Pesquisar este blog

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Gálatas 5:1

Gálatas 5:1 - Estais, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão.
ESTAIS, POIS, FIRMES. Nos capítulos três e quatro desta carta, o apóstolo se sente decepcionado com o estrago com que os judaizantes e os cristãos legalistas estavam provocando nas igrejas da Galácia, porque o escritor nos deixa transparecer que os seus leitores estavam realmente desviados da simplicidade do evangelho. Mas agora, o apóstolo dos gentios transmite uma palavra de avivamento em que aconselha seus filhos e filhas na fé a que se firmassem em Cristo, porque a graça de Deus ainda estava de pé.

NA LIBERDADE. O apóstolo Paulo foi duramente acusado pelos judaizantes e pelos cristãos legalistas de pregar uma liberdade, que beirava o caminho da libertinagem. Porem, a liberdade que o apóstolo dos gentios pregava, não era com respeito ao mundanismo, mas sim, a servidão de um código de lei, que não serviu para o fim de salvação aos seus seguidores, no caso o judaísmo. A defesa de Paulo era a liberdade no Espírito de Deus para se fazer a vontade do Senhor, e isso, de acordo com o evangelho.

COM QUE CRISTO. Cristo representa o cumprimento da promessa de Deus a Abraão em que por meio do seu descendente, todas as nações do mundo seriam abençoadas ou benditas. Jesus Cristo é ao mesmo tempo a cumprimento de todas as profecias prometidas sobre a vinda do Messias de Deus, ele que era o Enviado de Deus Pai para implantar a nova dispensação da Graça, como também o Ungido de Deus e Libertador.

NOS LIBERTOU. Quando o evangelho proclama Cristo Jesus como o Redentor é porque a sua obra perfeita de expiação foi suficiente diante de Deus para por meio da propiciação, realizar a reconciliação do homem para com Deus. Cristo foi obediente à lei em nosso lugar para nos libertar justamente das amarras da legislação do Moisés, uma vez que, como gentios, não tínhamos condições de atender as exigências da lei de Moisés.

E NÃO TORNEIS. As igrejas da Galácia eram compostas de gentios convertidos ao cristianismo, portanto, desde a entrada de Israel na terra prometida, que as demais nações do mundo não faziam parte das alianças de Israel com Deus. Agora que, por meio de Cristo a porta da graça havia se abrido para os gentios, como que eles pretendiam se submeter à lei de Moises, que fora dada exclusivamente para os judeus?

A COLOCAR-VOS DEBAIXO. Na realidade, a lei de Moisés havia se tornado um fardo na vida de todos aqueles que eram seguidores do judaísmo. Nem mesmo os judeus mais ortodoxos tinham condições de atender as duras regras da legislação de Moisés. Jesus acusou os líderes religiosos dos judeus, os escribas e fariseus de colocarem sobre os ombros dos homens fardos pesados e difíceis de suportar, e ele falava sobre a lei.

DO JULGO DA SERVIDÃO. Paulo via a lei, para sua época, como um julgo, algo que tentava controlar a vida das pessoas, mas que não prometia liberdade, mas sim sofrimentos, porque ninguém tinha condições de cumprir as exigências. Em vez de melhorar a vida das pessoas com a verdadeira felicidade, a legislação de Moisés, agora servia de tropeço na vida das pessoas, porque terminava gerando escravos e não filhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário