Pesquisar este blog

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Gálatas 2:15

Gálatas 2:15 - Nós somos judeus por natureza, e não pecadores dentre os gentios.
NÓS. O escritor fala sobre ele próprio, como sendo um antigo seguidor do judaísmo, mas que teve um encontro com Cristo, quando de viagem para a cidade de Damasco, com carta branca ou autorização dos sacerdotes para perseguir a igreja de Cristo. Como também ele se reporta a Pedro, que se encontrava na cidade da Antioquia, mas que representava o grupo dos doze. Bem como Paulo também se dirige aos emissários de Tiago, que estavam como espiões, e por fim, dos judeus que congregavam em Antioquia.

SOMOS. Quem eram os representantes dos judeus a quem Paulo se refere? Na época em que esta carta foi escrita, existiam três grupos distintos em Israel. Os judeus da dispersão ou da diáspora, os judeus ortodoxos, e os judeus puritanos. Os judeus da diáspora eram aqueles que viviam na galileia ou em outros países, os judeus ortodoxos que seguiam a Torá ou Pentateuco, enquanto que, os judeus puritanos viviam na Judeia, bem como também na própria Jerusalém, que eram os escribas, fariseus e outras seitas do judaísmo.

JUDEUS. Quando Israel tomou posse da terra de Canaã, o território ficou dividido por tribo e cada tribo tinha o nome do patriarca filho de Israel, chefe das famílias. Mas tarde, Israel ficou dividido em reino do Norte e reino do Sul, com a divisão em dois territórios. Porem, com o retorno do cativeiro babilônico, o povo de Israel que já não era mais uma nação independente, ficou sendo conhecida como o povo judeu. De forma que já não mais se falava em Israel, como nação, mas no povo judeu, diferente dos gentios.

POR NATUREZA. Nesta particularidade, o escritor se reporta ao status religioso do seu povo, no que diz respeito ao judaísmo, eles que por natureza eram descendentes de gerações que guardavam a legislação de Moisés, desde a mais tenra idade. Naturalmente, os judeus eram circuncidados ao oitavo dia do nascimento, o que o obrigava a guardar a lei de Moisés para o resto da vida, e isso era uma coisa natural para um judeu.

E NÃO PECADORES. Ser um pecador para quem era circuncidado como judeu era abdicar da sua fé judaica para viver conforme um gentio sem lei, que vive ao bem prazer, praticando o quem bem entender e desejar fazer. Como Pedro era cristão, mas que foi chamado para ser apóstolo da circuncisão, ele não poderia viver como viviam os gentios, mas ele tinha o dever de viver como um judeu, convertido ao cristianismo.

DENTRE. Os líderes e os seguidores de Cristo, das igrejas compostas de judeus na sua grande maioria, e que faziam parte de Israel e da Palestina, viviam como se ainda estivessem no tempo da lei, porque Cristo viveu cumprindo a legislação de Moisés, como judeu que era. E estes judeus, que faziam parte das igrejas judaicas-cristãs, mesmo que viajassem para outros lugares, tinham que seguir o mesmo padrão de fé da igreja mãe.

OS GENTIOS. Como Pedro se encontrava em viagem, visitando as igrejas fundadas por Paulo, neste caso, na igreja da Antioquia, nem por isso, ele deixava de ser alguém que deveria se comportar como se estivesse em Jerusalém. As igrejas fundadas por Paulo no mundo gentílico era diferente, porque eram compostas por gentios ou pagãos convertidos ao cristianismo. As igrejas gentílicas não eram obrigadas a guardar a lei.

Nenhum comentário:

Postar um comentário