Pesquisar este blog

terça-feira, 27 de junho de 2017

Hebreus 12:9

Hebreus 12:9 - Além do que, tivemos nossos pais segundo a carne, para nos corrigirem, e nós os reverenciamos; não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos, para vivermos?
ALÉM DO QUE, TIVEMOS NOSSOS PAIS. O autor fala sobre um assunto de muita importância para os seus leitores, que é justamente a nossa filiação com Deus e a forma como o nosso Pai celeste nos corrige quando é necessário, para o nosso próprio bem. E o interessante é que ele aborda o assunto de tal maneira que ninguém ficará sem entender, porque todas as pessoas convivem durante um bom tempo de sua vida com tais experiências, que é efetivamente, sob as ordens dos pais, e como eles cuidam e ensinam.

SEGUNDO A CARNE. Este é o nascimento natural, sobre o qual fala o evangelho de (João 1:13), que é o nascimento do sangue, da vontade da carne e do homem. Todo ser humano natural tem os seus progenitores que são os seus pais biológicos, fruto do sagrado casamento de um homem com uma mulher, isso quando está de acordo com a palavra de Deus. Mas também existem os pais que adotam crianças e são pais também.

PARA NOS CORRIGIREM. Feita a introdução, o escritor retoma o seu tema que é a forma como os pais que são responsáveis criam seus filhos e filhas, conforme os bons costumes e tradições das boas famílias e da sociedade. O bom pai é aquele que acompanha o crescimento e desenvolvimento dos seus filhos, sempre procurando lhes guiar pelos bons caminhos da vida, para isso, muitas vezes esses pais tem que aplicar a correção.

E NÓS OS REVERENCIAMOS. O autor fala do respeito que os filhos devem ter pelos seus progenitores, principalmente no que diz respeito ao temor devido. Infelizmente, nos dias atuais isso tem perdido a sua essência, pelo fato de que uma geração rebelde tem desconsiderado o respeito que se deve aos pais. Porem, dentro da estrutura familiar dos hebreus, o temor aos pais era algo indispensável, e sobre isso ensinava a lei de Moisés.

NÃO NOS SUJEITAMOS MUITO MAIS. Agora, o escritor chama a atenção dos seus leitores sobre um dever supremo, não somente dos hebreus, mas de todos os habitantes da terra. Se de acordo com os costumes sociais os filhos devem ter respeito para com os seus pais, muito mais, devem os seres humanos de um modo geral se sujeitarem ao Criador de todas as coisas, ele que é juiz dos vivos e dos mortos, e que pede conta de tudo.

AO PAI DOS ESPÍRITOS. Como o autor esta se referindo a relação entre pais e filhos, com destaque da reverência devida dos filhos para com seus pais, então, o escritor coloca a palavra Pai, com “P” maiúsculo se referindo a Deus, como sendo ele Pai dos espíritos. Já a palavra espírito está com a inicial minúscula se referindo ao espírito que está em cada um dos seres humanos, e não ao Espírito de Deus. Todo ser humano tem um espírito.

PARA VIVERMOS? Essa é uma exortação forte, no sentido de fazer com que os hebreus refletissem na responsabilidade que tinham de aceitarem a correção do Senhor como sendo ensinos educativos, no tocante a levar os filhos de Deus à santidade, o crescimento e desenvolvimento espiritual, e por fim, a perfeição e glorificação futura. Todo aquele que aceita de bom grado a correção do Pai celeste só tem a ganhar com a vida plena.

Nenhum comentário:

Postar um comentário