Pesquisar este blog

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Gálatas 2:17

Gálatas 2:17 - Pois, se nós, que procuramos ser justificados em Cristo, nós mesmos também somos achados pecadores, é porventura Cristo ministro do pecado? De maneira nenhuma.
POIS, SE NÓS. O escritor fala sobre ele próprio, como também se refere aos apóstolos de Cristo, e neste caso específico sobre Pedro e os emissários de Tiago, que estavam presentes na igreja de Cristo que estava na cidade da Antioquia da Síria. Estes mesmos e outros tantos, que antes eram seguidores do judaísmo, mas que se converteram ao cristianismo, ou por terem conhecido a Cristo pessoalmente ou por terem ouvido as boas novas do evangelho de Cristo Jesus. Inclusive o apóstolo se inclui entre os tais.

QUE PROCURAMOS. No caso de Paulo, não havia sido nada fácil ter que deixar sua antiga religião para aceitar e servir ao cristianismo, até porque, humanamente falando, de princípio ele teve a perda de muitos privilégios, pois tinha acesso direto aos sacerdotes e por ser fariseu possuía muitas vantagens. Também não era nada fácil para os demais apóstolos, que com o passar do tempo, foram todos perseguidos e mortos.

SER JUSTIFICADOS. Verdade era de que, os judeus de sangue, que faziam parte do judaísmo, e que se converteram ao cristianismo, continuavam quase que cumprindo completamente a lei de Moisés, com algumas modificações dos ensinos deixados por Cristo. Mas no caso de Paulo, que era o apóstolo dos gentios, ele buscava absolutamente se justificar pela sua fé suficiente em Cristo, baseado na multiforme graça de Deus.

EM CRISTO. Buscar ser justificado em Cristo é a mesma coisa que exercer plenamente a fé, confiança e esperança de que em Cristo Jesus, somos considerados inocentes diante da justiça de Deus. Isso porque, a obra perfeita de redenção realizada pelo Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo é suficiente para proporcionar a reconciliação com o Criador. Ser justificado em Cristo é ser beneficiado com a propiciação de Cristo.

NÓS MESMOS TAMBÉM SOMOS ACHADOS PECADORES. Ninguém na época em que foi implantada a nova dispensação da graça de Deus tinha condições de cumprir totalmente as exigências da lei (somente Cristo cumpriu a lei). Se Paulo e os demais apóstolos tentassem voltar ao tempo da lei, não teriam condições de ser fieis totalmente as exigências da legislação de Moisés, e, portanto, seriam também transgressores da lei.

É PORVENTURA CRISTO MINISTRO DO PECADO? Neste caso, Paulo mostra aos seus oponentes da igreja de Cristo que estavam na Galácia, que Cristo veio para ser ministro de um novo tempo, em que as pessoas não mais seriam obrigadas a cumprirem as exigências da legislação de Moisés. Mas que, sua nova proposta era baseada no evangelho das boas novas, com promessa de libertação dos escravos da lei judaica.

DE MANEIRA NENHUMA. Cristo veio, cumpriu a lei em lugar dos seus seguidores para que os seus discípulos fossem libertos das exigências da lei, e não para estabelecer mais leis impraticáveis. O Messias veio justamente para ser ministro de um evangelho que promete liberdade e não escravidão. As leis estabelecidas por Cristo são normas espirituais e não um código rígido de mandamentos, que não se podem praticar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário