Pesquisar este blog

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Gálatas 4:4

Gálatas 4:4 - Mas, vindo à plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei.
MAS, VINDO. Este capítulo quatro de Gálatas põe um limite no que concerte a lei e a graça de Deus, porque nos ensina sobre os diferentes modos de agir do Criador quanto as suas alianças, em que a primeira foi com Israel, os descendentes de Abraão, Isaque e Jacó, enquanto que, a segunda foi com todas as nações do mundo, incluindo os judeus e principalmente os gentios, de quem é composta a igreja de Cristo em sua grande maioria. O destaque é que, a primeira aliança deixou de ser para dar lugar a nova dispensação.

A PLENITUDE. Esta palavra, com destaque do artigo, nos ensina sobre um limite de tempo em que se completou em sua plenitude. E isso nos leva a pensar, e esta era a intenção do autor, que a lei de Moisés se completou em seu círculo de conclusão, quanto ao seu papel já cumprido. Com isso, o apóstolo dos gentios declara que, a legislação de Moisés fez o que era para se fazer, porque levou a cumprir inteiramente sua tarefa de mostrar aos israelitas, que eles não tinham condições de cumprir as regras, que eram muito duras.

DOS TEMPOS. Mas, vindo à plenitude dos tempos. É próprio do apóstolo dos gentios em trazer a tona a verdade de que, a lei de Moisés não tinha validade eterna, uma vez que o seu limite já estava previsto. E este limite era justamente a vinda do legítimo descendente de Abraão, que seria o Messias. Com a chegada do Cristo de Deus, a lei cessaria de cumprir seu papel de instruir o povo, porque no Cristo de Deus haveria uma nova aliança.

DEUS ENVIOU. Partiu do próprio Deus esta nova modalidade de ação do Criador para com as suas criaturas. Foi Deus quem enviou o seu Messias em cumprimento das promessas feitas em todas as profecias messiânicas. O verbo “enviou” fala sobre a ação diretiva de Deus em planejar, programar e executar seu plano de redenção pela sua graça e não pela legislação de Moisés. Deus mesmo tomou a iniciativa em tudo feito.

SEU FILHO. Já era profetizado que o Messias seria Filho de Deus, quando se falava que uma virgem conceberia e daria a luz um filho, desta forma, o nascimento do Cristo de Deus não teria a participação de um pai biológico, mas que o Emanuel de Deus seria gerado pelo Espírito do Senhor. E foi justamente o que aconteceu, Jesus foi gerado pelo Espírito de Deus, no ventre de sua mãe, não de uma relação sexual entre Maria e José.

NASCIDO DE MULHER. Isaías 7:14 - Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel. Essa era uma profecia messiânica que anunciava a chegada do Messias de Deus. Já no princípio, quando da queda da raça humana, Deus havia prometido que do descendente da mulher, o Senhor levantaria o seu Messias como redentor da humanidade (Gênesis 3:15).

NASCIDO SOB A LEI. Jesus era descendente de Abraão, da tribo de Judá, nascido sob a lei, e que se manifestou para cumprir todas as exigências da legislação de Moisés. Quando o Messias de Deus nasceu de forma milagrosa, pela intervenção de Deus, a lei de Moisés ainda estava em vigor, e ele cumpriu tudo aquilo que as exigências da legislação de Moisés determinavam, bem como as profecias messiânicas anunciadas a seu respeito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário