Pesquisar este blog

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Gálatas 3:16

Gálatas 3:16 - Ora, as promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. Não diz: E às descendências, como falando de muitas, mas como de uma só: E à tua descendência, que é Cristo.
ORA, AS PROMESSAS. Certamente o autor fala sobre as nações que seriam benditas, por meio das promessas feitas a Abraão, e que no tempo da lei, não teve o seu cumprimento, porque diziam respeito às muitas nações, que no caso da lei, somente uma nação foi beneficiada, que foi a nação de Israel. Já o cumprimento da promessa para os gentios se encaixava como fidelidade de Deus, porque em Cristo Jesus, mediante o novo pacto ou nova aliança da graça de Deus, todas as nações passaram a ser abençoadas por Deus.

FORAM FEITAS A ABRAÃO. Na época em que o patriarca vivia sobre a terra, as pessoas seguiam seus próprios caminhos, adorando e venerando os ídolos e as imagens de esculturas. Porem, Abraão foi achado justo perante os olhos de Deus, ele que adorava e servia ao Criador de todas as coisas, ele que era o Deus único e verdadeiro. Abraão achou graça aos olhos de Deus, e com isso, o Senhor lhe fez promessas de bênçãos.

E A SUA DESCENDÊNCIA. Paulo retoma o tema, quando se aproveita da gramática, em que nos escritos de Moisés, a palavra está no singular e não no plural, se estivesse no plural, seria para os descendentes biológicos de Abraão, ou seja, os israelitas. Mas como a palavra esta posta no singular, o escritor direciona para o Cristo de Deus, como sendo este descendente de Abraão. Os judaizantes não tinham como contestar tal argumento.

NÃO DIZ: E ÀS DESCENDÊNCIAS. Percebe-se que, o escritor se utiliza em sua defesa as Sagradas Escrituras dos próprios seus opositores, eles que se diziam defensores da legislação de Moisés, para refutar a tese dos seguidores do judaísmo, de que os cristãos eram obrigados a guardarem a lei de Moisés, tanto quanto os seguidores do judaísmo ou os cristãos legalistas de Jerusalém. Portanto, as promessas não eram para os israelitas.

COMO FALANDO DE MUITAS. Os judeus guardavam em seus arquivos, listas enormes de nomes, dos seus antepassados, com o objetivo de provarem de que eles faziam parte da árvore genealógica do patriarca Abraão. Só que, na tese de Paulo, o cumprimento das promessas feitas ao patriarca Abraão, era interrompida, quanto as suas posteridades, quando ele espiritualiza o texto de Gênesis e descobre que a promessa chegou a Cristo.

MAS UMA SÓ: E À TUA DESCENDÊNCIA. Como que as promessas de Deus feitas ao patriarca Abraão chegou a se cumprir em Cristo? Porque segundo Paulo e seu argumento de defesa, Deus falou ao patriarca sobre seu descendente e não sobre suas posteridades biológicas. Realmente as duas genealogias empregadas nos evangelhos de Mateus e Lucas, fazem com que Jesus chegue até ao patriarca Abraão de quem era descendente.

QUE É CRISTO. Para os judaizantes ou para os cristãos legalistas de Jerusalém, a posteridade de Abraão seria em Isaque, Jacó e dai em diante. No entanto, para o apóstolo dos gentios, o descendente de Abraão em quem se cumpriram as promessas feitas ao patriarca, seria o Cristo de Deus. Não se sabe quantos dos opositores de Paulo aceitaram tais argumentos, mas certamente os gentios das igrejas da Galácia aceitaram sim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário