Pesquisar este blog

sexta-feira, 31 de março de 2017

Hebreus 5:5-6

Hebreus 5:5-6 - Assim também Cristo não se glorificou a si mesmo, para se fazer sumo sacerdote, mas aquele que lhe disse: Tu és meu Filho, Hoje te gerei. Como também diz, noutro lugar: Tu és sacerdote eternamente, Segundo a ordem de Melquisedeque.
ASSIM TAMBÉM CRISTO. No texto anterior o autor vinha explicando que ninguém toma para si mesmo a chamada para ser sacerdote, porque assim como Arão e seus filhos, eles foram constituídos por Deus sumos sacerdotes de Israel. Agora, o escritor diz a mesma coisa sobre Cristo na introdução deste texto, afirmando que Jesus não se fez Sumo Sacerdote de si mesmo, mas que tudo foi preparado pelo Deus Todo-poderoso e já estava previsto conforme as literaturas religiosas do povo de Israel.

NÃO SE GLORIFICOU A SI MESMO. Pelo contrário, o Cristo de Deus Pai veio cheio de humildade e simplicidade, uma pessoa comum da sociedade, mas que aos poucos foi sendo por Deus feito Sumo Sacerdote. Tudo que aconteceu com Jesus de Nazaré, foi da vontade do Pai, por isso que ele achava graça diante do povo para ser por Deus constituído como Sumo Sacerdote em favor do povo, pelo povo e para o povo.

PARA SE FAZER SUMO SACERDOTE. Conforme a legislação de Moisés, o sumo sacerdote deveria ser da tribo de Levi, tendo como primeiro sacerdote da nação israelita Arão, e assim sucessivamente os seus descendentes. Com Cristo foi diferente, porque ele como sendo o Cristo, que era o ungido e enviado de Deus, deveria ocupar os ofícios de Rei, Profeta e Sumo Sacerdote. Portanto, o povo de Israel já esperava esta função do Messias.

MAS AQUELE QUE LHE DISSE. Esta é uma citação do Salmos 2:7 - Proclamarei o decreto: o Senhor me disse: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei. Onde o escritor mais uma vez traz a toma um texto da literatura religiosa dos judeus, como prova de que o sacerdócio de Cristo estava de acordo com a vontade de Deus. Quem falou estas palavras não foi Davi, ele apenas escreveu, mas esta Escritura foi dita por Deus mediante o Espírito Santo.

TU ÉS MEU FILHO, HOJE TE GEREI. De acordo com as tradições mais antigas dos hebreus, o Messias de Deus seria Filho do próprio Deus, e não de uma relação normal entre um homem e uma mulher. Como também já estava escrito a reste respeito em Isaías 7:14 - Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel. Foi justamente o que aconteceu com Jesus.

COMO TAMBÉM DIZ, NOUTRO LUGAR, TU ÉS SACERDOTE ETERNAMENTE. Já esta citação é do Salmos 110:4 - Jurou o Senhor, e não se arrependerá: tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque. Essa foi uma promessa feita sob juramento da parte de Deus, no tocante ao ministério sacerdotal de Cristo Jesus. E conforme se verifica na vida e ministério de Jesus, o Cristo, ele cumpriu seu papel, como Sacerdote.

SEGUNDO A ORDEM DE MELQUISEDEQUE. Conforme os escritos de Moisés, Melquisedeque era sacerdote do Deus Altíssimo, mas nem ao povo judeu pertencia. Pela lei de Moisés, o sumo sacerdote deveria ser da tribo de Levi, mas Jesus era da tribo de Judá. Assim sendo, pela legislação de Moisés, Jesus não poderia ser Sumo Sacerdote, mas pela profecia messiânica de (Salmos 110:4), ele foi sim, Sumo Sacerdote, e sempre será.

quinta-feira, 30 de março de 2017

Hebreus 5:4

Hebreus 5:4 - E ninguém toma para si esta honra, senão o que é chamado por Deus, como Arão.
E NINGUÉM. Nas religiões pagãs pode até ser que sim, porque tais religiões são criadas pelos espertalhões para tirarem proveito dos menos esclarecido, desta forma, os líderes religiosos se tornam sacerdotes por si mesmo. Mas, no judaísmo, Deus quem escolheu Arão como sumos sacerdotes para cuidar das coisas do Senhor e também interceder pelo povo. Cristo acima de qualquer outro, foi constituído pelo Deus Todo-poderoso antes mesmo de seu nascimento como sendo o Sumo Sacerdote eterno das coisas do Pai.

TOMA PARA SI. Os verdadeiros sumos sacerdotes não exerciam seus ministérios em proveito próprio, mas sempre em benefício dos outros, deixando o exemple mesmo no tempo da lei, que a verdadeira religião é aquela que pode ajudar ao ser humano em direção à comunhão plena com Deus. Jesus Cristo foi o maior exemplo de vida dedicada para as coisas de Deus e em benefício do seu próximo, porque só fez o bem a todos.

ESTA HONRA. Arão, assim como os seus descendentes diretos, que assumiram o ofício de sumos sacerdotes foram privilegiados em ser chamados pelo Senhor para se dedicarem as coisas do Deus de Israel. O Senhor Jesus foi soberanamente honrado pelo Deus Criador, ao ponto de superar a qualquer outro, e isso ficou demonstrado quando exerceu plenamente seus deveres sacerdotais, glorificando ao Pai em tudo, e levando sua igreja a plena comunhão dom Deus, que é a principal função de um sacerdote.

SENÃO O QUE É. Houve momento em que os filhos de Israel duvidaram de que Arão fosse realmente constituído por Deus para ser o sumo sacerdote, mãos o Senhor provou para os desobedientes que a escolha de Arão era confirmada, isso pode ser visto em Números capítulo dezesseis. Já com relação ao Cristo de Deus haviam muitas profecias no Velho Testamento que apontavam o trabalho do Messias pelo povo perante Deus.

CHAMADO. A chamada de Arão e os seus filhos para a função sacerdotal pode ser vista no capítulo dezoito de Êxodo, como também no capítulo trinta e nove do mesmo livro. De acordo com a velha dispensação da lei, o sumo sacerdote tinha muita importância para o povo, por isso que não poderia ser qualquer um. Deus que conhece as pessoas e as raças humanas escolheu e nomeou Arão e seus descendentes para tal ofício.

POR DEUS. Além de chamar, os ministérios que compõem a obra de Deus é o Senhor quem nomeia as pessoas que ele sabe que vai exercer com responsabilidade suas tarefas designadas pelo Senhor. Em se tratando do Senhor Jesus, tanto as muitas profecias a seu respeito, antes mesmo dele vir ao mundo, quanto à forma como seu ministério foi aprovado por Deus demonstra que foi o Pai quem o constituiu de verdade.

COMO ARÃO. Nenhum dos filhos de Israel e que eram os leitores desta carta tinham dúvida de que Arão foi realmente escolhido por Deus para exercer a função de sumo sacerdote nas coisas de Deus para o povo. Como também todos que fazem parte da igreja de Cristo têm a firme certeza de que o Senhor Jesus é Sumo Sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque, ele que está diante do Pai e intercede pelos seus remidos.

Hebreus 5:2-3

Hebreus 5:2-3 - E possa compadecer-se ternamente dos ignorantes e errados; pois também ele mesmo está rodeado de fraqueza. E por esta causa deve ele, tanto pelo povo, como também por si mesmo, fazer oferta pelos pecados.
E POSSA COMPADECER-SE TERNAMENTE. Essa era uma das funções do sacerdote da antiga aliança, que era justamente ter compaixão dos que andavam fraquejando e cometendo deslizes na sua vida diária. Cristo como Sumo Sacerdote, muito mais pode se compadecer dos que falham, porque ele entende perfeitamente o quando o ser humano é propício ao erro. Além do mais, o Senhor Jesus tem o poder de perdoar os pecados dos seus servos, conforme ele próprio falou quando esteve presente na terra (Lucas 5:24).

DOS IGNORANTES E ERRADOS. De acordo com a legislação de Moisés, existiam aqueles tipos de pecados que deveria ter um julgamento sumário, inclusive com a morte por apedrejamento, mas também existiam os pecados de menor potencialidade. Em que os seus praticantes erravam por ignorância, e neste caso, as pessoas traziam suas ofertas pelos pecados, e o sacerdote oferecia ao senhor para que o povo fosse perdoado.

POIS TAMBÉM ELE MESMO. Mas, antes de oferecer sacrifício pelos pecados do povo, o sacerdote oferecia sacrifício por si mesmo, para então depois oferecer em favor dos erros de ignorância do povo. No caso de Cristo, como Sumo Sacerdote, ele se ofereceu a si mesmo em sacrifício pelos pecados do povo, porque era o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Nisso envolvia a expiação e a propiciação que produziu reconciliação.

ESTÁ RODEADO DE FRAQUEZAS. Como qualquer outro ser humano, os sacerdotes da antiga aliança também não estavam imunes da prática de pecados, portanto, como homens estavam sujeitos às mesmas fraquezas. No entanto, com o Sumo Sacerdote, Jesus Cristo, foi diferente, porque ele não precisou fazer sacrifício por si mesmo, até porque ele não pecou, e nem falhou, mas fez sacrifício em prol dos seus remidos.

E POR ESSA CAUSA DEVE ELE. Deus é santo e requer que todos aqueles que se aproximam dele sejam também santos. Como o sacerdote da antiga aliança tinha que entrar no santuário, que representava a presença de Deus, ele não poderia entrar de todo jeito, pois se tinha consciência de pecado praticado no dia a dia de sua vida, seria reprovado pelo Senhor, como também a oferta do povo não seria recebida pelo Senhor.

TANTO PELO POVO, COMO TAMBÉM POR SI MESMO. Assim sendo, ates de entrar no santo dos santos com as ofertas de manjares e com o sacrifício pela expiação do pecado do povo, os sacerdotes se purificavam. Havia uma crença religiosa em Israel de que, o cordeiro da expiação que era enviado para o deserto, se o sacerdote tivesse em pecado, ele voltado para a comunidade, mas se o sacerdote fosse digno, o cordeiro desaparecia.

FAZER OFERTA PELOS PECADOS. Como o judaísmo era uma religião cerimonialista e ritualística, haviam vários rituais praticados pelo próprio povo, e principalmente pelos sacerdotes nas celebrações de purificação dos pecados do povo. Estes temas vêm sendo desenvolvido pelo escritor para demonstrar a diferença da velha dispensação para a nova dispensação da graça de Deus, que apenas requer o exercício da fé genuína em Cristo.

Hebreus 5:1

Hebreus 5:1 - Porque todo o sumo sacerdote, tomado dentre os homens, é constituído a favor dos homens nas coisas concernentes a Deus, para que ofereça dons e sacrifícios pelos pecados.
PORQUE TODO SUMO SACERDOTE. Até mesmo as religiões mais antigas das civilizações sempre tiveram as figuras dos sacerdotes, bem como as religiões pagãs também. Com Israel não foi diferente, com a saída do povo da terra do Egito, foi constituído como sumo sacerdote Arão e os seus descendentes depois dele, sucessivamente. Já na nova dispensação da graça de Deus com a humanidade, Jesus foi constituído por Deus como único Sumo Sacerdote entre Deus e os homens, e isto já era prevista (Salmos 110:4).

TOMADO DENTRE OS HOMENS. No caso das religiões pagãs, qualquer um pode ser constituído como sacerdote, até porque as religiões pagãs são criadas pelos homens e para os homens. Mas, tanto o judaísmo, na antiga dispensação, como o cristianismo, na nova dispensação está de acordo com a vontade de Deus. No judaísmo, foi tomado Arão porque Deus assim o quis com a aprovação de Moisés, bem como do povo também.

É CONSTITUÍDO. Parte do capítulo anterior, e este capítulo também tratam do assunto dos sumos sacerdotes, porque a intenção do escritor é justamente mostrar que Jesus é o Sumo Sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque, e que ele é superior a todos os sacerdotes da antiga aliança, porque ele foi constituído por Deus e está assentado a destra de Deus, cumprindo este ofício importantíssimo em benefício dos seus remidos.

A FAVOR DOS HOMENS. Os leitores desta esclarecedora carta compreendiam perfeitamente esta linguagem expressa pelo autor, porque como hebreus que eram viviam isso desde que Israel se tornou nação. A função primordial do sumo sacerdote era justamente exercer seus trabalhos em favor dos pecadores intercedendo por eles diante de Deus. Portanto, nos serviços religiosos, eles intercediam a favor dos homens.

NAS COISAS CONCERNENTES A DEUS. Além do sumo sacerdote, existiam os sacerdotes dos turnos, que se reservavam de acordo com seus turnos para que de continuou os serviços religiosos do templo em Jerusalém fossem executados. De maneira que, esse era um trabalho que não cessava. Como Cristo está à destra de Deus, hoje, ele exerce continuamente este ofício de Sumo Sacerdote, sempre intercedendo pelos seus remidos.

PARA QUE OFEREÇA DONS E SACRIFÍCIOS. No caso do judaísmo, existiam as ofertas de manjares que eram oferecidos pelos sacerdotes perante o Senhor, como também existiam os sacrifícios de animais. No caso de Cristo, ele ofereceu seus serviços a Deus, como também ofereceu a sua própria vida em favor dos pecadores, porque ele serviu de expiação, como Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, em nosso favor.

PELOS PECADOS. No caso do judaísmo, tanto as ofertas de manjares quanto os sacrifícios dos animais eram oferecidos para “cobrir” o pecado do povo. Mas, o sacrifício do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, Jesus Cristo, foi para “tirar” o pecado do povo. Na lei, os sacrifícios eram repetitivos, no caso de Cristo, foi único e suficiente, como a perfeita propiciação em favor da sua igreja que ele resgatou e remiu com o seu sangue.

quarta-feira, 29 de março de 2017

Hebreus 4:16

Hebreus 4:16 - Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno.
CHEGUEMOS, POIS COM CONFIANÇA. A vinda do Messias de Deus para inaugurar uma nova dispensação da graça, abre as portas do céu para os remidos do Senhor Jesus. Na antiga dispensação o povo precisava de um intermediário para se chegar por ele diante de Deus, mas na nova dispensação qualquer pessoa em ato de adoração e oração tem acesso direto ao trono de Deus, por meio do seu Filho Jesus Cristo, ele que é Sumo Sacerdote entre a igreja e o trono da graça de Deus, que é a presença de Deus.

AO TRONO DA GRAÇA. Esta é uma figura de linguagem que representa a presença graciosa do Deus de bondade, misericórdia e compaixão. Ninguém, pelos seus próprios méritos merece chegar nem perto da presença de Deus, Todavia, como esta é a dispensação da graça de Deus, tudo é pela sua infinita bondade que ele nos fornece. O trono da graça está repleto de benefícios para os que recorrem à presença de Deus e agora, que Cristo está assentado a destra do Pai, é ele que intercede pelos seus remidos.

PARA QUE POSSAMOS ALCANÇAR. Quando o escritor diz que precisamos nos achegar ao trono da graça, isso alerta para o fato de que, todos precisam recorrer ao trono da graça para alcançarem seus objetivos. Tudo tem um preço, e Cristo já fez a sua parte, cabendo a todos os homens recorrerem à presença de Deus para que possam receber aquilo que precisam da parte do trono de Deus, e isso inclui o perdão dos pecados.

MISERICÓRDIA. Deus deu ao homem o livre arbítrio para que ele faça o que quiser de suas ações, da mesma forma, cabe ao homem recorrer ao perdão de Deus, quando pecar contra os céus. O que a palavra de Deus nos ensina é que o Senhor sempre está cheio de misericórdia para perdoar a todos aqueles que buscam sua compaixão. As misericórdias do Senhor é a causa de não sermos consumidos e elas se renovam todos os dias.

E ACHAR GRAÇA. Os hebreus que viveram no tempo da lei de Moisés não entendiam nada disto que o escritor expõe sobre estes assuntos, até porque no tempo da velha dispensação, os seguidores do judaísmo conquistavam suas bênçãos por tentativas de guardarem a lei, coisa que não conseguiam. Mas como os leitores desta carta eram pessoas convertidas ao cristianismo, certamente compreendiam o que era a graça.

A FIM DE SERMOS AJUDADOS. Imagine se os sumos sacerdotes da antiga aliança não gostassem de uma pessoa, e se propusesse não oferecer sacrifício por tal pessoa? Porem, na nova dispensação temos um único Sumo Sacerdote que demonstrou sua bondade para com todos, sem fazer acepção de Pessoas, por isso que temos livre acesso ao trono da graça de Deus, a fim de sermos ajudados quando precisarmos. Glória ao nome de Cristo.

EM TEMPO OPORTUNO. Podemos dizer que este tempo oportuno é o tempo da nova dispensação da graça de Deus, em que todos os povos do mundo, que aceitam a Cristo como Senhor e Salvador, têm acesso ao trono da graça. Como também podemos dizer que este tempo oportuno se refere à sempre que precisarmos das misericórdias de Deus é só recorrer a sua bondade buscando sua presença em qualquer hora e oportunidade.

Hebreus 4:15

Hebreus 4:15 - Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado.
PORQUE NÃO TEMOS. A igreja de Cristo tem tudo que precisa para ser abençoada pelo trono da graça, uma vez que, quem é o Sumo Sacerdote dos remidos do Senhor, está assentado à destra de Deus e intercede pelos seus servos. Além do mais, o Cristo de Deus conhece os seus escolhidos (João 15:16) e sabe perfeitamente do que todos precisam, até porque ele é Deus e conhece todas as coisas. Já os sumos sacerdotes da antiga aliança eram falhos em suas ministrações porque eram pessoas limitadas e fracas.

UM SUMO SACERDOTE. Jesus também era o Cristo, e como tal, ele era o enviado e ungido Sumo Sacerdote pelo povo diante de Deus. De acordo com a antiga aliança, Arão foi constituído como sumo sacerdote com a sucessão dos seus descendentes, que foram muitos, como intercessores entre o povo e Deus. Cristo é superior, porque na nova dispensação ele se posicionou como único Sumo Sacerdote, até porque a morte não tem poder sobre ele, portanto, ele permanece para sempre como nosso intercessor.

QUE NÃO POSSA COMPADECER-SE. Cada sumo sacerdote da antiga aliança agia de uma maneira, em que alguns eram mais aplicados à causa do povo, mas outros um tanto relapsos quanto as suas atividades em ajudar ao povo diante de Deus. Mas o Sumo Sacerdote da igreja, que é Cristo Jesus, quando esteve exercendo seu ministério na terra deu plena demonstração do quanto era compassivo pelas causas dos seus remidos.

DAS NOSSAS FRAQUEZAS. Na antiga aliança, os sumos sacerdotes, mesmo sendo cheios de fraquezas, mas nem todos eram complacentes para com todos, porque o ser humano age muito por interesses pessoais. No entanto, o nosso Sumo Sacerdote nunca faz acepção de pessoas, sempre que um dos seus servos recorre a ele, o Senhor Jesus intercede ao Pai em favor dos seus. Sempre que necessário ele se interpõe por nós.

POREM, UM QUE. Por que o Senhor Jesus entende a causa e a necessidade de cada um dos seus servos? Porque ele passou pelas mesmas provações e tentações que os seus seguidores passam todos os dias de suas vidas. O autor está chamando a atenção dos seus leitores quanto à importância de Cristo para a sua igreja, como Sumo Sacerdote que intercede diante de Deus pelos seus seguidores, isso porque ele é misericordioso.

EM TUDO FOI TENTADO. Não há nada de difícil que nós passamos nesta vida, que o Senhor Jesus não tenha passado também. O nosso Mestre não teve uma vida nada fácil, pelo contrário, a todo o momento ele estava sendo tentado a falhar em sua missão, até porque, se Jesus tivesse falhado em sua missão, toda a humanidade teria sido prejudicada, de forma que, sua responsabilidade foi imensamente grande na terra.

MAS SEM PECADO. A doutrina da impecabilidade de Cristo é defendida em toda a extensão do Novo Testamento, como alguém que cumpriu fielmente todas as exigências da lei de Deus, por isso que ele não pecou, não falhou nem errou. Por ser perfeito em tudo é que ele conquistou o título de Sumo Sacerdote de Deus, que está diante do trono da graça intercedendo por nós, e nisto a igreja remida é beneficiada em tudo.

terça-feira, 28 de março de 2017

Hebreus 4:14

Hebreus 4:14 - Visto que temos um grande sumo sacerdote, Jesus, Filho de Deus, que penetrou nos céus, retenhamos firmemente a nossa confissão.
VISTO QUE TEMOS UM GRANDE. Em muitos dos textos desta carta reveladora, o autor se inclui dentre os seus leitores, como participante de uma mesma família, a família de Deus, que é a igreja remida de Cristo Jesus. Ao mesmo tempo em que ele nos faz saber da grandeza dos serviços prestados por Cristo Jesus na vida de todos aqueles que são chamados para o reino de Deus. O restante deste capítulo nos faz saber da superioridade de Cristo no tocante a seu ministério de intercessão diante de Deus.

SUMO SACERDOTE. Essa já era uma profecia vaticinada nas literaturas religiosa dos hebreus, conforme Salmos 110:4 - Jurou o Senhor, e não se arrependerá: tu és um Sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque. De acordo com o conhecimento dos hebreus e o que prevalecia na velha dispensação, o sumo sacerdote tinha uma importância fundamental, no que diz respeito ao perdão dos pecados do povo, porque ele entrava na presença de Deus, no santo dos santos para interceder em lugar do povo.

JESUS. Em grande parte desta carta aos Hebreus o escritor faz questão de colocar o nome de Jesus, sem o sobrenome Cristo, para dar destaque ao mesmo Jesus de Nazaré que se tornou conhecido em todo o Israel, uma vez que, ele concentrou suas atividades ministeriais entre o seu povo, os hebreus. Jesus é o nome próprio do filho de Deus e é a transliteração do nome de Josué. O nome Jesus quer dizer: Aquele que é o Salvador.

FILHO DE DEUS. O profeta Isaías já havia profetizado que, o Messias seria chamado filho de Deus, uma vez que o seu nascimento se daria por um ato milagroso da parte de Deus Pai (Isaías 9:6). De fato, Jesus era filho adotivo ou de criação de José, marido de Maria, porque o Pai de Jesus era o próprio Deus, uma vez que, ele foi gerado pelo Espírito Santo de Deus (Mateus 1:18). Jesus é o Filho unigênito de Deus Pai (João 3:16).

QUE PENETROU NOS CÉUS. Atos 1:9-11 - E, quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos. E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois homens vestidos de branco. Os quais lhes disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir. Jesus está a destra de Deus.

RETENHAMOS FIRMEMENTE. Mais uma vez o autor se inclui entre aqueles que precisavam continuar firmes nas palavras do evangelho de Cristo, tendo a certeza de que o Cristo de Deus está assentado à destra do Pai, intercedendo pela sua igreja amada, que ele comprou com seu sacrifício de amor. Por isso que o escritor conclama seus leitores a se achegarem com confiança ao trono da graça para receberem o perdão de Deus.

A NOSSA CONFISSÃO. Neste mesmo tempo, e em todo o período da igreja primitiva, muitos sofreram terríveis pressões para negarem a sua fé em Cristo Jesus. No país de Israel era grande a perseguição dos judaizantes contra os seguidores de Cristo, porque os judeus mataram o Senhor Jesus e agora desejavam eliminar o cristianismo da face da terra. Portanto, o escritor incentiva seus leitores a não negarem a fé no nome de Jesus.

Hebreus 4:13

Hebreus 4:13 - E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar.
E NÃO HÁ CRIATURA ALGUMA. Deus conhece todas as coisas criadas na terra, nos oceanos e nos céus, porque ele é Onisciente. Quando se fala de criatura, não esta se referindo somente aos seres humanos, mas diz respeito a tudo que existe visíveis e invisíveis, seja na terra ou nos céus. Como também neste mesmo texto, podemos perceber a Onipresença de Deus, até porque para que alguém tenha conhecimento de tudo que acontece no universo inteiro, este mesmo alguém tem que está em todo lugar.

ENCOBERTA. Ninguém pode se esconder de Deus. Salmos 139:7-10 - Para onde me irei do teu espírito, ou para onde fugirei da tua face? Se subir ao céu, lá tu estás; se fizer no inferno a minha cama, eis que tu ali estás também. Se tomar as asas da alva, se habitar nas extremidades do mar. Até ali a tua mão me guiará e a tua destra me susterá. Os mais importantes dos seres já criados não pode escapar do escrutínio do Deus Todo-poderoso, isso porque, seus olhos são como chamas de fogo que tudo perscruta e ver e conhece.

DIANTE DELE. O escritor se reporta sobre o Deus que é Juiz dos vivos e dos Mortos, a quem haverão de comparecer todos os seres humanos para prestarem conta dos seus feitos, das suas palavras e até dos seus pensamentos maliciosos. O autor no texto anterior exalta a palavra de Deus como algo que chega de forma eficaz e penetrante a todos os seres humanos, e agora ele alerta para o fato de que Deus tudo ver e conhece.

ANTES TODAS AS COISAS. Os Hebreus tiveram a chance por meio da lei de Moisés de serem abençoados em tudo pelo Deus Criador de todas as coisas, mas infelizmente falharam. No entanto, por meio do Messias eles estavam novamente com a maior oportunidade de se reconciliarem com Deus. E não podiam perder esta oportunidade, porque Deus conhece tudo e a todos, inclusive o que eles fizeram com o seu Filho Jesus.

ESTÃO NUAS E PATENTES. Os leitores desta carta eram hebreus, que nasceram sob o regime da lei, seguiram os ditames do judaísmo, sabiam que não tinham condições de guardarem todas as regras da legislação de Moisés. A nação em sua grande maioria rejeitou o Messias de Deus, mas os hebreus, agora, estavam com uma chance de ouro para serem benditos de Deus, reconhecendo a Cristo, como Juiz dos vivos e dos mortos.

AOS OLHOS DAQUELE. Mais uma vez o escritor retoma o tema da Onipresença e Onisciência de Deus. Jesus falou que: Não há nada encoberto que não haja de ser revelado e nada há oculto que não haja de vir à luz (Marcos 4:22). Percebe-se nesta frase a imensidão e a grandeza do Deus Criador, ao ponto de todas as coisas estarem nuas e patentes aos seus olhos. Qual o ser humano que tem este pode? Ninguém!

COM QUEM TEMOS DE TRATAR. Os próprios leitores desta carta estavam sob o escrutínio de Deus, porque os salvos irão comparecer ante o tribunal de Cristo (2 Coríntios 5:10). Como também todos os ímpios, incrédulos e ateus irão comparecer diante do grande trono branco para prestarem conta dos seus feitos. Não adianta o homem tentar fugir de suas responsabilidades para com o Juiz dos vivos e dos mortos.

Hebreus 4:12

Hebreus 4:12 - Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.
PORQUE A PALAVRA DE DEUS. Para os seguidores do judaísmo, a palavra de Deus era tudo aquilo que eles chamavam de literatura religiosa dos hebreus. Os judeus ortodoxos seguiam a Torá, os judeus da Galileia seguiam o Cânon da dispersão, bíblia católica e os moradores da Judeia se orientavam pelo Cânon dos puritanos, escribas e fariseus, bíblia evangélica. E os cristãos legalistas acreditavam em todas as literaturas religiosas dos judeus mais o evangelho, e as igrejas gentílicas aceitavam o evangelho das boas novas.

É VIVA E EFICAZ. A título de hoje, existem aqueles que acreditam que a bíblia é a palavra de Deus em sua totalidade, ao ponto de serem acusados de praticantes da bibliolatria, que é a idolatria a bíblia. Como também existe uma grande parte dos estudiosos das Escrituras, que acreditam que a bíblia contém a palavra de Deus. Seja como for, a palavra de Deus é viva e eficaz, exercendo seu papel de luz para a humanidade.

E MAIS PENETRANTE DO QUE ESPADA ALGUMA DE DOIS GUMES. Uma espada de dois gumes realmente tem um efeito de penetração devastadora, porque ela corta dos dois lados de sua navalha. A palavra de Deus igualmente tem efeito tanto na vida de quem a prega, bem como na vida dos que a ouvem. Não há ouvidos fechados que não a possa penetrar e não há coração dura que ele não possa quebrar e refazer novamente.

E PENETRA ATÉ A DIVISÃO DA ALMA E DO ESPÍRITO. Quando se prega de verdade a palavra de Deus, e não ideologia de pregador com segundas intenções, efetivamente a palavra de Deus tem a capacidade de penetrar no mais íntimo do ser humano. Quando se fala sobre a alma e o espírito do ser humano, está se referindo ao seu ser mais profundo, o ser essencial do homem, a sua unidade espiritual que é a alma e o espírito.

E DAS JUNTAS E MEDULAS. Já estas palavras falam a respeito do ser total do homem, e sua energia total. Porque as juntas falam da ligação de todos os membros do corpo de um ser humano. Enquanto que, as medulas nos ensinam sobre a energia que dá vida e movimento a todos os membros do corpo. Isso fala do efeito da palavra de Deus sobre as qualidades morais e físicas do ser humano que se deixa ser guiado pelo evangelho.

E É APTA PARA DISCERNIR OS PENSAMENTOS. Ver-se nisto a capacidade de penetração e efeito da palavra de Deus, em que ela atinge eficientemente o intelecto do ser humano, ao ponto de produzir a verdadeira sabedoria e Inteligência dos filhos dos homens. Quando alguém vive de fato o evangelho de Cristo, tal pessoa está agindo de acordo com a atitude mais sábia que se possa imaginar, porque está seguindo a luz e o conhecimento.

E INTENÇÕES DO CORAÇÃO. Quando alguém prega verdadeiramente a palavra de Deus, não precisa se preocupar com os efeitos positivos que o evangelho é capaz de produzir na vida dos que há ouvem. A própria palavra de Deus se encarrega de fazer a transformação de vida dos ouvintes. Quando se fala sobre o coração está se falando da sede da vida, porque o coração é quem trabalha com o sangue e o sangue é a vida do ser humano.

Hebreus 4:11

Hebreus 4:11 - Procuremos, pois, entrar naquele repouso, para que ninguém caia no mesmo exemplo de desobediência.
PROCUREMOS, POIS. Como o autor se inclui na mensagem, podemos afirmar que ele se dirige aos seus leitores com exortações importantes, no sentido de cada vez mais se firmarem no evangelho das boas novas de Cristo. O verbo expressa ação daqueles que já eram conhecedores das verdades de Deus, estimulando os hebreus a que se esforçassem ao máximo para que entrassem no repouso eterno, o que significa serem dignos de morar na Nova Jerusalém Celestial, onde não mais haverá sofrimento, nem dor e nem choro.

ENTRAR. Assim como Moisés tinha consigo a missão de tirar os filhos de Israel da terra da servidão, o Egito e os introduzirem na terra da promessa, Canaã. Cristo veio com a missão de resgatar os seus servos do Egito, que representa o mundo, e os introduzirem na Nova Jerusalém Celestial. Mas para que os homens possam entrar neste repouso prometido por Cristo, precisam aceitar a Cristo Jesus como Senhor e Salvador.

NAQUELE REPOUSO. Este repouso não se refere à entrada dos filhos de Israel na terra de Canaã, até porque de fato, a entrada na terra prometida aconteceu, porem, em textos anteriores, o escritor desta carta demonstra que não aconteceu o repouso esperado, é tanto que, não muito depois, por causa da desobediência a legislação de Moisés, o filhos de Israel se tornaram cativos. Mas este repouso sobre o qual o autor se reporta diz respeito a salvação e vida eterna, morada eterna na pátria celestial, a Cidade Santa.

PARA QUE NINGUÉM. A antiga aliança de Deus com os hebreus era um pacto nacionalista, em que somente uma nação, Israel dela participava, portanto era de pouco alcance. Todavia, a nova dispensação da graça de Deus, por meio de Cristo Jesus é muito abrangente, pois dela todas as nações do mundo podem participar, e muito mais, individualmente, todo aquele que crer no nome de Cristo, entrará no repouso de Deus.

CAIA. Os filhos de Israel que saíram do Egito por meio de Moisés, e que murmuraram contra Deus, o provocando a ira, caíram no deserto, e não tiveram o privilégio de entrarem na terra prometida. A nação de Israel que entrou na terra prometida de Canaã caiu nos cativeiro, porque desobedeceu a legislação de Moisés. Se os leitores desta carta também desobedecerem ao evangelho das boas novas cairão da graça de Deus.

NO MESMO EXEMPLO. O que aconteceu com os filhos de Israel, no deserto de Horebe, em Massá e Meribá, deve servir de exemplo para os que dentro da nova dispensação servem a Cristo, a fim de que não imitem os desobedientes e rebeldes filhos de Israel. Isso porque, o mesmo Deus que se irou no passado contra os rebeldes, ele não mudou e continua tomando as devidas providências com justiça contra os que apostatam da fé.

DE DESOBEDIÊNCIA. Quando os filhos de Israel chegaram ao deserto, eles todos já eram conscientes de que, o destino era a terra de Canaã, porque conheciam o suficiente da fidelidade de Deus em cumprir suas promessas, no entanto, desobedeceram as palavra do Senhor. Os hebreus foram os primeiros a conhecerem o evangelho pelas pregações do próprio Cristo, porque o Messias veio e se manifestou entre eles como profeta de Deus.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Hebreus 4:10

Hebreus 4:10 - Porque aquele que entrou no seu repouso, ele próprio repousou de suas obras, como Deus das suas.
PORQUE. Neste momento o autor tem uma visão espiritual do que vai acontecer de fato com o repouso eterno dos remidos em Cristo, quando estes entrarem na Nova Jerusalém Celestial para tomarem posse da promessa eterna de Cristo para todos os salvos. Apesar de muitas controvérsias sobre o texto a que estamos comentando já ter sido levantada, mas, a revelação da palavra de Deus nos da à inspiração de que, efetivamente o escritor está se referindo a todos aqueles que haverão de herdar a salvação e a vida eterna.

AQUELE. Alguns pensam que este, sobre o qual se reporta o escritor, diz respeito àquele que teve o privilégio de entrar na Canaã, ainda no tempo de Josué, opinião que é refutado por textos anteriores. Outros imaginam que o escritor esta se referindo a Cristo Jesus, que subiu ao céu e se assentou a destra de Deus, o que não deixa de ser verdade. Porem, as evidências nos levam a crer que se trata mesmo dos remidos de Cristo Jesus.

QUE ENTROU. É mais clara aquela versão que diz: “que está entrando” em se tratando dos salvos em Cristo Jesus. Essa é uma forma de se afirmar com convicção de que, a promessa do repouso eterno dos remidos já é uma realidade. Assim sendo, o escritor já fala como se o futuro se antecipasse, dada a fidelidade de Deus em cumprir suas palavras. Este verbo não pode se referir ao que aconteceu na conquista de Canaã, porque o escritor afirma em textos anteriores que aquela conquista não foi o repouso prometido.

NO SEU REPOUSO. Com relação aos remidos de Cristo que haverão de participar da vida eterna na Nova Jerusalém Celestial, eles de fato tomarão posse do verdadeiro repouso eterno, em que não sofrerão jamais qualquer tipo de contrariedade, por isso que a vida eterna, neste caso, também é chamada de repouso eterno. Há quem diga que este repouso dos remidos de Cristo começa já com a partida desta vida para o paraíso.

ELE PRÓPRIO REPOUSOU. Por isso que a morte biológica para o salvo em Cristo não é o fim da existência da alma, mas para os que são de Cristo, é apenas a passagem de uma modalidade de vida para outra melhor ainda. O evangelho ensina que, os que são de Cristo, eles não morrem, mas apenas dormem no Senhor, o que é um tipo de repouso. A tradição cristã afirma que, os que partiram com Cristo, repousam no paraíso, tranquilos.

DE SUAS OBRAS. Durante esta vida presente, todos aqueles que vivem para Cristo e com Cristo, buscam cumprir seus deveres como cidadãos que são, além de buscarem com esforço total fazer a vontade de Deus. Mas, ao deixarem o tabernáculo terreno, o corpo, a alma vai para o paraíso, onde não há mais obras a serem executadas. Se alguém tem que fazer alguma coisa que faça agora, porque depois é só repouso e tranquilidade.

COMO DEUS DAS SUAS. Essa mesma frase é encontrada no versículo quatro deste capítulo falando de quando o Senhor criou a terra e os céus atmosféricos. E o próprio evento narrado no livro de Gênesis declara que o Senhor descansou no sétimo dia, tendo já concluído aquela obra que foi relatada como concluída. Mas é bom observar que isso não encerrou os atos criativos de Deus, e ele continua trabalhando e criando sempre.

Hebreus 4:8-9

Hebreus 4:8-9 - Porque, se Josué lhes houvesse dado repouso, não falaria depois disso de outro dia. Portanto, resta ainda um repouso para o povo de Deus.
PORQUE, SE JOSUÉ. Dentro do mesmo assunto que o autor vem abordando neste mesmo capítulo de Hebreus, ele deixa um pouco de lado o fato da provocação que houve no deserto em Horebe para escrever sobre a entrada dos filhos de Israel na terra prometida. Como Moisés não pode entrar na terra de Canaã, por conta de sua desobediência a voz de Deus. Então, o Senhor chamou a Josué para pleitear a conquista da terra que manava leite e mel, juntamente com Israel. Josué assumiu o lugar de Moisés na conquista.

LHES HOUVESSE DADO REPOUSO. A promessa era dar repouso aos filhos de Israel, quando estes entrassem na terra de Canaã, só que por conta da desobediência daquele povo, eles não tiveram descanso na terra prometida. Não demorou muito, e os hebreus entraram por caminhos diferentes daqueles que Moisés havia ensinado por meio de sua legislação. Até que vieram os cativeiros e foram expulsos da terra prometida a Abraão.

NÃO FALARIA DEPOIS DISTO. De forma que, a promessa não pode ser concretizada, não porque Deus tivesse falhado, não foi isso, mas os filhos de Israel não foram dignos de receberem o cumprimento da promessa feita a Abraão. Assim sendo, na interpretação do escritor, ainda restava um repouso para o povo de Deus, agora, não os descendentes biológicos de Abraão, mas os seus filhos na fé, como diz o evangelho de Cristo Jesus.

DE OUTRO DIA. Um dia muito importante para o Israel de Deus foi quando o povo entrou na terra que manava leite e mel, porem, eles não fizeram por onde aquele tempo fosse o comprimento da promessa. Este “outro dia” diz respeito a uma plenitude de tempo chamado dispensação da graça, em que Deus renova a promessa de um novo repouso para o seu povo, quando o Messias veio para libertar um povo seu zeloso de boas obas.

PORTANTO, RESTA AINDA. A promessa foi feita ao amigo de Deus, o patriarca Abraão, que introduziria os seus descendentes na terra de Canaã, e assim o Senhor cumpriu esta palavra, tirando o povo da casa da escravidão e levando até a terra da promessa. Todavia, o repouso não aconteceu, e se não aconteceu, precisava acontecer, porque as promessas de Deus são irrevogáveis, isso porque, ele é fiel em cumprir a sua palavra.

UM REPOUSO. Resta ainda um repouso, e para que o povo de Deus tome posse deste repouso, o Messias de Deus veio para libertar os seus remidos da escravidão do pecado, deixou o seu evangelho que mostra o caminho até a Nova Jerusalém Celestial, onde o povo de Deus haverá de fato repousar de todos os tipos de sofrimentos e contrariedades. Este repouso vai se cumprir na vida de todos aqueles que fazem parte da igreja remida do Senhor Jesus. É repouso porque não haverá mais dor, nem choro e nem morte.

PARA O POVO DE DEUS. No tempo da velha dispensação, o povo de Deus era todos aqueles que faziam parte da nação de Israel, todos aqueles que seguiam o judaísmo instituído pelo grande legislador Moisés. Com a manifestação do Messias de Deus, Jesus de Nazaré, o povo de Deus é a igreja amado de Cristo. Igreja esta composta de Hebreus e gentios de todas as nações do mundo, todos aqueles que nasceram de novo para Deus.

Hebreus 4:7

Hebreus 4:7 - Determina outra vez um certo dia, Hoje, dizendo por Davi, muito tempo depois, como está dito: Hoje, se ouvirdes a sua voz, Não endureçais os vossos corações.
DETERMINA OUTRA VEZ. A promessa a Abraão foi feita de que os seus descendentes herdariam a terra prometida, e isso foi confirmado com a saída dos hebreus do Egito, da casa da servidão. Porem, aquela mesma geração que saiu do Egito, não tomou posse da terra, e os que tomaram posse não permaneceram, é tanto que, aconteceram os cativeiros. Todavia, com a vinda do Messias, Deus estava renovando a promessa de uma nova pátria, desta vez, uma pátria celestial, que é a Nova Jerusalém de cima.

UM CERTO DIA, HOJE. Novamente o escritor se utiliza do (Salmos 95:7,8), dando uma interpretação especial para defender a nova dispensação, como sendo o dia de hoje. O Messias de Deus veio justamente para implantar uma nova gestão na administração de Deus com a humanidade, o que o autor chama de hoje. Este hoje a que se refere o escritor diz respeito à nova dispensação da graça de Deus, em Cristo Jesus nosso Senhor.

DIZENDO POR DAVI. Os salmos eram intensamente conhecidos pelos hebreus, porque era o hinário nacional do povo de Deus. E para o escritor desta carta, bem como para os seus leitores, o Salmos citado era de composição do rei Davi, ele que conforme as tradições dos hebreus foi o escritor da maior parte do conteúdo dos Salmos. De forma que Davi é também considerado um anunciador das boas novas do evangelho.

MUITO TEMPO DEPOIS, COMO ESTÁ DITO. Mais ou menos quinhentos anos depois da entrada dos filhos de Israel em Canaã, Deus tomava o seu servo Davi para anunciar um novo tempo, no que tange ao relacionamento de Deus com a humanidade. Este novo tempo diz respeito à nova dispensação da graça de Deus para com todas as nações do mundo, pelo pacto estabelecido pelo Messias de Deus. E depois de Davi, temos ainda mais ou menos mil anos para que a profecia viesse a se cumprir, já no tempo de Cristo.

HOJE, SE OUVIRDES. Esse hoje aponta em direção de todos aqueles que estavam tomando conhecimento do conteúdo desta carta, os leitores desta missiva, bem como todos aqueles que tiveram o privilégio de ouvirem o próprio Senhor Jesus, como também todos aqueles que nasceram após a implantação da nova dispensação pelo Messias de Deus, Jesus de Nazaré. A porta da graça de Deus continua aberta para todos.

A SUA VOZ. Foi o Espírito de Deus quem se utilizou do salmista Davi para anunciar estas palavras, apontando para um tempo futuro, em que Deus por meio do seu Messias implantaria a nova dispensação da graça. Cristo veio como profeta de Deus, também anunciado pelo próprio Moisés (Deuteronômio 18:15,18), ele que pregou as boas novas do evangelho de Deus (Hebreus 1:1-2). Sua voz continua ecoando por meio de sua igreja.

NÃO ENDUREÇAIS OS VOSSOS CORAÇÕES. Podemos dizer que, esta é uma mensagem direta de Deus para os leitores desta belíssima carta. O mundo precisa ouvir a voz dos profetas desta geração, que são os embaixadores de Cristo na terra. Endurecer o coração é não dá ouvido à mensagem, que o Espírito de Deus tem anunciado, por meio dos verdadeiros evangelistas do reino de Deus e de Cristo, que pregam o evangelho.

sábado, 25 de março de 2017

Hebreus 4:6

Hebreus 4:6 - Visto, pois, que resta que alguns entrem repouso, e que aqueles a quem primeiro foram pregadas as boas novas não entraram por causa da desobediência.
VISTO, POIS, QUE RESTA QUE ALGUNS. Observamos neste ponto, que a salvação não é de todos nem para todos. No caso dos filhos de Israel, nem todos que saíram da terra do Egito por meio de Moisés, tiveram o privilégio de entrar da terra de Canaã. Como também já dentro do tempo da nova dispensação, a salvação está disponível para todos, mas sabemos que poucos são aqueles que dão crédito ao evangelho da verdade.

ENTREM NO REPOUSO. Ainda em se tratando dos filhos de Israel, a grande maioria pereceu no deserto, somente os que tinham de vinte anos para baixo é que ficaram vivos e alguns outros, que não murmuraram, nem tentaram e nem provocaram ao Senhor. Da mesma forma, neste tempo presente, em que Cristo esta conduzindo alguns para as mansões celestiais, mas nem todos hão de tomarem posse da salvação. Se comparar com as grandes multidões dos perdidos, apenas alguns serão salvos e herdarão a vida eterna.

E QUE AQUELES A QUEM. O autor fala daqueles que dos filhos de Israel, tinham conhecimento das promessas de Deus feitas a Abraão, e que por meio de Moisés, ouviram as boas novas de que o Senhor os estava tirando do Egito para conduzi-los a terra prometida, Canaã. Como também, o escritor se refere aqueles que já no tempo de Cristo tiveram o privilégio de ouvi-lo pessoalmente, mas que não creram na sua palavra.

PRIMEIRO FORAM PREGADAS. Depois da aliança feita entre Abraão e Deus, pela promessa do Senhor, as boas novas de que os filhos de Israel tomariam posse da terra prometida passou a ser divulgada para todos os descendentes de Abraão. Já no que diz respeito ao repouso eterno, o Messias de Deus veio justamente para o seu povo, os hebreus, que tiveram o privilégio de ouvirem de Cristo as promessas de vida eterna.

AS BOAS NOVAS. Essas boas novas para os filhos de Israel eram justamente a promessa de entrada na terra de Canaã. Imagine uma nação inteira que estava sendo escravizada no Egito, sair da casa da servidão rumo ao cumprimento da promessa de tomar posse de uma terra que manava leite e mel? Porem, as boas novas no tempo de Cristo são justamente o anuncio de novas promessas de posse de uma pátria celestial, onde os salvos não terão contrariedades, nem dor e nem sofrimentos de espécie nenhuma.
NÃO ENTRARAM. Infelizmente grande parte daqueles que saíram cheios de esperança da terra do Egito, baseados na promessa feita a Deus de torarem possa da terra prometida, não puderam entrar na terra prometida. Como também muitos dos que ouviram as boas novas do próprio Cristo de Deus, o rejeitaram, e por isso perderam a promessa de vida eterna. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam, nem o aceitaram (João 1:10.

POR CAUSA DA DESOBEDIÊNCIA. No caso dos filhos de Israel que pereceram no deserto, eles não tomaram posse da promessa de entrarem na terra prometida, por causa da desobediência. E manifestaram essa tal desobediência por meio das murmurações, tentando ao Senhor e lhe provocando a ira. Cristo meio e anunciou o novo programa de salvação de Deus, mas os seus não entenderam que ele era o Messias prometido por Deus. A desobediência às boas novas do evangelho impede da posse da vida eterna.

terça-feira, 21 de março de 2017

Hebreus 4:4-5

Hebreus 4:4-5 - Porque em certo lugar disse assim do dia sétimo: E repousou Deus de todas as suas obras no sétimo dia. E outra vez neste lugar: Não entrarão no meu repouso.
PORQUE EM CERTO LUGAR. Nesta carta aos Hebreus, o autor se utiliza de muitas passagens das literaturas religiosas dos judeus, até porque ele estava escrevendo para pessoas que eram conhecedoras das Sagradas Escrituras. No caso em foco, não era que o escritor não soubesse onde estava escrito o texto sobre o qual ele se reporta, mas essa era uma forma literária em que os escritores tornavam seus escritos mais atraentes, até em termos de autoridade, com amarrações que despertavam a pesquisas dos leitores.

DISSE ASSIM DO SÉTIMO DIA. É bom lembrar que, no tempo em que esta carta foi escrita, a bíblia não era dividida em capítulos e versículos como temos nos dias de hoje. Todavia, descobrimos que a citação feita pelo nosso escritor diz respeito a Gênesis 2:2 - E havendo Deus acabado no dia sétimo a obra que fizera, descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito. O sétimo dia passou a ser muito importante para os hebreus.

E REPOUSOU DEUS. Essa é uma expressão que merece uma explicação no mínimo razoável, senão convincente mesmo, porque tem gerado inúmeras controvérsias, principalmente pelos que duvidam da palavra de Deus. Não que Deus tivesse cansado de trabalhar, mas essa é uma frase que nos fala sobre a conclusão de tudo que naquele momento Deus pretendia fazer. Também não sinaliza a fim das atividades de Deus.

DE TODAS AS SUAS OBRAS NO SÉTIMO DIA. O escritor do livro dos começos estava escrevendo em um estilo literário que deveria ter uma mensagem compreensível por aqueles que viessem a ler suas palavras. A leitura pura e simples do capítulo um e dois do livro do Gênesis, logo se percebe que o escritor fala da criação da terra e do seu sistema solar. Porem, a criação total de Deus vai infinitamente muito além do que isso.

E OUTRA VEZ NESTE LUGAR. Agora, o escritor volta a citar o Salmos 95:11 - A quem jurei na minha ira, que não entrarão no meu repouso. Quer dizer, os filhos de Israel que se rebelaram contra o seu Deus no deserto não entraram no repouso prometido, que naquele caso seria a terra de Canaã, terra que manava leite e mel, que era uma prefiguração da Nova Jerusalém, para onde irão os remidos de Cristo Jesus, o Salvador.

NÃO ENTRARÃO. No tocante aos que provocaram a ira de Deus no deserto de Massá e Meribá, eles realmente não tiveram o privilégio de participarem da conquista de Canaã, isso porque pereceram no deserto. Assim também, os que não acreditarem no evangelho de Cristo e andarem conforme os parâmetros da nova dispensação da graça, da mesma forma correm o risco de não herdarem a salvação e a vida eterna.

NO MEU REPOUSO. O repouso prometido aos filhos de Israel era a conquista de uma terra boa e de fartura em que não mais passariam nenhum tipo de necessidade, porque a terra manava leite e mel, e isso fala de uma terra boa. Já no que diz respeito aos leitores desta carta, o repouso futuro dos remidos é na Nova Jerusalém, lugar de bem-estar eterno, onde não mais haverá dor, nem prato, mas somente paz e profunda felicidade.

Hebreus 4:3

Hebreus 4:3 - Porque nós, os que temos crido, entramos no repouso, tal como disse: Assim jurei na minha ira Que não entrarão no meu repouso; embora as suas obras estivessem acabadas desde a fundação do mundo.
PORQUE NÓS, OS QUE TEMOS CRIDO. Novamente o escritor se inclui dentre os seus leitores como aqueles que têm acreditado nas boas novas do evangelho de Cristo e em tudo que se dispões a nova aliança da graça de Deus com a humanidade por meio de Cristo Jesus, o Messias de Deus, que veio na plenitude dos tempos para estabelecer uma nova aliança de paz com hebreus e gentios. Este “crido” sobre o qual fala o autor é o ato de fé na obra perfeita de redenção prodigalizada pelo Cristo de Deus, Jesus de Nazaré.

ENTRAMOS NO REPOUSO. Certamente o escritor se reporta a um novo tempo de relacionamento de Deus com a humanidade, em que as promessas não são mais como foram feitas aos filhos de Israel de uma pátria terrena, como foi o caso de Canaã. Este entrar no repouso nos fala sobre novas promessas de vida eterna, em que os remidos de Cristo, ainda na terra, já tomam posse da pátria celestial, pela fé no nome de Cristo.

TAL COMO DISSE: ASSIM JUREI. De volta ao tema abordado em textos anteriores o autor chama a atenção dos seus leitores sobre o que aconteceu no deserto de Horebe com os filhos de Israel, em que pela desobediência deles, Deus se irou contra os rebeldes e fez juramento de que eles não entrariam no seu repouso de desfrutarem das bênçãos da terra prometida que manava leite e mel, a terra de fartura que era Canaã.

NA MINHA IRA. A mesma bíblia que diz que o Senhor é um Deus amoroso, que age dentro de suas qualidades de bondade e que pratica a misericórdia, é a mesma palavra que adverte aos desobedientes que Deus é também um fogo consumidor, e que horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo. Deus não se deixa escarnecer, e não tem culpado por inocente, se este alguém é culpado de alguma coisa diante da justiça divina.

QUE NÃO ENTRARÃO NO MEU REPOUSO. Efetivamente, todos aqueles que em Massá e Meribá murmuraram contra Deus, chegando a afirmarem de que o Senhor os havia tirado do Egito para lhes matarem no deserto, além do mais tentaram ao Senhor, falando de que, ele não era capaz de suprir as necessidades do seu povo, e por fim, provocaram a ira de Deus. E quando Deus se ira, coisas terríveis terminam acontecendo.

EMBORA AS SUAS OBRAS ESTIVESSEM ACABADAS. Desde que há homens sobre a terra que Deus havia completado a sua obra, não somente sobre a terra, mas em todo o cosmo e o universo. E estas obras deveriam servir de exemplo para os filhos de Israel, que o Senhor Deus é capaz de fazer tudo, muito mais do que o ser humano possa pensar ou imaginar. Basta se olhar para as obras de Deus, e logo se percebe sua grandeza e poder.

DESDE A FUNDAÇÃO DO MUNDO. O relato do livro do Gênesis é claro em trazer detalhes bastante compreensíveis dos atos criativos do Deus de Israel. De forma que, os filhos de Israel não tinham motivos para duvidarem de que ele poderia matar a sede do povo, bem como suprir-lhes todas as necessidades. Alerta para os leitores desta carta sobre não duvidarem de que Deus tem grandes promessas de repouso para o seu povo.

segunda-feira, 20 de março de 2017

Hebreus 4:2

Hebreus 4:2 - Porque também a nós foram pregadas as boas novas, como a eles, mas a palavra da pregação nada lhes aproveitou, porquanto não estava misturada com a fé naqueles que a ouviram.
PORQUE TAMBÉM A NÓS FORAM PREGADAS. É interessante observar que o escritor se inclui entre aqueles que fazem parte dos hebreus, que pode ser um dos apóstolos de Jerusalém ou também Paulo que era hebreu de hebreus. O próprio Senhor Jesus concentrou suas atividades evangelísticas em Israel, buscando levar o seu evangelho aos seus compatriotas judeus, bem como os seus apóstolos em sua grande maioria, pelo menos até os anos setenta fizeram o mesmo, evangelizando os hebreus.

AS BOAS NOVAS. Essas boas novas a que se refere o escritor, dizem respeito a tudo que envolve o evangelho de Cristo e os parâmetros da nova aliança da graça de Deus com a humanidade, mediante a obra perfeita de redenção realizada por Cristo Jesus nosso Senhor. Não que o evangelho tivesse chegado a todos os israelitas individualmente, mas os leitores desta carta, que eram cristãs, as boas novas de Cristo alcançaram a todos.

COMO TAMBÉM A ELES. Da mesma forma, os filhos de Israel, aqueles mesmos que se rebelaram contra o Senhor em Horebe, mais especificamente em Massá e Meribá, os que saíram com Moisés do Egito. Eles todos ouviram o plano de Deus pelas palavras de Moisés e Arão seu irmão, que era o porta voz de Moisés. Desde os primeiro momentos que o líder espiritual daquele povo, Moisés, vinha instruído toda a aquela gente.

MAS A PALAVRA DA PREGAÇÃO. Não que fosse a mesma mensagem do evangelho de Cristo que Moisés pregava para os filhos de Israel, o que o autor tenta explicar para seus leitores é que eles estavam instruídos de acordo com o que Deus planejava para eles todos. Moisés como um líder de grande sabedoria, porque ele era formado em todas as ciências do Egito, buscou com todo empenho transmitir a palavra de Deus ao povo.

NADA LHES APROVEITOU. O pior se deu, no fato de que os rebeldes não deram ouvidos ao que Deus falava por meio do seu servo Moisés. Enquanto Moisés pregava sobre os mandamentos de Deus e a sua lei, do outro lado, os filhos de Israel não se interessavam pelo que Deus lhes ensinava. Essa mensagem nos fala da obstinação dos filhos de Israel em desobedecerem à palavra do Senhor. Neste caso, apostasia superou a obediência.

PORQUANTO NÃO ESTAVA MISTURADA COM A FÉ. A palavra de Moisés foi ouvida por todos, mas o efeito foi negativo, porque os filhos de Israel não confiaram nas promessas de Deus. Da mesma forma, se os hebreus, leitores desta carta, não dessem ouvidos a mensagem que Cristo lhes trouxe, não crendo que ele era o Messias de Deus, assim como os desobedientes pereceram, também agora, não seriam salvos por Cristo Jesus.

NAQUELES QUE A OUVIRAM. O problema não estava em Moisés, nem muito menos em suas pregações, mas sim na rebeldia dos que lhe ouviram, mas não creram. Como também o problema não estava em Cristo e em suas pregações das boas novas, mas sim nos que lhe ouviram, por meio do seu ministério da pregação. Conhecer as verdades das boas novas do evangelho é uma coisa, mas obedecer à palavra pregada é outra coisa.

Hebreus 4:1

Hebreus 4:1 - Temamos, pois, que, porventura, deixada a promessa de entrar no seu repouso, pareça que algum de vós fica para trás.
TEMAMOS, POIS, QUE. O escritor demostra seu receio de que, o mesmo que aconteceu com os filhos de Israel, que pereceram no deserto, por conta da rebelião deles, venha a acontecer com o Israel espiritual. Na verdade, quando um judeu se convertia ao cristianismo, se travava uma luta tremenda dos judaizantes contra seu irmão cristão, uma vez que, os seguidores do judaísmo, não aceitavam a religião de Cristo como algo que fosse da parte de Deus, a prova disto é que rejeitaram a Cristo e o mataram crucificado.

PORVENTURA. Como não se sabe quem é de fato o escritor desta carta, apesar das muitas especulações, nem de onde ele escreveu sua missiva aos Hebreus, por isso que algumas conjecturas continuam a aflorar. Mas, podemos prever que o autor sabia do que estava acontecendo com os destinatários desta carta. E ao que tudo indica, dúvidas pairavam sobre a cabeça do escritor, bem como, os seus leitores não se sentiam seguros quanto a sua fé em Cristo, como também sobre a nova dispensação da graça de Deus.

DEIXADA. No caso dos filhos de Israel, eles não viviam na terra do Egito, mas apenas sobreviviam como escravos que eram. Porem, mesmo assim, nas primeiras provas de fé que tiveram que enfrentar, murmuraram contra Deus, se queixando que o Senhor os havia tirado do Egito para morrerem no deserto. Este verbo sinaliza sobre o estado de rebelião e apostasia daquela gente, que deixaram de crer nas palavras do seu Deus.

A PROMESSA. Quando ainda não existia nem a nação de Israel, o Deus Criador de todas as coisas fez aliança com Abraão, renovada com Isaque e confirmada com Jacó, de que os seus descendentes herdariam a terra de Canaã, terra que manava leite e mel. Bem como, a proposta de Deus por meio de Moisés era de que, os filhos de Israel estavam saindo do Egito para entrarem na terra prometida, mas eles não acreditaram na promessa feita.

DE ENTRAR NO SEU REPOUSO. A partir da promessa feita aos patriarcas de Israel, Abraão, Isaque e Jacó, isso passou a ser a grande esperança daquele povo. Quantos daqueles que viviam sob o regime de escravidão no Egito, não sonharam com o cumprimento da promessa, de entrarem em Canaã e serem libertos dos sofrimentos em que viviam? Agora, que tinham a chance de tomarem posse da promessa, não creram.

PAREÇA QUE ALGUNS DE VÓS. O escritor dá uma pausa sobre o fato que ele vem se reportando sobre os filhos de Israel, que pereceram no deserto, sem entrarem na terra de Canaã, e aponta sua mensagem em direção dos seus leitores para lhes advertirem sobre o mesmo perigo em que estavam incorrendo de não entrarem no repouso de Cristo, que é a promessa de vida eterna para os que nele creem verdadeiramente.

FICA PARA TRÁS. No caso do fato em que o autor vem discorrendo sobre aqueles que pereceram no deserto, por terem murmurado contra Deus, quando da tentação e provocação contra o Senhor, os que tinham mais de vinte anos, com algumas exceções, não entraram na terra prometida. Da mesma forma, os leitores desta carta, se não permanecessem na fé em Cristo, da mesma maneira ficariam para traz, sem a salvação.

sábado, 18 de março de 2017

Hebreus 3:18-19

Hebreus 3:18-19 - E a quem jurou que não entrariam no seu repouso, senão aos que foram desobedientes? E vemos que não puderam entrar por causa da sua incredulidade.
E A QUEM JUROU. O juramento de Deus foi contra os filhos de Israel que murmuraram contra o Senhor, tentaram o seu Deus, mesmo sabendo de tudo que o Senhor já havia realizado em prol deles e provocaram a ira ao Deus que é juiz dos vivos e dos mortos, por isso que o Senhor tomou as devidas providências contra os rebeldes e contra todos aqueles que estavam apostatando de sua fé em Deus. Jurar, neste caso é sentenciar.

QUE NÃO ENTRARIAM. Quando o Senhor enviou o seu servo Moisés para tirar o seu povo da terra do Egito e da casa da servidão, é porque a intenção do Senhor era cumprir sua promessa feita a Abraão de introduzir os seus descendentes na terra de Canaã. No entanto, o que aconteceu em Massá e Meribá, fez com que o Senhor mudasse de atitude, no sentido de que os que murmuraram, não entrariam na terra prometida e ponto final.

NO SEU REPOUSO. Quando ainda no Egito, os filhos de Abraão viviam sob o regime de escravidão, onde o sofrimento era muito grande. Mas, a libertação da casa da servidão e a introdução na terra de Canaã representava a independência daquele povo, que seria dono de suas próprias terras e propriedades. Com isso, os filhos de Israel passariam a ter tranquilidade, bem-estar, sossego, paz, numa terra que manava leite e mel. A intenção do Senhor era a melhor possível para aquele povo que era escolhido.

SENÃO AOS QUE FORAM DESOBEDIENTES? O evento da murmuração contra Moisés e contra o Senhor em Horebe gerou uma crise de comunhão entre o povo e Deus, ao ponto do Senhor virar as costas para aquela gente. Há nestas palavras do escritor uma mensagem ainda que subliminar sobre a rejeição de Cristo pelo povo judeu. Como os leitores desta carta eram cristãos, eles são alertados a não agirem da mesma forma.

E VEMOS QUE. O escritor desta carta aos hebreus era alguém que tinha conhecimentos profundos sobre as questões que envolvia a vida religiosa dos hebreus, como também os seus leitores eram judeus convertidos ao cristianismo. É bom lembrar aos nossos leitores que esta carta estava sendo escrita para os hebreus, que eram pessoas pertencentes à nação de Israel. A intenção da carta é enaltecer a Cristo e ao cristianismo em tudo.

NÃO PUDERAM ENTRAR. Muita gente saiu juntamente com Moisés da terra do Egito em direção da terra de Canaã, mas uma grande parte daquela gente, por conta de se virarem contra Deus, pereceu no deserto. Mesmo na nova dispensação da graça de Deus, se faz necessário que os seguidores de Cristo tenham muito cuidado para não se deixarem levar pelas murmurações, a fim de não tentarem nem provocarem a ira de Deus.

POR CAUSA DA SUA INCREDULIDADE. Primeiro, o escritor nos fala sobre a desobediência daqueles que murmuraram contra ao Senhor, e agora, ele destaca a incredulidade daquela gente. A título de hoje, estes mesmos problemas têm afetado a muitas pessoas, principalmente no tocante a incredulidade. A maioria da humanidade não vai desfrutar da salvação e vida eterna, por conta da murmuração, da incredulidade e da desobediência.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Hebreus 3:17

Hebreus 3:17 - Mas com quem se indignou por quarenta anos? Não foi porventura com os que pecaram, cujos corpos caíram no deserto?
MAS, COM QUEM. O escritor se refere ao que ocorreu em (Números 14:26-38) em que o Senhor fala com Moisés e com Arão de que aqueles que murmuraram contra o Senhor, não entrarão na terra prometida, Canaã. Com isso, o autor alerta aos hebreus de que Deus estava propondo, por meio do seu Filho Jesus, o Messias, um novo pacto com a humanidade, e que os hebreus não deveriam se voltar contra os planos do Senhor.

SE INDIGNOU. Deus é amor, bondade e misericórdia, mas ele também chega a tomar certas atitudes, no sentido de não se deixar escarnecer, nem pelo seu povo, nem muito menos pelos incrédulos. Na bíblia está escrito que, Deus é um fogo consumidor e que horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo. Por amor aos seus servos, muitas vezes Deus corrige os que são seus, para o próprio bem daqueles que invocam o seu nome.

POR QUARENTA ANOS? Com todos os embaraços que pudessem surgir desde o Egito até a terra de Canaã, os comentaristas afirmam de que, o máximo de tempo que os filhos de Israel poderiam gastar na viagem seria mais ou menos quatro nos. No entanto, por causa da tentação de Massá e da provocação de Meribá, o Senhor determinou ou permitiu que eles passagem quarenta anos perambulando naquelas terras desertas.

NÃO FOI PORVENTURA. Deus em cumprimento as suas promessas feitas a Abraão tirou o seu povo da terra da escravidão, o Egito, e os levava nos braços para os introduzirem em uma terra que manava leite e mel, a terra de Canaã. Mas, não demorou até que os filhos de Israel se mostrassem obstinado e rebelde, quando nesta provação de Horebe murmuraram contra Moisés e contra o Senhor. O pecado da desobediência tem suas consequências, bem como o sentimento de apostasia, e os resultados são desastrosos.

COM OS QUE PECARAM. Qual foi o pecado dos que pereceram no deserto? Eles tentaram ao Senhor e lhe provocaram a ira. Êxodo 17:2 - Então contendeu o povo com Moisés, e disse: Dá-nos água para beber. E Moisés lhes disse: Por que contendeis comigo? Por que tentais ao Senhor? E Êxodo 17:7 - E chamou aquele lugar Massá e Meribá, por causa da contenda dos filhos de Israel, e porque tentaram ao Senhor, dizendo: Está o Senhor no meio de nós, ou não? Por conta de tais fatos, os desobedientes pereceram no deserto.

CUJOS CORPOS CAÍRAM. Números 14:29,35 - Neste deserto cairão os vossos cadáveres, como também todos os que de vós foram contados segundo toda a vossa conta, de vinte anos para cima, os que dentre vós contra mim murmurastes. Eu, o Senhor, falei; assim farei a toda esta má congregação, que se levantou contra mim; neste deserto se consumirão, e aí falecerão. O escritor continua alertando os hebreus sobre a realidade.

NO DESERTO. Tem vários lugares a que se refere o deserto onde os filhos de Israel tiveram que peregrinar e serem provados. Tem o deserto de Refidim, o deserto de Horebe, e os desertos de Massá e Meribá. Os desertos de Massá e Meribá estão relacionados diretamente aos fatos narrados pelo escritor, como sendo os locais em que os filhos rebeldes de Israel tentaram a Deus e ao mesmo tempo o provocaram a ira.

Hebreus 3:15-16

Hebreus 3:15-16 - Enquanto se diz: Hoje, se ouvirdes a sua voz, Não endureçais os vossos corações, como na provocação. Porque, havendo-a alguns ouvido, o tentaram; mas não todos os que saíram do Egito por meio de Moisés.
ENQUANTO SE DIZ: HOJE, SE OUVIRDES A SUA VOZ. Esta é uma citação livre do (Salmos 95:7-11) em que o autor se utiliza de uma passagem do Velho Testamento para demonstrar aos hebreus que a nova dispensação da graça de Deus estava prevista nas Sagradas Escrituras dos judeus. Os hebreus ouviram o próprio Cristo de Deus anunciando um novo tempo em que a graça do Senhor era prevalecente, e não a lei de Moisés.

NÃO ENDUREÇAIS OS VOSSOS CORAÇÕES. No deserto, o povo de Israel não quis dar ouvidos a voz de Deus que ecoou por meio do Espírito Santo, em que Deus usando seu servo Moisés, lhes advertia sobre a obediência aos estatutos do Senhor. Da mesma forma, agora, no novo tempo, o mesmo Deus de Israel se fazia ouvir pelo seu Santo Espírito, que se utilizou do seu próprio Filho, que também era profeta (Hebreus 1:1-2). Foi por causa da dureza do coração daquela gente, que os judeus rejeitaram a Cristo.

COMO NA PROVOCAÇÃO. Essa é uma frase que se refere ao que aconteceu em Meribá, quando os filhos de Israel provocaram a Deus em ato de rebelião as determinações de Deus por meio de Moisés. Esse mesmo sentimento foi amplamente verificado por aqueles que acompanharam o ministério de Cristo, dos judeus contra o Senhor Jesus. Assim sendo, o escritor alerta para os prejuízos que houve, e que podiam se repetir.

PORQUE, HAVENDO-A ALGUNS OUVIDO. Desde que o Senhor havia tirado os filhos de Israel do Egito com mão forte, prodígios e sinais, que Moisés ensinava os mandamentos de Deus aos filhos de Israel. Da mesma forma, desde que o Messias se manifestou na terra, que os hebreus ouviam sobre os novos planos de Deus para a humanidade, por meio da nova dispensação da graça, implantada por Cristo Jesus, o Filho de Deus.

O TENTARAM. Já esta tentação a que se reporta o autor, pode se referir ao que aconteceu em Massá, em que o povo de Deus foi tentado a se desviar dos propósitos do Senhor, seguindo o sentimento de apostasia das crenças a que já eram edificados, pelas coisas que Deus já havia realizado no meio deles. No que tange a Cristo Jesus, o inimigo segou os olhos dos judeus para não verem que ele era o Messias prometido por Deus.

MAS NÃO TODOS OS QUE SAÍRAM DO EGITO. Deus sempre teve o seu remanescente, composto por aqueles que permanecem fieis aos seus decretos, executando sua vontade, mesmo que ande na contra mão das circunstâncias. Como também, nem todos os judeus rejeitaram a Cristo, é tanto que, a igreja do Senhor Jesus, de princípio foi composta de hebreus convertidos ao cristianismo, os apóstolos, discípulos e os cristãos hebreus.

POR MEIO DE MOISÉS. Mas uma vez, o escritor ressalva a importância de Moisés na libertação dos filhos de Israel do Egito. O legislador de Israel foi um instrumento importante na condução do povo de Deus até a terra de Canaã. Mas agora, na nova dispensação quem é o Mediador e Libertador das remidos é justamente o Messias de Deus, Jesus Cristo, ele que está conduzido os seus remidos a Nova Jerusalém Celestial.

Hebreus 3:14

Hebreus 3:14 – Porque, nos tornamos participantes de Cristo, se retivermos firmemente o princípio da nossa confiança até ao fim.
PORQUE, NOS TORNAMOS. A vinda do Messias de Deus, Jesus de Nazaré, foi à chance que Deus deu aos hebreus e aos gentios de se tornarem uma só família, em Cristo Jesus nosso Senhor. A legislação de Moisés já havia cumprido o seu papel para o qual Deus por meio de Moisés designou, que foi mostrar aos judeus, que eles não tinham condições de por méritos próprios conquistar as bênçãos totais dos céus, porque não obedeceram.

PARTICIPANTES. Ainda sobre a frase anterior, o escritor se inclui juntamente com os seus leitores, como fazendo parte da grande família de Deus aqui na terra, por meio de Cristo Jesus. Ser participante em Cristo Jesus é fazer parte da igreja de Cristo, e para tanto, os que são participantes de Cristo é porque o receberam como Senhor e Salvador. Com isso, entendemos que os destinatários desta carta eram judeus convertidos ao cristianismo, o que aconteceu com os apóstolos e discípulos de Cristo e muitos dos filhos de Israel.

DE CRISTO. A igreja remida do Senhor Jesus é o seu corpo em todo o planeta terra, de forma que, quem faz parte da igreja amada de Cristo também participa da família de Deus Pai e seu Filho Jesus. Ser participante de Cristo é também andar como Cristo andou e viver como ele viveu, o que o evangelho chama de discípulo do Mestre. A frase “em Cristo” é recorrente dentro das páginas do Novo testamento e fala de comunhão.

SE RETIVERMOS. Ver-se a preocupação do escritor com a firmeza dos seus leitores, a fim de que, eles não agissem como os filhos de Israel, que em Horebe se rebelaram contra o seu Deus, além de tentarem ao Senhor, também o provocaram a ira. Nos começos da fé cristã, ser um seguidor do reino de Cristo era sinônimo de perseguição, em que os próprios judeus, juntamente com o império romano massacravam os servos de Cristo.

FIRMEMENTE O PRINCÍPIO. Grande parte dos que estavam lendo esta carta, viram com os seus próprios olhos o que Jesus realizou em Israel e ouviram com seus próprios ouvidos os ensinamentos e pregações feitas pelo Verbo de Deus. Eles eram pessoas que deixaram o judaísmo para se converterem ao cristianismo, isso porque, tinham convicção de que Jesus de Nazaré era realmente o Messias prometido por Deus. De forma que, os leitores desta carta começaram bem sua confissão de fé e deveriam permanecer nela.

DA NOSSA CONFIANÇA. Confiança neste caso é a mesma coisa de fé perfeita em Cristo Jesus e na sua obra completa de redenção. A lei de Moisés exigia plena obediência aos mandamentos da legislação de Moisés, enquanto que, a nova dispensação da graça de Deus em Cristo Jesus requer fé inabalável no nome poderoso de Cristo Jesus. É preciso confiar que todas quantas promessas de Deus em Cristo Jesus terão o seu cumprimento.

ATÉ O FIM. Disse Jesus: Mateus 24:14 – Mas, aquele que persevera até o fim, esse será salvo. Os filhos de Israel que se rebelaram contra Deus no deserto de Refidim pereceram no próprio deserto e não entraram no repouso de Deus. Da mesma forma, se os leitores desta carta apostatassem da fé que já haviam adquirido em Cristo Jesus, também perderiam a oportunidade de entrarem no repouso de Deus, que é a vida eterna.

Hebreus 3:13

Hebreus 3:13 - Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado.
ANTES. Este “antes” é enfático para destacar a próxima mensagem, com o mesmo direcionamento nos seus leitores, buscando lhes posicionarem na realização de tudo que é correto para com Deus. Os filhos de Israel não deram bons exemplos quanto à fidelidade para com o seu Deus, mas, o autor espera algo melhor dos seus leitores, no sentido de se esforçarem o máximo para agradar a Deus e realizar a sua vontade.

EXORTAI-VOS. A exortação no tempo em que o Novo Testamento estava sendo escrito, servia de conselho para aqueles que as ouviam. A lei de Moisés era impositiva e suas exigências irrevogáveis, é tanto que, quem quebrasse o menor dos seus mandamentos seria penalizada de forma dura e imperdoável. Já as regras da nova dispensação da graça funcionam como uma democracia cristã, onde a misericórdia triunfa sobre o juízo.

UNS AOS OUTROS. Neste capítulo, o escritor também tem a intenção de fazer um contraste entre a velha dispensação da lei e a nova dispensação da graça, colocando esta última em situação superior a anterior. Na antiga dispensação era cada um por si, mas na nova, é todos por todos, em que o egoísmo cai por terra, para dar lugar a prática do amor fraternal. E Cristo deixou o maior exemplo de preocupação com o próximo.

TODOS OS DIAS. Não que alguém viva monitorando a vida uns dos outros, mas que todos os dias, aqueles que têm o Espírito de Deus, busquem aconselhar aos seguidores de Cristo, para que se firmem cada vez mais nos caminhos do evangelho. O pecado que tão de perto nos rodeia, tenta nos tirar da presença de Deus todos os dias, razão porque a todo o momento, precisamos de uma palavra de orientação rumo à santificação de vida.

DURANTE O TEMPO QUE SE CHAMA HOJE. Esse tempo que se chama hoje, certamente diz respeito à nova dispensação da graça de Deus, que é totalmente diferente do tempo de antes, no período da velha dispensação. O Messias de Deus se manifestou e implantou o novo tempo, em que os filhos de Deus tem que vencerem um leão a cada dia, para se manter vivos na presença de Deus, porque o reino é tomado a força. Nesse tempo que se chama hoje, a igreja de Cristo conta com as orientações do Espírito Santo de Deus.

PARA QUE NENHUM DE VÓS SE ENDUREÇA. É bem provável em que o escritor se reporte aos pecados de estimação, em que as pessoas mesmo sabendo de que estão erradas, mas continuam praticando o que não é certo, porque geralmente tais práticas trazem prazer ou atendem aos interesses pessoais. Assim sendo, a consciência vai se acostumando com a prática do delito, ao ponto da própria consciência se tornar insensível ou morta. Tem pessoas que o seu coração é feito lajeiro, que não se rende diante da palavra de Deus.

PELO ENGANO DO PECADO. O pecado tem sua origem nos agentes das trevas, que são o diabo com os seus demônios. A prova disto é que o primeiro pecado foi praticado pelo diabo e seus agentes, os demônios ainda nos céus. Depois, no princípio da raça humana, no jardim do Éden, quando o nobre casal caiu Adão e Eva, lá estava a influencia direta de satanás, que se utilizou da serpente, para enganar a mulher e o homem.

quinta-feira, 16 de março de 2017

Hebreus 3:11-12

Hebreus 3:11-12 - Assim jurei na minha ira, que não entrarão no meu repouso. Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do Deus vivo.
ASSIM JUREI. Esse juramento da parte de Deus revela sua sentença sobre aqueles que se rebelaram com os seus planos, e com isso veio às consequências sobre os que estavam tentando ao Senhor e sobre aqueles que o estava provocando a ira. Mas, aprendemos dentro das Sagradas Escrituras, que os castigos aplicados por Deus, seja na vida dos seus servos ou na vida dos incrédulos, são sempre julgamentos justos, em que o homem colhe justamente aquilo que ele plantou, conforme (Gálatas 6:7).

NA MINHA IRA. A mesma bíblia que diz que Deus é amor, bondade e misericórdia, é a mesma palavra que revela que o Senhor é um fogo consumidor, e que horrenda coisa é cair nas mãos de Deus. As Sagradas Escrituras nos faz ver que Deus fica irado contra o seu povo, e isso pode ser visto no caso da provocação no deserto de Horebe, em Massá e Meribá, como também nos cativeiros de Israel, imagina contra os incrédulos.

QUE NÃO ENTRARÃO NO MEU REPOUSO. Neste caso das colocações feitas pelo escritor sobre os filhos de Israel, o “repouso” referido por Deus, diz respeito à entrada dos israelitas na terra de Canaã, conforme as promessas feitas a Abraão, Isaque e Jacó. No tocante aos dias em que esta carta foi escrita, já dentro do período da nova dispensação, diz respeito a entrada nas mansões celestiais, perdendo assim a salvação e a vida eterna.

VEDE IRMÃOS, QUE NÃO HAJA EM VÓS UM CORAÇÃO MAU. Outra vez, o autor se refere ao coração dos seus leitores como representando a alma e o espírito do ser humano, o seu ser essencial ou espiritual. O fato do escritor, chamar seus leitores de irmãos, isso nos passa a ideia de que, os destinatários desta carta seriam hebreus, ou judeus, que antes pertenciam ao judaísmo, mas que se converteram a religião de Cristo, o cristianismo.

E INFIEL. No caso dos filhos de Israel, a infidelidade deles estava associada à rebelião contra Moisés e contra Deus principalmente, isso porque, o Senhor os tirou do Egito com mão forte, realizando grandes maravilhas aos seus olhos, com a promessa de os introduzirem na terra prometida. No caso dos leitores em foco, ter um coração mau e infiel, era justamente se apartar ou se desviar do Messias de Deus, Jesus de Nazaré.

PARA SE APARTAR. Na eternidade passada, lúcifer se rebelou contra o Criador, levando consigo uma grande parte dos anjos de Deus, que se transformaram em demônios por conta da apostasia. Os filhos de Israel em várias ocasiões também se rebelaram contra o Senhor levando consigo o castigo merecido. Com os destinatários desta carta não seria diferente, se agissem com sentimento de rebelião e apostasia contra o Criador.

DO DEUS VIVO. Quando se fala sobre o “Deus vivo” esta o diferenciado das falsas divindades, que são os ídolos mortos das gentes, em forma de imagens de esculturas, que não tem vida, nem sabem de nada, porque são objetos inanimados. O Deus vivo possui uma essência de vida totalmente diferente das criaturas, porque ele tem vida própria, que não depende de ninguém, nem de nada para viver, porque a vida está nele mesmo.

Hebreus 3:10

Hebreus 3:10 - Por isso me indignei contra esta geração, E disse: Estes sempre erram em seu coração, E não conheceram os meus caminhos.
POR ISSO. O que aconteceu em Meribá e Massá foi muito ruim para os filhos de Israel, porque eles tiveram muitos prejuízos, por terem provocado ao Senhor, com suas rebeliões e o sentimento de apostasia. Rejeitar o novo plano de Deus, que ele estava implantando com a nova dispensação da graça, era de fato incorrer no mesmo erro, o que o escritor não desejava. Há quem diga que os leitores originais desta carta, estavam regredindo, no sentido de deixarem o cristianismo e voltarem ao tempo da lei.

ME INDIGNEI. Deus é amor, bondade e misericórdia, mas ele também chega a tomar certas atitudes, no sentido de não se deixar escarnecer, nem pelo seu povo, nem muito menos pelos incrédulos. Na bíblia está escrito que, Deus é um fogo consumidor e que horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo. Por amor aos seus servos, muitas vezes Deus corrige os que são seus, para o próprio bem daqueles que invocam o seu nome.

CONTRA ESTA GERAÇÃO. O escritor pode estar se referindo a geração daqueles que naquele momento estavam tentando ao Senhor e lhe provocando a ira, em Horebe, na tentação no deserto. Ou o autor pode estar se reportando aqueles que em sua geração estavam agindo semelhantemente aos filhos de Israel que o provocaram em Meribá e Massá. Deus se indignou contra o seu povo, porque eles o provocaram demasiadamente.

E DISSE: ESTES SEMPRE ERRAM. As Sagradas Escrituras dizem que os filhos de Israel eram obstinados ao erro, mesmo o Senhor os tendo libertado da escravidão no Egito, eles não reconheceram a bondade do seu Deus, e por isso de forma sistemática buscavam se rebelar contra Moisés e o Deus de Abraão, Isaque e Jacó. Paulo escrevendo aos Romanos, ele afirma que, todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus Romanos 3:23). Desde a queda que a raça humana foi afetada com o vírus do pecado e da desobediência.

EM SEUS CORAÇÕES. Essa frase está expressando sobre o homem total ou essencial. A alma do ser humana ou o seu ser interior. A síndrome do pecado afetou diretamente o ser mais profundo do homem, ao ponto do sentimento de rebelião o dominar. Quando o Messias prometido veio ao planeta terra, o Israel de Deus estava completamente em apostasia da fé judaica, ao ponto dos judeus não enxergarem que ali esta o seu Cristo.

E NÃO CONHECERAM. Encontramos base no evangelho de Cristo para declarar que a cegueira espiritual havia tomado conta dos filhos de Israel, ao ponto de não entenderem que Deus só queria o melhor para eles, e isso, no tempo da lei, e muito mais agora, já dentro do tempo da dispensação da graça, pela fé genuína em Cristo Jesus. O embotamento da mente, da sabedoria e do entendimento era o que prevalecia.

O MEU CAMINHO. A prova de que o povo de Israel não entendeu o caminho de Deus fica demonstrado na história subsequente daquela nação, quando eles sempre se desviaram dos caminhos do Senhor, pelo caminho da desobediência. Por esta razão é que, passaram pelo cativeiro babilônico, assírio, e no tempo em que Cristo se manifestou estavam sob o domínio dos romanos, o que era vergonhoso para eles, como sendo o povo de Deus.

Hebreus 3:9

Hebreus 3:9 - Onde vossos pais me tentaram, me provaram, E viram por quarenta anos as minhas obras.
ONDE. Podemos citar os seguintes lugares onde aconteceu este evento sobre o qual se refere o autor: Horebe, Meribá e Massá, conforme Êxodo 17:6-7 - Eis que eu estarei ali diante de ti sobre a rocha, em Horebe, e tu ferirás a rocha, e dela sairão águas e o povo beberá. E Moisés assim o fez, diante dos olhos dos anciãos de Israel. E chamou aquele lugar Massá e Meribá, por causa da contenda dos filhos de Israel, e porque tentaram ao Senhor, dizendo: Está o Senhor no meio de nós, ou não? Todos eles no deserto do Sinai.

VOSSOS PAIS. Estes são os filhos de Israel, que saíram com Moisés do Egito e que estavam a caminho da terra prometida. Êxodo 17:2-3 - Então contendeu o povo com Moisés, e disse: Dá-nos água para beber. E Moisés lhes disse: Por que contendeis comigo? Por que tentais ao Senhor? Tendo pois ali o povo sede de água, o povo murmurou contra Moisés, e disse: Por que nos fizeste subir do Egito, para nos matares de sede, a nós e aos nossos filhos, e ao nosso gado? Enquanto Israel desobedeceu, a igreja obedece a Cristo.

ME TENTARAM. Êxodo 17:2 - Então contendeu o povo com Moisés, e disse: Dá-nos água para beber. E Moisés lhes disse: Por que contendeis comigo? Por que tentais ao Senhor? Ainda quando no Egito, Deus fez maravilhas extraordinárias diante dos olhos de todo o povo. Realizou muitos prodígios para provar, não somente a Faraó, mas também ao seu povo que estava os tirando da casa da servidão com mão forme. Mas o povo não creu.

ME PROVOCARAM. Êxodo 17:7 - E chamou aquele lugar Massá e Meribá, por causa da contenda dos filhos de Israel, e porque tentaram ao Senhor, dizendo: Está o Senhor no meio de nós, ou não? Será que Deus precisava provar que estava no meio do seu povo? Quantas e quantas provas o Senhor já tinha dado de que ele estava tirando o seu povo do Egito para cumprir suas promessas feitas aos patriarcas, Abraão, Isaque e a Jacó.

E VIRAM. Este fato que aconteceu no deserto de Refidim, mais precisamente em Horebe, com os filhos de Israel, tentando ao Senhor que, em ato contínuo de misericórdia os estava tirando da casa da servidão, e provocaram a ira do Senhor. Por isso que Deus mudou a rota da viagem para que ficassem rodeando no deserto. E o próprio Moisés foi prejudicado, por conta das provocações dos filhos de Israel, ele não entrou em Canaã.

POR QUARENTA ANOS. Com todos os embaraços que pudesse surgir desde o Egito até a terra de Canaã, os comentaristas afirmam que, o máximo de tempo que os filhos de Israel poderiam gastar na viagem seria mais ou menos quatro nos. No entanto, por causa da tentação de Massá e da provocação de Meribá, o Senhor determinou ou permitiu que eles passagem quarenta anos perambulando naquelas terras desertas.

AS MINHAS OBRAS. Estas obras de Deus sobre as quais o escritor se reporta, dizem respeito aos feitos do Senhor em dar as provisões ao seu povo, os livramentos dos diversos inimigos e perigos. Mas, tudo isso era necessário para que apreendessem o caminho da obediência. O deserto foi à escola de Deus para os filhos de Israel, a fim de não mais tentarem, nem contenderem com o seu Deus, ele que cuida dos seus filhos.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Hebreus 3:7-8

Hebreus 3:7-8 - Portanto, como diz o Espírito Santo: Se ouvirdes hoje a sua voz. Não endureçais os vossos corações, Como na provocação, no dia da tentação no deserto.
PORTANTO, COMO DIZ. Esta é uma citação livre do (Salmos 95:7-11) em que o autor se utiliza de uma passagem do Velho Testamento para demonstrar aos hebreus que a nova dispensação da graça de Deus estava prevista nas Sagradas Escrituras dos judeus. Essa é uma maneira dos escritores do Novo Testamento defenderem suas teses, no tocante as novas ideias implantadas no evangelho, porque todas as Escrituras já consagradas pelos hebreus tinham peso, no que concerne a credibilidade nos seus escritos sagrados.

O ESPÍRITO SANTO. É oportuna a colocação do escritor em mencionar o Espírito Santo de Deus como elo de ligação entre as escrituras dos hebreus e o evangelho de Cristo, também era uma forma de dar autenticidade aos que estava sendo exposto. Isso porque, o Espírito de Deus estava agindo no tempo da legislação de Moisés, e muito mais no tempo em que esta carta foi escrita, para por em prática a palavra escrita de Deus.

SE OUVIRDES HOJE. Cristo Jesus exerceu plenamente o seu ministério de pregação em Israel, mostrando pelas Sagradas Escrituras, que ele era de fato e na realidade o Messias prometido por Deus, conforme as profecias messiânicas. Bem como as verdades que Deus estava, por meio do Emanuel, implantando a nova dispensação da graça, em substituição a dispensação da lei. Os hebreus ouviram diretamente o Filho de Deus.

A SUA VOZ. A lei de Moisés, os Salmos, os profetas messiânicos, João Batista, o próprio Cristo de Deus, e agora os profetas de uma nova geração, todos procuraram revelar os planos de Deus por meio do seu Messias. A voz de João Batista e de Cristo ressoaram em todo o Israel, despontando em ecos de avisos aos hebreus de que o Messias estava no meio deles por meio do Emanuel. Cristo foi o porta voz de Deus entre os homens.

NÃO ENDUREÇAIS OS VOSSOS CORAÇÕES. No deserto, o povo de Israel não quis dar ouvidos a voz de Deus que ecoou por meio do Espírito Santo, em que Deus usando seu servo Moisés, lhes advertia sobre a obediência aos estatutos do Senhor. Da mesma forma, neste mesmo tempo, o mesmo Deus de Israel se fazia ouvir pelo seu Santo Espírito, que se utilizou do seu próprio Filho, que também era profeta (Hebreus 1:1-2). Foi por causa da dureza do coração daquela gente, que os judeus rejeitaram a Cristo.

COMO NA PROVOCAÇÃO. Essa é uma frase que se refere ao que aconteceu em Meribá e Massá, quando os filhos de Israel provocaram a Deus em rebelião as determinações do Senhor, por meio de Moisés. Esse mesmo sentimento foi amplamente verificado por aqueles que acompanharam o ministério de Cristo, dos hebreus contra o Senhor Jesus. Assim sendo, o escritor alerta para os prejuízos que houve, e que podiam se repetir.