Pesquisar este blog

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Hebreus 9:7

Hebreus 9:7 - Mas, no segundo, só o sumo sacerdote, uma vez no ano, não sem sangue, que oferecia por si mesmo e pelas culpas do povo.
MAS, NO SEGUNDO. O autor se refere ao segundo compartimento da tenda da congregação ou tabernáculo, também chamado de santo dos santos ou ainda lugar santíssimo do tabernáculo, que ficava após a segunda cortina ou véu. Neste local ficava a arca da aliança, onde também continha o vaso com o maná e a vara de Arão que floresceu no deserto, o propiciatório, o incensário de ouro e os dois querubins. Este era um lugar especial, porque nele, conforme a crença dos hebreus, Deus se manifestava.

SÓ O SUMO SACERDOTE. Este era de princípio Arão que foi constituído para no santo dos santos representando o povo de Israel. No primeiro ambiente da tenda podiam entrar os filhos de Levi, que também representava o povo de Israel, para oferecer as ofertas de manjares em gratidão pelos benefícios recebidos da parte do Senhor. Mas os sacrifícios pela expiação dos pecados do povo, somente o sumo sacerdote oferecia.

UMA VEZ NO ANO. Quando se fala uma vez no ano, se refere ao dia da expiação, mas isso não quer dizer que neste dia o sumo sacerdote só entrava uma vez no santo dos santos, segundo as tradições judaicas, pelo menos quatro vezes neste dia o sumo sacerdote adentrava no santo dos santos para realizar os seus serviços naquele lugar, isso com relação ao tabernáculo, porque no templo feito por Herodes, muita coisa mudou.

NÃO SEM SANGUE. Primeiro o sacerdote fazia sacrifício de um novilho por si mesmo e por sua família, tendo já passados sete dias de purificação. Depois ele também fazia sacrifício de um cordeiro pelos pecados do povo, além do cordeiro que era enviado para o deserto, simbolizado de que aquele animal levaria sobre si os pecados do povo. O sangue dos sacrifícios era aspergido sobre o propiciatório em um ritual de purificação, em que o cerimonialismo tinha mais valor do que os próprios sacrifícios em si mesmo.

QUE OFERECIA POR SI MESMO. Além de oferecer por si mesmo o sacrifício de um novilho, o sumo sacerdote também oferecia por todos os seus familiares e descendentes, todos aqueles que faziam parte da linhagem de Arão que foi o primeiro sumo sacerdote do tabernáculo. Neste ponto, o autor pretende apontar a fragilidade dos sumos sacerdotes aarônicos, quando eles ofereciam sacrifícios por si mesmos.

E PELA CULPA. O sacrifício do cordeiro era justamente pelos pecados dos outros, como ato de expiação pelos pecados de Israel. Neste mesmo ato do sacrifício propiciatório, o sumo sacerdote se postava como mediador entre Deus e o povo para interceder em favor dos pecadores, por isso que foi constituído o ofício sumo sacerdotal. Com o passar do tempo, a lei não ajudou ao povo em termos de santificação por causa da desobediência.

DO POVO. No início, enquanto Moisés estava com os filhos de Israel, como também depois da conquista de Canaã, por pouco tempo o povo de Israel se manteve fiel às ordenanças da legislação de Moisés. Mas, depois da divisão do reino de Israel em reino do norte e reino do sul, o povo começou a desprezar a lei de Moisés, até que culminou nos cativeiros babilônico e assírio, e por fim no domínio de Roma sobre os judeus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário