Pesquisar este blog

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Hebreus 9:9

Hebreus 9:9 - Que é uma alegoria para o tempo presente, em que se oferecem dons e sacrifícios que, quanto à consciência, não podem aperfeiçoar aquele que faz o serviço.
QUE É UMA ALEGORIA. As alegorias podem também ser chamadas de parábolas, como também tem o sentido de ilustrações. Nos evangelhos os escritores usam mais a palavra parábola porque são histórias que tem como foco muitos ensinamentos. Mas no caso das alegorias eram mais usadas, e é o caso do nosso escritor, para dar detalhes de uma história já conhecida dos seus leitores, dando detalhes dos fatos narrados. Nos dias de hoje, os pregadores fazem mais o uso de ilustrações para ensinarem algumas verdades.

PARA O TEMPO PRESENTE. Certamente o autor se reporta a nova dispensação da graça que teve início com a manifestação do Messias de Deus, Jesus Cristo, e que despontava como sendo este tempo presente, como o fim da antiga dispensação da lei. Este tempo estava funcionando como um momento de reformas para os hebreus em que os próprios leitores desta carta já não seguiam mais o judaísmo, porque optaram pelo cristianismo.

EM QUE SE OFERECE. Quando se fala sobre um tempo de transição entre o judaísmo e o cristianismo, é porque mesmo o Messias tendo implantado a nova dispensação da graça, mediante o evangelho das boas novas, porem, o judaísmo ainda duraria alguns anos. No entanto, com a destruição do templo de Jerusalém, no ano setenta de nossa era cristã, a partir de então, há um grande declínio da antiga religião dos judeus. Enquanto isso, o cristianismo estava em pleno crescimento e desenvolvimento no mundo gentílico.

DONS E SACRIFÍCIOS QUE. Mas, ao que tudo indica, quando esta carta foi escrita, o templo de Jerusalém continuava de pé, com seu sistema complexo de serviços exercidos pelos sacerdotes. Os dons oferecidos eram em forma de gratidão a Deus pelos benefícios recebidos da parte do Senhor, enquanto que, os sacrifícios tinham mais conotações de expiação pelos pecados praticados contra o próximo e principalmente contra Deus.

QUANTO A CONSCIÊNCIA. Depois da manifestação do Cristo de Deus, que implantou a nova dispensação da graça, tudo mudou. É tanto que os dons oferecidos e os sacrifícios de expiação pelos pecados do povo, realizados no templo de Jerusalém, não mais tinham efeitos positivos na consciência das pessoas. Isso porque, a expiação efetuada por Cristo em prol da humanidade era quem gerava esperança de perdão na mente das pessoas.

NÃO PODEM APERFEIÇOAR. A lei de Moisés, bem como o sistema de ofertas e sacrifícios feitos pelos sacerdotes da antiga dispensação, se de princípio tinham a intenção de purificar e santificar o povo e principalmente os que participavam diretamente das celebrações, rituais e cerimonialismos, mas já dentro da nova dispensação não tinham efeitos algum sobre os sacerdotes nem sobre os sumos sacerdotes e nem no povo.

AQUELE QUE FAZ O SERVIÇO. No caso dos sacerdotes da tribo de Levi, eles para executarem seus serviços no lugar santo, que era o primeiro compartimento do tabernáculo, seguiam uma série de rituais de purificação, inclusive no ambiente havia uma bacia que servia para lavar as mãos e os pés. Já o sumo sacerdote passava sete dias de purificação antes do dia da expiação. Isso tudo, não servia mais, no tempo presente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário