Pesquisar este blog

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Efésios 6:6

Efésios 6:6 - Não servindo à vista, como para agradar aos homens, mas como servos de Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus.
NÃO SERVINDO A VISTA. Paulo fala sobre aquele tipo de servo que, enquanto estava sendo fiscalizado pelo seu patrão, trabalhava muito e de maneira correta e honesta, porem, quando o seu senhor não estava presente, desleixava dos seus deveres, não cumprindo suas obrigações, e fazendo seu serviço de forma desonesta. Esse tipo de servo pode ser chamado de pessoas de dupla personalidade, o que não pode acontecer com quem serve a Cristo, em que a sinceridade deve ser seu ponto mais forte de vida.

COMO PARA AGRADAR. Essa é uma crítica direta e exclusiva aos bajuladores que, na presença do seu superior procura fazer a coisa certa, com o objetivo de ganhar pontos, enquanto que na ausência, age ao contrário. Os bajuladores tentam agradar seus patrões na tentativa de mostrar que é fiel ao seu patrão, mas no fundo no mundo, ele está mesmo é defendendo seus interesses. O escritor não aprova este tipo de comportamento e procura combatê-lo, isso não deve acontecer com quem diz que serve a Cristo.

AOS HOMENS. Não adianta agradar aos homens, por meio de subterfúgios, porque mais sedo ou mais tarde a máscara cai, e a pessoa vai mostrar sua real personalidade, até porque ninguém consegue por muito tempo, esconder um disfarce. O que o autor espera dos irmãos que eram escravos, naquele tempo, era de que eles fossem transparentes ao máximo que possível, mesmo que para isso viesse a desagradar aos homens.

MAS COMO SERVOS. As recomendações postas eram para quem dizia que era servo de Cristo e não para os ímpios, e assim sendo, o testemunho verdadeiro era o que se devia ter valor, e não agir com dupla personalidade ou comportamento dúbio. Se alguém serve a Cristo, deve ter a consciência que o Senhor sabe de todas as coisas, porque ele está em todos os lugares ao mesmo tempo, e que tem conhecimento do que todos fazem.

DE CRISTO. Além de serem servos dos homens, os irmãos não podiam esquecer que, também eram servos de Cristo. E ser servo de Cristo é não mais fazer o que bem deseja, mas é renunciar a própria vontade, para buscar agradar a Cristo. Bastava os irmãos servirem aos seus senhores, segundo a carne, como de fato serviam espiritualmente a Cristo, se eles eram fieis aquele que os resgatou, que fossem fieis aos seus patrões.

FAZENDO DE CORAÇÃO. Paulo esperava que os seus leitores, que eram servos dos homens, deixassem a artificialidade para agirem dentro do possível, com toda sinceridade dos seus corações. Já que a vida e as circunstâncias lhes permitiu que fossem escravos, que eles cumprissem suas missões como tal, sem murmuração, sem reclamação, sem revolta, nem motins, mas fazendo de boa vontade aquilo que era o seu dever.

A VONTADE DE DEUS. Primeiro, podemos conjecturar que Paulo tenta conscientizar os destinatários destas recomendações, que ele estava lhes exortando, conforme a vontade de Deus. Depois, ele, também lhes abrem os olhos para o fato de que, tudo tem o toque da mão de Deus, no sentido de que, eles estavam naquela condição social por permissão de Deus. Tudo é permissão ou determinação de Deus, dentro do seu jeito de governar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário