Pesquisar este blog

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Gálatas 4:23-24

Gálatas 4:23-24 - Todavia, o que era da escrava nasceu segundo a carne, mas, o que era da livre, por promessa. O que se entende por alegoria; porque estas são as duas alianças; uma, do monte Sinai, gerando filhos para a servidão, que é Agar.
TODAVIA, O QUE ERA DA ESCRAVA. O que Paulo estava escrevendo era bastante conhecido dos seus leitores, até porque os judaizantes, bem como os cristãos legalistas de Jerusalém andavam por todas as partes pregando sobre tudo que estava posto nos escritos de Moisés. E ele começa falando a respeito de Ismael, que era filho de Abraão com a escrava de Sara, Agar. Ismael que não era produto do legítimo casamento do patriarca, e por ser filho de uma escrava, possivelmente teria um destino diferente.

NASCEU SEGUNDO A CARNE. O escritor buscava por meio de sua alegoria, depreciar a lei comparada com a graça de Deus. Para o apóstolo dos gentios, Ismael teve um nascimento que não foi do agrado de Deus, até porque o que aconteceu com Abraão e Agar foi um adultério, apesar de que os costumes a as tradições da época permitirem tal coisa. Esse nascimento segundo a carne é segundo a vontade do homem natural (João 1:13).

MAS O QUE ERA DA LIVRE, POR PROMESSA. Neste ponto, Paulo destaca o nascimento de Isaque, que segundo o entendimento do autor foi conforme a vontade e o plano de Deus, é tanto que, o nascimento de Isaque foi por uma intervenção do Senhor. Além do mais, o nascimento de Isaque fez com que aquela promessa feita ao patriarca Abraão tivesse o seu fiel cumprimento. Isso prova que Deus é fiel em cumprir com as suas promessas.

O QUE SE ENTENDE POR ALEGORIA. Como Paulo antes de se converter ao cristianismo pertencia à escola dos fariseus, ele se utiliza deste método, agora, para defender a graça de Deus e a fé em Jesus Cristo. Alegoria é um tanto parecida com as parábolas citadas por Cristo dentro das páginas do Novo Testamento, sem, no entanto, se distinguir uma das outras. Mas, as alegorias são diferentes das tipologias do Velho Testamento.

PORQUE ESTAS SÃO AS DUAS ALIANÇAS. Quando se fala em duas alianças é que a primeira delas se refere à aliança feita entre Deus e o seu povo Israel, que teve como mediador o grande legislador de Israel, Moisés. Já a segundo aliança sobre a qual se refere o apóstolo Paulo, diz respeito a aliança da graça de Deus com todas as nações do mundo, o que fazia parte da promessa feita por Deus a Abraão para todos os povos.

UMA DO MONTE SINAI. Essa aliança do Monte Sinai é justamente a aliança em que Deus faz com os descendentes de Abraão, e não com o descendente, no singular, que teve cumprimento em Cristo. A aliança do Monte Sinai é composta pela legislação de Moisés, e foi feita exclusivamente com a nação israelita, excluindo as demais nações do mundo. Esta aliança do Monte Sinai teve como resultado a servidão do povo de Israel, os judeus.

GERANDO FILHOS PARA SERVIDÃO, QUE É AGAR. Nesta mesma epístola, o escritor explica que a lei não podia ajudar ao povo de Israel em termos de salvação, porque o seu objetivo era mostrar aos seus seguidores o quanto eram transgressores. O fato que aconteceu entre Abraão e Agar era uma alegoria do que veio a ser a lei mosaica para os descendentes de Abraão, por meio da legislação de Moises, que gerou servos e não filhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário