sacrifício expiatório do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Cristo morreu em um sacrifício de propiciação para aplacar a ira de Deus sobre o mundo, e assim, produzir a reconciliação com todos, que resultou na paz universal.

HABITE. Sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas aniquilou-se a si mesmo, fazendo-se semelhante aos homens (Filipenses 2:6-7). Essa expressão usada por Paulo nos fala que o Verbo se fez carne e cumpriu sua missão. Porem, foi morto, ressuscitou e subiu ao céu. Cristo é um ser espiritual, que habita na vida dos seus seguidores, porque Deus o vivificou com poder para nunca mais morrer.

PELA FÉ. Para que Cristo habite dentro do ser humano, entre em cena a fé daqueles que verdadeiramente crer no Filho de Deus e em sua missão redentora. Esta é a fé sobrenatural, que se traduz por confiança plena nos efeitos positivos da redenção realizada pelo Filho de Deus. Na nova aliança da graça de Deus com a igreja de Cristo, o Criador entre com todas as suas promessas e bênçãos, mas o homem entra com a sua fé.

NOS VOSSOS CORAÇÕES. O escritor não esta se referindo ao órgão principal do sistema circulatório do ser humano, chamado coração. Mas ele se reporta ao homem interior, ao ser humano essencial, a alma e o espírito do ser humano. Com isso ele quer dizer que Cristo ocupe os principais motivos de nossa existência, bem como que ele governe e reine sobre a nossa vida. Com Cristo em nossa mente e pensamentos seremos bem guiados

A FIM DE ESTARDES ARRAIGADOS. Mais uma vez o apóstolo demostra sua principal preocupação sobre seus leitores, desejando que os mesmos não se movessem facilmente de Cristo. Arraigados, neste caso, é seguros, firmes e fortalecidos em Cristo para vencer os desafios da fé cristã. Pelas pressões sofridas, no tempo da igreja primitiva, muitos se desviavam dos caminhos do evangelho e outros apostatavam de sua fé.

E FUNDADOS EM AMOR. O escritor usa uma metáfora, quem sabe de uma construção, em que os alicerces ficavam fundados e firmes na rocha ou em terra bem sólida. Neste caso da metáfora, o solo era o amor. Amor este que deveria em primeiro lugar ser firme no Senhor Jesus e em segundo plano para com o próximo. É nisto que consiste a legislação de Cristo e os parâmetros da nova aliança da graça de Deus com a igreja remida.

Efésios 3:16

Efésios 3:16 - Para que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais corroborados com poder pelo seu Espírito Santo no homem interior.
PARA QUE, SEGUNDO AS RIQUEZAS. Paulo se colocava de joelhos diante de Deus e a sua oração tinha objetivos bem definidos, porque ele tinha plena confiança que o Senhor atenderia sua oração, até porque seu desejo era justo e bom para a igreja do Senhor Jesus Cristo que estava na cidade de Éfeso. Ao mesmo tempo em que era consciente de que o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, de quem toma o nome todas as famílias nos céus e na terra tinha o poder de resposta, porque era um Deus rico e poderoso.

DA SUA GLÓRIA. Essa frase “a riqueza de sua glória” nos fala sobre a abundância de poder que o Deus Criador tem em si mesmo para fazer tudo àquilo que ele quer ou deseja. A palavra “glória” neste texto nos ensina sobre o poder de Deus, sua majestade, seu domínio e tudo que ele representa em essência. Como também, de acordo com as Santas Escrituras, a glória de Deus fala sobre que ele é a mais pura verdade, nos ensina sobre sua luz, que é inaccessível, e sua santidade que são suas características próprias.

VOS CONCEDA. Durante o tempo da dispensação da lei, as bênçãos e as promessas de Deus estavam direcionadas para o seu povo Israel. Mas, com a implantação da nova dispensação da graça de Deus por Cristo Jesus para a sua igreja, os gentios, dos quais fazia parte a igreja de Cristo que estava em Éfeso, agora podiam desfrutar também das bênção das promessas de Deus. Paulo ora para que Deus derrame poder sobre a igreja.

QUE SEJAIS CORROBORADOS. Como o apóstolo foi um dos que mais contribuiu para a existência da igreja cristã em Éfeso, ele tinha certeza de que, aquele povo fazia parte da família de Deus. Todavia, não bastava para o apóstolo saber disto, ele queria ver uma igreja incendiaria com o poder de Deus, porque daquela cidade o evangelho chegaria a toda a Ásia, porque a cidade de Éfeso era estratégica para evangelizar aquela região.

COM PODER. Agora, o autor revela um dos motivos pelo qual ele se colocava de joelhos diante do Deus Pai em favor dos seus leitores. Cada um dos seguidores de Cristo do tempo da igreja primitiva precisava do poder de Deus em sua vida para poder vencer os desafios de ser um discípulo de Cristo. Até porque, confessar o nome de Cristo como Senhor e Salvador, naquela época era sinônimo de ser perseguido, preso ou morto.

PELO SEU ESPÍRITO SANTO. Desde os tempos dos profetas, ainda na dispensação da lei, que Deus prometeu derramar do seu Espírito Santo sobre a igreja de Cristo. O Senhor Jesus quando exerceu seu ministério, confirmou esta mesma promessa e a cumpriu no dia de pentecostes. A igreja primitiva viveu os momentos mais marcantes do poder do Espírito Santo, porque o derramamento do Espírito Santo é o poder de Deus em ação.

NO HOMEM INTERIOR. Esta é uma expressão que representa o homem essencial, a alma do ser humano e o seu espírito, seu coração, seus pensamentos e tudo aquilo que é espiritual e eterno no homem. O homem exterior representa sua aparência, a carne, o corpo e o que no ser humano é material e perecível. O poder de Deus atua no homem espiritual, no seu intelecto, na sua inteligência, no ser mais profundo do homem.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Efésios 3:14-15

Efésios 3:14-15 - Por causa disto me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Do qual toda a família nos céus e na terra toma o nome.
POR CAUSA DISTO. Cristo foi o grande alvo dos inimigos do reino de Deus, quando esteve na terra, mas depois de Jesus, durante o tempo da igreja primitiva, ninguém foi mais perseguido do que o apóstolo Paulo, dada a sua importância como missionário transcultural do reino de Cristo. E por conta de tantas tribulações, perseguições e prisões, o apóstolo sentia a necessidade de viver em constante oração ao Senhor dos Exércitos para que lhe guardasse dos seus perseguidores, a fim de fazer a obra de Deus na terra.

ME PONHO DE JOELHOS. Os judeus não davam muita importância a esta postura, quando se tratava de fazerem suas orações ao Deus de Israel, é tanto que, diante do muro das lamentações eles se amontoavam juntos de pé para clamar ao seu Deus. Já os cristãos sempre se utilizaram desta postura, porque sabem que de joelhos em terra e que se demonstra um verdadeiro sentimento de humilhação perante Deus e o seu Cristo. No entanto, não quer dizer que de joelhos é a mais correta maneira de se orar a Deus.

PERANTE O PAI. Desde os começos da história da humanidade que todos aqueles que invocavam ao Deus Criador, assim o faziam com o senso de que o Senhor também é o grande Pai da humanidade. Mas em se tratando de Deus como Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, isso ainda é mais verdadeiro, uma vez que, Jesus foi gerado pelo Espírito de Deus. São muitas as referências e as provas bíblicas de que Deus é o verdadeiro Pai de Cristo.

DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO. Quase sempre que os escritores do Novo Testamento fazem referência ao nome de Cristo, assim procedem em conecção com o Deus Criador de todas as coisas. Temos neste texto, mais uma vez a citação do título completo de Cristo em que ele é Senhor dos Senhores. Jesus que dizer: Aquele que veio salvar o seu povo dos seus pecados e o sobrenome Cristo nos ensina sobre a missão do Messias de Deus.

DO QUAL TODA A FAMÍLIA. “Do qual” Alguns comentaristas afirmam de que se refere a Nosso Senhor Jesus Cristo, mas também existem outros que falam de que o autor se refere efetivamente ao Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Já no que diz respeito a frase “toda a família” podemos conjecturar que o apóstolo esta escrevendo sobre todas as nações do mundo, que já na nova dispensação, compõem a igreja universal de Cristo.

NO CÉU E NA TERRA. O autor focaliza todos os seres espirituais, como anjos, arcanjos, querubins e serafins, bem como os principados e potestades de luz, fazendo parte de uma grande família de Deus. Como também no que diz respeito a terra, não é diferente, todos as nações, tribos e línguas ou seja todos os povos do mundo, por meio da igreja remida de Cristo fazem parte da grande família de Deus, que é o Pai de todos.

TOMA O NOME. Nos termos da nova dispensação da graça de Deus com a humanidade e especificamente com a igreja amada de Cristo, todas as nações do mundo, de forma individual por cada pessoa, agora, tem o privilégio de evocar o nome do Deus Criador, por meio de Cristo Jesus, pela intercessão do Espírito Santo de Deus. Tomar o nome é em termos gerais, invocar, adorar e render glórias, honra, louvor e ações de graças.

Efésios 3:13

Efésios 3:13 - Portanto, vos peço que não desfaleçais nas minhas tribulações por vós, que são a vossa glória.
PORTANTO. Percebe-se a preocupação do apóstolo Paulo com a igreja de Cristo que estava na cidade de Éfeso, e assim era com todas as igrejas por ele fundadas. Pelos relatos feitos sabe-se que houve mais de três prisões do apóstolo dos gentios e citaríamos três: Em Éfeso, Cesaréia e Roma. Há quem diga que estas tribulações sobre as quais fala o escritor dizem respeito a sua prisão na cidade de Éfeso e que toda a igreja tinha conhecimento em loco do fato em si, eis a razão da preocupação do apóstolo.

VOS PEÇO QUE. Em muitas partes dos seus escritos, o apóstolo Paulo exorta os seus leitores, mesmo que seja em forma de conselhos, porque a palavra “exortação” nos tempos da igreja primitiva, não era usada, em muitos casos, como se usa nos dias de hoje para bater na igreja de Cristo como sendo supostas doutrinas. Dentro deste texto, o grande apóstolo dos gentios usa de sua humildade para pedir, solicitar e rogar aos servos de Cristo, que não se perturbassem com o que estava acontecendo com sua pessoa.

NÃO DESFALEÇAIS. Era um tempo difícil para os líderes da igreja primitiva, principalmente para Paulo, que como missionário do reino de Cristo, levava o evangelho a muitos campos missionários transculturais. A preocupação do apóstolo era de que por conta de seus sofrimentos, muitos viessem a desistir da fé, se desviando dos caminhos do Senhor, o que tornaria os trabalhos do apóstolo em nada, isso ele não queria.

NAS MINHAS. No tempo em que esta carta foi escrita, o principal alvo dos opositores do cristianismo era justamente o apóstolo Paulo, isso porque ele estava sendo um instrumento eficaz nas mãos de Deus para fazer crescer o cristianismo no mundo. Com isso, ele passou a ser uma ameaça para os judaizantes e para as demais religiões do mundo de sua época. De forma que, os inimigos do evangelho queriam acabar com Paulo.

TRIBULAÇÕES. Foi só começar a obra missionária no mundo gentílico, que o apóstolo passou a ser duramente perseguido pelos opositores do cristianismo. Os próprios compatriotas judeus foram os algozes inimigos de Paulo, porque ele combatia suas fábulas artificiais, pregando o evangelho poderoso das boas novas de Cristo. Além de ser também perseguido pelos líderes das demais religiões do mundo e pelo Estado romano.

POR VÓS. Há quem diga que o escritor esteja se reportando apenas pelos seus leitores que eram os seguidores de Cristo na cidade de Éfeso. Mas, um pouco antes, o apóstolo se dirigia aos gentios de um modo geral, como sendo o novo povo de Cristo. Seja como for, era efetivamente por desempenhar sua função ministerial em prol das igrejas do mundo gentílico que o apóstolo Paulo tinha que enfrentar tantas tribulações e aflições.

QUE SÃO A VOSSA GLÓRIA. Tem versão bíblica que contem a seguinte frase: “Por vós que são a minha glória”. Esta colocação se encaixa melhor ao texto, mas não significa que seja a correta, até porque a mesma frase “por vós que são a vossa glória”, quando se refere às aflições que Paulo passava pelos seus leitores, e que eles usavam isso para testemunhar de que eram por demais importantes dentro da economia do reino de Deus e de Cristo.

Efésios 3:11-12

Efésios 3:11-12 - Segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor. No qual temos ousadia e acesso com confiança, pela nossa fé nele.
SEGUNDO O ETERNO PROPÓSITO. Tudo que Deus faz tem objetivos e propósitos bem definidos, mais isso, no tempo dele, que é diferente do nosso, até porque somos limitados quanto ao tempo. O escritor está falando sobre o propósito de Deus no que tange aos seus planos para a igreja de Cristo. Propósito esse que ele pôs em prática por meio do seu Filho Jesus Cristo. Quando se fala que este propósito é eterno é porque sempre esteve no planejamento do Pai enviar seu Messias como salvador do mundo.

QUE FEZ EM CRISTO JESUS. O cronograma de suas realizações Deus concretizou em Cristo Jesus, quando o Emanuel se manifestou como sendo o Cristo para realizar a redenção. Falar sobre Cristo é a mesma coisa que falar sobre a missão reconciliadora do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, em prol de sua igreja remida. Jesus é o nome próprio do Filho de Deus e é uma transliteração do nome de Josué. O nome Jesus quer dizer: Aquele que veio salvar o seu povo dos seus pecados, conforme (Mateus 1:21).

NOSSO SENHOR. Cristo Jesus era Senhor tanto de Paulo, o escritor desta belíssima carto aos Efésios, quanto dos seus leitores, aqueles que faziam parte da comunidade cristã na cidade de Éfeso. Desde antes da sua vinda, o Messias de Deus já era anunciado como Senhor de tudo e de todos (Daniel 7:14). E o texto de Filipenses 2:9-11 nos ensina como o Cristo de Deus se tornou o Senhor de todos para glória de Deus Pai, hoje e sempre.

NO QUAL TEMOS OUSADIA. Em Cristo é que temos tal ousadia para com Deus por fazermos parte da igreja remida de Cristo Jesus. Essa ousadia se traduz por liberdade para nos aproximarmos do trono da graça e pedir misericórdia diante do Deus perdoador e assim alcançarmos seus benefícios. A nova aliança de Deus com a igreja de Cristo é que proporcionou essa liberdade direta com o Deus Todo-poderoso, o Criador.

E ACESSO. Cristo é a ponte de acesso a esta aproximação dos gentios para com Deus, coisa que, conforme a antiga aliança, somente Israel tinha esse direito. Com a vinda do Messias e sua obra perfeita de reconciliação, agora, já no tempo da nova dispensação da graça, o véu do templo foi rasgado de cima a baixo, e todo aquele que invocar o nome do Senhor terá a ousadia e a liberdade de chegar ao trono da graça como Filho que é de Deus.

COM CONFIANÇA. Essa confiança se traduz pela ousadia, pela liberdade de ter acesso a presença de Deus por meio do Espírito Santo. Sem Cristo no mundo, os gentios que também eram pagãos, invocavam os seus ídolos e imagens de esculturas, que são deuses mortos, que nada sabem do que ocorrem na terra, e por isso nada fazem pelos seus adoradores. Mas pela confiança em Cristo, os verdadeiros adoradores chegam a presença de Deus.

PELA NOSSA FÉ NELE. De acordo com os parâmetros estabelecidos pela nova aliança implantada por Cristo com a igreja, Deus entra com sua bondade, misericórdia e graça. Do outro lado, o pecador entra com sua fé em Cristo e na sua obra completa de redenção. Assim sendo, o resultado é comunhão plena com Deus, pelo Espírito Santo, e por fim a vida eterna. A mensagem central do evangelho é: Quem crer em Cristo será salvo.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Efésios 3:10

Efésios 3:10 - Para que agora, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus seja conhecida dos principados e potestades nos céus.
PARA QUE AGORA. O que esteve oculto nos séculos passados da história da humanidade, para que se cumprisse a dispensação da lei, até porque Deus tem o seu cronograma de realizações no seu tempo, interferindo na história humana. Mas “agora” na plenitude dos tempos, o Senhor fez manifestar. Este “agora” diz respeito ao novo tempo da dispensação da graça, em que por meio do evangelho, Deus em Cristo demonstra sua graça salvadora, e isso, pela redenção efetuada pela propiciação de Cristo, que idealizou a reconciliação.

PELA IGREJA. A “igreja” é o novo Israel de Deus, composto por pessoas de todos os povos, nações e línguas. O pacto da lei foi feito exclusivamente com uma nação escolhida, sendo este povo os descendentes de Abraão, Isaque e Jacó. Já a nova aliança da graça de Deus foi e é muito mais abrangente, porque atinge pessoas de todos os recantos do mundo. A igreja é quem representa o reino de Cristo sobre a terra, porque Cristo governa na igreja e sobre a igreja. A igreja é a possessão de Deus sobre a terra e sobre o cosmo.

A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS. Deus tem as suas multiformes maneiras de trabalhar pelas suas criaturas, e a chamada da igreja de Cristo foi a mais bela forma do Criador demonstrar sua misericórdia e bondade. O Senhor agiu com sabedoria, que lhe é própria em essência do seu ser, ao resgatar os gentios para ser seu povo, quebrando o monopólio da adoração que era exclusivo de Israel, que não soube líder com tal privilégio.

SEJA CONHECIDA. Onde não se esperava, Deus se revelou com sua sabedoria, aceitando que os povos rejeitados pelo pacto da lei viessem a se tornar o povo especial do Senhor, e com isso, o Criador surpreende, estendendo uma mão amiga, concedendo perdão. Por meio da igreja de Cristo o Deus eterno manifesta sua graça, seu amor e sua bondade, revertendo uma situação que já era de ganho do império das trevas, Deus nunca perde.

DOS PRINCIPADOS. A palavra “principado” em grande parte de suas referências dentro do Novo Testamento diz respeito a seres espirituais das trevas, que são entidades malignas, que agem em determinadas regiões. Mas, no texto, ora em foto, o autor escreve sobre os anjos de Deus que participam do governo de Cristo sobre a igreja. Anjos estes que, o escritor aos Hebreus diz que eles estão a serviço da igreja (Hebreus 2:17).

E POTESTADES. A mesma coisa é que a palavra “potestade” também em sua maioria dentro nas páginas do Novo Testamente diz respeito ao próprio diabo, bem como aos demônios que comandam sobre legiões de anjos das trevas. Neste caso, deste texto, a que estamos comentando, Paulo fala dos arcanjos, dos querubins, dos serafins e outras ordens de anjos de luz. O reino de Deus é bem organizado hierarquicamente.

NOS CÉUS. Esta expressão última do versículo é que nos dá segurança em afirmar que as palavras “principado e potestade” se referem aos anjos poderosos de Deus, que compõem o reino de Deus e de Cristo. O plano de Deus em favor da igreja universal de Cristo faz com que os mais elevados espíritos criados por Deus percebam o quanto o Criador é sábio, poderoso, misericordioso, benevolente, bondoso, amoroso e gracioso.

Efésios 3:9

Efésios 3:9 - E demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério, que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo criou por meio de Jesus Cristo.
E DEMONSTRAR A TODOS. Os judeus não tinham esta preocupação em propagar aos povos a legislação de Moisés, até porque, a antiga aliança de Deus com Israel era nacionalista, e os israelitas faziam questão em monopolizar a Deus e a fé judaica. Já o cristianismo surgiu com um direcionamento diferente, e o próprio Cristo, que foi o seu fundador, disse aos seus seguidores: Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda a criatura (Marcos 16:15). E Paulo foi um dos mais ativos pregadores do evangelho.

QUAL SEJA A DISPENSAÇÃO DO MISTÉRIO. Como missionário transcultural que era, o escritor desta carta, andava de cidade em cidade e de casa em casa, nas ruas e aldeias anunciando este evangelho poderoso. Essa “dispensação” nos fala das riquezas que o evangelho distribui para todos aqueles que andam nos seus caminhos. E o “mistério” nos ensina sobre a nova dispensação da graça de Deus com sua abertura e alcance de todos os povos, nações e línguas, quando a aliança da lei era exclusivista e nacionalista.

QUE DESDE OS SÉCULOS. Já nos primórdios, quando da queda da raça humana, Deus prometera enviar o Cristo para redimir o pecador dos efeitos negativos do pecado com suas consequências (Gênesis 3:15). Bem como, muitos dos antigos profetas, foram usados por Deus, mediante seu Espírito, para da mesma forma prometer a vinda do seu Messias, que seria o Emanuel, ou seja, o próprio Deus no meio dos homens para salvar.

ESTEVE OCULTO EM DEUS. De forma que, o Messias era muito desejado e ao mesmo tempo esperado pelo povo de Israel. Podemos conjecturar que, os filhos de Israel fizeram muitas orações para que o Deus de Abraão, Isaque e Jacó manifestasse seu ungido e enviado, o Messias. No entanto, o Verbo de Deus só veio no momento certo do cronograma das realizações de Deus. Cristo se manifestou na plenitude de Deus.

QUE TUDO CRIOU. Por isso que, as Sagradas Escrituras afirmam que Deus é o Criador de todas as coisas, e assim sendo, todas as coisas tem a sua fonte e origem no Deus Todo-poderoso, aquele que tem o domínio sempiterno. A grandeza de Deus é demonstrada pelos seus poderosos atos de criação, a terra que é gigante, não é o tudo que se pode dizer sobre o Deus Criador, isso porque, o universo com sua vastidão fala muito mais sobre Deus do que a própria terra.

POR MEIO. João 1:1-3 - No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Este assunto gerava polêmica entre os pregadores do evangelho e os seguidores do judaísmo, uma vez que, os judeus não aceitaram que Jesus de Nazaré fosse o Emanuel de Deus. Deus criou todas as coisas por Cristo Jesus, aleluias, glórias a Deus.

DE JESUS CRISTO. Os judeus não acreditaram que Jesus era o Messias, o Emanuel, o Verbo de Deus, o profeta anunciado por Moisés, o Sacerdote eterno segundo o ardem de Melquisedeque, o Rei da descendência de Davi e o Cristo. Todavia, o Senhor Jesus era o enviado de Deus Pai, o ungido do Senhor que se manifestou para produzir resultados positivos entre Deus e os homens, por meio da reconciliação e da paz com a humanidade.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Efésios 3:8

Efésios 3:8 - A mim, o mínimo de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar entre os gentios, por meio do evangelho, as riquezas incompreensíveis de Cristo.
A MIM, O MÍNIMO. Neste mesmo tempo do desenvolvimento da igreja de Cristo, Paulo já era o grande apóstolo dos gentios. Mas nem por isso, agia com prepotência ou orgulho de ser o que era. Nesta colocação feita por ele, se percebe o quanto de sua humildade é demonstrada, ao ponto dele se achar o menor de todos os servos de Cristo. E por que ele se achava o menor do rebanho? Porque antes de se converter para o cristianismo, a serviço do judaísmo e das autoridades judaicas perseguia a igreja remida de Cristo.

DE TODOS OS SANTOS. O autor se reporta a todos aqueles que faziam parte do apostolado, dos ministros do evangelho e da própria igreja amada do Senhor Jesus. Dentre todos aqueles que se consideravam menores do rebanho de Cristo, o apóstolo ainda diz que é menor do que o mais simples dos servos de Cristo. A palavra “santos” dentro deste texto diz respeito a todos aqueles que haviam sido comprados e remidos pelo sangue do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, os justificados em Cristo.

ME FOI DADA ESTA GRAÇA. Para Paulo, exercer com plenitude o seu importante ministério de apóstolo de Cristo aos gentios era na realidade um magnífico presente da parte de Deus para sua vida. Ele era consciente de que não merecia tamanho privilégio, e a isso ele chama de graça, que é um favor não merecido. A forma como o apóstolo fazia a obra de missões era admirável, mas ele não atribuía isso a sua capacidade, mas, a graça de Deus em sua vida.

DE ANUNCIAR ENTRE OS GENTIOS. Conforme ele próprio relata, depois de ter um encontro pessoa com a glória de Cristo, ele foi se preparar, buscando ao Senhor nos desertos da Arábia, por mais de três anos. Pedro o convidou a visitar Jerusalém, certamente para aproveitá-lo junto ao grupo dos doze. Todavia, a chamada do apóstolo era muito importante nos campos missionários transculturais, enviado aos gentios.

POR MEIO DO EVANGELHO. Este evangelho que o apóstolo anunciava era a mensagem das boas novas sobre Cristo e tudo que envolvia a nova aliança da graça de Deus. O evangelho é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crer, na obra perfeita de redenção realizada por Cristo Jesus. Quem segue o caminho iluminado do evangelho das boas novas, conforme a vontade de Deus, o destino é a salvação e a vida eterna.

AS RIQUEZAS INCOMPREENSÍVEIS. Dentro deste texto, quando se fala sobre as riquezas de Cristo está se falando sobre os valores futuros que desfrutarão os remidos do Senhor Jesus, a partir do arrebatamento da igreja. E quando se diz que estas riquezas são incompreensíveis é porque não tem limites, são insondáveis, incomparáveis e eternas. A mente humana não tem a capacidade de perscrutar os valores dos benefícios da salvação em Cristo Jesus.

DE CRISTO. Todas as coisas foram entregues ao Filho de Deus e o próprio Jesus declarou: Todo poder me foi dado no céu e na terra (Mateus 28:18). Os insondáveis benefícios que os salvos em Cristo irão desfrutar na eternidade com Deus são frutos da obra de redenção prodigalizada pelo Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, o Cristo de Deus. Pela propiciação, Jesus idealizou a reconciliação ou paz com Deus e com isso a vida eterna para os que creem no seu nome.

Efésios 3:7

Efésios 3:7 - Do qual fui feito ministro, pelo dom da graça de Deus, que me foi dado segundo a operação do seu poder.
DO QUAL. Este começo de mensagem é uma continuidade do que o escritor vinha falando no texto anterior, sobre o evangelho poderoso de nosso Senhor Jesus Cristo. O evangelho é o poder de Deus para salvação de todo aquele que nele crer, com isso, entende-se que o evangelho das boas novas de Cristo conduz o pecador aos pés da cruz, fazendo com que o homem creia na obra redentora do Cristo de Deus. No evangelho o homem encontra a luz de Deus para seguir a Cristo, que é o caminho a verdade e a vida.

FUI FEITO MINISTRO. Por causa do evangelho de Cristo é que Paulo foi feito ministro. O evangelho pregado por Paulo era diferente do evangelho pregado pelos demais apóstolos, no que tange ao seu direcionamento. Isso porque, os demais apóstolos pregavam o evangelho para os seguidores do judaísmo, pelo menos nos primórdios da igreja primitiva. Enquanto que, Paulo foi feito ministro do evangelho, com uma mensagem voltada para os gentios, é tanto que, ficou sendo conhecido como apóstolo dos gentios.

PELO DOM. O que o autor tenta passar para os seus leitores é que ele era ministro do evangelho das boas novas de Cristo, não porque tivesse capacidade ou habilidade para tamanha responsabilidade, mais sim, porque Deus em sua graça e misericórdia lhe concedeu como dom este ofício. Os dons e os ministérios são dados por Deus aos seus servos para que estes executem sua vontade na terra, no que tange a obra da igreja.

DA GRAÇA DE DEUS. Esta frase é muito mais clara do que a anterior em demonstrar a incapacidade do escritor no exercício do seu ministério. Quando se fala nesta graça de Deus na vida do apóstolo para por em prática o seu ministério, é uma declaração forense de que o mesmo nem de perto merecia tal privilégio de ser um ministro do evangelho. Mas que este era um favor não merecido da parte de Deus para sua vida e missão.

QUE NE FOI DADO. Este favor não merecido de ser um ministro do evangelho na vida de Paulo foi um presente da parte de Deus, a fim de que, o apóstolo cumprisse uma importante missão em levar o evangelho das boas novas em campos missionários transculturais. Dentro dos seus escritos, Paulo deixa bem claro o privilégio que ele tinha de ser chamado por Cristo para ser um instrumento de Deus na pregação do evangelho.

SEGUNDO A OPERAÇÃO. Paulo afirma que não aprendeu sobre o evangelho de Cristo de homem algum, mas sim, diretamente do Pai das luzes. Gálatas 1:11-12 - Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens. Porque não o recebi, nem aprendi de homem algum, mas pela revelação de Jesus Cristo. A operacionalização de Deus na vida de Paulo foi a mais pura demonstração de poder.

DO SEU PODER. Depois de Jesus, o apóstolo Paulo foi uma das personagens mais importante para expansão do evangelho de Cristo em todo o mundo. Depois de ser chamado por Cristo para ser o apóstolo dos gentios. Paulo se preparou com Deus, e saiu pregando uma mensagem do evangelho irresistível. Por onde ele passava pregando as boas novas do evangelho, as pessoas se convertiam, aceitando a Cristo como Senhor e Salvador.

sábado, 19 de novembro de 2016

Efésios 3:6

Efésios 3:6 - A saber, que os gentios são co-herdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho.
A SABER. As revelações que Deus deu a Paulo no tocante ao mistério de Cristo com a sua igreja remida foi muito maior do que aos demais apóstolos. Porque a grupo dos doze não entenderam de princípio, que o novo Israel seria uma igreja composta de judeus e gentios, com todos os povos do mundo. É tanto que os demais apóstolos continuaram exercendo suas atividades em Israel. Paulo porem, foi enviado por Cristo para fazer missões transculturais, na Europa, Ásia e em outras partes do mundo gentílico.

QUE OS GENTIOS. Os judeus se consideravam o povo especial de Deus, por contas das alianças feitas e confirmadas com os patriarcas Abraão, Isaque e Jacó, é tanto que, eles não se juntavam com as demais nações do mundo. Os gentios, assim classificados pelos judeus eram os pagãos, ou os povos de outras nacionalidades. Os gentios também eram chamados de incircuncisos porque não participavam do ato de circuncisão que era decretado para os descendentes de Abraão. Cristo mudou tudo isso pelo evangelho.

SÃO CO-HERDEIROS. A obra de redenção realizada pelo Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo derribou a parede de separação que havia no meio, ou seja a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças. Desde a implantação pelo Messias de Deus da nova dispensação da graça, que os gentios se tornaram participantes do novo pacto e isso foi possível mediante a reconciliação com Deus, onde passou a reinar a paz.

E DE UM MESMO CORPO. De acordo com a nova aliança de Deus com a humanidade, diz o evangelho da paz, que juntou-se judeus e gentios para formar o Israel espiritual de Deus, que é a igreja remida de Cristo. A igreja amada do Senhor Jesus é chamada de "corpo de Cristo", com cada um dos seus participantes chamados de membros de um mesmo corpo. Cristo é o cabeça e todos os membros da igreja formam seu corpo.

E PARTICIPANTES DA PROMESSA. Assim como na dispensação da lei continham muitas e fieis promessas aos que fossem cumpridores da legislação de Moisés. Na nova dispensação não é diferente, e de acordo com o evangelho das boas novas, quem aceitar a Cristo como Senhor e Salvador também é participante das promessas de Deus em Cristo. Estas promessas são no seu ponto mais importante a salvação e vida eterna.

EM CRISTO. Cristo é o centro de tudo, até porque foi o Cristo de Deus quem idealizou a redenção da sua igreja amada. Foi o Messias de Deus quem veio ao planeta terra e pôs em prática o plano da redenção da humanidade. Antes, o que prevalecia era a inimizade entre Deus e os gentios, mas vindo Cristo, o Emanuel de Deus, fez a propiciação dos nossos pecados, efetuando a reconciliação pela paz, tendo como resultado a salvação.

PELO EVANGELHO. A legislação de Moisés era quem continha as regras do pacto de Deus com o seu povo, Israel. Já na nova aliança de Deus com todos os povos do mundo é o evangelho que traz os parâmetros estabelecidos por Cristo. No evangelho o homem encontra o caminho a ser seguido para ter um encontro com Cristo. O evangelho é a legislação de Cristo, por meio do qual, o homem é transformado em uma nova criatura.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Efésios 3:5

Efésios 3:5 - O qual noutros séculos não foi manifestado aos filhos dos homens, como agora tem sido revelado pelo Espírito Santo aos seus santos apóstolos e profetas.
O QUAL NOUTROS SÉCULOS. “O qual” se refere ao Cristo de Deus, ele que também era o Messias prometido, que veio como sendo o Emanuel, ou seja, Deus entre os homens. Seu nome próprio era “Jesus” que significa: Aquele que veio para salvar o seu povo dos seus pecados, e ficou sendo também conhecido como Jesus de Nazaré. Já a “noutros séculos” diz respeito ao tempo da velha dispensação, antes da vinda do Filho de Deus. O Criador, apesar de não está sujeito ao tempo, mas ele trabalha no tempo dos homens.

NÃO FOI MANIFESTADO. Não que o Cristo de Deus estivesse inerte durante o tempo de sua eternidade passada, mas ele se manifestou somente no tempo profético programado pelo Pai. No entanto, os estudiosos do Velho Testamento citam várias ações pontuais da presença do Cristo de Deus na história de Israel. Agora, o ato da encarnação do Filho de Deus, se deu no momento a que o próprio Paulo chama de plenitude do tempo (Gálatas 4:4). É bom lembrar que Cristo sempre existiu com o Pai, por isso que ele é eterno.

AOS FILHOS DOS HOMENS. Na terra, os filhos dos homens sempre foram o alvo das ações mais importantes do Criador. Até porque como dizem os pregadores da palavra de Deus: O homem foi e é a coroa da criação de Deus. Neste sentido é que, o Cristo de Deus não havia se manifestado como homem para os homens, como aconteceu com o nascimento de Jesus. Mas, antes, suas ações eram permanentes em favor dos homens.

COMO AGORA TEM SIDO REVELADO. Este “agora” diz respeito a manifestação do Cristo de Deus, como sendo o Messias prometido, que veio incorporar o Emanuel de Deus, uma vez que Jesus era Deus entre os homens. O Cristo de Deus se deu a conhecer por meio de sua obra perfeita e completa de redenção em prol dos filhos dos homens, quando na plenitude dos tempos tomou a forma de homem, e habitou entre nós.

PELO ESPÍRITO SANTO. Durante toda a sua manifestação no planeta terra, foi marcante a presença e ações do Espirito Santo de Deus na vida e no ministério do Senhor Jesus. O evangelho nos revela que o Filho de Deus foi gerado pelo Espirito Santo, por isso que ele era o Emanuel, ou seja, Deus entre os homens. Em nenhum momento de sua vida e ministério, Jesus ficou sozinho em suas atividades, o Espírito de Deus estava sempre com ele.

AOS SEUS SANTOS APÓSTOLOS. Cumprindo a sua importante missão de resgatar os pecadores para o seu reino e luz, Jesus subiu para estar assentado a destra da majestade celestial, o Pai eterno. No entanto, deixou os seus apóstolos para dar continuidade à obra de sua igreja remida na terra. Os apóstolos eram santos, porque foram separados por Cristo para receberem as revelações do Espírito Santo na edificação da igreja remida do Senhor.

E PROFETAS. Os apóstolos foram aqueles que conviveram diretamente com Cristo em seu ministério e que foram chamados pelo Senhor, incluindo o apóstolo Paulo. Porem, os apóstolos partiram e a obra de Deus precisava continuar, e isso foi possível, pela chamada dos conhecidos líderes do cristianismo, a quem o escritor chama de profetas. E mesmo no tempo dos apóstolos existiam muitos outros líderes do cristianismo espalhados na terra.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Efésios 3:4

Efésios 3:4 - Por isso, quando ledes, podeis perceber a minha compreensão do mistério de Cristo.
POR ISSO. O escritor está se referindo a sua compreensão em profundidade da nova dispensação da graça implantada por Cristo, quanto ao seu alcance universal, atingindo tanto judeus quanto gentios. No capítulo anterior, o autor explica como isso foi possível, mediante a retirada do obstáculo que havia que era justamente a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, mas que no fundo tornava o pacto nacionalista, incluindo Israel e excluindo as demais nações do mundo. Já o pacto da nova aliança inclui todos os povos do mundo, os gentios, os bárbaros e até os pagãos que aceitam a Cristo Jesus.

QUANDO LEDES. Esta carta como um todo, como também os escritos de Paulo em termos gerais são um tratado de suma importância, no que diz respeito, às descobertas de como Deus trata a igreja de Cristo, composta de judeus e gentios, e porque não dizer de todos os povos. Quando Paulo escreveu esta sua epístola, o seu grande desejo era de que a mesma cumprisse seu papel chegando aos destinatários, que eram justamente os seguidores de Cristo que estavam na cidade de Éfeso. E o objetivo fica bem definido em que ele quer que todos venham a ler esta missiva e descobrir as revelações a ele dadas.

PODEIS PERCEBER. A epístola aos Efésios é um dos documentos do Novo Testamento de alto nível cultural e espiritual, ao ponto de alguns comentaristas chegarem a afirmar que, essa carta é a mais profunda de todas. Todos aqueles que têm o privilégio de ler este documentário de cunho religioso ficam encantados pelos temas e assuntos abordados na mesmo. É algo impressionante a forma como o escritor trata das doutrinas cristãs bem como da forma profunda como Deus trata a igreja de Cristo, bem como o elevado conceito transmitido sobre Cristo e seu poder sobre tudo e sobre todos.

A MINHA COMPREENSÃO. Quem dos escritores do Novo Testamento mais do que Paulo tenha tido compreensão do evangelho das boas novas de Cristo? A participação do apóstolo dos gentios nos escritos do Novo Tradado da igreja sempre foi visto como revelações diretas do coração de Deus, para iluminar a nova comunidade do Senhor, em como fazer e cumprir os planos do Criador para a humanidade. As cartas de Paulo iluminam com tamanha clareza o evangelho de Cristo, que até as pessoas mais simples do meio cristão pode entender seus ensinos, até porque o evangelho é um mistério revelado.

DO MISTÉRIO. Esse mistério a que se refere o escritor, diz respeito à nova dispensação da graça, que foi implantada por Cristo e que envolve um novo tempo de ação de Deus com toda a humanidade. A obra perfeita de redenção executado pelo Senhor Jesus, em que, o sacrifício propiciatório do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo é suficiente para estabelecer a paz universal pela reconciliação, esse é o mistério de Cristo com sua igreja.

DE CRISTO. Falar sobre Cristo é revelar tudo que envolve a vinda do Messias de Deus, ele que já era esperado até mesmo antes de sua manifestação na terra. Também é se reportar sobre o Emanuel de Deus, e isso inclui a perfeita epifania do Deus homem, Jesus Cristo. O mistério consiste em que o homem, Jesus de Nazaré, foi à encarnação do Filho de Deus, o Messias e Emanuel de Deus. Hoje esse mistério é conhecido pela igreja remida.

Efésios 3:2-3

Efésios 3:2-3 - Se é que tendes ouvido a dispensação da graça de Deus, que para convosco me foi dada. Como me foi este mistério manifestado pela revelação, como antes um pouco vos escrevi.
SE É QUE TENDES OUVIDO. Alguns que são contrários a autoria Paulina da carta aos Efésios tomam frases como esta para questionarem se realmente Paulo foi quem escreveu esta missiva. Porem, pode-se conjecturar que o apóstolo, quando da fundação daquela igreja, não tenha pregado ou dado seu testemunho pessoal sobre as revelações de Deus em sua vida, no que concerne a seus trabalhos para com os gentios. Mas que Timóteo e outros tenham, como representantes de Paulo, falado sobre este assunto.

A DISPENSAÇÃO DESTA GRAÇA DE DEUS. Neste caso, a palavra “dispensação” diz respeito ao acúmulo de conhecimentos que o apóstolo tinha da parte de Deus, quanto ao mistério do Senhor para a igreja remida de Cristo composta por gentios. Esta graça sobre a qual fala o escritor, tanto estava sobre sua próprio pessoa, como e principalmente sobre os gentios. Os judeus se achavam merecedores das bênçãos de Deus, mas, os gentios, não.

QUE PARA CONVOSCO. Essa é uma colocação que pode se referir aos próprios seguidores de Cristo na cidade de Éfeso, que eram os leitores ou destinatários desta carta. Como e principalmente os gentios de um modo geral, sobre quem o tema mais abrangente atinge. Passagens como esta, que não cita o nome dos destinatários, gera força nos defensores da não autoria de Paulo a esta carta, mas, que não tem sustentação firme.

ME FOI DADA. Verdade é que o apostolado de Paulo foi absolutamente diferente dos demais apóstolos de Cristo. Os demais apóstolos do Senhor Jesus, de princípio não entenderam o ide imperativo do Mestre e concentraram suas atividades em Israel e na Palestina, vindo a sair desta zona de conforto somente depois dos anos setenta, com a destruição de Jerusalém. Paulo dedicou seu apostolado a obra missionária aos gentios.

COMO ME FOI ESTE MISTÉRIO. O apóstolo teve um encontro pessoal com o Senhor Jesus Cristo na estrada de Damasco, quando pretendia perseguir a igreja de Cristo. Ele passou mais de três anos nos desertos da Arábia, certamente buscando as revelações de Cristo para exercer seu trabalho missionário rumo aos gentios. Diferente dos demais apóstolos, ele teve uma revelação em profundidade da graça de Deus para com os gentios.

MANIFESTADO PELA REVELAÇÃO. O próprio Paulo diz que foi arrebatado até ao terceiro céu e ouviu palavras inefáveis. Os mais de três anos que Paulo passou no deserto da Arábia é bem provável que ele cuidou em se preparar e buscar a revelação de Deus para exercer com excelência seu apostolado no mundo gentílico. Deus mediante o Espírito Santo, por meio de Cristo, mostrou ao apóstolo coisas relevantes para a igreja gentílica.

COMO ANTES UM POUCO VOS ESCREVI. Há certos debates quanto ao que Paulo escreve nestas palavras, como se ele se referisse a uma epístola que foi perdida, por não fazer parte do Canon do Novo Testamento. Mas, grande parte dos comentaristas afirmam que, a citação feita pelo escritor diz respeito ao primeiro capítulo desta mesma carta. Seja como for, o que podemos afirmar é que o autor escreve sobre os mistérios de Deus.

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Efésios 3:1

Efésios 3:1 - Por esta causa eu, Paulo, sou o prisioneiro de Jesus Cristo por vós, os gentios.
POR ESSA CAUSA. Essa frase é uma continuidade do que o escritor vinha falando anteriormente sobre os privilégios que os gentios tinham de ser, de acordo com a nova dispensação da graça, participantes da igreja remida de Cristo. O apóstolo teve uma compreensão mais aguçada do que os demais apóstolos sobre a graça de Deus derramada abundantemente sobre os gentios, é tanto que, ele foi chamado por Cristo para ser seu apóstolo enviado ao mundo gentílico, para fazer missões transculturais.

EU. Existem alguns defensores da não autoria de Paulo, quanto a esta carta aos Efésios, porem, este pronome na primeira pessoa do singular, reforça a tese e a tradição cristã de que realmente foi o apóstolo Paulo o autor desta importante e profunda missiva do Novo Testamento. O “eu” de forma enfática, dentro do texto, também enfraquece a hipótese de que seria um dos companheiros de Paulo quem teria usado a autoridade do grande apóstolo, para em seu nome escrever esta carta, o que era comum para a época.

PAULO. O apóstolo de Cristo aos gentios foi na realidade uma das mais importantes líderes da igreja primitiva, principalmente para a igreja gentílica. Paulo, antes de ter um encontro pessoal com o Senhor Jesus na estrada de Damasco era mais conhecido como Saulo de Tarso, certamente por ter nascido em Tarso da Cicília. Pedro até tentou introduzir a Paulo entre o grupo dos doze apóstolos, mas a tentativa foi frustrada, com isso, Paulo passou a cumprir sua missão em pregar o evangelho no mundo gentílico.

SOU PRISIONEIRO. Esta expressão usada pelo escritor pode representar duas verdades perfeitamente aceitáveis. Em que uma delas é a de que, Paulo se sentia prisioneiro de Cristo pelo fato de tê-lo aceitado como Senhor, e com isso, não mais fazia a sua própria vontade. A segunda diz respeito aos vários aprisionamentos que o apóstolo sofreu por ser um pregador do evangelho das boas nova de Cristo Jesus em Éfeso, Cesaréia e Roma.

DE JESUS CRISTO. Jesus é o nome próprio do Filho de Deus e quer dizer: Aquele que veio salvar o seu povo dos seus pecados (Mateus 1:21). Ele também era conhecido como Jesus de Nazaré, por conta de ter vivido naquele lugar. Já o sobrenome Cristo nos ensina sobre sua missão como sendo o Messias de Deus que veio para efetuar a propiciação dos nossos pecados, realizando a reconciliação entre Deus e os homens, mediante a expiação.

POR VÓS. Alguém chaga a dizer que Paulo estava neste momento preso por causa da igreja de Cristo que estava na cidade de Éfeso, mas isso não passa de conjectura, até porque logo em seguida ele dá uma justificativa mais abrangente. O fato é que a igreja de Cristo que estava na cidade de Éfeso era composta de pessoas, pelo menos na sua grande maioria de gentios e não judeus. Paulo fala, neste particular, de sua chamada.

OS GENTIOS. Paulo era judeu, da tribo de Benjamim, e como tal, ele tinha conceitos bem definidos do que era ser um israelita ou um gentio. Para um judeu, principalmente um judeu ortodoxo, um gentio era aquela pessoa que não fazia parte das alianças com o Deus de Abraão, Isaque e Jacó. Para os judeus os gentios também eram pagãos, incircuncisos.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Efésios 2:21-22

Efésios 2:21-22 - No qual, todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor. No qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus em Espírito.
NO QUAL, TODO EDIFÍCIO. “No qual” se refere a Cristo Jesus sobre o qual a igreja está edificada para morada de Deus em Espírito. O escritor fala a respeito da igreja remida de Cristo como um edifício que foi construído por Deus, em que cada servo do Senhor Jesus é uma pedra vida, onde Cristo é a principal pedra da esquina, que dá toda a sustentação a estrutura do templo. Onde os começos teve a participação importante dos apóstolos e profetas, em que tudo já está preparado para morada de Deus no Espírito Santo.

BEM AJUSTADO, CRESCE. Este “bem ajustado” nos ensina sobre a segurança do edifício com cada pedra ocupando o seu devido lugar, bem encaixada uma na outra, sem se mover do seu lugar, nem se afastar uma da outra. Desde os tempos dos apóstolos que este edifício vem crescendo cada vez mais, ao ponto da igreja de Cristo se tornar em um grande templo, abrangendo todas as nações do mundo, porque a igreja é internacional.

PARA TEMPLO SANTO NO SENHOR. A igreja de Cristo é uma grande construção em que se constitui em um templo habitável no Senhor. Quando se diz que este templo é “santo” é porque se trata de uma igreja purificada pelo sangue do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. E quando se diz que a igreja é um templo santo no Senhor é porque tudo provem de Cristo, que dos dois povos, judeus e gentios fez um em paz com Deus.

NO QUAL TAMBÉM VÓS. Os leitores de Paulo, que eram os gentios, povos que antes eram pagãos, mas que pelo poder regenerador do evangelho, agora, faziam parte da família de Deus. “No qual” é porque em Cristo é que os gentios tiveram o direito de se aproximarem de Deus, uma vez que, o Cristo de Deus reconciliou a todos com Deus, mediante seu sacrifício de propiciação, e com isso estabeleceu a reconciliação e a paz.

JUNTAMENTE SOIS EDIFICADOS. Os gentios, agora, como participantes da igreja de Cristo, coisa que no tempo da velha dispensação, estavam separados e longe das alianças de Deus, agora eram juntamente edificados como habitação de Deus. Disto se pode falar da forma como os missionários cristãos espalhavam em todas as partes do mundo gentílico as boas novas do evangelho de Cristo, cumprindo o ide imperativo de Cristo.

PARA MORADA DE DEUS. A igreja remida de Cristo é comparada metaforicamente a um grande e portentoso edifício em que nele Deus faz morada permanente. No tempo da velha dispensação, era no templo de Jerusalém, o lugar quem que os filhos de Israel se reunião em suas celebrações, porque lá Deus vinha habitar no meio do povo de Deus. Com a inauguração da nova dispensação é na igreja espiritual de Cristo que Deus habita.

EM ESPÍRITO. Cada um dos servos de Cristo se constitui em Pedra viva do grande edifício chamado “igreja de Cristo”, portanto, Deus mora dentro de cada um daqueles que nasceram de novo, pelo seu Santo Espírito. Cristo prometeu que, enviaria o Consolador e no dia de pentecostes ele cumpriu a promessa. Desde então, até o arrebatamento da igreja, o Espírito de Deus faz morada na vida dos discípulos de Cristo, como sua habitação.

Efésios 2:20

Efésios 2:20 - Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina.
EDIFICADOS. Os leitores de Paulo estavam fora do arraial dos santos, porque estavam longe de Deus, Todavia, a obra de redenção realizada por Cristo foi o suficiente para que os gentios alcançasse paz com Deus. E, agora, fazendo parte da família de Deus, são edificados com o evangelho que transforma. Essa edificação espiritual diz respeito a vida cristã ideal que os discípulos de Cristo participam para viverem dignamente na presença de Deus, buscando realizar a vontade do Pai, sendo iluminados pela verdade de Deus.

SOBRE O FUNDAMENTO. Cristo cumpriu a sua missão redentora no planeta terra e subiu para estar assentado a destra de Deus em lugar de destaque perante toda a criação. Mas, ao sair da terra, ele constituiu os seus apóstolos como seus sucessores, no tocante a dar continuidade aos trabalhos do cristianismo na terra. Os apóstolos como representantes de Cristo tinham papeis fundamentais no crescimento da igreja de Cristo na terra. Portanto, tinham a função de pregar o evangelho de Cristo em todo o mundo.

DOS APÓSTOLOS. Estes foram todos aqueles que foram chamados diretamente por Cristo como cooperadores do ministério pessoal do Senhor Jesus, em que de princípio foram doze. Um deles se desviou da verdade, que foi Judas Iscariotes, o traidor, que já dentro da era dos apóstolos foi substituído por Matias. E temos também o grande apóstolo Paulo, chamado de apóstolo de Jesus Cristo aos gentios, que foi chamado pelo Senhor Jesus depois de sua ascensão. Paulo destaca o trabalho dos apóstolos e chama de fundamento.

E PROFETAS. Há quem diga que o escritor desta belíssima carta aos Efésios se refira aos profetas da antiga dispensação. No entanto, o argumento mais forte é de que ele esteja se referindo a todos os líderes da igreja primitiva, aqueles que pregavam as boas novas do evangelho da graça de Deus. Os missionários que se espalharam por todo o mundo, cumprindo o ide imperativo de Cristo Jesus. O ministério profético estava em vigor.

DE QUE JESUS CRISTO. Tanto os apóstolos, quanto os demais líderes da igreja primitiva passaram a apresentar a Cristo Jesus como sendo a principal personagem da nova realidade religiosa do mundo. Os representantes do reino de Deus apresentavam ao povo uma mensagem Cristocêntrica, em que Jesus Cristo era de fato e na realidade o Messias esperando, mais que foi rejeitado por Israel, para ser aceito por todos os gentios.

É A PRINCIPAL PEDRA. Esta é uma citação de Salmos 118:22 e Isaías 28:16 em que já profetizava a respeito do Messias e sua importância no plano de Deus para a nova dispensação da graça. Esta é uma metáfora que o escritor cita para destacar a importância do Senhor Jesus, na edificação de sua igreja na terra. A pedra de esquina era quem fazia a ligação de toda uma estrutura de uma construção de um edifício ou casa.

DA ESQUINA. Esta pedra da esquina era trabalhada de tal maneira a que servisse se amarração em que sustentava as demais paredes de uma casa ou edifício, isso no tempo e nos locais em que as casas eram feitas de pedras. Cristo é quem se posiciona como sendo a pedra da esquina, no edifício espiritual chamado igreja viva de Deus.

Efésios 2:19

Efésios 2:19 - Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus.
ASSIM QUE JÁ NÃO SOIS. Antes de se converterem ao verdadeiro cristianismo, os leitores de Paulo eram pessoas que viviam sem Deus no mundo, separados da comunidade de Israel, portanto, sem participarem das alianças do povo de Deus. Mas, com a implantação da nova aliança da graça de Deus por meio do Messias, agora, o povo de Deus que fazia parte da igreja cristã da cidade de Éfeso eram considerados da família de Deus, isso porque aceitaram a Cristo como Senhor e Salvador (João 1:10-11).

ESTRANGEIROS. Os gentios, ainda no tempo da lei, eram considerados e taxados pelos judeus de estrangeiros ou alheios aos planos de Deus, e isso porque, não participavam das alianças, como o Israel de Deus. Essa designação para um judeu puritano era a mesma coisa que dizer que, os gentios não faziam parte das bênçãos de Deus para o seu povo. Os israelitas viam os estrangeiros ou os povos de outras nações como gentes pagãs e impuras, destituídos dos benefícios provenientes das promessas de Deus.

NEM FORASTEIROS. A palavra forasteiro neste caso é designada para descrever alguém que não tem um lugar próprio para morar ou habitar. Para os judeus, os gentios eram pessoas desprovidas de segurança quanto a suas próprias nacionalidades. No caso dos seguidores de Cristo na cidade de Éfeso, o escritor afirma que eles não eram forasteiros, isso porque tinham a promessa da parte de Cristo de irem morar na nova Jerusalém.

MAS CONCIDADÃOS. Os gentios não eram considerados pelos israelitas como gente, no que diz respeito aos planos de Deus. Um judeu radical, quanto a sua vida religiosa, chegava a pensar que um gentio era como um animal, desprovido de alma. Porem, na nova comunidade, chamada igreja de Cristo, quem dela faz parte, é um cidadão dos céus, como um judeu, que fazia parte da comunidade de Israel e do povo de Deus.

DOS SANTOS. Para os filhos de Israel, ser santo era cumprir fielmente todas as exigências da legislação de Moisés, guardando os seus mandamentos, estatutos e juízos. Já no tempo da nova dispensação da graça, ser santo é ser justificado gratuitamente pelo sacrifício expiatório do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, Jesus Cristo. Quem faz parte da igreja é santificado pela justificação que há em Cristo Jesus, nosso Senhor.

E DA FAMÍLIA. A família é a célula máster da sociedade, onde a comunhão entre seus membros deve ser perfeita. Assim é o relacionamento entre os membros da nova comunidade cristã com o Pai da grande família que é Deus. Todos aqueles que fazem parte da igreja de Cristo tem livre acesso ao Deus de amor e de bondade. Todos aqueles que nascem de novo pela regeneração da palavra do evangelho se torna filho de Deus.

DE DEUS. Desde a vinda do Messias de Deus e com a implantação de um novo tempo, chamado nova dispensação da graça, que o relacionamento e comunhão do Criador com os seres humanos foi aperfeiçoado. Quem está em Cristo Jesus, tem livre acesso ao trono da graça, dirigindo suas orações ao Deus que ouve a todos e responde as petições dos seus filhos. Os que estavam longe, os gentios, hoje fazem parte da família de Deus.

domingo, 6 de novembro de 2016

Efésios 2:17-18

Efésios 2:17-18 - E, vindo, ele evangelizou a paz, a vós que estáveis longe, e aos que estavam perto. Porque por ele ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito.
E, VINDO ELE. “Ele” diz respeito ao Messias de que veio ao mundo como sendo o Emanuel, ou seja, Deus entre os homens. Ele é Jesus de Nazaré o Salvador da humanidade, até porque o seu próprio nome significa Salvador. Ele é o Cristo de Deus que se manifestou para realizar a propiciação e por meio da reconciliação prodigalizar a paz. Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, uma vez que, o seu sacrifício expiatório foi suficiente para redimir os pecados. Ele é o Verbo de Deus ou sua palavra.

EVANGELIZOU A PAZ. Antes mesmo de sua vinda, o Messias de Deus já era esperando como sendo o profeta de Deus que viria, conforme predisse Moisés Deuteronômio 18:18 - 18 Eis lhes suscitarei um profeta do meio de seus irmãos, como tu, e porei as minhas palavras na sua boca, e ele lhes falará tudo o que eu lhe ordenar. Cristo Jesus cumpriu com sucesso absoluto seu ministério de pregação, pregando o evangelho das boas novas e anunciando a paz entre Deus e os homens.

A VÓS QUE ESTÁVEIS LONGE. Na realidade ele não escreveu nenhuma obra literária, mas suas pregações chegaram a todos os lugares do mundo. Cristo cumpriu seu ministério de evangelização, e ao partir para se assentar a destra de Deus nas maiores alturas, ordenou aos seus servos que pregassem o evangelho das boas novas a todas as nações do mundo. Os apóstolos e lideranças da igreja primitiva cumpriram a ordem de Cristo.

E AOS QUE ESTAVAM PERTO. Aos judeus, o próprio Senhor Jesus cuidou em cumprir sua missão de propagar o evangelho da verdade. O foto é que, o Messias de Deus veio para os que eram seus, desta forma, Jesus concentrou suas atividades evangelísticas em Israel e na Palestina. Quando se diz que Israel estava perto é porque os judeus eram aqueles que foram alvo da aliança de Deus com os patriarcas Abraão, Isaque e Jacó.

PORQUE POR ELE AMBOS. O trabalho perfeito do Cristo de Deus foi quem criou este elo ou ponte que nos dá acesso ao trono da graça. A vinda do Messias de Deus como redentor da humanidade abriu a estrada de volta, para que os homens retornassem aos braços de Deus, como quando no princípio, antes da queda, o homem tinha plena comunhão com seu Criador. Hoje, tanto judeus como gentios tem livre acesso ao Pai.

TEMOS ACESSO AO PAI. Esse acesso só é possível por meio de Cristo, ele disse: Eu sou o caminho, a verdade e a vida, e ninguém vai ao Pai, senão por mim (João 14:6). E o próprio Paulo deixou registrado que, Cristo é o único Mediador entre Deus e os homens (1 Timóteo 2:5). A obra completa de propiciação realizada pelo Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo removeu a inimizade para que pela reconciliação criar a paz.

EM UM MESMO ESPÍRITO. Cristo, quando ainda cumpria sua missão como sendo o Messias ou ungido de Deus Pai, prometeu que com sua ascensão para se assentar a destra de Deus, enviaria o Espírito Santo para estar com sua igreja. É justamente pelo Espírito Santo de Deus que os remidos de Cristo têm essa comunhão com os céus, uma vez que, é ele quem intercede por nós, com gemidos inexprimíveis (Romanos 8:26).

Efésios 2:16

Efésios 2:16 - E pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades.
E PELA CRUZ. A cruz, neste caso nos fala sobre o sacrifício expiatório de Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. O fato é que Deus estava irado contra toda humanidade inclusive com o seu povo Israel, pelo estado de rebelião e apostasia que prevalecia sobre toda a terra, em que os seres humanos davam as costas para o seu Criador. E Cristo veio para ser sacrificado em lugar dos pecados, servindo assim, em um ato de propiciação para aplacar a ira de Deus, estabelecendo desta forma a reconciliação, e com isso veio a paz.

RECONCILIAR. Antes da vinda do Messias de Deus, Jesus Cristo, o que predominava no mundo era a inimizade, inimizade de Israel com os gentios e vice versa, e inimizade de todos os povos contra a vontade de Deus. Mas a obra perfeita de redenção realizada pelo Emanuel de Deus venceu a reconciliação, uma vez que, Deus aceitou o sacrifício de Cristo como um ato que estabeleceu a paz. Deus estava em Cristo Jesus, reconciliando o mundo consigo mesmo, e em vez de tomar uma atitude de vingança aceitou a paz universal.

AMBOS. Por um lado, estava o povo de Israel, os mesmos que foram tirados da terra do Egito e posto por Deus em uma terra boa, de muita fartura, terra que manava leite e mel, terra abençoada por Deus, mas que se encontrava desviado do seu Deus. Do outro lado, estavam os gentios que não faziam parte das alianças com o Deus de Israel. As demais nações do mundo serviam as falsas divindades, por meio dos ídolos e imagens.

COM DEUS. O ato da reconciliação realizado por Cristo Jesus trouxe os judeus que estavam desviados dos planos de Deus, por desprezarem a legislação de Moisés, como também os gentios que se mantinham no estado de rebelião para junto de Deus. A reconciliação cria um novo status de comunhão entre todos os povos do mundo e o Deus Criador, que em vez de castigar a humanidade, revolveu amar o mundo em Cristo Jesus.

EM UM CORPO. Juntando judeus e gentios em um mesmo corpo, temos então a igreja remida do Senhor Jesus que, com a implantação da nova dispensação da graça, passou a ser o novo Israel espiritual de Deus. O evangelho declara que a igreja de Deus, representa o corpo de Cristo na terra, porque todos aqueles que fazem parte da igreja remida do Cristo de Deus é um membro do corpo do Senhor Jesus nesta Terra.

MATANDO COM ELA. O pronome “ela” se refere a “cruz” sobre a qual Deus em Cristo estava reconciliando consigo mesmo o mundo, criando dos dois povos (judeus e Gentios) a sua igreja amada. O sacrifício voluntário e de amor que o Cordeiro de Deus efetuou na cruz pela sua igreja, aniquilou a inimizade, onde o resultado foi a paz do Criador com toda a sua criação, mas especificamente com a igreja remida de Cristo Jesus.

AS INIMIZADES. Esta inimizade tinha como efeito a desobediência dos filhos de Israel contra o seu Deus, isso porque eles estavam sempre se desviando dos caminhos do Senhor e apostatando da fé judaica. Já no lado dos gentios esta inimizade era sinônimo de rebelião por atos contínuos de alienação dos planos de Deus. No entanto, o amor de Deus prevaleceu e o resultado é o que se ver em todo o mundo, Cristo reinando pela igreja.

Efésios 2:15

Efésios 2:15 - Na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz.
NA SUA CARNE. Os judeus não aceitaram de que em Jesus estava o Messias, nem muito menos que ele fosse o Emanuel, ou seja, Deus entre os homens. Já os gnósticos não acreditavam que o Cristo de Deus havia encarnado na pessoa de Jesus de Nazaré, por isso que negavam a encarnação do Verbo de Deus, afirmando de que Jesus não era homem, mas sim, mais um aeon que havia se manifestado na terra. No entanto, Jesus Cristo, era o Verbo que se fez carne e habitou entre os homens, como sendo um homem.

DESFEZ A INIMIZADE. O pacto nacionalista entre Deus e o seu povo Israel estabeleceu uma inimizade entre o Criador e as demais nações do mundo, até porque somente Israel se submeteu as regras desta aliança. Todavia, a vinda do Messias, como sendo o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, com seu sacrifício expiatório, desfez essa separação de povos, em que os sentimentos de ódio foram aniquilados pela paz de Cristo.

ISTO É, A LEI DOS MANDAMENTOS. O apóstolo se refere à lei de Moisés, que foi dada por Deus para que os filhos de Israel exercessem plena comunhão com o Deus único e verdadeiro. Lei esta que era exclusivista, e por isso, separava as demais nações do mundo com descriminação pelo povo judeu. De acordo com a legislação de Moisés, que era de Israel pertencia a Deus, mas os demais povos eram gentios, pagãos e do diabo.

QUE CONSISTIA EM ORDENANÇAS. Todas as ordenanças da lei eram voltadas para o povo de Israel, quem não era descendente dos patriarcas Abraão, Isaque e Jacó, não tinham direito as promessas contidas na lei dos mandamentos, a não ser como prosélito de segundo plano. Os mandamentos da lei de Moisés consistiam em ordenanças para o povo judeu e não para os gentios, que não eram aceitos pelos judeus.

PARA CRIAR EM SI MESMO. Percebe-se o valor incalculável da propiciação realizada por Cristo, quando ele no seu sacrifício de amor mudou toda uma situação que era desfavorável para as demais nações do mundo, os gentios, porque em si mesmo ele constituiu uma nova modalidade de relação entre todos os povos e entre Deus e suas criaturas. A morte expiatória do cordeiro de Deus abriu a parta da graça para todos.

DOS DOIS UM NOVO HOMEM. Agora, em Cristo Jesus, não existe judeu nem gentio, mas sim, os remidos de Cristo, que de qualquer nação do mundo faz parte da igreja amada do Senhor Jesus. A obra perfeita de redenção é que criou o mecanismo do novo nascimento para todos aqueles que aceitam a Cristo como Senhor e Salvação. E isso não vem da nacionalidade do ser humano, mas sim, de um verdadeiro arrependimento e fé.

FAZENDO A PAZ. Quem conhece a história da humanidade antes da vinda do Messias de Deus sabe que os povos antigos eram terríveis no que diz respeito a guerrearem uns com os outros, é tanto que Israel sempre enfrentou grandes batalhas com as demais nações. Porem, a vinda de Cristo melhorou substancialmente este aspecto, porque ele estabeleceu a paz. Principalmente a paz pela reconciliação entre Deus e a humanidade.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Efésios 2:14

Efésios 2:14 - Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio.
PORQUE ELE. O apóstolo esta se referindo a Cristo Jesus, o Filho de Deus. Jesus era na verdade o Messias prometido, conforme as profecias messiânicas do Velho Testamento, sobre as quais falaram os servos de Deus. Jesus era também o Emanuel, ou seja, Deus entre os homens, ele que veio como sendo o Filho de Deus, porque foi gerado pelo Espírito Santo de Deus. Também conhecido como Jesus de Nazaré, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, o profeta de Deus, Rei e Sacerdote eterno de Deus Pai.

É A NOSSA PAZ. Por que Cristo Jesus é a nossa paz? Porque a missão do Messias de Deus nos ensina sobre a reconciliação entre Deus e a humanidade, em Cristo Jesus, Deus estava reconciliando o mundo consigo mesmo. Esta paz, só foi possível por meio da propiciação realizada pelo Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, e a propiciação tem tudo a ver com a expiação dos pecados da humanidade, uma vez que, Cristo foi crucificado me lugar dos pecadores, o castigo que nos trás a paz estava sobre ele.

O QUAL. Mais uma vez o escritor coloca em evidência a pessoa bendita de Cristo Jesus o verbo de Deus. A obra perfeita realizada pelo Cristo de Deus trouxe benefícios incalculáveis para toda a humanidade, incluindo os judeus e principalmente os que fazem parte da igreja de Cristo. Cristo por meio da reconciliação aproximou todos os povos do mundo, pelo elo da nova aliança da graça, e isso foi possível pela redenção.

DE AMBOS OS POVOS. Paulo se reporta aos judeus, que eram os filhos de Israel, descendentes de Abraão com quem o Senhor fez o pacto da circuncisão. Este povo era o povo especial do Deus de Abraão, Isaque e Jacó. Do outro lado, o autor também fala sobre os gentios, que eram todas as demais nações do mundo, os pagãos que não faziam parte do primeiro tratado. A igreja de Cristo é composta por todos os povos do mundo.

FEZ UM. Este “um” diz respeito a igreja remida do Cristo de Deus, o novo Israel espiritual constituído de pessoas de todas as nações do mundo, incluindo os judeus também. A igreja amada do Senhor Jesus é quem depois da implantação da nova aliança da graça de Deus representa na terra o reino de Deus e de Cristo. Fazer parte da igreja de Cristo é fazer parte da família de Deus, como co-herdeiro de Deus em Cristo para a vida eterna.

E DERRUBANDO A PAREDE DE SEPARAÇÃO. Quando Cristo Jesus inspirou e deu o brado na cruz do calvário, o véu do templo se rasgou de alto a baixo, simbolizando um novo tempo de comunhão com Deus e de aceso aos céus. Tudo que impedia dos gentios se aproximarem de Deus foi removido criando um novo ambiente para uma comunhão perfeita e direta entre a criatura e o seu criador. Hoje todos têm aceso ao trona da graça.

QUE ESTAVA NO MEIO. Podemos citar uma série de empecilhos que impediam dos gentios se aproximarem de Deus. Mas, um dos mais fortes que podemos destacar era a lei de Moisés, que foi estabelecida com exclusividade para Israel, eliminando a possibilidade das demais nações fazerem parte deste pacto. Por um lado, Israel monopolizava a fé judaica e por outro, os gentios se sentiam excluídos desta aliança.