Pesquisar este blog

domingo, 7 de maio de 2017

Hebreus 9:16-17

Hebreus 9:16-17 - Porque onde há testamento, é necessário que intervenha a morte do testador. Porque um testamento tem força onde houve morte; ou terá ele algum valor enquanto o testador vive?
PORQUE ONDE HÁ TESTAMENTO. Este é um tipo de documento em que muda seu conteúdo de país para país, mas que em linhas gerais tem um mesmo propósito, que é um contrato em que nele o testador faz antecipadamente a partilha de seus bens com quem acha que deve ser seus herdeiros. Neste testamento contem as promessas do testador para todos aqueles que hão de serem seus beneficiários diretos ou indiretos. Como também neste documento tem condições a serem atendidas pelos herdeiros.

É NECESSÁRIO QUE INTERVENHA. E uma das condições contidas neste documento, chamado testamento é justamente o tempo de espera que terão que ser submetidos os possíveis herdeiros dos bens do testador. Apesar de ser uma garantia para os beneficiados com o testamento deixado por alguém, porem, ainda não é o termo de posse, até porque só tem validade tal documento, depois que o testador falecer.

A MORTE DO TESTADOR. O autor, mesmo que indiretamente, sinaliza para mais uma fraqueza do Velho Testamento, em que não ouve a morte do testamento da antiga aliança em garantia da validação do testamento, no caso Moisés. Mas, no caso do Novo Testamento, ouve a morte do testador, em que todas as promessas serão cumpridas e as cláusulas do contrato terão seu fiel cumprimento na vida dos herdeiros, os remidos.

PORQUE UM TESTAMENTO TEM FORÇA. No caso da velha aliança, quem morria pelo ato de expiação pelos herdeiros, não eram os sumos sacerdotes da linhagem de Arão, mais sim o cordeiro. Portanto, o testamento, que representava a lei de Moisés foi perdendo credibilidade até ser abolida com a vinda do verdadeiro testador. Agora, já o evangelho de Cristo tem plena força de cumprimento, porque ele é o amém de Cristo.

ONDE HOUVER MORTE. O Messias se manifestou, deixou um legado chamado Novo Testamento, como sendo o documento de garantia de que todos os herdeiros das riquezas de Deus tomem posse das heranças eternas. O que o autor está expondo para seus leitores é uma alegoria em que os hebreus convertidos ao cristianismo entendiam perfeitamente tal comparação entre o Velho Testamento e o Novo Testamento.

OU TERÁ ELE ALGUM VALOR. A lei de Moisés, de princípio com sua instituição por Moisés, e até certo ponto, por algum tempo depois da entrada na terra de Canaã, até teve sua validade garantida pelos filhos de Israel. Mas já no tempo dos profetas, os herdeiros das promessas da legislação mosaica, já não valorizavam a legislação de Moisés como se devia. E com a vinda do testador do Novo Testamento ela foi abolida.

ENQUANTO O TESTADOR VIVE? Durante a vida de Cristo sobre a terra, houve o que se chama de momento de transição, em que o testador estava vivo e elaborando um Novo Testamento, contendo maiores e melhores promessas para os seus herdeiros. Entende-se com isso que, enquanto o testador estava vivo, os hebreus em sua grande maioria não tomaram posse das heranças, eis o foto da rejeição, mas com a morte do testador sim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário