Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Hebreus 12:15

Hebreus 12:15 - Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem.
TENDO CUIDADO. Tendo o autor falado no texto anterior sobre a santificação, que implica em um esforço pessoal de cada um dos servos de Cristo, para que cheguemos perante a presença de Deus. Agora, ele faz um alerta importante, que é sobre a graça de Deus. Tem que haver santidade de vida, porem, não se deve por isso, acima da graça de Deus, porque estamos no tempo da dispensação da graça de Deus, através da qual entramos a esta graça de Deus. Por isso está escrito, tendo cuidado, tendo cuidado.

DE QUE NINGUÉM SE PRIVE. Numa linguagem bem compreensível, podemos dizer que, muitos confundem santidade cristã com radicalismo da lei, em que os cristãos mais ortodoxos confundem a vida de santidade com o sentimento de santarrão, ao ponto de achar que vai ser salvo porque merece, por méritos pessoas, e não pela graça de Deus. Se privar da graça de Deus é um perigo, tanto quando deixar o cristianismo pelo judaísmo.

DA GRAÇA DE DEUS. A santidade de vida é necessária, tanto quanto a graça de Deus. Porem, não se pode deixar uma pela outra, porque o correto é trilhar estes caminhos maravilhosos. Os Hebreus, receptores desta carta, vieram do judaísmo para o cristianismo, pela força desta graça de Deus, e ela é tão importante, que o autor desta mesma carta, chama a presença de Deus de Trona da graça, porque é por ela que chegamos diante da presença majestosa do Deus de amor, bondade e misericórdia.

E DE QUE NENHUMA RAIS DE AMARGURA. Cristo veio, e muitos comentaristas são unânimes em dizer que, ele veio para fazer uma grande reforma do judaísmo, implantando assim o cristianismo. Por isso que houve da parte dos judaizantes muitas investidas contra a nova religião criada pelo Messias de Deus. Mas da parte dos cristãos, o autor recomenda que não guardassem ressentimentos contra os judeus, povo de Israel.

BROTANDO. Mais uma vez o escritor usa de suas metáforas para falar sobre o sentimento de amargura, que ele chama de raiz de amargura. Na Palestina, havia muitas planas venenosas ou plantas amargas, que muitas delas sendo ingeridas por alguém, ou a pessoa morria ou adoecia. Como o autor desejava a saúde espiritual dos seus leitores, ele recomenda que ninguém deixe brotar no coração sentimentos contrários.

VOS PERTURBE. Essa mesma preocupação teve o Senhor Jesus nos finais do seu ministério para com os seus amigos, e ele disse: João 14:1 – Não se turbe os vossos corações, crede em Deus, crede também em mim. O autor demonstra a mesma preocupação com os seus leitores, sabendo ele de que, os momentos eram difíceis para todos os seguidores de Cristo, principalmente para aqueles que saíram do judaísmo.

E POR ELA MUITOS SE CONTAMINEM. Nesta frase, ele retoma a metáfora, em que aqueles que eram contaminados com as plantas amargas, terminavam se prejudicando e até morrendo. No tocante a vida espiritual, não é diferente, se não tivermos cuidado, os sentimentos do homem natural entram em nossos corações para justamente prejudicar a nossa comunhão com Deus, causa de muitos se desviarem do evangelho de Cristo.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Hebreus 12:14

Hebreus 12:14 - Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor.
SEGUI. Muitos dos leitores desta carta estavam parados quanto à vida cristã ideal, por isso que o autor recomenda que tomem um rumo, rumo este que logo em seguida ele mostra, orientando a todos, o que deviam fazer para gradar ao coração do Pai celestial. Os judaizantes e defensores do judaísmo estavam a todo o momento se utilizando de suas fábulas para confundir a mente dos convertidos ao cristianismo, tentando provar que Jesus não era o Messias, e que os hebreus deviam voltar para sua antiga religião.

A PAZ. Por conta dos embates e da guerra teológica entre as antigas teses do judaísmo e os novos conceitos do cristianismo, pregados pelo Senhor Jesus e defendidos pelos apóstolos e líderes do cristianismo, muitos conflitos se levantavam de ordem religiosa. É quando o escritor recomenda aos seus leitores que a melhor decisão a ser tomada é sempre seguir o caminho da paz, mesmo que para isso, eles sofressem as injustiças.

COM TODOS. Não que os hebreus fizessem guerra contra os seus irmãos judeus, eles simplesmente pregavam o evangelho das boas novas, anunciando em Jesus de Nazaré, a manifestação do Messias prometido por Deus. Por conta disto é que os defensores do judaísmo se levantavam contra os cristãos. A melhor coisa a ser feita era, mesmo sendo de maneira injusta perseguidos, os servos de Cristo levantarem a bandeira branca da paz.

E A SANTIFICAÇÃO. O segundo conselho do autor dentro deste texto é seguir a santificação. No judaísmo a regra era seguir a purificação com seus rituais e celebrações baseadas na legislação de Moisés. Na nova dispensação, o evangelho recomenda que os discípulos de Cristo têm que dar passos firmes no caminho do desenvolvimento espiritual, se dedicando em fazer a vontade de Deus, vivendo uma vida digna na presença do Senhor e também diante da sociedade, com boas práticas cristãs no dia a dia da vida de cada um.

SEM A QUAL. Essa santificação sem a qual ninguém chega como bem-aventurado na presença de Deus não é algo automático, porque é um longo caminho a ser trilhado por todos aqueles que desejam chegar diante de Deus. Tudo teve início com a expiação feita por Cristo, e passa por um verdadeiro arrependimento do novo convertido, seguindo a regeneração espiritual e o crescimento nos dons espirituais e ministeriais.

NINGUÉM VERÁ. Durante o tempo da velha dispensação, os judeus todos tinham o conceito de que ninguém podia ver a Deus. Criou-se então o sistema sacerdotal para por meio do sumo sacerdote, o pecador se aproximar de Deus e do seu perdão. Na nova dispensação da graça de Deus, Cristo nos abriu o caminho de acesso ao trono de Deus, mas para que possamos chegar diante do Deus Altíssimo, precisamos ser santos.

O SENHOR. Geralmente, nas páginas do Novo Testamento a palavra Senhor é mais dirigida a Cristo Jesus o Filho de Deus, destacando o seu Senhorio. Porem, neste caso Senhor diz respeito ao grande Deus, porque o autor esta falando de acesso a presença da majestade celestial. Neste sentido, ver a Deus é a mesma coisa que ter acesso a sua presença ou chegar como bem-aventurado diante de sua glória, majestade e poder.

Hebreus 12:12-13

Hebreus 12:12-13 - Portanto, tornai a levantar as mãos cansadas, e os joelhos desconjuntados. E fazei veredas direitas para os vossos pés, para que o que manqueja não se desvie inteiramente, antes seja sarado.
PORTANTO, TORNAI A LEVANTAR AS MÃOS CANSADAS. Ao que tudo indica, a falta de amor fraternal estava como que reinando no meio daqueles que eram os destinatários esta carta, ao ponto de o autor solicitar a ativação deste mandamento tão importante no meio do povo de Deus. O indicativo era também de que, os obreiros estavam deixando de fazer a obra de Deus, porque quando se fala de mãos, se fala da obra que se realiza.

E OS JOELHOS DESCONJUNTADOS. Além do mais, os servos de Cristo deviam retornar a ajudar aos mais débeis na fé, a fim de que todos pudessem continuar na fé cristã, buscando o reino de Deus em primeiro lugar e as coisas que são de cima. Essa é uma metáfora que representa aqueles que estão fracos na fé, com a possibilidade real de pararem na caminhada. O momento era difícil e muitos estavam fracassando na jornada cristã, por conta das muitas perseguições dos judaizantes e do império romano.

E FAZEI VEREDAS DIREITAS. Mesmo que de forma indireta, mas o autor nos deixa transparecer que, os líderes cristãos não estavam vivendo de forma digna na presença de Deus, quando a mensagem foi que eles fizessem veredas direitas, e isso nos faz entender que não estavam vivendo como deviam. Neste caso, fazer veredas direitas fala do modo de vida cristã ideal que um servo do reino de Cristo deve viver sempre diante de todos.

PARA OS VOSSOS PÉS. Essa é mais uma metáfora do andar cristão, em que o autor recomenda e aconselha que, os leitores de sua carta precisam andar de forma a glorificar no nome de Cristo, tanto na igreja, quanto no meio da sociedade. Esse tipo de mensagem ensina sobre que, os que confessam o nome de Cristo, não devem provocar escândalos diante da sociedade, porque o testemunho deles é a bíblia dos que não vão à igreja.

PARA QUE O QUE MANQUEJA. Estes mesmos que manquejam são também os que estavam com as mãos cansadas, bem como os que estavam com os joelhos desconjuntados. São aqueles que mesmo estando na igreja, mas são pessoas que tem dificuldades para andarem nos caminhos do evangelho. São pessoas que dependem de outros para estarem na igreja, são também aqueles que ainda não se firmaram na fé.

NÃO SE DESVIE INTEIRAMENTE. Tem pessoas que mesmo frequentando as igrejas, mas estão desviadas do foco principal, que é buscar o reino dos céus em primeiro lugar e as coisas que são de cima. São pessoas que estão na igreja com outras intenções. Mas o bom testemunho dos que são verdadeiros adoradores pode ajudar a estes que manquejam a se firmarem nos caminhos do evangelho. O pior é sair da igreja e ir par o mundo.

ANTES SEJA SARADO. O bom testemunho dos que são firmes na fé, juntando-se a isto a prática do amor fraternal de uns para com os outros, em que os mais fortes levam as cargas dos mais fracos, então, os que são mais débeis na fé são curados e deixarão de manquejar nos caminhos do reino. A vida de santidade dos que são fieis a Cristo é um meio incentivador para os que são bombardeados pelas dúvidas, e pela falta de fé.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Hebreus 12:10

Hebreus 12:10 - Porque aqueles, na verdade, por um pouco de tempo, nos corrigiam como bem lhes parecia; mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade.
PORQUE AQUELES, NA VERDADE. Continua o autor com seus conselhos práticos aos hebreus, querendo que estes compreendam de que as provações que eles vinham atravessando, não era nada de estranho, porque tudo era permissão de Deus, mas que o Senhor estava no comando de tudo. “Aqueles” se referem aos pais biológicos, que estabeleciam disciplina na criação dos seus filhos, mas sempre com a boa intenção.

POR UM POUCO DE TEMPO, NOS CORRIGIAM. “Por um pouco de tempo” pode significar pelos menos duas coisas: A primeira é que em determinadas sociedades, os pais só podiam exercer controle sobre os filhos, antes destes completarem sua maioridade. Segunda é que se comparada com a eternidade, esta vida é muito rápida. O pai verdadeiro, que ama seus filhos, monitora os feitos deles, e se necessário os corrigem.

COMO BEM LHES PARECIA. Conforme já comentamos em textos anteriores, cada pais tinha na antiguidade suas leis, costumes e tradições quanto aos tipos de disciplinas aplicadas pelos pais aos seus filhos. As leis romanas, por exemplo, davam aos pais liberdade para que estes aplicassem suas regras disciplinares contra aos filhos, como cada um achava que deveria ser, por isso que, havia muito exagero, e muitos pais terminavam por serem carrascos em hostilizarem seus próprios filhos e filhas em tais correções.

MAS ESTE. Agora, o autor se reporta sobre Deus como o melhor Pai que existe, que cuida dos seus filhos, que trabalha por eles, ama da forma mais verdadeira possível, protege, supre as necessidades, mas que quando precisa, faz a correção necessário para o próprio bem de todos. As Escrituras são muito claras falando sobre a paternidade de Deus sobre os remidos de Cristo e a forma como o Senhor nos conduz segundo a sua vontade.

PARA NOSSO PROVEITO. Os pais terrenos, em muitos casos, aplicam determinadas correções na vida dos seus filhos com o intuito de apenas mostrar autoridade sobre eles, como se fossem proprietários dos mesmos. No entanto, o Deus de amor, bondade e misericórdia, como Pai, ele sempre faz suas correções necessárias na vida dos seus filhos visando sempre o bem de todos. O Senhor não permite uma provação em nossa vida, que não possamos suportar, porque os testes de Deus visam sempre o nosso proveito.

PARA SERMOS PARTICIPANTES. A partir do momento em que, tomamos a decisão de vivermos para Cristo e com Cristo, então, começa uma longa jornada rumo a nossa glorificação como filhos de Deus. E neste caminho é que participamos da regeneração espiritual, dando passos firmes na direção da santificação, e é a isso que o evangelho chama de transformação segundo a imagem de Cristo. Sem isso não há glorificação.

DE SUA SANTIDADE. A bíblia diz que Deus é Santo no mais alto nível de perfeição, pureza, luz e verdade. E para que alguém tenha acesso direto à presença de Deus, tem que viver uma vida de santidade. Diz o Senhor: Sede santo, porque eu sou Santo. E outra vez, o escritor aos Hebreus diz que, sem esta santificação, ninguém verá o Senhor.

terça-feira, 27 de junho de 2017

Hebreus 12:9

Hebreus 12:9 - Além do que, tivemos nossos pais segundo a carne, para nos corrigirem, e nós os reverenciamos; não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos, para vivermos?
ALÉM DO QUE, TIVEMOS NOSSOS PAIS. O autor fala sobre um assunto de muita importância para os seus leitores, que é justamente a nossa filiação com Deus e a forma como o nosso Pai celeste nos corrige quando é necessário, para o nosso próprio bem. E o interessante é que ele aborda o assunto de tal maneira que ninguém ficará sem entender, porque todas as pessoas convivem durante um bom tempo de sua vida com tais experiências, que é efetivamente, sob as ordens dos pais, e como eles cuidam e ensinam.

SEGUNDO A CARNE. Este é o nascimento natural, sobre o qual fala o evangelho de (João 1:13), que é o nascimento do sangue, da vontade da carne e do homem. Todo ser humano natural tem os seus progenitores que são os seus pais biológicos, fruto do sagrado casamento de um homem com uma mulher, isso quando está de acordo com a palavra de Deus. Mas também existem os pais que adotam crianças e são pais também.

PARA NOS CORRIGIREM. Feita a introdução, o escritor retoma o seu tema que é a forma como os pais que são responsáveis criam seus filhos e filhas, conforme os bons costumes e tradições das boas famílias e da sociedade. O bom pai é aquele que acompanha o crescimento e desenvolvimento dos seus filhos, sempre procurando lhes guiar pelos bons caminhos da vida, para isso, muitas vezes esses pais tem que aplicar a correção.

E NÓS OS REVERENCIAMOS. O autor fala do respeito que os filhos devem ter pelos seus progenitores, principalmente no que diz respeito ao temor devido. Infelizmente, nos dias atuais isso tem perdido a sua essência, pelo fato de que uma geração rebelde tem desconsiderado o respeito que se deve aos pais. Porem, dentro da estrutura familiar dos hebreus, o temor aos pais era algo indispensável, e sobre isso ensinava a lei de Moisés.

NÃO NOS SUJEITAMOS MUITO MAIS. Agora, o escritor chama a atenção dos seus leitores sobre um dever supremo, não somente dos hebreus, mas de todos os habitantes da terra. Se de acordo com os costumes sociais os filhos devem ter respeito para com os seus pais, muito mais, devem os seres humanos de um modo geral se sujeitarem ao Criador de todas as coisas, ele que é juiz dos vivos e dos mortos, e que pede conta de tudo.

AO PAI DOS ESPÍRITOS. Como o autor esta se referindo a relação entre pais e filhos, com destaque da reverência devida dos filhos para com seus pais, então, o escritor coloca a palavra Pai, com “P” maiúsculo se referindo a Deus, como sendo ele Pai dos espíritos. Já a palavra espírito está com a inicial minúscula se referindo ao espírito que está em cada um dos seres humanos, e não ao Espírito de Deus. Todo ser humano tem um espírito.

PARA VIVERMOS? Essa é uma exortação forte, no sentido de fazer com que os hebreus refletissem na responsabilidade que tinham de aceitarem a correção do Senhor como sendo ensinos educativos, no tocante a levar os filhos de Deus à santidade, o crescimento e desenvolvimento espiritual, e por fim, a perfeição e glorificação futura. Todo aquele que aceita de bom grado a correção do Pai celeste só tem a ganhar com a vida plena.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Hebreus 12:8

Hebreus 12:8 - Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, e não filhos.
MAS. Um dos objetivos do autor, dentro deste tema, é mostrar aos seus leitores que, nem sempre as dificuldades que eles enfrentavam, era consequência dos pecados deles. As igrejas onde o judaísmo era mais forte sofriam duras perseguições dos judaizantes, e muitos dos cristãos desistiam da caminhada, por pensarem de que não eram dignos do reino de Deus. O escritor mostra que eles estavam passando por tantas tribulações, porque Deus permitia, a fim de que fossem aperfeiçoados na fé, conforme o evangelho.

SE ESTAIS. Pior seria para aqueles que viviam ao bel prazer, buscando os prazeres desta vida, sem problemas de ordem social e espiritual, esses sim corriam sérios riscos de serem considerados bastardos pelo Pai de todos. Viver sem disciplina é andar nos caminhos do mundanismo, sem compromisso com o evangelho da verdade, sem Deus no mundo e sem esperança de vida eterna. Assim vivem os desobedientes a palavra de Deus.

SEM DISCIPLINA. De acordo com a lei de Moisés, os filhos que não se submetessem as ordens de seus progenitores deveriam ser acoitados de forma dura, e em determinados casos, eles deveriam ser apedrejados até a morte, sem que os pais assumissem culpa por isso. A lei romana era tão dura neste particular, que permitia que o pai viesse a matar seu próprio filho, que não obedecesse às regras dos seus progenitores, pai e mãe.

DA QUAL TODOS. O autor faz apenas lembrar aos seus leitores tudo àquilo que eles eram conhecedores, como sendo regra do reino de Deus. Todos aqueles que se submetem ao Senhorio de Deus, os mesmo que são considerados como filhos de Deus, tem a consciência de que Deus corrige seus filhos, não da forma humana, mas com justiça e dentro daquilo que cada um pode suportar, porque Deus sabe a força de cada um.

SÃO FEITOS PARTICIPANTES. Cristo é um espelho para cada um dos seguidores do evangelho da verdade, ele que mesmo sendo Filho de Deus, mas trilhou o caminho da obediência, porque se colocou no lugar de servo. Assim deve acontecer com todos os filhos de Deus, quando somos postos a prova de nossa fé, tendo a certeza de que o Senhor tem o controle de tudo, e não vai permitir uma prova maior do que a nossa força.

SOIS ENTÃO BASTARDOS. De acordo com o tempo em que esta carta foi escrita, ser um filho bastardo era ser um filho ilegítimo, fruto de uma infidelidade conjugal ou ainda que fosse um filho legítimo, mas decidiu a desobedecer deliberadamente às ordens dos seus pais. Se os que se dizem ser servos de Deus não aceitarem as disciplinas e correções de Deus como seu pai, então, nem pode dizer que faz parte da família divina.

E NÃO FILHOS. Os filhos de Deus, mesmo que sejam por adoção, como diz o evangelho das boas novas, são aqueles que são guiados pelo Espírito de Deus. Mas aqueles que não são filhos de Deus vivem ao bel prazer, fazendo tudo àquilo que vem na mente, como se não fossem prestar conta dos seus feitos perante o juiz dos vivos e dos mortos. O homem escolhe, se quer ser filho de Deus ou não, cada um tem o livre arbítrio para tomar suas próprias decisões. O melhor é ser filho de Deus, fazendo e executando a vontade do Pai.

domingo, 25 de junho de 2017

Hebreus 12:6-7

Hebreus 12:6-7 - Porque o Senhor corrige o que ama, E açoita a qualquer que recebe por filho. Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque, que filho há a quem o pai não corrija?
PORQUE O SENHOR CORRIGE. É bem provável que os leitores desta carta estavam agindo como infantes espirituais, precisando mesmo da disciplina da parte de Deus, no sentido de voltarem a ser maduros na fé. Um pouco antes nesta mesma carta, o autor diz que eles eram crianças que estavam como que precisando de leite, quando deveriam estar se alimentando de comidas mais sólidas. Precisando de correção da parte do Pai celeste.

A QUEM AMA. Deus corrige a quem ama. Isso é um bom sinal para quem tem que passar pelas provações que Deus lhe permite que passe, porque é um sinal de que tal pessoa é amada por Deus. A bíblia declara que Deus amou o mundo de uma tal maneira, que deu o seu unigênito Filho (João 3:16). E tem mais, Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecados (Romanos 5:8). Além do mais, Deus é amor e de forma individual ele demonstra esse amor por cada um dos seus filhos e filhas.

E AÇOITA. Essa é uma expressão que denota a forma mais forte com que Deus prova alguns dos seus servos. Apreendemos com a nossa experiência com Deus que, quanto maior for a nossa responsabilidade diante da obra ou missão que temos que cumprir em nossa vida para o reino de Deus, mas duras provações temos que ser submetidos. Se alguém tem dons espirituais ou ministeriais importantes, é sempre provado por Deus.

A QUALQUER QUE RECEBE POR FILHO. O escritor retoma o tema da paternidade de Deus para conosco e a nossa filiação na família divina. O evangelho ensina de que para que Deus receba uma pessoa como filho, tal pessoa tem que aceitar a Cristo como Senhor e Salvador (João 1:11-12). E um sinal de que alguém foi recebido por Deus como filho ou filha é quando essa mesma pessoa se deixa ser guiada pelo Espírito Santo.

SE SUPORTAIS A CORREÇÃO. Isso é algo profundo na compreensão de uma pessoa, no que tange a discernir o que é provação de Deus e o que não é. Porque uma pessoa pode está passando por determinadas coisas, porque ele mesmo provocou ou pode está passando problemas em consequências dos seus próprios pecados ou ainda, porque tem funções importantes no reino de Deus e o Senhor corrige para o próprio bem da pessoa.

DEUS VOS TRATA COMO FILHOS. Este assunto é muito importante no tocante a nossa comunhão com Deus. A cada teste que somos submetidos precisamos analisar porque estamos passando por tal provação. E o mais importante é aceitar a correção da parte de Deus, quando por ele formos provados. Além de que, estamos no caminho da santificação, e para alcançarmos a perfeição precisamos ser dilapidados pelo oleiro.

PORQUE, QUE FILHO HÁ A QUEM O PAI NÃO CORRIJA? Se um pai é de fato responsável na criação dos seus filhos, quando um deles ou mais procura caminhar por um caminho que não é bom, fazendo coisas erradas, tal pai procura corrigir seu filho. Não é diferente com Deus, o nosso Pai, quando erramos o alvo colimado de nossa vida, que é fazer a vontade de Deus, então, o Senhor aplica sua correção, para o nosso próprio bem.

sábado, 24 de junho de 2017

Hebreus 12:5

Hebreus 12:5 - E já vos esquecestes da exortação que argumenta convosco como filhos: Filho meu, não desprezes a correção do Senhor, E não desmaies quando por ele fores repreendido.
E JÁ VOS ESQUECESTES. Alguns dos textos que temos a nossa frente nos ensinam lições importantes quanto à disciplina de Deus na vida dos seus filhos, mas sempre com o objetivo de nos fazer crescer na fé e no desenvolvimento espiritual. O autor usa o texto de Provérbios 3:11-12 - Filho meu, não rejeites a correção do Senhor, nem te enojes da sua repreensão. Porque o Senhor repreende aquele a quem ama, assim como o pai ao filho a quem quer bem. O escritor nos ensina sobre nossa filiação com Deus em Cristo.

DA EXORTAÇÃO. Essa exortação nos fala da disciplina que Deus como Pai aplica sempre que necessário na vida daqueles que ele toma por filhos. E quem são os filhos de Deus? A bíblia diz que os filhos de Deus são aqueles que aceitam a Cristo como Senhor e Salvador (João 1:11-12). Além do mais, os filhos de Deus são todos aqueles que são guiados pelo Espírito Santo de Deus (Romanos 8:14,16). Exortar neste caso é disciplinar, corrigir.

QUE ARGUMENTAVA CONVOSCO COMO FILHOS. O autor aborda estes argumentos justamente para falar de mais um tema de suma importância na nova dispensação da graça de Deus por meio de Cristo Jesus, o nosso Mediador, que é a nossa filiação para com o Pai. E dentro deste contexto, podemos dizer que o escritor está fazendo os seus leitores pensarem sobre o acesso que os remidos têm direto com Deus como filhos.

FILHO MEU, NÃO DESPREZEIS. De acordo com a nova dispensação de Deus com a humanidade, essa nossa filiação para com Deus se traduz por sinônimo de Salvação. Todos são criaturas de Deus, mas conforme as Santas Escrituras, nem todos são filhos de Deus. Portanto, se somos filhos de Deus não devemos desprezar a palavra do Senhor, nem os seus conselhos, porque o Senhor sempre quer nos guiar pelo melhor caminho.

A CORREÇÃO DO SENHOR. Essa correção da parte de Deus na vida dos seus filhos vem em forma de disciplina, de provações e exortações. Quem não é filho de Deus, o Senhor deixa que este viva ao seu bel prazer, que são os ateus, os incrédulos, os ímpios, e todos aqueles que vivem alienados dos planos do Criador. No entanto, os filhos de Deus, tem livre arbítrio, mas são guiados pelo Espírito de Deus, pelo caminho da obediência.

E NÃO DESMAIES. O autor quis dizer: Não desanimeis quando fores por Deus repreendido, pois isso é um bom sinal, de que sois verdadeiramente filhos de Deus. O Senhor quer sempre o melhor para cada um dos seus filhos, por isso que, quando necessário, ele permite que passemos pelos desertos da vida, a fim de apreendermos lições importantes. As correções de Deus em nossa vida nunca são para termos prejuízos.

QUANDO POR ELE FORES REPREENDIDO. Na verdade, Deus criou os filhos do homem com livre arbítrio, porem, com responsabilidade para com o seu Criador. No caso dos filhos de Deus, isso não muda, porem, o Senhor intervêm na vida dos seus filhos para que estes vivam uma vida digna perante a sociedade e na sua presença. Em tudo isso, apreendemos sobre o teísmo, em que Deus age sempre que preciso na vida dos seus.

Hebreus 12:3-4

Hebreus 12:3-4 - Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos. Ainda não resististes até ao sangue, combatendo contra o pecado.
CONSIDERAI, POIS, AQUELE. O autor chama os seus leitores para considerar o exemplo de Cristo, observando cuidadosamente tudo que ele teve que passar, mesmo sendo inocente teve que ser injustiçado, mesmo só fazendo o bem a todos, mas recebeu em troca tanta maldades dos seus opositores. “Aquele” se refere ao Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, que por amor ilimitado aos seus remidos, sofreu tantas perseguições, várias vezes teve que fugir de entre os inimigos para não ser apedrejado.

QUE SUPORTOU TAIS CONTRADIÇÕES. O Messias de Deus ao entrar no planeta terra, tinha consigo a melhor das intenções que era justamente abençoar o seu povo, os judeus, mas este mesmo povo não o acolheu, pelo contrário, o rejeitou, desprezando os benefícios que o Cristo de Deus veio lhes proporcionar. Por onde passava só fazia o bem a todos, curando os doentes e libertando os oprimidos, mas mesmo assim o mataram.

DOS PECADORES CONTRA SI MESMO. Quando o Senhor Jesus veio a terra, ele já sabia de tudo que haveria de passar de contrariedades, mas mesmo assim, não deu as costas aqueles que o procurou com seus dilemas de sofrimentos. No momento mais difícil de sua missão, quando estava no alto da cruz do Calvário, em vez de amaldiçoar os seus inimigos, pediu ao Pai que lhes perdoassem, em vez de destruir a todos se quisesse.

PARA QUE NÃO ENFRAQUEÇAIS. Por isso que o escritor começa este capítulo pedindo que os seus leitores olhassem para Jesus, autor e consumador da fé, isso porque o exemplo de resistência e resignação deixado pelo Mestre Jesus, é o suficiente para que os servos de Cristo suportem as lutas do dia a dia. Os leitores desta carta não tinham uma vida nada fácil, até porque os judaizantes eram cruéis contra quem deixasse o judaísmo.

DESFALECENDO EM VOSSOS ÂNIMOS. Todos os exemplos dados dos heróis da fé citados no capítulo anterior deveriam servir de encorajamento para os irmãos hebreus, que conheciam as Sagradas Escrituras do Velho Testamento, concernente aos testemunhos de fé dados pelo escritor desta carta. Neste caso, desfalecer era meio caminho dado para abandonar a fé cristã e retornar ao judaísmo, o que seria um grande retrocesso.

AINDA NÃO RESISTISTE ATÉ AO SANGUE. Muitas lutas e batalhas eram travadas até este momento para as igrejas de Israel, ligadas à igreja mãe de Jerusalém. Muitos dos leitores desta carta, certamente perderam seus bens, que foram confiscados pelo governo. Outros eram abandonados pelos seus familiares e pela sociedade, Todavia, nenhum deles ainda não haviam sido vítimas do derramamento de sangue, como aconteceu com Cristo.

COMBATENDO CONTRA O PECADO. Uma das principais finalidades da morte do Senhor Jesus foi justamente para desfazer os efeitos do pecado dos seus remidos. A manifestação do Messias de Deus como sendo o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo foi efetivamente para fazer a expiação pelos pecados da humanidade. A morte propiciatória do Senhor Jesus foi para remir a sua igreja das suas transgressões.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Hebreus 12:2

Hebreus 12:2 - Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus.
OLHANDO PARA JESUS. Na verdade, estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, o pecado tão de perto nos rodeia, somos tentados a todo o momento a sermos atraídos pelos prazeres desta vida. No entanto, precisamos estar sempre com nossa visão focada em Jesus, ele que é o nosso alvo principal. Este autor diz que Jesus está assentado a destra de Deus, com isso, o caminho de acesso está aberto e não podemos olhar para os atrativos deste mundo enganador, mas corramos para o alvo.

AUTOR E CONSUMADOR DA FÉ. No capítulo anterior, o escritor aos Hebreus detalhou exaustivamente o valor desta fé genuína em Deus. Agora, ele nos ensina que o autor desta fé é o próprio Senhor Jesus, e isso porque é ele, pelo seu santo Espírito quem nos fornece este dom. Depois, o autor nos diz que Cristo também é o consumador desta fé, o que nos diz o texto é que, o Senhor Jesus é quem faz acontecer pela fé coisas grandes.

O QUAL PELO GOZO QUE LHE ESTAVA PROPOSTO. O profeta Isaías 53:11 - Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito; com o seu conhecimento o meu servo, o justo, justificará a muitos; porque as iniquidades deles levará sobre si. Cristo quando esteve cumprindo sua missão como redentor de sua igreja, ele sabia de que os seus sofrimentos resultariam em salvação dos seus remidos, que ele comprou com a expiação.

SUPORTOU A CRUZ. O autor não está apenas falando do peso da cruz que Cristo teve que carregar e nela ser crucificado. Ele está se referindo as implicações que a cruz de Cristo significava como o preço da redenção da sua igreja. Sobre o Cordeiro de Deus estavam todas as enfermidades e dores de suas ovelhas todas, porque ele levou sobre si as nossas transgressões e as nossas iniquidades levou sobre si (Isaías 53:4-5).

DESPREZANDO AS AFRONTAS. Mesmo sabendo que teria de passar por tantas contrariedades em sua vida e ministério, o Cristo de Deus deixou todos os seus privilégios para vir pagar o preço da redenção (Filipenses 2:6-8). Desprezar as afrontas é a mesma coisa que enfrentar de cabeça erguida às injustiças dos homens, porque o Senhor Jesus tinha em mente o resultado positivo de sua propiciação em nosso lugar.

E ASSENTOU-SE À DESTRA. Essa frase nos fala de como o Filho de Deus, Jesus Cristo, foi exaltado a destra de Deus. Filipenses 2:9-11 - Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome. Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra. E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.

DO TRONO DE DEUS. Este também é chamado de trono da graça. Isso nos fala do acesso que Cristo tem a presença direta do grande Deus Todo-poderoso, Criador de todas as coisas. Também nos incentiva a buscar a intercessão de Cristo por nós diante do trono da majestade celestial, porque Cristo como nosso Mediador nos leva a presença de Deus. Ele é o nosso Sumo Sacerdote que perante o grande Deus intercede em nosso favor.

Hebreus 12:1

Hebreus 12:1 - Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta.
PORTANTO NÓS TAMBÉM, POIS QUE ESTAMOS RODEADOS. No capítulo anterior o autor escreveu acerta dos heróis da fé, baseado em fatos que estão arrolados no Velho Testamento, citando nomes importantes da história de Israel. Mas agora, ele traz os seus leitores para uma nova realidade, em se tratando da vida daqueles que se propuseram em viver conforme o plano de Deus e de acordo com a nova dispensação da graça, inclusive o autor se inclui mais uma vez no seu escrito, quando diz “nós”.

DE UMA TÃO GRANDE NUVEM DE TESTEMUNHAS. No capítulo onze, o autor falava nos heróis da fé que deram testemunho de que agradara a Deus. Nesta frase, ele fala do seu próprio tempo, em que os seus leitores estavam rodeados também de bons testemunhos de pessoas que viviam pela fé no poderoso nome de Cristo e em sua perfeita obra de redenção em prol de sua igreja, que ele comprou com a sua perfeita expiação.

DEIXEMOS TODO O EMBARAÇO. Eis aqui o conselho do escritor desta carta, quando ele chama a atenção dos seus leitores para a responsabilidade de cada um deixar algumas coisas a fim de também alcançarem bom testemunho de que agradavam a Deus. Existem muitos embaraços nesta vida que podem impedir de alguém servir fielmente ao Senhor. E podemos dizer que, praticamente todas as atividades humanas, nesta dimensão da vida dos seres humanos, se constituem em obstáculo para o homem não servir a Deus.

E O PECADO. Pecar é errar o alvo, e com isso entendemos que, conforme as Sagradas Escrituras, o alvo principal dos seres humanos é dentro do possível realizar a vontade de Deus. Deixar o pecado é renunciar a tudo que o mundo oferece, e que desagrada ao Espírito santo, para então ser guiado pelo Espírito do Senhor. Deixar o pecado é dizer não aos prazeres da carne, e procurar ser guiado pelo evangelho poderoso de Cristo.

QUE TÃO DE PERTO NOS RODEIA. Faz-se necessário um monitoramento permanente de nossas atividades neste mundo, para não sermos presos as armadilhas que o pecado tão sutilmente nos assedia a todo o momento. O ser humano peca por pensamentos impuros, palavras que não deveriam sair de sua boca e também por atitudes erradas.

E CORRAMOS COM PACIÊNCIA. O autor usa mais uma de suas metáforas para representar a vida cristã ideal. Quando um ser humano aceita a Cristo como Senhor e Salvador, ele está na realidade, dando o primeiro passo de uma longa carreira. São vários passos na carreira cristã que terão de ser dados, tais como: O verdadeiro arrependimento, novo nascimento, regeneração, santificação de vida e etc.

A CARREIRA QUE NOS ESTÁ PROPOSTA. Moisés deixou a sua lei como legislação para os filhos de Israel. O Messias de Deus, Jesus Cristo, veio ao mundo e nos deixou o seu evangelho da graça, que é tudo que está registrado no Novo Testamento, como parâmetro a ser seguido pelos seus discípulos. Portanto, com paciência precisamos dar passos firmes em direção ao nosso alvo, que é a salvação ou vida eterna em Cristo Jesus.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Hebreus 11:39-40

Hebreus 11:39-40 - E todos estes, tendo tido testemunho pela fé, não alcançaram a promessa. Provendo Deus alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles sem nós não fossem aperfeiçoados.
E TODOS ESTES. O autor fala desde Abel, passado por Noé, Abraão, Isaque e Jacó, José e os seus irmãos também, Moisés, o grande legislador de Israel, Josué que foi o conquistador da terra de Canaã, Gideão, Baraque, Sansão E Jefté, Samuel, Davi, Elias e Eliseu, além dos profetas de Deus, que todos foram de alguma maneira maltratados pelas autoridades e pela sociedade sem Deus. Além é claro dos cristãos perseguidos.

TENDO TIDO TESTEMUNHO PELA FÉ. Todos os citados neste capítulo de Hebreus, obtiveram bom testemunho de que eram pessoas que viviam pela fé genuína em Deus, bem como no Messias de Deus Pai. Como o escritor está concluindo este capítulo, ele não poderia deixar de falar do tema principal deste mesmo capítulo, que é justamente a fé perfeita em Deus e em seu Cristo, como parte requerente na nova aliança do homem com Deus. Porque é esta fé perfeita que o homem tem, que o leva aos braços de Deus.

NÃO ALCANÇARAM A PROMESSA. Todos os heróis da fé listados nesta carta aos Hebreus, tinham sonhos mais elevados, que era alcançarem um repouso eterno, o que não obtiveram para esta vida presente. E isso pode ser visto na conquista da terra de Canaã, que com o passar do tempo, os próprios filhos de Israel perderam para as nações inimigas, razão porque houveram os cativeiros, e por último o domínio dos romanos.

PROVENDO DEUS. Ao mesmo tempo, todos os heróis da fé, tinham visões aguçadas para um futuro distante, porque aquela fé que os aproximavam de Deus, era a mesma que se transformava em fundamento firme de que na eternidade seriam recompensadas por Deus, e se utilizavam como prova de seus argumentos a fé, que é a prova das coisas que não se veem aqui e agora, mas que mostra um futuro glorioso para todos os remidos.

ALGUMA COISA MELHOR. Somente a fé é que nos faz penetrar nos mistério de Deus e crer que coisas muito maiores e melhores nos aguardam no porvir. Baseados nesta esperança é que os heróis da fé suportavam tantas oposições, contrariedades, perseguições, tribulações, pressões, aflições e até a morte. Para o mundo é loucura a vida de renuncia que os servos de Deus vivem, mas para nós é sinônimo de vida eterna.

A NOSSO RESPEITO. Os heróis da fé viviam pelos sonhos de Deus, é tudo aquilo que a palavra do Senhor promete era a âncora da alma de cada um deles. O viver pela fé é a mesma coisa que optar em respirar o cumprimento de todas as promessas de Deus. E optar em viver buscando o reino de Deus e as coisas que são de cima, é deixar os prazeres desta vida, por se agarrar em tudo aquilo que as Escrituras falam sobre o futuro.

PARA QUE ELES SEM NÓS NÃO FOSSEM APERFEIÇOADOS. “Eles” nos fala sobre todos aqueles que viveram pela fé durante o tempo da velha dispensação, e “nós” fala sobre aqueles que também obtêm testemunho pela fé, de que também somos herdeiros das mesmas promessas. As maiores revelações que o evangelho eterno vem dando aos remidos de Cristo é a comprovação de que os heróis da fé estavam certos, e nós também.

Hebreus 11:38

Hebreus 11:38 - (Dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, e montes, e pelas covas e cavernas da terra.
DOS QUAIS. O autor está se referindo aos heróis da fé, eles que não eram aceitos pelo mundo dos homens, pela sociedade alienada dos planos de Deus, pelas autoridades e governantes desta terra. O autor também fala sobre os profetas verdadeiros de Deus, que foram usados pelo Senhor para falarem a verdade, mesmo contrariando interesses dos chefes dos povos e da elite religiosa de Israel. E principalmente se refere o escritor a todos aqueles que no tempo da igreja primitiva romperam com as religiões pagãs.

O MUNDO. O autor não está se reportando ao cosmo nem ao universo, mas sim, a este mundo mal dos homens e dos sistemas corporativos de poderes humanos. Cristo quando esteve nesta esfera terrena, neste mesmo mundo em que se refere o autor, ele foi odiado e perseguido pelos filhos da desobediência. Bem como avisou aos seus discípulos e seguidores que eles também seriam odiados pelo mundo, porque não são do mundo.

NÃO ERA DIGNO. Este mundo cruel e perverso, que rejeita a luz e a verdade, não era digno dos grandes homens de Deus, por isso que, a maioria daqueles que nesta terra buscaram viver pela fé perfeita em Deus, foram maltratados, perseguidos e mortos pelos homens perversos deste mundo de maldade. Quem é deste mundo, faz o que for possível para expulsar os servos de Deus deste planeta, porque eles são peregrinos no mundo.

ERRANTES. De forma que, por conta das perseguições levantadas contra os servos de Deus, eles sempre tiveram vidas cheias de tribulações, foi assim com os heróis da fé, com os profetas de Deus e com todos aqueles que buscavam o reino de Deus em primeiro lugar e as coisas que são de cima. Sem moradia certa, sem uma pátria terrena, sem apoio muitas vezes da família, nem da sociedade e nem muito menos dos governos.

PELOS DESERTOS. Quantos dos profetas de Deus tiveram de deixar a vida em comunidade para viverem nos desertos? E isso por conta de profetizarem contra os erros dos governantes e dos líderes religiosos de Israel. Por que João Batista vivia nos desertos? Certamente porque em Jerusalém ele só encontrava oposição ao seu ministério, porque ele pregara a verdade. Muitos cristãos tiveram que fugir das cidades para os desertos.

E MONTES E PELAS COVAS. Além de passarem a viver nos desertos solitários, os profetas de Deus viviam pelos montes, fugindo dos seus perseguidores. Para sobreviverem das perseguições dos homens maus, os servos de Deus buscavam se esconderem nas covas da terra e dos montes. Ser um representante de Deus neste mundo, muitos vezes implica em viver uma vida distante dos diversos inimigos da verdade e do evangelho de Cristo.

E CAVERNAS DA TERRA. Tanto em Israel, como em muitos países que eram contra o cristianismo, os servos de Cristo foram tão perseguidos que passavam a viver dentro das cavernas da terra. Só no país de Roma, havia mais de quinhentos quilômetros de galerias subterrâneas, onde os cristãos viviam nas cavernas na terra, por conta das perseguições do império romano. O inimigo de Deus, de Cristo e da igreja, se utilizou de muitos instrumentos humanos para maltratar o povo de Deus e seguidores de Cristo.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Hebreus 11:37

Hebreus 11:37 - Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados.
FORAM APEDREJADOS. Este texto que temos a nossa frente é provável que o autor use exemplos, sem citar nomes de pessoas, que eram bem conhecidos dos leitores desta carta, porque são testemunhos do próprio tempo da igreja primitiva. E neste caso, temos o exemplo de Estêvão, que foi morto por apedrejamento simplesmente para alimentar o ódio dos opositores do cristianismo. E muitos outros dos líderes da igreja primitiva que do mesmo modo viviam fugindo de cidade em cidade por causa das perseguições.

SERRADOS, TENTADOS. Dos profetas, a tradição judaica afirma que Isaías, porque era um profeta messiânico, foi morto serrado ao meio, juntamente com o tronco de uma arvore. Já dos líderes do cristianismo muitos foram tentados a negarem o nome de Jesus, como sendo o Messias de Deus. Milhares de cristãos do tempo da igreja primitiva foram submetidos aos mais diversos tipos de torturas, no sentido de negarem a sua fé.

MORTOS AO FIO DA ESPADA. Muitos dos profetas da antiga dispensação morreram ao fio da espada. Já no tempo do profeta Elias, as autoridades de Israel se utilizavam deste meio cruel para matarem os profetas de Deus. 1 Reis 19:10 - E ele disse: Tenho sido muito zeloso pelo Senhor Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram a tua aliança, derrubaram os teus altares, e mataram os teus profetas à espada, e só eu fiquei, e buscam a minha vida para ma tirarem. Na época da igreja primitiva também faziam isso.

ANDARAM VESTIDOS DE PELES DE OVELHAS E CABRAS. Certamente, o autor deve ter pensado no profeta Elias que foi um dos antigos profetas de Deus mais perseguido de sua época, e diante das dificuldades se vestia de pele de animais. Já da nova dispensação temos o caso de João Batista, o precursor do Senhor Jesus, ele que viveu nos desertos, se alimentando de mel e gafanhotos e se vestia de peles de animais.

DESAMPARADOS. Muitos dos profetas de Deus foram rejeitados pelos governantes e pela sociedade de suas respectivas épocas, como também aqueles que representavam a igreja de Cristo no primeiro século da era cristã. Muitos dos cristãos primitivos tiveram seus bens confiscados pelo governo romano, e por conta disto passaram a viver em plena penúria social, sem ajuda das autoridades, nem apoio da sociedade.

AFLITOS. Deixar o judaísmo pelo cristianismo ou deixar as religiões oficiais das autoridades pela religião de Cristo, era optar por uma vida nada fácil. Por isso que a história do cristianismo foi marcada em seus começos por muitas perseguições contra a igreja de Cristo, uma vez que, os judaizantes e os líderes das demais religiões que já existiam no primeiro século da era cristã despertavam muito ódio contra os cristãos.

E MALTRATADOS. Eram muitos os meios utilizados pelos opositores do reino de Cristo contra aqueles que se decidiam em seguir ao cristianismo. Todos conhecem os maus-tratos que os judeus empregaram contra o Senhor Jesus, até que o levaram a morte de crucificação. Depois, passaram a maltratar aqueles que confessavam a Jesus como sendo o Messias de Deus. As perseguições eram constantes e cruéis contra os cristãos.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Hebreus 11:35-36

Hebreus 11:35-36 - As mulheres receberam pela ressurreição os seus mortos; uns foram torturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição. E outros experimentaram escárnios e açoites, e até cadeias e prisões.
AS MULHERES RECEBERAM PELA RESSURREIÇÃO. Como o autor está focado na literatura religiosa dos hebreus, Velho Testamento. Podemos dizer que ele se refere aos casos da mulher de Sarepta e a outra foi a Sunamita. No caso da mulher de Sarepta, aconteceu com o profeta Elias, que foi usado por Deus para ressuscitar o menino. Já no caso da mulher Sunamita o Senhor se utilizou do profeta Eliseu, que exerceu sua fé no seu Deus e o Senhor ressuscitou o filho daquela mulher, que tanto ajudou aquele homem de Deus.

SEUS MORTOS. Porem, se o escritor estiver falando de outros casos, já dentro do tempo da nova dispensação e que esteja dentro das páginas do Novo Testamento, então ele se referia também ao caso de Lázaro que Jesus ressuscitou e o entregou a suas irmãs. Temos também o caso do filho da viúva de Naim, em que o seu filho já era levado para ser sepultado. E por fim, temos ainda o caso de Êutico que caiu morto do terceiro andar, porem, Paulo tendo orado por ele foi ressuscitado de entre os mortos (Atos 20:9-12).

UNS FORAM TORTURADOS. Certamente, o autor pensa em alguns dos profetas da antiga dispensação que passaram por terríveis torturas físicas e psicológicas porque anunciavam as profecias vinda do coração de Deus para o povo. Como também, o autor pode estar pensando em muitos dos mártires do cristianismo que foram torturados pelas autoridades romanas, outros pelos judeus mais radicais e pelos inimigos do evangelho.

NÃO ACEITANDO O SEU LIVRAMENTO. No caso dos profetas da antiga dispensação, aceitar o livramento, era não exercer o ministério de profeta, e, portanto, não falar as verdades de Deus para as autoridades e também para o povo. Já no caso dos mártires do cristianismo, aceitar o livramento, seria negar a fé, deixar de confessar que Jesus era o Messias de Deus, assim sendo, não seriam torturados nem sofreriam as tribulações.

PARA ALCANÇAREM UMA MELHOR RESSURREIÇÃO. Tanto os homens de Deus da antiga dispensação, quanto os mártires da nova dispensação, que sofreram torturas e perseguições por conta da fé em Deus, mesmo sendo castigados e até mortos, assim suportavam as torturas, porque tinham dentro de seus corações a viva esperança de que mesmo se chegassem a morrer por conta da fé, seriam ressuscitados para a vida eterna.

E OUTROS EXPERIMENTARAM ESCÁRNIOS. Quantos dos profetas de Deus não foram escarnecidos pelas autoridades de Israel, bem como pelo próprio povo desobediente? Sem falar nos servos de Cristo, que simplesmente pelo fato de confessavam que Jesus era o Messias de Deus, eram desprezados, perseguidos pelos judaizantes, pelas autoridades romanas, como também pelos líderes das seitas heréticas do paganismo e pelo povo.

E AÇOITES, E ATÉ CADEIAS E PRISÕES. Temos o exemplo do próprio Cristo de Deus, que foi acoitado pelos soldados romanos, foi preso injustamente e morto na cruz do Calvário. E muitos dos líderes do Cristianismo tiveram também que passar por estas mesmas coisas, como foi o caso do grande apóstolo dos gentios, Paulo, que foi preso várias vezes.

Hebreus 11:34

Hebreus 11:34 - Apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fuga os exércitos dos estranhos.
APAGARAM A FORÇA DO FOGO. Efetivamente, o autor se reporta ao caso dos amigos de Daniel, que está registrado no capítulo três deste profeta. Sadraque, Mesaque e Abede-nego, eles que em prova de fé no Deus único e verdadeiro, se negaram a adorar a imagem erigida pelo rei de Babilônia e os seus grandes. Por conta de tal atitude, os três foram lançados na fornalha de fogo ardente, com suas chamas aquecidas sete vezes mais do que o normal, porem, o fogo não teve nenhum efeito sobre a vida deles.

ESCAPARAM DO FIO DA ESPADA. Não se sabe se o escritor está se referindo a um exemplo específico de algum dos heróis da fé. Ou se ele trata dos muitos casos de homens de Deus que tiveram de enfrentar a fúria dos seus opositores, principalmente os profetas que foram ousados em denunciar os maus feitos dos governantes da nação judaica, bem como os que se achavam grandes, nos dias do ministério dos profetas.

DA FRAQUEZA. Temos o próprio exemplo de Abraão, que viveu em terras estranhas como peregrino, mas que se tornou rico e poderoso. Podemos citar também o caso de Moisés, que não se achou em condições de representar o grande Deus em sua missão tão grandiosa de libertar os filhos de Israel. E por fim, podemos ainda citar o caso de Jeremias que como profeta, se achava uma criança diante da grande responsabilidade.

TIRARAM FORÇAS. Não se sabe se o autor conhecia a citação feita por Paulo em 2 Coríntios 12:9-10 - E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo. Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte. Isso se traduz por dependência completa de Deus.

NA BATALHO. Quem faz a opção de viver para Cristo e com Cristo, não tem uma vida nada fácil, até porque, tudo que há neste mundo com todas as suas forças, trabalham e se levantam contra os servos de Cristo. Assim, sempre foi com todos aqueles que viveram para Deus, executando sua vontade, sempre se levantaram contra os tais, as forças deste mundo, bem como o maior opositor dos seres humanos, que é o diabo e seus demônios.

SE ESFORÇARAM. Temos o exemplo de Josué, quando recebeu de Deus a incumbência de conquistar justamente a terra de Canaã. Josué 1:9 - Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus é contigo, por onde quer que andares. Uma das coisas que os servos de Deus têm em seus corações é a certeza de que não está só nas batalhas da vida, porque o Senhor é com o seu povo.

PUSERAM EM FUGA OS EXÉRCITOS DOS ESTRANHOS. Também não sabemos a que exemplo se reporta o escritor, porque as Sagradas Escrituras estão recheadas de exemplos dos guerreiros de Israel que em nome do Senhor Jeová dos Exércitos puseram em retirada os exércitos inimigos. Assim como nos dias de hoje, ao vivermos pela nossa fé genuína no nome poderoso de Cristo, venceremos o diabo com os seus demônios.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Hebreus 11:33

Hebreus 11:33 - Os quais pela fé venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam as bocas dos leões.
OS QUAIS. É provável que o autor se refira a todos aqueles que ele já mencionou os seus nomes até o momento. Mas de maneira específica sobre os que foram mencionados no texto anterior, que foram juízes de Israel, bem como reis e profetas do povo de Deus. Todos eles que tiveram seus nomes arrolados nesta lista de heróis da fé, contavam com a afeição natural dos hebreus, como grandes homens de fé em Israel.

PELA FÉ. Do começo ao fim deste mesmo capítulo o que entra em evidência é justamente a prática da fé por todos estes personagens citados pelo escritor. A fé por parte do homem é indispensável nesta nova dispensação da graça de Deus, porque é por meio dela que os remidos se aproximam do Senhor Jesus, por quem ganha o acesso direto ao trono da graça. Por isso que o autor afirma categoricamente que sem fé é impossível agradar a Deus, porque alguém tem que confiar que ele é justo (Hebreus 11:6).

VENCERAM. A fé perfeita em Deus se torna uma das armas mais poderosa, no sentido de fazer com que alguém possa vencer suas batalhas. Temos um exemplo clássico do rei Davi, que por sua grande fé no Senhor Jeová dos Exércitos venceu ao gigante Golias. Só temos condições de vencer o mundo, por meio da nova fé em Deus, bem como só vamos vencer o inimigo de nossas almas, pela fé, e só controlamos a nossa carne, pela fé.

REINOS. Certamente o autor faz menção de Gideão, que venceu os Midianitas, que viviam a saquearem os filhos de Israel, além de matarem os próprios irmãos de Gideão. Como também o escritor se lembra de Baraque, que venceu o rei de Canaã, Jabim, que a mais de vinte anos escravizava os hebreus. Em fim, o pensamento do autor pode ter pensado na grande vitória que Jefté obteve sobre os Amonitas, que fizeram guerra contra o povo de Israel, mas que este juiz, se prontificou a lutar e vencer este reino ímpio.

PRATICARAM A JUSTIÇA. Neste caso, para o tempo da velha dispensação, praticar a justiça, seria guardar os mandamentos da legislação de Moisés, o que cabe muito bem na vida de todos aqueles que foram citados pelo escritor. Já na nova dispensação da graça de Deus para com a humanidade, praticar a justiça tem mais o sentido de viver conforme o evangelho das boas novas, exercendo a fé em Cristo e sendo justificado por ele.

ALCANÇARAM PROMESSAS. Desde o começo deste tratado, quando o assunto é alcançar promessa, que o autor tem posto em evidência a fé dos heróis da história de Israel, como algo indispensável para se alcançar as promessas. De forma que, todos aqueles que foram listados os seus nomes nesta carta, e que receberam o cumprimento das promessas da parte de Deus, assim o fizeram pelo exercício pleno de sua fé em Deus.

FECHARAM AS BOCAS DOS LEÕES. Não há como não pensar em um dos grandes profetas da história dos hebreus, chamado de Daniel, ele que foi também um homem que depositou inteira confiança no seu Deus, que o livrou da boca dos leões. Daniel disse: O meu Deus enviou o seu anjo, que fechou a boca dos leões para que não me fizesse dano algum, porque foi achado em mim, inocência diante dele e também diante do rei.

domingo, 18 de junho de 2017

Hebreus 11:32

Hebreus 11:32 - E que mais direi? Faltar-me-ia o tempo contando de Gideão, e de Baraque, e de Sansão, e de Jefté, e de Davi, e de Samuel e dos profetas.
QUE MAIS DIREI? O autor estava cheio de palavras e de lembranças de tantos outros heróis da fé, dos quais as Escrituras estão recheadas dos seus grandes e belíssimos exemplos. Se fosse falar de todos aqueles que deixaram seus bons exemplos de fé, certamente teríamos uma carta tão grande, que nem carta seria, mais sim um livro de conteúdo gigantesco. Porem, estes exemplos dados pelo escritor, nos faz compreender o valor da fé, por isso que, ela é indispensável na vida dos que servem ao reino de Cristo.

FALTAR-ME-IA O TEMPO CONTADO. Ver-se que os nomes citados, neste texto, estão sem os detalhes ou os exemplos específicos que caracterizaram estes heróis da fé, dos quais o escritor apenas cita seus nomes. O fato é que o autor não queria ser enfadonho com suas letras para com seus leitores, e, portanto, entende que os nomes citados, já eram seus testemunhos de fé, conhecidos de todos aqueles que eram seus destinatários.

DE GIDEÃO E DE BARAQUE. Sobre Gideão, podemos dizer que ele foi importante como um dos juízes de Israel, antes da implantação da monarquia, porque ele ensinou ao povo de Deus como exercer a teocracia, com o governo de Deus. Já sobre Baraque, o livro de Juízes nos conta que ele juntamente com Débora, que era uma profetiza de Israel, livraram ao povo de Deus de Jabim, rei de Canaã que à vinte anos perseguia Israel.

E DE SANSÃO E DE JEFTÉ. Sansão também foi um dos juízes de Israel, que depois de ser vencido pelos seus inimigos, pediu força ao Senhor para derrotar aqueles que lhe humilhavam, o que o Senhor atendeu-lhe o pedido. Jefté, também um outro juiz do povo hebreu, ele era de Gileade, mas teve que sair como fugitivo para Tobe. Diante da guerra, os anciãos de Israel foram em busca dele, para que lutasse pelo povo de Deus. De início Jefté se recusou, porque quando precisou, deram as costas para ele. Mas por fim aceitou.

E DE DAVI. Depois de falar sobre quatro dos juízes do povo hebreu, o escritor fala de um dos mais conceituados reis na nação israelita, que foi o rei Davi. A vida, as vitórias e o reinado deste grande homem de Deus estão cheios de bons exemplos de fé, por isso que seu nome é citado pelo autor, como um dos heróis da fé. Não há dúvida que foi pela fé que Davi venceu o gigante Golias, que vivia a insultar e humilhar o povo de Deus, Israel.

E DE SAMUEL. Agora, o autor da um dos exemplos de fé, de quem foi um dos principais sacerdotes de Israel, que foi efetivamente, Samuel. Primeiro, o seu nascimento foi um milagre da parte de Deus, porque a sua mãe era estéril e não podia ter filhos. Depois de nascido, ele foi oferecido inteiramente ao serviço do Senhor, o que cumpriu com sucesso sua missão como sacerdote do Deus de Israel. Samuel era um homem de muita fé.

E DOS PROFETAS. Por fim, o escritor cita de maneira genérica todos os profetas que, como mensageiros de Deus cumpriram suas missões de fé, anunciado os decretos de Deus ao seu povo. Todos eles são exemplos dignos de quem viveram pela fé, e como representantes do reino de Deus, sempre eram utilizados pelo Espírito do Senhor para advertir aos hebreus sobre a vontade do Senhor. Muitos dos profetas foram messiânicos.

sábado, 17 de junho de 2017

Hebreus 11:30-31

Hebreus 11:30-31 - Pela fé caíram os muros de Jericó, sendo rodeados durante sete dias. Pela fé Raabe, a meretriz, não pereceu com os incrédulos, acolhendo em paz os espias.
PELA FÉ. A fé é um elemento indispensável na vida de todos aqueles que pretendem adquirir grandes vitórias em sua vida. A fé neste caso em foto se traduz pela obediência do povo em seguir as orientações de Deus. Quando perseguimos as convicções de nossa fé plena em Deus, aquilo que aos olhos humanos pode ser impossível, a fé torna possível, e alcançamos os nossos objetivos, desde que estejamos dentro do plano de Deus.

CAÍRAM OS MUROS. O autor fala do que está escrito em Josué 5:5 - E será que, tocando-se prolongadamente a buzina de carneiro, ouvindo vós o seu sonido, todo o povo gritará com grande brado; e o muro da cidade cairá abaixo, e o povo subirá por ele, cada um em frente. Josué 6:20 - Gritou, pois, o povo, tocando os sacerdotes as buzinas; e sucedeu que, ouvindo o povo o sonido da buzina, gritou o povo com grande brado; e o muro caiu abaixo, e o povo subiu à cidade, cada um em frente de si, e tomaram a cidade.

DE JERICÓ. Esta é uma cidade conhecida como o jardim das palmeiras, uma das cidades mais antigas da palestina, e que fica a cerca de 27 km de Jerusalém, bem próximo ao Mar Morto. Foi o Senhor quem deu as coordenadas ao seu servo Josué de como conquistar esta cidade poderosa pelos seus altos muros de proteção. Este fato envolvendo a conquista de Jericó nos ensina de que é Deus quem dá vitória ao seu povo.

SENDO RODEADOS DURANTE SETE DIAS. Josué 5:3-5 - E sete sacerdotes levarão sete buzinas de chifres de carneiros adiante da arca, e no sétimo dia rodeareis a cidade sete vezes, e os sacerdotes tocarão as buzinas. E será que, tocando-se prolongadamente a buzina de carneiro, ouvindo vós o seu sonido, todo o povo gritará com grande brado; e o muro da cidade cairá abaixo, e o povo subirá por ele, cada um em frente.

PELA FÉ RAABE. O autor talvez use o nome desta mulher como exemplo de que não importa o que a pessoa tenha feito em sua vida pregressa, porque o mais importante é o exercício de sua fé em Deus. Esta mulher, pela sua fé serviu a Deus, mesmo que de maneira indireta, ao guardar e ajudar aos espias enviados por Josué para espiar a cidade de Jericó. Também aprendemos com essa mulher a importância do servir a Deus.

A MERETRIZ NÃO PERECEU COM OS INCRÉDULOS. Josué 6:23,25 - Então entraram os jovens espias, e tiraram a Raabe e a seu pai, e a sua mãe, e a seus irmãos, e a tudo quanto tinha; e os puseram fora do arraial de Israel. Assim deu Josué vida à prostituta Raabe e à família de seu pai, e a tudo quanto tinha; e habitou no meio de Israel até ao dia de hoje; porquanto escondera os mensageiros que Josué tinha enviado a espiar a Jericó.

ACOLHENDO EM PAZ OS ESPIAS. Josué 2:4-6 - Porém aquela mulher tomou os dois homens, e os escondeu, e disse: É verdade que vieram homens a mim, porém eu não sabia de onde eram. E aconteceu que, havendo-se de fechar a porta, sendo já escuro, aqueles homens saíram. Porém ela os tinha feito subir ao eirado, e os tinha escondido entre as canas do linho, que pusera em ordem sobre o eirado.

Hebreus 11:28-29

Hebreus 11:28-29 - Pela fé celebrou a páscoa e a aspersão do sangue, para que o destruidor dos primogênitos lhes não tocasse. Pela fé passaram o Mar Vermelho, como por terra seca; o que intentando os egípcios, se afogaram.
PELA FÉ CELEBROU A PÁSCOA. Este evento está registrado no décimo segundo capítulo do livro de Êxodo. Senão vejamos Êxodo 12:11 - Assim pois o comereis: Os vossos lombos cingidos, os vossos sapatos nos pés, e o vosso cajado na mão; e o comereis apressadamente; esta é a páscoa do Senhor. A celebração da páscoa foi um ato de fé dos filhos de Israel, simbolizando a mudança de vida, com a saída da escravidão, e a conquista da independência daquela nação, tomando posse da terra prometida, Canaã.

E A ASPERSÃO DO SANGUE. O texto diz o seguinte: Êxodo 12:5-7 - O cordeiro será sem mácula, um macho de um ano, o qual tomareis das ovelhas. E o guardareis até ao décimo quarto dia deste mês, e todo o ajuntamento da congregação de Israel o sacrificará à tarde. E tomarão do sangue, e pô-lo-ão em ambas as ombreiras, e na verga da porta, nas casas em que o comerem. Este ato já apontava para o Cordeiro de Deus, Jesus Cristo.

PARA QUE O DESTRUIDOR DOS PRIMOGÊNITOS. O autor esta falando de Êxodo 12:12,29 - E eu passarei pela terra do Egito esta noite, e ferirei todo o primogênito na terra do Egito, desde os homens até aos animais; e em todos os deuses do Egito farei juízos. Eu sou o Senhor. E aconteceu, à meia noite, que o Senhor feriu a todos os primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito de Faraó, que se sentava em seu trono, até ao primogênito do cativo que estava no cárcere, e todos os primogênitos dos animais.

LHES NÃO TOCASSEM. Já esta parte, se encontra em Êxodo 12:13-14 - E aquele sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; vendo eu sangue, passarei por cima de vós, e não haverá entre vós praga de mortandade, quando eu ferir a terra do Egito. E este dia vos será por memória, e celebrá-lo-eis por festa ao Senhor; nas vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo. Os primogênitos de Israel foram todos poupados.

PELA FÉ PASSARAM O MAR VERMELHO. Este foi um grande ato de fé dos filhos de Israel, em demonstração de que eles estavam deixando para traz uma vida de humilhação em busca de uma vida melhor, porque Deus estava fazendo cumprir a promessa feita aos patriarcas Abraão, Isaque e a Jacó. Conforme (Êxodo 14:15-26). Louvado seja Deus.

COMO POR TERRA SECA. Disse o Senhor a Moisés Êxodo 12:16,21 - E tu, levanta a tua vara, e estende a tua mão sobre o mar, e fende-o, para que os filhos de Israel passem pelo meio do mar em seco. Então Moisés estendeu a sua mão sobre o mar, e o Senhor fez retirar o mar por um forte vento oriental toda aquela noite; e o mar tornou-se em seco, e as águas foram partidas. O Deus de Israel é Deus de milagres, hoje e para todo o sempre.

O QUE INTENTANDO OS EGÍPCIOS, SE AFOGARAM. Êxodo 14:27-28 - Então Moisés estendeu a sua mão sobre o mar, e o mar retornou a sua força ao amanhecer, e os egípcios, ao fugirem, foram de encontro a ele, e o Senhor derrubou os egípcios no meio do mar. Porque as águas, tornando, cobriram os carros e os cavaleiros de todo o exército de Faraó, que os haviam seguido no mar; nenhum deles ficou. Deus abete seus inimigos.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Hebreus 11:26-27

Hebreus 11:26-27 - Tendo por maiores riquezas o vitupério de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa. Pela fé deixou o Egito, não temendo a ira do rei; porque ficou firme, como vendo o invisível.
TENDO POR MAIORES RIQUEZAS. No caso de permanecer no Egito, poderia ser que Moisés tivesse uma vida de muito luxo, banquetes, festas, dinheiro para gastar naquilo que bem intendesse, basta ser que era filho da filha de Faraó. Todavia, nada disto encheu os olhos de Moisés, nem ele se deixou dominar pelos prazeres desta vida passageira, porque nos seus conceitos, as maiores riquezas era fazer a vontade de Deus e executar a sua vontade. E terminou sua linda história como um grande legislador do povo judeu.

O VITUPÉRIO DE CRISTO. Há quem diga que Moisés fosse, já em sua época, uma tipologia de Cristo. E na realidade ele deixou os grandes privilégios de que já disponha, ocupando posições extremamente elevadas diante do povo do Egito, escolhendo antes sofrer pelo povo de Deus. Com Cristo foi, além disto, porque sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se de se mesmo, tomando a forma de servo.

DO QUE OS TESOUROS DO EGITO. Moisés escolheu viver isolado durante quarenta anos nos desertos de Midiã, depois voltou ao Egito para tirar o povo de Deus da escravidão, depois passou mais quarenta anos perambulando pelos desertos. Do que escolher os tesouros do Egito, como filho da filha de Faraó, tendo a possibilidade real de ser um dos grandes reis daquelas dinastias. E como príncipe teria todas as riquezas da realeza.

PORQUE TINHA EM VISTA A RECOMPENSA. Esta recompensa da qual fala o autor, não diz respeito a riquezas materiais, até porque a escolha que Moisés fez teve humanamente falando prejuízos financeiros para ele. Mas o escritor esta se referindo as recompensas espirituais da parte de Deus, é tanto que, ele foi compensado pelo Senhor com poder, com privilégios de deixar sua linda biografia gravada na história da humanidade.

PELA FÉ DEIXOU O EGITO. O autor se refere à saída de Moisés do Egito, quando ele partiu para Midiã, depois de ter defendido o seu irmão hebreu, dos seus opressores egípcios. Este foi um ato de fé, porque Moisés estava deixando todos os privilégios por um deserto de difíceis provações. Midiã foi um deserto de grandes experiências para Moisés, porque foi naquele lugar que o Senhor o preparou para uma grande missão, tirar o povo do Egito.

NÃO TEMENDO A IRA DO REI. Por que a ira do rei? A primeira hipótese seria a de que o rei poderia ter ficado sabendo que Moisés matou um egípcio para defender um escravo hebreu, o que seria um problema para Moisés. E segunda hipótese seria a de que Moisés teria traído a nação do Egito, se negando a ser o sucessor do rei, isso porque ele era príncipe, e no momento certo, seria empossado como rei naquele país.

PORQUE FICOU FIRME, COMO VENDO O INVISÍVEL. Ao que se percebe, Moisés era uma homem de visão divina, e isso ficou bem claro, quando ele escolheu antes seguir as orientações do Espírito de Deus, que desde jovem já o guiava rumo a fazer uma grande obra em favor do povo de Deus, os hebreus. Ele via de antemão o cumprimento da promessa feita a Abraão de que, a terra de Canaã seria dada aos filhos de Israel.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Hebreus 11:24-25

Hebreus 11:24-25 - Pela fé Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó. Escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus, do que por um pouco de tempo ter o gozo do pecado.
PELA FÉ MOISÉS. Esta é a fé que fez com que Moisés tivesse uma visão futura de sua missão com os filhos de Israel, ao ponto de não se deixar levar pelas circunstâncias momentâneas de se sair bem na foto, frente ao que lhe estava exposto com a família real. A fé nos leva a viver de esperança de dias melhores, desde que renunciemos as coisas deste mundo que trazem prazeres momentâneos e de aparentes vantagens.

SENDO JÁ GRANDE, RECUSOU SER CHAMADO. A tradição judaica neste particular nos faz saber que Moisés ao chegar a uma certa maturidade, ainda que em sua adolescência, foi posta em sua cabeça uma coroa, simbolizando a possibilidade dele se tornar rei quando se tornasse adulto, mas ele se recusou a usar tal coroa, jogando-a sobre o chão. Há quem diga que, o adolescente já tinha suas convicções formadas sobre sua missão mais importante como representante de Deus, na libertação dos hebreus da terra do Egito.

FILHO DA FILHA DE FARAÓ. Se recusar ser filho da filha de Faraó era a mesma coisa que renunciar a possibilidade de se tornar um monarca poderoso da terra do Egito. Humanamente falando, qualquer uma pessoa de bom senso teria classificado Moisés de louco, uma vez que, ele estava diante da chance de se tornar uma pessoa de grande posição, com grandes poderes diante de uma nação, renunciando a muitos prestígios.

ESCOLHENDO ANTES SER MALTRATADO. A atitude de Moisés foi o resultado de um amadurecimento espiritual dos heróis da fé, que não vai pela aparente vantagem nas coisas desta vida. Na realidade, entre a vantagem e a desvantagem, o grande legislador estava optando pela desvantagem. No entanto, olhando para o resultado final, se percebe que Moisés tomou a decisão certa, passando a viver pelos planos de Deus.

COM O POVO DE DEUS. Com a morte do rei que conhecia a José, os filhos de Israel passaram a ser maltratados pelas autoridades do Egito, porque o rei argumentava que os hebreus se multiplicando poderiam mais tarde se rebelarem contra os egípcios e até tomarem o reino. Isso esta registrado em (Êxodo 1:8-14), que trata justamente dos maus tratos que os hebreus passaram a ter, depois da morte de José, filho de Jacó.

DO QUE POR UM POUCO DE TEMPO. A filha de Faraó passou a criar a Moisés como se fosse seu próprio filho, porque era um menino muito formoso, o que o fazia se distinguir como futuro rei do Egito. De forma que, por enquanto, ele contava com os favores reais, até quando, não se sabia, porque poderia durar isso pela vida toda, ou se descobrissem que ele era hebreus, ser deposto do trono e morrer por traição ao Egito.

TER O GOZO DO PECADO. Se Moisés continuasse sendo levado pelas circunstâncias, que de princípio lhe eram favoráveis, poderia viver uma vida de luxúria e de muitas regalias, praticando as concupiscências da carne e sendo dominado pela soberba da vida. Geralmente os príncipes viviam uma vida mergulhada nos prazeres sexuais, com quantas mulheres desejassem, bem como uma vida de vícios, dominados pelos prazeres da carne.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Hebreus 11:23

Hebreus 11:23 - Pela fé Moisés, já nascido, foi escondido três meses por seus pais, porque viram que era um menino formoso; e não temeram o mandamento do rei.
PELA FÉ. A fé nos movimenta em direção a concretizar os planos de Deus em nossas vidas, porque esta mesma fé nos faz ver que o Senhor sempre tem o melhor para nós. Esta fé que nos aproxima de Deus nos faz renunciar as coisas do mundo, que aparentemente são boas, mas que não tem como comparar com as melhores bênçãos que Deus tem preparado para os seus filhos. Portanto, viver pela fé é a melhor opção.

MOISÉS. Até o momento, o autor tem falado de grandes nomes como heróis da fé e ainda há de citar outros tanto, porem, sua lista estaria incompleta se não escrevesse sobre este grande homem de Deus, principalmente para os hebreus. Moisés teve uma importância fundamental para o povo de Israel, porque foi por meio dele que os hebreus se libertaram do Egito, da casa da servidão. Também porque foi por meio dele que os judeus receberam a lei, que para o tempo da velha dispensação, também foi muito importante.

JÁ NASCIDO. O autor traz a memória dos seus leitores, os hebreus, o que ocorreu em Êxodo 2:1-10, que fala justamente sobre o nascimento de Moisés e como ele foi poupado com vida. E aprendemos com este evento, envolvendo o nascimento de Moisés, que tem casos específicos, em que Deus predestinou o seu servo Moisés, para uma grande tarefa a ser executada por meio de sua vida, por isso ele foi poupado da morte em meio a crise.

FOI ESCONDIDO POR TRÊS MESES. Êxodo 2:1-2 - E foi um homem da casa de Levi e casou com uma filha de Levi. E a mulher concebeu e deu à luz um filho; e, vendo que ele era formoso, escondeu-o três meses. Mas, porque o menino teve que ser escondido durante este tempo? Porque havia uma determinação do rei do Egito de que as parteiras matassem os meninos hebreus, para que os filhos de Israel não se multiplicassem.

POR SEUS PAIS. Naturalmente, há um sentimento dos progenitores na proteção de suas crias, o que não poderia ser diferente com os pais de Moisés. Mas, acima de tudo, porque os seus pais perceberam que, aquele menino era diferente, e que Deus tinha um grande segredo com aquele recém-nascido. A verdade é que Deus estava dirigindo o destino do menino, porque era por demais importante, sua missão diante do Senhor.

PORQUE VIRAM QUE ERA UM MENINO FORMOSO. Os povos antigos tinham suas superstições e com os hebreus não era diferente. Quando os pais de Moisés perceberam de que o menino era formoso, logo imaginaram de que ele tinha o aspecto de ser no futuro um grande homem. Pelo aspecto físico, certamente agraciado com grande beleza, os seus pais receberam de Deus, a intuição de que Moisés era um menino especial.

E NÃO TEMERAM O MANDATO DO REI. Mesmo correndo risco de vida, mas os pais do menino Moisés não pouparam esforços para guardar a vida daquele menino. Havia um decreto que teria de ser cumprido Êxodo 1:15-16 - E o rei do Egito falou às parteiras das hebreias (das quais o nome de uma era Sifrá, e o da outra Puá). E disse: Quando ajudardes a dar à luz às hebreias, e as virdes sobre os assentos, se for filho, matai-o; mas se for filha, então viva. Eles poderiam até morrer, mas o menino tinha que escapar.

Hebreus 11:22

Hebreus 11:22 - Pela fé José, próximo da morte, fez menção da saída dos filhos de Israel, e deu ordem acerca de seus ossos.
PELA FÉ. Esta é a fé que faz ver ao longe, como se já estivesse acontecendo agora, por isso que na sua definição do versículo primeiro deste capítulo, chama a fé de prova das coisas que não se veem com os olhos físicos. A fé tem o poder criativo, porque ele cria novas situações que se tornam favoráveis na vida daqueles que exercitam a vida de fé. Na nova dispensação da graça, o remido de Cristo tem o privilégio de ver coisas novas acontecerem em seu favor, por meio da sua fé, uma vez que, tudo é possível ao que crer.

JOSÉ. Este José, filho de Jacó deixou registrada uma história de superação em meio aos desafios que muitas vezes a vida proporciona na vida de um servo de Deus. Ele foi rejeitado e traído pelos seus próprios irmãos, vendido como escravo e levado para uma terra de aflições. Mas, como a mão de Deus era com ele, então o Senhor fez prosperar mesmo em meio as grandes contrariedades. Deus o exaltou na terra de suas aflições.

PRÓXIMO DA MORTE. Gênesis 50:22-23,26 - José, pois, habitou no Egito, ele e a casa de seu pai; e viveu José cento e dez anos. E viu José os filhos de Efraim, da terceira geração; também os filhos de Maquir, filho de Manassés, nasceram sobre os joelhos de José. E morreu José da idade de cento e dez anos, e o embalsamaram e o puseram num caixão no Egito. José foi abençoado no Egito, e com ele também todos os seus familiares.

FEZ MENÇÃO DA SAÍDA. O autor faz menção do que está escrito em Gênesis 50:24 - E disse José a seus irmãos: Eu morro; mas Deus certamente vos visitará, e vos fará subir desta terra à terra que jurou a Abraão, a Isaque e a Jacó. Pela fé José tinha certeza de que o seu Deus, no momento certo, cumpriria sua promessa feita aos seus antepassados Abraão, Isaque e seu pai Jacó, de tirar os seus irmãos da terá da servidão, o Egito.

DOS FILHOS DE ISRAEL. A promessa de tirar do cativeiro os filhos de Israel e os colocar na terra de Canaã estava de pé, porque Deus permanecia fiel a sua palavrava dada. Essa era a promessa: Gênesis 12:7 - E apareceu o Senhor a Abrão, e disse: À tua descendência darei esta terra. E edificou ali um altar ao Senhor, que lhe aparecera. Gênesis 13:14-15 - E disse o Senhor a Abrão, depois que Ló se apartou dele: Levanta agora os teus olhos, e olha desde o lugar onde estás, para o lado do norte, e do sul, e do oriente, e do ocidente. Porque toda esta terra que vês, te hei de dar a ti, e à tua descendência, depois de ti.

E DEU ORDEM. Gênesis 50:25 - E José fez jurar os filhos de Israel, dizendo: Certamente vos visitará Deus, e fareis transportar os meus ossos daqui. José tinha consigo a certeza de que as mesmas promessas que foram feitas a Abraão, Isaque e a Jacó teriam seu fiel cumprimento. Uma vez que, quem fez a promessa não foi um deus morto, mas sim, um Deus vivo, que trabalha por aqueles que nele esperam, conforme a sua palavra.

ACERCA DE SEUS OSSOS. Nesta colocação feita pelo escritor também se ver a esperança de José quanto à vida após a morte ou a subsistência da alma a morte física. Os antigos acreditavam que a vida estava dentro dos ossos, porque é a parte do corpo mais forte. Eis a razão porque os antigos embalsamavam os corpos dos mortos, como foi o caso de José.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Hebreus 11:20-21

Hebreus 11:20-21 - Pela fé Isaque abençoou Jacó e Esaú, no tocante às coisas futuras. Pela fé Jacó, próximo da morte, abençoou cada um dos filhos de José, e adorou encostado à ponta do seu bordão.
PELA FÉ ISAQUE. Não somente o patriarca Abraão foi um homem de fé, mas o seu filho Isaque seguiu o seu exemplo de fé monoteísta, crendo verdadeiramente no Deus Criador de todas as coisas. Certamente seu Pai Abraão lhe contou a forma milagrosa como foi o seu nascimento, em que sua mãe já era de noventa anos e ele já era de cem anos, quando o seu Deus cumpriu a poderosa promessa de lhe dar um filho herdeiro, que era Isaque.

ABENÇOOU JACÓ E ESAÚ. Gênesis 27:27,30,38 - E chegou-se, e beijou-o; então sentindo o cheiro das suas vestes, abençoou-o, e disse: Eis que o cheiro do meu filho é como o cheiro do campo, que o Senhor abençoou E aconteceu que, acabando Isaque de abençoar a Jacó, apenas Jacó acabava de sair da presença de Isaque seu pai, veio Esaú, seu irmão, da sua caça. E disse Esaú a seu pai: Tens uma só bênção, meu pai? Abençoa-me também a mim, meu pai. E levantou Esaú a sua voz, e chorou. Jacó ficou com a bênção de Esaú.

NO TOCANTE AS COISAS FUTURAS. Sobre Jacó: Gênesis 27:28 - Assim, pois, te dê Deus do orvalho dos céus, e das gorduras da terra, e abundância de trigo e de mosto. Sirvam-te povos, e nações se encurvem a ti; sê senhor de teus irmãos, e os filhos da tua mãe se encurvem a ti; malditos sejam os que te amaldiçoarem, e benditos sejam os que te abençoarem. No caso de Esaú: Gênesis 27:39 - Então respondeu Isaque, seu pai, e disse-lhe: Eis que a tua habitação será nas gorduras da terra e no orvalho dos altos céus.

PELA FÉ JACÓ. O patriarca Jacó não poderia ser diferente dos seus antepassados Abraão e Isaque seu pai. Ele seguiu a mesma fé monoteísta de Abraão seu avô e de seu pai Isaque. E nada mais nobre do que no final da sua vida testemunhar desta sua fé a um dos seus filhos mais ilustre, que foi José, filho de Jacó, que foi exaltado no Egito.

PRÓXIMO DA MORTE. Gênesis 48:1-3 - E aconteceu, depois destas coisas, que alguém disse a José: Eis que teu pai está enfermo. Então tomou consigo os seus dois filhos, Manassés e Efraim. E alguém participou a Jacó, e disse: Eis que José teu filho vem a ti. E esforçou-se Israel, e assentou-se sobre a cama. E Jacó disse a José: O Deus Todo-Poderoso me apareceu em Luz, na terra de Canaã, e me abençoou, últimas palavras de Jacó.

ABENÇOOU CADA UM DOS FILHOS DE JOSÉ. Gênesis 48:8-10 - E Israel viu os filhos de José, e disse: Quem são estes? E José disse a seu pai: Eles são meus filhos, que Deus me tem dado aqui. E ele disse: Peço-te, traze-mos aqui, para que os abençoe. Os olhos de Israel, porém, estavam carregados de velhice, já não podia ver; e fê-los chegar a ele, e beijou-os, e abraçou-os. Estes eram Manassés e Efraim, que nasceram de José no Egito.

E ADOROU ENCOSTADO À PONTA DO SEU BORDÃO. Apesar do texto citado pelo ator não falar em bordão, mas em cama. Gênesis 49:33 - Acabando, pois, Jacó de dar instruções a seus filhos, encolheu os pés na cama, e expirou, e foi congregado ao seu povo. Já velho e cansado, Jacó pegou do seu bordão e em postura de profeta, abençoou os seus descendentes e terminou sua jornada adorando ao senhor. Até mesmo no final de sua peregrinação sobre a terra, o patriarca Jacó deixou o exemplo de homem de fé.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Hebreus 11:18-19

Hebreus 11:18-19 - Sendo-lhe dito: Em Isaque será chamada a tua descendência, considerou que Deus era poderoso para até dentre os mortos o ressuscitar. E daí também em figura ele o recobrou.
SENDO-LHE DITO: EM ISAQUE. O autor continua no caso de Abraão e o filho da promessa de quem fala Abraão com Deus Gênesis 15:1-3 - Depois destas coisas veio à palavra do Senhor a Abrão em visão, dizendo: Não temas, Abrão, eu sou o teu escudo, o teu grandíssimo galardão. Então disse Abrão: Senhor Deus, que me hás de dar, pois ando sem filhos, e o mordomo da minha casa é o damasceno Eliézer? Disse mais Abrão: Eis que não me tens dado filhos, e eis que um nascido na minha casa será o meu herdeiro.

SERÁ CHAMADA A TUA DESCENDÊNCIA. Deus responde a Abraão: Gênesis 15:4-6 - E eis que veio a palavra do SENHOR a ele dizendo: Este não será o teu herdeiro; mas aquele que de tuas entranhas sair, este será o teu herdeiro. Então o levou fora, e disse: Olha agora para os céus, e conta às estrelas, se as podes contar. E disse-lhe: Assim será a tua descendência. E creu ele no Senhor, e imputou-lhe isto por justiça.

CONSIDEROU QUE DEUS. De volta ao texto de Gênesis 22:5 - E disse Abraão a seus moços: Ficai-vos aqui com o jumento, e eu e o moço iremos até ali; e havendo adorado, tornaremos a vós. As palavra de Abraão aos seus moços, “iremos até ali; e havendo adorado, tornaremos para vós”. Dá a entender que ele tinha fé no milagre da parte de Deus, a fim de que se necessário fosse, depois do holocausto, ressuscitar seu filho Isaque.

ERA PODEROSO. O próprio nascimento de Isaque já era prova o suficiente da parte de Deus, que tudo o mais o Senhor poderia fazer para cumprir a promessa na vida do menino. Onde se viu uma mulher com noventa anos e um homem com cem anos gerarem filhos? Pois foi justamente o que aconteceu para que Deus cumprisse sua promessa ao patriarca Abraão, de que, em Isaque, o Senhor iria fazer uma grande nação, Israel.

PARA ATE DENTRE OS MORTOS. Até o momento, as Escrituras não falavam sobre o caso de ressurreição de mortos, mas certamente o caso de Enoque, que foi transladado para não ver a morte, era conhecido de Abraão, e isso, é bem provável que o patriarca acreditava que havia vida, além desta existência terrena. Assim sendo, ele acreditava que, se necessário fosse, Deus ressuscitaria de entre os mortos a seu filho Isaque.

O RESSUSCITAR. No entanto, em linhas gerais, dentro do próprio Velho Testamento havia crenças de que um morto poderia voltar de entre os mortos e ressuscitar. Apensar desta crença já ser bem avançada na cultura religiosa e no tempo da história dos hebreus. Agora, já dentro do tempo do Novo Testamento, isso foi uma realidade recorrente no ministério de Cristo e no tempo subsequente dos seus apóstolos, assim como hoje.

E DAÍ TAMBÉM EM FIGURA ELE O RECOBROU. O texto não contém essa cobrança da parte de Abraão para com o seu Deus, mas o escritor fala em termos de alegoria, o que nos dias de hoje se pode chamar de ilustração, o que certamente havia na cultura dos hebreus algum tipo de parábola neste sentido. Quando se fala em figura é a mesma coisa que uma parábola, que o próprio Senhor Jesus usou bastante em seu ministério.

sábado, 10 de junho de 2017

Hebreus 11:17

Hebreus 11:17 - Pela fé ofereceu Abraão a Isaque, quando foi provado; sim, aquele que recebera as promessas ofereceu o seu unigênito.
PELA FÉ. O autor continua destacando a vida de confiança dos heróis da fé, ainda do tempo da velha dispensação, para justificar a vida de fé dos cristãos do tempo da nova dispensação. Como em toda esta carta, o escritor vem desmontando os elementos da antiga dispensação, mostrando que Cristo é superior a todas as personagens da antiga dispensação bem como os elementos da nova dispensação da graça são melhores do que da antiga. Como neste capítulo onze, quem entra em destaque é justamente a fé cristã.

OFERECEU. Neste caso, o autor mostra mais um exemplo de fé do patriarca Abraão, que era uma figura central para a nação de Israel e para os leitores hebreus desta carta, bem como para nós os cristãos que temos Abraão como o pai dos que creem. Este caso narrado pelo escritor diz respeito ao que ocorreu no capítulo vinte e dois do livro de Gênesis, como sendo a grande prova de fé de Abrão, quando teve que oferecer seu filho.

ABRAÃO A ISAQUE. O patriarca Abraão foi uma das personagens do Velho Testamento que mais se destacou como um homem de fé, desde o primeiro momento quando teve que deixar sua parentela e o lugar onde morava, Ur dos Caldeus, para passar a peregrinar em terras aleias, baseado em uma promessa da parte do seu Deus. Isaque foi o filho de Abrão que nasceu de um milagre, uma vez que, seus pais já eram velhos em idade.

QUANDO FOI PROVADO. Gênesis 22:1-2 - E Aconteceu depois destas coisas, que provou Deus a Abraão, e disse-lhe: Abraão! E ele disse: Eis-me aqui. E disse: Toma agora o teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá, e oferece-o ali em holocausto sobre uma das montanhas, que eu te direi. Imagina a dor que sentiu o patriarca Abraão, em ter que oferecer em sacrifício seu filho primogênito e herdeiro.

SIM, AQUELE QUE RECEBEU. No caso de Abraão, o Isaque, como seu Filho primogênito, filho de sua legítima esposa tinha uma importância fundamental na estrutura familiar, porque ele seria o herdeiro de todos os bens adquiridos pelo patriarca, que se tornara um homem rico, poderoso e prospero. De forma que, perder este filho seria uma decepção profunda para Abraão, porque em Isaque estava a sua esperança de posteridade.

A PROMESSA. Essa promessa se cumpriria em Isaque. Gênesis 12:2 - E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção. Gênesis 15:4-5 - E eis que veio a palavra do Senhor a ele dizendo: Aquele que de tuas entranhas sair, este será o teu herdeiro. Então o levou fora, e disse: Olha agora para os céus, e conta às estrelas, se as podes contar. E disse-lhe: Assim será a tua descendência.

OFERECEU O SEU PRIMOGÊNITO. Apesar de haver da parte de Sara e do próprio Abraão precipitação, com o caso da Egípcia Agar, de quem nasceu Ismael, porem, não era o legítimo herdeiro de Abraão. Mas como Deus tinha dado a sua palavra, nasceu por um milagre o verdadeiro herdeiro e primogênito, Isaque. Que neste momento de provação, agora, o patriarca corria o risco de perdê-lo. No entanto, no final das contas, aprendemos que tudo, não passou de mais um teste da fé de Abraão, o grande amigo de Deus.