Pesquisar este blog

domingo, 16 de abril de 2017

Hebreus 7:20

Hebreus 7:20 - E visto como não é sem prestar juramento (porque certamente aqueles, sem juramento, foram feitos sacerdotes).
E VISTO COMO. Em seu trabalho comparativo entre o sacerdócio segundo a lei e a superioridade do sacerdócio de Cristo, o autor busca tirar proveito das fraquezas e falhas do antigo pacto, para mostrar que a nova aliança é perfeitamente de acordo com as Sagradas Escrituras. O sacerdócio conforme a lei de Moisés era de fato algo humano, apesar de ter a aprovação de Deus. Diferente do sacerdócio de Cristo, que teve a intervenção direta de Deus, além de ser Cristo constituído por Deus Sumo Sacerdote.

NÃO É SEM PRESTAR. Os sacerdotes da tribo de Levi era uma ordem de Moisés, até porque de acordo com a lei, tudo era regra considerada inquebrável pelos homens, e quem tentasse burlar as exigências sofria as penalidades. De forma que, não tinha da parte de Deus um juramento, mas era a própria lei que estabelecia que, o sacerdote deveria ser posto, segundo a lei, da tribo de Levi, e o sumo sacerdote da família de Arão.

JURAMENTOS. No caso do sacerdócio de Cristo, houve um juramento da parte de Deus, conforme se verifica no Salmos 110:4 - Jurou o Senhor, e não se arrependerá: tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque. Este juramento da parte de Deus é a garantia de que a profecia teria o seu fiel cumprimento. Além do mais, o fato de que Deus não se arrependeria de tal juramento, isso nos fala de imutabilidade da promessa feita. Também nos ensina sobre o compromisso de Deus neste negócio.

PORQUE CERTAMENTE AQUELES. O autor se reporta sobre os filhos de Levi que foram designados para uma sucessão de sacerdotes, que enquanto durasse a lei, seriam postos frente aos serviços religiosos, primeiro do Tabernáculo, depois dos templos que foram construídos em Israel. Com a mudança da velha dispensação por uma nova, se fazia necessário um novo modo de operacionalização principalmente do sumo sacerdote.

SEM JURAMENTOS. O escritor revela que não houve da parte de Deus um juramento de que o sacerdócio da tribo de Levi seria para sempre ou eternamente. Até porque, o sacerdócio segundo a ordem de Levi, seria para administrar as coisas da lei de Moisés, com a mudança da legislação de Moisés para a legislação de Cristo que é o evangelho, cessaria também o sacerdócio da antiga ordem, que eram os descendentes de Levi.

FORAM FEITOS. Certamente o autor fala dos termos da lei que estabeleciam as ordens de se estabelecer o sacerdócio segundo os descendentes de Levi, como também os rituais e cerimônias do próprio ato de consagração dos sacerdotes e do sumo sacerdote, que era da família de Arão. Quando Arão foi feito sumo sacerdote por Moisés, houve inquietação da parte de muitos dos filhos de Israel, de que Moisés estava monopolizando tudo.

SACERDOTES. Esse é mais um ponto de vulnerabilidade do sacerdócio levítico, em que o escritor percebe em tudo que envolvia a consagração dos líderes religiosos dos antigos hebreus. Mostrando aos seus leitores de que a sacerdócio de Cristo tinha o aval de Deus, ele foi constituído por Deus, e houve um juramento como garantia de cumprimento. Não foi Moisés, não foi Arão, não foi Levi, mas foi Deus quem fez o juramento sobre Cristo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário